Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ailton Reis

Ciências Agrárias

Agronomia
  • diversidade de isolados de pythium obtidos de hortaliças no brasil, gama de hospedeiros e sensibilidade ao fungicida mefenoxam
  • A olericultura representa importante setor da agricultura brasileira, em especial pela relevante participação das hortaliças na alimentação de boa qualidade, geração de empregos e retorno financeiro em pequenas áreas. Apesar de ser um mercado altamente diversificado em termos de produtos, cerca de 12 espécies de olerícolas - entre elas a batata, o tomate, a cebola, a cenoura, a alface, as folhosas da família Brassicaceae e as cucurbitáceas representam mais de 80% do valor total gerado pelos hortigranjeiros. A cadeia produtiva de hortaliças possui vários entraves ao aumento da produção e/ou qualidade do produto em razão principalmente das mudanças climáticas já presenciada nos últimos anos, custo dos insumos e incidência de pragas e doenças. Diversos problemas fitossanitários ainda desafiam e limitam a produtividade e qualidade de diversas culturas, merecendo destaque patógenos habitantes do solo em razão da dificuldade de controle. Dentre esses, os oomicetos compõe um grupo de organismos heterotróficos compreendendo várias espécies fitopatogênicas, principalmente dentro dos gêneros Phytophthora e Pythium. Oomicetos do gênero Pythium estão entre os patógenos mais comumente distribuídos no solo, sendo geralmente polífagos e de rápido desenvolvimento. Estes patógenos causam diversas doenças em hortaliças, sendo as principais o tombamento de mudas e podridões de raiz. A dificuldade de controle destes oomicetos em hortaliças deve-se principalmente à ampla gama de hospedeiras (isto dificulta o emprego de rotação de culturas), à reduzida oferta de fungicidas registrados e o surgimento de populações resistentes aos poucos ingredientes ativos utilizados em seu controle. O principal fungicida utilizado no controle de oomicetos, o mefenoxan, apresenta sítio de ação específico, podendo selecionar indivíduos resistentes. Assim, é importante conhecer a diversidade de espécies de Pythium que atacam hortaliças no Brasil, pois isso implica diretamente na determinação da gama de hospedeiros e a sensibilidade a fungicidas das principais espécies identificadas, visando ter suporte para decidir quais as medidas de manejo a serem implementadas. É importante mencionar que existem poucos grupos de pesquisa trabalhando com oomicetos fitopatogênicos no Brasil. No caso do gênero Pythium, praticamente não existem grupos de pesquisa trabalhando com as espécies fitopatogênicas. Um diferencial deste projeto é que a coleção representativa de isolados já está praticamente montada e o pesquisador coordenador da pesquisa localiza-se no Centro Nacional de Pesquisa de Hortaliças, que tem parceiros nas diversas regiões produtoras e ainda recebe amostras de hortaliças, para diagnose de doenças, de todo o Brasil. Estes fatores, aliados a algumas viagens pontuais, são estratégicos para a montagem de uma coleção representativa de isolados de Pythium. O objetivo deste projeto é realizar a caracterização morfológica e molecular de isolados de Pythium provenientes de diversas regiões produtoras de hortaliças do Brasil. A partir dessa caracterização, ter-se-á informação essencial para a proposição de medidas sustentáveis de controle ao se poder determinar a patogenicidade em diferentes espécies olerícolas (manejo cultural) e avaliar a sensibilidade ao fungicida mefenoxam (controle químico).
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Aires Pergentino da Silva

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • 6ª mostra viver ciência
  • A 6ª Mostra Acreana de Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação – Viver Ciência é um evento de continuidade das Mostras Viver Ciência, que já pertence ao calendário escolar do Estado do Acre. É organizado pela Secretaria de Estado de Educação e Esportes do Acre, em parceria com outras instituições, que promove a Divulgação Científica, através de um arcabouço de diversas atividades direcionadas a diversidade de público, sendo uma oportunidade para troca de conhecimentos, estímulo à criatividade, valorização da experimentação, da ação investigativa, da atividade inovadora, de trabalhos interdisciplinares e da promoção da iniciação científica. O evento geralmente é realizado no segundo semestre do respectivo ano, na Universidade Federal do Acre - UFAC. A Mostra é uma ação que visa integrar as ações e políticas públicas de promoção da Ciência no Estado do Acre. Prever-se a 6ª Mostra como um reflexo das edições anteriores. A prioridade de atendimento são os alunos das escolas da Educação Básica, em todos os segmentos. A Mostra tem um caráter inclusivo e formativo, sendo composta de atividades, para os mais diversos públicos, como atividades para as crianças, os adultos, pessoas de comunidades rurais, povos indígenas, público Geek, etc. Esta edição trará o diálogo de saberes entre o científico e o cotidiano, sendo composta de uma programação diversificada, com atividades apresentadas de forma lúdica e criativa. Farão parte do evento ações como: oficinas, minicursos, palestras, contação de histórias, exposição de trabalhos científicos, apresentações culturais e sessões no planetário, além da exposição de diversas atividades das instituições parceiras que, certamente, irão despertar o interesse do público infanto-juvenil e adultos pela ciência e tecnologia. A julgar pelos números das últimas edições, esperamos, para 2020, a visita de mais de 36 mil visitantes, atendendo a mais de 140 escolas. E, em termos de produção científica, atendermos a 300 projetos para serem apresentados na Exposição Científica, além de oferecermos um rico menu de atividades que ocorrem, simultaneamente, nos 3 dias de evento a contar com o auxílio dos parceiros.
  • Secretaria de Estado de Educação e Esporte do Estado do Acre - AC - Brasil
  • 07/01/2020-31/01/2021
Foto de perfil

Airton Cardoso Cançado

Ciências Humanas

Educação
  • a universalização do acesso a energia elétrica: uma avaliação do o uso do cadastro único pela gestão do programa tarifa social de energia elétrica no estado do tocantins
  • Este projeto tem como o principal objetivo avaliar o resultado do uso do Cadastro Único pela gestão do Programa Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE) no estado do Tocantins. A Tarifa Social de Energia Elétrica é um programa de barateamento do preço da energia elétrica para consumidores residenciais de energia elétrica, especialmente, para famílias de baixa renda. O programa TSEE faz uso do Cadastro Único para reconhecimento do público-alvo. Tendo sua eficiência, estritamente, relacionada a identificação dos beneficiários, a partir dos critérios estabelecidos pela legislação vigente, na base de dados Cadastro Único. Inicialmente, pretende-se realizar uma sistematização da literatura sobre a Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE), evidenciando evolução histórica da política, resultados alcançados e principais desafios. Posteriormente, propõem-se identificar a quantidade de famílias assistidas pelo programa Tarifa Sociais no estado do Tocantins. Por fim, elaborar-se-á uma análise da percepção dos beneficiários participantes do programa em relação ao acesso e resultados da intervenção, buscando verificar em que medida o programa afeta à qualidade de vida dos beneficiários.
  • Universidade Federal do Tocantins - TO - Brasil
  • 03/01/2020-31/12/2020