Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sheyla Christine Santos Fernandes

Ciências Humanas

Psicologia
  • como explicar a expressão aberta do cyber-hate? um estudo sobre crenças dos agressores x vítimas
  • O presente projeto tem como finalidade responder a cinco questões centrais: (1) de que forma ocorre a emissão do cyber-hate entre as pessoas nas redes sociais (RSO)? (2) que crenças subjazem tais expressões de violência e ódio? (3) de que forma as vítimas de ofensas digitais experimentam o cyber-hate? (4) que crenças estão associadas às respostas das vítimas ao cyber-hate? (5) é possível se pensar em intervenções para o manejo de comportamentos apropriados nesses âmbitos? Para responder a essas questões, tomou-se como objetivo geral desta investigação analisar a expressão do cyber-hate no Facebook na perspectiva dos agressores e das vítimas à luz da Teoria da Ação Racional (TAR) e da Teoria da Ação Planejada (TAP). Serão consideradas quatro categorias específicas de cyber-hate, o político, o dirigido aos nordestinos, o dirigido às minorias sexuais (mulheres e LGBTs) e o étnico-racial. Dois estudos serão necessários para contemplar o objetivo proposto: inicialmente, será realizado um mapeamento dos diferentes tipos cyber-hate no Facebook, através dos comentários postados em grupos e páginas de livre acesso (Estudo 1). Na sequência, serão disponibilizados nos ambientes virtuais selecionados, questionários abertos acerca das crenças relativas ao cyber-hate (Estudo 2 – Etapa 1). Tomando como base os resultados obtidos, serão elaboradas duas escalas para coletar os dados da segunda etapa do Estudo 2, considerando a perspectiva do cyber-hate para os agressores e para as vítimas. Visando validar as escalas, serão realizadas análises dos itens por juízes e em grupos focais, tendo como objetivo a validação de conteúdo de cada escala. Posteriormente será realizado um estudo piloto da versão preliminar dos instrumentos e, em seguida, através de survey eletrônico, serão coletados os dados finais. Como resultados globais desta proposta, estima-se a obtenção de duas escalas validadas sobre crenças relativas à expressão do cyber-hate, para agressores e para vítimas, respectivamente, bem como, a apresentação de dois modelos explicativos da expressão do cyber-hate, um primeiro modelo sobre a intenção comportamental de expressar cyber-hate no Facebook, e um segundo modelo explicativo da intenção comportamental de resposta ao cyber-hate por parte das vítimas nessa RSO.
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Shirley Lima Campos

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • desfechos clínicos e da funcionalidade respiratória e musculoesqueletica de pacientes críticos com covid-19 submetidos a diferentes métodos de ajuste da peep sob monitoração da tomografia de impedância elétrica
  • Introdução: A Doença de Coronavírus 2019 (COVID-19), causada pela Síndrome Respiratória Aguda Grave-Corona Virus-2 (SARS-CoV-2) requer suporte ventilatório mecânico (VM). Nesse cenário vem sendo recomendado estratégias protetoras de ventilação precoce de modo a evitar lesões induzidas pelo ventilador mecânico, principalmente ocasionadas por pressões positivas expiratórias finais (Peep) inadequadas. Contudo o melhor método de ajuste da Peep para esses pacientes ainda não está bem estabelecido, já que sua evolução clínica e morfofuncional pode diferir da síndrome de desconforto respiratório agudo (SDRA) decorrentes de outras etiologias, bem como, variáveis da função respiratória e dos músculos periféricos, podem ser atingidos em função do longo tempo sob ventilação mecânica e imobilidade no leito. Objetivo: Comparar a evolução clínico-laboratorial e das funções respiratória e dos músculos periféricos em pacientes ventilados mecanicamente com COVID-19 submetidos ao ajuste da Peep pela Tabela Ardsnet (controle) em relação a pacientes com Peep titulada pela driving pressure (DP) e pela Tomografia de impedância elétrica (TIE). Método: Ensaio clínico, controlado, randomizado, duplo cego, no qual 90 pacientes após a intubação orotraqueal serão randomizados em 3 grupos para ajuste da PEEP: Controle (uso da tabela Ardsnet), Driving Pressure-DP (Peep ajustada para a menor DP), e TIE (Peep para colapso < 5%). Dados clínicos, laboratoriais, de oxigenação, ventilação, mecânica do sistema respiratório e regionais, além de desfechos da musculatura periférica (força e funcionalidade) serão monitorados desde a intubação à extubação na posição supina e prona. Os dados serão coletados e arquivados para análise, que considera diferença entre os grupos com p<0,05. Resultados esperados: A partir deste estudo espera-se identificar o método de ajuste da Peep relacionada com maiores efeitos benéficos e menor efeito deletério nos pacientes críticos sob VM, de modo, a definir a estratégia ventilatória mais adequada a estes pacientes.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 16/07/2020-15/09/2022