Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ronice Muller de Quadros

Lingüística, Letras e Artes

Lingüística
  • documentação da língua brasileira de sinais
  • A documentação da Libras compreendida na presente proposta inclui quatro frentes de trabalho: (1) aspectos linguísticos da Libras; (2) Literatura em Libras; (3) glossários especializados; e, (4) ensino de Libras. Os aspectos linguísticos analisados objetivam subsidiar a elaboração de uma gramática da Libras a partir de dados com produções em Libras coletados e transcritos em quatro estados brasileiros: Ceará, Alagoas, Rio de Janeiro e Santa Catarina. As produções literárias em Libras serão selecionadas e catalogadas para compor uma Antologia da Literatura em Libras no país. Os glossários especializados compreenderão as áreas de Química, Literatura, Física, Biologia e Matemática, no sentido de subsidiar a educação básica. Este material servirá de referência permanente para professores, tradutores e intérpretes de Libras e Língua Portuguesa. O material para o ensino de Libras envolverá produções em Libras para o uso no ensino de Libras, bem como a coleta de produções de alunos de Libras como segunda língua, no sentido de subsidiar as pesquisas e práticas dos professores de Libras em diferentes níveis da educação. Este material estará organizado por meio de um Portal de Libras que contará com diferentes interfaces multilíngues estruturadas a partir de produções em Libras. O desafio tecnológico envolverá o desenvolvimento destas interfaces que permitirão aos usuários acessarem os textos em Libras de forma interativa. Além disso, o desenvolvimento de ferramentas que favoreçam a leiturabilidade de vídeos em Libras associado ao design visual será o grande desafio das interfaces a serem disponibilizadas publicamente a todos os surdos e demais interessados nas produções em Libras. Todos os produtos e processos resultantes desta proposta estarão disponibilizados por meio do Portal de Libras que envolverá interfaces em Libras acessíveis e disponíveis publicamente em meio digital e abertos a toda sociedade. Esse portal também fomentará as ações relativas às políticas públicas que envolvem a Libras, pois servirá de fonte de pesquisa, de consulta e de lazer para todos os interessados (professores, tradutores, intérpretes e demais pessoas da comunidade em geral), servindo também como referência a todos os agentes políticos, sociais e educacionais que tenham a educação bilíngue como alvo da educação básica envolvendo a inclusão de surdos na sociedade brasileira. Para além disso, trata-se de uma proposta inovadora em termos de ciência, tecnologia e de políticas pública e linguística no País que vem se destacando pelos esforços em garantir, por meio de uma legislação específica, o acesso à educação bilíngue às pessoas surdas e tal acesso só pode ser, de fato, assegurado através da disponibilização de materiais linguísticos e literários em Libras. Neste sentido, a gramática da língua, sua produção literária, o registro de termos especializados e o ensino desta língua configuram um todo que retroalimentam um ao outro, cabendo à ciência e à tecnologia disponibilizarem recursos de acesso ao ensino, à pesquisa e à extensão com foco na Libras.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 01/12/2016-31/12/2020
Foto de perfil

Ronie Silva Juvanhol

Ciências Agrárias

Recursos Florestais e Engenharia Florestal
  • integração de modelos de probabilidade e tendências de ocorrência de incêndios florestais como instrumento de auxílio à gestão em uma área protegida do bioma cerrado
  • O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, ocupando uma área de cerca de 24% do território brasileiro. É considerado um dos hotspots mundiais de biodiversidade, pois apresenta abundância de espécies endêmicas e sofre uma enorme perda de habitat. A Estação Ecológica de Uruçuí-Una (ESECUUNA) faz parte das unidades de conservação pertencentes ao bioma cerrado, no Sudoeste Piauiense, mais especificamente na sub-região dos altos platôs piauienses. Esta Unidade de Conservação tem experimentado constantes pressões antrópicas devido à sua localização geográfica, em uma região de grande fronteira agrícola, e às atividades de subsistência das comunidades do entorno. A problemática dos incêndios florestais é de enfrentamento constante pelos gestores ambientais, em especial devido à extensão da ESECUUNA, de cerca de 135.000 ha. Diante do exposto, torna-se importante delimitar alternativas de apoio a gestão desta unidade de conservação, no que diz respeito aos incêndios florestais. Para este processo, é importante contar com a colaboração da sociedade envolvida, da comunidade científica e dos gestores da ESECUUNA. Este projeto propõe desenvolver modelos de risco de incêndio florestal em função de variáveis explicativas e conhecer os padrões de comportamento da vegetação e sua relação com a ocorrência de incêndios florestais, para o clima atual e futuro, na ESECUUNA. Ao final, é proposto a elaboração do zoneamento da área quanto a diferentes zonas para gestão de incêndios florestais. Para alcançar estes objetivos, o projeto encontra-se estruturado em três etapas principais. Em todas as etapas metodológicas priorizou-se a utilização de dados de sensoriamento remoto orbital, devido a sua conhecida capacidade de fornecer informação de forma sinóptica, que abrange áreas extensas e alta frequência de aquisição. Isso permite o monitoramento de ecossistemas terrestres por meio de sensores com elevada qualidade na obtenção de dados, como a exemplo do sensor MODIS. A primeira etapa será a modelagem da probabilidade de ocorrência de incêndios florestais; a segunda etapa, estudo das tendências da vegetação à ocorrência de fogo; e a terceira etapa, a delimitação de zonas para gestão de incêndios florestais. Na primeira etapa serão utilizados dados de focos ativos de fogo e variáveis preditoras: variáveis topográficas, variáveis climáticas, variáveis de atividade humana, variáveis de vegetação como entrada para a modelagem da ocorrência de incêndios florestais. O método utilizado será o MaxEnt, que considera as configurações espaciais de ocorrência versus não ocorrência. Por este método, os resultados podem ser usados para prever a probabilidade de ocorrência e o ranking de importância da variável pode ser usada para identificar os fatores relevantes na gestão do incêndio. Serão realizados testes de omissão binomial unicaudal para avaliar se o modelo prevê a ocorrência de pixels de fogo significativamente melhor que aleatório. Além disso, será calculado a sensibilidade do modelo e a taxa de falsos positivos para esses mesmos valores de limiar usando a ocorrência real de pixels de fogo no mês simulado. Na segunda etapa, serão utilizados os resultados obtidos na primeira etapa e dados de vegetação obtidos por meio do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) do produto MOD13Q1, sensor MODIS, dados de queima do produto MCD45 A1, sensor MODIS, dados climáticos e de uso do solo. Nesta etapa serão geradas as tendências de ocorrência de fogo e de vigor da vegetação pelos métodos de correlação linear de Pearson, regressão linear simples e o método não paramétrico de Mann-Kendall. Será gerada a modelagem da correlação entre os dados de vegetação e ocorrência de incêndios florestais e, ao final, as tendências futuras de alterações na paisagem a partir dos incêndios florestais. Para esta última fase da etapa 2, serão consideradas: Análise de Mudança, Modelagem de Potencial de Transição e Previsão de Mudança; em que serão consideradas as alterações climáticas previstas pelo Intergovernamental Painel of Climate Change (IPCC), as informações de tendências observadas e de probabilidade de ocorrência de incêndios obtida na etapa 1. A etapa 3 consiste na elaboração de um zoneamento ambiental voltado à gestão dos incêndios florestais na ESECUUNA. Para tanto, as etapas anteriores (1 e 2) fornecerão o diagnóstico ambiental necessário para delimitação de diferentes zonas de gestão. Serão consideradas também, as informações das tipologias florestais encontradas na área. Serão organizadas palestras e reuniões públicas, em que a sociedade e gestores ambientais envolvidos, serão convidados à participar e contribuir nos processos de tomada de decisão. Com isso, são esperados os seguintes resultados: Mapa de probabilidade de fogo em diferentes estações de incêndios florestais; Ranking de importância da variável para identificar os fatores relevantes na gestão do incêndio; Tendências espaço-temporais do vigor da vegetação entre 2000 e 2018; Tendências futuras de alteração da paisagem; Mapas de uso e ocupação do solo de acordo com previsões futuras; Mapa de zoneamento da ESECUUNA, indicando zonas de gestão de incêndios florestais e um documento técnico/ cartilha sobre a importância da gestão de incêndios florestais na ESECUUNA.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 30/11/2018-30/11/2021
Foto de perfil

Ronilson Freitas de Souza

Ciências Humanas

Educação
  • ensino de ciências naturais: articulando saberes por meio de projetos interdisciplinares
  • Vide projeto anexo
  • Universidade do Estado do Pará - PA - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Ronney Arismel Mancebo Boloy

Engenharias

Engenharia de Energia
  • misturas biogás-biodiesel utilizadas em sistemas de injeção dual-fuel dos motores de combustão interna a compressão
  • Atualmente, com o crescimento da população mundial, geram-se grandes quantidades de resíduos em vários sectores; indústria, agropecuário, urbano e florestais. No sector urbano, existem dois resíduos que geram um impacto tecnológico, econômico, ambiental e social bem considerável devido ao inadequado gerenciamento, são estes: 1- Resíduos Sólidos Urbanos – RSU e 2- Óleo Vegetal Residual – OVR. No ano 2016, no Brasil gerou-se 78,3 milhões de tonelada de RSU, sendo que 91% foram coletados, significando que 9% dos RSU tiveram destino inapropriado.Já no segundo caso, no Brasil 2,5% do óleo vegetal residual produzido é reutilizado de forma apropriada, sendo que o restante é descartado inadequadamente em corpos de água, redes de esgoto, solos, inclusive incinerados.Por tanto, gerenciar adequadamente os RSU e os OVR através da agregação de valor energético é o caminho para minimizar os impactos ambientais, bem como melhorando o saneamento básico proporcionando melhor qualidade de vida à sociedade e permitindo maior inclusão social com geração de emprego e renda. Assim sendo, pretende-se estudar a viabilidade energética, econômica e ambiental da utilização de misturas de biogás-biodiesel em sistema de injeção dual-fuel dos Motores de Combustão Interna de Ignição a Compressão – MCIIC, com o intuito de diminuir a poluição ambiental produzida pelas emissões de gases poluentes no setor de transporte urbano e de carga, que atualmente utiliza o diesel como combustível principal no Brasil, também almeja-se descentralizar a matriz energética brasileira com a inclusão de biocombustíveis produzidos a partir de Resíduos Sólidos Urbanos-RSU, no caso do biogás e a partir de Óleo Vegetal Residual-OVR, para o caso do biodiesel, dessa forma consegue-se melhorar o saneamento básico agregando valor energético aos RSU e ao OVR gerenciados inadequadamente. O biogás é produzido a partir de RSU em Aterro Sanitário através de um processo de digestão anaeróbica, e o biodiesel produzido a partir do OVR, utilizando processo de duas etapas, esterificação com catálise ácida homogênea (H2SO4) e transesterificação com catálise básica homogênea (NaOH). O MCIIC recebe as misturas de biogás/biodiesel em diferentes proporções, ou seja, biogás 25%-BG25, BG50 e BG75 visando estudar o impacto das proporções dessas misturas nos parâmetros de desempenho do motor e emissões de poluentes, procurando aumentar a eficiência de conversão das misturas e minimização das emissões de poluentes ao meio ambiente. A combustão das misturas biogás-biodiesel será estuda através de simulação computacional fluidodinâmica (CFD), onde serão analisados o atraso, e avanço da ignição, início da combustão, propagação da chama, razão volumétrica de compressão e as temperaturas dos gases de exaustão. Após esta análise serão realizados cálculos de parâmetros associados com o desempenho no MCIIC, tais como: consumo específico de combustível, eficiência térmica, de combustão e conversão das misturas biogás-biodiesel, todas em base exergética. Numa próxima etapa são determinados os custos de transporte urbano e de carga em US$/km utilizando MCIIC alimentado com misturas biogás-biodiesel. No projeto também espera-se determinar as emissões de Óxidos de Nitrogênio - NO, Hidrocarbonetos – HC, Monóxido de Carbono – CO, Dióxido de Carbono Equivalente - CO2e, indicador de poluição e eficiência ecológica como forma de avaliar o impacto ambiental do MCIIC. Além do aspecto científico da pesquisa, este projeto também tem como meta a formação de recursos humanos, o desenvolvimento e a divulgação da pesquisa através de artigos relacionados com análises técnicas, econômicas e ambientais dos motores de ignição a compressão alimentados com misturas biogás-biodiesel.
  • Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Roque Ismael da Costa Güllich

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • formação e docência em ciências com foco no ensino por investigação
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal da Fronteira Sul - SC - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Rosa Amalia Fireman Dutra

Outra

Microeletrônica
  • rede ziksensor: rede para desenvolvimento de dispositivos sensores “point-of-care”, de baixo custo e fácil “scale up” para detecção em tempo real do zika vírus
  • O recente surto da infecção pelo vírus Zika (ZIKV) na Américas e seu impacto devastador sobre o desenvolvimento fetal levaram a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar a pandemia ZIKV como “Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional”. O desenvolvimento de testes rápidos e confiáveis para diagnósticos do ZIKV são vitais porque os indivíduos infectados podem ser assintomáticos ou apresentarem sintomas não específicos semelhantes a outras infecções virais. Este projeto combina o desenvolvimento de um imunosensor e um genossensor que, usados serialmente, são capazes de identificar a infecção crônica e o estado ativo de infecção logo após a infecção e durante toda a gravidez. Devido a grande similaridade entre os vírus da dengue e zika, serão propostos dois sistemas sensores; o primeiro, um immunosensor, baseado na detecção em tempo real em amostras de sangue total de proteínas virais (NS1 e M) e de anticorpos contra o capsídeo do ZIKV, e o segundo, um genossensor baseado num sistema de amplificação in situ através de sondas “padlock” que detectará sequências conservadas de RNA do ZIKV em saliva. Para garantir que sejam construídos sensores de alta performance, arrojados e de detecção em tempo real serão utilizados nanomateriais combinados a polímeros condutores. Serão estudados empregos de alótropos de carbono, nanotubos de carbono e fulerenos funcionalizados físico-quimicamente de modo a apresentarem alta atividade catalítica. Os biossensores serão desenvolvidos com base numa plataforma de tip sensora consistindo de ultramicroeletrodos interdigitados de fácil scale-up, baixo custo e de transdução capacitiva redox acoplado a sistema de medição (leitor) de arquitetura simples, contendo um microcontrolador que suporta um firmware facilmente programável (similar aos medidores de glicose), constando de visor amigável para fornecer saídas em unidades compreensíveis aos usuários podendo enviar por wireless à smartphones/tablets dados para maior difusão pelo sistema SUS. Os sensores servirão para o diagnóstico da infecção tanto em portadores, quanto em recém-nascidos com microcefalia. Além disso, o projeto ainda prevê o desenvolvimento de processo de produção em larga escala dos biomarcadores (proteína recombinantes e anticorpos) produzidos em alto rendimento por biorreatores de células vegetais. Comparados às técnicas laboratoriais usuais para o ZIKV (MAC-ELISA e Trioplex RT-PCR em tempo real) e testes de tira lateral, os nanossensores point-of-care aqui propostos possuem inúmeras vantagens, apresentam respostas em tempo real, são facilmente portabilizados, consistem numa tecnologia de fácil scale up, permitem análises de modo mais prático e econômico, além de requerer menor volume de amostra. Trata-se de um projeto inovador, não existem similares no mundo e, ainda, empresas no país. Hoje, a tecnologia point-of-care por biossensores no Brasil, é 100% importada.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 24/10/2016-30/11/2021
Foto de perfil

Rosa Elisabete Militz Wypyczynski Martins

Ciências Humanas

Geografia
  • saberes e fazeres da geografia na construção da cidadania: brasil, um país que envelhece
  • RESUMO: O projeto tem como objetivo geral: Desenvolver uma metodologia para o ensino-aprendizagem de Geografia utilizando conjuntamente pesquisa-ação , as TICs, a cartografia colaborativa e a cartografia escolar para abordar o tema do envelhecimento da população brasileira no espaço urbano. Também pretende-se investigar como Vencer o desafio de integrar a Tecnologia da Comunicação e Informação (TICs), a Cartografia Escolar e a Cartografia Colaborativa à metodologia de ensino pesquisa-ação para trabalhar conteúdos Geografia; Promover a inclusão digital e potencializar o uso das TICs na construção de práticas pedagógicas colaborativas para construção do conhecimento nas aulas de geografia escolar; Motivar os estudantes a perceber a cidade considerando a qualidade de vida e a cidadania dos idosos; Criar uma consciência cidadã nos adolescentes de forma a vencer estereótipos e preconceitos nocivos em relação às pessoas idosas; Revelar que a população idosa é importante para a transmissão de experiência e conhecimentos úteis para os mais jovens. Temos como metas: Criar uma metodologia dinâmica de ensino-aprendizagem de geografia que instiga a busca e compartilhamento do conhecimento pelos alunos; Utilizar as TICs para os fazeres da Geografia escolar recortados na temática do envelhecimento da população; Proporcionar a inclusão digital na escola e potencializar o uso das TICs; Trabalhar com a Cartografia Colaborativa sob o enfoque da população idosa, para conhecer a realidade dos diferentes bairros das escolas; Proporcionar o debate dos adolescentes sobre o aumento da população idosa no Brasil e as implicações que isto trás para a sociedade atual; Ampliar o conhecimento de mundo do estudante, através da comunicação da informação levantada com seus pares em outras cidades, utilizando para tanto a tecnologia da informação e comunicação; Desenvolver habilidades espaciais para construir um mapeador consciente e leitor crítico de mapas e do mundo; Criar um endereço eletrônico para iniciar a Cartografia Colaborativa da situação do idoso no Brasil.
  • Universidade do Estado de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosa Lía Barbieri

Ciências Agrárias

Recursos Florestais e Engenharia Florestal
  • a rota dos butiazais no bioma pampa: conectando pessoas e ecossistemas para a conservação e uso sustentável da biodiversidade
  • A Rota dos Butiazais é uma rede que conecta pessoas e ecossistemas para a conservação e uso sustentável da biodiversidade, articulando conhecimentos com a oferta de serviços ecossistêmicos e outros serviços com potencial para geração de renda em territórios relacionados com remanescentes de ecossistemas de butiazais ou onde o valor histórico e cultural do butiá se destaca. Esta proposta tem o objetivo geral de contribuir para garantir a segurança alimentar, hídrica e energética no Bioma Pampa, através da conservação e do uso sustentável da biodiversidade associada ao potencial para geração de renda em territórios relacionados com remanescentes de ecossistemas de butiazais. As atividades previstas são a caracterização do extrativismo de butiá (características dos extrativistas, das áreas de coleta, da matéria-prima e dos produtos confeccionados); identificação de boas práticas de coleta, manipulação, e beneficiamento dos produtos feitos com a polpa de butiá, estabelecendo critérios para comercialização; prospecção da ocorrência de ecossistemas de butiazais preservados e degradados no Bioma Pampa; mapeamento das principais ocorrências de butiazais por meio de sistemas de informação geográfica; restauração de butiazais através de repovoamento e manejo com o gado; investigação de como a produção pecuária conservativa em butiazais afeta a diversidade de diferentes grupos de organismos (plantas vasculares, aves, anfíbios e mamíferos) e processos ecossistêmicos (estoque, qualidade e decomposição de serapilheira), e como essas respostas se relacionam na estrutura biótica e no funcionamento ecossistêmico; difusão da exigência legal de regularização ambiental e o procedimento de certificação para a exploração de espécies da flora nativa do Bioma Pampa para fins comerciais; avalições da dinâmica anual de aves palustres na planície costeira com a sustentabilidade ambiental; caracterização da variabilidade genética de Butia odorata em diferentes populações naturais visando à identificação de acessos relevantes para serem conservados; avaliação da fenologia de Butia odorata em uma área de conservação in situ; adaptação e aperfeiçoamento de protocolos de micropropagação e criopreservação para a conservação em longo prazo das espécies do gênero Butia; avaliação da potencialidade das partes renováveis dos butiazeiros (folhas, cachos, frutos, endocarpos e amêndoas) para obtenção de biocombustíveis; caracterização do perfil fitoquímico e antioxidante (compostos bioativos, atividade antioxidante e hipoglicemiante) dos butiás e seus derivados; identificação dos usos das principais espécies de plantas herbáceas e subarbustivas associadas aos ecossistemas de butiazais; capacitação das pessoas que vivem em locais onde ocorrem ecossistemas de butiazais quanto aos seus múltiplos usos; divulgação da Rota dos Butiazais e sensibilização da opinião pública sobre a importância dos ecossistemas de butiazais e da biodiversidade associada. O projeto tem uma abordagem multidisciplinar, a equipe inclui pesquisadores que atuam nas áreas de desenvolvimento rural, ecologia aplicada, recursos genéticos, botânica, ciência e tecnologia de alimentos, com experiência na execução de projetos de pesquisa e na formação de recursos humanos. A atuação conjunta da Embrapa Clima Temperado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Rio Grande do Sul (SEMA) e Movimento Slow Food permitirá uma maior eficiência nas atividades de pesquisa propostas neste projeto, gerando informações importantes para subsidiar ações de conservação e uso sustentável dos butiazais no Bioma Pampa e da biodiversidade associada a esses ecossistemas. O projeto conta com a colaboração da Universidad de La República (do Uruguai) e do Parque Nacional El Palmar (da Argentina), os quais têm ações importantes relacionadas à conservação, caracterização e uso de ecossistemas de butiazais naqueles países, e que estão conectados à Rota dos Butiazais. Os beneficiários do projeto são agricultores, pecuaristas, artesãos, cozinheiros, consumidores urbanos, estudantes, professores, empresários, formuladores de políticas públicas, gestores municipais, agroindústrias, organizações da sociedade civil e empresas locais. Em uma abordagem multidisciplinar, envolvendo várias instituições, este projeto de pesquisa contribui para o desenvolvimento de soluções para garantir de forma integrada a segurança hídrica, energética e alimentar no Bioma Pampa, promovendo sinergia e complementaridade entre ações dos setores governamentais, acadêmicos, empresariais e da sociedade civil organizada envolvidos no desenvolvimento de sistemas produtivos mais sustentáveis e adaptados à realidade regional, à mudança do clima e à preservação e recuperação da biodiversidade.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 05/12/2017-30/04/2021
Foto de perfil

Rosa Maria Esteves Arantes

Ciências Biológicas

Morfologia
  • medicina, fisiologia e antropologia antártica - sobrevivendo no limite : da fisiologia de extremos à gestão da saúde na antártica
  • Sendo este projeto continuidade daquele encaminhado pelo Grupo Mediantar no edital 64/2013 é importante indicar os principais produtos do projeto que contabiliza trabalho publicado em revista cientifica internacional indexada, QUALIS A1 na área polar especifica (Moraes et al, J of Circump Health, 2018) e outros trabalhos trabalho submetidos a revistas com bom impacto Qualis. A lista dos produtos está no Quadro 1 do Projeto Detalhado anexo. Destaca-se nossa curadoria da exposição Expedição Antártica que foi exibida com sucesso de público no Espaço do conhecimento da UFMG (mais de 40.000 visitantes). Enquanto os demais projetos brasileiros no Proantar se ocupam dos eixos temáticos dentro das linhas indicadas no Plano de Ação 2013-202, nosso projeto se ocupa de estudar aspectos fisiológicos, neurobiológicos e sociais, (Eixos Temáticos emergentes G e H deste edital) relacionados a pesquisadores e militares das Operações. Nosso foco é na compreensão de vários aspectos da interação do homem nos ambientes antárticos. A vida na Antártica envolve desafios para a fisiologia humana devido ao clima extremamente frio e às situações de isolamentos e confinamentos. Ao longo de uma expedição para a Antártica podem ser experimentados baixa a sensação térmica, o isolamento e a sensação de monotonia sensorial da paisagem, a situação de confinamento, a elevada incidência de raios UVA e as condições de luz específicas dos polos (24h de luz no verão e 24h de escuro no inverno) (PALINKAS e SUEDFELD, 2008; OLSON, 2002). Somado a isto, o estresse associado ao esforço físico em campo pode estar associado a alterações das respostas fisiológicas e funcionais, tais como alterações hormonais e no sistema nervoso central, alterações no ritmo circadiano, mudanças na microbiota intestinal, sendo, inclusive, considerado o ambiente terrestre que mais se aproxima das experiências espaciais (SHEPANEK; LUGG, 1999), já que uma jornada extraterrena inclui a preparação de astronautas para o isolamento, confinamento e o ambiente extremo - identificado pelo acrônimo ICE (EDWARDS, LLOYD, 2017). Assim, uma das melhores maneiras de estudar o ICE na Terra é observando outras pessoas que também passam vários meses nestas condições – o que ocorre com os expedicionários (pesquisadores e militares) que se deslocam para Antártica. Sendo a Antártica o ambiente mais desafiador do ponto de vista fisiológico; tendo o frio, o isolamento e o confinamento como estímulos estressores, e a aclimatização e o exercício físico como atenuantes da ativação simpática e da supressão imunológica causadas pelo frio -, nossa hipótese é que os indivíduos que realizam pesquisas de campo na Antártica adaptem-se de forma diferente dependendo de sua capacidade aeróbica e da realização de exercícios físicos. O objetivo principal deste estudo é avaliar as respostas neurobiológicas e comportamentais ao confinamento, à aclimatização ao frio em indivíduos na antártica. Este projeto de pesquisa científica é multi e interdisciplinar nas áreas de Medicina polar, Biologia e Fisiologia, Neuropsicologia e Ciências Humanas (Antropologia da Saúde e do Gênero, e Ciências Políticas) e visa contribuir para geração de conhecimentos e inovação científica na área da saúde humana em ambientes ICE. O grupo de pesquisas Mediantar é bem estruturado e produtivo, com colaboração internacional efetiva (um laboratório em Punta Arenas (UMagalhaes) e com dois laboratórios na UFMG (NIPE e LAFISE) que proporcionam incremento à infraestrutura portátil para pesquisa em campo antártico (navios, acampamentos, refúgios) que será potenciada pela criação e manutenção de um laboratório na nova Estação Antártica Brasileira equipado para operar nas invernagens, quando as variáveis ambientais (ciclo luz, dia-noite, frio, paisagem, isolamento, desamparo) atingem seu ápice. No projeto detalhado anexo estão desenvolvidas as nossas hipóteses de trabalho, e delineados os campos de investigação que compreendem também aspectos oftalmológicos, hormonais, psicológicos e médicos afim de investigar o adoecimento físico e psíquico em campo. Além disto, aspectos da gestão dos programas antárticos e suas agendas de investimento em saúde e pesquisas médicas serão estudados pois a saúde nestes ambientes perpassa questões de gênero, poder, hábitos comportamentais demandando pesquisas sociológicas em assédio sexual, feminismo, masculinidade, uso de drogas prescritos ou não, álcool, e cigarro na Antártica. Estas abordagens visam caracterizar os problemas e desenvolver estratégias para conhecer os fatores humanos, organizacionais e ambientais que podem ser acessados para melhoria da qualidade de vida e da saúde nestes ambientes. Em termos de Divulgação da Ciência, teremos a Exposição Itinerante agendada em conjunto com O museu do Ponto da UFMG para disseminar a experiência sensorial da Antártica, como continuidade à experiência da Exposição Expedição Antártica realizada em Belo Horizonte. A itinerância das Cápsulas Portáteis que serão construídas permitirá disseminar entre o público das diversas localidades visitadas pelo Museu de Ciência, que funciona em um ônibus, e é uma atividade de grande repercussão na sociedade.As atividades do Museu do Ponto já estão institucionalizadas e são financiadas com verba da UFMG e projetos pontuais. Haverá uma Semana de "Corpo e Antártica" no Espaço do Conhecimento da UFMG, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. Esta atividade permite divulgar os resultados de nossa pesquisa em um enfoque integrado entre as ciências humanas (antropologia da saúde, antropologia do Corpo) e a biologia humana (fisiologia dos extremos). Um catálogo impresso, memória da bem-sucedida exposição Expedição Antártica realizada em 2017/2018 será impresso. A rede pública de ensino dos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, e Pernambuco serão visitadas em um programa de divulgação sobre A Antártica, com adaptação do conteúdo para as diversas faixas etárias. Espera-Formação de recursos humanos pós graduados
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 25/12/2018-31/12/2022
Foto de perfil

Rosa Maria Formiga Johnsson

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • gestão adaptativa do risco de seca como estratégia de segurança hídrica na bacia paraíba do sul
  • Este projeto de pesquisa tem dois objetivos principais: i) avaliar a capacidade atual dos usuários de água e instituições gestoras dos recursos hídricos da Bacia para lidar com o risco climático de seca; ii) propor estratégias de gestão adaptativa como mecanismo de aumentar a segurança hídrica atual e futura dos usos e usuários de água, em cenários de intensificação das variabilidades e mudanças do clima. A Bacia do rio Paraíba do Sul é compartilhada por três estados (SP, MG e RJ), mas é manancial estratégico para os Estados de São Paulo e sobretudo Rio de Janeiro cujas águas abastecem 75% da população fluminense, incluindo sua Região Metropolitana, além de indústrias e atividades agrícolas de grande parte do Estado. Por outro lado, a Bacia retrata também os problemas associados às mudanças ambientais globais: de um lado, o aumento de incertezas em relação ao clima pode ser ilustrado pelo megadesastre causado por inundações e enxurradas na Região Serrana (RJ), em 2011, e pelas duas estiagens severas ocorridas em 2003 e sobretudo em 2014-2015, a pior do registro histórico. A Bacia reflete também a pressão crescente sobre as suas águas, a exemplo de uma nova transposição para abastecer a metrópole de São Paulo, o que provocou um dos mais acirrados conflitos federativos do país. É nesse contexto que esta pesquisa se insere, propondo desenvolver um tema ainda novo na agenda política e na academia do sudeste brasileiro.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosa Maria Martins de Almeida

Ciências Humanas

Psicologia
  • emoções e instabilidade do status social e da hierarquia de dominância: fingerprint epigenético e abordagem experimental
  • A hierarquia de dominância caracteriza as relações sociais de diversas espécies de animais. Contudo, o status dominante-subordinado é mutável, o que pode ser determinante para as reações emocionais humanas. Neste projeto investigaremos o papel da estabilidade e instabilidade das hierarquias sobre as reações emocionais em humanos. Para tanto, conduziremos três estudos metodologicamente complementares. No primeiro, buscaremos identificar padrões de associação entre diferentes perfis de dominância e tendências de reações emocionais em jovens universitários. Verificaremos se há uma sobreposição dos fingerprints epigenéticos com tais padrões comportamentais e afetivos. No segundo, conduziremos um experimento em laboratório para testar os efeitos do status estável e instável induzidos artificialmente através de uma competição em tarefas de rastreio visual entre jovens universitários. Com os resultados previamente determinados, induziremos padrões de vitória e derrota em condições plenas (resultado com ampla margem de diferença entre os competidores) e acirradas (resultados com pequena margem de diferença entre os competidores). As nossas variáveis dependentes serão os padrões de reações emocionais dos participantes. No nosso terceiro estudo, replicaremos o segundo estudo com adolescentes entre 16 e 21 anos de idade. Manipularemos os resultados de competições (tarefas de rastreio visual) mas em dias sucessivos, o que produzirá 4 condições experimentais: vitória-vitória (vitórias em ambos os dias), vitória-derrota (vitória no primeiro dia e derrota no segundo), derrota-vitória (derrota no primeiro dia e vitória no segundo) e derrota-derrota (derrota em ambos os dias). Compararemos, então, as tendências de reações emocionais dos participantes. Conhecer as tendências de reações emocionais determinadas pelos padrões naturais de hierarquia social e poder poderá ajudar a prever e minimizar as consequências dos comportamentos agonistas em humanos.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosalia Aldraci Barbosa Lavarda

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • interface entre strategizing e tarefas que compõem os tipos de trabalho: análise micro-organizacional
  • Consideramos neste estudo duas premissas base, quais sejam: (i) o conceito da estratégia como processo a partir de uma análise micro-organizacional da ação, do que a organização faz, mais do que o que ela tem (Whittington, 2006), no qual se insere o entendimento da estratégia como prática social ou strategizing; e (ii) existem nas organizações pelo menos quatro tipos de trabalho que podem ser caracterizados por trabalho rotineiro ou simples, técnico ou não-rotineiro, profissional ou artesanal e criativo ou inovador, segundo Perrow (1967, 1970), os quais são independentes dos fatores contingenciais, como ambiente, estratégia, estrutura, tamanho e tecnologia (Donaldson, 2001). Compreendendo que a materialidade se dá na realização da tarefa, e que a tarefa só ocorre como fazendo parte de um contexto, Zammuto (2007) explica que as pessoas atuam de diferentes formas ao se relacionarem com objetos, para isso, utiliza-se da noção de affordance desenvolvida originalmente por Gibson (1979). Assim, affordance corresponde as possibilidades de ação que a materialidade de um objeto permite ou, ainda, restringe (Dameron et al., 2011). Nesse sentido, as possibilidades de ação dos atores organizacionais estão relacionadas aos seus tipos de trabalho cujas tarefas são desenvolvidas, e, mais especificamente, nesse estudo, sob a perspectiva da estratégia como pratica ou strategizing. As tarefas, assim, são partes do trabalho materializado. Recorremos, então, ao conceito de affordances para compreender essas relações entre material e social. Estabelecemos, portanto, a seguinte questão de pesquisa: Como se dá a interconexão entre strategizing e tarefas que compõem os diferentes tipos de trabalho? Para responder à questão de pesquisa partimos da proposição que estabelece, a partir do marco teórico revisado (Perrow, 1970; Gibson, 1979; Orlikowski, 2000; Whittington, 2006; Jarzabkowski et al., 2007; Zammuto, 2007; Dameron, Lê e LeBaron, 2015; Werle e Seidl, 2015), que (P): A interconexão entre strategizing e trabalho se dá pelo affordance (possibilidade de ação) inerente a cada elemento que compõe tanto o strategizing [práticas (Pk), práxis (Px) e praticantes (Pte)] quanto os elementos que caracterizam os tipos de trabalho [centralização (C), formalização (F) e nível de conhecimento (K)]; portanto, o strategizing influencia os elementos que compõe os tipos de trabalhos e vice-versa. Assim, a materialização da estratégia se dá por meio da execução da tarefa (materialidade objetiva + não objetiva) que compõe o trabalho. Desse modo, determinado trabalho, por exemplo, possui características objetivas e subjetivas para ser realizado, tal qual o strategizing. O objetivo deste estudo consiste em compreender como se dá a interconexão entre strategizing e tarefas que compõem os diferentes tipos de trabalho. Para realizar este estudo será adotada a metodologia qualitativa por meio do estudo de caso múltiplo (Stake, 2005). A seleção dos casos será não aleatória, por conveniência e acessibilidade. Ademais, consideramos o alto nível tecnológico (definido pela criação de tecnologia internamente como parte do seu core business), ou seja, preferencialmente, empresas de base tecnológica, bem como, diferentes níveis de conhecimento específico agregado à tarefa executada pelos praticantes. As técnicas de coleta de dados serão entrevistas semiestruturadas, observação direta e análise de documentos. E, a análise dos dados coletados utilizará a análise da narrativa (Godoi, Bandeira-de-melo e Silva, 2006) e pattern matching possibilitando o processo abdutivo, que permite o ir e vir da teoria para a prática, de Trochim (1989). Como resultados espera-se identificar uma conexão entre os elementos que compõem o strategizing e os elementos que compõem os tipos de trabalho a partir da execução da tarefa. É na execução da tarefa que os atores utilizam a subjetividade inerente às relações que permeiam o ambiente organizacional mesclada com a materialidade ou objetividade que vem imposta pelas normas regras e demais restrições e possibilidades de atuação (affordance), caracterizando a sociomaterialidade proposta por Werle e Seidl (2015).
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosalina Aparecida Partezani Rodrigues

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • biomarcadores relacionados a fragilidade do idoso
  • Introdução: A população mundial envelhece rapidamente no século XXI e os problemas de saúde, sociais, econômicos e psicológicos, representam desafios que deverão ser enfrentados diante do surgimento de novas síndromes, entre elas, a fragilidade. Objetivo: Determinar os biomarcadores associados à síndrome da fragilidade. Método: Estudo observacional de associação, transversal. Será realizado no Centro de Saúde Escola da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP/Secretaria Municipal de Saúde do município de Ribeirão Preto, São Paulo. A população será de idosos com 60 anos ou mais, de ambos os sexos, que vivem em domicilio, capaz de se comunicar e atendidos na referida Unidade e a amostra será de 258 idosos. A coleta de dados se dará no ambiente adequado no CSE (entrevista e coleta de sangue). A entrevista será composta dos dados sociodemográficos e dos dados clínicos, e na coleta de sangue serão analisados os Indicadores biológicos de carga alostática e os Biomarcadores genéticos. A análise será descritiva, com análise da contribuição simultânea de preditores sobre os escores de fragilidade por meio da regressão linear ou pelas categorias por meio da regressão logística multivariada tendo como desfecho as diferenças entre os escores final e basal de fragilidade. Alternativamente, poderão ser tentadas modelagens com equações de estimativas generalizadas tendo como desfechos os escores pontuais de fragilidade no período de seguimento. O projeto foi encaminhado ao Comitê de Ética da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, USP e aprovado.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosaline Rocha Lunardi

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • enfrentamento da covid19 em saúde indígena xavante: avaliação de ações em saúde e de itinerários intersetoriais.
  • Em geral, as populações indígenas são particularmente vulneráveis ao impacto de Covid-19, dadas as condições sociais e econômicas desfavoráveis. Associem-se a estas condições, as barreiras de comunicação entre a população indígena e os profissionais de saúde - assim como as diversas práticas de higiene, de alimentação e de estilo de vida - e haverá um quadro ainda mais grave. Há de se considerar ainda, que o perfil imunológico de populações indígenas pode respostas ao vírus e à doença inesperadas e bastante diferentes das demais populações, inclusive no mesmo território Os governos tem implementado medidas de enfrentamento ao Covid-19 que podem ser agrupadas sob três grandes estratégias: a recomendação ou determinação do isolamento e do distanciamento social; a ampliação da capacidade de atendimento dos serviços de saúde; e formas de apoio econômico a cidadãos, famílias e empresas. Porém, num cenário de populações indígenas não citadinas, há de se considerar como estas estratégias serão implementadas de acordo com as especificidades étnicas e territoriais. Como as estratégias adotadas pelo Ministério da Saúde deverão ser remodeladas de acordo com a realidade Xavante, faz-se necessário o acompanhamento e a avaliação longitudinal das ações do sistema de saúde e dos demais setores envolvidos com os determinantes da saúde Xavante. Assim, esta proposta pretende avaliar as ações de enfrentamento da Covid-19 no território Xavante, considerando os atributos essenciais e derivados da atenção primária à saúde, bem como nos demais níveis de atenção acessados pela população.
  • Universidade Federal de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 24/07/2020-23/08/2022
Foto de perfil

Rosana Blawid

Ciências Agrárias

Agronomia
  • diagnóstico de infecções virais em dioscoreáceas das áreas produtoras de pernambuco e paraíba
  • O inhame (Dioscorea spp.) apresenta grande importância socioeconômica, principalmente nas regiões tropicais e subtropicais do mundo, incluindo além da América tropical, a Ásia, África Ocidental e o Caribe. No Brasil, a cultura do inhame é cultivada principalmente na região do Nordeste, destacando-se os estados de Pernambuco e Paraíba, onde constitui-se de um alimento importante para pequenos agricultores e uma fonte de subsistência expressiva. No entanto, a cultura do inhame é ainda considerada negligenciada quanto a estruturação da cadeia produtiva, e pesquisas que visam o melhoramento genético. Por ser uma cultura propagada vegetativamente existe um acúmulo de vírus que vem afetando o aumento da produtividade. Até o presente momento, nove gêneros de vírus foram relatados infectando o inhame. Dentre os vírus que infectam a cultura, os pertencentes aos gêneros Aureusvirus, Badnavirus, Carlavirus, Comovirus, Cucumovirus, Fabavirus, Macluravirus, Potexvirus, e Potyvirus foram os principais relatados. No Brasil os potyvírus Yam mosaic virus e Yam mild mosaic virus, o badnavirus Dioscorea alata bacilliform virus e o secovirus Dioscorea mosaic-associated virus foram relatados infectando inhame. Este projeto visa a diagnose e o desenvolvimento de estratégias de controle através da caracterização molecular dos vírus que infectam o inhame, bem como da caracterização de possíveis proteínas endógenas virais. Para tanto, três instituições nacionais (UFRPE, UnB e o IPA) e uma instituição internacional (DSMZ) pesquisarão em conjunto o estudo da diversidade viral em plantas de campo, de estações experimentais e de acessos de banco de germoplasma visando o melhoramento genético do inhame.
  • Universidade Federal Rural de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosana da Rosa Portella Tondolo

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • transparência e capital social na intenção do gestor de organizações sociais em mobilizar recursos
  • Este estudo tem como objetivo identificar a influência da transparência e do capital social na intenção do gestor de organizações sociais em mobilizar recursos. Para isso, se realizará um experimento no contexto das organizações sociais brasileiras, no qual serão utilizadas vinhetas para simular uma situação de concessão de recursos. Após a apresentação das vinhetas os gestores responderão a um questionário sobre a intenção em mobilizar os recursos. Os dados serão analisados de forma quantitativa. Como resultado espera-se que gestores com maior estoque de capital social estrutural e relacional tenham maior intenção de mobilizar recursos. Além disso, espera-se que o nível de transparência da empresa concessora do recurso financeiro influencie positivamente na intenção do gestor em mobilizar recursos.
  • Universidade Federal de Pelotas - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosana de Freitas Boullosa

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • escola livre em gestão social: formação tecnológica para processos de políticas públicas
  • Este projeto de pesquisa, intitulado Escola Livre em Gestão Social: formação tecnológica para processos de políticas públicas, busca construir e oferecer processos de formação livre e certificada em gestão social, nas modalidades presencial e a distância, por meio de percursos formativos, de natureza tecnológica, que visem, portanto, a transformação e ampliação das suas bases e de seus repertórios de conhecimento aplicado, para públicos específicos formados por praticantes em gestão social e suas áreas temáticas, envolvidos em processos de políticas públicas, inseridos particularmente no Centro-Oeste e Nordeste do país, composto sobretudo por gestores públicos locais, organizações sociais, organizações comunitária, conselhos locais e outras esferas de participação pública institucionalizada ou em vias de institucionalização. As principais áreas temáticas a serem trabalhadas, dentro da sua natureza tecnológica, além da própria gestão social, são: avaliação e monitoramento, elaboração de projetos, implementação de instrumentos de políticas públicas, instrumentos de participação democrática, problemas públicos, desenvolvimento territorial, gestão de conflitos, arte pública, economia do compartilhamento, dentre outros, envolvendo as noções de transversalidade em políticas públicas. Este projeto nasceu foi um dos principais frutos de um projeto de extensão inovadora da Rede de Pesquisadores em Gestão Social (RGS), intitulado Observatório da Formação em Gestão Social: avaliação, ensino-aprendizagem e inovação, também objeto de Bolsa de Produtividade DT (2012-2015) desta mesma proponente, que envolvia, incialmente, 4 Universidades brasileiras: Universidade Federal da Bahia (UFBA, Universidade Federal do Cariri (UFCA, então Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri (UFC)) e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). O projeto do Observatório expandiu-se logo em seguida, englobou novas universidades, sempre no contexto da RGS, com a entrada da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Universidade de São Paulo (USP-EACH), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Universidade Federal do Tocantins (UFT), bem como da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Cada Universidade possuía um grupo de trabalho, sempre sob a coordenação geral desta mesma proponente, até então lotada no Departamento de Administração da Escola de Administração da UFBA (EAUFBA), tendo contado om o apoio financeiro e de bolsas de pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), da UFBA, todos no contexto da coordenação geral, além de apoios variados das demais Universidades Parceira. De modo resumido, este projeto da Escola Livre em Gestão Social: extensão inovadora para o desenvolvimento tecnológico em gestão de processos de políticas públicas, possui duração de 3 anos, e objetiva projetar e oferecer Percursos Formativos em Gestão Social, nas modalidades presencial e a distância, nas áreas temáticas já acima apresentadas, idem para o público. Do ponto de vista do método, na modalidade presencial, tratam-se de duas linhas de ação: uma primeira, mais ampla, intitulada Edições da Escola Livre em Gestão Social, com edições sequenciadas, pelo menos uma semestre, com a participação de todas as parceiras envolvidas no projeto, com duração mínima de 40 horas por edição. Seus Percursos Tecnológicos de Formação em Gestão Social, desenhados como atividades de extensão inovadora, assumem podem assumir os formatos de Ateliês Tecnológicos (preferencialmente, pois possuem a obrigatoriedade de desenvolvimento de um produto individual e/ou coletivo) ou Mini-cursos (sem produção de produtos), organizados por níveis de complexidade baixa, média e alta, como será descrito mais detalhadamente a seguir. E uma segunda, intitulada Encontros Formativos em Gestão Social, voltada para as próprias Universidades envolvidas, de modo a desenvolver competências instrumentais nos alunos de seus respectivos cursos graduação relacionados ao Campo de Públicas (Administração Pública, Gestão de Políticas Públicas, Políticas Públicas, Gestão Pública e Gestão Social), por entender que estes alunos também carecem de repertório instrumental (sobretudo em método), mas também por divulgar internamente as ações dos parceiros e ajudar na formação de suas/nossas equipes locais. Na modalidade a distância, será implementada uma plataforma virtual que oferece um conjunto definido de possibilidades formativas já desenhadas, em gestão social e suas áreas temáticas, para usuários que desejem empreender seus percursos formativos individuais e online a partir de seus próprios perfis e demandas. Os perfis possíveis, construídos a partir do cruzamento de poucas informações, tais como idade, formação pregressa, motivação, interesse específico, tempo semanal disponível (2 às 10 horas), tempo total disponível (de um a três módulos de 12 horas), além de algumas preferências sobre meios de aprendizagem, serão classificados segundo uma matriz de distribuição e sugestão de percursos formativos. Os materiais para a construção dos percursos serão textos, vídeo-aulas de introdução aos temas, sites, dicionários, revistas específicas, referências bibliográficas, estudos bibliométricos, mapeamentos das ofertas formativas existentes em níveis de graduação e pós-graduação, mapeamento de grupos de pesquisa, mapeamento de ementas de disciplinas em gestão social, dentre outros. Por fim, ressalta-se que este novo projeto já nasce com a parceria das mesmas universidades que o iniciaram, além da entrada da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), sempre no contexto da RGS, bem como da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), contando ainda com o apoio da UnB (financeiro e de bolsas) e de recursos próprios das parceiras envolvidas.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Rosana Louro Ferreira Silva

Ciências Humanas

Educação
  • ensino de ciências em articulação com os objetivos do desenvolvimento sustentável: um estudo de caso na rede municipal de são paulo
  • Vide projeto anexo
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Rosana Pereira Vianello

Tecnologias

Tecnologia e Inovação para Agropecuária
  • piramidação de alelos de resistência à antracnose, mancha angular, murcha de fusarium e escurecimento lento em feijão carioca via ferramentas biotecnológicas
  • Vide projeto anexo
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 29/11/2019-30/11/2022
Foto de perfil

Rosana Salles da Costa

Ciências da Saúde

Nutrição
  • insegurança alimentar, rendimentos e despesas familiares no brasil: uma análise de dados na pesquisa de orçamentos familiares – pof 2018
  • O último relatório do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), publicado em setembro de 2018, apresentou a situação de insegurança alimentar (IA) e nutrição no mundo, enfatizando os avanços no monitoramento da fome, da desnutrição e de IA, como parte da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030. As evidências apontaram para aumento da fome em quase todos os continentes nos últimos anos, após um prolongado declínio. De acordo com a FAO, a comparação dos dados de 2014 e 2017 revelam aumento na proporção de IA grave, intimamente relacionada com a fome presente nas famílias, tanto no mundo ( 8,3% para 10,2%, respectivamente), como na América do Sul (5,5% para 8,7%, respectivamente). Uma das hipóteses para o aumento de IA grave seria o aumento no preço dos alimentos e nas despesas com alimentação, como também o desemprego em países da America do Sul, mais acentuado nos últimos 3 anos. Essa hipótese é corroborada com os dados do I Relatório Nacional Voluntário da Agenda de 2030, organizado pelo Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030. Os pesquisadores ressaltaram no relatório o risco que o Brasil teria de aumento da IA, como consequência do congelamento nos gastos governamentais com políticas sociais de combate à fome, e aumento no desemprego no país em função do déficit fiscal acumulado e o descaso com problemas estruturais como a reforma tributária. No Brasil, desde 2003 a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA) é a ferramenta utilizada para aferir IA, em estudos populacionais. Trata-se de instrumento validado em território nacional, com base na escala norte-americana de aferição de IA. Até 2013, a estimativa de IA no âmbito nacional era feita pelo IBGE na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). A sequência das três últimas PNADs (2004, 2009 e 2013) permitiu identificar sua redução no país. Em 2004, 34,9% das famílias brasileiras conviviam com algum grau de IA, das quais 6,9% tinham IA grave. Em 2013, IA reduziu para 22,6% das famílias, entre as quais apenas 3,2% conviviam com IA grave. Recentemente, o IBGE adotou a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) para avaliar IA pela EBIA, com o intuito de relacionar as despesas e rendimentos familiares, além do consumo individual, com a medida de IA. Esse avanço, inédito no país, será primordial para avaliar dimensões pouco exploradas das causas relacionadas com o desfecho, principalmente após a crise econômica que o país vivencia nos últimos anos. Outro ponto importante da medida de IA na POF consiste em avançar em estudos psicométricos da EBIA, revisitando os pontos de corte para classificação dos níveis Isso será possível em função da interface da EBIA com outras dimensões avaliadas na POF e que não eram aferidas na PNAD (qualidade de vida, consumo alimentar individual e familiar, despesas familiares entre outros). Com base no exposto, o projeto se insere com a proposta de realizar dois subprojetos, simultaneamente, com os seguintes objetivos: (i) a análise da associação entre IA, rendimentos e despesas familiares e (ii) preencher lacunas nas análises psicométricas da EBIA, ambos estudos considerando os microdados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2018 .
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022