Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Solange Xavier dos Santos

Outra

Divulgação Científica
  • do mofo ao cogumelo, da micose à penicilina - a ciência micológica integrando os 200 anos de ciência, tecnologia e inovação no brasil
  • o conhecimento sobre fungos ainda é negligenciado na educação básica e entre a sociedade em geral, onde prevalece o receio, mitos e equívocos, muitas vezes como consequência de uma abordagem rasa e insatisfatória. Essa proposta objetiva promover a divulgação e a popularização da Ciência Micológica, numa perspectiva de educação científica e ambiental, explorando diferentes estratégias didáticas, em atividades presenciais e remotas. Programado para ocorrer durante a 19ª SNCT 2022, o evento visa beneficiar um público diversamente amplo, principalmente estudantes da educação básica de 20 escolas de 10 municípios do estado de Goiás desde os níveis infantil ao ensino médio, incluindo portadores de necessidades especiais, integrantes do lar de idosos e a comunidade em geral. São previstas visitas monitoradas das escolas à Universidade Estadual de Goiás e da equipe executora às escolas, incluindo 1) Exposição monitorada fixa e itinerante, sobre o Universo Micológico 2) Trilha interpretativa guiada em uma unidade de conservação do Cerrado 3) Dia de cientista, com práticas investigativas experimentais promovendo a familiarização com o universo dos fungos, com o método científico e o fazer ciência. 4) Produção de um minidocumentário, de um livro infanto-juvenil (em formato impresso, e-book e audiobook) para promover a divulgação científica dos resultados de um projeto de pesquisa acerca dos impactos do fogo sobre pseudofungos em uma área do Cerrado. 6) Produção de materiaisl lúdico-educativos diversos em mídias digitais 7) live para a interação de micólogos com o público 10) evento de divulgação e popularização da Ciência na comunidade quilombola Kalunga, para a comunidade, para o lançamento do livro mencionado acima que será na comunidade.
  • Universidade Estadual de Goiás - GO - Brasil
  • 13/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Sonia Aparecida de Andrade Chudzinski

Ciências Humanas

Psicologia
  • xvii olimpíada brasileira de biologia e viabilização da participação dos melhores alunos classificados nas olimpíadas internacionais de biologia
  • Vide projeto anexo
  • Instituto Butantan - SP - Brasil
  • 28/12/2020-31/05/2023
Foto de perfil

Sonia Barbosa dos Santos

Outra

Divulgação Científica
  • brasil, mais de 200 anos de ciência. ceads, 27 anos de ciência, tecnologia e inovação na costa verde
  • Esta solicitação visa obter recursos para a realização de atividades relativas à 19ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia/2022 na região da Ilha Grande e seu entorno (Costa Verde), atendendo aos nunicípios de Angra dos Reis, Paraty, Mangaratiba e Itaguaí. As atividades serão desenvolvidas pelo Centro de Estudos Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (CEADS), vinculado à Pró-Reitoria de Pós-graduação e Pesquisa (PR-2). As Unidades da UERJ na Ilha Grande, atuam de forma integrada e complementar, em uma perspectiva voltada à pesquisa, pós-graduação, cooperação internacional e inovação, mas também atendendo às atividades de graduação, extensão e cultura. Visando contemplar uma das missões do CEADS, ligadas à divulgação e popularização da ciência e, com isso, contribuir para o compartilhamento de saberes e fazeres e para a diminuição das desigualdades em relação ao acesso aos conhecimentos científicos produzidos pela academia, é que apresentamos a presente proposta, ressaltando que a mesma pode ser enquadrada em vários dos ODS da Agenda 2030, dentre eles o ODS 3 (Saúde e Bem Estar); ODS 4 (Educação de qualidade); ODS 10 (Redução das Desigualdades). O objetivo é atender as comunidades escolares da Vila do Abraão, Ilha Grande e da área continental do Município de Angra dos Reis e de três outros municípios da Costa Verde: Paraty, Itaguaí e Mangaratiba, além da população local e flutuante (turistas). Estão sendo propostos palestras, oficinas, uma Conferência de Jovens da Costa Verde, Rodas de Conversa e um Encontro dos Educadores da Rede de Educação Ambiental da Costa Verde. As atividades ocorrerão nas dependências do CEADS, na Praia de Dois Rios (Ilha Grande, Município de Angra dos Reis, RJ), na sede do PEIG – Parque Estadual da Ilha Grande (Vila do Abraão, Ilha Grande, Município de Angra dos Reis, RJ) e nos municípios de Paraty, Mangaratiba e Itaguaí em locais a serem determinados posteriormente e em conjunto com as Secretarias de Educação.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 12/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Sonia Barbosa dos Santos

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • ceads/uerj, ciência, tecnologia e inovações: a transversalidade de conhecimentos e a sustentabilidade da costa verde
  • A presente solicitação visa obter recursos para a realização de atividades relativas à 18ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia/2021 na região sul do Rio Janeiro, conhecida como Costa Verde, e na Ilha Grande, Município de Angra dos Reis, RJ, onde funciona o Centro de Estudos Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (CEADS), vinculado à Pró-Reitoria de Pós-graduação e Pesquisa (PR-2) e o Ecomuseu Ilha Grande (ECOMIG), vinculado à Pró-Reitoria de Extensão (PR-3). As Unidades da UERJ na Ilha Grande, atuam de forma integrada e complementar, em uma perspectiva voltada à pesquisa, à pós-graduação, à cooperação internacional e à inovação, mas também atendendo às atividades de graduação, extensão e cultura. Visando contemplar uma das missões do CEADS, ligadas à divulgação e popularização da ciência e, com isso, contribuir para a diminuição das desigualdades em relação ao acesso aos conhecimentos científicos produzidos pela academia, é que apresentamos a presente proposta. O objetivo é atender as comunidades escolares da Ilha Grande e da área continental do Município de Angra dos Reis e de três outros municípios da Costa Verde: Paraty, Itaguaí e Mangaratiba, além da população local e flutuante (turistas). Estão sendo propostos um encontro virtual de jovens, palestras, rodas de conversa, projeções de imagens em locais públicos, uma cartilha de divulgação e um encontro dos educadores da Rede de Educação Ambiental da Costa Verde. Devido a pandemia de COVID-19, as atividades ocorrerão primordialmente de forma virtual. A única atividade presencial será a projeção de imagens da Mata Atlântica que ocorrerá em alguns espaços públicos dos municípios da Costa Verde e será realizada de acordo com todas as regras sanitárias exigidas.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 11/10/2021-31/10/2023
Foto de perfil

Sônia Bessa da Costa Nicacio Silva

Ciências Humanas

Educação
  • compreensão de conceitos econômicos em professores de contextos sociais diversos: um estudo em localidades do estado de goiás.
  • Esse projeto de pesquisa, faz parte de uma série de estudos que vêm sendo levados a efeito no Laboratório interdisciplinar em Metodologias Ativas LIMA/UEG/CNPQ, cujo foco são pesquisas sobre educação econômica e financeira. O objetivo desta pesquisa é entender como docentes do ensino fundamental do Estado de Goiás compreendem o tema da educação econômica, especificamente as atitudes em relação ao endividamento, dinheiro, estilos de consumo e o nível de alfabetização econômica. Será constituída amostra aleatória de 250 professores, distribuídos em três grupos de três localidades geográficas com diferentes características populacionais: 100 professores de Goiânia; 100 de Formosa e 50 da região quilombola da Chapada dos Veadeiros. A pesquisa empírica será dividida em duas etapas. Na primeira serão utilizados os instrumentos estruturados: Escala de atitudes em relação ao dinheiro e ao endividamento; Teste de Alfabetização Econômica TAE; Questionário sobre estilos de consumo. Na segunda, um subgrupo de 20% da amostra original será escolhido aleatoriamente para entrevistas semiestruturadas destinadas ao aprofundamento da análise por meio de técnicas qualitativas de pesquisa que complementarão às estratégias metodológicas utilizadas. Portanto, a pesquisa será mista sequencial iniciando com uma etapa quantitativa que será seguida de uma etapa qualitativa: levantamento das atitudes dos professores quanto aos fenômenos econômicos e entrevista semiestruturada. A análise dos dados permitirá identificar correlações entre a alfabetização econômica e endividamento e entre atitudes em relação ao dinheiro e estilos de consumo. Estudos empíricos sobre educação econômica entre docentes são escassos na literatura científica brasileira e, esperamos contribuir para a abertura de perspectivas de estudo que contemplem os fenômenos econômicos em diferentes interfaces, na escola e na universidade. Os resultados desta pesquisa representam uma contribuição ao aprofundamento teórico deste tema.
  • Universidade Estadual de Goiás - GO - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Sonia de Oliveira Camara Rangel

Ciências Humanas

Educação
  • por uma cartografia das infâncias e sua judicialização no brasil de 1927 a 1990
  • Em diálogo com os campos da História da Educação, da História Social e da Sociologia, esta proposta de pesquisa objetiva analisar a produção das leis protetivas às infâncias no Brasil. Para isto, considera-se a promulgação do Código de Menores de 1927, do Código de Menores de 1979 e do Estatuto da Criança e do Adolescente de 1990, como marcos reguladores das relações sociais concernentes às infâncias e às famílias. Assim, tomamos estes documentos como pontos de inflexão a partir dos quais concepções, ideias e projetos foram debatidos, constituindo-se como referências para a produção de marcadores sociais envolvendo raça, gênero e classe e, por conseguinte, na definição de estratégias e aparatos tutelares voltados às infâncias pobres no Brasil. O ponto focal da análise busca compreender a relação entre as esferas pública e privada, em particular no que se refere a judicialização da infância e a ampliação do papel do Estado tutelar na regeneração/proteção/educação das crianças. A hipótese que mobiliza este estudo é que neste processo, setores da sociedade empenharam-se na montagem de um arcabouço jurídico-institucional direcionado a intervir sobre as infâncias empobrecidas e suas famílias. Nesse processo, ampliou-se a atuação do Estado como agência reguladora das relações sociais, aspecto que se considera plausível de ser observado nos momentos históricos demarcados neste estudo. Objetivando compreender os pontos de interseção, diálogos e embates entre as diferentes esferas de análise, utilizaremos como procedimento metodológico o mapeamento, cruzamento e problematização das fontes documentais como suportes de práticas sociais. Assim, busca-se aprofundar, em diálogo com a historiografia especializada, reflexões acerca dos debates jurídicos e das leis, bem como das instâncias responsáveis pela organização dos serviços e formulação das matrizes que conformaram as políticas de assistência e proteção às infâncias no país.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Sonia Maria Monteiro da Silva Burigato

Ciências Humanas

Educação
  • concepção de um modelo epistemológico de referência (mer) para o conceito de limites como uma ferramenta que permite federar nas pesquisas em didática sobre os cálculos e análise
  • O ensino de cálculo e análise e, especificamente, de limites tem sido uma preocupação central dos pesquisadores da didática da matemática há várias décadas. Essa centralidade não é acidental. Por um lado, os limites constituem a pedra angular do cálculo e da análise e, por outro lado, as recorrentes e resistentes dificuldades de compreensão e apropriação deste conceito são atestadas por investigadores de todo o mundo. Apesar de décadas de pesquisas sobre o tema, nenhum pesquisador ainda encontrou uma situação de ensino que aborde todas essas dificuldades. Ao mesmo tempo, esse conjunto de pesquisas levou a uma espécie de paradoxo. Os pesquisadores não conseguiram mitigar as lacunas desse problema, mas multiplicaram as visões e abordagens relativas ao estudo do ensino dos limites, levando-o a uma forma de fragmentação do conhecimento científico na matéria. Essa fragmentação ocorre porque os referenciais teóricos dessas pesquisas podem ser difíceis de articular, o que levanta a questão do significado dos resultados das pesquisas obtidas e como vinculá-las. Um dos objetivos desta pesquisa é, portanto, desenvolver um modelo epistemológico de referência (MER) que possibilite ordenar as pesquisas sobre limites, destacando os pontos cegos e implícitos que determinada pesquisa pode conter. Este MER é uma oportunidade de dar continuidade ao trabalho de reordenação realizado com as pesquisas sobre limites e também de utilizá-lo como uma grade de leitura para expor a ecologia dos sistemas de ensino que se encarregam dos limites, do ensino médio à universidade, investigando a coerência epistemológica das práticas vinculadas a limites nessas instituições. Diante desses estudos preliminares, pretendemos elaborar um projeto de ensino sobre limites que será analisado pela metodologia da engenharia didática. Os resultados dessa investigação caracterizam-se pela elaboração do MER, bem como as análises e o projeto de ensino associado.
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - MS - Brasil
  • 31/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Sonia Maria Vanzella Castellar

Ciências Humanas

Geografia
  • pensamento espacial e cartografia escolar: investigações sobre epistemologia, raciocínio geográfico e metodologias de ensino
  • Este projeto tem como objetivo analisar e contribuir para a elaboração de uma base epistemológica e interdisciplinar dos estudos sobre cartografia, pensamento espacial e educação geográfica. Partimos do pressuposto que é necessário um estudo profundo sobre a compreensão conceitual e as bases teóricas e metodológicas para o ensino de Geografia no que diz respeito aos campos teóricos que envolvem o desenvolvimento do Raciocínio Geográfico. Neste sentido, reforçarmos a necessidade de avançarmos nas discussões epistemológicas nos campos da Educação Geográfica e da Cartografia. Assim, teremos elementos para pesquisar e desenvolver estratégias de ensino e aprendizagem na formação superior, para potencializar o raciocínio geográfico a partir do pensamento espacial , da cartografia escolar e do uso de informações geográficas em sala de aula. Para desenvolver e atingir os objetivos, trabalhamos com a seguinte hipótese: a consolidação da epistemologia da cartografia escolar e da educação geográfica, no sentido de estabelecer uma articulação entre o pensamento espacial e o raciocínio geográfico, representa uma contribuição teórica fundamental para a superação dos obstáculos relacionados ao ensino e aprendizagem. Trata-se de uma investigação em rede, com base na metodologia de pesquisa qualitativa interpretativa e estudo comparado entre cursos de universidades brasileiras e de outros países. Essa pesquisa possibilitará uma melhor compreensão dos processos cognitivos presentes nas práticas epistêmicas realizadas pelos professores e pode gerar resultados significativos, os quais podem ser potencializados com a criação de um Centro Latino-Americano de Investigação e Estudos de Cartografia Escolar, Pensamento Espacial e Educação Geográfica. Este centro poderá concentrar, ampliar e difundir as práticas, os materiais elaborados com base em metodologias ativas, suas aplicações e avaliações e também publicações e um banco de materiais didáticos.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Sonia Regina Nozabielli

Ciências Sociais Aplicadas

Serviço Social
  • desenvolvimentos e desigualdades: entre as palafitas e o complexo portuário de santos
  • A pesquisa aborda desenvolvimentos e desigualdades na relação com segmentos da classe trabalhadora. A produção e reprodução da vida material e social no Brasil se sustenta em heranças colonialistas e escravistas, sob uma dependência econômica que delimita os avanços de desenvolvimentos brasileiros, impulsionados pelo Estado sob diferentes governos, para a garantia da acumulação capitalista. Essa lógica é marcada por deslocamentos que resultam em consequências para segmentos da classe trabalhadora, principalmente na última década, abrangendo os tempos do COVID-19. Constitui objeto da pesquisa o porto e as palafitas como componentes de uma unidade de análise das desigualdades e desenvolvimentos, que justificam e influenciam as respostas de trabalho e da proteção social para segmentos da classe trabalhadora, na particularidade do complexo portuário de Santos. Nesse contexto, o problema da pesquisa pode ser delimitado: se o complexo portuário de Santos é estratégico para o capital e importante na rede econômica global, que impactos têm os desenvolvimentos sobre a organização da vida de segmentos da classe trabalhadora? Tendo como pressuposto que, nessa organização, tanto o trabalho como a proteção social dependem de condições estruturais e de correlação de forças políticas, afirma-se a hipótese dessa pesquisa: as respostas às demandas de proteção social e trabalho, que deveriam traduzir expectativas éticas e políticas da realização da vida humana, estão submetidas às exigências de recomposição da acumulação do capital, sob as tramas das desigualdades com fortes marcas da colonização e escravidão. É uma pesquisa qualitativa com a utilização de uma combinação de técnicas, a observação participante, diário de campo, o recurso da cartografia e da imagem, as entrevistas, e a recorrência a fontes diversas com os seguintes procedimentos, pesquisa bibliográfica, histórica e documental e pesquisa de campo.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Soraia Sales Dornelles

Ciências Humanas

História
  • vilas indígenas na amazônia pombalina em perspectiva conectada (1757-1798)
  • Na segunda metade do século XVIII, Portugal promoveu um grande esforço para a reorganização administrativa do Império, com objetivos que passavam pela garantia da soberania dos territórios no ultramar e sua efetiva exploração econômica. Com a assinatura do Tratado de Madrid (1750), a demarcação de fronteiras tornou-se prioridade, fato que colocou a região Norte da América no centro das ações reformadoras portuguesas. Central nessa mudança foi a publicação do Diretório dos Índios (1757), política indigenista concebida a partir das experiências amazônicas e estendida para o estado do Brasil em 1758. O Diretório pombalino (1757-1798) transformou antigos aldeamentos missionários em vilas e lugares de Índios. Este projeto visa investigar como as populações indígenas se inseriram no universo colonial setecentista a partir da formação das Vilas de Índios da Amazônia (Pará e Maranhão) que previam a incorporação das populações originárias através do trabalho assalariado, de sua participação na governança e comércio das vilas e por meio de uma reforma cultural baseada no cristianismo. Assim, propomos trazer à tona a discussão sobre a formação desses espaços coloniais destacando o papel ativo dos povos indígenas na constituição dessa sociedade, anteriormente, negados ou subestimados na historiografia. Procuraremos demonstrar como o trabalho indígena e o comércio contribuíram para inseri-los na sociedade colonial, mas também o papel que desempenharam nos processos de acumulação interna da colônia e sua conexão com o Estado do Brasil, particularmente as capitanias do Espírito Santo, Pernambuco e Rio Grande de São Pedro e com o Atlântico Equatorial. Também está no escopo do projeto compreender a inserção dessas populações na sociedade colonial lusa por meio da vida cristã e da intenção assimilacionista da política. Através do referencial teórico-metodológico da história social e da história indígena analisaremos documentação a primária e secundária.
  • Universidade Federal do Maranhão - MA - Brasil
  • 18/03/2022-31/03/2025