Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Walter José Gomes

Ciências da Saúde

Medicina
  • avaliação dos resultados clínicos da substituição valvar aórtica comparando o implante de prótese sem sutura com a cirurgia com prótese convencional. estudo randomizado controlado
  • Objetivo: Avaliar e comparar os efeitos da cirurgia de substituição valvar aórtica entre o implante de prótese sem sutura versus o implante de prótese valvar convencional nos resultados clínicos e nos marcadores pró- e anti-inflamatórios. Desenho do Estudo: Estudo prospectivo, controlado, randomizado e multicêntrico. Método: Serão estudados prospectivamente pacientes portadores de estenose aórtica sintomática com doença coronária associada e randomizados em 2 grupos: Grupo convencional (n=24) – implante de prótese valvar convencional; Grupo sem sutura (n=24) – implante de prótese sem sutura. Os resultados clínicos serão avaliados pela incidência de eventos adversos graves: morte, deterioração estrutural, trombose, embolia, sangramento, endocardite, plaquetopenia, hemólise clinicamente significativa e disfunção não estrutural (incluindo vazamento periprotético e intraprotético), baixo débito cardíaco, sangramento, tempo de intubação orotraqueal, função renal, tempo de permanência na UTI e hospitalar no PO. Serão coletadas amostras sanguíneas periféricas no pré-operatório, ao final cirurgia (após fechamento da pele) e 12 horas de PO, procedendo-se à dosagem sérica de interleucinas (IL) 1, IL6, IL 8, IL10 e TNFα. A função pulmonar será realizada em todos os pacientes, com os valores da capacidade vital forçada e volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1) avaliados beira-leito nos pré e pós-operatórios (1º 3° e 5° dias). A capacidade funcional será avaliada utilizando o teste de caminhada de 6 minutos no pré e pós-operatório. Todos os pacientes serão acompanhados até 6 meses com exame clínico, avaliação da classe funcional NYHA, ecocardiografia transtorácica e exames bioquímicos. Os eventos adversos serão divididos em complicações precoces (até 30 dias de pós-operatório) e tardias (após 30 dias). Todos os avaliadores serão cegos à randomização dos indivíduos.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022