Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Jean Mary Facchini

Ciências Humanas

Filosofia
  • vi febic - feira brasileira de iniciação científica
  • A Febic, em sua sexta edição, é uma promoção do IBIC – Instituto Brasileiro de Iniciação Científica, e tem como missão promover, divulgar e desenvolver continuamente, ambientes favoráveis à alfabetização e iniciação científica, a pesquisa, a inovação, a educação e cultura voltadas, sobretudo, à promoção do desenvolvimento social, educacional e econômico de forma sustentável. A Febic tem como objetivos incentivar o interesse pela pesquisa científica, fomentando a leitura, a escrita e a oralidade, promovendo a criatividade, o espírito inovador, o uso de novas tecnologias, o comportamento sustentável e o conhecimento, por meio da alfabetização, iniciação e divulgação científica. Promover a interdisciplinaridade e a transversalidade de conhecimentos, estimular a produção científica como forma de promoção do desenvolvimento ambiental, técnico, científico e social, por meio da solução de problemas inerentes a engenharias, ciências sociais, humanas, biológicas, da saúde, ambientais, exatas e da terra, incentivando a criatividade, a cultura, a arte e a responsabilidade social. A VI Febic tem como meta apresentar à comunidade aproximadamente 250 projetos oriundos principalmente de escolas públicas de Jaraguá do Sul e região, de diversas cidades do Estado de Santa Catarina e de no mínimo 15 Unidades Federativas do Brasil, com projetos divididos em três modalidades: Iniciação e Alfabetização Científica; Educação Matemática e Trabalhos de Ensino/Aprendizagem, atendendo Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Ensino Superior e Pós-Graduações. A Febic é um espaço para estudantes/pesquisadores apresentarem ideias criativas e inovadoras na forma de projetos científicos, onde possam experimentar o fazer ciências; um ambiente de integração e troca de experiências; uma ferramenta de promoção da cultura científica, da experimentação, do empreendedorismo, da disseminação e da popularização do conhecimento, instigando a criatividade, a inovação e o uso de novas tecnologias; um espaço/tempo que incentiva as habilidades do aluno, do professor e da escola no campo da pesquisa e das ciências; uma oportunidade para desenvolver a curiosidade científica em sua dimensão histórica, social e cultural, considerando os questionamentos que nascem das experiências e práticas pedagógicas; uma forma de socializar e integrar os diversos conhecimentos e habilidades dos temas transversais. O principal objetivo de um trabalho científico é comunicar uma observação ou uma ideia a um grupo de indivíduos potencialmente interessados. Esses indivíduos podem então fazer uso da observação, ou fazer avançar a ideia mediante as suas próprias observações (SEVERINO, 2013). O trabalho científico consiste de informação científica organizada segundo padrões específicos, com o objetivo de facilitar a sua compreensão. Distingue-se dos conhecimentos popular, religioso e filosófico por ser resultante de uma série de procedimentos sistematizados que constituem a metodologia da pesquisa (GONÇALVES et al., 2008). A Febic vem ao encontro destes conceitos, pois estimula a realização e execução de projetos científicos, bem como fomenta a divulgação e socialização dos resultados, que são transmitidos de forma que a população em geral a compreenda, mesmo quando não tem acesso a publicações científicas ou ao entendimento das literaturas mais específicas. É fato que o tempo de escolaridade muitas vezes é insuficiente para que o estudante consiga ir além dos conhecimentos escolares básicos. Muitos dos problemas surgidos em razão disso podem ser resolvidos por meio de projetos que o aluno irá realizar individualmente ou em grupo (DEMO, 2011). Segundo Ormastroni (1998), a realização de eventos que fomentam o conhecimento científico, como feiras científicas, a participação em congressos, concursos, olimpíadas, vem servindo de estímulo para o desenvolvimento desses trabalhos e podem ser instrumentos eficientes para complementar o aprendizado escolar. A escassez destes eventos deixa uma lacuna tanto no planejamento didático-pedagógico do professor/pesquisador quanto do aluno/pesquisador que, desta forma, não conta com um importante recurso para o seu desenvolvimento científico. Assim, a Febic se propõe a preencher este importante espaço, colaborando para o constante crescimento da ciência e fomentando a iniciação científica. Os resultados alcançados durante os trabalhos de iniciação científica desvendam muitas atributos do aluno, permitindo um novo olhar, evidenciando suas potencialidades. Além disso, esses eventos são uma forma de socializar e integrar os diversos conhecimentos e habilidades, almejadas nos objetivos pedagógicos e na transversalidade didática. A VI Febic continuará a ter como meta aumentar a participação feminina entre seus expositores e distribuir no mínimo 30% das vagas para projetos desenvolvidos por integrantes do sexo feminino, dando ênfase para as áreas de ciências Exatas e Engenharias.
  • Instituto Brasileiro de Iniciação Científica - SC - Brasil
  • 03/01/2021-31/01/2023
Foto de perfil

Jean Rodrigo Garcia

Engenharias

Engenharia Civil
  • comportamento de sapatas com estaca assentes em solo tropical melhorado com cimento
  • No Brasil, a presença frequente de solos tropicais com comportamento colapsível, tem levado o meio técnico ao uso indiscriminado de fundações profundas. Entretanto, sabe-se que não só a magnitude do recalque por colapso dos solos varia como também a possibilidade da sua ocorrência. Não obstante, o efeito da sucção matricial nesse tipo de solo aumenta ainda mais as dúvidas em relação ao comportamento de fundações assentes em solos com essas características. Nesse sentido, este projeto de pesquisa tem o objetivo de analisar o comportamento de sistemas mistos de fundações, compostos por sapata com estaca curta, assentes em solo tropical de Uberlândia/MG/BR. Nessa região, o subsolo é composto predominantemente por areia silto-argilosas. Para tanto serão executadas três estacas (d=250 mm e L=6 m), duas sapatas circulares (D=1m e 20 cm de altura) e um bloco de coroamento. Um dos sistemas mistos (sapata com estaca) será executado sobre a camada de solo natural e o outro será apoiado em uma camada reforçada de solo-cimento, além de uma estaca isolada com bloco de coroamento. Estas fundações serão ensaiadas à compressão axial por meio de provas de carga estática e lenta (SML) nas condições, natural e inundada. Todas as estacas serão instrumentadas em profundidade com extensômetros posicionados no topo, centro e ponta, com a finalidade de avaliar a distribuição das cargas entre estacas e as sapatas, assim como a transferência de carga axial e atrito em profundidade. Ademais, este projeto de pesquisa busca um avanço no estudo do comportamento de sapatas com estaca em solo tropical, de modo que se alcance de forma segura, uma melhoria da viabilidade técnica e econômica, levando em consideração os aspectos inerentes do emprego de fundações em solos tropicais.
  • Universidade Federal de Uberlândia - MG - Brasil
  • 21/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jeann Leal de Araújo

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • investigação da doença da dilatação proventricular (pdd) e do bornavirus dos psittaciformes (pabvs) em psitacídeos oriundos do tráfico de animais silvestres no estado da paraíba
  • Bornavirus dos psitacídeos (PaBVs) são vírus RNA envelopados, não segmentados, de fita simples e sentido negativo da família Bornaviridae e agentes causadores da doença da dilatação proventricular (PDD), uma doença letal de psitacídeos mantidos em cativeiro que ocorre no mundo todo, afetando inclusive espécies ameaçadas de extinção. A evidência da ocorrencia da doença no Brasil é recente, apesar dos poucos trabalhos publicados. O status da ocorrencia da enfermidade ainda permanece obscuro em grande parte do país. O Nordeste do Brasil é uma importante rota usada pelo tráfico de animais selvagens e os centros de triagem de animais selvagens (CETAS) são a destinação de centenas de animais confiscados do tráfico todos os anos. Até o momento, nenhum estudo avaliou a presença de PaBVs e PDD em psitacídeos recebidos por CETAS do Nordeste e o status dessa doença importante permanece desconhecido na região. Deste modo, o presente estudo tem como objetivo investigar a presença de PaBVs em amostras de psitacídeos apreendidos do tráfico de animais silvestres e encaminhados ao CETAS localizado no Estado da Paraíba. Para tanto, amostras de swabs cloacais e de orofaringe serão coletadas de até 100 psitacídeos psitacídeos incluindo araras-canindé (Ara Ararauna), araras-piranga (Ara macao), papagaios-verdadeiro (Amazona aestiva) entre outras espécies que sejam confiscadas pelos orgãos ambientais compententes. As amostras clínicas serão submetidas à deteção do PaBVs por meio de tecnicas moleculares (RT-PCR e sequenciamento genetico) realizados nos laboratorios de Ecopatologia de Aves da FMVZ-USP e Laboratorio de doenças das aves na UFMG. Necropsias de todas as aves que vierem a óbito serão realizadas e submetidas a avaliação histopatológica. Adicionalmente, amostras selecionadas serão submetidas a técnica de imunohistoquímica (IHQ) na Texas A&M University (TAMU).
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jeferson Aparecido Moreto

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • novas estratégias de biofuncionalização da superfície da liga ti-6al-4v com filmes finos de nbxoy e nanopartículas de nióbio contendo exossomos para aplicações biomédicas
  • Este trabalho tem como objetivo geral propor uma pesquisa aplicada e inovadora para o desenvolvimento de filmes finos de NbxOy/nanopartículas à base de nióbio com e sem exossomos sobre a superfície da liga Ti-6Al-4V com grandes perspectivas de utilização na área biomédica. Os filmes finos de NbxOy serão depositados sobre amostras da liga de Ti-6Al-4V através da técnica de pulverização catódica reativa e sua efetividade será comparada com um sistema nanoparticulado à base de nióbio obtido através da técnica de precipitação. Os sistemas funcionalizados serão caracterizados estruturalmente e morfologicamente via SEM/EDX, TEM, AFM, XRD, FTIR, XPS e espectroscopia Raman. Medidas de ângulo de contato serão efetuadas com o intuito de avaliar a hidrofobicidade das estruturas depositadas. Ensaios eletroquímicos globais serão realizados em amostras com e sem revestimento à temperatura de 37 °C em solução de Hank. Os testes eletroquímicos localizados serão realizados em solução de 0,01 mol L-1 NaF em pH 2. Ademais, a liga Ti-6Al-4V e o material funcionalizado ((Ti-6Al-4V/ NbxOy and Ti-6Al-4V/ NbxOy-Exo) serão testados quanto a sua biofuncionalidade, considerando a citotoxicidade, proliferação e viabilidade celular com a linhagem celular VERO-CCL-81, viabilidade celular, síntese de colágeno I e adesão utilizando células MC3T3-E1 e influência do revestimento na expressão de interleucinas em células mesenquimais de sangue periférico (CMSP). Ao término deste projeto de pesquisa, espera-se colaborar com o desenvolvimento, a modificação e a aplicação de materiais para a solução de diversos problemas relacionados à área de biociências e ciência de materiais, produzindo tecnologia aplicada nas áreas regional e nacional. De forma particular, pretende-se contribuir para uma melhor compreensão dos fenômenos de corrosão localizada e global da liga Ti-6Al-4V funcionalizada com aplicação na área odontológica.
  • Universidade Federal do Triângulo Mineiro - MG - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Jeferson Ferreira da Fonseca

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • hormonioterapia, bem-estar animal e eficiência reprodutiva em caprinos
  • O projeto aplica princípios clean, green and ethical aplicados à experimentação animal associados à crescente exigência de saudabilidade de produtos de origem animal. Mesmo com estacionalidade reprodutiva (ER; primavera), há crescimento folicular contínuo. O decréscimo de LH com o aumento do fotoperíodo é decisivo para a reprodução natural (RN) em caprinos. Assim, o estro é induzido na primavera, preferencialmente e indiscriminadamente (inclusive na RN), por coquetéis hormonais (IECH) com esponjas vaginais com análogos de P4 (desconforto animal, carência de 60 dias e problemas cardiovasculares em humanos), eCG (produzido sob condições questionáveis de bem-estar animal) e cloprostenol (sem carência). A sincronização de estro durante o outono (cloprostenol) e indução de estro por controle de fotoperíodo seguido de aplicações de cloprostenol na primavera são alternativas viáveis ao coquetel hormonal. Dependentes de progesterona (P4) luteal em toda gestação, talvez em função da ER, níveis adequados de LH não sejam alcançados após a IECH, além de facilitar a regressão luteal precoce (RLP) durante a RN comprometendo gestação e recuperação de embriões. No macho, a baixa estacional de LH está associada às baixas libido e características seminais. A hCG (extraída da urina de mulheres) e com atividade predominante de LH é capaz de reverter os efeitos deletérios da ER em cabras acíclicas e da RLP em cabras cíclicas e em doadoras de embriões, não tendo sido testada em bodes. Hipóteses: (1) a administração de hCG altera parâmetros morfológicos gonadais, endócrinos, expressão gênica em embriões elevando a eficiência reprodutiva de bodes e cabras em diferentes estações do ano podendo suportar programas de inseminação artificial, acasalamento natural intensivo e transferência de embriões; (2) uso de técnicas associadas à fisiologia caprina diminuem uso de hormônios não éticos e não saudáveis, suas administrações, desconforto animal e necessidade de carência de produtos caprinos.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - CE - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Jeferson Prietsch Machado

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • análise da instabilidade baroclínica e dos storm tracks no atlântico sudoeste: climatologia e projeções futuras
  • As condições de tempo e clima ao redor de todo o globo são fortemente influenciadas pela atuação de sistemas de escala sinótica tais como os ciclones extratropicais. Sob esse ponto de vista, torna-se importante a realização de estudos relativos ao seu processo de ciclogênese, abrangendo desde os principais mecanismos responsáveis pela sua formação como a instabilidade baroclínica, até a climatologia associada às regiões preferenciais de formação denominadas de storm tracks. Além disso, torna-se bastante relevante a resposta desta atividade baroclínica em cenários de mudanças climáticas. É importante destacar que as regiões preferenciais de formação e atuação dos ciclones extratropicais ocorrem na região do Atlântico Sudoeste. Este setor do Atlântico envolve uma das regiões oceânicas mais energéticas do planeta, a Confluência Brasil-Malvinas (CBM). Mudanças na temperatura do ar e da TSM podem alterar o posicionamento da separação da CBM e, consequentemente alterar a região preferencial de atuação dos ciclones extratropicais. Diante do exposto, este projeto realizará um estudo climatológico da instabilidade baroclínica e dos storm tracks para o setor do Atlântico Sudoeste e analisar o comportamento sazonal desta atividade baroclínica em cenários de aquecimento global, a partir do Modelo Brasileiro do Sistema Terrestre (BESM) e de modelos que integram o CMIP6, a partir de uma abordagem Euleriana. Para determinar a instabilidade baroclínica, será utilizado método Eady Growth Rate, que determina o potencial da atmosfera, em função do cisalhamento do vento. As análises dos storm tracks serão a partir dos cálculos do fluxo meridional de calor, transporte horizontal de momento e energia cinética. A determinação da atividade barocliníca em cenários futuros seguirá os Representative Concentration Pathways (RCPs) para o modelo BESM e os Shared Socioeconomic Pathways (SSPs) para os modelos pertencentes ao CMIP6.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jéfferson Augusto Colombo

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • investidores brasileiros de criptoativos: características, aspectos comportamentais e percepção de riscos e oportunidades
  • Criptoativos representam uma classe de ativos emergente e têm ganhado atenção crescente daqueles que buscam investimentos alternativos no Brasil. No entanto, pouco se sabe sobre as características desses investidores, em especial seu nível de conhecimento, tolerância a risco, e fatores que os repelem e os atraem a esse ecossistema. Este projeto de pesquisa busca suprir essa lacuna ao elaborar, validar e aplicar questionários proprietários (questionários controle e não-controle) que visam mapear o perfil do investidor brasileiro de criptoativos. Para reduzir o viés de seleção dos respondentes, propõe-se o envio dos questionários através de escritórios de agentes autônomos parceiros do projeto, cuja base de clientes é um misto de investidores que possuem e investidores que não possuem criptoativos em carteira. Com isso, é possível comparar as características e percepções quanto a criptoativos entre esses dois grupos, ao mesmo tempo em que se reduz a heterogeneidade dos potenciais respondentes (todos são investidores). Além disso, para testar hipóteses de finanças comportamentais ligadas social learning ainda não exploradas no mundo cripto, propõe-se a aleatorização de informações relevantes sobre criptoativos que podem afetar a percepção de riscos e oportunidades e a propensão a investidor dos respondentes, em especial aqueles com pouco conhecimento sobre criptoativos. Finalmente, para entender como tais características e percepções evoluem no tempo, propõe-se a aplicação dos questionários anualmente, buscando trazer o mais amplo e fidedigno retrato do investidor brasileiro de criptoativos.
  • Fundação Getúlio Vargas - RJ - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jefferson Cardia Simões

Outra

Ciências Ambientais
  • instituto nacional de ciência e tecnologia da criosfera
  • Este projeto propõe a continuidade do primeiro programa nacional de pesquisa da criosfera (a massa de neve e gelo da Terra). O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Criosfera (INCT da Criosfera) integra oito laboratórios associados dedicados ao estudos da variabilidade de diferentes componentes da massa de gelo planetária (gelo marinho antártico, geleiras e o manto de gelo antártico, geleiras andinas, permafrost e estudos microbiológicos) e sua resposta às mudanças climáticas. O INCT mantém sua sede no Centro Polar e Climático (CPC) do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob a coordenação-geral do glaciólogo Jefferson C. Simões. A novidade nesta segunda fase é a incorporação de um grupo de microbiologia polar, decorrência do rápido avanço nos estudos que procuram extremófilos na neve e gelo polar e também em lagos subglaciais. Este novo grupo (µPolar: Microbiologia de Ecossistemas Polares do Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais) junta-se a outros sete laboratórios associados assim definidos: Grupo de Pesquisa sobre o Oceano Austral e o Gelo Marinho, Instituto de Oceanografia da Universidade Federal do Rio Grande (FURG); o Centro de Estudos de Interações Oceano-Atmosfera e Conexões Climáticas entre a Antártica e a América do Sul do Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Santa Maria, RS; o Laboratório de Oceanografia, Clima e Criosfera do Instituto de Oceanografia da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP; o Grupo Química Atmosférica Polar, do Laboratório de Radioecologia e Mudanças Globais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ; o Laboratório de Geofísica de Geleiras do Laboratório de Métodos de Modelagem e Geofísica Computacional da COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ; o Centro TERRANTAR: Permafrost-Criossolos-Ecossistemas Terrestres e mudanças climáticas na Antártica, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa, MG. O INCT envolverá 303 pesquisadores, colaboradores e alunos, dos quais 152 são doutores, de 29 instituições nacionais de pesquisa e 27 internacionais. O programa de investigações científicas segue eixos temáticos, sempre explorando as interações atmosfera-criosfera-oceano no presente e no passado recente (até o Último Máximo Glacial) principalmente sobre conexões com o ambiente sul-americano (variação sazonal entre 1,9 e 19 milhões de quilômetros quadrados). É prioritário para o INCT o monitoramento das variações do balanço de massa do gelo planetário e as consequências para o nível médio dos mares, para isso foi criado, em ação conjunta da UFRGS e FURG, o Laboratório de Monitoramento da Criosfera – LaCrio). O programa inclui ainda a complementação do laboratório nacional dedicado à análise e interpretação de testemunhos de sondagem de gelo. É destaque do programa de investigação do INCT a manutenção da plataforma de investigação latino-americana mais ao Sul do Planeta, o laboratório/módulo Criosfera 1 (84°S) dedicado à pesquisa atmosférica e glaciológica. Trata-se de ação inédita do país e que em breve será ampliada com a implantação do módulo Criosfera 2 em 80°S. O programa de formação formal (pós-graduações) mantém foco nas interrelações entre as regiões polares e o ambiente brasileiro. No caso da ciência glaciológica, a meta é formar 20 doutores em 6 anos. O programa de educação em ciência do INCT inclui o desenvolvimento de módulos de e-Learning de acesso livre, cursos de curta duração sobre as regiões polares para professores do Ensino Médio e o desenvolvimento de sites de divulgação pela Internet. A proposta atende prioridades da Estratégia Nacional de Ciência e Tecnologia e Inovação para as áreas de Oceano e Zonas Costeiras, e Mudanças do Clima do plano de metas do Ministério da Ciência e Tecnologia, as considerações da 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: Áreas Estratégicas e o recente (2013) Plano de Ação do MCTI - Ciência Antártica para o Brasil 2013-2022. Especificamente para este último, contribui para atingir os objetivos e metas de dois programas temáticos: (1) O papel da criosfera no sistema terrestre e as interações com a América do Sul e (2) Mudanças climáticas e o Oceano Austral. A agenda científica da proposta também contribui para outras ações para a questão do clima e antártica, como a Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas (Rede CLIMA), contribuindo e estando associado a ações de outros INCTs (Mudanças do Clima e o Antártico de Pesquisas Ambientais).
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 25/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Jefferson Cardia Simões

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • variabilidade química e climática nos registros dos testemunho de gelo da geleira da ilha pine – manto de gelo da antártica ocidental
  • Este projeto propõe a reconstrução e interpretação da história climática e da química atmosférica do setor do mar de Amundsen/Bellingshausen ao longo dos últimos 300 anos a partir de registros paleloclimáticos indiretos obtidos em testemunhos de gelo da geleira da Ilha Pine (manto de gelo da Antártica Ocidental). O projeto expande para o lado do mar de Amundsen as investigações iniciadas há 5 anos nas bacias de drenagem glacial do manto de gelo da Antártica Ocidental que fluem para o mar de Weddell. Portanto, a comparação de dados paleoclimáticos (de testemunhos de gelo) das duas regiões proverá detalhamento da advecção de sul para norte de massas de ar frio da região antártica até o Brasil e tem entre suas metas a obtenção de m testemunho de 150 m na bacia de geleira Pine no verão de 2019/2020, além de vários levantamentos geofísicos. Posteriormente, as amostras do testemunho de gelo e de trincheiras superfícies de neve serão derretidas e analisadas por cromatografia iônica, ICP-SFMS e CRDS para gerarem diversas séries temporais ambientais e que serão então calibradas ao registro instrumental pela correlação com dados de re-análise do European Center for Medium Range Weather Forecasts (ECMWF) provendo indiretamente (by proxy) dados paleoclimáticos. Modelagem numérica do fluxo da geleira da Ilha Pine (77°05’S, 91°56’W) para datação do testemunho de gelo é prevista para calcular o campo tridimensional de velocidades da geleira Pine, possibilitando a datação adequada de cada camada. Como resultado desse trabalho acreditamos ser possível traçar as rotas preferências de transporte entre o Hemisfério Sul (com foco principal na América do Sul) e a região da geleira da Ilha Pine. O projeto é coordenado pelo atual vice-presidente do Scientific Committee on Antarctic Research (SCAR), Prof. Jefferson C. Simões, e conta com a participação do eminente Prof. Paul Andrew Mayewski, diretor do Climate Change Institute (CCI), University of Maine, Orono, recipiente do Cristal Seligman (equivalente ao Premio Nobel na área da Glaciologia). O projeto, realizado com forte cooperação internacional, principalmente com o CCI/UMaine, EUA, atende ações propostas pelo Action Group on Tropical Antarctic Teleconnections (TATE) do SCAR e também pelo IPICS - International Partnerships in Ice Core Sciences do PAGES. É relevante notar que grande parte dos recursos solicitados por este serão alocados ao pagamento de despesas de logística científica no interior da Antártica, incluído aluguel de aeronave, e que não são cobertas pelo PROANTAR por estarem foram da área de atuação geográfica da Marinha do Brasil.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 25/12/2018-31/12/2022
Foto de perfil

Jefferson Cardia Simões

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • o registro ambiental amazônico nas geleiras dos andes tropical
  • Futuras mudanças climáticas nos Andes Centrais e na bacia Amazônica adjacente terão impactos ambientais dramáticos e é essencial entender a variabilidade ambiental regional anterior à interferência humana. Infelizmente, devido ao rápido aquecimento atmosférico, o principal arquivo natural de mudanças do clima e da química atmosférica do passado, os testemunhos de sondagem de gelo, estão a se degradar, à medida que o aquecimento regional derrete as geleiras tropicais. Assim, é proposto o estudo de alta resolução de um novo testemunho da calota de gelo de Quelccaya (Peru) de 200 m que represente no mínimo 5.000 anos (ou até 20.000 anos se chegar à base da geleira). Essa massa de gelo foi escolhida porque está a barlavento das principais áreas de queimadas na Amazônia. Esse testemunho será obtido por uma expedição internacional, com recursos e equipamentos já garantidos por um dos parceiros (Climate Change Institute - CCI, UMaine), no final do primeiro semestre de 2022. A análise do testemunho permitirá derivar (com resolução sazonal) variáveis pelo uso de uma nova tecnologia (ablação à laser conectado a um ICP-MS e portanto evitando a subamostragem e risco de contaminação do registro) a ser realizada no CCI/Maine, e complementada por análises discretas para determinação da concentração iônica, concentração de carbono negro e levoglucosano, para tentar, por exemplo, determinar a evolução do impacto da queima de biomassa na área (análises a serem realizada no Centro Polar e Climático da UFRGS). A variação das razões isotópicas no testemunho de gelo serão comparadas com o resultado e o modelamento do fracionamento isotópico na Amazônia Ocidental tendo como base uma rede de amostra de precipitação para medição das razões de isótopos estáveis já implantada pela equipe brasileira entre Belém e fronteira com o Peru, e pela equipe internacional até a base dos Andes Orientais. As séries temporais obtidas serão correlacionadas as séries temporais e reanálises (ERA-Interim).
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jefferson Carriello do Carmo

Ciências Humanas

Educação
  • institutos federais de ciências e tecnologia: trabalho e as formas de produção no contexto da quarta revolução industrial entre 2014-2023
  • A proposta de pesquisa: Institutos Federais de Ciências e Tecnologia: Trabalho e as Formas de Produção no Contexto da Quarta Revolução Industrial entre 2014-2023, tem como questão central a análise de como as metamorfoses do mundo trabalho e a organização produtiva impactam as políticas de Educação Profissional, na formação e trabalho dos professores de Educação Profissional – EP, no contexto da chamada Quarta Revolução Industrial, ou mais propriamente denominada Indústria 4.0. Essa averiguação será norteada pelas condições objetivas e subjetivas presentes nas metamorfoses que estão ocorrendo nas formas de organização da produção e do mundo do trabalho. Essa abordagem de investigação será de cunho socioanalítico, cujo foco está no campo sócio-histórico, político, econômico e educacional e suas visíveis transformações, cujo impacto desenha uma nova concepção de formação profissional para o trabalho. O período proposto, envolve três situações: crise financeira; a crise oriunda da pandemia do coronavírus que tem levado as grandes potências econômicas a entrarem num “curto-circuito” e por fim o advento da Quarta Revolução Industrial, cuja consequências vem implementando mudanças nas estruturas socioeconômicas de vários países. Neste sentido, o estudo tem como hipótese que a Revolução Industrial impõe mudança estrutural, que envolve a economia, a tecnologia, a sociedade e, em nosso caso particular, as políticas de educação profissional. Essas mudanças apontam para uma formação profissional que necessita de mudanças e essas não devem ser pensadas de forma isoladas, mas dentro de um conjunto de fatores, tais como: o econômico, o tecnológico, o social o político, as inovações, etc... Estes fatores não caminham isolados entre si, mas fazem parte de um conjunto de fenômenos estruturais. Dentre esses conjuntos estão: o trabalho, a tecnologia, a economia, e a formação profissional, como também um conjunto de situações que mediam e fazem parte desse contexto.
  • Universidade de Sorocaba - SP - Brasil
  • 07/04/2022-30/04/2025
Foto de perfil

Jefferson Prado

Ciências Biológicas

Botânica
  • delimitação, biogeografia e origem de espécies de vitarioides no brasil, no contexto de uma filogenia global do grupo (pteridaceae)
  • Em uma recente filogenia global das samambaias vitarioides vários avanços foram alcançados. Em especial, destaca-se que foram resolvidos os problemas de delimitações taxonômicas em nível de gênero. De acordo com a atual classificação, 11 gêneros são aceitos em vitarioides e estes podem ser reconhecidos por sinapomorfias morfológicas de fácil observação. Por outro lado, no nível de espécie, ficou evidente que mais estudos são necessários para que uma melhor delimitação taxonômica seja alcançada. Isto posto, o presente projeto visa resolver parte dessas delimitações para os grupos neotropicais das vitarioides, especialmente nos complexos de espécies de Vittaria graminifolia e V. lineata, que ocorrem no Brasil. Com base em novas amostragens, novas análises moleculares serão conduzidas, utilizando-se quatro marcadores plastidiais rbcL, atpA, chlN e rpoA, com o objetivo de se obter uma nova filogenia global das vitarioides. Também com base nos dados moleculares serão realizadas análises biogeográficas e de origem, inéditas para o grupo.
  • Instituto de Botânica - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Jenaina Ribeiro Soares

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • síntese, propriedades ópticas e modificações estruturais de novos materiais
  • A esfoliação do grafeno em 2004 foi fundamental para constatar que materiais laminares volumétricos (ou “bulk”) eram redutíveis a camadas de espessura atômica (2D), e que então as suas propriedades mudam dramaticamente. Novas famílias laminares têm sido investigadas recentemente, completando o grafeno em aplicações como heteroestruturas 2D. Dentre elas estão os monocalcogenetos de metais de pós-transição, e minerais do grupo da platina, como a jacutingaita, um isolante topológico descoberto em Minas Gerais - Brasil. Diferentes coordenações atômicas, presença de politipos, e número de camadas são mudanças de simetria com consequências nas estruturas eletrônicas e vibracionais, possibilitando customizar suas propriedades para aplicações como a optoeletrônica em nanoescala. Esta proposta analisará a espectroscopia Raman, a Tip-enhanced Raman Spectroscopy (TERS), e óptica não linear de materiais 2D como o monocalcogeneto GaS, jacutingaita (Pt2HgSe3), e dicalcogenetos de metais de transição, utilizando experimentos, estudos de simetria e Density Functional Theory (DFT). As vibrações de altas e baixas frequências (“intralayer” e “interlayer”, respectivamente) serão exploradas para elucidar aspectos inéditos da interação entre camadas nesses materiais. Além da fabricação por esfoliação mecânica, serão feitas a síntese por Chemical Vapor Deposition (CVD) de poucas camadas atômicas e heteroestruturas. Um fator determinante para a utilização desses materiais em aplicações reais é o papel desempenhado por defeitos e oxidação, que serão aqui induzidos e explorados visando estabelecer protocolos para sua quantificação. Espera-se então entender a assinatura espectroscópica no Raman e óptica não linear de estruturas defeituosas e não defeituosas. Medidas de baixas temperaturas são fundamentais para entender transições de fase induzidas por defeitos e interações entre fótons. Recursos humanos altamente qualificados serão gerados em uma área emergente no Brasil e no mundo.
  • Universidade Federal de Lavras - MG - Brasil
  • 22/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Jeremie Garnier

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • isosolotrop- contribuição dos isótopos de fe e cd para a geodinâmica dos processos naturais e antropogênicos que afetam os solos tropicais do brasil.
  • As coberturas superficiais desenvolvem um papel chave no ciclo dos elementos e na qualidade dos ecossistemas continentais e aquáticos. Longe de serem isolados, todos os compartimentos da Zona Crítica (da rocha até a canopê) interagem entre si de acordo com modalidades ainda largamente desconhecidas e em escalas de tempo muito variadas. O desmatamento de áreas de savanas e florestais e à crescente procura por terras agrícolas exerce ação negativa sobre o solo e sua fertilidade e uma retroação sobre o clima (emisão de gases de estufa). O papel da pressão antrópica sobre a degradação dos solos e o aquecimento global é hoje reconhecido. Ainda assim, é difícil estabelecer a intensidade e as modalidades das ações humanas sobre os sistemas pedo-hidrologicos. Para tanto, propomos o desenvolvimento e uso de novos ferramentos géoquimicos applicaveis à estudo da degradação dos solos dos ecosistemas florestais. As assinaturas de alguns isótopos estáveis que fracionam durante os processos biogeoquimicos representam novas ferramentas para monitorar a dinâmica de elementos no meio ambiente. Nos focalisaremos sobre os isotopos do Fe e do Cd como traçadores qualitativa e quantitativa dos efeitos da degradação dos solos associados ao desmatamento e fogos, bem como a capacidade do sistema solo-águas de superfície continentais de responder as retroações negativas. Alem destas tecnicas inovadoras, usaremos extrações quimicas e as técnicas espectroscópicas (XAS) para a determinação direta dos estados de oxidação e o tipo de ligação e assim informações imperdíveis sobre especiação solida e mobilidade de elementos. Em continuidade de estudo previa, nossa proposta será desenvolvido em sistema vegetação-solos-águas de biomes i) da Floresta Amazônica e ii) do Cerrado. Parcelas preservadas e afetadas por alteração e fogo serao monitoradas nesses ecosistemas. Ao compreender melhor a vulnerabilidade desses ecosistemas perante desmatamento e fogo, será possível avaliar as políticas ambientais.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 16/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Jerson Lima da Silva

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • inct de biologia estrutural e bioimagem
  • Nos primeiros cinco anos, a meta geral do INCT de Biologia Estrutural e Bioimagem (INBEB) foi a de criar uma rede de pesquisa multidisciplinar nos campos de biologia molecular e estrutural, biologia celular, bem como biologia tecidual, gerando, desta forma, uma visão global sobre diversas doenças humanas importantes para a saúde pública no país. Nesta primeira fase, construimos uma sólida infraestrutura física e científica (vide Relatórios Bienais em http://www.imbebb.org.br/index.asp) voltada para os estudos de diversas patologia desde o nível atômico, por meio da estrutura e dinâmica de proteínas por ressonância magnética nuclear (RMN), bem como a nível morfo-patológico, por meio de técnicas de microscopia e, também, de forma sistêmica, por meio de imagem por ressonância magnética (MRI, magnética resonance imaging) e tomografia de emissão de pósitrons e tomografia computadorizada por emissão de fóton único (PET-SPECT-CT). Essa infraestrutura encontra-se instalada e em pleno funcionamento reunindo equipamentos de ponta em três edificações: O CNRMN – Centro Nacional de Ressonância Magnética Nuclear Jiri Jonas (CENABIO I), reunindo os equipamentos de RMN (espectrômetros de 400MHz, 500 MHz, 600 MHz, 700 MHz (estado sólido), 800 MHz e um 900 MHz (a ser adquirido – projeto pro-infra aprovado); 2) O CENABIO II - abrigando os equipamentos de Bioimagem de pequenos animais (MRI 7 Tesla; SPECT/PET – CT; Imageamento por Bioluminescência); 3) O CENABIO III – edificação em fase de conclusão que reunirá os equipamentos de Microscopia Eletrônica, Confocal, Multifotônica e de Força Atômica. Em conclusão, criamos um centro de referência com um dos maiores parques de equipamentos nesta área e que atende a demanda dos pesquisadores brasileiros e de outros países que buscam fazer colaborações e elevar o patamar dos conhecimentos em suas respectivas áreas do conhecimento. Agora, nesta segunda fase do INBEB, pretendemos somar esforços para compreender as bases moleculares das doenças amiloidogênicas, câncer, doenças degenerativas, doenças parasitárias e virais, que compõem a temática da nova proposta ora apresentada. Pretendemos avançar na proposição de terapias novas, tal como o desenvolvimento racional de fármacos e vacinas, que se fazem necessários para a diminuição da morbidade e mortalidade da população acometida por essas enfermidades. O grande elo de associação desses grandes temas é a Biologia Estrutural e a Bioimagem que, agora, terão seus laços estreitados com parcerias com empresas publicas e privadas e redes hospitalares, como o Instituto D’Or/IDOR (associado à rede de Hospitais D’OR) e a Fundação de Medicina Tropical Heitor Dourado do Estado do Amazonas, preenchendo a lacuna que existe entre pesquisa básica e pesquisa clínica (pesquisa translacional). Pretendemos criar novas Plataformas Experimentais com especial destaque para as Plataformas de Purificação/Cristalização de Proteínas, de Triagem de Bibliotecas de Fármacos por RMN e de Bioimagem Translacional. O INBEB será coordenado pelo Prof. Jerson Lima da Silva tendo como Vice-Coordenador o Dr. Wanderley de Souza (UFRJ), ambos pesquisadores 1A do CNPq, que serão assessorados por um Comitê Gestor composto por 8 Chefes de Laboratórios Associados, aalém de um Conselho Científico Internacional, sob a Presidência do Professor Kurt Wüthrich (Scripps/UFRJ). A estrutura organizacional básica do INBEB em Laboratórios Associados (LAs) será mantida, porém alguns LAs foram reestruturados e novos LAs foram inseridos na presente proposta, visando incorporar novos grupos de pesquisa para o alcance das metas científicas definidas. Compõem o INBEB 21 LAs coordenados por pesquisadores reconhecidos em suas áreas de atuação. Ao todo, temos instituições associadas ao INBEB de sete estados da Federação e o Distrito Federal. Em linhas gerais as temáticas científicas que se pretende abordar foram agrupadas em quatro grande grupos, a saber: I. Proteínas Amiloidogênicas e Prions: Doenças Neurodegenerativas e do Mau- Enovelamento Proteico; II. Vírus e suas Respectivas Doenças; III. Microrganismos Eucariontes e suas Respectivas Doenças e IV. Proteínas de Supressão Tumoral e Oncogênicas em Câncer. Dentre os temas a serem abordados podemos destacar como principais interesses dos proponentes do INBEB: (a) determinar a estrutura tridimensional de macromoléculas, com ênfase na utilização da Ressonância Magnética Nuclear e difração de raios-x; (b) analisar a formação de complexos macromoleculares e estruturas celulares complexas, utilizando técnicas microscópicas de alta resolução (microscopia de força atômica, crio-eletrontomografia, espectroscopia de correlação de fluorescência); (c) analisar a organização celular utilizando microscopia de fluorescência de alta resolução (confocal, multi-fotônica, vídeo-microscopia), microscopia eletrônica de varredura e microscopia eletrônica de transmissão), e (d) analisar o comportamento de células e tecidos em animais inteiros, utilizando as mais modernas técnicas de visualização de animais experimentais, como a bioluminescência, a ultra-sonografia de alta resolução, a tomografia de emissão de fótons (PET/SPECT/CT) e a ressonância nuclear magnética de imagem (MRI); (e) sintetizar novos compostos capazes de atuarem como agentes antiamiloidogênicos, antivirais, antiparasitários e antitumorais e (f) caracterizar biomarcadores estruturais e funcionais nas doenças neurodegenerativas e no câncer através de estudos pré-clínicos e ensaios clínicos. Em conclusão a nossa proposta pretende gerar contribuições científicas e tecnológicas nas áreas de Doenças Neurodegenerativas, Câncer, Doenças Virais e causadas por Microrganismos Eucariontes, através de estudos de biologia estrutural e bioimagem in vitro e in vivo, além de estudos clínicos com pacientes, utilizando a vantagem competitiva do grupo reunido no INBEB.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 26/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Jerson Lima da Silva

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • biologia estrutural de proteínas envolvidas em doenças neurodegenerativas, tumorais e virais
  • O projeto tem como objetivo estudar: 1) proteínas envolvidas em tumores, como a proteína de supressão tumoral p53, cuja mutação está presente em mais de 50% dos tipos de câncer; 2) proteínas associadas a doenças neurodegenerativas como a proteína do prion, associada às encefalopatias espongiformes transmissíveis, e a alfa-sinucleína associada à doença de Parkinson; 3) estruturas virais associadas a viroses, incluindo Zika, Febre Amarela e COVID-19. Entre os diversos tipos de câncer, abordaremos tumores malignos de mama, hepatocarcinoma e glioblastoma. O grupo foi pioneiro e exerce liderança em estudos de agregação amiloide e de mudança de fase da proteína p53 e seu envolvimento na patogênese de câncer. Em vários trabalhos do grupo, propusemos que a agregação de mutantes de p53 tem características semelhantes a um príon e que atua de forma crucial no desenvolvimento do câncer, através da perda de função, do efeito de dominância negativa e do ganho de função de agregados. Desta forma, a p53 mutante agregada tem se tornado um novo candidato a alvo farmacológico. Nos últimos 20 anos, verificamos que a proteína do príon depende de moléculas de ácido nucléico para sofrer a mudança para o estado que causa doença e o uso de diversas técnicas espectroscópicas, inclusive de moléculas individuais, poderá desvendar como isso se opera no interior da célula. Em Biologia Estrutural de vírus, o nosso grupo visa utilizar métodos de RMN e biofísicos para a caracterização da estrutura de proteínas de diversos vírus como o Zika, Hepatite C, Influenza e SARS-CoV-2. Entre as inovações feitas pelo nosso laboratório está o uso de um método físico (alta pressão hidrostática) para inativação de vírus, com o objetivo de se obter vacinas. Mais recentemente, temos participado de estudos que utilizam a proteína S da espícula viral para obtenção de um soro hiperimune em cavalos (soro AntiCovid), com perspectiva de utilização na terapia da COVID-19, uma parceria envolvendo várias instituições.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Jesanias Rodrigues de Lima

Ciências Humanas

Filosofia
  • 5ª semana municipal de ciência e tecnologia de itapissuma
  • É inegável que nossa sociedade vem se modificando em virtude das transformações decorrentes das revoluções científicas e tecnológicas. Mediante isto, a população vem se apropriando progressivamente a tais inclusões, sendo necessário que elas possam se adequar e familiarizar-se com as ferramentas tecnológicas. Diante dessa possibilidade, e por intermédio da Chamada do Edital da CNPq/MCTI Nº 17/2020, propomos o projeto, com o seguinte objetivo: Fomentar o conhecimento Científico e Tecnológico, a partir da 5ª Semana Municipal de Ciência e Tecnologia de Itapissuma. Para tal por finalidade viabilizar o conhecimento científico para o público prioritário e geral do município de Itapissuma, que é situado no Estado de Pernambuco, nordeste brasileiro. Pontua-se que o município proponente, já vem atuando com parcerias de municípios, instituições e entidades, e também tem experiência nesse tipo de evento de Ciência e Tecnologia. Somado a isto, é relevante mencionar os índices alcançados pelo município nos últimos Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (Ídeb), mesmo apresentando um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) considerado baixo. Para alcançarmos nosso objetivo, foram pensadas duas linhas de ações: (1) Proposta principal (atividades presenciais) ou (2) Proposta secundária (atividades virtuais), levando em consideração o contexto de incertezas que vivemos em meio à pandemia do “novo Coronavírus”, o direcionamento de nossa linha de proposta ocorrerá no mês de setembro, visto que consultaremos nossa Secretaria de Saúde. Porém em qualquer uma das linhas, seguiremos o protocolo de seguranças exigidos pelas Secretarias de Saúde Estadual e municipais e Organização Mundial de Saúde, tomando como base suas ações e cuidados.
  • SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCACAO DE ITAPISSUMA - PE - Brasil
  • 16/03/2021-31/03/2023
Foto de perfil

Jesanias Rodrigues de Lima

Outra

Multidisciplinar
  • 6ª semana municipal de ciência e tecnologia de itapissuma
  • É notório que nossa população vem se modificando e se adequou as transformações de Ciência, Tecnologia e Inovação, que permeiam nosso cotidiano, e com isso também vieram vários problemas de temas socioambientais que aflige o bem estar social e do nosso planeta. Porém, para uma compreensão holística e transversal desses temas e suas problemáticas, é necessário que identifiquemos e busquemos ações e atividades para sociedade e o planeta terra, e desse modo seja possível ter um presente e futuro melhor. Diante dessa possibilidade, e intermédio da Chamada do Edital da CNPq/MCTI Nº 10/2021, submetemos um projeto de evento, com o seguinte objetivo: fomentar o conhecimento científico, tecnológico e de inovação, a partir da 6ª Semana Municipal de Ciência e Tecnologia de Itapissuma, como um instrumento de divulgação e popularização, e de incremento à percepção social do papel da ciência para o desenvolvimento humano e sustentável. A partir da realização do evento, será possível oportunizar a elaboração, proposição e apresentação de projetos de iniciação científica, no qual viabilizará o conhecimento científico, tecnológico e de inovação para o público prioritário e geral do município de Itapissuma (proponente), bem como os municípios circunvizinhos, que são situados no Estado de Pernambuco, nordeste brasileiro. Para alcançarmos nosso objetivo, propomos um evento integrado/ “guarda-chuvas” que será realizado no ano de 2022, presencialmente, no qual terá como tema norteador as discussões humanas e sustentáveis inerentes dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de nossa realidade local. Como estratégia metodológica da proposta serão desenvolvidos projetos científicos, em 3 categorias, sendo elas: Iniciação à Pesquisa; Divulgação Científica e Pesquisa Científica da Educação de Jovens e Adultos, nos quais poderão apresentar em duas modalidades: (1) Exposição de CT&I; e (2) Teatro Científico (exposição em forma artística) sobre o tema debatido do evento.
  • SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCACAO DE ITAPISSUMA - PE - Brasil
  • 14/12/2021-31/12/2023
Foto de perfil

Jesanias Rodrigues de Lima

Outra

Divulgação Científica
  • semana nacional de ciência e tecnologia em itapissuma e igarassu
  • É notório que nossa população vem se modificando e se adequou as transformações de Ciência, Tecnologia e Inovação, que permeiam nosso cotidiano, e com isso também vieram vários problemas de temas socioambientais que aflige o bem estar social e do nosso planeta. Porém, para uma compreensão holística e transversal desses temas e suas problemáticas, é necessário que identifiquemos e busquemos ações e atividades para sociedade e o planeta terra, e desse modo seja possível ter um presente e futuro melhor. Diante dessa possibilidade, e por intermédio da Chamada do Edital da CNPq/MCTI Nº 06/2021, propomos o projeto, com o seguinte objetivo: fomentar os conhecimentos científicos, tecnológicos e de inovações, a partir da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Itapissuma e Igarassu. Para finalidade de viabilizar o conhecimento científico e tecnológico para o público prioritário e geral dos municípios de Itapissuma e Igarassu, que são situados no Estado de Pernambuco, nordeste brasileiro. Vale salientar, que o referido evento terá sua maior parte por meio virtual, logo oportunizaremos a todos que tem acesso online, não importando o município. Pontua-se ainda, que a instituição proponente (Secretaria Municipal de Educação de Itapissuma), vem alcançando relevantes metas nos últimos Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (Ídeb), mesmo apresentando um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) considerado baixo; têm ótimas parcerias com outras instituições e entidades estaduais e federais; e também já vem desenvolvendo parcerias com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) em chamadas anteriores de evento de Ciência e Tecnologia. Para alcançarmos nosso objetivo, propomos a realização de um evento integrado/ ‘guarda-chuvas’ por meio virtual, no qual serão discutidos alguns dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de nossa realidade local, a partir do desenvolvimento de 3 modalidades de atividades: (1) eventos de comunicação científica - por meio de lives; (2) mostra de vídeos –pela elaboração e publicação de vídeos informativos/ formativos; e (3) exposição de CT&I - por meio da elaboração e entrega de materiais didáticos. Pretendemos realizar este evento, no final do mês de outubro ou início de novembro de 2021, visto que já estamos realizando nossa feira científica municipal de Itapissuma no período indicado pelo edital. Evidenciamos, que para realização do evento seguiremos todos os protocolos de seguranças exigidos pelas Secretarias de Saúde Estadual e municipais, tomando como base suas ações e cuidados.
  • SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCACAO DE ITAPISSUMA - PE - Brasil
  • 16/11/2021-30/11/2023
Foto de perfil

Jesiane Stefania da Silva Batista

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • bactérias promotoras de crescimento de plantas multifuncionais dos campos gerais: diversidade genética e potencial biotecnológico
  • Bactérias promotoras do crescimento de plantas (BPCP) contemplam grupos taxonômicos com ampla diversidade genética e funcional, que colonizam determinada espécie vegetal ou solo associado e aumentam sua produtividade via síntese de compostos que modulam o desenvolvimento da planta hospedeira; facilitação de aquisição de nutrientes; prevenção da incidência de fitopatógenos. As BPCP integram um componente significativo no manejo agrícola e recuperação de ecossistemas naturais. Um dos objetivos do Programa Nacional de Bioinsumos-MAPA é potencializar a utilização da biodiversidade brasileira no desenvolvimento e produção de bioinsumos. Nossos resultados indicam que as comunidades microbianas dos Campos Gerais/PR abrigam promissores modelos biotecnológicos, que pode estar relacionado ao fato de que a região possui ecotónos entre Mata Atlântica e Cerrado. Nossos estudos com rizóbios de espécies nativas da região indicaram elevada diversidade de bactérias dos gêneros Paraburkholderia, Rhizobium e Bradyrhizobium, com a ocorrência de novas espécies. Observou-se uma elevada tolerância a pH ácido, salinidade, presença de metais pesados e temperaturas elevadas; capacidade de produção de compostos indólicos e destacou-se a elevada eficiência na solubilização de fosfato in vitro, com índices equivalentes às estirpes elite para o processo em questão. Considerando as potencialidades da região e o crescimento do interesse global no mercado de bioinsumos, o presente projeto propõe o isolamento de bactérias de ecossistemas naturais e agroecossistemas dos Campos Gerais; caracterização da diversidade genética; avaliação de parâmetros relacionados à promoção do crescimento vegetal; seleção de estirpes para inoculação de leguminosas e não-leguminosas e regeneração de ecossistemas terrestres, em condições de estresse hídrico e substituição de fertilizantes químicos; divulgação científica sobre a relevância da biodiversidade microbiana para sustentabilidade ambiental e biotecnologia.
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025