Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sílvia Cristina de Aguiar

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • própolis verde oriunda do alecrim do campo (baccharis dracunculifolia) como aditivo nutricional na ração de ovinos.
  • A própolis é um material resinoso coletado pelas abelhas operárias de brotos e secreções de árvores de inúmeras espécies com comprovada ações antimicrobiana e antioxidante. Na nutrição de ruminantes, alguns estudos mostram que a própolis atua de forma semelhante aos aditivos ionóforos, com a vantagem de ser um produto natural. Desta forma, busca-se estudar os efeitos da adição de diferentes doses de extrato seco de própolis verde à ração de ovinos, a fim de estimar o consumo, digestibilidade total, parâmetros ruminais, parâmetros fisiológicos e sanguíneos bem como avaliar o comportamento ingestivo dos animais. Serão utilizados quatro ovinos, machos, castrados, sem raça definida (SRD) com peso vivo médio de 26,0 kg, em delineamento experimental quadrado latino 4×4. A ração experimental será composta de 65% de volumoso (feno de capim Tamani) e 35% de concentrado. Os tratamentos experimentais diferirão com a inclusão ou não da própolis verde na ração dos animais constituindo-se, portanto, em quatro tratamentos: sem adição de própolis (Controle, CON), adição de 200 mg/dia de própolis (PRO2), adição de 400 mg/dia de própolis verde (PRO4) e adição de 600 mg/dia de própolis verde (PRO6). Os ovinos serão submetidos a um ensaio de digestibilidade, adotando-se o método de coleta total das fezes e urina. Para avaliação dos efeitos dos aditivos nos parâmetros ruminais, no último dia de coleta de cada período experimental será realizada a amostragem do líquido ruminal, com cinco coletas por animal, nos seguintes horários: 0 (antes da primeira alimentação), 3, 6, 9 e 12 horas (após a primeira alimentação da manhã). O comportamento ingestivo de cada ovino será determinado, visualmente, em intervalos de cinco minutos (amostragem scan), durante 24 horas, para determinação do tempo despendido em ócio, alimentação e ruminação. Para a avaliação dos parâmetros fisiológicos e variáveis climáticas, estas serão realizadas durante três dias de coleta e em dois horários no período matutino (07 h e as 11 h) e no período vespertino (13 h e 17 h). Para a avaliação dos parâmetros sanguíneos, serão coletadas amostras de sangue em cinco horários diferentes (0, 3, 6, 9 e 12 horas após a 1ª alimentação) para determinação do hemograma completo, glicose e ureia. As variáveis estudadas serão submetidas a análise de variância e regressão considerando 5% de probabilidade. Assim sendo, o uso de um aditivo nutricional natural na alimentação de ruminantes poderá ter um impacto positivo no desenvolvimento do agronegócio nacional, pela melhoria do status da saúde dos animais, como também na produção e qualidade e na inocuidade de seus produtos, atendendo as exigências dos consumidores e colaborar futuramente com uma participação mais efetiva no mercado internacional.
  • Universidade do Estado de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Eloiza Priore

Ciências da Saúde

Nutrição
  • fatores associados à deficiência de iodo na população rural
  • O iodo é um micronutriente essencial para o organismo humano, e é utilizado para a síntese de hormônios tireoidianos. Estes hormônios desempenham papéis importantes, pois atuam no crescimento físico e neurológico e na manutenção do fluxo normal de energia. Populações que vivem em áreas deficientes em iodo apresentam maior risco de desenvolver distúrbios causados pela deficiência desse mineral, e cujo impacto sobre os níveis de desenvolvimento humano, social e econômico são muito graves. A Pesquisa Nacional para Avaliação do Impacto da Iodação do Sal (PNAISAL) realizada com escolares com idade entre seis e 14 anos, detectou maior prevalência de deficiência de iodo em escolares do meio rural, cerca de 14,1% contra 8,1% de escolares da área urbana. Ademais, poucos estudos abordam a prevalência de deficiência de iodo na população acima dos 20 anos de idade. Neste sentido, este estudo tem o objetivo de analisar os fatores associados à deficiência de iodo na população adulta e idosa do meio rural. Trata-se de um estudo transversal a ser desenvolvido no meio rural da Zona da Mata Mineira, tem como público envolvido adultos e idosos. Será realizada uma descrição deste público com base nas características sociodemográficas, antropométricas, bioquímicas, de disponibilidade e consumo alimentar. As informações socioeconômicas e demográficas serão obtidas a partir da aplicação de questionário semiestruturado. A avaliação antropométrica constará da aferição das medidas de peso, altura e perímetro da cintura. O estado nutricional de adultos e idosos será avaliado por meio do índice de massa corporal, segundo World Health Organization (1998) e Lipschitz (1994), respectivamente. Será calculada a relação cintura estatura (RCE), com a finalidade de verificar presença de risco cardiometabólico, e valores de RCE ≥0,50 serão considerados como presença de risco cardiometabólico, independentemente de sexo e idade. Para avaliar a composição corporal será utilizada a densitometria óssea de dupla energia (Dual-Energy X-Ray Absortiometry, DEXA) para quantificar a massa gorda, óssea, muscular, corporal total e livre de gordura, percentual de gordura e tecido adiposo visceral. Será avaliada a quantidade calórica disponível no domicílio referente aos últimos trinta dias e para o cálculo dessa disponibilidade domiciliar será utilizada uma lista de alimentos comuns ao consumo alimentar da população analisada. Investigar-se-á o consumo alimentar deste público a partir da aplicação do recordatório de ingestão habitual com a finalidade de se determinar o hábito alimentar e verificar o consumo de alimentos processados e ultraprocessados. A partir dos dados de ingestão será calculado o teor de energia, carboidratos, proteínas, lipídios totais, ácidos graxos saturados, fibras, cálcio, ferro, zinco e iodo dos alimentos informados. A adequação dos nutrientes será avaliada segundo Dietary Reference Intakes (DRI), sendo sódio e fibra avaliados por Adequate Intake (AI), demais micronutrientes por Estimated Average Requiments (EAR) e proteína em grama/kg de peso. A distribuição de carboidratos e lipídios será avaliada pela Acceptable Macronutrients Distribuition Range (AMDR). A prevalência de deficiência de iodo será determinada a partir da excreção urinária do mineral que reflete a ingestão do iodo, e serão adotados os pontos de corte dos valores medianos de concentração urinária de iodo estabelecidos pela World Health Organization (2007). Também será analisado o teor de iodo no sal de consumo alimentar e em temperos industrializados e caseiros a partir da técnica recomendada pelo Ministério da Saúde, e as amostras que apresentarem níveis de iodo entre 15 e 45 mg/kg serão consideradas adequadas, de acordo com a recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A análise do conteúdo de iodo nos alimentos mais consumidos pela população será realizada por espectrofotometria utilizando-se o método proposto por Sveikina e modificado por Moxon e Dixon (1980). Nesta população do meio rural também será realizada uma caracterização referente à exposição ocupacional e uma avaliação bioquímica da exposição aos agrotóxicos. Sendo realizados exames bioquímicos para avaliação de alterações no plasma, na atividade de enzimas hepáticas e em marcadores inflamatórios para avaliação de possível contaminação por agrotóxicos sendo elas colinesterases totais (ChEs) e acetilcolinesterase (AChE), enzimas que encontram-se diminuídas quando expostas a agrotóxicos organofosforados; aspartato aminotransferase (AST), alanina aminotransferase (ALT), fosfatase alcalina (ALP) e gamaglutamiltranspeptidase (GGT); enzimas marcadoras de lesão hepática; creatinina e uréia para avaliar a função renal; albumina, como marcador inflamatório; proteína total, como marcador de lesão hepática e renal e hemograma completo, para identificação de anemia e infecções. O estudo será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Viçosa e a participação dos voluntários na pesquisa somente ocorrerá após a leitura e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os dados serão digitados em duplicata no Microsoft Excel®, e validados pelo programa Excel para conferência dos dados. A análise dos dados será realizada no programa estatístico Statistical Program for Social Science (SPSS) versão 20.0 e no STATA. Para verificar a normalidade dos dados será utilizado o teste de Kolmogorov-Smirnov. Será realizada análise descritiva dos dados, testes de associações e construídos modelos de regressão para verificar os fatores associados à deficiência de iodo. Será adotado nível de significância menor que 0,05.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Galvão de Souza Cervantes

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • techninas - ciências e tecnologia para meninas
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Estadual de Londrina - PR - Brasil
  • 12/08/2019-31/01/2022