Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Silvânia Lucas dos Santos

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • caracterização das condições operacionais e do fitoplâncton em lagoas de polimento tratando efluente de reatores uasb em escala unifamiliar e piloto para as condições do nordeste brasileiro
  • O Projeto de Pesquisa ora apresentado visa à conjugação de esforços entre as Universidades Federais do Rio Grande do Norte (UFRN), a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), o Instituto Nacional do Semiárido (INSA), e o Instituto Federal do Rio Grande do Norte, objetivando caracterizar e analisar as condições operacionais e do fitoplâncton em lagoas de polimento tratando efluentes de reatores UASB em diferentes escalas para as condições do nordeste brasileiro. Para tal serão monitorados os desempenhos de lagoas de polimento (escala unifamiliar), já em implantação no município de Cubati, na região semiárida do estado da Paraíba, os sistemas de tratamento são compostos por UASB e lagoas de polimento operando em regime de bateladas sequenciais para fins de reúso. Sistemas unifamiliares compostos por reatores UASB e lagoas de polimento ainda são pouco utilizados, principalmente na zona rural. Paralelamente ao monitoramento destes sistemas será instalado na estação experimental do campus central da UFRN-Natal, um sistema semelhante, que tratará o esgoto doméstico do campus (residências universitárias e refeitório). Os sistemas terão como variáveis analisadas o monitoramento do efluente tratado nas distintas lagoas e a caracterização de condições operacionais e do fitoplâncton sobre a fotossíntese, processo principal que influencia toda a dinâmica da lagoa. Espera-se ao final da pesquisa informações contundentes sobre as algas e as cianobactérias que afetam a taxa de fotossíntese, a taxa de produção de oxigênio, e a determinação dos fatores climáticos que influenciam a taxa de produção de oxigênio nas lagoas, bem como sua influência sobre a remoção de material orgânico, sólidos, microrganismos patogênicos, nutrientes e a dinâmica da lagoa, e as características ambientais preponderantes para o perfeito desenvolvimento deste sistema nas diferentes condições e regiões em que os mesmos serão testados.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sílvia Altmann

Ciências Humanas

Filosofia
  • representação sensível e funções do entendimento em kant
  • A Dedução transcendental apresenta-se como uma justificação da validade objetiva dos conceitos puros do entendimento, ou categorias, parte essencial da investigação da possibilidade do conhecimento a priori (donde seu caráter “transcendental”). A fim de demonstrar a necessária aplicação das categorias a objetos, o argumento pretende estabelecer que “apenas mediante elas é a experiência possível” (A93/B126), o que, se provaria o uso legítimo de tais conceitos, fixaria, em contrapartida, os seus limites. O problema mesmo ao qual essa prova visa dar uma solução possui, incontroversamente, alguns pressupostos. Todavia, há maneiras de conceber tais pressupostos que se mostram em aparente tensão com a conclusão da Dedução (dada certa compreensão razoável dela). A inteligibilidade mesma da questão que a Dedução pretende responder – têm as categorias uso legítimo, ou validade objetiva? – depende da distinção fundamental entre sensibilidade e entendimento, “os dois troncos do conhecimento humano” (A29/B45). O primeiro capítulo da Analítica Transcendental teria mostrado que possuímos certos conceitos originados no entendimento puro, mais exatamente nas funções lógicas de unificação de conceitos em juízos – no pensamento –, consideradas como regras de unificação de múltiplos pelos quais objetos são dados na intuição. Tal seria, em poucas palavras, o resultado do que Kant chama de “dedução metafísica” (B159). Ora, toda intuição de que somos capazes, como seres finitos, é sensível. Assim, se sua origem no entendimento puro garante que estamos, de fato, de posse desses conceitos a priori de objetos – das categorias –, a irredutibilidade de nossa sensibilidade importaria na possibilidade de desacordo entre eles, de um lado, e o que nos aparece segundo as formas dela, de outro. Como escreve Kant no §13 da Crítica, logo antes de iniciar o argumento da Dedução Transcendental, trata-se de “uma dificuldade (...) que não encontrávamos no campo da sensibilidade, a saber, como as condições subjetivas do pensamento haveriam de ter validade objetiva, (...) pois fenômenos certamente podem ser dados na intuição sem as funções do entendimento” (A89-90/B122). Ou como ele acrescenta em seguida: “os fenômenos poderiam afinal ser de tal modo constituídos que o entendimento não os encontrasse em conformidade com as condições de sua unidade” (A90/B123), embora ainda assim “oferecessem objetos à nossa intuição, pois a intuição de maneira alguma requer as funções do pensamento” (A90-91/B123). Ora, se o ponto de partida da Dedução parece depender de que seja possível um desacordo entre o que é dado aos sentidos e as regras de unificação de representações que são as categorias, o ponto de chegada da Dedução parece ir de encontro a essa possibilidade. Com efeito, a conclusão do argumento corresponde à tese da necessária conformidade do sensivelmente dado a tais conceitos: “todas as percepções possíveis, por conseguinte tudo o que possa porventura chegar à consciência empírica, i. e., todos os fenômenos da natureza, no que concerne à sua ligação, encontram-se sob as categorias” (B164-5). O tratamento e a eventual resolução dessa tensão é essencial a qualquer compreensão sistemática da Dedução Transcendental – e, com isso, da relação entre representações sensíveis e funções do entendimento em Kant. Não deve surpreender que se trate, historicamente, de um polo de controvérsia na literatura. Nas duas últimas décadas, em particular, sua interpretação tem recebido renovada atenção no contexto do debate entre leitores “conceitualistas” e “não-conceitualistas” da teoria kantiana da intuição e da percepção (enquanto algo distinto da mera intuição, mas mais básico do que a experiência ou cognição empírica). De acordo com conceitualistas, a Dedução concebe a intuição ou percepção de objetos como pressupondo uma síntese do múltiplo da sensibilidade governada por conceitos a priori. Nessa medida, eles tendem a abordar as passagens do §13 citadas acima como envolvendo uma hipótese ou suposição que a Dedução Transcendental viria a demonstrar posteriormente como falsa (ainda que uma possibilidade lógica). Em contrapartida, não-conceitualistas interpretam aquelas passagens – ao lado de outras passagens da Crítica e do corpus kantiano – atribuindo a Kant a tese da independência da percepção ou da intuição com respeito a qualquer atualização de capacidades conceituais. Reputando às representações sensíveis uma unidade anterior a operações do entendimento, não-conceitualistas interpretam a síntese categorial de que se ocupa a Dedução Transcendental como relativa ao conhecimento de objetos mediante tais representações, por conseguinte como algo que opera sobre elas. Tanto conceitualistas quanto não-conceitualistas exploram passagens da Crítica e de outras obras do corpus kantiano cuja consideração é essencial a uma visão abrangente da filosofia teórica de Kant. O debate entre esses dois campos interpretativos favorece, ao menos em seus melhores momentos, uma compreensão enriquecida de noções fundamentais da epistemologia transcendental, como sensação, intuição, percepção, experiência, funções, síntese, conhecimento, objeto e consciência, colocando em relevo suas nuances e múltiplos vínculos. Todavia, uma compreensão adequada da relação entre representações sensíveis e funções do entendimento em Kant não pode dispensar, para além do confronto entre diferentes passagens, a reconstrução sistemática do argumento kantiano em um texto central como a Dedução B. Nossa pesquisa pretende dedicar-se a essa tarefa, tendo em vista a compreensão dessa relação e atendendo ao debate em tela, para o qual almeja dar uma contribuição.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Aparecida Zimmermann

Ciências Humanas

Ciência Política
  • arenas públicas – um estudo da reunião especializada sobre a agricultura familiar (reaf)
  • A democracia latino-americana tem experimentado inovações institucionais que buscam ampliar a participação popular nos espaços decisórios, como é o caso dos orçamentos participativos, os conselhos de políticas públicas e as conferências nacionais. Estes mecanismos democráticos promovem a aproximação entre o Estado, por meio de representantes do governo, e a sociedade civil, através dos representantes dos mais diferentes grupos sociais organizados, instituindo novas arenas públicas. Diferentes pesquisas buscam identificar estes espaços, caracterizá-los e interpretá-los, resultando em estudos sobre a efetividade da participação dessas experiências empíricas a partir da teoria da democracia deliberativa, com destaque para os quatro D’s da participação: Densidade, Diversidade, Durabilidade e potencial Deliberativo; e pesquisas sobre participação enquanto categoria social e histórica, de caráter multidimensional e polissêmico de sentidos práticos, teóricos e institucionais, ou mesmo de aprendizagem institucional e comunicativa. De modo geral, as arenas públicas criadas para a promoção da participação social são baseadas em regras que determinam representantes elegíveis e asseguram a participação da sociedade civil. Ao mesmo tempo, apresentam uma imbricada relação entre diferentes instâncias governamentais e distintas políticas e programas públicos, algumas vezes sobrepondo os próprios espaços públicos e as representações que participam destes espaços. O resultado é uma intrincada “engenharia da participação” que tem impacto sobre as políticas públicas. A Reunião Especializada sobre Agricultura Familiar (REAF), espaço oficial do Conselho Mercado Comum (CMC), é destinada ao fortalecimento das políticas voltadas à agricultura familiar da região, tendo surgido no ano de 2004, a partir da articulação entre os atores sociais da Agricultura Familiar dos países do Mercosul Ampliado, organizados na Confederação de Produtores Familiares do Mercosul Ampliado (COPROFAM) e os governos dos países membros do Mercosul. As seções regionais da REAF acontecem duas vezes por ano, e cada uma é sediada de forma rotativa entre os Países-membro do Mercosul, reunindo delegações da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Venezuela, além de países convidados Bolívia, Chile e Equador. Embora existam outras Reuniões Especializadas do MERCOSUL, a REAF se destaca por ter sido o primeiro espaço oficial no âmbito de um Bloco Regional a debater o tema agricultura familiar, em vista à inserir esta temática no processo de integração regional, promovendo a visibilidade do tema no cenário político institucional dos países que compõem o MERCOSUL. A intenção é extrapolar as proposições voltadas às negociações exclusivamente econômicas entre os países. A REAF, conforme indicam alguns autores, é um espaço especificamente interessante tendo em vista que é uma das instâncias mais abertas à participação da sociedade civil do Mercosul, que não somente acompanha os debates, mas é sujeito central na construção a agenda. Estes autores sinalizam para formas de uso da REAF pelas instituições, ao que denominam forma “bumerangue”, formato que permite as instituições influenciar atores e processos em escala doméstica; e a forma “trampolim”, que permite elevar temas e ideias do nível doméstico para o nível transnacional. Em 2015 a REAF completou onze anos, estando em sua vigésima quarta edição regional ordinária. O último evento ocorreu em novembro de 2015, em Assunção, Paraguai, envolvendo um significativo número de representantes de governo, sociedade civil e parlamentares da região. A crescente participação neste espaço evidencia a adesão regional ao projeto de fortalecimento político do tema da agricultura familiar, tornando a REAF palco de uma mobilização significativa de representantes governamentais, do executivo e legislativo, além de representantes da sociedade civil latino-americana. Um avanço importante conquistado pelos países do MERCOSUL foi a instituição da Resolução GMC 25/07, aprovada em 27 de setembro de 2007, que estipula as diretrizes comuns para o reconhecimento da Agricultura Familiar no âmbito do MERCOSUL. Destaca-se, também, que Argentina, Brasil e Uruguai já instituíram um marco jurídico próprio para a agricultura familiar, sendo que estes mesmos países também apresentam hoje órgãos específicos para tratar de ações e políticas públicas voltadas ao tema em seus países. A instauração da REAF vem contribuindo, ainda, com a preocupação de países membros do MERCOSUL em promover políticas locais para atender questões de gênero e juventude rural. Dado os fatos mencionados, a presente pesquisa tem o propósito de realizar uma análise da conformação da arena pública institucionalizada pela REAF e identificar a noção de público que permeia as percepções dos diferentes atores sociais que participam deste espaço, bem como as políticas para agricultura familiar desencadeadas por esta arena. Para tal, pretende-se observar com mais profundidade as organizações da sociedade civil que discutem agricultura familiar nos países membros (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela) e convidados (Bolívia, Chile e Equador), bem como a relação que estabelecem com os governos locais e entre os países mencionados.
  • Universidade Federal da Integração Latino-Americana - PR - Brasil
  • 01/06/2017-28/02/2021
Foto de perfil

Silvia Azucena Nebra de Pérez

Engenharias

Engenharia Mecânica
  • produção de biocombustíveis de primeira e segunda geração a partir de cana-de-açúcar - avaliação energética, exergética, ambiental e dos possíveis impactos do programa renovabio no setor de biocombustíveis
  • Na década de 70 a produção de etanol a partir da cana-de-açúcar no Brasil foi alavancada através de políticas públicas como o Pro-Álcool. Com isso, o país apresenta-se hoje como o segundo maior produtor de biocombustíveis no mundo sendo uma referência tecnológica e política para outros países nesse setor. Contudo, nos últimos anos o setor sucroalcooleiro no Brasil vem passando por um período de estagnação. Visando a maior participação dos biocombustíveis na matriz energética e a redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE), o Brasil, em 2017 lançou o programa RenovaBio na COP 23 que tem como objetivo aumentar a competividade econômica dos biocombustíveis em relação a seus concorrentes fosseis através do melhor desempenho ambiental. Introduzindo monetariamente os benefícios ambientais, a produção de biocombustíveis de segunda geração poderá ser favorecida por esta política. A produção de biocombustíveis de segunda geração a partir dos resíduos lignocelulósicos (bagaço e palha) e dos resíduos líquidos da usina (vinhaça) se apresenta como uma alternativa desejável uma vez que permitiria aumentar a produção de biocombustíveis sem a necessidade de aumentar área plantada de cana, diversificar a matriz energética brasileira e contribuir com a redução de emissões de gases de efeito estufa (GHG). Assim, o objetivo principal desta proposta é a modelagem e avaliação energética e ambiental dos processos de produção de biocombustíveis de primeira e segunda geração a partir da cana-de-açúcar e a verificação dos possíveis impactos do programa RenovaBio no setor de biocombustíveis. Dentre as rotas tecnológicas preliminarmente selecionadas podem-se citar: i) Hidrólise enzimática dos resíduos lignocelulósicos: bagaço e palha para produção de etanol; ii) Biodigestão anaeróbia da vinhaça e outros resíduos da indústria seguida do beneficiamento do biogás para produção de biometano e outros biocombustíveis e iii) Pirólise do bagaço e da palha de cana-de-açúcar para produção de biodiesel. A metodologia adotada para o desenvolvimento inclui o levantamento bibliográfico, modelagem e simulação dos processos através de balanços de massa e energia, integração térmica dos casos selecionados incluindo a determinação das metas de energia, avaliação exergética e de custo exergético e ambiental através da Avaliação do Ciclo de Vida. Além disso, serão realizadas análises laboratoriais de caracterização físico-química e termofísica de amostras de vinhaça (in natura e concentrada) e de água residuária obtida em sistemas industriais de concentração de vinhaça. Espera-se obter resultados experimentais primordiais para alavancar tecnologias de recuperação energética de vinhaça, bem como destinação final ambientalmente adequada de água residuária de sistemas evaporativos.
  • Universidade Federal do ABC - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sílvia Carla da Silva André Uehara

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • avaliação da atenção primária à saúde no enfrentamento da covid-19: comparação entre os municípios brasileiros
  • Esta pesquisa tem como objetivo geral avaliar e comparar a organização e assistência oferecida pelos serviços da Atenção Primária à Saúde (APS) no enfrentamento da Covid-19 no Brasil; e, como objetivo específicos: avaliar a organização e assistência da APS para o enfrentamento da Covid-19 no Brasil; avaliar os Protocolos e/ou Planos de ação estaduais para o enfrentamento da Covid-19; comparar a organização e a assistência oferecida pela APS às pessoas com suspeita e/ou diagnóstico de Covid-19 entre as capitais; comparar a organização e a assistência oferecida pela APS às pessoas com suspeita e/ou diagnóstico de Covid-19 entre os estados e regiões; comparar a organização e a assistência oferecida pela APS às pessoas com suspeita e/ou diagnóstico de Covid-19 entre os municípios, considerando a classificação do IBGE quanto ao porte populacional; e, comparar e avaliar a organização e a assistência oferecida pela APS às pessoas com suspeita e/ou diagnóstico de Covid-19 entre os municípios, considerando os diferentes serviços inseridos na APS. Trata-se de um estudo de corte transversal analítico a ser realizado na APS do Brasil. A população-alvo será composta por gestores e gerentes responsáveis pelos serviços de APS. Para o cálculo amostral dos gestores da APS será considerado o número de municípios (com exceção das capitais) que tenha confirmado pelo menos um caso de Covid-12 no período de 26 de fevereiro de 2020 a 30 de junho de 2020. Ressalta-se que cada município deve possuir um gestor responsável pela APS; e, para o cálculo amostral dos gerentes será considerado o número de serviços de APS registrados no Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde. Em relação a definição da amostra dos gestores da APS, será calculada com base na técnica de amostragem por estratificação que consiste na divisão da “população” de municípios em grupos que são chamados de estratos. Assim, os estratos serão os municípios, regiões e estados do Brasil, sendo sorteado aleatoriamente os municípios que irão responder a um questionário, caso esse município não responda, será sorteado um novo município dentro desse estrato. Com isso, neste estudo serão incluídos municípios com características semelhantes dentro dos estratos e diferentes entre os estratos, o que garante uma maior precisão nos estimadores. Ressalta-se que o mesmo cálculo amostral será utilizado para definir a amostra dos gerentes da APS; porém, a “população“ será composta pelos serviços da APS. Dessa forma, este estudo permitirá a realização de comparações dentro das regiões brasileiras e entre as regiões. Para participar da pesquisa foram definidos os seguintes critérios de inclusão: gestor da APS de um município por pelo menos 3 meses durante a pandemia de Covid-19, e, como critérios de exclusão: responsáveis que durante o período da pandemia estava de licença e/ou férias; e, após três tentativas de contato sem sucesso. Esses mesmos critérios serão utilizados para a inclusão e exclusão de gerentes dos serviços da APS. Os dados serão coletados por meio da avaliação dos protocolos e/ou planos estaduais de enfrentamento à Covid-19 na APS e questionários autorrespondidos pelos gestores e gerentes dos serviços da APS. Para a coleta de dados serão construídos dois questionários (um questionário para gestores e outro para gerentes) e um check-list com base no Protocolo de Manejo Clínico do Coronavírus (Covid-19) na Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde e serão avaliados por especialistas. Pretende-se adotar pesos diferentes para as respostas, a fim de garantir o cálculo dos escores por meio da média aritmética simples dos valores obtidos. Tais valores serão transformados em escala de 0 a 10, para facilitar a comparação dos resultados. O escore geral será calculado a partir da média aritmética de todos os atributos (identificação de caso suspeito de Síndrome Gripal e de Covid-19; medidas para evitar contágio nas unidades de saúde; estratificação da gravidade da Síndrome Gripal; manejo terapêutico e isolamento domiciliar de casos leves; diagnóstico precoce e encaminhamento a serviços de urgência/emergência ou hospitalares de casos graves; notificação imediata; monitoramento clínico; medidas de prevenção comunitária e apoio à vigilância ativa). Os questionários serão encaminhados pelo Google Forms e as respostas armazenadas em uma planilha Excel e a análise estatística será realizada no Software Livre R. Os dados serão apresentados em frequência relativa e absoluta, média e desvio padrão. A comparação dos escores será realizada com o teste de Análise de Variância (ANOVA) que irá medir a variação total dentro dos grupos e entre os grupos. Para todos os testes estatísticos, será utilizado o nível de significância de 5%. H0: Não há diferenças estatisticamente significantes entre as regiões quanto à organização e assistência da APS no enfrentamento da Covid-19; H0: Não há diferenças estatisticamente significantes entre os estados quanto à organização e assistência da APS no enfrentamento da Covid-19; H0: Não há diferenças estatisticamente significantes entre as capitais quanto à organização e assistência da APS no enfrentamento da Covid-19; H0: Não há diferenças estatisticamente significantes entre os municípios quanto à organização e assistência da APS no enfrentamento da Covid-19. Se H0 for rejeitada, os testes como Bonferroni ou T poderão ser utilizadas para identificar qual das regiões, estados, capitais e municípios apresentam melhor organização e assistência da APS. Ressalta-se que ainda serão realizadas análises considerando os indicadores socioeconômicos e sanitários dos municípios (agrupados de acordo com o porte populacional definido pelo IBGE), além de análises relacionando com os indicadores do PMaq. Seguindo os preceitos éticos, a pesquisa será apreciada pelo CEP/UFSCar.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 16/07/2020-15/09/2022
Foto de perfil

Silvia Carolina Guatimosim Fonseca

Ciências Biológicas

Fisiologia
  • plataforma baseada em crispr/cas9 e vírus adeno-associado como ferramenta para estudo da maturação e hipertrofia cardíaca
  • A ciência, sem a preocupação com o domínio da tecnologia, não interrompe o ciclo de drenagem do conhecimento que leva a inovação para os países desenvolvidos. Para isto é crucial concentrarmos esforços no desenvolvimento de novas ferramentas científicas e sua implementação no Brasil, principalmente no que se refere a tecnologias de ponta. Recentemente, a coordenadora deste projeto em colaboração com o grupo do Dr. William Pu (Diretor da Divisão de Pesquisa em Cardiologia do Boston Childrens Hospital/ Harvard Medical School) inovou ao desenvolver uma nova plataforma experimental, denominada CASAAV, com o objetivo de deletar proteínas in vivo, de forma tecido específica. A plataforma CASAAV baseia-se na associação da técnica de Crispr/Cas9 ao uso de vírus adenoassociado do tipo 9 (AAV9) para o nocauteamento tecido específico de proteínas cardíacas de interesse. Neste projeto pretendemos dar um salto qualitativo no esclarecimento dos mecanismos envolvidos na maturação do cardiomiócito, utilizando como estratégia experimental a plataforma CASAAV. A maturação do cardiomiócito é um evento chave no processo do desenvolvimento cardíaco, mas ainda pouco esclarecido. Nos últimos anos, grande atenção tem sido dada ao processo de maturação de células cardíacas, principalmente se considerarmos que esta etapa é fundamental para o desenvolvimento de cardiomiócitos maduros a partir de células progenitoras. O pouco conhecimento acerca desta etapa do desenvolvimento cardíaco tem limitado enormemente o desenvolvimento de novas terapias de regeneração cardíaca, a partir do uso de células tronco. E isto se dá, porque em geral, cardiomiócitos derivados de células tronco apresentam um fenótipo imaturo em vários aspectos. Desta forma, desvendar as etapas, mais especificamente os elementos sinalizadores que exercem papel chave no processo de maturação de cardiomiócitos é atualmente um dos principais focos da pesquisa voltada para a regeneração cardíaca. Resultados já obtidos pelo nosso grupo de pesquisa, demonstram que o receptor de rianodina (Ryr2) desempenha um papel, até então desconhecido, na maturação e desenvolvimento da célula cardíaca. Mais especificamente, a presença de Ryr2 é fundamental para a formação e manutenção dos túbulos-T. Túbulos T são invaginações do sarcolema, que ocorrem durante o processo de maturação do cardiomiócito e desempenham um papel estrutural importante no processo de contração cardíaca. Este projeto tem como objetivo aprofundar o conhecimento acerca do mecanismo pelo qual o Ryr2 atua na maturação do cardiomiócito, mais especificamente na manutenção dos túbulos T e durante o desenvolvimento da hipertrofia cardíaca. Para abordar esta questão de forma eficiente, iremos utilizar a plataforma CASAAV aliada a técnica de RNAseq e ao processamento de bioinformática, com o objetivo de responder a grande pergunta: qual a importância do Ryr2 para a maturação do cardiomiócito e durante o desenvolvimento hipertrófico cardíaco patológico?
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sílvia Cristina Alves França

Engenharias

Engenharia de Minas
  • desenvolvimento de processos de beneficiamento mineral com redução no consumo de água e produção de rejeitos pastosos para eliminação de barragens
  • A demanda crescente por bens de consumo pelas sociedades, somada à queda na qualidade das jazidas, com minérios de menor aproveitamento promove a geração de quantidades cada vez maiores de rejeitos, assim como a necessidade de expansão das estruturas de armazenamento/disposição dos mesmos. Ao mesmo tempo, cresce a frequência dos acidentes ocorridos com as barragens, o que desperta a atenção da comunidade técnico-científica e Governo para a questão da segurança dessas obras e sua operação. Estudiosos e especialistas em construção e monitoramento de barragens apontam para as necessidade de modificação no processo de produção dos rejeitos, destacando que: i) a redução do teor de umidade dos rejeitos para disposição com baixo grau de saturação é o processo mais promissor para redução de riscos e isso se dará pela utilização de operações de desaguamento (espessamento e filtragem), para produção de polpas com alta densidade antes de disposição nas barragens de rejeito; ii) a disposição de rejeitos em forma de pastas é uma vertente relativamente nova, que vem sendo defendida por muitos estudiosos e técnicos, devido à maior segurança operacional; porém, a produção de pastas minerais por espessamento requer, ainda, estudos mais aprofundados de reologia e modelos matemáticas que consigam prever o seu comportamento ante ao bombeamento e empilhamento nas barragens ou áreas de disposição; iii) as operações de desaguamento são importantes, ainda, na recuperação de água de processo e redução do consumo de água nova nas operações de beneficiamento, conferindo maior sustentabilidade à atividade de mineração; além do mais, iv) 47% dos acidentes ocorridos com barragens tiveram como causa principal a liquefação, que é a perda de resistência por deformação, acarretada, principalmente, pela presença de água na massa de rejeito. A produção de rejeitos pastosos e não saturados leva à possibilidade de empilhamento dos mesmos, adotando-se a forma seca de disposição, minimizando a necessidade de barragens de rejeitos convencionais. A vantagem desse tipo de disposição vai além da segurança, atingindo, especialmente, a maximização na recuperação da água contida nos rejeitos. Dessa forma, vislumbra-se nesse projeto uma oportunidade para o Brasil encetar ações de PD&I, de forma a fortalecer a prática do uso de operações de desaguamento nos rejeitos da mineração, para sua disposição de maneira mais segura e ambientalmente mais amigável.
  • Centro de Tecnologia Mineral - RJ - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Sílvia Cristina de Aguiar

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • própolis verde oriunda do alecrim do campo (baccharis dracunculifolia) como aditivo nutricional na ração de ovinos.
  • A própolis é um material resinoso coletado pelas abelhas operárias de brotos e secreções de árvores de inúmeras espécies com comprovada ações antimicrobiana e antioxidante. Na nutrição de ruminantes, alguns estudos mostram que a própolis atua de forma semelhante aos aditivos ionóforos, com a vantagem de ser um produto natural. Desta forma, busca-se estudar os efeitos da adição de diferentes doses de extrato seco de própolis verde à ração de ovinos, a fim de estimar o consumo, digestibilidade total, parâmetros ruminais, parâmetros fisiológicos e sanguíneos bem como avaliar o comportamento ingestivo dos animais. Serão utilizados quatro ovinos, machos, castrados, sem raça definida (SRD) com peso vivo médio de 26,0 kg, em delineamento experimental quadrado latino 4×4. A ração experimental será composta de 65% de volumoso (feno de capim Tamani) e 35% de concentrado. Os tratamentos experimentais diferirão com a inclusão ou não da própolis verde na ração dos animais constituindo-se, portanto, em quatro tratamentos: sem adição de própolis (Controle, CON), adição de 200 mg/dia de própolis (PRO2), adição de 400 mg/dia de própolis verde (PRO4) e adição de 600 mg/dia de própolis verde (PRO6). Os ovinos serão submetidos a um ensaio de digestibilidade, adotando-se o método de coleta total das fezes e urina. Para avaliação dos efeitos dos aditivos nos parâmetros ruminais, no último dia de coleta de cada período experimental será realizada a amostragem do líquido ruminal, com cinco coletas por animal, nos seguintes horários: 0 (antes da primeira alimentação), 3, 6, 9 e 12 horas (após a primeira alimentação da manhã). O comportamento ingestivo de cada ovino será determinado, visualmente, em intervalos de cinco minutos (amostragem scan), durante 24 horas, para determinação do tempo despendido em ócio, alimentação e ruminação. Para a avaliação dos parâmetros fisiológicos e variáveis climáticas, estas serão realizadas durante três dias de coleta e em dois horários no período matutino (07 h e as 11 h) e no período vespertino (13 h e 17 h). Para a avaliação dos parâmetros sanguíneos, serão coletadas amostras de sangue em cinco horários diferentes (0, 3, 6, 9 e 12 horas após a 1ª alimentação) para determinação do hemograma completo, glicose e ureia. As variáveis estudadas serão submetidas a análise de variância e regressão considerando 5% de probabilidade. Assim sendo, o uso de um aditivo nutricional natural na alimentação de ruminantes poderá ter um impacto positivo no desenvolvimento do agronegócio nacional, pela melhoria do status da saúde dos animais, como também na produção e qualidade e na inocuidade de seus produtos, atendendo as exigências dos consumidores e colaborar futuramente com uma participação mais efetiva no mercado internacional.
  • Universidade do Estado de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Cristina Dotta

Outra

Divulgação Científica
  • apropriação de gêneros e linguagens audiovisuais na produção de vídeos para educação científicavídeo para para a popularização da ciência antártica
  • Desde o início do século XXI, o tema popularização da ciência tem ganhado destaque nas agendas governamentais (Caldas, 2011), o que pode ser notado, por exemplo, pelo crescente número de conferências nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação. Apesar desses esforços, o conhecimento acerca da Antártica e como ela influencia e é influenciada pelo ambiente global ainda é ínfimo. A distância e isolamento geográficos podem ser motivos da falta de conhecimento e desinteresse do público pelo continente inóspito e gelado. A falsa impressão de que não há nenhuma relação entre a Antártica e países como o Brasil acentua esse efeito e, muitas vezes, o tema sequer perpassa pelo currículo escolar, e raramente é tema de matérias da grande imprensa. Além disso, há uma significativa carência de materiais midiáticos (textos, vídeos, sites etc.) com linguagem acessível ao público geral. “Traduzir” a linguagem acadêmica para uma linguagem mais acessível não é tarefa trivial. Muitas vezes o pesquisador se depara com limitações relacionadas ao rigor científico das informações que pretende divulgar, e, não raro, falta-lhe competência comunicacional para realizar essa “tradução” garantindo a precisão conceitual. O desafio se intensifica quando se pretende divulgar a ciência por meio de vídeos. A linguagem audiovisual para a produção de vídeos há muito está consolidada e os aspectos técnicos, estéticos e comunicacionais são amplamente difundidos. Entretanto, no campo da Educação e da popularização da ciência, docentes e pesquisadores ainda não se apropriaram dessas técnicas e, comumente, ao aventurar-se na criação de vídeos para disseminar seus conhecimentos, acabam por executar a gravação de aulas convencionais, ministradas por um professor ou especialista no assunto. (Aronchi de Souza, 2004). O vídeo de divulgação científica, se produzido de acordo com aspectos técnicos e estéticos já consolidados pela área da Comunicação Social, pode ser um importante material para a educação científica com grande poder de comunicação e sensibilização a respeito da Ciência. O objetivo deste projeto é investigar os gêneros, tipos e linguagens audiovisuais mais adequados para a produção de vídeos com fins de divulgação científica das pesquisas realizadas na Antártica. A pesquisa-ação será a abordagem metodológica adotada, pois ao final deste trabalho pretende-se aprimorar as práticas de produção de vídeos educativos, em especial para a popularização da ciência. Serão produzidos 24 vídeos em colaboração com pesquisadores antárticos, utilizando material audiovisual fornecido por esses pesquisadores e coletado pela equipe do projeto. Ao final espera-se consolidar indicadores de qualidade para a produção de vídeos de divulgação científica; criar processos colaborativos e ágeis para a produção de vídeos em equipes multidisciplinares; formar pesquisadores “multimidiáticos”, desenvolver as bases metodológicas para a produção de vídeos em contextos de educação formal e não-formal e definição as diretrizes para processos de formação de cientistas para o desenvolvimento de competências comunicativas.
  • Universidade Federal do ABC - SP - Brasil
  • 01/06/2017-28/02/2021
Foto de perfil

Silvia Eloiza Priore

Ciências da Saúde

Nutrição
  • fatores associados à deficiência de iodo na população rural
  • O iodo é um micronutriente essencial para o organismo humano, e é utilizado para a síntese de hormônios tireoidianos. Estes hormônios desempenham papéis importantes, pois atuam no crescimento físico e neurológico e na manutenção do fluxo normal de energia. Populações que vivem em áreas deficientes em iodo apresentam maior risco de desenvolver distúrbios causados pela deficiência desse mineral, e cujo impacto sobre os níveis de desenvolvimento humano, social e econômico são muito graves. A Pesquisa Nacional para Avaliação do Impacto da Iodação do Sal (PNAISAL) realizada com escolares com idade entre seis e 14 anos, detectou maior prevalência de deficiência de iodo em escolares do meio rural, cerca de 14,1% contra 8,1% de escolares da área urbana. Ademais, poucos estudos abordam a prevalência de deficiência de iodo na população acima dos 20 anos de idade. Neste sentido, este estudo tem o objetivo de analisar os fatores associados à deficiência de iodo na população adulta e idosa do meio rural. Trata-se de um estudo transversal a ser desenvolvido no meio rural da Zona da Mata Mineira, tem como público envolvido adultos e idosos. Será realizada uma descrição deste público com base nas características sociodemográficas, antropométricas, bioquímicas, de disponibilidade e consumo alimentar. As informações socioeconômicas e demográficas serão obtidas a partir da aplicação de questionário semiestruturado. A avaliação antropométrica constará da aferição das medidas de peso, altura e perímetro da cintura. O estado nutricional de adultos e idosos será avaliado por meio do índice de massa corporal, segundo World Health Organization (1998) e Lipschitz (1994), respectivamente. Será calculada a relação cintura estatura (RCE), com a finalidade de verificar presença de risco cardiometabólico, e valores de RCE ≥0,50 serão considerados como presença de risco cardiometabólico, independentemente de sexo e idade. Para avaliar a composição corporal será utilizada a densitometria óssea de dupla energia (Dual-Energy X-Ray Absortiometry, DEXA) para quantificar a massa gorda, óssea, muscular, corporal total e livre de gordura, percentual de gordura e tecido adiposo visceral. Será avaliada a quantidade calórica disponível no domicílio referente aos últimos trinta dias e para o cálculo dessa disponibilidade domiciliar será utilizada uma lista de alimentos comuns ao consumo alimentar da população analisada. Investigar-se-á o consumo alimentar deste público a partir da aplicação do recordatório de ingestão habitual com a finalidade de se determinar o hábito alimentar e verificar o consumo de alimentos processados e ultraprocessados. A partir dos dados de ingestão será calculado o teor de energia, carboidratos, proteínas, lipídios totais, ácidos graxos saturados, fibras, cálcio, ferro, zinco e iodo dos alimentos informados. A adequação dos nutrientes será avaliada segundo Dietary Reference Intakes (DRI), sendo sódio e fibra avaliados por Adequate Intake (AI), demais micronutrientes por Estimated Average Requiments (EAR) e proteína em grama/kg de peso. A distribuição de carboidratos e lipídios será avaliada pela Acceptable Macronutrients Distribuition Range (AMDR). A prevalência de deficiência de iodo será determinada a partir da excreção urinária do mineral que reflete a ingestão do iodo, e serão adotados os pontos de corte dos valores medianos de concentração urinária de iodo estabelecidos pela World Health Organization (2007). Também será analisado o teor de iodo no sal de consumo alimentar e em temperos industrializados e caseiros a partir da técnica recomendada pelo Ministério da Saúde, e as amostras que apresentarem níveis de iodo entre 15 e 45 mg/kg serão consideradas adequadas, de acordo com a recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A análise do conteúdo de iodo nos alimentos mais consumidos pela população será realizada por espectrofotometria utilizando-se o método proposto por Sveikina e modificado por Moxon e Dixon (1980). Nesta população do meio rural também será realizada uma caracterização referente à exposição ocupacional e uma avaliação bioquímica da exposição aos agrotóxicos. Sendo realizados exames bioquímicos para avaliação de alterações no plasma, na atividade de enzimas hepáticas e em marcadores inflamatórios para avaliação de possível contaminação por agrotóxicos sendo elas colinesterases totais (ChEs) e acetilcolinesterase (AChE), enzimas que encontram-se diminuídas quando expostas a agrotóxicos organofosforados; aspartato aminotransferase (AST), alanina aminotransferase (ALT), fosfatase alcalina (ALP) e gamaglutamiltranspeptidase (GGT); enzimas marcadoras de lesão hepática; creatinina e uréia para avaliar a função renal; albumina, como marcador inflamatório; proteína total, como marcador de lesão hepática e renal e hemograma completo, para identificação de anemia e infecções. O estudo será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Viçosa e a participação dos voluntários na pesquisa somente ocorrerá após a leitura e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os dados serão digitados em duplicata no Microsoft Excel®, e validados pelo programa Excel para conferência dos dados. A análise dos dados será realizada no programa estatístico Statistical Program for Social Science (SPSS) versão 20.0 e no STATA. Para verificar a normalidade dos dados será utilizado o teste de Kolmogorov-Smirnov. Será realizada análise descritiva dos dados, testes de associações e construídos modelos de regressão para verificar os fatores associados à deficiência de iodo. Será adotado nível de significância menor que 0,05.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Galvão de Souza Cervantes

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • techninas - ciências e tecnologia para meninas
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Estadual de Londrina - PR - Brasil
  • 12/08/2019-31/01/2022
Foto de perfil

Silvia Gonzalez Monteiro

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • nanovacina nasal contra trypanosoma evansi
  • Este projeto objetiva testar uma nanovacina nasal em Rattus norvegicus infectados com Trypanosoma evansi. As nanopartículas além de serem utilizadas em técnicas para o diagnóstico e tratamento de doenças, podem ser usadas como vacinas para a entrega de antígenos às células do sistema imunológico, aumentando assim a resposta imune aos patógenos, pois devido ao seu reduzido tamanho, aumentam a interação do antígeno com as células e os fluidos biológicos do hospedeiro e incrementam o período de entrega e liberação desses antígenos. Essas nanopartículas podem ser aplicadas por diferentes vias como a subcutânea e a intramuscular, porém, a forma nasal, além de ser de fácil manuseio, é interessante pois mimetiza a infecção já que a maioria dos patógenos que invadem o organismo de pessoas e animais utiliza a via mucosa e o Trypanosoma pode infectar os hospedeiros dessa maneira. Serão desenvolvidas nanopartículas de PGLA (Ácido lático-co-ácido glicólico) que é um polímero biocompatível e biodegradável carregadas com antígenos do T. evansi obtidos da forma tripomastigota. Um segundo componente, um adjuvante imunodulador chamado de CpG ODN considerado um potente estimulador de TH1 mediador da resposta imune das células T CD8+, será adicionado a vacina para a produção de uma resposta imune protetiva. Após a administração intranasal, acompanharemos por esfregaço sanguíneo diário a parasitemia e no final do experimento os animais serão eutanasiados para coleta de material a fim de verificar se a administração desses antígenos nas vias aéreas foi capaz de induzir resposta humoral com e sem o uso de adjuvantes imunomoduladores. Dessa forma iremos verificar se o uso da vacina nasal com antígeno de T. evansi protege o animal da infecção, se estimula a imunidade dos animais e se há a necessidade do adjuvante para a melhora da resposta imune. Além disso, serão realizados o acompanhamento da parasitemia diária, do período pré-patente, dos parâmetros bioquímicos e hematológicos, da resposta humoral e será realizado o PCR para verificar se houve ou não a eliminação do parasito nos roedores. Este projeto será importante para a continuidade de nossas pesquisas que vem sendo desenvolvidas desde 2005 com esse parasito.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Helena Paixao Alencar

Ciências Exatas e da Terra

Astronomia
  • formação de estrelas e planetas
  • Neste projeto serão estudados sistemas de estrela e disco jovens, com o intuito de descrever a formação estelar e planetária, assim como a dinâmica da interação disco-estrela, mediada pelo campo magnético estelar. Este projeto de pesquisa é composto de dois sub-projetos: o estudo de campos magnéticos e a análise de aglomerados jovens. No primeiro sub-projeto, utilizaremos os espectro-polarímetros ESPaDOnS e SPIRou para investigar a topologia do campo magnético em larga escala de um conjunto de 120 estrelas jovens em diversos estágios evolutivos, desde protoestrelas embebidas atá as fases finais de sua formação. Aproveitaremos os dados espectro-polarimétricos para buscar planetas gigantes próximos a suas estrelas, os chamados de Júpiteres quentes, com o intuito de entender os processos de formação e migração planetária. Tentaremos também medir o campo magnético de discos de acreção, que exercem papel fundamental na perda de momento angular do sistema e na evolução planetária. O segundo sub-projeto concentra-se na análise de aglomerados jovens, utilizando dados fotométricos de grande precisão e contínuos por meses, obtidos com os satélites Kepler-K2 e TESS. Esses conjuntos de dados são complementados com observações espectroscópicas e permitem estudar os vários fenômenos físicos que atuam em sistemas de estrela e disco em formação. A variabilidade fotométrica e espectroscópica destes sistemas está relacionada com manchas quentes e frias na superfície da estrela, acreção variável, a distribuição de material circunstelar, a dinâmica da interação disco-estrela e a presença de planetas em órbita. Iremos caracterizar estrelas jovens de massas baixa e intermediária e de várias idades, o que permitirá estudar a dependência dos diversos fenômenos físicos em função da massa da estrela, assim como a variação dos processos de acreção e perda de massa à medida que a estrela evolui.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Inês Dallavalle de Pádua

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • promoção do gerenciamento de processos de negócio (bpm) em organizações de saúde: uma proposta de modelo considerando capacidade dinâmica
  • A Visão Baseada em Recursos - VBR aborda as capacidades dinâmicas, que são capacidades pertencentes à organização que lhe possibilitam ajustar suas competências para lidar com as demandas ambientais. O sucesso das iniciativas de promoção de gerenciamento de processos de negócio ou Business Process Management - BPM é dependente das Capacidades Dinâmicas, fato ainda pouco abordado em estudos acadêmicos. As organizações ligadas a saúde, como as unidades de Pesquisa Clínica, tem buscado soluções de maneira individual uma vez que ambiente é muito dinâmico e complexo e requer uma equipe multidisciplinar: médico investigador, coordenadores do estudo clinico, participantes da pesquisa (pacientes), enfermeiras e farmacêuticos. As barreiras para conduzir protocolos de pesquisa clínica são universais: complexidade do protocolo, aumento da carga de recursos para coletar e gerenciar esses dados entre outras. O objetivo deste estudo é construir um modelo para a promoção do Gerenciamento de Processos de Negócio em Unidade de Pesquisa Clínica com foco na facilidade de adaptação dinâmica aos desafios operacionais e demandas erráticas. A pesquisa é teórico-empírica e qualitativa com a estratégia de pesquisa-ação. A pesquisa será realizada em quatro fases: (1) Fundamentação teórica; (2) Estrutura analítica do projeto (3) Pesquisa-ação; (4) Proposição do modelo. Com a conclusão da pesquisa, há a pretensão de propor um modelo para a promoção de BPM que contemple a capacidade de adaptação, os papéis e responsabilidades, a integração da gestão dos processos com a gestão de projetos, técnicas e fases de acordo com os principais pressupostos teóricos postulados pela literatura especializada. Espera-se como benefícios contribuir com a fronteira do conhecimento sobre a promoção de BPM em Pesquisa Clínica e Visão Baseada em Recursos RVB e Capacidades Dinâmicas.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Luzia Frateschi Trivelato

Ciências Humanas

Educação
  • elementos da cultura científica nas práticas escolares
  • Nos propormos a investigar e descrever elementos próprios da cultura científica presentes em práticas e atividades escolares. Inserimos nosso projeto na perspectiva da Alfabetização Científica, reconhecendo os três eixos estruturantes estabelecidos por Sasseron e Carvalho (2008), e damos destaque àquele que se relaciona à compreensão da natureza da ciência, focalizando atividades que ofereçam oportunidade aos alunos de compreenderem como a ciência se desenvolve e de se apropriarem da cultura científica. As propostas de ensino por investigação estão alinhadas com a Alfabetização Científica, na medida em que valorizam a natureza investigativa dos processos de produção de conhecimento científico, promovendo a discussão de ideias, a consideração de evidências e a elaboração de argumentos. Um aspecto bastante destacado no processo é o continuum evidência-explicação, que se baseia no desenvolvimento de critérios epistêmicos que determinam o que é válido na investigação. Neste projeto vamos acompanhar situações escolares em que se desenvolvem sequências de ensino por investigação, em salas de aula de escolas públicas e particulares. Nosso objetivo é descrever e analisar como os estudantes se apropriam de elementos da cultura científica, ou seja, como compartilham construtos conceituais, práticas epistêmicas e ferramentas culturais próprias da ciência em situações de interação, ao longo de sequências de ensino por investigação. Vamos acompanhar o desenvolvimento de sequências de ensino em sua íntegra, e tomar registros das situações de interação professor - alunos, alunos – alunos, das ações e anotações do professor, das produções dos aluno, etc. Os dados recolhidos serão sistematizados e organizados para constituir um acervo que servirá não apenas para esta pesquisa, mas também a outras que tenham interesse em estudar situações de sala de aula. No âmbito do presente projeto, um dos objetivos específicos é descrever as interações que ocorrem entre professor e alunos, buscando compreender o papel do professor na construção de significados e no engajamento dos estudantes em processos investigativos. Especialmente voltados para esse objetivo, utilizaremos o sistema analítico construído por Mortimer e Scott (2002 e 2003) e enfoques que a ele se somaram nas metodologia empregada por Ricci (2014) e Rezende (2015). Nos valemos também dos tipos de perguntas propostos por Machado e Sasseron (2012), e nos servimos dessas categorias como potencial indicador das intenções do professor nas etapas investigativas, permitindo relacionar com o engajamento dos estudantes. O segundo objetivo específico do projeto está relacionado à identificação de ferramentas culturais (textos, gestos, inscrições literárias) empregadas no desenvolvimento de conceitos e temas. Nos baseamos em Prain e Tytler (2013) que valorizam a construção de inscrições literárias pelos estudantes, por entender que essa é uma prática que utiliza ferramentas simbólicas e materiais na construção de significados, e por entender que tal prática promove uma aprendizagem epistêmica num determinado campo de conhecimento. Para a análise das diferentes linguagens e ferramentas culturais, teremos como recurso a estratégia metodológica desenvolvida por Rezende (2015), que adotou uma notação própria para viabilizar o registro simultâneo das intervenções orais, dos gestos e das representações visuais que compunham a construção de inscrição literária ao longo de uma aula de biologia. Em mais um objetivo específico, focalizamos a produção de argumentos, tanto do ponto de vista de descrever e analisar as situações e as condições em que tal produção ocorre ou é demandada, assim como nos interessa analisar o próprio argumento produzido. Para isso nos valemos do TAP (Padrão de Argumento de Toulmin) e desdobramentos de análise que esse padrão enseja. Nos interessa também analisar os argumentos como produto de articulações entre evidências e explicações. O último objetivo específico do projeto se refere a um mapeamento das ações da dimensão epistêmica. Para além de um quadro descritivo das situações que serão analisadas, nos interessa avaliar as articulações entre as práticas escolares e as práticas científicas nessa dimensão epistêmica, explorando ainda as particularidade do campo de conhecimento. O trabalho de Kelly (2008) nos dá a base para caracterizar as práticas epistêmicas; já o trabalho de Kelly e Licona (2018) fornece o apoio necessário para que dessas práticas se derivem descritores próprios para cada situação, ou ainda, campo disciplinar e, principalmente, destaca a mudança do sujeito epistêmico (de indivíduo para grupo social relevante). Temos usado esses e outros trabalhos para a constituição de categorias de análise em pesquisas já desenvolvidas, que servem de ponto de partida (SILVA ET AL, 2018, no prelo). O projeto produzirá quatro sínteses analíticas, submetidas na forma de artigos e divulgadas também em congressos da área.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Márcia Ferreira Meletti

Ciências Humanas

Educação
  • escolarização do aluno com deficiência: uma análise dos indicadores educacionais brasileiros.
  • A pesquisa tem por objetivo analisar o modo como o atendimento educacional para o aluno com deficiência está organizado na educação básica das diferentes regiões geográficas brasileiras em termos de acesso, permanência e da natureza dos serviços educacionais organizados e destinados a esta população. Especificamente busca: identificar e analisar as condições de acesso das pessoas com deficiência à educação cotejando os dados oficiais do poder público sobre incidência demográfica e matrículas na educação básica brasileira; caracterizar e analisar os eventos educacionais sobre as condições de permanência na educação básica das pessoas com deficiência; caracterizar e analisar as condições de acesso e permanência de pessoas com deficiência na educação básica brasileira segundo regiões demográficas e unidades federadas do país. Para tanto, tomamos como unidade de análise a incidência demográfica e os eventos educacionais sobre o acesso e as condições de permanência na educação básica dessa população, tendo como fonte as estatísticas públicas do Censo da Educação Básica de 2007 a 2019, coletadas e divulgadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP).
  • Universidade Estadual de Londrina - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Maria Meira Magalhães

Ciências da Saúde

Medicina
  • células supressoras derivadas da linhagem mielóide (mdsc’s) como reguladoras do processo inflamatório nos pacientes portadores de síndromes mielodisplásicas
  • As síndromes mielodisplásicas (SMDs) representam um grupo heterogêneo de doenças hematopoéticas que acometem indivíduos com idade superior a 60 anos, têm patogênese complexa que inclui desordem nas vias de sinalização, morte precoce das células progenitoras hematopoéticas (CPH) por apoptose (hematopoese ineficaz) e insuficiência medular. O diagnóstico é baseado nos achados de citopenias isoladas ou combinadas no sangue periférico, na identificação de alterações morfológicas em células hematopoéticas (displasias) e na presença de alterações citogenéticas. Muitos distúrbios envolvendo o sistema imunológico têm sido descritos na SMD por promover o desenvolvimento de inflamação e doença autoimune. Atualmente, uma população de células imunossupressoras de origem mielóide têm sido alvo de estudos em pacientes com câncer. As chamadas MDSC’s (células supressoras derivadas da linhagem mielóide) constituem um grupo de células mielóides progenitoras imaturas (iMC’s) com características heterogêneas na morfologia, em marcadores fenotípicos e na função celular, diferenciando-se em células mononucleares imaturas como as M-MDSC’s e a polimorfonucleares imaturas como PMN-MDSC’s. O papel das MDSC’s na proliferação do tumor, através da promoção da neovascularização e a invasão dessas células tumorais levando à metástase ainda não está totalmente descrito na literatura. A utilização da imunofenotipagem por citometria de fluxo permite a análise da expressão desses antígenos celulares, identificando quantitativa e qualitativamente expressões anormais relacionadas à linhagem e à maturação celular, evidenciando o aumento de células imaturas com imunofenótipos aberrantes. Diante do exposto, os objetivos desse estudo são avaliar a presença dessas células em pacientes portadores de SMD; comparar os resultados com um grupo de idosos sadios e diferenciar os subtipos de células MDSC’s de acordo com a classificação da SMD; avaliar os níveis séricos de interleucinas IL-1, IL-6, IL-10, IL-13; e mensurar o nível de fator de crescimento VEGF nesses pacientes.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Martins dos Santos

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • xxvi ciência viva
  • A Ciência Viva é uma feira do conhecimento, realizada anualmente desde 1995 na cidade de Uberlândia-MG, aberto a estudantes da educação básica (fundamental, médio, profissionalizante e da educação de jovens e adultos - EJA) das instituições de ensino do município e completará 26 anos em 2021. O objetivo da feira Ciência Viva é o de divulgação e popularização da Ciência, buscando promover a capacidade criativa e investigativa na construção do conhecimento, estimulando a realização de atividades de pesquisa nas escolas. Nesse sentido, acreditamos poder contribuir para formar estudantes comprometidos com o desenvolvimento e o bem-estar da sociedade, além de despertar vocações e de revelar capacidades. As atividades são planejadas de forma a envolver a participação de equipes das escolas do município de Uberlândia e região, que serão selecionadas por uma banca avaliadora para apresentar seus trabalhos no evento principal, que deverá contar com a participação de 80 trabalhos. Serão realizadas ações formativas, como minicursos e oficinas, voltadas a professores e estudantes da educação básica interessados em participar da feira, buscando ajuda-los a compreender a proposta da feira e as suas possibilidades de participação, bem como aprender com suas práticas, favorecendo as trocas de saberes e estreitar a relação entre os organizadores da feira e os professores e alunos da educação básica. Além disso, a equipe de pesquisadores e monitores que compõe a comissão organizadora da feira buscará apoiar as ações desenvolvidas pelos professores e alunos nas escolas, buscando continuamente colaborar com esses no desenvolvimento dos trabalhos. Dentre os trabalhos apresentados haverá a seleção de pelo menos um para apresentação em evento de âmbito nacional.
  • Universidade Federal de Uberlândia - MG - Brasil
  • 30/12/2020-31/12/2022
Foto de perfil

Silvia Midori Saito

Ciências Sociais Aplicadas

Planejamento Urbano e Regional
  • tecnologias educacionais inovadoras para abordagem interdisciplinar na redução de risco de desastres socioambientais
  • Vide projeto anexo
  • Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais - SP - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Silvia Morales de Queiroz Caleman

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • resiliência e sustentabilidade do modelo cooperativo: uma análise da emergência e ciclo de vida de cooperativas agropecuárias do estado de mato grosso do sul
  • Cooperativas são formas de ação coletiva em que as pessoas, de forma conjunta, buscam executar ações que seriam custosas ou inconcebíveis de se executar individualmente (STAATZ, 1984). De acordo com a OCB (2017), a cooperativa é uma organização mútua, gerida de forma democrática e participativa, com objetivos econômicos e sociais comuns cujos aspectos legais e doutrinários são distintos de outras sociedades. As cooperativas têm sua essência pautada nos princípios historicamente constituídos de Rochdale. Porém, ao longo dos anos, foi necessária adaptação por parte dessas organizações a fim de sobreviverem ao mercado cada vez mais competitivo. Essa adaptação fez com que muitas cooperativas buscassem um modelo alternativo, sem perder sua base tradicional, mas que pudesse torná-las mais competitivas. Esses novos modelos de cooperação são observados no Centro-Oeste do Brasil, especialmente no Mato Grosso, como atestado por Chaddad (2017), sendo denominadas de “cooperativas de nova geração”. A emergência de novos modelos de cooperativas em áreas de fronteira do agronegócio apresenta algumas particularidades. Ao contrário do sul do Brasil, região onde as cooperativas são de grande porte e formadas por pequenos produtores, no Centro-Oeste observa-se a criação de cooperativas de menor porte que são constituídas por grandes produtores. Essa dinâmica é também observada em Mato Grosso do Sul, cujo cenário de cooperativas agropecuárias apresentou mudanças nos últimos anos. Constata-se a entrada no Estado de cooperativas tradicionais da região Sul-Sudeste do país e a emergência de novos modelos de cooperativas nos moldes do que se observa no Mato Grosso. Como resultado, é natural esperar que cooperativas locais estejam sendo forçadas a rever suas estratégias, de modo a garantir sua participação no mercado. No entanto, algumas cooperativas não são bem-sucedidas e acabam por finalizar suas atividades, enfrentando a dissolução e liquidação da sociedade. Esses fenômenos fazem parte do ciclo de vida das cooperativas, o qual apresenta particularidades em comparação com o ciclo de vida das empresas mercantis, merecendo um olhar atento da academia (COOK, 1995; COOK; BURRESS, 2009). Frente a esta realidade, o tema “resiliência e sustentabilidade do modelo cooperativo” faz-se pertinente (ROELANTS et al., 2012; BIRCHALL; KETILSON, 2009). A capacidade de resiliência envolve questões relacionadas à inovação, porém quando se fala em inovação, a perspectiva de análise é comumente centrada nos aspectos tecnológicos. Esta pesquisa, por sua vez, investiga as inovações de ordem organizacional que as cooperativas empreendem em prol de sua resiliência e sustentabilidade. Em síntese, busca-se responder à questão sobre como a inovação organizacional contribui para a resiliência e sustentabilidade do modelo cooperativo. Para isso, objetiva-se identificar o papel da inovação organizacional para a resiliência e sustentabilidade do modelo cooperativo agropecuário. Especificamente, busca-se: i) identificar e caracterizar o ciclo de vida de cooperativas agropecuárias; ii) caracterizar os novos modelos de cooperativas agropecuárias no Estado de Mato Grosso do Sul sob a ótica da separação do direito de propriedade, de decisão e de controle e iii) realizar análise comparativa entre os novos modelos emergentes de cooperativas com cooperativas tradicionais. O ciclo de vida das cooperativas, a emergência de novos modelos cooperativos e as estruturas de governança adotadas (relacionadas à alocação dos direitos de propriedade, de decisão e de controle) são as principais dimensões teóricas e analíticas que norteiam este trabalho. Nesse contexto, a pesquisa inova ao fomentar o estudo das inovações organizacionais em sociedades cooperativas. Para tal, esta pesquisa enquadra-se como exploratória, sob uma abordagem qualitativa, desenvolvendo uma análise institucional comparativa. Quanto ao método de procedimento, a pesquisa será operacionalizada sob a forma de estudo multicaso, com foco na governança de seis cooperativas em Mato Grosso do Sul. Este projeto contará com a participação de docentes de instituições parceiras como FEARP (Observatório do Cooperativismo) e RSM/Erasmus University (Roterdã). Com isso, objetiva-se fortalecer parcerias interinstitucionais e internacionais, fomentando novos projetos de pesquisa científica, a formação de mestres e doutores e ampliar a participação do Estado na Rede Brasileira de Pesquisadores do Cooperativismo.
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - MS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022