Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Silvio Sanches Veiga

Ciências Biológicas

Morfologia
  • obtenção de antígenos loxoscélicos recombinantes para soroterapia de segunda geração e vacina anti-loxoscélica.
  • O Loxoscelismo é o quadro clínico desencadeado após a picada das aranhas do gênero Loxosceles. No estado do Paraná é visto a maior incidência de Loxoscelismo do Brasil e uma das maiores do mundo, com cerca de 43 mil casos entre 2007 e 2015. As espécies mais comumente envolvidas nesses acidentes, no Brazil, são Loxosceles intermedia, Loxosceles gaucho e Loxosceles laeta. O Loxoscelismo é caracterizado principalmente por uma lesão dermonecrótica no local da picada acompanhada de espalhamento gravitacional e intensa resposta inflamatória. Manifestações sistêmicas podem em menor frequência estar presentes e são representadas por distúrbios renais e hematológicos que podem levar a óbito. O único tratamento específico é a utilização de soro anti-veneno, que possui a capacidade de reduzir alguns efeitos do envenenamento. Esse soro é produzido com a utilização dos venenos brutos das aranhas L. intermedia, L. laeta e L. gaucho, em cavalos, porém o soro apenas minimiza o envenenamento se admistrado nas primeiras 12 horas, após esse período a eficácia diminui bastante especialmente para a dermonecrose. O principal objetivo desse projeto é desenvolver antígenos recombinantes para a produção de soro de segunda geração, mais potente, mais eficaz e que possa neutralizar os efeitos tóxicos do veneno, mesmo após várias horas da picada. Para isso, propõe-se o enriquecimento dos venenos das aranhas-marrons mais encontradas no Paraná, com toxinas dermonecróticas recombinantes com mutações pontuais e biologicamente inativas, mas ativas como estimulantes antigênicos. O estudo do veneno bruto por análises do transcriptoma da glândula produtora do veneno confirmou a presença 20% de transcritos para fosfolipases-D (toxinas dermonecróticas). Essas toxinas são as responsáveis pela maioria dos efeitos biológicos observados no Loxoscelismo, o que as tornam indispensáveis para o entendimento e planejamento de alternativas para diagnosticar e tratar o Loxoscelismo. Até o momento, algumas isoformas de fosfolipases-D presentes no veneno foram identificadas e biologicamente caracterizadas. Os efeitos deflagrados por essas toxinas dependem da atividade enzimática, em que os resíduos de aminoácidos que compõem o sítio catalítico e/ou ligantes de substratos são conservados. Em vista disso, o uso dessas toxinas recombinantes como ferramentas adjuvantes poderia auxiliar na produção de um soro mais eficaz, mais específico e com maior título de anticorpos neutralizantes, uma vez que apresentaria um maior poder de neutralização das toxinas dermonecróticas. O uso de mutantes recombinantes biologicamente inativos das fosfolipases-D na imunização seria menos danoso aos animais utilizados na produção do soro e promoveria um maior título de anticorpos neutralizantes no soro. Esta estratégia também poderia ser utilizada na geração de antígenos protetores que poderiam ser utilizados na produção de vacina anti-loxoscélica para indivíduos sujeitos a exposição ao envenenamento.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022