Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Thaisa Storchi Bergmann

Ciências Exatas e da Terra

Astronomia
  • alimentação e retro-alimentação de buracos negros supermassivos em núcleos de galáxias
  • Núcleos Ativos de Galáxias (AGN) correspondem a uma fase fundamental na evolução de uma galáxia em que os Buracos Negros Supermassivos (SMBH) que habitam seu núcleo estão capturando matéria através de um disco de acreção. A alimentação do SMBH produz por sua vez efeitos de retro-alimentação, pois, durante esta fase "ativa", são emitidos jatos de partículas relativísticas da parte interna do disco, bem como ventos de gás de partes mais externas do disco. Estes jatos, ventos e a radiação emitida pelo disco produzem efeitos de retro-alimentação que exercem pressão sobre o gás que circunda a galáxia (e que seria capturado pela galáxia levando ao seu crescimento), podendo expeli-lo e influenciando assim a evolução da galáxia hospedeira. Neste projeto, dedico-me ao estudo dos mecanismos e da energia envolvida nos processos de alimentação e retro-alimentação de SMBHs no núcleo de galáxias, investigando seu efeito sobre a evolução da galáxia hospedeira. Isto é feito através de 3 sub-projetos: (1) uma grande proposta observacional sendo executada no Observatório Gemini, em que estes processos (em galáxias ativas próximas) são mapeados através de observações de espectroscopia de campo integral no infravermelho próximo do kiloparsec central de cerca de 30 destas galáxias; (2) projetos em colaboração também sendo executados no Observatório Gemini, mas com observações de espectroscopia de campo integral no ótico do mesmo kiloparsec central de galáxias ativas próximas; (3) participação no projeto MaNGA (Mapping Nearby Galaxies at Apache Point Observatory) do SDSS-IV (Sloan Digital Sky Survey), através da observação de uma região bem maior de cada galáxia (~15 kpc), para uma amostra maior de de galáxias (até 10 mil galáxias), um pouco mais distantes, mas com menor resolução espacial.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Thales Domingos Arantes

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • diagnóstico micológico, caracterização molecular (filogenética) e epidemiológica de sporothrix spp. na região metropolitana de natal/rn
  • A esporotricose é uma micose subcutânea de perfil zoonótico, comum em áreas tropicais e temperadas, causada por fungos termo-dimórficos do gênero Sporothrix. A forma micelial é saprófita de solos ricos em matéria orgânica, que por implantação traumática (via clássica) ou por inalação de partículas fúngicas viáveis (via alternativa) infectam hospedeiros susceptíveis, convertendo-se na forma de levedura quando em parasitismo. No Brasil, as espécies patogênicas de Sporothrix mais frequentes são: Sporothrix schenckii sensu strictu, S. brasiliensis e S. globosa, enquanto a espécie S. mexicana é menos frequente. Como zoonose, a esporotricose é mais frequente em gatos, quando comparada a outros animais, devido ao comportamento territorialista dos gatos, associado à maior capacidade de disseminação do fungo nestes hospedeiros. No Rio Grande do Norte, nenhum caso havia sido reportado até meados de 2016, ano em que um quadro epizoótico teve início. Atualmente devido ao grande número de casos confirmados em felinos e humanos a esporotricose tornou-se um problema em saúde pública no Natal e região metropolitana. O correto diagnóstico desta micose direciona o tratamento, possibilitando também a caracterização biológica da espécie fúngica. Por este motivo, objetivamos isolar e identificar (cultura e PCR-RFLP do gene da Calmodulina) os Sporothrix spp. obtidos principalmente em amostras animais e esporadicamente em casos de infecção humana. Como proposta inovadora, esperamos estabelecer no diagnóstico da esporotricose o uso dos elementos genéticos autocatalíticos introns do grupo I e intein PRP8 como marcadores moleculares, que podem também gerar informação para associação destes como potenciais alvos terapêuticos no tratamento da esporotricose.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 18/02/2019-31/10/2022
Foto de perfil

Thales Renato Ochotorena de Freitas

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • estudo de longa duração dos golfinhos nariz-de-garrafa, tursiops truncatus, do arquipélago de são pedro e são paulo, e avaliação da biodiversidade das águas do entorno através de uma abordagem ecossistêmica (dna ambiental e monitoramento acústico passivo)
  • Mais de 20 anos de pesquisa sendo desenvolvidas no Arquipélago de São Pedro e São Paulo (ASPSP) viabilizou não apenas descobertas sobre a biodiversidade local, mas também informações acerca de suas relações biológicas e do grau de vulnerabilidade de algumas espécies. Uma dessas descobertas, no início do PROARQUIPÉLAGO, foi a existência de uma população de golfinhos nariz-de-garrafa, Tursiops truncatus, nas águas de São Pedro e São Paulo, que desde 2005, e ao longo de três edições do Programa (Editais MCT/CNPq nº 56/2005, 26/2009, 39/2012), vem sendo monitorada pela nossa equipe. Os dados obtidos até o momento são surpreendentes e intrigantes, mas, sobretudo preocupantes. Através do monitoramento inicial dos animais por foto-identificação, descobrimos que a população é residente, composta por indivíduos com altos índices de fidelidade ao local. Mas, ao contrário do esperado para uma população tão pequena e geograficamente isolada, ao analisarmos os dados de biologia molecular, constatamos que essa população não apresentava evidências de endocruzamento e tampouco de ser geneticamente fechada, apresentando haplótipos compartilhados com populações do Atlântico Norte. Já os estudos de bioacústica revelaram o uso de sinais de comunicação específicos, provavelmente devido a adaptações às características do ambiente oceânico e distanciamento geográfico de outros grupos. Todas essas informações são inéditas, instigantes e despertam o interesse em aprofundar as pesquisas. Recentemente, análises de contaminantes trouxeram também uma apreensão – estes animais, apesar da considerável distância da ação direta de atividades antrópicas, exibem altos índices de poluentes orgânicos persistentes. As relações da cadeia trófica, dinâmica dos processos de bioacumulação e biomagnificação, a influência das correntes atmosféricas e oceânicas na dispersão destes compostos, assim como o impacto destes contaminantes a médio e longo prazo na reprodução, sobrevivência e viabilidade dessa população, ainda precisam ser estabelecidas. Com isto, torna-se imperativo o monitoramento dessa população, bem como a reavaliação e aprofundamento dessas informações. Pretendemos, assim, ampliar o número de amostras coletadas para análises genéticas e de contaminantes. O sequenciamento de nova geração, a ser usado pela primeira vez nessa população, é uma análise que permite investigar os parâmetros populacionais, sócio-genéticos e reprodutivos, superando muitas limitações do sequenciamento tradicional. Como possuímos dados prévios dessa população, essa análise ainda permitirá traçar uma comparação demográfica ao longo dos anos. Como complemento às análises de contaminantes serão avaliadas as lesões no DNA através da medida do comprimento telomérico, uma abordagem inovadora que acessa o status de saúde da população. Também será mantido o monitoramento visual, atualizando-se o catálogo de fotoidentificação e ampliando-se a área de estudo ao redor do ASPSP para reavaliar o tamanho e composição da população, o desaparecimento ou surgimento de novos indivíduos e, principalmente, o nascimento de filhotes. Do mesmo modo, dar-se-á sequência ao estudo de monitoramento acústico, determinado padrões de ocupação diária e sazonal e uso do habitat pela população. Mamíferos marinhos são animais de vida longa, e muitos problemas decorrentes das ações antrópicas, como um eventual declínio populacional devido à redução na fertilidade causada por contaminantes, são revelados somente após anos de monitoramento. Apesar disto, podem ser considerados organismos bioindicadores para o ambiente onde se encontram, sinalizando problemas que passariam despercebidos. Salientamos que a presente proposta parte de uma base de dados prévia, com informações coletadas em 18 expedições anteriores, o que permite reavaliá-las, refiná-las e compará-las, expandindo o conhecimento atual sobre essa população. Este é o primeiro estudo de longa-duração de uma população oceânica de golfinhos dessa espécie no Oceano Atlântico Equatorial, e o PROARQUIPÉLAGO, através de um esforço constante de aporte de recursos e capacitação de pesquisadores, vêm permitindo que estudos com tal viés sejam desenvolvidos nas regiões da ZEE Brasileira. Esta é uma oportunidade única para a comunidade científica estudar a ecologia da espécie em ambiente pelágico, contribuindo para seu conhecimento a um nível global. Outras espécies podem revelar preocupações similares quanto ao seu status de conservação. Assim, o presente projeto propõe-se a avaliar a biodiversidade e os níveis de contaminação de cetáceos e peixes nas águas do ASPSP, valendo-se da inovadora e não-invasiva técnica de DNA ambiental. Organismos-chave na cadeia trófica serão avaliados a fim de se estimar os níveis de bioacumulação de poluentes. Será também iniciado o monitoramento acústico passivo, registrando a diversidade das espécies de cetáceos nas adjacências do ASPSP. Com isto, espera-se gerar um quadro representativo da região, permitindo a comparação da biodiversidade e qualidade ambiental com outros ecossistemas, e servindo como banco de dados de referência para trabalhos futuros. Além de tecnologias robustas, reuniu-se uma equipe multidisciplinar, com pesquisadores de diversas áreas do conhecimento, como zoologia, genética, ecologia, oceanologia e bioacústica. O projeto compromete-se ainda com alguns dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU, como o que se refere à conservação dos oceanos, mares e recursos marinhos. As ilhas oceânicas abrangem cerca de 3% da superfície do planeta, e devido ao seu isolamento geográfico são ambientes que abrigam uma biodiversidade única, sendo conhecidos como viveiros da vida marinha. Pesquisas desenvolvidas no âmbito do ASPSP, principalmente as que visam desvendar a complexidade dos ecossistemas, levando em consideração animais sentinelas e processos oceânicos, podem oferecer informações capazes de contribuir substancialmente em tomadas de decisão relativas à conservação.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 28/11/2019-30/11/2022
Foto de perfil

Thales Ricardo Cipriani

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • polissacarídeos quimicamente sulfatados: reprodutibilidade de obtenção, estabilidade e possibilidade de utilização como anticoagulantes in vivo e in vitro
  • Os distúrbios no sistema hemostático causam doenças como o tromboembolismo arterial e venoso, as quais apresentam uma taxa alta de mortalidade. Até hoje, estas doenças são tratadas com agentes anticoagulantes e antitrombóticos, sendo a heparina o principal medicamento utilizado. Porém, efeitos secundários do tratamento com heparina, como trombocitopenia e reações cutâneas podem ser observadas. Na busca de alternativas à heparina, muitos estudos têm sido realizados com polissacarídeos naturalmente ou quimicamente sulfatados. A sulfatação química de polissacarídeos têm produzido moléculas com atividades anticoagulante e antitrombótica, contudo, poucos estudos têm sido realizados com polissacarídeos quimicamente sulfatados obtidos por meio de métodos de sulfatação otimizados. Neste sentido, o presente projeto pretende avaliar a reprodutibilidade de obtenção e a estabilidade de polissacarídeos quimicamente sulfatados com atividades anticoagulante e antitrombótica, obtidos por um método de sulfatação otimizado. Os polissacarídeos sulfatados serão também avaliados quanto às suas possibilidades de uso crônico in vivo, em ratos, e de uso como anticoagulantes para análises clínicas. Espera-se que os polissacarídeos sulfatados, com atividades anticoagulante e antitrombótica, sirvam como possíveis alternativas de interesse farmacológico para os tratamentos de distúrbios na coagulação sanguínea e/ou para utilização como anticoagulantes in vitro, viabilizando análises clínicas.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Thalles Barbosa Grangeiro

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • enzimas para desconstrução da quitina codificadas no genoma de chromobacterium violaceum: validação experimental, caracterização bioquímica e avaliação do potencial antifúngico
  • Depois da celulose, a quitina é o polissacarídeo mais abundante na natureza. Os genomas microbianos têm se revelado fontes promissoras de enzimas capazes de degradar esse polissacarídeo recalcitrante, que poderão ser exploradas no desenvolvimento de produtos inovadores para a agricultura, medicina e indústria. Dentre as possíveis aplicações dessas enzimas estão o biocontrole de fungos patogênicos e a obtenção de quito-oligossacarídeos com atividade antibacteriana e com capacidade de suprimir tumores. O sequenciamento completo do genoma da bactéria de vida-livre Chromobacterium violaceum revelou genes com potenciais aplicações biotecnológicas em diversas áreas. O presente projeto de pesquisa tem como objetivo a validação experimental e caracterização funcional e estrutural de enzimas hidrolíticas e oxidativas codificadas no genoma de C. violaceum ATCC 12472, com uso potencial na desconstrução da quitina. Para tal, genes sintéticos codificando enzimas de C. violaceum pertencentes a diferentes famílias de hidrolases de glicosídeo e mono-oxigenases líticas de polissacarídeo serão usados para produzir as proteínas recombinantes em células de Escherichia coli. As proteínas recombinantes serão purificadas e caracterizadas em relação a aspectos bioquímicos e estruturais. Além disso, o potencial dessas enzimas de C. violaceum como moléculas antifúngicas também será avaliado.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022