Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Cristina Brito Arcoverde

Ciências Agrárias

Engenharia Agrícola
  • avaliação de processos de implementação do programa criança feliz nos municípios da região metropolitana do recife
  • A presente proposta de pesquisa elege como objeto de estudo a eficácia do Programa Criança Feliz, com enfoque na avaliação de processo de implementação e capacitação dos seus agentes executores, visando atender à chamada do CNPq/Ministério da Cidadania Nº 30/2019. Nessa direção, constitui-se como objetivo geral avaliar os processos de implementação do Programa Criança Feliz nos municípios da Região Metropolitana do Recife, o que se concretizará por meio de sua caracterização e de seus determinantes contextuais, qualificação e quantificação das equipes de trabalho presentes nos 14 municípios que compõem a Região Metropolitana do Recife e verificação das condições de implementação e capacitação de suas equipes. O Programa Criança Feliz, instituído através do Decreto nº 8.869, de 5 de outubro de 2016, no Brasil (BRASIL, 2016b),e coordenado pelo Ministério da Cidadania – vinculado à Secretaria Especial do Desenvolvimento Social visa promover o desenvolvimento integral das crianças na primeira infância. Trata-se de uma importante iniciativa do Governo Federal para ampliar a rede de atenção e o cuidado integral das crianças, considerando sua família e seu contexto de vida. O Programa foi proposto para exercer um papel imprescindível na sociedade, no sentido de promover e defender os direitos das crianças, no âmbito da política de assistência social, e assim ampliar as políticas que promovam o desenvolvimento integral da primeira infância. Como programa de uma política social requer avaliação desde sua proposição e mesmo durante sua implementação, completando o ciclo das políticas, quando acompanha a exequibilidade de suas metas, indicadores de eficácia com recorte na capacitação de seus agentes executores. A pesquisa avaliativa proposta fará uma análise em profundidade, particularizando o corpo técnico e o atendimento do público-alvo. Para a operacionalização da pesquisa exploratória, explicativa, avaliativa e interpretativa serão utilizados procedimentos metodológicos quantitativos e qualitativos (triangulação de métodos) obedecendo as regras de cientificidade das ciências sociais aplicadas (universo/amostra). Pretende-se assim, desvelar a qualidade da relação de coerência entre os objetivos e metas do Programa Criança Feliz e a capacitação pensada, realizada e requerida junto e com os seus agentes executores. Dois eixos centralizam a análise de conteúdo, a saber: implementação e capacitação orientados pela categoria analítica de contexto eficácia. Trabalharemos com os 14 municípios da Região Metropolitana do Recife que executam o Programa Criança Feliz, bem como com suas equipes de execução. A coleta de dados direta mediante entrevista com roteiro previamente elaborado será precedida da busca de dados quantitativos e qualitativos disponibilizados pelos sites oficiais dos municípios e órgãos estatísticos, como IBGE, Ministério da Cidadania. Constituem produtos previstos: o perfil dos municípios e seus determinantes, os processos de implementação do programa nos municípios e a qualificação da relação entre os objetivos estabelecidos e metas alcançadas pelo programa transformados em relatórios e publicações.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 06/01/2020-31/12/2020
Foto de perfil

Ana Cristina de Almeida Fernandes

Ciências Sociais Aplicadas

Planejamento Urbano e Regional
  • 35 anos da política de informática (1984-2019) uma visão crítica da "modernização sem mudança" no país da desigualdade
  • O progresso técnico traz consigo perigos inerentes que põem em risco a própria reprodução da humanidade e da natureza (a exemplo das tecnologias da guerra, entre tantas outras). Sua “naturalização" por ideologias positivistas no mundo contemporâneo requer, portanto, o enfrentamento do fenômeno numa perspectiva crítica, para a qual as contribuições das ciências humanas são necessárias. Parte do arcabouço teórico em que se sustenta a presente proposta de pesquisa, compreende o “pessimismo revolucionário” de Benjamin (1978), Ellul (1965) e Habermas (1967), o qual pode causar estranhamento aos defensores da “cultura oficial” introjetada na política de CT&I contemporânea, mas a estes não escapará o reconhecimento de que as mudanças disruptivas decorrentes da chamada Quarta Revolução Industrial, cujas tecnologias digitais, de inteligência artificial, automação e robótica, biotecnologia e edição de DNA, novos materiais e a convergência entre várias delas, vêm provocando impactos extraordinários no mundo do trabalho (FREY; OSBORNE, 2013), na produção industrial, nos serviços e na agricultura (WEF, 2018) e mesmo nas formas de vida no planeta (DAS, 2017). Ao longo deste processo de tecnificação, o progresso técnico desenvolveu e aperfeiçoou capacidades e competências, racionalidades, valores e padrões de comportamento que, enfim, produziram um tipo de organização social favorável à sua reprodução ampliada e que transcendem a esfera econômica. É neste contexto avançado do progresso técnico que o termo inovação vai se destacar, assim como o enfoque sistêmico com que tem sido observado pelo olhar do cientista social contemporâneo, e incorporado ao campo das políticas públicas. Nas economias de mercado, o valor atribuído às capacidades inovativas das empresas cresce à medida que são compreendidas como fator primordial da ideia de desenvolvimento (aquela derivada da racionalidade própria do progresso técnico). E como tais capacidades não são igualmente distribuídas no território, sendo intrinsicamente associadas à formação econômico-territorial sobre a qual se forjou e se reproduzem os diferentes contextos socioeconômicos, concentram-se, portanto, em poucos países e regiões. Constitui-se uma divisão de trabalho entre os que lideram a produção continuada de novas técnicas e induzem sua extensiva difusão àqueles outros onde são replicadas e consumidas, como observa Furtado (1977). Tal divisão de trabalho se evidencia particularmente nas chamadas Grandes Ondas Kondratieff que marcam a emergência e difusão de paradigmas tecnológicos de abrangência universal. Definidoras da quinta Grande Onda, ou 5º. Kondratieff, e permanecendo centrais no 6º Kondratieff que já se avizinha na visão de muitos analistas, as tecnologias de informação e comunicação (TIC) podem ser consideradas indutoras da "evolução" desse processo de tecnificação no sentido do aprofundamento da digitalização da sociedade, da economia e mesmo da vida. Sua importância neste processo tem sido traduzida em políticas públicas de CT&I nos quatro cantos do planeta, que as entendem como paradigma tecnológico que, por pervasivo e emergente, abre oportunidades a novos atores econômicos, setores industriais, mobilizando esforços e investimentos públicos e privados, acadêmicos e empresariais (FERNANDES; MELO, 2017). No Brasil não é diferente, observando-se movimento crescente que compreendeu empresários, parlamentares e pesquisadores em torno do desenvolvimento de uma indústria brasileira de informática ainda na primeira metade dos anos 1970, movimento que culmina com a promulgação da "Política Nacional de Informática" (Lei no. 7.232/84), em 1984. Para promoção da indústria de informática no país, de hardware e de software, a política acompanhou originalmente a lógica da industrialização por substituição de importações prevalecente então no Brasil. Em 1991, com a abertura comercial, a PNI é alterada significativamente pela “nova lei de informática” (8.248/91), abolindo qualquer tratamento diferenciado às empresas de capital nacional, retirando as restrições às importações e focando no estímulo fiscal (isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados à indústria de informática e no investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Em contrapartida, a empresa devia aplicar o equivalente a, no mínimo, 5% do faturamento bruto em P&D no país. Desse total, a empresa deveria aplicar ao menos 2,3% em projetos com universidades ou institutos de pesquisa, sendo o restante aplicado em projetos internos. A nova lei continha também instrumento de política regional, ao direcionar 0,8% dos 2,3% de recursos destinados a P&D externo a instituições de pesquisa localizadas no Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Segundo diversas análises, porém, os resultados têm sido frustrantes. Mesmo tendo naturalizado a tecnificação de todas as esferas da vida, a sociedade está hoje confrontada a desafios éticos e materiais nunca antes colocados pelo progresso técnico, reconhecidos inclusive por seus promotores, como Klaus Schwab, idealizador do Fórum Econômico Mundial. O presente projeto objetiva realizar uma reflexão nesta perspectiva crítica, tomando como estudo de caso a chamada Política Nacional de Informática, criada originalmente em 1984, mas que vem, desde então sendo objeto de diversas alterações que expressam adequação não apenas a mudanças no contexto da globalização desde os anos 1990, mas também a interesses de atores nacionais e estrangeiros que dela se beneficiam. O estudo tem como objetivos específicos construir arcabouço teórico a partir do diálogo entre diferentes contribuições do pensamento nas ciências humanas; caracterizar o contexto espaço-temporal em que ocorre a emergência da política e suas alterações; identificar os principais atores envolvidos, seus interesses e percepções com relação à política de informática brasileira, de modo a levantar neles uma problematização que permita inspirar contribuições ao seu aperfeiçoamento.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina de Souza Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Serviço Social
  • desafios do enfrentamento da aids em pernambuco, em tempos de ajuste neoliberal e desmonte do sistema único de saúde
  • A pesquisa analisa o enfrentamento da epidemia de HIV/Aids em Pernambuco, Nordeste do Brasil, a partir de indicadores de saúde que apontam o crescimento entre homens, a incipiente redução da aids entre mulheres, e o aumento da mortalidade. A tendência mundial aponta para resultados opostos, diante da adoção de diretrizes de prevenção combinada para o enfrentamento da doença e da maior proivisão gratuita de antiretrovirais. Neste estudo, busca-se explorar como as desigualdades sociais e contradições do capitalismo tardio têm implicações no trato da aids em Pernambuco, supondo-se que as variações regionais expressam redução de recursos para HIV/Aids diante do avanço neoliberal, mas também características culturais, socioeconômicas, assimetrias de gênero e raciais, desenho de políticas nacionais, estaduais e municipais, expondo as condições de desigualdade e pobreza da região Nordeste. A pesquisa orienta-se pelo materialismo histórico-dialético, com coleta de dados empíricos sobre as ações desenvolvidas nos serviços públicos voltados para pessoas soropositivas e de prevenção à epidemia entre a população geral e populações-chave. Diante do agravamento da epidemia no Estado, as unidades de análise da pesquisa são os dez municípios com maiores prevalências de HIV/Aids. A reflexão teórico metodológica passa pelas tendências contemporâneas da política social no capitalismo tardio, em que o acesso aos recursos do fundo público destinados às políticas de reprodução social se torna campo de disputa de acumulação de capital, por meio de privatização não-clássica. Para a produção de dados primários serão realizadas entrevistas semi-estruturadas e em profundidade e grupos de discussão. Também será realizada coleta e análise documental de documentos administrativos, técnicos e políticos dos municípios analisados e do Governo do Estado que versam sobre as repostas do Estado. A equipe de pesquisa é formada por pesquisadores situados na academia e trabalhadores dos serviços de referência em HIV/Aids nos municípios, com experiências anteriores de trabalho conjunto, e discentes/pesquisadores em formação de graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado. Pretende-se contribuir para a melhoria dos indicadores de aids em Pernambuco, a partir da discussão dos determinantes do avanço da epidemia, identificando-se os desafios a enfrentar e propondo novas estratégias de enfrentamento à epidemia que, na contramão da história, avança em Pernambuco.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Fermino Soares

Ciências Agrárias

Agronomia
  • nexus: integração caatinga-sisal
  • A degradação e falta de conservação da Caatinga, associados a sistemas produtivos agrícolas não sustentáveis, tem gerado ineficiência produtiva, impacto ambiental, econômico e, principalmente social, sem nenhuma segurança hídrica, energética e alimentar, em regiões que englobam populações com os mais baixos índices de desenvolvimento humano (IDH) do Brasil. O atual sistema produtivo do sisal (Agave sisalana Perrine) no semiárido da Bahia, no bioma Caatinga, se enquadra na situação acima descrita. O projeto propõe desenhos e/ou redesenhos de Sistemas Produtivos Eficientes e Sustentáveis para o sisal integrado à Caatinga, com faixas de diversidade vegetal, com o manejo do banco de sementes nativas e com a introdução de espécies vegetais da Caatinga selecionadas pelo potencial medicinal, melífero e frutífero, com técnicas de conservação de solo e água, acrescentando-se a apicultura aos sistemas produtivos, mediante a instalação de pasto apícola e colônias de abelhas estudadas para esse agroecossistemas. Estes desenhos de sistemas produtivos eficientes se baseiam nas experiências e projetos realizados na região produtora de sisal no bioma Caatinga e no conhecimento e desenvolvimento científico e tecnológico sobre esse bioma e agroecossistemas sustentáveis. Também se propõe o desenho de um agroecossistema para o sisal com faixas de adubos verdes adaptados ao bioma Caatinga e o estudo de fixação biológica de nitrogênio no sentido de incrementar o aporte de nitrogênio e de biomassa no solo, por meio da inoculação e incorporação ao solo de leguminosas e com o estudo de seleção de estirpes eficientes de bactérias fixadoras de nitrogênio em associação com leguminosas da Caatinga. Ao diversificar o sistema de produção, com o uso da biodiversidade local, espera-se que ocorra a retomada da paisagem local, na qual a Caatinga se faz presente e possui espécies únicas, com potencial tanto para bioativos (plantas com potencial medicinal e perspectiva econômica), como para implantação de pasto apícola para exploração melífera e disseminação das espécies da Caatinga. Também árvores frutíferas da Caatinga para produção de frutos e outras plantas adaptadas a região serão usadas para cobertura vegetal do solo, adubação orgânica, para o desenvolvimento de sistemas de plantio de sisal que favorecem a drenagem e a conservação de água e solo, evitando a erosão e desertificação. O projeto propõe a revitalização de plantios de sisal instalados e a instalação de plantios novos com as faixas de diversidade de plantas da Caatinga com funcionalidade. A revitalização dos sistemas produtivos de sisal, tornando-os Sistemas Eficientes e Sustentáveis é necessário para garantir as condições de produção com as ações integradas propostas pelo Nexus (hídrica, energética e alimentar) e a consequente redução da pobreza e melhoria da qualidade de vida da população dessas regiões, com a valorização das espécies vegetais locais e a consequente conservação e preservação da Caatinga. Este sistema busca o bem estar do produtor rural, com a melhoria de qualidade de vida advinda das melhores condições de trabalho dentro do conforto ambiental que poderá ser promovido pela integração e diversidade do agroecossistema. Os Sistemas Produtivos eficientes Integração Sisal-Caatinga serão avaliados por indicadores de sustentabilidade descritos na literatura. Adicionalmente serão realizada a coleta de plantas de sisal em diferentes municípios produtores, no sentido de implantar um banco de germoplasma de sisal, para ampliação do banco da Embrapa-Algodão, com maior variabilidade genética, para estudos de genômica e fisiologia da planta. Será feita a genotipagem da população do banco de germoplasma de sisal com marcadores moleculares relevantes para o estudo de genes funcionais e a seleção de plantas mais adaptadas à região, permitindo avanços nos estudos com o sisal no Bioma Caatinga, para sistemas produtivos mais sustentáveis. O projeto será desenvolvido em parceria com a Associação de Produtores APAEB e Escolas Família Agrícola da região, com proposições de redimensionamento das áreas produtivas, inserindo os serviços ecossistêmicos locais e as técnicas de produção da cultura de sisal.
  • Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - BA - Brasil
  • 05/12/2017-31/08/2021
Foto de perfil

Ana Cristina Freitas de Vilhena Abrão

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • mães de prematuros sob intervenção de florais de bach: ensaio clínico controlado, duplo cego, randomizado
  • RESUMO: Devido aos altos índices de prematuridade e mortalidade neonatal, o leite humano, por suas qualidades ímpares, é a melhor escolha na alimentação para uma criança prematura, principalmente quando se trata de um recém-nascido com peso inferior a 1.500g. Estudos mostram que ao depararem com a impossibilidade de amamentar seu filho ao seio imediatamente após o nascimento, as nutrizes apresentam um quadro de estresse, ansiedade e dificuldade em manter a amamentação. Alguns estudos mostram que o uso de Florais de Bach contribui para a redução dos sintomas de estresse, no entanto não há estudos clínicos com mães de prematuros doadoras de leite humano. Objetivo: Analisar o efeito do uso de Florais de Bach (Five Flowers) no nível de estresse e produção láctea de mães de prematuros. Método: Trata-se de um ensaio clínico controlado, duplo cego, randomizado com mães de prematuros doadoras de leite humano, cujos filhos tenham sido internados na UTI Neonatal do Hospital Universitário da UNIFESP. O estudo será realizado no posto de coleta do Hospital Universitário da Universidade Federal de São Paulo. A amostra será de 102 mulheres, que estarão distribuídas igualmente em grupo intervenção (mulheres que receberão os Florais de Bach) e grupo placebo (mulheres que receberão placebo). A variável de desfecho primário é o estresse avaliado por meio do Instrumento Parental Stress Scale: Neonatal Intensive Care Unit e por meio da dosagem hormonal de cortisol. A variável de desfecho secundária é a produção láctea que será avaliada por meio do volume lácteo e dosagem do hormônio prolactina. A coleta dos dados será realizada entre 24 e 48 horas após o parto, entre o 5o e 7o dia e entre o 10 o e 12 o dia. Todas as análises serão planejadas e desenvolvidas considerando um nível de significância p=0,05. Espera-se que o uso de florais possa auxiliar na redução do nível de estresse de doadoras de leite humano, mães de prematuros e, consequentemente, no aumento da produção láctea, favorecendo assim o aleitamento materno exclusivo.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Gales

Ciências da Saúde

Medicina
  • estudo-piloto para a implantação de uma rede brasileira de vigilância de resistência antimicrobiana em saúde única
  • A resistência antimicrobiana tem sido reconhecida como uma das mais graves ameaças globais à saúde humana no século XXI. O uso de antimicrobianos na medicina humana, na agricultura e na pecuária têm contribuído para a seleção de bactérias multirresistentes. Embora comumente detectadas no ambiente hospitalar, bactérias multirresistentes também têm sido detectadas em outros nichos ecológicos. No Brasil, a ocorrência de cepas produtoras de carbapenemases do tipo KPC-2, SPM-1 ou NDM-1 tem sido relatada em esgoto bruto, rios impactados por esgoto e águas costeiras. As consequências da contaminação da água e do solo por bactérias que carreiam genes codificadores de carbapenemases ainda são desconhecidas, mas poderiam levar à contaminação dos alimentos, animais de produção e à aquisição de infecções comunitárias causadas por estas bactérias. A epidemiologia da resistência bacteriana aos antimicrobianos é complexa e tem sido amplamente reconhecida a importância de um sistema de vigilância integrado baseado no conceito “One-Health”- Saúde Única. Vários estudos brasileiros têm reportado a frequência, os fenótipos e genótipos de bactérias resistentes em isolados de origem humana, de distintos animais, incluindo animais selvagens, de produção e de estimação, bem como de alimentos e do meio ambiente. Entretanto, até onde é do nosso conhecimento, nenhum estudo coletou, prospectivamente e simultaneamente, isolados de humanos, de animais e do ambiente sob a perspectiva de uma vigilância integrada em saúde única. Com o objetivo de estimar a frequência de E. coli e K. pneumoniae resistentes às cefalosporinas de amplo espectro e carbapenêmicos, estabelecemos uma rede colaborativa com grupos de pesquisa das cinco regiões geográficas brasileiras para obtenção de amostras de humanos saudáveis e doentes, animais de produção, alimento e do meio ambiente sob o mesmo critério de inclusão e metodologia de avaliação. Desta maneira, pretendemos que a experiência acumulada por esse projeto piloto sirva como um futuro modelo para a implementação de um sistema de vigilância integrado brasileiro baseado em saúde única. Também esperamos contribuir para a melhor compreensão das características da microbiota gastrointestinal que possam predispor à colonização por bactérias multirresistentes por meio da realização do metagenoma das fezes de humanos e animais colonizados e/ou infectados por isolados produtores de ESβL e/ou carbapenemases comparados àqueles de humanos e animais não colonizados.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 05/10/2018-31/10/2021
Foto de perfil

Ana Cristina Garcia Dias

Ciências Humanas

Psicologia
  • integração ao ensino superior na transição da adolescência para vida adulta: o papel de estressores, expectativas e estratégias de enfrentamento na adaptação à universidade
  • Este projeto tem como objetivo geral investigar aspectos relacionados à transição para a universidade e à integração do estudante ao contexto universitário. O primeiro estudo tem como foco o estudante de ensino médio, e busca investigar fatores pessoais e contextuais que estão envolvidos na motivação para realizar o ensino superior. É sabido, que, apesar do maior número de oportunidades de ingresso no ensino superior para jovens de baixa renda e minorias, muitos não cogitam entrar na universidade. Assim, esse estudo busca conhecer o papel que a exposição à cultura do ensino superior tem sobre a aspiração (expectativas) aos estudos nesse nível de ensino, sem desconsiderar variáveis de caráter mais individual como autonomia, auto eficácia e a motivação para o crescimento pessoal. Espera-se que os resultados possam auxiliar ao compreender a melhor a importância tanto da motivação para o crescimento pessoal quanto da exposição à cultura do ensino superior como fatores que concorrem para a eleição do ensino superior como um objetivo de vida. Já o segundo estudo busca identificar como variáveis de saúde mental do estudante (depressão, ansiedade e estresse), expectativas referentes ao ensino superior, estratégias de enfrentamento e o desenvolvimento da autonomia afetam o processo de integração e adaptação ao estudo superior. Neste segundo estudo, de caráter longitudinal (1º e 3º semestre) pretende-se avaliar especialmente como as expectativas, o desenvolvimento da autonomia, as estratégias de enfrentamento e os sintomas de transtornos mentais (níveis de ansiedade, depressão e stress) podem emergir durante esse período do desenvolvimento (final da adolescência e início da vida adulta), em um contexto que pode trazer alguns novos estressores (maiores exigências acadêmicas, maior responsabilidade e autonomia frente aos estudos). Acredita-se que estudantes que apresentem maiores níveis de autonomia, apresentaram estratégias de enfrentamento mais funcionais. Esses estudantes também poderão apresentar melhores indicadores de saúde mental (como menores níveis de ansiedade, depressão e stress, e melhores níveis de adaptação/ integração à universidade, além de expectativas mais positivas face ao ensino superior). Pretende-se através desses estudos desenvolver, posteriormente, programas de intervenção que promovam a adaptação do estudante a universidade especialmente para aqueles interessados no estudo superior, que apresentam maiores riscos em termos de saúde mental (maiores indicadores de stress, ansiedade e depressão) e em termos desenvolvimentais (menores níveis de autonomia e suporte social).
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Juvenal da Cruz

Ciências Humanas

Educação
  • retraçando rotas, compondo territorialidades: o uso da tecnologia no ensino de história das diásporas africanas para o ensino médio
  • Este projeto de pesquisa agrega pesquisadoras e pesquisadores de diferentes instituições brasileiras e uma colombiana e constitui-se em uma investigação que visa integrar tecnologia a partir de uma base epistemológica em torno da experiência da diáspora africana negra para a formação e produção de conhecimento em ensino de história para o ensino médio. A proposta consiste no desenvolvimento de um aplicativo móvel piloto com conteúdos de componentes curriculares e estratégias de aprendizagem sobre a história da experiência da diáspora negra tendo como fonte primária os 8 volumes da Coleção História Geral da África (HGA). Metodologicamente isso se fará em duas etapas: a primeira etapa será composta de um levantamento de conteúdos e aprendizagens sobre a história da experiência da diáspora africana negra tendo como fonte primária a HGA; a segunda etapa, será o desenvolvimento de um aplicativo livre, gratuito e com acessibilidade fundamentado em uma formação básica da linguagem de programação para o ensino desses conhecimentos.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Lauer Garcia

Ciências Biológicas

Ecologia
  • potencial invasor e rota de dispersão de drosophila nasuta no brasil
  • Embora aos olhos dos leigos as espécies exóticas invasoras representem apenas a chegada de mais uma planta ou de um animal, a introdução destas espécies em novos territórios é uma das principais ameaças a biodiversidade e aos serviços ecossistêmicos em todo o mundo. As invasões biológicas causam impactos de longo prazo que podem levar à extinção de espécies. Nas últimas décadas tem crescido o número de invasões biológicas causadas por insetos, incluindo neste grupo as pequenas moscas da família Drosophilidae. No Brasil, o mais recente caso é a chegada de Drosophila nasuta, uma espécie originária da Ásia que já se espalhou para a África, a região oriental, as ilhas do Pacífico e o oeste da América do Norte e, recentemente, em 2015, foi anunciada em nosso país. Nos últimos três anos, D. nasuta já tem sido observada habitando a porção sul e norte da Floresta Atlântica, além do bioma Cerrado. No norte da Floresta Atlântica levantamentos realizados por nosso grupo de pesquisa evidenciaram que a e espécie está bem adaptada, superando em representatividade diversas espécies de drosofilídeos neotropicais. Dado o provável potencial invasor de D. nasuta a proposta do presente projeto será monitorar a espécie nas áreas onde a mesma tem sido relatada no Brasil. Também será avaliada a diversidade genética da espécie nos diferentes pontos geográficos investigados, a fim de verificar se há estruturação populacional e avaliar o potencial evolutivo de D. nasuta no Brasil. Finalmente, buscaremos elucidar, a partir de dados genéticos, a provável rota de dispersão da espécie no país. Considerando a ameaça que as espécies exóticas invasoras representam para o equilíbrio ecossistêmico, informações acerca de aspectos ecológicos e genéticos destas espécies são valiosos no contexto da biologia da conservação e ainda se tornam mais importantes quando há registros destas espécies ocupando biomas tão degradados e palcos tão relevantes de biodiversidade como a nossa Floresta Atlântica e o nosso Cerrado.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Petry

Ciências Biológicas

Ecologia
  • invasões biológicas em planícies costeiras: os peixes e as gramíneas da restinga de jurubatiba (rj) como modelos
  • A introdução de espécies em locais distintos de sua ocorrência natural tem ameaçado a integridade e o funcionamento dos ecossistemas mundialmente, mesmo quando inseridos em unidades de conservação. Dependendo da resistência do ambiente invadido e das características intrínsecas do invasor, como sua capacidade de dispersão, estabelecimento e proliferação, a erradicação dessas espécies não-nativas (ENNs) pode ser inviável, e seu controle tende a exigir manejo. Ecossistemas costeiros representam o limite da distribuição de organismos dulcícolas e terrestres, e esses tem sido considerados os mais fortemente afetados por invasões biológicas. Há 24 meses, foram iniciados levantamentos integrados de gramíneas (Poaceae) e peixes (Teleostei) em uma área de 14.000ha de planície costeira no norte fluminense, protegida desde 1998 na forma de unidade de conservação (UC; Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, PNRJ). O inventário taxonômico inédito para as gramíneas em 77km da faixa marginal das 18 lagoas contabilizou 60 espécies, incluindo novos registros de ocorrência para a região e material que possivelmente represente uma espécie nova para a ciência. A compilação da composição de peixes resultou em 98 espécies, incluindo duas espécies endêmicas. A frequência de ENNs até o momento é maior para as gramíneas (33% versus 3% para os peixes). Essa representou a primeira e fundamental etapa de uma proposta mais complexa, que tem por objetivo compreender a suscetibilidade de formações de restingas e lagoas costeiras à introdução de ENNs. Utilizando respectivamente as comunidades de gramíneas e peixes como modelos, o levantamento da composição específica e da representatividade das ENNs nas comunidades, bem como de métricas da paisagem relacionadas à pressão de propágulos, conectividade e filtros ambientais possibilitarão a geração de modelos preditivos e mapas temáticos da suscetibilidade à invasão biológica, visando a aplicação em sistemas similares e subsídios para intervenções ecossistêmicas. É escopo desta proposta avançar com o levantamento quantitativo dessas comunidades no PNRJ por meio de amostragens sistemáticas nas 18 lagoas, empregando para as gramíneas a determinação da biomassa acima do solo pela remoção da vegetação em quadrats sorteados numa faixa de 60m de largura a partir da margem, e para os peixes a biomassa de cada população de acordo com o método de captura (redes de espera e arrastos). Considerando que a Lagoa Feia está situada na zona de amortecimento do PNRJ, se conecta indiretamente com as lagoas da UC por meio de canais, e tem sua ictiofauna ainda pouco conhecida, as amostragens contemplarão este que é o maior corpo lêntico fluminense. Características físicas e químicas da água e do solo (incluindo granulometria, retenção hídrica, carbono orgânico dissolvido, nitrogênio e fósforo, pH, salinidade, condutividade elétrica, temperatura), declividade do terreno, e atributos da paisagem (como área e perímetro das lagoas, distância do mar, permeabilidade hidrológica e terrestre, riqueza de espécies das comunidades) serão incluídos nos modelos preditivos de suscetibilidade à invasão por meio de modelos lineares generalizados. Ao contemplar as comunidades diversas e expressivas de gramíneas e peixes na maior área de restinga protegida na forma de UC do país, espera-se revelar padrões que contribuam com evidências para a elucidação dos mecanismos promotores da invasão biológica e do sucesso do estabelecimento de ENNs em ambientes terrestres e aquáticos, contribuindo para a prevenção e controle dessa ameaça aos ecossistemas naturais.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022