Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vanda Jorgetti

Ciências da Saúde

Medicina
  • o uso de desferroxamina no tratamento da sobrecarga de ferro em doentes em diálise: impacto na remodelação óssea, função miocárdica e armazenamento no fígado.
  • Introdução: A doença renal crônica (DRC) cursa com várias comorbidades, entre elas a anemia. A perda de função renal leva a uma queda na produção de eritropoietina (EPO) além de deficiência de ferro (Fe). A suplementação de Fe nos pacientes em diálise, é indicada para manter níveis de ferritina superiores a 100 mg/dl e uma saturação de transferrina maior que 20%. Entretanto, a reposição excessiva desse elemento, pode gerar Fe livre não ligado a transferrina que se deposita em diferentes orgãos como coração, fígado e tecido ósseo. O diagnóstico da sobrecarga de Fe, sua significância clínica e implicações terapêuticas, são pouco estudados nos pacientes com DRC especialmente naqueles tratados por hemodiálise. Este estudo tem como objetivos, estudar pacientes em hemodiálise com suspeita clinica e laboratorial de sobrecarga de ferro, além de avaliar o impacto do tratamento com Desferroxamina (DFO) no fígado, coração e ossos desses pacientes dialíticos. Métodos: Estudo clínico, prospectivo, longitudinal, não controlado, composto por 30 pacientes. Serão incluídos no estudo pacientes com pelo menos 3 meses de hemodiálise, maiores de 18 anos, com níveis de ferritina sérica igual ou maior que 1000 mg/l, e, excluídos pacientes com doenças hepáticas, neoplasias, HIV, uso prévio de DFO e transplante renal anterior. Os pacientes serão avaliados no início do estudo, a seguir receberão tratamento com DFO 5mg/kg/semana por 12 meses e reavaliados: biópsia óssea transilíaca, Ressonância Nuclear Magnética (RNM) de coração e fígado, Densitometria óssea (DXA), Ecocardiograma e Radiografia simples de ossos longos, bacia e abdome lateral. Os exames laboratoriais: Cálcio (Ca), fósforo (P), fosfatase alcalina (FA), paratormônio (PTH), hepcidina (HPN), Fe, ferritina e índice de saturação de transferrina (IST) serão avaliados a cada três meses.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanda Lúcia Ferreira

Ciências Biológicas

Ecologia
  • anfíbios e répteis: predadores e presas
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - MS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Vander Valduga

Ciências Sociais Aplicadas

Turismo
  • as contribuições das indicações geográficas para o desenvolvimento do enoturismo no brasil
  • O desenvolvimento das indicações geográficas no Brasil está associado ao desenvolvimento da vitivinicultura e a consolidação do enoturismo em algumas regiões do país. As indicações geográficas tornam-se marcas regionais assumindo um protagonismo produtivo regional. Diante desse pressuposto, o presente projeto tem como objetivo investigar as contribuições das indicações geográficas ao desenvolvimento do enoturismo do Brasil. O universo da pesquisa considerará as regiões brasileiras com indicação geográfica para vinhos e estará ancorada em dados primários a partir da pesquisa de campo e dados secundários oriundos de centros de pesquisa, associações de turismo e estruturas de governança, sejam públicas, privadas ou mistas. Espera-se poder oferecer uma matriz analítica das relações entre indicações geográficas e turismo a fim de contribuir socialmente com o desenvolvimento de ambas para outras esferas produtivas. Propõe-se igualmente uma análise crítica da valorização territorial oferecida pelos processos de transformação territorial oportunizado pelas indicações geográficas e o enoturismo.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanderlan da Silva Bolzani

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • instituto nacional de ciência e tecnologia em biodiversidade e produtos naturais – inctbionat
  • O projeto delineado está centrado nos pilares de sustentação da Ciência, Tecnologia e Inovação, que norteiam as sociedades do conhecimento: (a) Pesquisa básica e aplicada de excelência; (b) Formação de recursos humanos em biodiversidade e produtos naturais; (c) Colaboração com o setor empresarial para desenvolvimento tecnológico a partir das inovações em produtos naturais; (d) Difusão do conhecimento sobre a biodiversidade e produtos naturais bioativos para o ensino médio e outros segmentos da sociedade; (e) Contribuição nas ações de políticas públicas de conservação e uso sustentável da biodiversidade. Dentro destes fundamentos, o Instituto Nacional de Ciência & Tecnologia (INCTBioNat) foi criado para mapear e catalogar de forma organizada todas as informações sobre os metabólitos secundários detectados e/ou isolados de organismos de nossa rica biodiversidade, fundamental para o avanço de pesquisa em química de produtos naturais do Brasil. O conhecimento e uso sustentável da biodiversidade brasileira foi preconizado no documento “Política Nacional da Biodiversidade”, editado pela Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF), Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2002 e tem prioridade para o desenvolvimento nacional. A criação de uma rede nacional de pesquisa para mapeamento químico e biológico das espécies terrestres, marinhas e de microrganismos da nossa biodiversidade constitui-se numa estratégia racional para a seleção de substâncias ativas mais promissoras para posterior estudos farmacológicos e toxicológicos visando moléculas protótipos. Para atingir tais metas, o ICNTBioNat reúne pesquisadores de excelência e pesquisadores jovens e talentosos que iniciam suas carreiras em universidades federais e estaduais de vários estados da federação, englobando todas as regiões do Brasil. Toda equipe atuará de forma colaborativa e multidisciplinar objetivando o fortalecimento de uma área de pesquisa e inovação estratégica para o Brasil, através de uma rede de laboratórios de excelência em produtos naturais para exploração e uso sustentável da rica biodiversidade brasileira.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 28/11/2016-30/11/2022
Foto de perfil

Vanderlei Both

Ciências Agrárias

Agronomia
  • estratégias para manter a qualidade da noz-pecã por longo tempo após a colheita
  • Nos últimos anos se observa uma ampliação da área de cultivo da nogueira (Carya illinoinensis) na região sul do país. Isso se deve às condições climáticas favoráveis e à procura pelo consumo de noz-pecã, uma vez que sua amêndoa apresenta alto teor de lipídios (especialmente ácidos graxos insaturados), vitaminas e antioxidantes, que são benéficos à saúde das pessoas que as consomem. A colheita da noz-pecã se concentra nos meses de abril e maio, mas o consumidor deseja ter disponível o produto durante o ano todo. Assim, muitas vezes existe a oferta de nozes de baixa qualidade, com sabor rançoso, em datas mais distantes da colheita. Isso se deve à oxidação do elevado teor de ácidos graxos insaturados presente nas nozes, quando armazenado em condições inadequadas ou por longo tempo. Esse processo é acelerado quando as nozes são descascadas, o que muitas vezes acontece em função da logística para o descasque das empresas, que podem permanecer com algum estoque durante um determinado período do ano. O presente projeto propõe a execução de três experimentos para avaliar a melhor condição de temperatura e níveis de gases (O2 e/ou CO2) no ambiente de armazenagem, a interação entre ambos, além de estratégias de revestimento das nozes, a fim de buscar uma forma eficiente de manter a qualidade das nozes após a colheita por um longo período, com o mínimo de rancificação. Nos experimentos serão avaliadas nozes com casca e descascadas e diferentes tempos de armazenamento, a fim de avaliar por quanto tempo é possível manter as nozes em uma determinada condição, servindo de suporte para agricultores ou empresas poderem adotar diferentes estratégias, de acordo com os recursos financeiros disponíveis. Em diferentes momentos durante o armazenamento serão tomadas amostras para avaliar a atividade respiratória, a alteração da coloração da amêndoa, o índice de acidez e peróxidos, compostos voláteis, com o objetivo de detectar indicativos do início da rancificação. Será realizada uma análise sensorial para detectar sabor rançoso ou desagradável, ao final do armazenamento. Com o desenvolvimento do projeto, pretende-se trazer alternativas que beneficiem os produtores de nozes e empresas que armazenam e processam o produto e o consumidor final que terá disponível nozes de qualidade, com menos rancificação, mesmo por vários meses após a colheita.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanderlei Salvador Bagnato

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • inct de óptica básica e aplicada às ciências da vida
  • Esta é uma proposta para implementação de um Instituto Nacional com o objetivo claro de continuar realizando ciência fundamental mas, principalmente, criar uma rede Nacional com grande poder de traduzir e transformar ciência e capacidade científica em produtos e processos de alto valor tecnológico na área da óptica. O foco principal está na área da saúde e agricultura. Usando o conhecimento básico que geramos com diversos projetos em desenvolvimento, ou já desenvolvidos, e nossa experiência de inovação, queremos dar-lhes relevância, criando soluções envolvendo óptica e espectroscopia para diversos problemas enfrentados por áreas estratégicas. Serão atacados problemas em quatro frentes: APLICAÇÕES EM DIAGNÓSTICO PARA SAÚDE HUMANA, APLICAÇÕES EM BIOESTIMULÇÃO, APLICAÇÕES EM TRATAMENTOS PARA A SAÚDE HUMANA e APLICAÇÕES AGRO-AMBIENTAIS. As plataformas serão criadas com apoio da ciências básicas e com um ambiente de cooperação com o setor produtivo. Está em nossas metas a criação de diversas plataformas de novas e revolucionárias tecnologias, empregando óptica como elemento principal. Para atingir tais objetivos, estamos propondo uma elaborada rede de competências, inclusive com parcerias entre Institutos, e forte colaboração internacional. Parcerias com empresas deverão completar o orçamento para este propósito, além de assegurar o sucesso de transformar tais desenvolvimentos em benefícios para nossa sociedade. Cada tema é composto de vários sub-projetos, todos inter-conectados num programa que deve promover um excelente ambiente científico de alto estímulo e produtividade. Dar relevância social às ciências deve ser um grande estímulo para envolvermos mais jovens neste campo de atuação. O projeto conjuga várias instituições brasileiras, congrega diferentes especialidades e é ousado no sentido de realmente vislumbrar ciência relevante e responsabilidade para impulsionar tecnologia. A proposta conta com a presença de 58 pesquisadores, 18 instituições, mais de 15 colaborações internacionais , 13 empresas associadas e um elevado número de estudantes e Pós-Doutores. Há uma boa contrapartida vinda dos projetos de indústrias, do projeto CEPID-CEPOF em andamento (que dará enorme apoio principalmente às ciências básicas e fundamentais sendo realizadas), e da própria instituição hospedeira. Nosso projeto representa a continuidade de um programa de sucesso com diversos financiamentos e que encontra nesta proposta a oportunidade de criar uma forte rede de tradução de conhecimento em tecnologia. Fato importante é que para poder trabalhar nestas soluções é necessário ter conhecimento básico em óptica e espectroscopia e uma vasta experiência de interdisciplinaridade e atuação junto aos setores mencionados. Isto nossa equipe tem. Ao longo de mais de uma década de apoio CEPID/FAPESP e INCT-CNPq, montamos um excepcional parque de laboratórios e rede de pesquisa, gerando recursos humanos e conhecimento básico em óptica. Um dos importantes ingredientes é que geramos tradição de pesquisa de ponta com caráter interdisciplinar e uma excelente infra-estrutura neste sentido. Este conhecimento e experiência gerados pode, através desta proposta, realizar as aplicações necessárias para preencher necessidades para grande desempenho da saúde e da agricultura. De um modo geral, esta proposta complementa os nossos projetos existentes e cria uma oportunidade única de desenvolvermos um projeto com o propósito claro de traduzir conhecimento básico em novas tecnologias nestas áreas consideradas estratégicas. Para deixar claro como pretendemos atuar, alguns exemplos de tradução de nosso conhecimento em novas tecnologias são: Nossos trabalhos em terapia fotodinâmica de cunho básico e aplicado geraram conhecimento para que possamos agora desenvolver um grande avanço tecnológico, propondo um sistema que realiza clareamento de cataratas por técnicas oxidativas sem a necessidade de cirurgia; Os trabalhos de foto-estimulação geraram a possibilidade de proporcionar um avanço revolucionário na produção de fermentados como cerveja e leveduras; As investigações básicas para diagnóstico de câncer permitiram que pudéssemos propor tecnologia de rastreabilidade e exame na indústria de alimentos, bem como detecção de pragas na lavoura. Nossos experimentos com átomos frios nos tornaram habilitados para o desenvolvimento de técnicas que permitem avaliar teor de açúcar, sensibilidade neurológica, screening de câncer de mama, Doppler meter, dentre outros; Nossa excelente infra estrutura de nanoplasmônica permite entrar agora na nano-fabricação de materiais inteligentes, para a proposta de nova tecnologia em stents inter-coronários pulsantes que auxiliam o bombeamento de sangue, além de impedir o colapso dos vasos sanguíneos; Sensores de alto desempenho são frutos da combinação de conhecimento de estudos em física atômica e metrologia de tempo e freqüência. Nesta proposta estamos envolvendo diversas instituições que, combinadas aos conhecimentos gerados, poderão modernizar seu portfólio de pesquisa e relevância tecnológica.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 26/11/2016-30/11/2022
Foto de perfil

Vanderlei Salvador Bagnato

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • laboratório de apoio à inovação e ao empreendedorismo em tecnologias fotônicas
  • O “Laboratório de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo em Tecnologias Fotônicas” da Universidade de São Paulo – USP interage fortemente com outras instituições de pesquisa e inovação no Brasil e no exterior, através de diversos projetos de colaboração. Essa interação busca o desenvolvimento de tecnologias de ponta na área de óptica e fotônica formando recursos humanos de alta qualificação e estimulando o empreendedorismo.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/07/2021-31/07/2024
Foto de perfil

Vanderlei Salvador Bagnato

Ciências Humanas

História
  • reproduzindo as invenções que mudaram o mundo: despertando jovens talentos por meio experimentação em feiras de ciências, clubes de ciências, desafios em escolas e programas de tv/internet
  • Nossa proposta: As invenções que mudaram a história da humanidade são aquelas que causaram grande impacto nos meios sociais, culturais e econômicos. Foram inúmeras as invenções relevantes, mas será que hoje, com todo o nosso conhecimento em ciência e tecnologia, conseguimos reproduzi-las? Conseguimos construir um rádio? Conseguimos produzir energia a partir de uma roda d’água? Conseguimos construir um computador? Realmente aprendemos ciência e tecnologia ou somos meros usuários de tudo o que já foi inventado? O objetivo dessa Feira de Ciência e Tecnologia será reproduzir as grandes invenções. Os estudantes deverão compreender o princípio das grandes invenções para que possam ser futuros inventores. A capacidade inventiva, criadora, é uma excelente ferramenta para a inclusão de jovens no meio científico e tecnológico. De modo contundente, esse tema irá de encontro a nossa meta de fortalecimento do ensino básico nas escolas públicas. Consideramos que o primeiro passo no caminho para a difusão equitativa do conhecimento é o fortalecimento da educação básica, a qual deve permitir o acesso universal a conhecimentos relevantes, sem que haja moderação do pensamento lógico e da criatividade individual. De acordo com o Pacto Nacional para fortalecimento do Ensino Médio, “precisamos estimular os estudantes a refletir, estabelecer relações entre os conhecimentos, a perceber que a ciência está em qualquer lugar, em qualquer fenômeno, seja ele natural ou social. Para isso, precisamos deixar para trás algumas convicções que foram postas em nossa formação escolar e acadêmica, pois os tempos são outros, a demanda é outra, o mundo mudou. Precisamos transformar nossa prática se quisermos atuar como protagonistas no sentido de contribuir para uma mudança em termos de qualidade da educação dos nossos jovens”. A fim de auxiliar às escolas na implementação de ações inovadoras de ensino, o CEPOF/USP, em parceria com a Diretoria de Ensino da região de São Carlos e a Prefeitura Municipal de São Carlos, vêm implementando ações que incluem: minicursos nas escolas, Feiras de Ciências, Clubes de Ciências, Planetário Itinerante, produção de Programas científicos para TV e internet e capacitação de professores. Durante a realização deste projeto, pretendemos desenvolver as seguintes atividades: (1) Realização da Feira de Ciência e Tecnologia da USP 2020, com o tema "As Invenções que Mudaram o Mundo". O evento terá um enfoque inventivo e tecnológico. As escolas participantes receberão capacitação e desenvolverão experimentos que contemplem soluções para melhoria dos problemas sociais e tecnológicos da sociedade; (2) Criação e acompanhamento de Clubes de Ciências, os quais serão formados por estudantes e um professor orientador. Os Clubes apresentarão os seus experimentos na Feira de Ciências e receberão premiação, na forma de medalhas e troféus. Atualmente contamos com mais de 80 Clubes de Ciências criados por nós em escolas públicas; (3) Visitações às Escolas: capacitação dos professores e dos estudantes dos Clubes de Ciências em experimentos inventivos. Estudantes de pós-graduação e professores do Instituto de Física e da Escola de Engenharia da USP de São Carlos irão até as escolas públicas a fim de auxiliar os membros dos Clubes a montarem seus experimentos. (4) Exibição do Planetário do CEPOF, com o tema “O Nascimento do Sistema Solar”; (5) Homenagem aos Professores da Rede Pública de Ensino; (6) Produção de programas de TV e de vídeos para a internet. Haverá entrevista com professores, pesquisadores, estudantes e sociedade em geral, com o tema com o tema “Ciência para Redução da Desigualdade”; (7) Realização do Desafio da Ciência, a ser ministrado por estudantes classificados na Feira de Ciências, a fim lançar desafios em suas próprias escolas e propagar o conhecimento aprendido aos colegas. (8) A execução da exposição Semóptica- Semana da Óptica, que será realizada em espaço compartilhado com a Feira de Ciências. A Semóptica é uma Exposição Científica Itinerante, realizada tradicionalmente pelo CEPOF há 20 anos. A exposição traz experimentos e equipamentos desenvolvidos pela USP, UFSCar e Embrapa. Além disso, traz inovações de ensino, principalmente de Física, desenvolvidos pela área de Ensino do Instituto de Física de São Carlos (IFSC-USP). (9) Acessibilidade: Exposição as Mostra Itinerante “Luz ao Alcance das Mãos”: ensino de Óptica para portadores de deficiência visual. (10) Desafios em robótica: no evento haverá tendas montadas com experimentos de robótica. Haverá parceria com a Diretoria de Ensino-Região de São Carlos, a qual abrange 7 municípios e, também, com a Prefeitura Municipal de São Carlos. O evento será realizado em piso térreo, com acessibilidade por rampas. A exemplo do que ocorre em todos os anos, a participação de jovens do século feminino deverá ser igual ou superior a 50%. Quem somos: O Núcleo de Difusão Científica do CEPOF (Centro de Óptica e Fotônica), sediado no Instituto de Física da USP, desenvolve várias atividades na área de Difusão de Ciências. O Professor Vanderlei Bagnato, proponente deste projeto, tem atuado intensamente na área de difusão científica desde 2001. Fruto deste trabalho recebeu em 2004 o prêmio José Reis de Difusão Científica e em 2014 recebeu o Prêmio Baldacci de Publicação Científica. Em 2018 recebeu o prêmio “Clubes de Ciências – Prêmio de Ciência e Tecnologia”. Dentre seus trabalhos de Difusão de Ciências mais relevantes destacam-se: (1) As Feiras de Ciências de níveis Nacional e Estadual realizadas no Estado de São Paulo e na Amazônia. (2) A confecção de kits educativos, distribuídos a escolas públicas de todo o país. (3) Atividades com o planetário itinerante (4) A exposição "Luz ao Alcance das Mãos - para Pessoas com Deficiência Visual". (5) Workshops científicos, (6) o museu itinerante “A Usp vai a sua escola”. (7) o Gerenciamento de um Canal de TV- científico 24 horas no ar; (8) a capacitação de professores de escolas públicas.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 31/01/2021-31/01/2022
Foto de perfil

Vanderley Moacyr John

Engenharias

Engenharia Civil
  • tecnologias ecoeficientes avançadas em produtos cimenticios
  • A presente proposta visa a constituição de uma rede de pesquisa (Advanced Eco-Efficient Cement-Based Technologies - AECem) dentro do Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), tendo como objetivo principal desenvolver e disseminar conhecimento e tecnologias que contribuam para aumentar a ecoeficiência de produtos cimentícios. O principal foco será a redução na emissão de gases do efeito estufa, energia e consumo e água e reduzir a necessidade de recursos naturais, por meio de análise do ciclo de vida. Dada a expectativa de crescimento futuro concentrada em nações em desenvolvimento, estratégias economicamente viáveis para o desenvolvimento sustentável considerando a limitações de renda são essenciais. A rede INCT será constituída por grupos de pesquisa com reconhecida excelência nos temas associados à proposta, sendo que a coordenação do projeto fica a cargo do Prof. Dr. Vanderley M. John da Escola Politécnica da USP, liderança nacional e internacional na discussão de sustentabilidade de materiais de construção, sobretudo cimentícios, além de grupos emergentes com grande potencial de crescimento na área. Os seguintes grupos de pesquisa constituem a rede: - Laboratório de Microestrutura e Eco-Eficiência de Materiais (LME)/Poli/USP - Laboratório de Otimização de Sistemas Multifísicos (MSOL)/Poli/USP - Grupo de Pesquisa em Construção e Bem-Estar (C&A)) - Núcleo de Pesquisa em Materiais para Biossistemas (NAP BioSMat)/FZEA-Pirassununga/ USP - Grupo de Físico-Química de Materiais (GFQM)/UNESP - Laboratório de Aplicações de Nanotecnologia para Materiais de Construção (NANOTEC-Lab)/UFSC - Grupo de Pesquisa em Materiais de Construção e Resíduos (GMAT)/ IFPB - Instituto Federal de Santa Catarina/IFSC - Laboratório de Estruturas e Materiais de Construção da Universidade Federal de Alagoas/UFAL - Grupo de Pesquisa em Materiais de Engenharia/UFAM A sinergia e complementaridade dos grupos de pesquisa na rede foi critério para sua montagem, sendo possível propor uma agenda de pesquisa avançada em torno das metas do projeto, convertidas nos seguintes objetivos específicos: 1.Desenvolver soluções para aumentar a eficiência no uso de ligantes, permitindo o crescimento da demanda de materiais cimentícios, sem aumentar o impacto ambiental. 2.Desenvolver nanopartículas funcionais bem como novas rotas para incorporação destas em materiais cimentícios, melhorando a sua funcionalidade, capacidade e o desempenho em uso. 3.Desenvolver ferramentas para otimizar pozolanas produzidas pela calcinação de diferentes argilas, contribuindo na redução da pegada de CO2 e energia dos ligantes. 4.Desenvolver metodologia para caracterização e seleção de agregados e fíleres, relevantes para a aplicação em produtos de baixa intensidade de ligante e baixo teor de água. 5.Desenvolver ferramentas de otimização topológica e design de materiais a gradação funcional aplicadas a componentes cimentícios, e também, métodos e ferramentas para impressora 3D. 6.Avaliar a durabilidade, a retração e fluência de materiais cimentícios de baixa intensidade de ligante e desenvolver soluções para aumento da vida útil. 7.Desenvolver ferramentas simples, baseadas em avaliação do ciclo de vida, para avaliar a ecoeficiência de materiais cimentícios. 8.Formar recursos humanos qualificados para avanço do conhecimento (pesquisa) e implantação do conhecimento na sociedade. 9.Desenvolver um programa de difusão dos conhecimentos gerados para empresas, ONGs e setor público. 10.Integrar as atividades de pesquisa do INCT no cenário internacional, possibilitando a ampliação da rede de pesquisa incluindo a participação de associações cientificas internacionais como RILEM e CIB. 11.Transferir as soluções desenvolvidas para empresas e setor público maximizando os benefícios econômicos e ambientais deste projeto. A coordenação da rede será estruturada em quatro áreas, envolvendo desenvolvimento de recursos humanos, difusão e comunicação científica, transferência tecnológica e gestão financeira. Diversos mecanismos serão implementados para aprimorar a colaboração entre os grupos, inclusive a montagem de uma estrutura de videoconferência dedicada ao projeto. O projeto tem metas ambiciosas relativas a formação de pesquisadores, treinamento de alunos em graduação, aperfeiçoamento de profissionais de empresas e para desenvolvimento de ferramentas de difusão em massa dos resultados das pesquisas, inclusive através de home-page própria e do uso de mídias sociais na internet como Facebook, twitter, entre outras. Os grupos de pesquisa desenvolverão seus trabalhos em torno de princípios definidos: - Eco-eficiência como um conceito direcionador - Foco na cadeia produtiva - Abordagem multidisciplinar com sinergia entre os grupos - Pesquisa em nível internacional - Colaboração com a indústria - Colaboração com agências governamentais e com a sociedade civil Este projeto INCT tem um grande potencial para inovações tecnológicas, visto que ele acompanha soluções eco-eficientes para enormes ganhos econômicos e impacto direto na sociedade. Alguns possíveis temas de inovação: - Estratégia de negócios para a mitigação das emissões de CO2; - Moderna tecnologia para reduzir a demanda de água em produtos à base de cimento; - Cimentos inovadores de baixo índice de ligantes; - Materiais suplementares inovadores de cimento e agregados; - Software, baseado em metodologia, para formulação de concreto e argamassa; - Formulações otimizadas de concreto e argamassa; - Processamento avançado de materiais de cimento; - Métodos de controle de qualidade com base científica para a produção de cimento; - Materiais leves com propriedades mecânicas e durabilidade melhoradas; - Concretos de alto desempenho com baixo conteúdo de ligante; - Materiais de elevada durabilidade com baixo conteúdo de ligante; - Projeto baseado em otimização topológica; - Produção digital de materiais à base de cimento; - Metodologia avançada da análise do ciclo de vida.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 23/11/2016-30/11/2022
Foto de perfil

Vanderson Geraldo Rocha

Ciências da Saúde

Medicina
  • estabelecimento de uma plataforma de produção de células imunes reprogramadas geneticamente para o combate a linfomas e leucemias de células b cd19 positivas;
  • A mais bem sucedida aplicação da tecnologia de Chimeric Antigen Receptors ou CARs se deu com o uso das células T (células CAR-T), hoje testadas contra diversos tipos de tumores hematológicos. Tal sucesso despertou o interesse de pesquisadores em reproduzir esse tipo de reprogramação, não apenas diversificando os tipos celulares como também a fonte de obtenção dessas células. No atual contexto da baixa utilização do sangue de cordão criopreservado (SCU) no tratamento de malignidades hematológicas no Brasil e da alta dispendiosidade na manutenção dos bancos de cordão pelo ministério da saúde, esse produto se torna uma fonte factível de células imunes para engendramento de produtos celulares terapêuticos tais como células CAR-T, CAR-NK ou CAR-Mono. Neste projeto, almejamos estabelecer uma plataforma múltipla de produção de células imunes reprogramadas com CARs anti-CD19, partindo de células de sangue periférico e SCU criopreservado, com intenção de aplicá-las contra células B tumorais CD19-positivas. Partiremos de três frentes: 1) Produção de células CAR-T através do equipamento CliniMACS® Prodigy, um sistema fechado, o qual permite a transdução e expansão de linfócitos T, disponibilizando um produto point-of-care em duas semanas; 2) Reprogramação de células NK de sangue de cordão, através da nucleoporação de vetores PiggyBac e posterior expansão com citocinas e/ou células K562-C9-IL21; 3) Diferenciação de monócitos CD14+ em células dendríticas e macrófagos (de fenótipo inflamatório e anti-inflamatório) e posterior transfecção com CARs anti-CD19. Após o estabelecimento de cada fluxo de produção, os produtos passarão por caracterizações imunofenotípicas e validações pré-clínicas através de testes in vitro e in vivo. Utilizaremos de ensaios de pureza, potência e expressão de CARs através de modelos celulares e citometria de fluxo, bem como de modelos animais utilizando camundongos NSG-gamma para a medição do efeito anti tumoral in vivo.
  • Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP - SP - Brasil
  • 08/12/2020-31/12/2023