Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Patrícia Figueiredo Marques

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • marcadores de gênero na experiência de mulheres com abortamento: construção e validação de instrumentos para o cuidado na atenção primária
  • O aborto representa um problema de saúde pública, ao qual as mulheres são expostas a riscos de saúde e vida, especialmente nos países onde prática é clandestina. Em situação de abortamento não há garantias de apoio do parceiro nem da família e, quando as mulheres buscam os serviços de saúde, muitas se deparam com a violência institucional. O reconhecimento de desigualdades de gênero na experiência das mulheres é condição essencial para os serviços darem respostas às demandas por cuidado na rede de saúde. O estabelecimento de consensos, por meio de revisões sistemáticas contribui para a elaboração de instrumentos voltados à saúde, entre esses, marcadores sociais da diferença, que ao serem aplicados explicitam as relações desiguais entre as pessoas e se estão articulados às práticas de saúde, impactando no processo de cuidado. No sentido de oferecer ao sistema de saúde subsídios para incorporação da perspectiva de gênero às práticas será desenvolvida uma pesquisa, cujos objetivos são: viabilizar a elaboração e implementação de instrumento para atenção à saúde de mulheres com história de abortamento na atenção primária; desenvolver protocolo aprovado pelo Joanna Briggs Institute da revisão sistemática de evidências qualitativas sobre a experiência de mulheres submetidas a abortamento induzido resultante de gravidez não planejada; atualizar instrumento composto por marcadores de gênero para a saúde das mulheres com história de abortamento, mediante evidencias obtidas na revisão sistemática; validar instrumento, para atenção primária, composto por marcadores de gênero para a saúde das mulheres com história de abortamento; aplicar instrumento validado composto por marcadores de gênero para a saúde das mulheres com história de abortamento na atenção primária. Caracteriza-se como pesquisa de desenvolvimento metodológico com abordagem qualitativa e quantitativa, com quatro etapas. A primeira constituirá o desenvolvimento do protocolo aprovado da revisão sistemática da literatura científica baseada na proposta do Joanna Briggs Institute sobre as experiências de mulheres submetidas ao abortamento induzido resultante de gravidez não planejada, mediante síntese das evidências qualitativas dos estudos primários produzidos entre 1994-2018. A segunda compreenderá a reunião dos elementos de gênero presentes nos resultados dos estudos empíricos por convergência de temas, construindo-se categorias e os marcadores de gênero para saúde da mulher com história de abortamento. A terceira será a validação do conteúdo por especialistas, sendo essas docentes das universidades participantes da pesquisa que atuam na área da saúde da mulher, gestores da atenção primária dos municípios baianos envolvidos no projeto multicêntrico e equipe de saúde de duas unidades de saúde da família (USF) com maior demanda de atendimentos à mulher do distrito sanitário utilizado como campo de desenvolvimento de ações de pesquisa, ensino e extensão das Instituições de Ensino Superior baianas parceiras. A quarta e última será de pré-teste do instrumento validado nas duas USF escolhidas anteriormente, para realização dos ajustes necessários, focando para melhor compreensão por parte da usuária e eficácia na identificação de possíveis vulnerabilidades que precisam de intervenção para curto e médio prazo. Os aspectos éticos serão respeitados em todas as etapas da pesquisa. O principal desafio é a incorporação da perspectiva de gênero às práticas de saúde, que conduzam à garantia dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Para tanto, faz-se necessária à educação permanente junto à equipe profissional e promoção de ações voltadas à formação de profissionais de saúde desde a graduação, em especial da enfermagem, por seu lugar no espaço dos cuidados em qualquer nível de atenção. Assim, as práticas se aproximarão da integralidade do cuidado, que alinhada a gênero constituem eixos da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres.
  • Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Fontes Pinheiro

Ciências Agrárias

Agronomia
  • síntese e avaliação do potencial herbicida de novas auronas derivadas de fenóis naturais
  • O uso de agrotóxicos nas lavouras tem grande importância na manutenção da produtividade agrícola e proporciona grandes benefícios econômicos aos agricultores. Porém, o uso de tal ferramenta no controle de pragas nas grandes lavouras acarreta sérios problemas relacionados à saúde do homem, de animais e ao meio ambiente de modo geral, como por exemplo: na contaminação de águas subterrâneas, do solo e até dos próprios alimentos. Os herbicidas são os agrotóxicos mais utilizados no campo, pois são de grande importância no controle de plantas daninhas, que são espécies vegetais invasoras que competem com a cultura de interesse. Devido ao uso frequente e indiscriminado de herbicidas ao longo dos anos, sérios problemas vêm sendo relatados, tais como: o aumento de espécies daninhas resistentes aos herbicidas comerciais, o que pode vir a inviabilizar o uso de diversos herbicidas comerciais. Dessa forma, levando em considerações todos esses fatores, existe uma grande demanda por parte das indústrias de agroquímicos no desenvolvimento de compostos que tenham ação herbicida, que sejam ainda mais eficientes no controle das espécies de plantas daninhas e que causem menor impacto ambiental. Esses compostos devem possuir sítios de ação específicos (altamente seletivos), ter curta meia-vida no ambiente, deixando menos resíduos no solo, na água ou na planta. Compostos de origem natural e seus derivados tem atraído grande interesse de pesquisa, sendo uma alternativa e podem servir de inspiração na obtenção de novos herbicidas. Os compostos fenólicos representam uma classe que tem grande potencial ação fitotóxica, muitos desses são encontrados em óleos essenciais de plantas e podem ser adquiridos comercialmente na forma pura, tais como: timol, carvacrol, eugenol e guaiacol. Esses compostos podem ser usados como materiais de partida na síntese de novas auronas, que são compostos químicos heterocíclicos, derivados dos flavonóides, que por sua vez são compostos polifenólicos que apresentam em sua estrutura um núcleo fundamental, constituído de quinze átomos de carbono arranjados em três anéis, sendo dois anéis fenólicos. Assim, tendo em vista desenvolver novos compostos com potencial atividade herbicida, com este projeto vislumbra-se obter 40 (quarenta) novas moléculas da classe das auronas que serão usadas em ensaios herbicidas, já bem estabelecidos e divulgados pelo nosso grupo de pesquisa “Agroquímicos e análise de toxicidade em bioensaios”. Nessas etapas, serão estudadas novas metodologias na obtenção das auronas, para isso na etapa ciclização dos ácidos fenoxiacéticos serão realizados experimentos utilizando heteropoliácidos como catalisadores, fato inovador para esse tipo de síntese. Os compostos sintetizados serão caracterizados por espectroscopia no infravermelho (IV), espectrometria de massas e ressonância magnética de hidrogênio e de carbono (RMN de 1H e de 13C). Inicialmente, as moléculas sintetizadas serão utilizadas em testes de germinação e desenvolvimento inicial de plântulas de Lactuca sativa e Sorghum bicolor, que são espécies modelos usuais em bioensaios. Além dessas análises fitotóxicas, serão realizados ensaios citotóxicos, para avaliar o ciclo celular e os cromossomos; e genotóxicos, para analisar o DNA dos indivíduos expostos aos componentes testes. Com esses testes espera-se obter as doses mais letais das novas auronas frente as espécies L. sativa e S. bicolor. A partir das concentrações determinadas nos ensaios com L. sativa e S. bicolor, os compostos com maior potencial herbicida serão selecionados e utilizados em ensaios em casa de vegetação, no período de pré e pós emergência, em cinco espécies de plantas daninhas: Amaranthus viridis L. (bredo, caruru), Eleusine indica (capim pé-de-galinha), Bidens pilosa (picão-preto), Euphorbia heterophylla (leiteiro) e Cyperus rotundus L. (tiririca), no desenvolvimento inicial de plântulas e avaliação de alterações no DNA. Com base nos resultados, pretende-se obter novos herbicidas semi-sintéticos, menos tóxicos ao homem e ao meio ambiente, por serem obtidos a partir de compostos naturais e que tenham grande potencial a serem colocados no mercado de agroquímicos.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Helena Lucas Pranke

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • a medicina regenerativa para produção de pele, reconstrução de mama, regeneração óssea e desenvolvimento de conduite para nervo periférico
  • A medicina regenerativa visa a regeneração e substituição de tecidos e órgãos lesados ou perdidos. A engenharia de tecidos, uma área da medicina regenerativa, vem sendo estudada no intuito de construir, in vitro, estruturas que mimetizem os tecidos vivos. O presente projeto científico visa desenvolver estratégias inovadoras para reconstrução de tecidos, abordando quatro grandes focos de interesse: pele, mama, osso e nervo periférico, divididos em 4 subprojetos. No primeiro - Produção de pele - serão produzidos e comparados diferentes tipos de substitutos cutâneos, utilizando técnicas de engenharia de tecidos, entre elas, a bio-impressão. No segundo – Reconstrução de mama - serão produzidas microesferas contendo o quimioterápico Taxol, bem como microesferas com o anti-inflamatório Zafirlukast, as quais serão depositadas em uma prótese mamária. Espera-se que esta prótese funcionalizada possa auxiliar as pacientes de câncer de mama que sofreram mastectomia, bem como quimioterapia adjuvante, e para combater a contratura capsular. O terceiro – Regeneração óssea - terá como foco a produção de scaffolds capazes de promover a regeneração do tecido ósseo a partir da associação de biomateriais de diferentes origens. Dentre as tecnologias empregadas na produção das estruturas nanoestruturadas, destaca-se a impressão 3D, o electrospinning e a produção de hidrogéis, além da utilização de biocerâmicas obtidas pelo processo de sol-gel, resultando em um produto mais semelhante ao tecido nativo. O quarto – Conduíte para nervo periférico - visa a regeneração do nervo periférico através do uso de conduítes produzidos pela técnica de electrospinning de fibras alinhadas para direcionar o crescimento axonal dos neurônios. Para atingir os objetivos, diversas tecnologias inovadoras serão implementadas, além da terapia celular, através do uso de células-tronco. Entre elas, estão a bioimpressão, a nanotecnologia e o processo de des/recelurização de órgãos e tecidos. A bioimpressão é ainda uma tecnologia praticamente inexistente no Brasil. A tecnologia de des/recelularização de órgãos encontra-se em fase de padronização no país. A nanotecnologia, aplicada à engenharia de tecidos, foi praticamente trazida pela proponente desse projeto ao Brasil, é ainda uma ciência em fase inicial de aplicação em modelos animais. O desenvolvimento dessas estratégias inovadoras para a engenharia de tecidos, visa construir diferentes tipos de scaffolds, que possam servir como substituto cutâneo, próteses mamárias funcionalizadas, biomateriais para a regeneração óssea e conduítes para a reconstrução de nervo periférico. Os scaffolds serão primeiramente caracterizados e padronizados físico-quimicamente, e testados biologicamente com células-tronco mesenquimais. Testes experimentais in vivo serão realizados para os ensaios pré-clínicos, nos subprojetos 2, 3 e 4. A equipe para a execução do projeto é cientificamente sólida e reconhecida mundialmente. A proponente da proposta trouxe, há mais de 10 anos, de forma pioneira ao Brasil, a associação da técnica de nanotecnologia – o electrospinning – para a produção de scaffolds ou biomateriais em associação com células-tronco. É a única brasileira a fazer parte, como membro do conselho, da sociedade científica de maior importância mundial nessa área – TERMIS - Tissue Engineering and Regenerative Medicine International Society. É também a presidente da comissão latino-americana do TERMIS-AM. Trouxe, pela primeira vez para a América Latina, o workshop TERMIS-AM. Além disso, é membro da comissão científica e membro da diretoria da SLABO (Sociedade Latino Americana de Biomateriais, Órgãos Artificiais e Engenharia de Tecidos). Para o desenvolvimento desse projeto, a equipe é composta por professores, pesquisadores e alunos, de diversos laboratórios do Brasil e do exterior. O projeto será realizado em parceria com outros 6 laboratórios brasileiros e 4 laboratórios no exterior, sendo um de Portugal e 3 dos Estados Unidos. A transferência de tecnologia e o conhecimento que poderá ser adquirido pelos alunos brasileiros, interagindo com esses grupos, é imensurável. O grupo da Universidade de Minho, em Portugal, é liderado pelo prof Rui Reis querecebeu, em 2002 e 2011, os 2 maiores prêmios da sociedade européia de Biomateriais. O prof. Reis, é o atual presidente do TERMIS Mundial. Um dos grupos americanos, é o do Prof. Anthony Atala que é o diretor do centro Wake Forest Institute for Regenerative Medicine, em Charlotte, Carolina do Norte. Atala liderou a equipe que desenvolveu o primeiro órgão produzido em laboratório, uma bexiga, para ser implantado em um ser humano, há cerca de 15 anos. Seu trabalho foi listado como os 10 melhores avanços médicos do ano da revista Time. Outro grupo americano é coordenado pelo prof Alireza Khademhosseini, que atua na UCLA (University of California, Los Angeles). Os trabalhos do Prof Khademhosseini já foram citados mais de 36.000 vezes e seu índice H é de 100. Em 2014, 2015, 2016 e 2017, ele foi selecionado pela Thomson Reuters como uma das Mentes Mais Influentes do Mundo. Os grupos brasileiros são também renomados e referências na área de impressão 3D e medicina regenerativa. O grupo coordenado pelo Dr. Jorge Vicente Lopes da Silva, do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), é líder em impressão 3D no Brasil. Na UFRJ, a profa. Regina Goldenberg, é uma das pesquisadoras pioneiras e líderes, no Brasil, na área de des/recelularização de órgãos. Dessa forma, a proposta visa a produção de próteses ou enxertos, os quais já despertaram o interesse de empresas para a sua comercialização, conforme será descrito posteriormente. Os produtos gerados poderão resultar, em produtos a serem usados pelo SUS. No entanto, apenas com a aprovação da presente proposta, será possível a continuidade dos projetos, através da contratação de bolsistas e aquisição de insumos de laboratório, e da transferência de novas tecnologias ao Brasil e fortalecimento dos recursos humanos.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patrícia Krieger Grossi

Ciências Sociais Aplicadas

Serviço Social
  • mulheres quilombolas e acesso aos direitos de cidadania: desafios para as políticas públicas
  • As comunidades quilombolas são um dos segmentos mais vulneráveis na sociedade brasileira e que vem sofrendo violações de direitos humanos mais básicos, como o direito humano à alimentação e uma vida digna. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, 75% da população quilombola vive em situação de extrema pobreza, um número consideravelmente superior diante da média nacional, de 8,5%. Ao cruzar dados do Desenvolvimento Social, do Censo 2010 e de outras instituições do governo, a Fundação Palmares, responsável pelo reconhecimento oficial dessas comunidades, constatou que 76% dessas comunidades não dispõem de coleta de esgoto, 63% vivem em casas com piso de terra batida, 62% não têm acesso a água encanada e 24% não sabem ler e escrever. 83% dos quilombolas sobrevivem de atividades rurais, incluindo o extrativismo e a pesca artesanal, mas apresentam indicadores piores do que a população rural, em geral. Em 2006, pesquisa nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social nas comunidades quilombolas constatou que a proporção de crianças desnutridas é 76,1% maior do que na média brasileira e 44,6% maior do que na população rural. Desse modo, a violência estrutural, manifestada pela pobreza e falta de acesso aos direitos básicos de cidadania das comunidades quilombolas se torna visível por meio de impactos destrutivos do sistema que vão deixando marcas exteriores sobre esse segmento cujas vulnerabilidades são expressas na debilidade da saúde, na moradia precária e insalubre, na alimentação insuficiente, dentre outros elementos. As mulheres quilombolas, não raro, sofrem violências diversas e uma dupla discriminação, por serem mulheres e negras. Desde 2004, o governo federal instituiu o Programa Brasil Quilombola, que prevê um conjunto de ações inseridas nos diversos órgãos governamentais voltadas para as comunidades remanescentes de quilombos e metodologias que possibilitem o desenvolvimento sustentável dessas comunidades. Essas ações envolvem diferentes órgãos e políticas públicas a fim de garantir os direitos à titulação e a permanência na terra, à documentação básica, alimentação, saúde, esporte, lazer, moradia adequada, trabalho, serviços de infra-estrutura e previdência social, entre outras políticas públicas destinadas à população brasileira (BRASIL, 2004). Nas diretrizes do Programa Brasil Quilombola está prevista a necessidade de “Incorporar a dimensão de gênero nas diversas iniciativas voltadas para o desenvolvimento sustentável e ampliação dos direitos de cidadania existentes nestas comunidades, promovendo políticas concretas que efetivem a igualdade e eqüidade de gênero” (BRASIL, 2004, p.24) Este estudo, de enfoque misto, tem como objetivo geral compreender as violências experienciadas pelas mulheres quilombolas e suas estratégias de enfrentamento frente à violação de direitos de cidadania a partir da perspectiva das mulheres quilombolas, provedores de serviços e gestores de políticas públicas. A análise dos dados considerará a perspectiva da interseccionalidade de gênero, raça/etnia, classe social e geração. Irá contribuir para suprir uma lacuna de conhecimento nessa área, pois existem poucos dados sobre as experiências sociais das mulheres negras que vivem em quilombos urbanos e rurais em diferentes regiões do Brasil e as violências experienciadas por esses segmentos vulnerabilizados. Pretendemos identificar a violência institucional através da forma como é acolhida pela rede de serviços; a violência estrutural através do mapeamento dos fatores obstaculizadores e potencializadores nesse percurso de acesso aos direitos de cidadania; a violência étnico-racial, a violência intrafamiliar, as estratégias de enfrentamento das mulheres frente às violências e o impacto da violência nas crianças quilombolas. As narrativas serão obtidas através de aplicação de formulários, entrevistas e grupos focais com mulheres que residem nos quilombos rurais e urbanos do Rio Grande do Sul e entrevistas com profissionais que atuam nas comunidades e gestores de políticas sociais no âmbito da assistência social, representantes da Rede Quilombola e lideranças das comunidades. As entrevistas serão transcritas e submetidas à análise de conteúdo de Bardin. Também serão analisados os dados do CADUNICO, Data SUS, SISVAN, Secretaria de Educação, INCRA, para verificar o número de famílias quilombolas atendidas pelos diferentes programas, perfil das famílias (renda, escolaridade, número de filhos, condições de moradia, saneamento básico, acesso às escolas quilombolas, acesso à segurança alimentar, indicadores de saúde), índice de cobertura dos serviços, entre outros, para formar um banco de dados. Como resultados esperados, pretende-se ter o conhecimento das demandas dessas mulheres, contribuindo com subsídios para a qualificação da rede de serviços, criação de um aplicativo com a rede de proteção existente e formas de acesso às ações e serviços previstos no Programa Brasil Quilombola, entre outros aspectos. Como resultados esperados, publicações de livro, capítulos e artigos sobre os resultados da pesquisa, cartografia da rede de serviços e eventos científicos para socialização dos dados da pesquisa.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Luciana da Costa Lopez

Ciências Biológicas

Biofísica
  • modulação racional da autofagia e metabolismo celular como estratégia de combate à resistência tumoral
  • Células tumorais apresentam alterações metabólicas e de autofagia, as quais estão envolvidas na adaptação e resistência das células tumorais à morte celular, inclusive induzida por quimioterápicos. Após tratamento com compostos citotóxicos células tumorais podem alterar estes processos tornando-se mais resistentes às terapias, favorecendo a recorrência do câncer. O tratamento oncológico envolve inúmeros ciclos de exposição aos quimioterápicos, intercalados por períodos de recuperação ao paciente; o que ocorre com as células tumorais durantes estes intervalos, porém, é totalmente obscuro. Neste sentido, apesar da importância são escassos os estudos que (1) utilizam protocolos in vitro que mimetizem os protocolos clínicos, especialmente no que diz respeito a dose, tempo de tratamento e tempo de análise após a retirada da droga do contato direto com as células tumorais; (2) avaliam os mecanismos de autofagia e metabolismo celular de maneira integrada incluindo a análise de exossomos e de células-tronco tumorais, que parecem estar envolvidas na resistência tumoral e que apresentam metabolismo diferente das células do estroma tumoral; (3) modulam estes mecanismos de maneira racional a fim de superar a resistência e reduzir a recorrência tumorais. Publicações anteriores do nosso grupo mostram que a autofagia celular apresenta um crosstalk com os principais mecanismos envolvidos na resposta de células tumorais a quimioterápicos, que são a morte celular, o controle do ciclo celular e a senescência. Além disso, alterações no DNA celular também disparam autofagia, a qual pode exercer tanto papel citoprotetor quanto citotóxico, dependendo do contexto. Atualmente, sabe-se que a autofagia está envolvida na resistência de células tumorais a quimioterápicos, e a modulação deste mecanismo é sugerida como uma ferramenta para aumentar a eficácia de quimioterápicos. Porém, recentemente mostramos que quando e como modular a autofagia pode ser fundamental para um desfecho terapêutico favorável. Dados preliminares do nosso grupo sugerem que células tumorais disparam autofagia e alterações no metabolismo celular até 15 dias após a parada (ou a retirada) do tratamento por 24 h ou 48 h com quimioterápicos. Muitas destas alterações são observadas somente de 5 a 7 dias após a retirada do tratamento, e devem atuar de maneira central na tentativa da célula tumoral se adaptar e resistir à situação de estresse causado pelo tratamento. Este período de acompanhamento das células tumorais in vitro após o tratamento é equivalente ao período em que o paciente acometido pelo câncer (e, consequentemente, as suas células tumorais) permanece sem receber o tratamento quimioterápico. Através da abordagem proposta aqui, será possível entendermos o que ocorre com as células tumorais entre os ciclos de quimioterapia a que os pacientes são expostos. Outros dados de triagem preliminar sugerem fortemente que a ativação crônica transitória de autofagia é uma resposta comum a células de diferentes tipos tumorais expostas a diferentes classes de quimioterápicos. Portanto, a hipótese de trabalho do presente projeto é de que células tumorais ativam autofagia e alteram o metabolismo de maneira transitória durante alguns dias após o tratamento quimioterápico, como resposta adaptativa ao estresse agudo causado por quimioterápicos. Durante este período as células estariam mais suscetíveis à modulação destes mecanismos, os quais são fundamentais para definir o desfecho celular após o tratamento com drogas anti-câncer. Dessa forma, modular a autofagia e o metabolismo neste período, mas não em outros momentos, parece desviar as células resistentes à morte celular ou senescência celular. Para testar esta hipótese, o objetivo geral será avaliar alterações de autofagia e de metabólico basal em células tumorais expostas a tratamentos quimioterápicos em protocolos similares aos utilizados clinicamente e modular estes processos de maneira racional a fim reduzir a resistência tumoral. Os objetivos específicos dessa abordagem, em células de câncer colorretal e pâncreas tratados com quimioterápicos em protocolos semelhantes aos protocolos clínicos, serão: A. avaliar a proliferação celular e níveis de autofagia no período de recuperação das células; B. avaliar massa e a integridade mitocondriais, bem como os níveis de fosforilação oxidativa e glicólise nas células tumorais; C. analisar a presença e quantidade de células tronco tumorais após os tratamentos; D. modular a autofagia, glicólise e fosforilação oxidativa de maneira racional, a partir dos resultados obtidos nos objetivos específicos a e b, a fim de potencializar o efeito quimioterápico. E. quantificar a presença de exossomas como parte do fenótipo secretor associado à senescência (SASP). Acreditamos que a ativação transitória da autofagia e alterações do metabolismo celular após tratamento com quimioterápico seja uma resposta universal de grande parte dos tipos tumorais. A dinâmica de utilização de moduladores de autofagia e metabolismo parece fundamental para um efeito significativo destes compostos em combinação à quimioterapia na redução da resistência tumoral. Assim, a expectativa com a execução desta proposta é entender o papel da autofagia e das alterações metabólicas na resistência de células tumorais a quimioterápicos, bem como superar esta resistência através da modulação racional destes mecanismos de acordo com a cinética dos mesmos.
  • Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS - Brasil
  • 01/06/2017-30/06/2021
Foto de perfil

Patrícia Martins de Freitas

Ciências Humanas

Psicologia
  • avaliação neuropsicológica e análise de associação genética em crianças com transtorno do espectro autista e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
  • Os transtornos do neurodesenvolvimento constituem importantes demandas para investigações que favoreçam o avanço das técnicas de diagnóstico e intervenção. O Transtorno do Espectro Autista (TEA) possui especificidades clínicas caracterizadas pela variabilidade da tríade sintomatológica, déficits de habilidades sociais, linguagem/comunicação e distúrbios de comportamento. O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) tem como características clínicas o déficit de atenção, hiperatividade e impulsividade que conjuntamente interferem no desempenho acadêmico, comportamento social com maior propensão à comportamentos agressivos e quebra de regras. Apesar da distinção entre os sintomas clínicos, tanto TEA quanto TDAH apresentam evidentes déficits de funções executivas correlacionados com alterações do córtex pré-frontal. As principais funções que apresentam déficits comuns são: atenção, flexibilidade cognitiva, memória de trabalho e planejamento. A convergência entre o fenótipo neurocognitivo desperta a possibilidade de aspectos genéticos comuns. Diante de tais demandas científicas e sociais o presente estudo foi elaborado para executar uma pesquisa nos domínios da avaliação neuropsicológica e da genética. Resultados de estudos genéticos tem demonstrado a identificação de marcadores para o TEA e para o TDAH, entretanto as evidências são pouco conclusivas. Vários esforços para achar novas variantes ou complementar pesquisas na validação de variantes analisadas tem sido empregados pelos pesquisadores em estudos de TEA e TDAH. Diversos genes envolvidos em vias de desenvolvimento neurológico foram apontados como candidatos como fatores genéticos contribuintes para o risco destas desordens, entre eles os genes HTR1B, ANNK1, UBR1, SREBF e SHANK3. Atualmente, existe um interesse de investigações que busquem demonstrar os aspectos genéticos e o perfil neuropsicológico, com objetivo de complementaridade entre tais avaliações. O objetivo do estudo é verificar possíveis associações entre o perfil neuropsicológico e marcadores genéticos em crianças com TEA e TDAH. Para o presente trabalho pretende-se realizar um estudo analítico transversal com comparação de grupos, onde serão selecionadas cento e vinte crianças, com idade entre sete e 11 anos, sendo 60 crianças com TEA e 60 crianças com TDAH. Para isso será realizada avaliação neuropsicológica, a partir de testes cognitivos, escalas de comportamento e a extração do DNA, a partir do sangue total. A genotipagem de SNP ocorrerá através da amplificação pelo método PCR em tempo real. A amplificação dos fragmentos de DNA será feita através do sistema TaqMan® para SNPs dos genes HTR1B, ANNK1, UBR1, SREBF e SHANK3. Assim, o presente estudo terá também como objetivo investigar polimorfismos genéticos de genes associados ao TEA e TDAH e a possível correlação genética e neuropsicológica entre estas desordens. Os resultados obtidos permitirão reunir dados inéditos, de alto valor científico sobre essas desordens neurodesenvolvimentais e consolidar um grupo de pesquisadores sobre este tema no estado da Bahia. O resultado esperado é a identificação da associação entre as condições clínicas com o desempenho cognitivo, verificando possíveis convergências e divergências de aspectos neurocognitivos e genéticos entre TEA e TDAH. Contribuir com os modelos teóricos sobre as funções executivas e alterações de neurodesenvolvimento em ambas as condições clínicas.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Patrícia Martins Fagundes Cabral

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • coaching no desenvolvimento de lideranças: um estudo sobre esta prática no brasil
  • Desenvolver as competências de liderança é um desafio para organizações e indivíduos que almejam crescer e se diferenciar no contemporâneo. Neste sentido, o presente projeto problematiza a prática do coaching nos processos de desenvolvimento das lideranças, no contexto organizacional. Ulrich (2012) retoma que o coaching empresarial teve seu início, no final da década de 90, com executivos que assumiam tanto o papel de coachs, como de coachees. Desde lá o coaching se difundiu rapidamente, e a gama de expectativas e serviços oferecidos se pulverizou, tanto de forma positiva, quanto negativa, sendo essencial, portanto, a busca de maior entendimento e rigor desta prática, seja em âmbito de atuação profissional, seja em pesquisa acadêmica sobre o fenômeno. Na mesma linha, Theeboom, Beersma, & Van Vianen (2014), ao examinarem as relações entre intervenções de coaching e diversos resultados em nível individual, constataram que tais resultados são relevantes tanto para os indivíduos, quanto para as organizações, e sinalizaram a importância de maior produção teórica sobre o tema. De acordo com Marques, Dimas e Lourenço (2014), o coaching tem sido definido na literatura, mais recentemente, como uma intervenção que visa a melhoria imediata do desempenho e o desenvolvimento de competências, seja em relação à vida profissional ou pessoal, sendo visto, portanto “(...) como uma forma de libertação do potencial dos indivíduos para maximizar o seu desempenho, sob a lógica de ajudá-los a aprender em vez de ensiná-los.” (p. 68) Vale salientar que adota-se neste estudo a concepção de desenvolvimento da liderança como um processo dinâmico, social e relacional, onde a capacitação e o aperfeiçoamento dos indivíduos, de distintos níveis hierárquicos, ocorre tanto de maneira formal como informal, podendo ocorrer de forma individualizada ou em grupo (Buschlen & Dvorak, 2011; Derue & Ashford, 2010; Komives, Owen, Longerbeam, Mainella, & Osteen, 2005). Nesta perspectiva, o coaching é uma prática relacional e conversacional, possibilitadora de transformações dos indivíduos e, consequentemente, dos contextos em que estão interagindo. No cenário brasileiro a realidade de ampla difusão do coaching e de pouco entendimento e produção teórica a seu respeito, tende a confirmar a problemática já apontada (Ulrich, 2012; Theeboom, Beersma, & Van Vianen, 2014). Empiricamente, é perceptível a expansão do coaching: a) no desenvolvimento de executivos e orientações de carreira; b) nas organizações que não raro adotam a expressão “líder coach” para sinalizarem suas diretrizes na gestão de equipes e de pessoas; c) no aumento de profissionais, de diferentes áreas do conhecimento, que buscam formações em coaching para atuarem, profissionalmente, como coaches. Cabe destacar que, segundo a Sociedade Brasileira de Coaching, a demanda de profissionais por certificação de coaching por ano aumentou de 80% a 90%, com previsão de expansão até 2020 para 30.000 membros (DaMata, 2015) Contudo, é igualmente perceptível, a lacuna de conhecimento sobre a diversidade destas práticas de coaching, seus respectivos resultados e decorrentes impactos, positivos ou negativos. Além disso, quando discute-se o coaching como estratégia de desenvolvimento de lideranças nas organizações, observa-se lacunas teóricas em relação a distinções conceituais (DaMata, 2015; Batista & Cançado, 2017) e oportunidades para expandir a prática do coaching para além da perspectiva individual, como por exemplo, adotando peer-coach (Donegan, Ostrosky e Fowler, 2000; Marques, Dimas e Lourenço, 2014). Assim, o projeto de pesquisa ora apresentado, parte da seguinte questão problema: Como está ocorrendo a prática do coaching, nos processos de desenvolvimento de líderes, no Brasil?, e tem como objetivo geral: “Analisar a prática do coaching como estratégia nos processos de desenvolvimento de lideranças, no Brasil”. Quanto ao delineamento metodológico, terá abordagem quali-quanti, com utilização de grupos de foco, entrevistas e observação direta (dados quali) e a aplicação de um questionário (survey). O campo de estudo serão as organizações que oferecem e/ou adotam a prática de coaching, e os participantes serão profissionais que atuam como coaches, gestores que são ou foram coachees, e profissionais que, nas organizações, são responsáveis por contratar este serviço. Em relação às condições éticas do estudo, atende-se à Resolução 466/2012, que orienta a pesquisa que envolve seres humanos. Os resultados do projeto se desdobram em avanços conceituais, o que contribui para reduzir as lacunas teóricas, bem como aprimora o aprimoramento técnico da prática de coaching no desenvolvimento de lideranças. E ao promover maior acesso ao conhecimento sobre coaching e liderança, fornece mais informações para a sociedade em geral, contribuindo para uma maior criticidade e conscientização ao contratar ou oferecer coaching como um caminho de desenvolvimento.
  • Universidade do Vale do Rio dos Sinos - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Messenberg Guimaraes

Ciências Agrárias

Agronomia
  • uso de rna de interferência (irna) para controle do nematoide das galhas
  • Os nematoides das galhas (Meloidogyne spp.) representam uma ameaça à produção agrícola em todo mundo, sendo que no Brasil causam perdas significativas em várias culturas de importância econômica, como o algodão e a soja, principalmente em lavouras do Mato Grosso do Sul e Goiás. O controle destes parasitas é baseado no uso de agentes químicos altamente tóxicos ao homem, animais e meio ambiente, tendo já sido banido em vários países, sendo, portanto, o desenvolvimento de variedades resistentes a melhor opção para o seu controle. Durante os últimos três anos, este grupo de pesquisa em colaboração com pesquisadores do Institut National de la Recherche Agronomique, França (INRA Sophia –Antipolis), por meio do projeto CNPq-PVE (Projeto CNPq - 401541/2014-2- APQ - Auxílio à Pesquisa- 2016-2018 e MP- 03.16.0011.00.00), realizou a exploração integrada de dados genômicos e transcritomicos de três espécies de nematoides formadores de galhas (M. incognita, M. javanica e M. arenaria) e de genótipos resistentes a estas pragas. Estes estudos associados ao desenvolvimento de um pipeline incluindo vários filtros in silico para sequencias de interesse (presença de peptídeo sinal, não ocorrência em espécies blacklisted, etc), possibilitou a identificação de 56 novas sequencias gênicas envolvidas no estabelecimento do parasitismo da praga, ou seja, potenciais genes efetores de virulência de Meloidogyne spp. Estes efetores constituem excelentes alvos para o silenciamento gênico mediante a tecnologia do RNA interferente (RNAi), possibilitando a redução, ou mesmo o total impedimento, da infecção pelo patógeno. Uma das grandes vantagens da estratégia de RNAi é que, além de ser inócua para o homem e meio-ambiente, uma vez confirmada sua eficiência no silenciamento do gene–alvo, pode ser aplicada em diferentes espécies de plantas, dependendo apenas da eficiência dos protocolos de transformação genética das mesmas. Isso é especialmente importante no caso dos nematoides formadores de galha (RKN), pois os mesmos apresentam um enorme circulo de hospedeiras (mais de 2000 espécies). No presente projeto, os genes candidatos a efetores descritos acima serão analisados quanto a sua expressão via qRT-PCR em diferentes estádios de desenvolvimento e de alimentação do patógeno (J2, J3e fêmeas), visando a confirmação do seu envolvimento no parasitismo. Em seguida, os dsRNA específicos contra os efetores selecionados serão superexpressos em plantas transgênicas de tabaco e soja visando o silenciamento dos mesmos por RNA de interferência (RNAi). Considerando que alguns dos genes candidatos a efetores estão presentes em mais de uma espécie de Meloidogyne, e que a técnica de RNAi tem o potencial de ser aplicada em qualquer espécie de planta que seja passível de cultura de tecidos e regeneração, inclusive de forma piramidizada, espera- se que a aplicação desses ativos biotecnológicos contribuam de forma sustentável para a mitigação dos efeitos danosos causados por estas pragas em culturas de importância econômica para o país.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patrícia Nascimento Pena

Outra

Robótica, Mecatrônica e Automação
  • segurança em sistemas computacionais sob o ataque de apt (advanced persistent threats) usando extensões da teoria do controle supervisório de sistemas a eventos discretos
  • A troca de informações vitais por meio de plataformas digitais em contextos como bancário, distribuição de energia elétrica e pagamento online, faz surgir um interesse crescente relacionado à vulnerabilidade destes sistemas a ataques. O desenvolvimento de ferramentas automatizadas para análise e garantia de segurança tornou-se crucial para evitar violações de segurança. A literatura da área mostra interesse crescente na verificação formal de segurança. Mais recentemente, os ataques se tornaram mais sofisticados, onde os agentes maliciosos visam roubar informações, sabotar sistemas e extorquir pessoas. Ataques realizados por múltiplos agentes, com o objetivo de ganhar controle do sistema sem serem notados, e por longos períodos de tempo, estão se tornando mais comuns. Esse acesso estendido aos sistemas permite a coleta de dados e até mesmo uma interação do agente malicioso com o sistema invadido. Esse tipo de ameaça foi nomeado de Advanced Persistent Threat - APT. Tipicamente, os APTs são caracterizados por serem desenvolvidos para um alvo específico, seja um órgão do governo, uma organização militar e/ou industrial. É possível identificar medidas que podem ser tomadas para detectar APTs mas até o momento não há modelos consolidados na literatura adequados para tratar e proteger sistemas contra esse tipo de ameaça. Propomos usar a Teoria do Controle Supervisório de Sistemas a Eventos Discretos para modelar sistemas sujeitos a APTs, para investigar onde estão as vulnerabilidades e efetuar o controle visando proteger contra esses ataques. Para lidar com problemas relacionados à segurança, no contexto da Teoria do Controle Supervisório, foi definida uma propriedade chamada opacidade, vinculada ao conceito de confidencialidade. Opacidade é a capacidade de um sistema de impedir que “segredos” sejam distinguidos de “não-segredos”, por estranhos. O conjunto de execuções de um sistema é modelado como um sistema a eventos discretos e um subconjunto dos comportamentos é considerado “secreto”. O sistema é considerado opaco se, sob observação parcial (do invasor), for impossível distinguir um segredo de um não segredo. Para a segurança dos sistemas, é desejável poder garantir a opacidade. Dentro da comunidade de sistemas a eventos discretos tem se pesquisado sobre propriedades do sistema relacionadas à opacidade bem como algoritmos para verificação de opacidade, e métodos para reforçar a opacidade via um agente de controle. Propomos desenvolver extensões para TCS, especificamente métodos algorítmicos, identificar e proteger sistemas computacionais de ataques de APT.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Peterle Figueiredo Santurbano

Lingüística, Letras e Artes

Letras
  • literatura e pensamento italianos contemporâneos
  • A literatura é um espaço de inoperosidades, da potência e da potência-de-não, pois desativa as funções mais pragmáticas e comunicativas da língua. Essa suspensão a abre para um novo uso e é, nesse sentido, que a literatura é a exibição da potência de dizer, um espaço de trabalho sobre si, que é também resistência e transformação, e, portanto, um espaço do éthos e do político. A literatura é percebida aqui como uma operação na e com a linguagem, que desativa a própria linguagem e deixa inoperantes as funções comunicativas e/ou informativas. Nesse sentido, o desenvolvimento do projeto, que abrange diferentes autores e teóricos, contarà com uma equipe de pesquisadores de universidades brasileiras e italianas que trabalharão para constituir uma rede internacional de pesquisa e fortalecer a área da italianística no Brasil
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Pintor dos Reis

Ciências da Saúde

Medicina
  • estratégias de diagnóstico da tuberculose e identificação do microbioma complexo associado ao desenvolvimento e progressão da doença
  • Em 2018, ~ 1,5 milhão de pessoas evoluíram para óbito devido à tuberculose (TB), no mundo. A TB tem incidência global variável. No Brasil, em 2018, foram diagnosticados 72.788 casos novos (34,8/100 mil habitantes). Avanços no diagnóstico de TB foram alcançados com o uso de estratégias de diagnóstico molecular precisas e determinação de resistência a antibióticos, levando a melhoria do tratamento e controle da doença. Entretanto, ainda é preciso avançar nas estratégias diagnósticas e avaliar multirresistências e ocorrência de recidiva da doença. Além disso, há necessidade de implementação de estratégias de diagnóstico acessíveis (e eficazes para detecção de TB) em regiões com menor acesso a tecnologias de saúde, em países como o Brasil. Portanto, os objetivos desse trabalho incluem: aumentar a sensibilidade de identificação molecular do Mycobacterium tuberculosis e MNT em amostras pulmonares e comparar os resultados com a cultura líquida; detectar multirresistências a drogas, rifampicina, isoniazida, etambutol, fluoroquinolona e canamicina; sequenciar o microbioma em amostras de escarro pulmonar, a fim de identificar a carga bacteriana e outras espécies de bactérias associadas ao M. tuberculosis, correlacionando os achados com a resposta ao tratamento, prognóstico e recidiva; aumentar a sensibilidade para identificação de TB em exames de Raio X e Tomografia Computadorizada de Baixa Dose (TCBD), comparando-a com as técnicas moleculares e baciloscopia; determinar quantitativamente a fibrose, enfisema e realizar uma análise espacial das estruturas pulmonares por algoritmo de processamento de imagem (Raio X e TCBD), a fim de aumentar a abrangência do Raio X em situações em que a tomografia computadorizada não é disponível. Serão incluídos indivíduos (n=400) com suspeita de TB referidos ao Hospital das Clínicas de Botucatu e Hospital Estadual de Bauru. Serão coletadas amostras de escarro, sangue e urina de todos os pacientes, possibilitando a detecção de outras formas de TB para pacientes com quadro clínico compatível e resultado molecular negativo para M. tuberculosis no escarro pulmonar. Os produtos esperados incluem a geração de dados comparativos de Especificidade e Sensibilidade entre as metodologias moleculares e de imagem; o desenvolvimento de algoritmos de detecção de TB em Raio X e TCBD; a identificação da carga bacteriana associada ao M. tuberculosis e sua correlação com prognóstico, resposta ao tratamento e recidiva da doença. O estudo contribuirá diretamente para a implementação de estratégias diagnósticas em nossa instituição e estudos avançados de pesquisa do microbioma associado à TB.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 16/06/2020-30/06/2023
Foto de perfil

Patricia Ramos Cury

Ciências da Saúde

Odontologia
  • avaliação clínica e microbiológica da terapia homeopática no tratamento da periodontite: ensaio clínico randomizado controlado
  • A periodontite grau C, previamente denominada periodontite agressiva, afeta indivíduos sistemicamente saudáveis com menos de 30 anos. Mostra uma progressão rápida, agregação familiar e prevalência maior em melanodermos. Indivíduos com essa periodontite normalmente não respondem bem ao tratamento periodontal mecânico tradicional de raspagem e alisamento radicular. A raspagem e alisamento radicular associada a antibióticos sistêmicos é considerada o tratamento com melhores resultados. A Terapia Homeopática pode representar uma alternativa ao tratamento antibiótico alopático, quando associada ao tratamento de raspagem e alisamento radicular. A homeopatia baseia-se na cura da doença usando de forma muito diluída a sustância que induz o aparecimento da doença no individuo saudável e no reequilíbrio da energia vital, permitindo que o hospedeiro se cure por ele mesmo. Estudos preliminares mostram resultados satisfatórios no tratamento da periodontite crônica. Porém, no tratamento da periodontite grau C, a homeopatia ainda não tem sua aplicabilidade e eficácia comprovadas. A terapia homeopática traz grandes vantagens para um tratamento, incluindo o baixo custo, boa aceitação pelos pacientes e baixa incidência de efeitos adversos, como resistência microbiana, tudo isso viabilizando uma aplicação populacional. O objetivo deste trabalho será avaliar clinica e microbiologicamente a eficácia da terapia homeopática associada à raspagem e alisamento radicular (RAR) no tratamento de pacientes com Periodontite grau C. Serão incluídos neste estudo clínico randomizado controlado duplo cego 107 pacientes acometidos pela doença. Os pacientes serão aleatoriamente tratados com RAR e antibioticoterapia sistêmica no grupo controle, e com RAR associada à homeopatia no grupo teste. Biofilme subgengival e os seguintes parâmetros clínicos serão avaliados por um examinador antes do tratamento e 90 dias após o mesmo: profundidade de sondagem, distância da junção cemento-esmalte a margem gengival, nível de inserção clínica, sangramento à sondagem e índice de placa. O DNA bacteriano do biofilme será extraído, amplificado usando primers universais para o gene 16S rRNA, purificado, agrupado em concentrações equimolar e sequenciado. As leituras do 16S rRNA serão filtradas, montadas e analisadas. Os dados serão analisados com o auxílio paramétricos e não-paramétricos de acordo com a distribuição dos dados. Espera-se observar resultados clínico e microbiológico compatíveis com o estabelecimento e manutenção de saúde periodontal, e similares aos resultados do tratamento com protocolo antibiótico. Os resultados desse projeto fornecerão subsídios para o conhecimento da resposta da periodontite agressiva ao tratamento homeopático, podendo fornecer novas diretrizes para o tratamento desta doença. A proposta ainda vai gerar conhecimento com alta aplicabilidade para o SUS, mostrando assim, uma importante relevância social, já que o tratamento homeopático é factível de ser aplicado nos serviços, programas/sistemas públicos de saúde a curto prazo.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Sampaio Tavares Veras

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • estudos pré-clínicos para avaliar o efeito in vivo e o mecanismo de ação do agente 17-aag na infecção por leishmania spp
  • A leishmaniose é uma das principais doenças negligenciadas, sendo um grave problema de saúde pública em países como o Brasil. A infecção por parasitos do gênero Leishmania apresenta um amplo espectro de manifestações no homem. No Brasil, a forma tegumentar é a mais comum, causada majoritariamente por Leishmania braziliensis e Leishmania amazonensis. A forma visceral é a mais grave, podendo levar à morte, sendo causada por Leishmania infantum. O tratamento das leishmanioses envolve o uso de drogas muito tóxicas, administradas por períodos longos e com efeitos colaterais severos, o que causa a desistência do tratamento, facilitando a emergência de cepas resistentes. Assim, a busca por novos fármacos, bem como a minimização os efeitos colaterais das drogas disponíveis têm sido alvo de investigação em vários laboratórios. Estudos realizados por nosso grupo demonstraram que 17-N-alil-amino-17-demetoxigeldanamicina (17-AAG), antibiótico que inibe a proteína de choque térmico 90 (HSP90), foi capaz de reduzir em 90% o percentual de macrófagos infectados e número de parasitas intracelulares das espécies L. amazonensis e L. braziliensis, em doses que não foram tóxicas para o macrófago. O efeito desse fármaco sobre os parasitos intracelulares é irreversível e não tem relação com a produção de mediadores inflamatórios como óxido nítrico, superóxido bem como de moléculas pró-inflamatórias. Adicionalmente, nesse estudo, demonstramos por microscopia eletrônica de transmissão que a morte intracelular do parasito está relacionada ao aparecimento de alterações sugestivas de autofagia nos parasitos intracelulares. Esses achados apontam que esse fármaco tem um grande potencial para uso em humanos, pois além de diminuir a carga parasitária, pode ter efeitos benéficos anti-inflamatórios no tratamento da lesão cutânea causada por Leishmania que, em geral, apresenta processo inflamatório intenso. Até o momento, foi estudada a capacidade leishmanicida do 17-AAG em um modelo in vivo de resistência de leishmaniose tegumentar causada por L. braziliensis. Para determinar se 17-AAG pode ser utilizado de forma mais ampla para tratamento de diferentes formas clínicas da doença, precisamos expandir nossa avaliação in vivo utilizando um modelo de susceptibilidade de leishmaniose tegumentar e um modelo de leishmaniose visceral. É importante chamar a atenção que o mecanismo pelo qual 17-AAG leva à morte de Leishmania intracelular ainda não foi esclarecido. Adicionalmente, a razão pela qual o parasito apresenta maior susceptibilidade ao 17-AAG do que a célula hospedeira também não é conhecido. Dessa forma, o presente estudo tem duas vertentes: 1) avançar nos estudos pré-clínicos avaliando o efeito anti-Leishmania de 17-AAG em modelo murino in vivo de leishmaniose tegumentar de camundongos CBA susceptíveis à infecção por L. amazonensis e no modelo de leishmaniose visceral in vitro em macrófagos murinos infectados por L. infantum e in vivo no modelo de hamsters infectados pela mesma espécie do parasito; 2) identificar o mecanismo de ação do 17-AAG, evidenciando o mecanismo pelo qual esse antibiótico tem efeito tóxico preferencial sobre o parasito em comparação à célula hospedeira: i) verificando se a inibição da HSP90 pelo 17-AAG induz a autofagia da célula hospedeira e do parasita, ii) realizando a caracterização comparativa da estrutura molecular e parâmetros funcionais das HSP90s do parasito e do hospedeiro, iii) identificando co-chaperonas associadas à HSP90 e proteínas cliente em L. amazonensis ou L. infantum utilizando estudos de proteômica e iv) evidenciando diferenças estruturais entre ortólogos da HSP90 de Leishmania e células de mamíferos. Com a realização deste projeto iremos avançar na avaliação do efeito anti-Leishmania do 17-AAG determinando a eficácia, toxicidade e segurança em modelos in vivo, base para estudos em seres humanos no futuro. Além disso, avançaremos na avaliação do mecanismo de ação do fármaco visando a identificação das vias moleculares atingidas pelo tratamento do 17-AAG. Essa é uma abordagem mais racional para a seleção de compostos inibidores com atividades anti-parasitária mais específicas. Além dos avanços científicos, o presente estudo irá contribuir na formação acadêmica de um pós-doutorando, dois estudantes de doutorado, dois de mestrado e dois de iniciação científica, com ênfase na capacitação na área de parasitologia com abordagens celulares, moleculares e bioquímicas. Futuramente, esses testes podem nos levar a propor alternativas terapêuticas para o homem, diminuindo a dose atualmente empregada das drogas em uso como o Glucantime® ou mesmo sua substituição pelo 17-AAG ou outro fármaco anti-Leishmania mais específico.
  • Fundação Oswaldo Cruz - BA - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Patrícia Severo do Nascimento

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • caracterização do modelo animal de fibromialgia nas alterações morfofuncionais e efeitos do treinamento em esteira
  • Fibromialgia é uma síndrome musculoesquelética caracterizada por dor crônica generalizada, fadiga, sensibilidade à palpação, depressão e ansiedade. Seus sintomas variam em intensidade, podem aumentar e diminuir ao longo do tempo, sendo o estresse um agravante para os sintomas. Esta, afeta 2% da população em geral e é mais comum em mulheres na idade adulta. O diagnóstico é baseado no exame físico e nos sintomas os quais os pacientes sentem (American College of Rheumatology, 2010). Apesar de a patogênese dessa doença ainda não estar bem elucidada, esta pode ser associada a agentes infecciosos virais, tais como o vírus da Hepatite B e C, HIV, traumas físicos, como os da coluna cervical (Ablin et al., 2008). Ainda, a fibromialgia tem sido relacionada com alterações nos sistemas de neurotransmissão serotoninérgicos, noradrenérgicos e dopaminérgicos no sistema nervoso central, havendo uma diminuição do conteúdo desses neurotransmissores no fluido cerebroespinal de pacientes fibromiálgicos, contribuindo para o conceito de que nessa patologia ocorre diminuição da atividade do sistema descendente inibitório da dor e um aumento dos níveis de aminoácidos e peptídeos excitatórios envolvidos na transmissão da dor (Russell et al., 1992; Russell et al., 1994). Como modelo animal de fibromialgia se tem utilizado injeções musculares de salina ácida (Kim et al., 2009), estresse por frio intermitente (Nishiyori e Ueda, 2008) e o modelo de depleção de aminas biogênicas. Neste último, a aplicação subcutânea durante três dias consecutivos de reserpina (1 mg/kg) causa a depleção dos neurotransmissores dopamina, noradrenalina e serotonina (5-HT), surgindo um quadro clínico nos ratos semelhante ao da fibromialgia em humanos, com os sinais de hiperalgesia generalizada, sensibilidade à palpação, depressão e ansiedade (Nagakura et al., 2009). No entanto, não há estudo na literatura que mostrem por quanto tempo se mantém as alterações sensoriais causadas pela administração de reserpina, sendo este um dos objetivos do primeiro experimento deste projeto de pesquisa. A serotonina é um neurotransmissor produzido no tronco encefálico por neurônios localizados nos núcleos da rafe. Estes enviam projeções ao corno dorsal da medula espinal (CDME) onde modulam a informação dolorosa ascendente, assim como enviam projeções ao corno ventral da medula espinal (CVME), onde fazem sinapse em motoneurônios, facilitando a transmissão nervosa motora. Dessa forma a serotonina é considerada um importante neurotransmissor, o qual está envolvido na modulação da sensação dolorosa e do comportamento motor (Paxinos, 2004). Foi demonstrado o efeito anti hiperalgésico de drogas inibidoras seletivas da recaptação da serotonina e noradrenalina (milnacipran em conjunto com tramadol; 40/40 mg/kg) em modelo animal de fibromialgia em ratos, no qual foram observados aumento do limiar de retirada da pata ao estímulo mecânico, corroborando com o conceito do envolvimento desses neuurotransmissores nesta patologia (Kim et al., 2009). Ainda, se tem demonstrado em humanos que na fibromialgia há alterações na via opioide endógena (Ramanathan et al., 2012; Harris et al., 2007). Essa via, recebe aferência direta dos neurônios serotoninérgicos descentes, vindo do Núcleos da Rafe, os quais excitam os interneurônios opioides, que inibem o neurônio de projeção, o qual havia sido estimulado pelas fibras Aδ ou C, modulando dessa forma o estímulo nociceptivo. Estudos mostram, em humanos que sofrem de fibromialgia, alterações nos receptores opioides do tipo mi (MOR1) no núcleo accumbens e amídala (Harris et al., 2007), alterações genéticas no gene que codifica esse receptor (Tour et al., 2017; Solak et al., 2014), além de alterações no receptor opioide do tipo kappa (KOR; Salemi et al., 2007). Alterações na expressão da proteína glial ácida fibrilar (GFAP) tem sido correlacionadas com várias patologias, inclusive a fibromialgia (Abd-Ellatief et al., 2018). No entanto, existem poucos estudos que relacionam alterações na expressão de GFAP no Núcleo Magno da Rafe ou medula espinal; alterações nos receptores opioides (mi e kappa) na medula espinal, bem como alterações na expressão de serotonina no Núcleo Magno da Rafe e medula espinal no modelo animal de fibromialgia, sendo esses objetivos do primeiro experimento deste projeto de pesquisa. Uma vez que na fibromialgia ocorrem alterações no sistema serotoninérgico e que o exercício físico aeróbico é capaz de alterar as respostas aos estímulos nociceptivos (Mazzardo-Martins et al., 2010) e o comportamento motor de ratos (do Nascimento et al., 2011), assim como o conteúdo de serotonina do corno dorsal da medula espinal (Gerin et al., 2008), no corno ventral da medula espinal e nos núcleos da rafe (Korb et al., 2010) e tem sido indicado como parte do tratamento de pessoas com fibromialgia (Busch et al, 2011; American College of Rheumatology, 2010), o objetivo do segundo experimento deste projeto é avaliar os efeitos do exercício físico aeróbico sobre a sensibilidade, locomoção, imunorreatividade à serotonina nos núcleos da rafe e medula espinal; a imunorreatividade aos receptores opioides (mi e kappa) na medula espinal, bem como a imunorreatividade à GFAP no Núcelo Magno da Rafe e medula espinal após a aplicação de reserpina em ratos.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patrícia Shigunov

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • estudo da mutação no gene cyfip2 causadora da encefalopatia epiléptica: triagem de drogas sobre células-tronco pluripotentes induzidas (ipsc) e linhagem de neuroblastoma
  • O desenvolvimento cerebral envolve regulação de vias de sinalização e complexos proteicos e distúrbios nesse processo pode levar a diferentes desordens no indivíduo neonato, como encefalopatia epiléptica, que causa dano cognitivo severo. A síndrome de West é classificada como uma encefalopatia epiléptica infantil precoce, pois seus sintomas aparecem em crianças com até 6 meses de idade. Indivíduos afetados por essa síndrome possuem grave atraso no desenvolvimento cognitivo e entre suas causas estão desordens metabólica ou estrutural, infecções e mutações genéticas. Estudos vêm associando mutações em diferentes genes a doenças como as encefalopatias epilépticas, dentre elas o gene CYFIP2 (cytoplasmic FMR1-interacting protein 2), que codifica a uma proteína que participa de um complexo de remodelação da actina denominado WRC. A mutação c.259C>T no gene CYFIP2 altera o sítio de interação com o complexo WRC e sugere-se que essa mutação resulta em um ganho de função da proteína mutada. Buscar moléculas capazes de anular a ação da CYFIP2 com essa mutação pode dar uma perspectiva de tratamento a essa doença rara. Com isso, o objetivo desse projeto é fazer uma triagem de drogas sobre células com a mutação c.259C>T no gene CYFIP2, buscando anular a função da proteína com essa mutação nas células. A primeira etapa do projeto consiste na obtenção das células mutadas por três estratégias diferentes: (1) Reprogramar células de pacientes com essa mutação no gene CYFIP2 (iPSC); (2) Introduzir por CRISPR essa mutação no gene CYFIP2 em linhagem celular de neuroblastoma (SH-SY5Y); e/ou (3) Introduzir por CRISPR essa mutação no gene CYFIP2 em iPSC saudável. As células com a mutação serão induzidas a neurogênese e a triagem das drogas (determinadas por docking molecular) será avaliada pelo padrão de localização de CYFIP2, actina e superfície dendrítica/axônica por high content image.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PR - Brasil
  • 05/12/2019-31/12/2021
Foto de perfil

Patrícia Silva Diaz

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • produção de glitter biodegradável a base de poli(3-hidroxibutirato)
  • Materiais plásticos fornecem uma gama de usos extremamente variados, por possuírem propriedades físicas atrativas à confecção de produtos comerciais. Devido sua durabilidade e relativo baixo custo de produção, podem ser encontrados em diversos setores industriais. Por apresentarem uma durabilidade notável, podem representar um risco em potencial para os ecossistemas naturais, em razão de seu acúmulo ambiental proveniente do descarte inadequado, especialmente os plásticos microfragmentados. Os microplásticos são partículas fragmentadas que medem menos de 5 mm e podem ser oriundos da ação do intemperismo físico sobre o material descartado ou podem ser gerados industrialmente. Exemplos do uso desse tipo de plástico fragmentado são os utilizados na indústria cosmética por exemplo em esfoliantes, pasta dental e na produção de glitter para imprimir brilho. O glitter é utilizado em produtos de maquiagem como em sombras para os olhos e batons, em loções para o corpo, em géis de cabelo, em esmaltes e etc.. Este é produzido utilizando-se papel alumínio depositado sobre um material plástico ou pode consistir em várias camadas de plástico para obtenção de folhas. O glitter convencional tem tamanhos variando entre 50 μm e 6250 μm, sendo os tamanhos mais utilizados em cosméticos os de 100 μm e 200 μm, sendo invisíveis a olho nú, e visível somente o brilho refletido por estes. Estando dentro da margem de tamanho de microplásticos, o glitter pode oferecer um risco incalculável no momento de seu descarte, uma vez que seu uso é extremamente generalizado. Na confecção do glitter, são utilizados matrizes poliméricas como o poliéster e o policloreto de vinila (PVC), plásticos de origem petroquímica e que possuem o tempo de degradação extremamente elevado se comparado com plásticos biodegradáveis. Em decorrência do grande acúmulo desses tipos de materiais plásticos em ecossistemas marinhos, devido a essa taxa de degradação lenta, a poluição de corpos d’água vêm crescendo significativamente, sendo relatadas a presença de tais detritos na superfície do mar, em linhas costeiras e no fundo do mar. Uma vez no ecossistema marinho, microplásticos podem entrar nos níveis tróficos da cadeia alimentar pela ingestão de partículas livres, representando um problema não só para os seres aquáticos quanto para qualquer tipo de espécie. Assim, a utilização de um plástico biodegradável na formulação de glitter de utilização cosmética se mostra como um campo promissor, que tem seu desenvolvimento acompanhado de tendências ambientais necessárias para sobrevivência e conservação da biodiversidade geral.
  • Universidade Federal de Pelotas - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Silva Osorio

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • em busca da consolidação dos primeiros programas pós-graduação do estado de mato grosso
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 09/01/2020-09/01/2025
Foto de perfil

Patricia Simone Leite Vilamaior

Ciências Biológicas

Morfologia
  • efeitos da exposição ao beta-cariofileno na próstata ventral de gerbilos adultos após a suplementação pela testosterona
  • A próstata é uma glândula acessória do sistema genital dos mamíferos composta por dois compartimentos distintos, o epitelial e o estromal. Tem se atribuído grande importância científica a esta glândula uma vez que, o câncer de próstata é a neoplasia maligna mais prevalente entre homens e o segundo câncer que mais leva a óbito nas sociedades ocidentais. O desenvolvimento prostático é mediado pela regulação hormonal, primeiramente, por andrógenos que são hormônios esteroides responsáveis por induzir a diferenciação e maturação do sistema reprodutor masculino e por atuar no desenvolvimento das características sexuais secundárias masculinas. Além disso, alguns estudos mostram que a próstata é uma glândula muito suscetível às alterações nos níveis dos andrógenos, que podem desempenhar um importante papel no desenvolvimento do câncer de próstata. Existem muitos compostos naturais que apresentam propriedades benéficas ao organismo e podem ser uma importante estratégia terapêutica no tratamento de doenças. O β-Cariofileno (BCP) é um sesquiterpeno isolado de óleos de algumas plantas medicinais, tem ação anti-inflamatória, apoptótica, antiangiogênica e pode estar relacionado com a inibição da proliferação de uma variedade de células tumorais presentes na próstata, por exemplo. Dessa forma, o presente trabalho tem por objetivo avaliar os efeitos da exposição ao β-Cariofileno sobre a próstata ventral de gerbilos adultos suplementados pela testosterona. A partir dos resultados observados, pretende-se analisar os diferentes componentes estromais, epiteliais e as células do sistema imunológico frente ao processo inflamatório e exposição ao β-Cariofileno. Serão utilizados gerbilos machos adultos divididos nos grupos: Controle intacto (C), Testosterona Imediato (TI), Testosterona Tardio (TT), Testosterona e β-Cariofileno (T+BCP) e β-Cariofileno (BCP). Ao fim do experimento, os animais serão eutanasiados, a próstata ventral será retirada, pesada e fixada. Serão realizadas análises morfológicas, morfométricas, estereológicas, imuno-histoquímicas, sorológicas, da expressão de proteínas e a quantificação de citocinas e hormônios solúveis. Assim, espera-se que o β-Cariofileno reduza os efeitos dos tumores prostáticos, em animais expostos a testosterona, por meio da ativação de vias apoptóticas e anti-inflamatórias e que ocorra um rearranjo dos elementos constituintes do estroma e do epitélio dessa glândula.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patrícia Soares Bilhalva dos Santos

Ciências Agrárias

Recursos Florestais e Engenharia Florestal
  • avaliação de painéis sanduíche de madeira paricá com núcleos de espuma rígidas produzidas a partir da biomassa amazônica.
  • A necessidade de sustentabilidade ambiental, controle do desmatamento aliada com uso de elementos estruturais leves, isolantes térmicos têm contribuído para o aumento da utilização de materiais compósitos de madeira e outros materiais, nos quais se incluem as estruturas em sanduíche. Os painéis sanduíche com lâminas de madeira com núcleos de espumas têm como vantagens a elevada relação rigidez/peso próprio, conforto térmico e acústico que outros materiais tradicionais. Nesta proposta, visa o estudo sobre o comportamento físico-mecânico, acústico e térmico de painéis sanduíche com lâminas de Paricá (Shizolobium amazonicum Huber ex Ducke) com dois materiais diferentes de núcleo (Espuma rígida de poliuretano de biopoliol (ERPB) e Espumas rígidas a base de taninos (ERT)). Esta proposta pretende demonstrar a viabilidade técnica e econômica do uso de biomassa florestal amazônica na produção de espuma rígida como núcleo para a produção de painéis sanduiches, esses painéis serão utilizados como elemento auxiliar (forro), paredes internas, como auxiliar no conforto térmico para a construção civil, em alternativa aos materiais isolantes atualmente comercializados.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Patricia Takako Endo

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • utilização de deep learning para classificação e predição de dados de saúde
  • A ONU possui um programa chamado Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável que tem como objetivo um plano de ação global composto por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Dentre os 17 ODS, o ODS 3 - Saúde e Bem-Estar - tem como objetivo principal assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades. Um dos propósitos do ODS 3 é “até 2030, acabar com as epidemias de AIDS, tuberculose, malária e doenças tropicais negligenciadas, e combater a hepatite, doenças transmitidas pela água, e outras doenças transmissíveis”, garantindo assim, equidade entre os indivíduos, diminuição da morbidade e mortalidade e, consequentemente, uma melhora no progresso mundial. No Brasil, o governo federal (em sua esfera correspondente) é responsável por manter e atualizar bases de dados como o Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN) , que contém informações de pacientes com diagnóstico de alguma doença situada na lista nacional de doenças de notificação compulsória. Sua criação possibilitou o acesso a informações sobre as doenças em todo o país, facilitando o serviço dos profissionais de saúde. Além do SINAN, existe também o Sistema de Informações e Mortes do Brasil (SIM), que, como o próprio nome sugere, coleta dados sobre mortes; porém estas bases de dados sofrem grandes problemas de consistência, atualização e integração. A quantidade de dados gerada é abundante e obter conhecimento e insights a partir de tais dados é um grande desafio no processo de transformação digital na área de assistência médica pelo fato de que tais dados são complexos, de alta dimensão e heterogêneos. Além disso, os dados oriundos de plataformas de registros eletrônicos de saúde são, por muitas vezes, mal anotados (com diversos erros de digitação) e não estruturados. Este projeto tem como objetivo propor modelos deep learning para auxiliar este processo de transformação digital na área de saúde, com foco em classificação de gravidade de doenças e predição de epidemias. Como cenário de aplicação dos modelos, foram selecionadas duas doenças relevantes no contexto mundial e brasileiro: tuberculose e malária (ambas estão alinhadas ao ODS 3 e constam na lista brasileira de doenças de notificação compulsória), podendo ser adicionadas outras doenças no decorrer do projeto.
  • Universidade de Pernambuco - PE - Brasil
  • 19/08/2020-31/08/2022