Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Aline Silva Mello Cesar

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • mutações funcionais associadas ao perfil de ácidos graxos, desempenho, qualidade da carne e parâmetros imunológicos a partir do transcriptoma do músculo de suínos
  • Os lipídios são uma classe de moléculas presentes em todos os tipos de células. Contribuem para a estrutura celular, o armazenamento de energia e várias funções biológicas, desde a regulação transcricional até os processos fisiológicos. Essas moléculas também são responsáveis pelo valor nutricional da carne, que são diretamente influenciadas pela dieta animal. A carne tem alto valor nutricional e é uma importante fonte de ácidos graxos insaturados (PUFA), como ácido oleico (AO, C18: 1 cis 9) e ácido linoleico (AL; C18: 2 cis9, 12), os quais apresentam efeitos benéficos à saúde humana. Estudos anteriores relataram uma importante contribuição da ingestão de AO na saúde humana, levando à diminuição dos níveis de colesterol, risco de aterosclerose e ocorrência de diabetes do tipo 2. Além disso, AO tem efeitos protetores contra infecção viral e desenvolvimento de câncer. A carne tem um perfil de ácidos graxos de alta insaturação, e é considerada uma importante fonte de AO na nutrição humana. Nossa hipótese é que o AO incluído na dieta de suínos na fase de terminação pode alterar o perfil transcriptômico e a resposta inflamatória em diferentes tecidos, como músculo esquelético, fígado e cérebro, afetando vários processos biológicos e consequentemente as características fenotípicas dos animais. Assim, nosso objetivo é identificar e validar as mutações funcionais associadas ao perfil de ácidos graxos, desempenho e parâmetros imunológicos a partir do transcriptoma de músculo de suínos da raça Large White submetidos à dietas com diferente perfil de ácidos graxos.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Aline Souza de Paula

Engenharias

Engenharia Mecânica
  • análise e controle de sistemas dinâmicos não-lineares e estruturas inteligentes
  • A natureza está repleta de não-linearidades que são responsáveis pela diversidade de comportamentos dos sistemas naturais. Diversos sistemas mecânicos e biomecânicos são não-lineares em sua essência e uma investigação dinâmica adequada possui papel fundamental no projeto de sistemas, assim como auxiliam na identificação de padrões de respostas, na implementação de técnicas de controle e na previsão de tipos de comportamento. A resposta caótica é uma das possibilidades de resposta de sistemas não-lineares e possui três características importantes: sensibilidade às condições iniciais, presença de inúmeras órbitas periódicas instáveis (OPIs) e ergodicidade. Uma forma de conferir flexibilidade aos sistemas dinâmicos não-lineares é através do controle de caos. O controle de caos se baseia na riqueza de padrões periódicos existentes no comportamento caótico e pode ser entendido como a utilização de pequenas perturbações no sistema para estabilizar uma trajetória dentro desses comportamentos periódicos. No contexto das ciências mecânicas, diversas áreas têm se deparado com questões não-lineares importantes. Neste contexto, o desenvolvimento de sistemas e estruturas inteligentes é uma filosofia de projeto que vem ganhando importância nos últimos anos. Dentre os materiais inteligentes, destacam-se os piezelétricos, as ligas com memória de forma, os magnetoestrictivos e os fluidos reológicos. A piezeletricidade pode ser vista como uma interação entre os estados mecânico e elétrico de um material ocorrendo de duas formas recíprocas: efeitos direto e inverso. Do ponto de vista mecânico, os efeitos direto e inverso da piezeletricidade representam, respectivamente, o uso do dispositivo como sensor e como atuador. Além da utilização do material piezelétrico como sensores e atuadores, a sua utilização para colheita de energia (ou energy harvesting,) vem sendo bastante explorada recentemente. Nos últimos anos, a importância do conceito de colheita de energia de fontes renováveis vem crescendo gradativamente e está relacionada a diversas aplicações. As ligas com memória de forma (SMAs, Shape Memory Alloys) constituem um grupo de materiais metálicos capaz de recuperar a geometria original (ou de desenvolver consideráveis forças de restituição ao se restringir sua recuperação) através da imposição de um campo de temperatura e/ou de tensão, devido a transformações de fase induzidas no material. Devido às suas singulares características, as ligas com memória de forma têm instigado uma série de pesquisas em diversos campos do conhecimento, motivando o surgimento de diversas aplicações. Este projeto propõe o desenvolvimento de pesquisa em dinâmica não-linear e controle, com aplicações em sistemas mecânicos, bio-mecânicos e estruturas inteligentes.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alírio Carvalho Cardoso

Ciências Humanas

História
  • tupi-indianen: a amazônia nas crônicas e cartas holandesas (século xvii).
  • Na primeira metade do século XVII, uma série de relatórios (rapporten), cartas (brieven) e crônicas (Beschrijving) foi enviada ao Heren XIX, o conselho supremo das Províncias Unidas dos Países Baixos. Essa documentação, arquivada em grande parte no Nationaal Archief (Arquivo Nacional de Haia), apresentava o Maranhão e o Grão-Pará como territórios peculiares no processo de domínio neerlandês na América. Em grande parte, essa crônica seguia o mesmo modelo retórico já exercitado por portugueses e espanhóis, ao descrever os índios da região como potenciais aliados e futuros cristãos. Entretanto, há diferenças conceituais importantes entre os escritos ibéricos e os relatos holandeses, principalmente quanto à relativização da clássica oposição entre tapuias e tupis, diferença consagrada na produção missionária do período, condizente com as características da missio moderna católica. O objetivo dessa comunicação é refletir sobre certas singularidades da representação holandesa sobre os índios do Maranhão e Grão-Pará, comparando-a com a crônica luso-espanhola do mesmo período. Ao mesmo tempo, discutiremos o papel das nações indígenas nos projetos oceânicos holandeses das décadas de 1620 e 1630, período que coincide com a etapa mais internacional da guerra hispano-holandesa
  • Universidade Federal do Maranhão - MA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alison Gonçalves Nazareno

Ciências Biológicas

Botânica
  • conservação de mimosa catharinensis: uma espécie endêmica, rara e ameaçada de extinção da mata atlântica
  • Considerado um dos biomas com maior número de espécies e endemismo, a Mata Atlântica é também um dos biomas mais ameaçados. Em decorrência de pressões antrópicas, cerca de 88% da Mata Atlântica foram perdidos e a maioria dos remanescentes florestais se encontram isolados e com área menor que 50 hectares. Haja vista que os efeitos da perda e isolamento de hábitats incidem de maneira mais profunda em espécies raras e, ou com distribuição geográfica restrita, neste projeto será estudada uma das espécies da Mata Atlântica com uma das menoress áreas de ocupação (ca. 1,0 Km) e com risco elevado de extinção (Mimosa catharinensis). Com o intuito de contribuir para a conservação in situ e ex situ desta espécie, investigaremos os padrões de diversidade genética, o sistema reprodutivo e o fluxo gênico contemporâneo usando, como ferramenta de análise, marcadores SNPs. Estes marcadores serão derivados do sequenciamento massivo de sequências associadas a sítios de restrição, como o uso da técnica ddRADseq (double-digest Restriction-site Associated DNA sequencing). Em adição aos estudos genéticos, este projeto englobará pesquisas em outras áreas do conhecimento como demografia e modelagem computacional. A estratégia de pesquisa multidisciplinar apresentada aqui será imprescindível para o encaminhamento de ações mitigadoras para a conservação dessa espécie, além de servir de referencial para estudos futuros com outras espécies ameaçadas e raras da flora brasileira.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alisson Carraro Borges

Ciências Agrárias

Engenharia Agrícola
  • sistemas alagados construídos para remoção de flúor na água: otimização do processo com uso de fito-hormônio e biocarvão
  • A presença de flúor na água é um dos desafios da sociedade moderna a ser superado. Dividindo opiniões no meio científico, o flúor, embora em baixas concentrações seja benéfico à saúde humana, em níveis elevados se torna um problema de saúde pública posando como contaminante. Torna-se presente na água por rotas naturais (intemperismo de material geológico) ou antrópicas (disposição de efluentes ou pelo tratamento e abastecimento de água em si no qual a fluoretação é prevista por lei). O Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde recomendam valor máximo de 1,5 mg L-1 de fluoreto na água. Dessa forma, é necessário buscar soluções viáveis e eficientes para adequar os níveis de flúor na água quando este se torna um problema para o abastecimento das populações, em especial àquelas que não tem acesso a mananciais alternativas. Técnicas de tratamento, mais simples e baratas, para melhorar a qualidade das águas estão sob constante investigação. Uma dessas alternativas é a fitorremediação. Um sistema alagado construído (SAC) é uma estratégia de fitorremediação projetado para utilizar plantas cultivadas em substratos (solo, areia, brita, cascalho) onde ocorrem processos físicos, químicos e bioquímicos de depuração de efluentes líquidos (MATOS et al., 2010). É uma tecnologia crescente que pode fornecer um método efetivo de tratamento de vários contaminantes, além de ser considerada uma tecnologia mais limpa, barata, esteticamente agradável e passível de ser aplicada de maneira descentralizada na depuração de águas ou águas residuárias (KURZBAUM et al., 2012; TANGAHU, 2011; ZAVODA, 2001). Entretanto, por ser tecnologia recente, a fitorremediação em SAC requer mais pesquisas sobre as condições do solo, da água e da planta. Dominar esses parâmetros contribuiria para o aperfeiçoamento do processo e abriria espaço para otimização, como a possibilidade da adição de hormônios de crescimento de plantas e/ou de substratos que possam aumentar o desempenho do meio filtrante, por exemplo, biocarvão. Os fito-hormônios são moléculas que podem contribuir de maneira significativa na assimilação de espécies químicas e promover maior desenvolvimento ou resistência da planta. Pouco se sabe sobre o uso de fito-hormônio na potencialização do desempenho de plantas em processos de fitorremediação. Enquanto fito-hormônios potencializariam, em tese, o desempenho das plantas nos SACs, o biocarvão potencializaria o desempenho do meio suporte. Com superfície altamente reativa, o biocarvão é obtido a partir da pirólise de biomassa. Sua utilização como aditivo do solo tem sido largamente estudada (DOSKOCIL, 2012; NOVAK et al., 2015), mas sua aplicação em sistemas aquosos, em contrapartida, permanece tímida e majoritariamente reportada em escala de microcosmo (ROZARI et al., 2018). No tocante ao flúor, ensaios de adsorção deste elemento ou de compostos fluoretados em biocarvão são pontualmente encontrados na literatura (OH et al., 2012; SUN et al., 2011; YAO et al., 2013). A seleção da biomassa e os devidos processos de ativação considerando as propriedades do contaminante alvo, conferem ao biocarvão maiores chances de sucesso. No caso do fluoreto, é sabido que sua afinidade por óxidos de ferro, alumínio e manganês e fosfato é elevada (GAO et al., 2012; RUAN et al., 2004; SINGH et al., 2018; TYLENDA et al., 2003; ZHOU et al., 2016). Dessa forma, lodo de estação de tratamento de água (rico em alumínio devido ao uso de coagulantes), e palha de cana-de-açúcar (rico em ferro, potássio e magnésio) são excelentes escolhas para imobilização de flúor. Ambos são largamente produzidos e apresentam problemas de disposição e reuso. Portanto, o objetivo geral deste projeto é avaliar a desfluoretação da água por meio de fitorremediação em sistemas alagados construídos e investigar estratégias de otimização por meio do uso de fito-hormônios e biocarvão. O estudo se dará em escalas de micro e mesocosmo em 4 fases. Fase 1) Comparação em laboratório do potencial de remoção de flúor (doses variadas) em solução por 3 espécies de macrófitas: Eichornia crassipes, Pistia stratiotes, Lemna valdiviana. Serão investigados em delineamentos fatoriais fracionados e composto central (DDC) os efeitos da presença de diferentes valores de nitrato, cloro, fosfato, cálcio e alumínio na solução e o pH na absorção de flúor pelas espécies. Estudos de cinética serão conduzidos e os resultados ótimos seguirão para fase 2. Fase 2) Comparação de 2 fito-hormônios para a espécie de melhor desempenho nas condições fixadas na fase 1. Será avaliada a contribuição de auxina e ácido giberélico na assimilação de fluoreto na água pelas plantas em diferentes doses desses hormônios e valores de pH em DCC (2 fatores). Fase 3) Desfluoretação em sistemas alagados construídos (SAC). O fito-hormônio de melhor desempenho na fase 2 será adotado em SACs de 2m X 0,5m X 0,6 m onde serão avaliados diferentes tempos de residência hidráulica e o papel do meio suporte sob concentração fixa de fluoreto (20 mg L-1) por 90 dias. Fase 4) Uso de biocarvão produzido de biomassa de cana e lodo de ETA ativados quimicamente com ácido fosfórico para remoção de flúor em SACs de laboratório em DCC com 2 fatores (dose biocarvão e pH). Resultados serão comparados com o desempenho dos fito-hormônios. Todas as plantas serão aclimatadas em solução de Clark. As análises de flúor serão feitas por eletrodo de íon seletivo e espectrofotometria de acordo com Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. Elas se darão no afluente, efluente, nos sedimentos e nos tecidos vegetais (por meio de digestão) para calcular remoção global de flúor, bem como índices de bioacumulação e translocação nas plantas. Os ensaios contarão com testemunha para contabilização de perdas de flúor por circunstâncias não controladas. Os valores para fatorial fracionado (-1, 0, 1) e DCCR (-α, -1, 0, +1, +α) nos ensaios serão determinados após extensa revisão.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022