Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sônia Lopes Pinto

Ciências da Saúde

Nutrição
  • enfrentamento e controle da obesidade no âmbito do sus do tocantins - ecoa sus/tocantins
  • Esta é uma proposta de enfrentamento e controle da obesidade no âmbito do Sistema Único de Saúde para o estado do Tocantins, região Norte do Brasil. Nossa proposta visa produzir informações e desenvolver, em conjunto com os profissionais da Atenção Primária à Saúde (APS), estratégias para organização e aumento da efetividade das ações de prevenção da obesidade e cuidado da pessoa com obesidade. A proposta terá sua execução coordenada pela Universidade Federal do Tocantins, Câmpus de Palmas, e contará com um corpo multiprofissional e multidisciplinar de docentes, além de gestores e trabalhadores da Secretaria de Saúde do Estado e Secretaria Municipal de Saúde de Palmas, para êxito da iniciativa proposta. O objetivo deste projeto é desenvolver produtos e estratégias para subsidiar a implantação e organização de ações de promoção da saúde, prevenção de fatores de risco e cuidado pelos profissionais da APS voltados ao enfrentamento e controle da obesidade no estado do Tocantins. Será realizado primeiramente diagnostico da obesidade do estado, e também a percepção da obesidade por profissionais da saúde, gestores e pacientes. As atividades de alimentação e nutrição já realizadas nos municípios também serão investigadas, afim de avaliar o que já está sendo feito para enfrentamento e controle da obesidade. Diante disso, será realizado o curso de formação para profissionais de saúde, com total de 180h, sendo 120h a distância e 60h presencial. Participarão profissionais do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (NASF) e atenção básica, nutricionistas das Distritos de Saúde Especial Indígena, e membros da equipe de cirurgia bariátrica do estado. Também será realizado curso de formação para gestores de saúde, com carga horaria de 40h, sendo 24h na forma presencial. Os cursos serão realizados através do uso de metodologias pedagógicas inovadoras, que procurem ampliar a reflexão acerca de uma possível ação educativa que faz uso dos recursos da educação formal presencial e a distância, e, por consequência, desenvolva as potencialidades individuais e coletivas necessárias para uma atenção interprofissional no enfrentamento da obesidade. Será também elaborado material de apoio com conteúdo dos cursos de formação, e mediante os resultados do projeto, serão realizadas propostas de lei para enfrentamento e controle da obesidade no Tocantins. Estima-se que seja beneficiada, indiretamente nesta proposta, toda a população do estado, que é estimada para 2019 em 1.572.866 pessoas, uma vez que o projeto pretende capacitar todos os municípios do estado (139), convidando a participar profissionais do NASF e da Atenção Básica de todo o estado. Espera-se como resultados do projeto a melhoria de toda a rede de cuidados da obesidade no estado do Tocantins, assim como, contribuir para a formação dos profissionais de saúde e dos gestores para o manejo adequado das pessoas com obesidade. Considerando que no estado do Tocantins nunca foi realizado capacitação dos profissionais de saúde e gestores específica para obesidade, acreditamos que o principal resultado seja a sensibilização e o despertar para a importância do enfrentamento desse grave problema de saúde pública. As atividades irão contribuir para a organização das ações de alimentação e nutrição com enfoque para prevenção, diagnóstico e tratamento da obesidade em todas as faixas etárias da população. Pretendemos contribuir para a organização do serviço de saúde com atenção à pessoa com obesidade, prestando um atendimento de melhor qualidade, mais acolhedor e afetuoso, e sem julgamentos. Além disso, com a capacitação, os municípios irão ter condições de organizar a rede de atenção nutricional, e tratar a obesidade com a seriedade merecida. Assim, o indivíduo com obesidade receberá um tratamento livre de preconceitos, respeitoso e contínuo.
  • Universidade Federal do Tocantins - TO - Brasil
  • 01/03/2020-28/02/2022
Foto de perfil

Sonia Maria da Silva Araujo

Ciências Humanas

Educação
  • ideias e práticas de mulheres intectuais: a educação em marta alonso alvarez de castro abranches, do brasil, e em eluned morgan, da argentina.
  • Este projeto tem como objeto de pesquisa o pensamento educacional de duas autoras do século XIX, envolvidas com o Brasil e com a Argentina. São elas: Marta Alonso Alvarez de Castro Abranches e Eluned Morgan. A primeira viveu de 1800 a 1855, entre a Espanha e o Brasil, Estado do Maranhão. A segunda viveu de 1870 a 1938, entre o País de Gales e a Argentina, Patagônia. As questões que levantamos são: como e porque duas autoras vinculadas ao ideário colonizador acabam se tornando personalidades importantes na luta em defesa da educação no Brasil e na Argentina? Que relações há entre o pensamento educacional de ambas? Como as ideias das autoras se articulam à história da educação na América Latina? Em que medida tais ideias se aproximam e se distanciam do pensamento educacional em circulação no continente no século XIX? Como tais ideias se vinculam às condições históricas do continente? Em que medida as histórias de vida dessas autoras ajudam na compreensão de suas lutas em defesa da educação? Em direção a respostas para estas questões, definimos como objetivo geral do estudo: analisar, por meio do estudo biográfico e do estudo comparado do pensamento social, as ideias de educação de Marta Alonso Alvarez de Castro Abranches e de Eluned Morgan, produzidas na zona de contato de imagens e representações do mundo colonizador e imperialista do qual são familiarmente originárias, com a vida das realidades colonizadas do Brasil e da Argentina para, assim, compreender o sentido que assumiram no contexto de formação dos projetos nacionais de educação destes países. Metodologicamente, trabalharemos com a biografia e o estudo comparado do pensamento social, em articulação com a história cultural, que tem seus desdobramentos na história intelectual e na história das ideias. A hipótese que levantamos é de que as ideias produzidas pelas autoras no campo da educação, por partirem de mulheres de famílias deslocadas da Europa imperialista, contraditoriamente vinculadas ao ideário colonizador, resultam do confronto de suas condições favoráveis de existência com as condições altamente desfavoráveis de grupos humanos localizados nos países colonizados para os quais suas famílias migraram. Tais confrontos causam um profundo desconforto nas autoras que acabam usando o humanismo e o liberalismo que as constituíram intelectualmente no século XIX em confronto com as práticas de exploração e de subjugação impostas pelo imperialismo dos países de origem de seus familiares em relação às colônias americanas, fundadas especialmente no patriarcado e no racismo. A condição de mulher dessas autoras as faz investir no projeto educacional como força modelar de enfrentamento à subalternização histórica de domínio político, econômico e intelectual e a efetivamente assumirem suas mudanças.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021