Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Eliana Marta Barbosa de Morais

Ciências Humanas

Geografia
  • elaboração de material didático temático sobre o cerrado
  • O papel dos cursos de formação inicial de professores de Geografia é o de construir conhecimentos que auxiliem os futuros docentes a analisarem a realidade sob a perspectiva do espaço geográfico e, ao mesmo tempo, a refletirem sobre os conhecimentos necessários para que essa aprendizagem seja consolidada na Educação Básica. A esse respeito Callai (2010) expressa que é por meio da análise geográfica, pela linguagem e pelos conceitos dessa ciência, que a Geografia Acadêmica e a Geografia Escolar se convergem. Assim, a partir da linguagem e do raciocínio especializado da ciência os docentes mobilizam os conhecimentos necessários ao processo de ensino e aprendizagem. Grossman; Wilson e Shulman (2005) ao mesmo tempo em que defendem a importância do trabalho com os conteúdos, explicitam que a formação inicial do professor de Geografia não consegue abordar todos os conteúdos trabalhadas no Ensino Básico, em suas especificidades. Alguns conteúdos são mais verticalizados que outros. Por isso, esses autores ressaltam a necessidade da formação continuada do professor. Pensar a formação inicial significa também apontar para o debate que nos tenciona a refletir que, embora o conteúdo seja imprescindível para a atuação docente, ele sozinho não garante a formação do professor. Há a necessidade de uma formação concebida a partir do conhecimento didático do conteúdo, conforme pontua Shulman (2005). Ou seja, além do domínio do conteúdo o professor precisa também saber como ensinar. Em análise realizada de materiais didáticos e curriculares, com alunos do curso de graduação em Geografia do IESA/UFG, identificamos que a vegetação se constitui como o principal tema abordado ao se tratar dos componentes físico-naturais do espaço geográfico no currículo referência da Rede Estadual de Educação (REE) de Goiás, no currículo da Rede Municipal de Educação (RME) de Goiânia e na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Todavia, ela não se constitui como o principal tema tratado nos livros didáticos e quando o é, a sua abordagem, comumente, está desvinculada da necessidade de encaminhar o seu ensino a partir do conhecimento prévio e do cotidiano dos alunos. Considerando que os livros didáticos se constituem num dos principais apoios pedagógico didáticos aos professores que atuam na Educação Básica e que eles não dão conta do trabalho em sua totalidade com os conteúdos geográficos, apresentamos nessa pesquisa a importância de elaborar materiais didáticos que subsidiem o trabalho dos professores com esse conteúdo, a partir do que tem sido denominado pelos pesquisadores da área de ensino de Geografia do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação Geográfica – LEPEG/IESA/UFG, de fascículos didáticos. Apoiados em claros referenciais teórico-metodológicos os docentes dessa instituição tem elaborado desde o ano de 2009 fascículos didáticos em apoio aos professores de Geografia que atuam na Educação Básica. Até o momento foram produzidos, no contexto da coleção Aprender com a cidade, sete fascículos didáticos: Bacias hidrográficas da Região Metropolitana de Goiânia (MORAIS; ROMÃO, 2009); Cartografia da Região Metropolitana de Goiânia (OLIVEIRA; MORAES, 2009); Espaço Urbano da Região Metropolitana de Goiânia (ROSA; KAUER, 2010). Violência Urbana na Região Metropolitana de Goiânia (OLIVEIRA; MORAES, 2010); Dinâmicas Econômicas da Região Metropolitana de Goiânia (RICHTER; CAVALCANTI, 2013); Dinâmicas Populacionais da Região Metropolitana de Goiânia (RICHTER; CAVALCANTI, 2013); e A relação cidade/campo no território goiano (CAVALCANTI; OLIVEIRA; SPIRONELLO, 2018). Utilizando como subsídio a metodologia elaborada na produção desses fascículos e a experiência que membros da equipe dessa pesquisa possuem, propomos a construção de um Fascículo Didático sobre o Cerrado. O intuito dessa produção é contemplar tanto os conhecimentos específicos da ciência quanto as proposições didáticas para o seu encaminhamento pelos professores, na perspectiva do conhecimento didático do conteúdo, visando amenizar não só as lacunas que permeiam a formação inicial, mas também, as dificuldades de ensino, acesso e compreensão das informações sobre o Cerrado pelos professores que ministram a disciplina de Geografia na Educação Básica. Atualmente, as principais discussões que permeiam o Cerrado pautam-se em ideais político-ideológicos acerca da ampliação das áreas para produção de alimentos no Brasil. Dessa forma, o “olhar” sobre o Cerrado vem se transformando, de uma contemplação para a impactação intensa, que propicia a lucratividade. E assim, o Cerrado é hoje, um dos dois hotspots brasileiros por abrigar “[...] uma imensa diversidade de espécies endêmicas significativamente afetadas e alteradas pelas atividades humanas[...]” (OLIVEIRA, PIETRAFESA; BARBALHO, 2008, p. 106). Segundo Chaveiro (2008), o Cerrado mesmo com todas as suas características físico-naturais, como o solo, a rocha, a vegetação e os rios, não poderia existir independente de sua apropriação que é social e cultural, assim, o Cerrado ganha significado pelos sujeitos que o vivenciam de forma harmônica ou de forma exploratória, dado os valores de uso e valor de troca de cada indivíduo. Ainda que tenha vários diálogos estabelecidos nas pesquisas acadêmicas e aplicadas sobre o Cerrado, esse tema ainda não é referência no âmbito educacional. Cavalcanti (2016) ao realizar o Estado da Arte sob a problematização: Para onde estão indo as investigações sobre ensino de Geografia no Brasil? analisou Teses e Dissertações nos Programas de Pós-Graduação em Geografia no Brasil. Dessa análise, o conteúdo Cerrado foi destacado com o menor percentual de produções científicas voltadas ao processo de ensino e aprendizagem de Geografia (17,66%). Com isso, consideramos relevante estudar o Cerrado a partir dos seus componentes físicos-naturais, sociais e culturais, para conservá-lo, tanto na memória quanto em suas próprias características físicas.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliana Midori Sussuchi

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • feira de ciências como possibilidade de construção e aproximação de conhecimentos
  • Este projeto propõe a realização de uma Feira de Ciências envolvendo os alunos e professores da educação básica de escolas estaduais e/ou municipais do município de Aracaju/Sergipe. Tendo como meta possibilitar e melhorar a compreensão da presença da Química, Física e Biologia e outras disciplinas no cotidiano dos alunos da Educação Básica através da realização de Feira de Ciências. Além de incentivar a divulgação das Ciências (Popularização das Ciências) como ferramenta de aquisição de conhecimentos multidisciplinares.
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Eliana Miura Zucchi

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • trajetórias e processos de vinculação ao cuidado para ist e hiv entre adolescentes e jovens homens que fazem sexo com homens, travestis e mulheres transexuais que participam de intervenções em comunidade para oferta de testagem e prep
  • A presente proposta visa analisar o acesso de adolescentes e jovens, com 15 a 19 anos, aos serviços de tratamento de IST e a oferta de insumos de prevenção, notadamente PrEP, PEP e ou autoteste do HIV, sendo desenvolvida no contexto da pesquisa intitulada “Estudo da efetividade da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) e das estratégias de captação e vinculação para o HIV entre adolescentes homens que fazem sexo com homens, travestis e mulheres transexuais com risco substancial de infecção pelo HIV no Brasil” (Estudo PrEP15-19). A presente proposta analisará a trajetória de adolescentes e jovens HSH e TrMT, de 15 a 19 anos, realizada entre as estratégias de intervenção comunitária e os serviços de saúde à busca de PrEP, para a resolução de problemas de saúde relacionado às IST e HIV e/ou a realização do autoteste do HIV, tendo como objetivos compreender: (a) os processos e fatores que influem na vinculação (ou não vinculação) de adolescentes e jovens aos serviços para o cuidado relacionado a IST e HIV; (b) as percepção e práticas de profissionais de saúde quanto a oferta e uso da PrEP, PEP e autoteste pelos adolescente e jovens; (c) as motivações e as experiência de uso do autoteste no contexto do diagnóstico da infecção ou como estratégia de prevenção e (d) a aceitabilidade de adolescentes, jovens e profissionais de saúde acerca esquema de tomada intermitente da PrEP, frequentemente designado ‘PrEP sob demanda’. O projeto será desenvolvido nas cidades de São Paulo e Salvador, utilizando metodologia qualitativa, com dados produzidos a partir do atendimento de profissionais de saúde que atuarão na vinculação dos adolescentes, desde o momento em que for identificado alguma necessidade de saúde ou indicada o uso de PrEP, assim como por meio de entrevistas em profundidade realizadas com os adolescentes após sua vinculação ao serviço ou de 60 dias sem terem chegado ao serviço. Serão realizadas, ainda, entrevistas com profissionais de saúde dos serviços de atendimento de adolescentes.
  • Universidade Católica de Santos - SP - Brasil
  • 06/11/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Eliana Saul Furquim Werneck Abdelhay

Ciências Biológicas

Genética
  • regulação genética e epigenética da evolução do câncer de mama:um modelo de carcinogênese
  • O câncer de mama (CM) é o segundo câncer mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, a estimativa foi de cerca de 59.700 novos casos para 2018. O CM é uma doença heterogênea tanto biologicamente quanto clinicamente. Dependendo da sua origem, o CM pode ser classificado mais usualmente como ductal ou lobular, e de acordo com sua agressividade pode ser classificado como in situ ou invasivo. A presença de alguns padrões de expressão gênica foi capaz de estratificar o CM em subtipos moleculares. Essa classificação tem grande implicação na progressão da doença, bem como no prognóstico e intervenção terapêutica específicas utilizadas atualmente. Por outro lado análises de proteômica comparativa Label Free e de microarrays realizadas por nosso grupo indicou que uma das primeiras alterações sofridas pelas células do tumor incluem uma modificação da resposta imune o que poderia implicar ou num escape ao controle, da célula ductal ou mesmo uma indução das células a um fenótipo tumoral. Análises in silico destes resultados indicam que as vias de sinalização mais alteradas neste subtipo tumoral são a quimiotaxia de leucócitos e as vias de apresentação dependentes de MHC classe II. Nesta mesma análise foi possível identificar c-Fos / c-Jun como potenciais reguladores a montante dos genes desregulados. Tomados em conjunto, nossos dados mostram, pela primeira vez a participação de determinados membros do sistema imune em Câncer de Mama e sua correlação com a ativação do c-Fos / c-Jun no início da doença. Além disto a comparação dos perfis proteômicos e transcriptômicos entre os diferentes subtipos moleculares de CM mostrou uma provável evolução da carcinogênese mamária controlada por fatores de transcrição como c-fos, c-jun, NFkB, Twist1 e outros. Algumas destas alterações de expressão e sua regulação já foram por nós demonstradas. Por outro lado estudos realizados por nosso grupo e ainda não publicados mostram que alguns destes mesmos fatores podem ser influenciados por uma regulação epigenética. Desta forma neste projeto temos como objetivo dar continuidade aos nossos estudos de regulação genética e epigenética da evolução do Câncer de Mama finalizando por validar um modelo de evolução do CM. Para isto o projeto será conduzido em 6 metas principais: 1-Avaliação do papel dos genes c-jun e c-fos na transformação de células epiteliais normais em células tumorais do tipo luminal A (ER+,PR+), 2- Estudo da ativação de NFkB na evolução de tumores Luminal A para Luminal/Her+ e suas consequencias, 3-Papel dos fatores de transcrição da TEM em cada subtipo molecular do câncer de mama, 4- A regulação epigenética dos genes controladores da evolução, 5-Avaliação do papel das calpaínas na evolução do câncer de mama, 6- Desenho e validação de um modelo de carcinogênese mamária,
  • Instituto Nacional de Câncer - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane Anselmo da Silva

Ciências Humanas

Antropologia
  • mapeamento das comunidades tradicionais de terreiros de matriz africanas na cidade de mossoró/rn.
  • A pesquisa de mapeamento das Comunidades Tradicionais de Terreiros em Mossoró, objetiva conhecer o universo das religiões de matriz africana nesta cidade, sobretudo no que se refere aos aspectos socioculturais, econômicos e demográficos, mas também com relação as variantes rituais e nomenclaturas, a partir da caracterização dos ritos, panteão de divindades etc. Pretende-se a partir desse mapeamento construir um banco de dados que colabore com a construção de políticas públicas que beneficiem este segmento religioso, bem como seu fortalecimento na luta contra a intolerância religiosa e para a valorização do patrimônio afro-brasileiro da região.
  • Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane Cristina de Freitas Rocha

Ciências Sociais Aplicadas

Museologia
  • mediando memórias individuais e coletivas: a experiência de construção de centros de memória comunitários
  • Tendo como pano de fundo os debates trazidos pela Nova Museologia, a função social do museu tem sido discutida historicamente em diversos eventos e marcos regulatórios. No caminhar das discussões sobre a nova museologia, iniciados em fins dos anos 50, e mais fortemente nos anos 1960/1970 e os dias atuais, diversos museus comunitários foram criados no Brasil. Recentemente, mais precisamente no dia 6 de setembro de 2017, o IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus), por meio da portaria 315, instituiu “Programa Pontos de Memória”, objetivando a formulação de políticas públicas para a museologia social. É oportuno, portanto, conhecer melhor as experiências de tais centros de memória em seus processos constitutivos. não se sabe muito sobre o processo de musealização destas entidades. De que maneira as memórias coletivas das regiões foram construídas? Quais processos psicossociais (formação de grupos, processos identitários, negociação de memórias) foram envolvidos no processo de criação dos centros comunitários? De que maneira as memórias individuais foram abrigadas/selecionadas/chanceladas para fazer parte do centro de memória? Quais metodologias (mais ou menos formalizadas cientificamente) foram utilizadas na construção das memórias comunitárias? A literatura da museologia social indica a metodologia da pesquisa-ação como a metodologia apropriada para a criação e gestão de instituições comunitárias de memória.Mui to embora se comente sobre a pesquisa-ação, sua operacionalização, no caso dos centros de memória comunitários, é pouco conhecida, o que requer a compreensão dos processos psicossociais coletivos relativos à memória e à identidade. Enquanto processo psicossocial, apoiando-se em Halbwachs, distingue-se a memória autobiográfica, do indivíduo, e a memória histórica, coletiva. Os grupos sociais a que o sujeito pertence apoiam a formação de sua memória autobiográfica. Como os processos de negociação dos registros de memória autobiográficos acontecem em centros de memória comunitários, de maneira a serem preservados como registros da memória coletiva dos grupos envolvidos? Para compreender como se dão os processos psicossociais de criação de acervos de centros de memória comunitários, que envolvem processos de mediação das memórias autobiográficas com quadros memória social em processos de mediação (possivelmente grupais, participativos e autogeridos), pretende-se lançar mão da metodologia de estudos de casos múltiplos. Por meio desta metodologia, pretende-se fazer estudo dos casos considerados exemplares de construção de centros de memória comunitários, citados nominalmente na portaria do IBRAM, como os pontos de memória pioneiros: Terra Firme (PA), Grande Bom Jardim (CE), do Coque (PE), Jacintinho (AL), Beiru (BA), Taquaril (MG), Estrutural (DF), Museu de Favela - MUF (RJ), Grande São Pedro (ES), Museu de Periferia - MUPE (PR), Lomba do Pinheiro (RS). Para realização dos estudos de caso, serão aplicadas as técnicas de entrevistas em profundidade com gestores dos espaços, observação não participante dos pontos de memória (observação do cotidiano dos centros, durante o mínimo de uma semana, com possibilidade de observação de reuniões dos grupos gestores). A escolha dos centros comunitários se dará por critérios de disponibilidade dos centros, em respeito à abertura deles à presença da pesquisadora. A expectativa é de que ao menos um centro em cada macroregião brasileira participe da pesquisa. O roteiro das entrevistas e o estabelecimento das grades de observação acontecerão após o término da revisão bibliográfica da pesquisa. Além do emprego do estudo de casos bem sucedidos de centros de memória comunitários existentes, também se tem em vista o estudo do processo de criação de um centro comunitário ainda inexistente na cidade de Belo Horizonte – trata-se do Centro de Memória do Barreiro, que vem sendo discutido por vários coletivos daquela região belorizontina. Para este caso, o emprego da pesquisa-ação, junto aos coletivos nos processos de criação do acervo museológico será empregado, envolvendo coletas de registros de história oral de moradores, além de registros autobiográficos (que serão negociados para serem considerados coletivos – históricos).
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane Cristina Deckmann Fleck

Ciências Humanas

História
  • circulação e apropriação de saberes em obras manuscritas e impressas de cirurgia na américa meridional do setecentos
  • O projeto “Circulação e apropriação de saberes em obras manuscritas e impressas de Cirurgia na América meridional do Setecentos”, que submeto a este Edital, prevê a análise de obras de medicina e cirurgia - manuscritas e impressas - que se encontram em bibliotecas ou arquivos brasileiros, argentinos e chilenos, com o objetivo de identificar e analisar a apropriação e a difusão de conhecimento médico produzido por autores de obras clássicas relacionadas nos inventários das bibliotecas e das boticas dos colégios da Companhia de Jesus, bem como a produção de novos saberes, em especial dos nativos, que circularam através dessas obras e de receituários. Após o decreto de expulsão da Companhia de Jesus, em 1767, uma parte significativa dos acervos de livros editados e manuscritos que a ordem mantinha nas bibliotecas de seus colégios ou reduções foi assumida por outras ordens religiosas que atuavam na América platina, sendo que muitas delas passaram a administrar também suas boticas, enfermarias e hospitais. Dentre estas ordens está a Ordem franciscana, que, em Buenos Aires, conta com um Anticuariato, que se localiza no Seminário dos Franciscanos de San Antonio de Pádua, que reúne um importante acervo, no qual se encontram livros de Medicina e Cirurgia, provenientes tanto de conventos da própria ordem, quanto de algumas das bibliotecas dos colégios e reduções da Companhia de Jesus, que foram leiloados ou distribuídos logo após a expulsão. O Fondo Antiguo da Biblioteca Provincial Fray Mamerto Esquiú, em San Antonio de Pádua, Buenos Aires, possui um valioso acervo composto por obras - tidas como clássicas - de Medicina e Cirurgia do Setecentos, escritas por autores franceses, portugueses e espanhóis. A constituição desta biblioteca resultou da aquisição [mediante compra, doação ou através da destinação de acervo pelas autoridades espanholas logo após a expulsão da ordem, em 1767], apontando para a circulação destas obras na América platina e para a apropriação e aplicação dos pressupostos e procedimentos que elas traziam e recomendavam. O projeto prevê, também, a consulta ao Fondo Histórico Jesuítas, disponível no Archivo Nacional de Chile, que possui vasta documentação sobre as Temporalidades [documentação composta por inventários e catálogos] e sobre o período anterior e imediatamente posterior à expulsão da ordem, e, ainda, ao acervo de obras raras da Biblioteca Nacional de Chile e ao Archivo de la Província Chilena de la Compañía de Jesús, que custodia um valioso acervo composto por correspondências, registros contábeis, publicações e documentos notariais da ordem, desde sua instalação no Chile, em 1593. Em sua biblioteca se encontram tanto livros publicados por jesuítas, quanto livros, artigos e teses publicadas sobre a Companhia de Jesus no Chile. Cabe ressaltar que não existem estudos acadêmicos e nem uma significativa produção historiográfica sobre a atividade científica da Companhia de Jesus no Chile e, em especial, sobre as obras de Medicina e Cirurgia que estes missionários tiveram acesso, leram, aplicaram ou sobre aquelas que eles produziram, a partir de suas observações, experimentos ou prática efetiva como médicos ou cirurgiões. Sabe-se que a América meridional foi palco de constantes conflitos entre as duas Coroas ibéricas, sendo que alguns dos militares neles envolvidos, como atestam seus inventários, possuíam livros de Medicina e Cirurgia. Dentre estes inventários, chamou-nos a atenção o Alfabeto da Livraria de José da Silva Paes, que se encontra no Setor de Obras Raras da Biblioteca Riograndense, na cidade de Rio Grande, RS. Neste inventário [ou Alfabeto da Livraria], encontramos relacionados nove livros sob a designação de “Livros medicinais de surgia”, a saber, Surgia anatômica, Cura dos médicos, Varias receitas; El medico de sy mesmo; Remedio vários p.ª cavalos; Reyno de Alveitaria; Tratado das virtudes de agoa comum; Ancora medicinal e Materia medica por Jacob de Castro. A proposta submetida a este Edital oportunizará, portanto, o contato com o acervo Silva Paes, ainda não suficientemente explorado pelos pesquisadores, que se encontra na Biblioteca Riograndense, da cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, e o estreitamento da parceria já existente com o pesquisador Prof. Dr. Mauro Dillmann, da FURG, que vem investigando este mesmo acervo, mas privilegiando os livros de devoção e as hagiografias. Considerando a necessária e já atestada atuação de médicos e cirurgiões – leigos ou religiosos – em vários espaços e momentos da América meridional ao longo do Setecentos, o projeto em questão considerará tanto as obras que se encontravam nas bibliotecas das boticas e dos colégios jesuíticos e de outras ordens religiosas que assumiram os acervos da Companhia de Jesus após o decreto de expulsão dos domínios ibéricos, e que podem ser acessadas em arquivos e bibliotecas do Brasil, Argentina e do Chile, quanto as obras clássicas de medicina e de cirurgia que integravam “livrarias particulares”, como a do Brigadeiro José da Silva Paes.
  • Universidade do Vale do Rio dos Sinos - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane de Oliveira Silva

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • inovação em protótipos para fármacos antiparasitários a partir de meroterpenoides naturais
  • A doença de Chagas, descoberta em 1909 pelo brasileiro Carlos Justiniano Ribeiro Chagas, é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi e compõe o grupo das “Doenças Tropicais Negligenciadas”. A Organização Mundial da Saúde (OMS) destaca que atualmente existem 8 milhões de infectados pelo T. cruzi em todo o mundo, principalmente na América Latina. Algumas estimativas indicam que a doença de Chagas é responsável por cerca de 10.000 mortes anuais. Os fármacos atualmente disponíveis para tratamento da fase aguda da Doença de Chagas são o nifurtimox e o benznidazol, ambos disponíveis há mais de três décadas, oferecendo eficácia reduzida e causando sérios efeitos colaterais aos pacientes. O desenvolvimento de novos fármacos quimioterápicos para o tratamento das doenças parasitárias é urgente e os produtos naturais, como aqueles isolados de fungos endofíticos, são fontes comprovadas de importantes protótipos para o desenvolvimento de antibióticos. Recentemente, nosso grupo de pesquisa obteve alguns meroterpenoides a partir do cultivo de fungos endofíticos provenientes da biodiversidade brasileira. Tais meroterpenoides apresentaram estrutura química diversa, complexa e incomun. Ensaios preliminares contra epimastigotas de T. cruzi apontaram para o elevado potencial de tais meroterpenoides para o desenvolvimento de protótipos para fármacos antitripanossômicos. O presente projeto terá como foco principal a obtenção de diferentes meroterpenoides naturais em quantidades elevadas, empregando as fontes fúngicas e as metodologias já conhecidas pelo nosso grupo de pesquisa. Posteriormente, os meroterpenoides que apresentarem atividades antitripanossômicas serão submetidos a derivatização guiada por métodos in silico com vistas a adequações farmacocinéticas e/ou farmacodinâmicas, culminando no desenvolvimento de novos protótipos (compostos líderes) para fármacos indicados para o tratamento da Doença de Chagas.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane Gasparino

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • multifunções da dieta na regulação molecular e bioquímica da absorção e saúde intestinal de frangos de corte
  • Na ciência animal já está bem estabelecido que animais consumindo dietas equilibradas nutricionalmente apresentam desempenho superior e tem maior capacidade de defesa do organismo. Contudo, deve-se ressaltar que a implicação da dieta sobre os processos fisiológicos a longo prazo depende da interação de múltiplos fatores ambientais e genéticos. Todos os alimentos passam por muitas transformações bioquímicas desde a sua origem (da semente a colheita) e também no interior do organismo, como dentro do sistema digestório, e ainda não está claro quais e quanto dos compostos bioativos libertados no trato gastrointestinal realmente alcançam os seus destinos e como esses compostos interagem com seus alvos moleculares e com a flora natural de cada organismo. Desta forma, o objetivo desse projeto é verificar como diferentes dietas interagem com diferentes alvos moleculares relacionados com a absorção intestinal e seus efeitos sobre a produção e saúde das aves em duas gerações consecutivas, parental e F1. Para atingir esse objetivo três subprojetos são propostos, neles estão envolvidos dietas formuladas com ingredientes orgânicos e convencionais (transgênicos) e uso de aminoácidos na forma de dipeptideo: Subprojeto 1: Respostas bioquímicas e moleculares da absorção intestinal em duas gerações de aves consumindo dietas formuladas com ingredientes orgânicos (DO) e convencionais (DC); Subprojeto 2: Efeito da dieta formulada com ingredientes convencionals e orgânicos sobre o desempenho e a expressão de genes relacionados aos mecanismos de oxido-redução em frangos de corte F1; Subprojeto 3: Perfil proteômico do intestino de frangos de corte consumindo dietas orgânicas e convencionals, suplementadas com dipeptideos de metionina e submetidas a infecção por Eimeria. Obs: Subprojeto 3 – Nosso grupo de pesquisa vem realizando trabalhos com a inclusão de dipeptideo de metionina em frangos de corte e em zebrafish (modelo animal) e nossos resultados sugerem alteração no perfil de expressão de transportadores intestinais, principalmente no caso de desafios sanitários.
  • Universidade Estadual de Maringá - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane Ignotti

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • estudo da coinfecção entre hanseníase e leishmaniose tegumentar americana no estado de mato grosso, brasil
  • Ações interprogramáticas para controle das doenças negligenciadas vêm sendo motivadas pela Organização Mundial da Saúde. A hanseníase e a leishmaniose tegumentar americana (LTA) são dermatoses tropicais negligenciadas que possuem grande relevância no Brasil, especialmente no estado de Mato Grosso, onde ocorrem em coendemicidade. Embora apresentem semelhanças biológicas, clínicas e epidemiológicas, poucos estudos consideram a infecção concomitante por Mycobacterim leprae e Leishmania spp. O objetivo deste projeto é avaliar a magnitude e a evolução clínica da coinfecção entre hanseníase e LTA no estado de Mato Grosso. Será carreado um estudo transversal retrospectivo de detecção e caracterização dos casos de coinfecção entre hanseníase e LTA notificados no estado de Mato Grosso, no período de 2007 a 2017. As informações serão obtidas por linkage dos bancos de dados de cada uma das doenças no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Além disso, será analisada a distribuição espacial e temporal desses casos por meio do estimador Bayesiano empírico local, estimador de densidade de Kernel e estatística scan. Posteriormente, será conduzido um estudo epidemiológico transversal prospectivo de identificação dos casos de hanseníase ou infectados pelo M. leprae dentre os confirmados de LTA em área endêmica de Mato Grosso. Tais pacientes serão submetidos à exame dermatoneurológico, sorologia por ELISA anti-PGL-1 e pesquisa de DNA do M. leprae por PCR em tempo real em amostras de sangue total. Além disso, será conduzida a investigação dos fatores clínicos, socioeconômicos, epidemiológicos e ambientais associados à ocorrência concomitante de hanseníase e LTA. Por fim, a evolução clínica dos pacientes coinfectados será descrita por meio de estudo de casos. Espera-se que os resultados obtidos possam contribuir para a compreensão da dinâmica da associação entre os dois patógenos e, consequentemente, no aprimoramento do diagnóstico, manejo clínico, tratamento e controle integrado em áreas de coendemicidade.
  • Universidade do Estado de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane Macedo Sobrinho Santos

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • manutenção do núcleo de estudos em agroecologia e produção orgânica do ifnmg, campus araçuaí
  • O Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), Campus Araçuaí, com uma equipe de servidores e de parceiros renovada, surge com o desejo de realização de inúmeras ações com enfoque agroecológico e orgânico. Estas condições aliadas às características de alguns dos cursos ofertados no Campus Araçuaí, seja técnico em Agroecologia e Meio Ambiente, e superior em Gestão Ambiental possibilitaram a esta instituição propor o projeto intitulado Manutenção do Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica do IFNMG, Campus Araçuaí com atuação estratégica nas intervenções de formação acadêmica, intervenções de pesquisa e intervenções de extensão. Este projeto tem por objetivo desenvolver, consolidar e ampliar ações educativas, de pesquisa e extensão para promover a agroecologia e a agricultura orgânica como referências técnica e conceitual de modelos de produção familiar, adequado para a convivência com o semiárido em Araçuaí e região com capacidade de oportunizar sustentabilidade produtiva, social, ambiental e econômica. Para isso os discentes do Núcleo de Estudos em Agroecologia do IFNMG, Campus Araçuaí participarão de cursos de formação e mensalmente serão parte integrante do grupo de estudos para atualização do saber. Os agricultores familiares serão convidados a participarem de cursos de formação, oficinas e dias de campo que serão oferecidos na IFNMG – Campus Araçuaí, buscando fortalecer a rede de agroecologia. Serão realizadas atividades de pesquisa nas unidades destinadas à experimentação agroecológica, com objetivo de produzir trabalhos científicos, tornando os envolvidos no projeto mais próximos da pesquisa por meio de coletas, sistematização e análise de dados. Por fim, as ações do Núcleo de Estudo em Agroecologia do IFNMG, Campus Araçuaí para fortalecimento da agricultura familiar serão ações de extensão, com o objetivo de garantir aos discentes e docentes a possibilidade de estarem em contato com diferentes realidades.
  • Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 01/12/2017-31/10/2020
Foto de perfil

Eliane Santana Dias Debus

Ciências Humanas

Educação
  • de lá para cá: as literaturas africanas de língua portuguesa para infância publicadas no brasil no período de 2013 a 2018
  • A Lei nº 10.639/2003, que instituiu no Brasil a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana no currículo escolar da Educação Básica, bem como os documentos para a sua implementação, por certo fomentou a publicação e circulação mercadológica de livros para infância que se dividem em três categorias: 1) literatura que tematiza a cultura africana e afro-brasileira; 2) literatura afro-brasileira; e 3) literaturas africanas (DEBUS, 2017, p.33). E é sobre esta última que pretendemos nos debruçar. Desse modo, esta pesquisa tem como objetivo analisar os livros de literaturas africanas de língua portuguesa para infância publicados no Brasil no período de 2003 a 2018, a fim de estudar a produção (principais gêneros, recursos lexicais e semânticos), a circulação (principais editoras e entrada nos espaços escolares e não escolares) e a recepção (ação pedagógica em dois espaços institucionais públicos: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental) das obras selecionadas. A investigação será pautada no referencial teórico da educação literária (FREIRE, 1989; CANDIDO, 1995; COSSON, 2014), da história das literaturas africanas e seu contexto (NOA, 2017; OLIVEIRA, 2014; FONSECA; MOREIRA, 2007) e da estética da recepção, que pressupõe a construção de efeitos de sentido (ISER, 1982; 1989) na relação texto/leitor e o caráter de emancipação pela quebra de expectativa (JAUSS, 1979; 1994). Metodologicamente, a pesquisa assume o caráter qualitativo, constituindo-se como estudo exploratório-explicativo, ampliando as informações coletadas e pré-analisadas em mapeamento que constatou a publicação de 32 títulos de 2004 a 2017, vinculadas aos países de Moçambique e Angola. Adotam-se três etapas de ação: 1) analisar os aspectos da produção a partir do levantamento atualizado dos títulos, ampliando quadro anterior; 2) contemplar os aspectos da circulação a partir do levantamento atualizado das editoras, suas metas e a relação com as políticas públicas de leitura e 3) focalizar a recepção a partir do trabalho específico com livros do acervo junto a estudantes da Educação Básica, selecionando-se duas turmas de Educação Infantil e Anos Iniciais e trabalhar com quatro títulos em cada etapa, escolhendo autores e gêneros distintos, elaborando estratégias de mediação. Dar visibilidade às literaturas africanas, nesse caso de língua portuguesa, possibilita ao leitor brasileiro a ampliação do seu olhar frente à representação de uma cultura diversa, mas ao mesmo tempo tão próxima, considerando que a cultura brasileira tem a sua matriz imbricada a cultura daquele continente. Palavras-chave: Literaturas Africanas. Língua Portuguesa. Infância. Circulação. Produção. Recepção.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Eliane Silva Leite

Ciências Agrárias

Recursos Florestais e Engenharia Florestal
  • núcleo de estudo em agroecologia (nea) para juventude dos territórios de rondônia
  • A Agroecologia nos traz a ideia e a expectativa de uma nova agricultura, capaz de fazer bem aos homens e ao meio ambiente como um todo, afastando-nos da orientação dominante de uma agricultura intensiva em energia e recursos naturais não renováveis, agressiva ao meio ambiente, e excludente do ponto de vista social; ela trata da incorporação de dimensões mais amplas e complexas, que incluem tanto variáveis econômicas, sociais e ambientais, como variáveis culturais, políticas e éticas da sustentabilidade. No Brasil, o Decreto nº. 7.794/2012, cria a PNAPO, com o objetivo de integrar, articular e adequar políticas, programas e ações indutoras da transição agroecológica e da produção orgânica e de base agroecológica. Já em Rondônia, em 2011, foi criada a lei nº 2.588/2011, a qual cria o Programa Estadual de Agroecologia e Incentivo à Agricultura Orgânica. Contudo, somente em 2015 foi realizado o 1º Seminário para a construção de um plano para o estado. Também em 2015 foi criada a Semana Estadual de Incentivo à Agroecologia, instituída pela Lei 3.566 de 03 de junho de 2015, realizada anualmente entre os dias 14 a 20 de outubro. Em relação às ações de agroecologia, a EMATER/RO executa chamadas públicas para promoção da agricultura familiar agroecológica, orgânica e agroextrativista. As Escolas Famílias Agrícolas - EFAs iniciaram o processo de atuação na agroecologia. Na EFA de Jaru, existe Técnico de Agroecologia, com alguns desafios: falta de profissionais da área, muitos afazeres na escola e as múltiplas funções do monitor, compreensão de Agroecologia, mudança de concepção x comodismo das pessoas, falta áreas experimentais x ausências de práticas agroecológicas, monitores e professores ligados ao tradicionalismo, empoderamento das políticas públicas agroecológicas e falta cartilhas e referenciais técnicos. O Instituto Federal de Rondônia - IFRO oferta apenas um curso Técnico em Agroecologia no Campus de Cacoal. Logo, apresentamos a proposta do projeto: Núcleo de Estudo em Agroecologia (NEA) para juventude dos Territórios de Rondônia, acrescentando a estes fatos, as experiências das atividades dos projetos: Projeto Pirarucu-Gente, financiado pelo CNPq/MDA, de 2011 a 2013 em parceria com FETAGRO/FEPEARO; Programa Peixe Vivo: sustentabilidade da pesca artesanal de Rondônia, financiado pelo MPA, de 2011 a 2015, em parceria com a FEPEARO; Projeto Peixe Vivo: pesca artesanal e aquicultura amazônica de base familiar e ecológica no estado de Rondônia, financiado pelo MEC/PROEXT, de 2011 a 2012, com a FEPEARO; Projeto SEMENTES AGROECOLÓGICAS: Transformação cidadã da juventude do campo na Amazônia, financiado pelo MDA/SNJ, de 2014 a 2016, com a FETAGRO; Projeto Agroecológico e Cidadão da Juventude dos Assentamentos na Amazônia, Edital MCTI/MDA-INCRA/CNPQ Nº 19/2014, de 2015 a julho de 2017 com a FETAGRO. Outras atividades de ensino, pesquisa e extensão igualmente tem ou tiveram colaboração da equipe proponente, como por exemplo, a Feira de Agroecologia e Sociobiodiversidade - FAS, realizada anualmente desde 2015. A participação na I Caravana Agroecológica e Cultural de Rondônia organizada pela Rede Terra Sem Males, realizada em março de 2016 com audiência pública para debater com os gestores governamentais locais formas de fortalecimento da agroecologia na região. O projeto terá como foco principal implementar um Núcleo de Estudo em Agroecologia e Produção Orgânica para juventude em cinco territórios de Rondônia, visando atividades de ensino, pesquisa e extensão e a construção e socialização de conhecimentos e práticas relacionados à agroecologia, bem como à promoção dos sistemas orgânicos de produção e de base agroecológica, fomentando o desenvolvimento sustentável, superando as desigualdades sociais, fortalecendo a inclusão social e produtiva de agricultores familiares no universo da agricultura familiar. Outros resultados esperados são: elaboração e implantação do Projeto Produtivo ou/e de Estudo com foco agroecológico pelos participantes, levantamentos de dados para verificação das contribuições do projeto, artigos em eventos técnico-científicos e publicação em revistas especializadas, atividades relacionadas à “Campanha Anual para a Promoção do Produto Orgânico”, realização da Feira de Agroecologia e Sociobiodiversidade - FAS, promoção de Seminários sobre agroecologia e produção orgânica, implementação de Unidades de Referência nas unidades produtivas familiares, Cartilhas para divulgação e construção do conhecimento da comunidade em geral, divulgação nos meios de comunicações, divulgação de boas práticas agroecológicas, sistemas agroflorestais – SAF implantados, dentre outros. Para tanto, se utilizará das metodologias participativas privilegiando o resgate dos saberes endógenos, a construção compartilhada de conhecimentos em ATER, superação das desigualdades sociais relacionadas a gênero e entre jovens; fortalecimento da cidadania; inclusão socioprodutiva; acesso às políticas públicas e oportunidades para a melhoria da qualidade de vida no campo do povo da floresta Amazônica. O público beneficiário da proposta será de 50 participantes, sendo as vagas distribuídas entre jovens agricultores familiares, membros da Rede de Agroecologia Terra Sem Males, estudantes do Curso de Educação do Campo, extensionistas, sendo no mínimo 30% das vagas para jovens mulheres. Para atingir os resultados o projeto preconiza ações individuais e coletivas, compreendendo mobilização e seleção, diagnóstico, planejamento, execução, formação dos envolvidos, monitoramento, avaliação e sistematização participativa no contexto da ATER, com a parceria da FETAGRO, em regime da alternância, sendo: Contexto teórico conceitual, experimentações e estudo de casos em 2 (dois) cursos/módulos de 30 hs cada com temáticas sobre agroecologia; monitoramento do tempo comunidade das atividades práticas e do Projeto Produtivo; produção tecnológica e científica sobre os produtos das investigações; e apoiar outras experiências.
  • Universidade Federal de Rondônia - RO - Brasil
  • 01/02/2018-31/10/2020
Foto de perfil

Elías Alfredo Gudiño Rojas

Ciências Exatas e da Terra

Matemática
  • modelagem matemática para libertação controlada de drogas em stents farmacológicos
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Elias de Barros Santos

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • desenvolvimento de um amostrador passivo e um dosímetro pessoal feito de ouro nanométrico em pdms para o monitoramento e avaliação da exposição de trabalhadores a mercúrio gasoso
  • A exposição direta a mercúrio elementar gasoso (MEG), mesmo em níveis relativamente baixos, pode ter um efeito cumulativo e resultar em consequências danosas a saúde humana. Os trabalhadores de minas de extração artesanal de ouro e de outras atividades que envolvem mercúrio no processo, estão entre os mais suscetíveis a este tipo de exposição. Atualmente, não existe dispositivos que possam ser usados em ambientes de trabalho como um alerta da presença de mercúrio e do nível de contaminação do local. Nesse sentido, o objetivo do presente projeto é desenvolver um amostrador passivo e um dosímetro pessoal para serem aplicados em ambientes de trabalho que envolva processamento e/ou emissão de MEG. Para tal finalidade, serão preparados filmes finos de polidimetilsiloxano (PDMS), impregnados com ouro nanométrico, sobre lâminas de vidro ou papel hidrofóbico (V-PDMS/Au ou PH-PDMS/Au). Os filmes serão depositados sobre os diferentes substratos usando a técnica de spin coating, seguido da impregnação com solução de HAuCl4. Em seguida, será realizada a etapa de redução, usando NaBH4 para formação de ouro nanométrico sobre a superfície dos filmes de PDMS. Os materiais serão caracterizados por espectroscopia na região do Ultravioleta-visível, espectroscopia Raman, microscopias eletrônica de varredura e de transmissão e microscopia de força atômica. Serão realizados testes em laboratório em sistemas fechados, gerando uma quantidade controlado de mercúrio, nos quais os filmes de V-PDMS/Au ou PH-PDMS/Au serão expostos. Os testes de exposição serão monitorados a partir da análise de cor das amostras (sensoriamente colorimétrico) e por medidas de UV-vis, para análise do plasmon de superfície característico do ouro nanométrico (sensoriamento plasmônico). A quantificação de mercúrio retido nas amostras, V-PDMS/Au ou PH-PDMS/Au, será feita usando um analisador direto de mercúrio, o que permitirá avaliar o limite de detecção e construir curvas de calibração. Após otimização das condições de aplicação, será avaliada a aplicabilidade dos materiais desenvolvidos, para o monitoramento e medição da exposição pessoal a mercúrio, como tecnologia de saúde ocupacional. Os dispositivos serão pequenos e portáteis, podendo o amostrador passivo V-PDMS/Au ser fixado em um local do ambiente de trabalho e o dosímetro PH-PDMS/Au na roupa dos trabalhadores. Os dispositivos poderão ser analisados periodicamente usando um espectrofotômetro portátil CM-700D, que permite mediar a cor e gerar o espectro na região do visível das amostras, permitindo fazer triagem e inferir sobre o nível de MEG.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Elias Ferreira Veras

Ciências Humanas

História
  • existências e resistências homossexuais no brasil da “abertura”: uma perspectiva de gênero (1978-1988)
  • O presente projeto de pesquisa, intitulado Existências e resistências homossexuais no Brasil da “Abertura”: uma perspectiva de gênero (1978-1988) tem como objetivo historicizar os modos de vida homossexuais no Brasil da “Abertura”, a partir de uma perspectiva de gênero (BUTLER, 2003, 2017; PEDRO, 2005; SCOTT, 1995). A pesquisa, coordenada pelo professor Dr. Elias Ferreira Veras, do Curso de História (Graduação e Pós-Graduação), da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), insere-se no âmbito das atividades de pesquisa desenvolvidas pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Gênero e Sexualidade (GEPHGS-UFAL-CNPq). O estudo tem como recorte temporal, os últimos anos da ditadura civil-militar no Brasil, momento em que emergem as primeiras organizações homossexuais no país, como o Somos – Grupo de Afirmação Homossexual (1978) e o GALF – Grupo de Afirmação Lésbica Feminista (1979/1980); e os primeiros anos da redemocratização brasileira, quando diversos grupos homossexuais, por exemplo, Grupo Gay da Bahia (BA) e Triângulo Rosa (RJ), se mobilizam para a inclusão da proibição de discriminação por “orientação sexual” na Constituição de 1988. Nosso objetivo é problematizar as existências e resistências, ou seja, as experiências, estratégias, discursos e práticas de gays, lésbicas, travestis e transexuais nesse processo, a partir de três importantes acervos históricos: O acervo da organização homossexual Triângulo Rosa, localizado no Arquivo Edgard Leuenroth – Centro de Pesquisa e Documentação Social (AEL), Campinas (SP) e os acervos Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP) e da Assembleia Constituinte (1987-1988), arquivados, respectivamente, no Arquivo Nacional e na Biblioteca do Senado, em Brasília (DF). Em diálogo com a historiografia sobre a ditadura civil-militar, nos interessa investigar de que maneira o regime ditatorial brasileiro e sua “política sexual” (QUINALHA, 2017), buscou controlar e reprimir gays, lésbicas, travestis e transexuais e ainda, como esses sujeitos resistiram aos dispositivos de controle ditatoriais. Nesse sentido, é preciso lembrar que ao destacar aspectos mais traumáticos e clandestinos da repressão estatal contra dissidentes estritamente políticos (QUINALHA, 2017), a historiografia brasileira sobre a ditadura (FICO, 2001; FERREIRA, DELGADO, 2003; GOMES, 2014; REIS, 2014; REIS, RIDENTE, MOTTA, 2004), deixou de levar em consideração as existências e resistências homossexuais na/contra a ditadura. Mesmo as pesquisas históricas promovidas por historiadoras da história das mulheres e das relações de gênero, que incorporaram as lutas das mulheres contra a ditadura (DUARTE, 2012; PEDRO, WOLFF, VEIGA, 2011; PEDRO, WOLFF, 2010; RAGO, 2013), não abordaram os efeitos da ditadura na vida de gays, lésbicas, travestis e transexuais. Recentemente, esse cenário de exclusão das homossexualidades da historiografia sobre a ditadura, tem se modificado. A obra Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil no século XX, de James Green (2000), a tese Contra a moral e os bons costumes: A política sexual da ditadura brasileira (1964-1988), de Renan Quinalha (2017), assim como a coletânea Ditadura e Homossexualidades, organizada por estes autores (2015) e, ainda, o Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade são paradigmáticas do emergente interesse da historiografia pelos modos de vida e resistências LGBTs durante o regime ditatorial civil-militar brasileiro. O presente projeto relaciona-se com minha trajetória acadêmica, especialmente, com o trabalho que venho desenvolvendo como líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Gênero e Sexualidade (GEPHGS-UFAL-CNPq) e como coordenador da pesquisa de iniciação cientifica Corpos aliados e lutas políticas. O livro Travestis: carne, tinta e papel (Editora Prismas, 2017); o artigo Os silêncios de Clio: escrita da história e (in) visibilidade das homossexualidades no Brasil (revista Tempo & Argumento), escrito em parceria com a historiadora Joana Maria Pedro (2014); o capítulo Travestis: visibilidade e performatividade de gênero no tempo farmacopornográfico, que compõe o livro História do Movimento LGBT no Brasil (2018); os dossiês Quando Clio encontra as ‘sexualidades disparatadas’ (revista Esboços, 2016) e Sexualidades disparatadas: outras histórias (revista História, Histórias, 2018), organizados em parceria com o historiador Durval Muniz de Albuquerque Junior; assim como minha participação no Laboratório de Estudos de Gênero e História (LEGH-UFSC) e no Grupo de Pesquisas e Estudos em História e Gênero (GPEHG-UFC), parceiros deste projeto de pesquisa, são frutos dessa trajetória acadêmica e profissional. Se, a prática historiográfica – da reunião dos documentos à redação do livro – é inteiramente relativa à “estrutura da sociedade”, como aponta Certeau (2008), faz-se urgente pensar outras histórias, principalmente, no atual contexto brasileiro marcado pelo avanço do ultraconservadorismo e pelo aumento da lgbtfobia. Nesse sentido, se durante muito tempo, as homossexualidades não foram vistas como um tema sério de pesquisas e tampouco como um recorte pertinente para a reflexão acerca da ditadura (QUINALHA, 2017), o recente interesse de pesquisadores/as, especialmente, historiadores/as, revelam que não é possível (mais) compreender a ditadura e seu legado sem a reflexão historiográfica sobre a participação de gays, lésbicas, travestis e transexuais no período.
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Elias Pereira Lopes Júnior

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • mapeamento da maturidade tecnológica e da demanda tecnológica da região do cariri
  • A transferência de tecnologia de Instituições Científicas e Tecnológicas e de Inovação (ICTs) para o mercado é um tema que tem ganhado força e notoriedade no âmbito das publicações acadêmicas. Já existe um instrumento que tem sido muito utilizado para avaliar o nível de maturidade tecnológica dos projetos desenvolvidos pelas ICTs, que é a escala Technology Readiness Level (TRL). Por outro lado, também existe uma escala cujo objetivo é medir o nível de atração do mercado correspondente ao nível de impulso tecnológico, chamada de Demand Readiness Level (DRL). Utilizadas de forma complementar, a TRL e a DRL podem proporcionar a melhoria da abordagem Market Pull, fazendo transferência de tecnologia e inovação tecnológica. De forma complementar, a escala DLR também poderia ser objeto das mesmas trocas e análises dinâmicas que a escala de TRL induziu entre as comunidades acadêmicas ou profissionais. O objetivo dessa pesquisa é analisar o nível de maturidade tecnológica (TRL) dos projetos da UFCA e, se possível, de outras instituições da Região do Cariri. Além disso, esse estudo também pretende comparar o nível de maturidade tecnológica (TRL) com o nível de prontidão da demanda (DRL) de empresas da região do Cariri. A partir desses dados, pode-se gerar como resultado a formação de novas parcerias entre as ICTs e empresas da região do Cariri no sentido de promover mais ações inovadoras para a região.
  • Universidade Federal do Cariri - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Elibio Leopoldo Rech Filho

Ciências Biológicas

Genética
  • inct biologia sintetica
  • A atividade econômica abastecida pela pesquisa e inovação em ciências biológicas, denominada “bioeconomia”, constitui um segmento de rápido crescimento no mundo, direcionando substanciais benefícios sócio-econômicos. Esta proposta trabalha a “bioeconomia” pela rota de biologia sintética e possui dois escopos de interesse do país. O primeiro é o desenvolvimento econômico e tecnológico e o segundo é de preservação ambiental e agregação de valor a biodiversidade. Ao longo das ultimas décadas de pesquisa, o desenvolvimento de ferramentas cada vez mais acuradas e rápidas para obtenção e uso de dados biológicos, trouxeram-nos mais perto do limiar de um futuro, até então, inimaginável: plantas adaptadas a condições adversas, produtos alimentares desenhados para atender às necessidades alimentares específicas, combustíveis líquidos produzidos diretamente a partir de CO2, plásticos biodegradáveis, a partir de biomassa, biossensores para monitoramento em tempo real das plantações, ambiente e saúde, biofábricas de drogas e moléculas sintéticas para a saúde. Cada vez mais a pesquisa científica e tecnológica está empenhada em intensificar as abordagens multidisciplinares, para soluções dos mais exigentes desafios sociais e econômicos, que deverão afetar profundamente o futuro. Os avanços da bioeconomia dependem da expansão das tecnologias emergentes, como a genômica, proteômica e metabolômica (estudo sistematizado e manipulação de vias metabólicas), bioinformática (ferramentas computacionais para a análise de “big data” de origem biológica) que formam o fundamento para a biologia sintética (a edição de genomas, rotas metabólicas e engenharia de plantas e microrganismos). Para ser bem sucedido e contínuo desenvolvimento, a bioeconomia deverá buscar a geração constante de novos processos e produtos que atendam às necessidades nacionais e globais de competitividade e sustentabilidade. O Brasil aloca uma das biodiversidades mais ricas do mundo, sendo um membro do grupo composto por 17 países megadiversos. Desta forma, o país é especialmente responsável por uma mudança de paradigma. Estabelecer áreas de proteção tem sido um dos instrumentos mais eficazes para a conservação da biodiversidade. O Brasil tem agido de forma inovadora na preservação de áreas protegidas. O trabalho para a preservação envolve o conhecimento da biodiversidade e a valoração desta, sem o tradicional processo extrativista de geração de riqueza. Entretanto, a biodiversidade constitui um sistema biológico complexo, que para ser estudado com base na agregação de valor, depende do uso intensivo e acelerado de avanços biotecnológicos na fronteira do conhecimento. A proposta do INCT-BioSyn inclui a biologia sintética como um desafio adicional, direcionado para a efetiva contribuição na preservação, uso sustentável e agregação de valor à biodiversidade, com foco no desenvolvimento de plataformas para engenharia da função gênica em plantas e microrganismos. Sabemos que o desenvolvimento de produtos de alto valor agregado estão diretamente relacionados com a utilização intensivo de conhecimento e altos padrões tecnológicos. Este fato indica que a utilização da biotecnologia avançada em seu sentido pleno constitui uma opção viável e uma ferramenta imprescindível para orientar o uso sustentável e desenvolvimento de produtos de alto valor agregado derivados da biodiversidade. O uso da biotecnologia desde a prospecção, genoma, metaboloma, engenharia da função gênica e desenvolvimento de ativos biotecnológicos, que possam fundamentar a futura geração de produtos e processos inovadores, implicará na coleta de alguns organismos, ou parte deles, como fonte de matéria-prima genética que permitirá a prospecção, caracterização, engenharia da expressão gênica e função usando biologia sintética e prova-de-conceito (investigação deve demonstrar a eficácia funcional de uma característica ou tecnologia no organismo alvo, a fim de reduzir o risco de falha do produto) e geração de plataformas tecnológicas transversais para plantas e microrganismos. Existem várias abordagens para a engenharia de sistemas biológicos sintéticos. A proposta do INCT-BioSyn, possui um formato de um sistema de “inovação aberta” e visa a geração da base bio-nanomolecular para uso da biologia sintética. Inicialmente, deveremos elencar recursos biológicos de plantas e microrganismos nativos e domesticados da biodiversidade utilizados comercialmente. A partir destes recursos será gerada uma base de dados genéticos nanoestruturais, que constitui o fundamento para estabelecer modelos operacionais com possíveis “espaço-biologia sintética”. A partir da compilação de partes da biodiversidade pode-se constituir unidades básicas construídas a partir de genes e proteínas ou seus fragmentos. As unidades básicas são definidas como um elenco de peças e circuitos com complexidade convergentes relativos aos sistemas biológicos complexos. Serão unidades básicas, aqui denominadas como “R-bions” (definidos como componentes nanomoleculares envolvendo unidades básicas programáveis, visando o dobramento e montagem de estruturas 3D de interesse). Os R-bions podem interagir para gerar unidades auto-montáveis, que podem combinar e organizar unidades básicas para produzir conjuntos e sistemas biológicos funcionais. Com esse amplo espectro de uso potencial nos diferentes setores de produção, a proposta do INCT-BioSyn deverá concentrar no desenvolvimento de provas de conceito e geração de modelos de plataformas transversais, para geração de base de dados dinâmicas e integrativas de recursos biológicos, incluindo genomas, metagenomas, metaboloma, produção R-bions, peças e circuitos biológicos, encapsulamento e compartimentalização funcional em sistemas de expressão de plantas e microrganismos, visando e engenharia da função gênica, associados a descrição de como envolvendo o desenvolvimento de inovação relacionada a agregação de valor a biodiversidade.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 25/11/2016-30/11/2022
Foto de perfil

Elida Barbosa Correa

Ciências Agrárias

Agronomia
  • centro vocacional tecnológico de agroecologia e produção orgânica: agrobiodiversidade do semiárido
  • Inúmeros são os benefícios sociais, econômicos e ecológicos do desenvolvimento da agricultura familiar de base ecológica e da produção orgânica de alimentos. Responsável pela produção de maior parte do alimento consumido pelos brasileiros, a agricultura familiar promove a segurança e a soberania alimentar e nutricional do País. No estado da Paraíba, os estabelecimentos agrícolas caracterizam-se na sua maioria como unidades de agricultura familiar, onde se pratica o policultivo. No entanto, inúmeros também são os desafios encontrados pelas famílias agricultoras agroecológicas e produtores orgânicos de alimentos quanto a reprodução de seus sistemas de produção vegetal e animal no Semiárido Brasileiro. O desenvolvimento de ensino, pesquisa e extensão contextualizado com a realidade dos agricultores, desenvolvendo técnicas e processos organizativos que solucionem os entraves nos sistemas de produção,são a base para a promoção da Agroecologia e produção orgânica na região. Para tanto, o objetivo do presente projeto é a criação de um CVT de Agroecologia e Produção Orgânica: Agrobiodiversidade do Semiárido para promover e impulsionar ações em rede ligadas ao manejo ecológico de pragas e doenças, impacto e contaminação por agrotóxicos, manejo da fertilidade dos solos, resgate e conservação de raças nativas de animais domésticos e de forragem, produção e conservação de sementes crioulas e a produção agroecológica de citros, hortaliças e batata, entre outras, sendo essas ações demandadas pelas famílias agricultoras da região por meio das organizações que as assessoram. O CVT será sediado no campus II da UEPB, local onde são oferecidos os cursos de Bacharelado em Agroecologia, Técnico em Agropecuária, Técnico em Agroindústria e a Universidade Aberta da Maior Idade, sendo originário da evolução das ações do Núcleo de Extensão Rural Agroecológica (NERA) no campus II da UEPB. Localizado em Lagoa Seca para dar suporte e promover ações de Agroecologia e Produção Orgânica, principalmente junto aos territórios paraibanos da Borborema e Cariri Oriental e tendo como parceiros o Instituto Nacional do Semiárido (INSA), os Núcleos de Agroecologia da Paraíba (NEAS), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a Embrapa Algodão, a Embrapa Tabuleiros Costeiros, a Secretaria Executiva de Segurança Alimentar e Economia Solidária do Governo do Estado da Paraíba, as organizações da sociedade civil tais como Pólo Sindical e das Organizações da Agricultura Familiar da Borborema (Polo da Borborema), Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa (AS-PTA), Coletivo Regional da Organização da Agricultura Familiar (COLETIVO), Coletivo ASA Cariri Oriental (CASACO), Programa de Aplicação de Tecnologia Apropriada as Comunidades (PATAC) e a Comissão de Orgânicos (CPOrg) da Paraíba, o Projeto prevê ações que possam ocorrer em Rede no âmbito estadual.Contará, ainda, com a colaboração da RedConbiand (rede ibero-americana para a Conservação da Biodiversidade dos Animais Domésticos Locais).O CVT de Agroecologia e Produção Orgânica: Agrobiodiversidade do Semiárido será um centro de formação de famílias agricultoras articuladas em redes territoriais, fomentando a participação de jovens e mulheres, promovendo o ensino, a pesquisa e a extensão. Dentro da área de atuação do CVT, serão instaladas Unidades de Referência nas unidades produtivas familiares, compostas por famílias agricultoras experimentadoras, abordando as principais dimensões do trabalho de valorização e resgate da agrobiodiversidade paraibana; e no campus II, será implantada uma Agrofloresta e equipado um Laboratório de Microbiologia para fomentar as aulas práticas, favorecer a interdisciplinaridade nos cursos e para dar suporte as ações de pesquisa e extensão.
  • Universidade Estadual da Paraíba - PB - Brasil
  • 01/12/2017-31/10/2020
Foto de perfil

Eliécer Eduardo Gutiérrez Calcaño

Ciências Biológicas

Zoologia
  • sistemática, biogeografia e conservação de mamíferos neotropicais, com ênfase em espécies endêmicas do brasil
  • RESUMO Com o objetivo de entender a origem evolutiva, classificar taxonomicamente e preservar as espécies de mamíferos neotropicais, o presente projeto empregará técnicas avançadas nas áreas de genética e sistemas de informação geográfica. No primeiro capítulo, meus colaboradores e eu utilizaremos dados genéticos e morfológicos para avaliar as relações filogenéticas de um clado de espécies de cervídeos endêmicas das Américas (Cervidae: Capreolinae: Odocoileini). Em primeiro lugar, obteremos dados genômicos em grande escala (genomas mitocondriais completos, intrones nucleares, e unidades ultraconservadas com suas regiões flanqueadoras) a partir de espécimes de museu. Ao utilizarmos espécimes de museu como fonte de DNA, será possível realizar uma intensa amostragem geográfica, o que é inédito dentre os poucos e limitados estudos existentes para esse clado. Diante disso, através de aplicações de vários critérios (grau de divergências genéticas, diagnose morfológica e monofilia) serão reconhecidos clados a nível de espécie. Os clados reconhecidos serão diagnósticos e serão realizadas mudanças taxonômicas na classificação prevalente (atual) desses cervídeos—sinonimizações, descrições de novas espécies e gêneros e reconhecimento de espécies e gêneros válidos mas atualmente considerados como sinônimos inválidos. Por fim, empregaremos técnicas avançadas de Modelagem de Nicho Ecológico (MNE) para avaliar o potencial impacto da mudança climática sobre a disponibilidade futura de áreas com condições climáticas adequadas para a ocorrência dessas espécies. Por fornecerem dados cruciais para o planejamento dos esforços de conservação, nossos resultados serão de extrema importância para informar a comunidade acadêmica e orientar as entidades governamentais nas tomadas de decisão. Da mesma forma, o segundo capítulo deste projeto empregará técnicas de MNE para determinar o possível impacto da mudança climática nos estados de conservação de mamíferos encontrados exclusivamente em cinco biomas neotropicais caracterizados por formações de vegetação aberta (Caatinga, Cerrado, Chaco, Pampa, Pantanal). Para atingir esse objetivo, primeiro trabalharemos para produzir listas de espécies endêmicas desses biomas—um colaborador e eu recentemente publicamos listas de ocorrência para a Caatinga e o Cerrado. Com base no trabalho de museu e na revisão crítica da literatura e bancos de dados online, coletaremos informações de localidade de ocorrência para indivíduos dessas espécies. Em seguida, as informações serão acopladas a dados bioclimáticos (do WorldClim) para conduzir análises de MNE. Com isso, os modelos serão projetados em cenários climáticos do presente e do período dos anos 2060–2080. Dessa maneira, quantificaremos a mudança na disponibilidade de áreas climaticamente adequadas para as espécies focais. Além disso, avaliaremos se o sistema atual de áreas protegidas (e.g., parques nacionais) abrangerá quantidades satisfatórias de habitat para essas espécies. Além disso, as análises permitirão identificar regiões geográficas com condições climáticas adequadas para cada uma das espécies focais no presente, além de identificar onde essas condições estarão no período dos anos 2060–2080. A partir disso, poderemos avaliar se as espécies serão capazes de persistir às mudanças climáticas. Este último componente de nossa pesquisa será capaz de orientar os tomadores de decisão em relação ao local onde novas áreas protegidas devem ser criadas para que resultados mais eficientes de proteção de espécies sejam obtidos. Tomaremos medidas para informar os órgãos governamentais sobre nossos resultados e aplicações desses. Esta pesquisa fornecera informações essenciais para a preservação de espécies do Brasil, além de novos conhecimentos sobre mamíferos sul-americanos. Ao mesmo tempo, nossa pesquisa proporcionará oportunidades para treinamento e progresso acadêmico dos estudantes de pós-graduação, além de promover colaborações produtivas entre instituições nacionais e internacionais.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022