Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adalberto Luiz Rosa

Ciências da Saúde

Odontologia
  • terapia celular: avaliação do potencial de injeções locais de células-tronco mesenquimais derivadas de medula óssea e de tecido adiposo na regeneração do tecido ósseo
  • O osso é um tecido com grande capacidade de regeneração, mas em algumas situações a extensão da injúria impede o reparo do tecido. Nesse cenário, a terapia celular utilizando células-tronco tem atraído a atenção de diversos grupos de pesquisa por ser uma alternativa promissora em relação aos tratamentos existentes. No entanto, diversos aspectos moleculares, celulares e teciduais, ainda não abordados na literatura, necessitam ser investigados para tornar essa terapia um tratamento efetivo para a regeneração de defeitos ósseos. Sendo assim, os objetivos desse estudo são: (1) comparar o potencial para regenerar o tecido ósseo de células-tronco mesenquimais (CTMs) derivadas de medula óssea (CTMs-MO) e de tecido adiposo (CTMs-TA) por meio de injeção de células diretamente em defeitos criados em calvárias de ratos e (2) comparar a eficácia para regenerar o tecido ósseo de uma única injeção e de injeções repetidas de CTMs-MO ou CTMs-TA. Para isso, CTMs-MO e CTMs-TA serão obtidas de ratos e expandidas in vitro em meio de crescimento (condição não indutora de diferenciação celular) para que mantenham as características de células-tronco. Para a regeneração do tecido ósseo, as células serão injetadas (injeção única x injeções repetidas) diretamente em defeitos criados em calvárias de ratos. Os defeitos serão produzidos duas semanas antes da primeira injeção para mimetizar defeitos ósseos sem capacidade de auto-regeneração. Inicialmente, o tempo de permanência de CTMs-MO e CTMs-TA nos defeitos ósseos será avaliado por luminescência utilizando a injeção de células transfectadas com luciferase. Dessa forma, será possível determinar o intervalo entre as injeções repetidas. A primeira injeção de células será realizada duas semanas após a criação dos defeitos ósseos e nos animais que receberão injeções repetidas, as injeções adicionais serão aplicadas no intervalo determinado no ensaio de luminescência. Defeitos ósseos tratados com uma única injeção ou injeções repetidas do veículo utilizado (solução salina tamponada com fosfato) sem células serão também avaliados. Seis semanas após a primeira injeção, os animais serão mortos e o tecido ósseo neoformado será avaliado por microtomografia computadorizada, análise histológica, PCR em tempo real e análise do módulo de elasticidade e da dureza. Os dados serão submetidos ao teste de aderência à curva normal para determinar o teste estatístico adequado. Os resultados desse estudo poderão estabelecer novos parâmetros com relação às características de células candidatas ao uso em terapia celular e à injeção de células para regenerar tecido ósseo, visto que, até o momento, não há na literatura estudos avaliando o efeito de injeções repetidas.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2020