Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adejardo Francisco da Silva Filho

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • “evolução crustal do domínio pernambuco-alagoas entre o toniano e o ediacarano, província borborema, avaliada com utilização de litogeoquímica e geologia isotópica de u-th-pb e lu-hf em zircão de granitos e ortognaisses”
  • A Província Borborema, é a parte oeste de um importante cinturão móvel Brasiliano que se estende do Brasil até a parte NW da África, nas reconstruções pré-drift (Van Schmus et al., 2008). Ela resulta da convergência e colisão entre os crátons do Oeste da África, Congo - São Francisco e Amazônia, a cerca de 600 Ma. As maiores partes do cinturão Neoproterozóico estão localizadas na África; Dahomey, Pharusian-Hoggar, Cinturão da África Central e a Província da Nigéria. O completo entendimento da ancestralidade e do amalgamento da parte norte de Gondwana Ocidental não é possível sem o entendimento da evolução da Província Borborema e das regiões adjacentes localizadas em ambos os lados do Atlântico. A Província Borborema tem sido dividida em cinco domínios crustais (Van Schmus et al. 2008); Setentrional, Central, Pernambuco-Alagoas (PEAL), Riacho do Pontal e Sergipano. O Domínio PEAL ocorre ao longo da parte SE da Província Borborema, em contato com o Domínio Sergipano. Trabalhos recentes sobre o Domínio PEAL, com utilização de isótopos de Nd, têm demonstrado similaridades entre a parte norte do mesmo e o Domínio Central, e, por outro lado, forte contraste entre estes dois e o domínio setentrional. A parte sul do PEAL, por outro lado, se assemelha ao Domínio Sergipano (Silva Filho et al., 2014). O Domínio PEAL foi subdividido por Silva Filho et al. (2006, 2014) em três subdomínios, Garanhuns, Água Branca e Palmares. O presente projeto visa lançar luz sobre a evolução dos subdomínios Água Branca e Palmares, especificamente os Batólitos Aguas Belas-Canindé, Ipojuca-Atalaia, com utilização de geologia isotópica de U-Th-Pb, principalmente em zircão, e de estudos de isótopos de oxigênio e háfnio também em zircão, de granitos relacionados à orogênese Brasiliana (Idades Criogeniana e Ediacarana), e de metassedimentos Criogenianos. Os dados a serem obtidos também auxiliarão nas correlações com o Cinturão da África Central e suas conexões com o cinturão Trans-Sahara. Hipótese levantada recentemente por De Wit et al. (2008), e por Oliveira et al. (2010), considera que o conjunto destas três províncias constituem uma margem tipo-Andina, ativa durante o amalgamento de Gondwana Ocidental. A caracterização deste processo de amalgamento ainda carece de detalhamento, principalmente com relação ao estágio colisional, para o Domínio PEAL. Acreditamos que a caracterização geológica, geoquímica isotópica e geocronológica dos batólitos graníticos Ipojuca-Atalaia e Águas Belas-Canindé do domínio PEAL, com foco nos principais plútons graníticos que ocorrem no mesmo, juntamente com a Sequência Inhapi , poderá contribuir para o teste desta hipótese, pois os mesmos apresentam algumas características de arco magmático.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Adelmo Saturnino de Souza

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • jornada científica do oeste baiano: a inteligência artificial como a nova fronteira do desenvolvimento científico
  • A região do Oeste da Bahia ocupa posição de destaque na produção agrícola e energias renováveis. Isso foi possível graças a tecnologia de ponta e abundância de recursos naturais presentes na região. A transformação que ocorreu nos últimos anos, com os altos investimentos tecnológicos, não foi de forma homogênea, tendo em vista que hoje o oeste baiano ainda apresenta municípios com baixo IDHM e alunos com pouco interesse por áreas de tecnologia. Neste contexto, a Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB) desempenha um papel fundamental, não apenas no desenvolvimento de novas tecnologias, mas também na popularização e divulgação do conhecimento científico e tecnológico. A proposta para a SNCT mobilizará os campi da UFOB localizados em 5 municípios da região, que levarão o tema “Inteligência artificial: a nova fronteira da ciência brasileira” para diferentes tipos de público, desmistificando a ideia que ciência é algo difícil e mitigando a relação conflituosa entre emprego e Inteligência Artificial (IA). As ações/atividades presentes nesta proposta aproximará a comunidade da Universidade e viabilizará o acesso de crianças e adolescentes à ciência e a tecnologia de forma simples e formativa, através da proposição de seminários, palestras, ciclos de debate, minicursos, oficinas, portas abertas e ciência móvel. Além disso, a proposta visa a realização de um evento conectando IA com as Tecnologias Convergentes e Habilitadoras, que é a principal ferramenta propulsora da IA.
  • Universidade Federal do Oeste da Bahia - BA - Brasil
  • 29/10/2020-30/04/2021