Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Victor Satoru Saito

Ciências Biológicas

Ecologia
  • impactos ecológicos de contaminantes agrícolas em sistemas aquáticos: uma abordagem de mesocosmos
  • Os recursos hídricos e a biodiversidade de sistemas aquáticos estão sob forte ameaça com a expansão agrícola dos últimos anos. Dentro desta expansão é possível destacar a intensificação da cultura de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo, onde diferentes contaminantes deverão ter cada vez mais contato com os ecossistemas aquáticos. Apesar de conhecermos relativamente bem os impactos toxicológicos na sobrevivência de organismos modelo, ainda carecemos de informações para níveis ecológicos de comunidades e ecossistemas. Para diminuir esta lacuna propomos uma série de experimentos de mesocosmos, onde iremos simular a contaminação por compostos ricos em nutrientes e com potencial eutrofizante (e.g. vinhaça), bem como por pesticidas com potencial de causar alta mortalidade de consumidores primários (e.g. fipronil). Nosso intuito é replicar em sistemas controlados a contaminação pelos dois grupos principais de contaminantes e testar predições específicas de como cada um altera as comunidades planctônicas e o metabolismo dos sistemas. Esperamos que cada contaminante tenha uma assinatura própria quando comparamos a composição zooplanctônica antes e após o impacto pelos contaminantes, que será caracterizada segundo os componentes da diversidade beta temporal. Nossa predição é que a contaminação por compostos ricos em nutrientes irá gerar diversidade beta temporal composta pela troca de espécies de zooplâncton sensíveis por espécies resistentes ao ambiente eutrofizado. Já a contaminação por pesticidas, deve gerar uma comunidade que é um subconjunto da comunidade íntegra, onde todas as espécies serão afetadas negativamente e consequentemente as espécies menos abundantes terão maiores chances de extinções locais. Nós iremos testar ainda predições de como essa resposta diferenciada para diferentes contaminantes afeta o metabolismo dos sistemas de forma singular. Com a contaminação por nutrientes esperamos que a produtividade aumente em conjunto com a respiração ecossistêmica. Já com o pesticida, esperamos que a produtividade bruta em si não seja afetada, mas a respiração zooplanctônica seja reduzida, refletindo a menor atividade da comunidade de consumidores que sofreu alta mortalidade. Nosso projeto possui o potencial de desvendar como diferentes contaminantes agrícolas causam mudanças em comunidades que acabam refletindo em processos ecossistêmicos, auxiliando no diagnóstico e manejo de sistemas aquáticos continentais.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Victor Silva Corrêa

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • capital social e empreendedorismo em estágio inicial: a importância do capital social offline e online à criação e ao desenvolvimento de empreendimentos com até 42 meses de existência
  • O Brasil pode ser considerado um país empreendedor. De cada 100 brasileiros em idade produtiva, 36 deles desenvolvem alguma atividade autônoma (GEM, 2018). Se se considerar a população do país, cerca de 50 milhões de brasileiros possuem algum empreendimento. Destes, 26 milhões, mais de 50% do total, são empreendedores em “Estágio Inicial”, isto é, administram novo negócio por até 42 meses. No entanto, na esteira destes dados positivos reside, ao mesmo tempo, a manifestação de cenário ainda hoje desolador. Grande parte dos empreendedores no Brasil fecha as portas nos primeiros anos de existência. Com efeito, segundo dados do IBGE (2018), cerca de 60% dos empreendimentos encerram as atividades até o 5º ano de funcionamento. Este projeto de pesquisa insere-se justamente na essência deste contexto. Procura investigar como ocorre o desenvolvimento de empreendimentos em estágio inicial, ampliando a compreensão de fatores relacionais, ainda hoje pouco explorados pela literatura da área, que impactam sua sobrevivência. Buscar-se-á isto através da apropriação de duas abordagens teóricas de natureza estrutural-relacional, integrando-as. A primeira oriunda da literatura clássica sobre Capital Social no contexto offline. A segunda, por sua vez, advém do Capital Social online – isto é, dos recursos imersos nas redes sustentados pelos empreendedores nas mídias sociais –, altamente emergente e ainda hoje inexplorado por pesquisadores da Administração no Brasil. A estratégia de pesquisa será qualitativa de natureza descritiva, com emprego do método de estudo de casos múltiplos. As Unidades de Observação serão compostas por empreendedores do setor de serviços, que representa 70% do PIB Nacional e é responsável por 64% dos empreendedores em estágio inicial no Brasil, cerca de 19 milhões de pessoas. À coleta de evidências será empregada três técnicas de coleta de dados, sendo duas qualitativas (entrevista semiestruturada em profundidade e documentação) e uma quantitativa (entrevista estruturada), triangulando-as. Espera-se que resultados de pesquisa permitam contribuições teóricas e empíricas. No âmbito teórico, ao projetar luzes para novas reflexões derivadas da associação, aqui enfatizada, entre capital social offline e online. No contexto empírico, ao permitir subsídios capazes de fomentar e aprimorar o desenvolvimento de programas de formação e iniciação empresarial, em particular aqueles desenvolvidos por entidades de apoio e de capacitação empresariais. Salienta-se que este projeto possui a colaboração e parceria de pesquisadores das seguintes Instituições de ensino e pesquisa: Universidade Paulista – UNIP, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-MG, Universidade Federal de Goiás – UFG, Universidade do Estado de Santa Catarina – Udesc e Universidade Federal de São João del-Rei – UFSJ.
  • Universidade Paulista - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Victor Ströele de Andrade Menezes

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • plataforma baseada em reuso para suportar um ecossistema de software para sistemas de recomendação
  • Os Sistemas de Recomendação (SR) buscam apresentar informações relevantes para os usuários no momento do consumo. A necessidade de recomendar recursos em diferentes domínios de aplicação e a necessidade do desenvolvimento de soluções focadas no reuso de componentes de SR, criam um cenário interessante para adoção de soluções na perspectiva de um Ecossistema de Software (ECOS). Um ECOS para SR deve permitir, além da interação entre atores e tecnologia, a integração com outros sistemas e plataformas que suportem outros ECOS. Através da proposição de uma plataforma tecnológica que suporte um ECOS, é possível auxiliar pesquisadores na compreensão acerca das diferentes maneiras que as organizações se relacionam. Ao aplicar a perspectiva ECOS em um domínio específico é possível centralizar os requisitos para o desenvolvimento de soluções, facilitando o reuso, criação e evolução de técnicas e abordagens específicas. A granularidade das soluções em SR, sem a possibilidade da definição de padrões de arquiteturas, aliada aos benefícios relacionados ao reuso e compartilhamento de técnicas e abordagens para SR, demonstra a necessidade de desenvolvimento de uma plataforma tecnológica, onde seja possível criar novas soluções, usufruir das soluções existentes e incentivar pesquisas nas duas principais áreas de estudo deste projeto, Sistemas de Recomendação e Ecossistema de Software. Desta forma, o problema abordado por este projeto é a integração dos variados métodos, técnicas e abordagens de SR existentes de maneira sistemática e centralizada, sendo possível facilitar a implementação de novas soluções em SR, e ainda promover o reuso e compartilhamento destas soluções e também a colaboração entre os atores envolvidos. O objetivo geral deste estudo é propor uma plataforma tecnológica para suportar um ecossistema de software para recomendação de recursos a usuários, permitindo a integração entre suas soluções e de outros ECOS e ainda facilitar o desenvolvimento, reuso e compartilhamento destas soluções em SR. A avaliação do produto desenvolvido por este projeto se dará em duas etapas. Primeiro, Estudos de Viabilidade serão definidos e conduzidos para validar a tecnologia utilizada e a arquitetura do ECOS. A seguir serão conduzidos Estudos de Caso em contextos reais de utilização, considerando diferentes domínios de aplicação.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Victor Túlio Ribeiro de Resende

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • um estudo comparativo do papel dos vasos sanguíneos sobre a regeneração de nervos centrais e periféricos: conhecimento básico aplicado a bioengenharia.
  • Diferenças no potencial regenerativo do sistema nervoso periférico se comparado ao sistema nervoso central são conhecidos há décadas, sendo que nos últimos dez anos houve um grande avanço na caracterização de mecanismos e fatores responsáveis por essas diferenças. Após um trauma compressivo, nervos periféricos tem a capacidade de regenerar seus axônios a longa distâncias com alta probabilidade de formação de novas conexões apropriadas. Nervos do sistema nervoso central por sua vez, não têm a mesma eficiência visto que fatores intrínsecos e extrínsecos bloqueiam a capacidade dos neurônios de regenerar seus axônios. Fatores intrínsecos incluem o controle da expressão gênica e consequentemente ativação ou bloqueio de vias de sinalização neuronais tais como, PI-3 cinase/AKT, MAPK e a via de Rho cinase. Fatores extrínsecos incluem o ambiente no qual os neurônios estão contidos, isto é, as proteínas da bainha de mielina, características biológicas das células gliais (embainhantes ou não) e a organização e composição da matriz extracelular. A degeneração Walleriana (conjunto de eventos celulares que ocorrem após o rompimento de axônios) do SNP é mais rápida e por esse motivo tem eficiência superior a do SNC. No entanto, alguns eventos celulares relacionados com a regeneração central e periférica, têm sido negligenciados ao longo desses anos. Células que compõe os vasos sanguíneos, isto é, células endoteliais e musculares lisas estão desde o desenvolvimento do sistema nervoso, associadas direta ou indiretamente aos neurônios centrais e periféricos. Isso sugere que a interação entre esses tipos celulares e células neuronais possa mediar, juntamente com os componentes citados acima, a eficiência regenerativa do sistema nervoso. O bloqueio farmacológico ou o impedimento genético do crescimento dos vasos sanguíneos impede a formação de padrões corretos durante o desenvolvimento do SN. Uma vez que, muitos mecanismos moleculares que ocorrem durante o desenvolvimento podem ser recapitulados durante a regeneração do SN, há grande probabilidade de envolvimento de células vasculares com processos regenerativos do SNC e SNP. Potenciais diferenças nessa interação nas duas regiões do sistema nervoso, poderiam refinar a explicação sobre as diferenças entre a regeneração central e periférica. Sendo assim, esse projeto de pesquisa tem como objetivos principais, entender os mecanismos celulares e moleculares que envolvem células neurais e células vasculares durante a regeneração do sistema nervoso e a geração de uma estratégia experimental para viabilizar a regeneração do SNC a partir desse conhecimento básico.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vidal de Freitas Mansano

Ciências Biológicas

Botânica
  • sistemática, morfologia e filogenia de angiospermas
  • Vide projeto anexo
  • Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 28/01/2020-27/01/2025
Foto de perfil

Viktor Henrique Carneiro de Souza Chagas

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • a política dos memes e os memes da política: podem os memes políticos e sobre a política conformar experiências de letramento político? clima de opinião, espiral da superficialização e brincadeira política nas mídias sociais
  • A presente investigação procura empreender pesquisa atuante na interseção dos estudos de internet e culturas políticas, com ênfase no campo da comunicação política. Conferindo atenção aos modos de engajamento que privilegiam o envolvimento casual e a brincadeira política, a pesquisa analisa o papel dos memes políticos e da conversação informal sobre política entre internautas, e está direcionada a avaliar as transformações no debate político a partir de um cenário que apresenta simultaneamente (a) a entrada de novos públicos no mercado de discursos públicos, e (b) mudanças de grande vulto na apropriação cotidiana de novas mídias sociais por camadas do público que apenas recentemente se familiarizaram com a dimensão formal da política. Por esta razão, aplicando os memes como proxy, procura-se compreender em que medida as tecnologias digitais possibilitam que se reconheça novas formas de atuação política empreendidas pelo cidadão comum, e que efeitos esses modos de engajamento casual produzem sobre o universo formal da política. Nossa hipótese é de que os memes operam através do dispositivo da brincadeira (play) para oportunizar uma experiência de letramento político. A pesquisa parte de um quantitativo expressivo de dados recolhidos em períodos eleitorais (2014, 2016, 2018 e 2020) e fora deles, em episódios de protestos políticos ou controvérsias expressas nas mídias sociais. A expectativa é de que, com a análise desses conteúdos, possamos estabelecer parâmetros e construir indicadores para análises históricas e comparativas, como hoje desenvolvem pesquisadores sobre o HGPE.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vilma Regina Martins

Ciências da Saúde

Medicina
  • inct de oncogenômica e inovação terapêutica
  • O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Oncogenômica e Inovação Terapêutica, INCiTO-INOTE. continuará a dar suporte ao programa científico estabelecido pelo INCiTO, explorando a via de mão-dupla conhecida como bench-to-bedside com o intuito de enfrentar os desafios que ainda hoje são limitantes para prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer. O Instituto utilizará de sua larga experiência em genética, “ômicas”, bioinformática e biomarcadores para focar em áreas onde pode ser internacionalmente competitivo e adicionar contribuição relevante para ciência e inovação em oncologia. O estudo de Síndromes de Câncer Hereditário (SCH) foi uma das principais áreas abordadas no INCiTO. Como continuidade, nesta proposta serão potencializados os esforços no sentido de investigar os aspectos clínicos, epidemiológicos e moleculares dessas síndromes. A busca de novos genes de susceptibilidade ao câncer será conduzida com o intuito de assistir adequadamente o grande percentual de pacientes, particularmente mulheres, negativas para mutações nos genes conhecidos, mas que seguramente são portadoras de alterações genéticas que levam ao aumento do risco de desenvolvimento de tumores. O INCiTO-INOTE pretende ainda investigar um grupo de cânceres pouco conhecido genética, molecular e epidemiologicamnete, os tumores raros que, juntos, representam cerca de 25% de todos os casos de câncer. Estes tumores apresentam pior prognóstico quando comparados a tumores mais frequentes, fato esse devido ao conhecimento limitado de sua biologia e da falta de estudos clínicos que possam aumentar a eficiência do tratamento. A falta de estudos epidemiológicos nacionais sobre este tema faz com que o impacto destas doenças na nossa sociedade seja desconhecido. Neste aspecto, o objetivo do INCiTO-INOTE é criar a Iniciativa Brasileira em Tumores Raros (BIRT) e apoiar o Grupo Latino Americano de Câncer Renal (LARCG) para organizar o que poderá ser uma das maiores coortes de tumores raros do mundo. O primeiro banco de xenotransplantes de tumores raros na América do Sul será estabelecido, permitindo a condução de ensaios pré-clínicos e a definição de tratamentos mais eficientes. Desta forma, o estudo destes tumores oferece uma oportunidade ímpar no sentido de trazer melhorias no tratamento do paciente e produzir conhecimento de vanguarda. O INCiTO-INOTE tem ainda por objetivo estudar a resistência ao tratamento do câncer, um dos principais desafios na oncologia atual. A ausência de biomarcadores de resistência a drogas nos diferentes tumores é um empecilho no seu tratamento e, eventualmente, expõe os pacientes a agentes tóxicos ineficazes, diminuindo sua qualidade de vida e aumentando os custos do tratamento oncológico. O INCiTO-INOTE vai concentrar-se na identificação de biomarcadores de resposta terapêutica em biópsias líquidas, obtidas de pacientes durante o tratamento oncológico. Essas informações serão reunidas e integradas, e terão uma importância impar na identificação e validação de potenciais biomarcadores. Adicionalmente, o INCiTO-INOTE participará de uma rede com o INCT para DIAGNÓSTICO EM SAÚDE PÚBLICA promovendo transferência de tecnologia e a nacionalização dos principais testes genéticos de diagnóstico, a fim de reduzir os custos e a dependência dos produtos importados e, ao mesmo tempo, ampliar o número de pacientes oncológicos com acesso à medicina personalizada. Numa parceria com o INCT Open-Access Medicinal Chemistry Centre (OpenMedChem) e com o Instituto Nacional de Biologia Estrutural e Bioimagem (INBEB) será possível conduzir a caracterização funcional de produtos gênicos mutados associados a Síndromes de Câncer Hereditário e tumores raros. Durante o programa do INCiTO, foi estabelecida uma plataforma para avaliação de microbioma, estudando os efeitos causados pelo álcool e tabaco na mucosa oral e na disbiose em carcinoma de reto. Uma parceria foi estabelecida com a NEOPROSPECTA, uma empresa de biotecnologia focada em genômica e bioinformática, para complementar os estudos do grupo, incluindo análise de protozoários, fungos e vírus e seus possíveis papéis como novas entidades etiológicas envolvidas com o desenvolvimento de tumores. Uma empresa start-up da Universidade Federal do Paraná "Imunova Análises Biológicas LTDA" estará envolvida na geração de reagentes imunobiológicos, incluindo anticorpos monoclonais a serem empregados tanto na rotina de diagnóstico convencional (imuno-histoquímica e citometria de fluxo) bem como serão acopladas a bioeletrodos para detectar antígenos tumorais por dispositivos eletroquímicos (projeto colaborativo com o Instituto SENAI de Eletroquímica, Curitiba, Paraná). Uma parceria com a “Roche-Ventana”, permitirá ainda o desenvolvimento de ensaios de imunohistoquímica e FISH para diagnóstido. O INCiTO-INOTE fará parceria também com o INCT na Óptica Básica e Aplicada para Ciências da Vida para conduzir testes clínicos e validar dispositivos baseados em fotônica para melhoria do diagnóstico e tratamento do câncer com soluções de baixo custo. O INCiTO-INOTE também atuará na formação de estudantes, professores e profissionais nos diferentes níveis. Inúmeras atividades de disseminação estão sendo propostas incluindo a educação de pacientes e da sociedade na pesquisa do câncer e sua prevenção, cursos pa ra professores e alunos da rede publica, entre outros. Nossa proposta é promover o potencial tecnológico na compreensão e adoção de conceitos de medicina precisa e produtos para o benefício dos pacientes oncológicos e sociedade.
  • Fundação Antônio Prudente - SP - Brasil
  • 23/11/2016-30/11/2022
Foto de perfil

Vilma Sousa Santana

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • contribuição de fatores de risco ambientais e ocupacionais para o adenocarcinoma gástrico
  • O câncer de estômago (CE) é uma das neoplasias mais comuns em todo o mundo, especialmente o adenocarcinoma gástrico (AdG). Os seus fatores de risco conhecidos, de maior expressão epidemiológica como revelada pela fração atribuível, são o H. Pylori, tabagismo e baixo status socioeconômico, além da idade acima de 45 anos, sexo masculino, dieta com alta ingestão de sal e conservantes, sedentarismo, obesidade e antecedentes familiares (Karimi et al, 2014; Forman e Burley, 2006). Todavia, vários estudos vêm demostrando que exposições ocupacionais podem ter um papel importante entre as causas do CE. Evidência disso, trabalhadores da agricultura (incluindo pecuária, silvicultura, pesca e outros conforme a Classificação Brasileira de Atividades Econômica, CNAE) têm até duas vezes maior incidência e mortalidade por CE quando comparados aos demais trabalhadores ou à população geral, em outros países (Santibañez et al, 2012; Forman e Burley, 2006; Cocco et al, 1996) e também no Brasil (Chrisman et al., 2008; Meyer et al., 2003). Embora trabalhadores da agricultura estejam expostos a fatores de risco relacionados às condições socioeconômicas e de estilo de vida, o papel de exposições ocupacionais, a exemplo de agrotóxicos, isolada ou em combinação com outros fatores conhecidos para o CE, requerem estudos apropriados. O Brasil, principal produtor de alimentos de origem agropecuária, é o maior consumidor e o 3º. maior produtor de agrotóxicos no mundo. Todavia, há pouca conformidade com as normas e recomendações nacionais ou internacionais de uso seguro e garantia de proteção contra contaminação e exposição. Estudos com populações circunscritas de agricultores mostram que as prevalências de exposição a agrotóxicos baseadas em auto relatos variam de 42% a 74.8% (Campos et al., 2016; Piccoli et al., 2016; Nishyama 2003), com níveis ainda mais elevados quando se empregam marcadores biológicos de agrotóxicos do grupo de organoclorados (Cremonese et al. In press) que são biopersistentes. Exposição a outros compostos químicos variam, com maiores prevalências para Isoxazolidinone (80,0%), dinitroanilina (77,3%), dicarboximida (68,2%), piretróides (60,8%) dentre outros (Campos et al, 2016). Em uma revisão recente (Almeida, 2018) verificou-se que fatores ocupacionais para o CE em agricultores são o uso de agrotóxicos com Brometo de Metila® (Barry et al., 2012), Clordano®, 2,4D®, Propargite® e Trifluralina® (Mills e Yang, 2007), herbicidas (Saftlas et al., 1987), cultivo de azeitonas (Settimi et al., 2001), cítricos (Mills e Kwong, 2001), na produção de leite e criação de gado (Burmeister et al., 1983). O uso de agrotóxicos por 10 anos ou mais (Forastiere, 1993) ou 14 anos ou mais de trabalho na agricultura (Mills e Kwong, 2001) se associaram com o CE, apoiando essa hipótese. Todos esses achados resultam de análises exploratórias e, portanto, não conclusivas. Pretende-se nesse estudo identificar fatores de risco ocupacionais para o CE, focalizando a atividade na agricultura e outras ocupações de exposição potencial a agrotóxicos, empregando-se modelos multicausais que integram componentes sociais, comportamentais e biológicos (genômica) empregando-se diagramas acíclicos causais. Este Sub-Projeto compõe o Projeto “Epidemiologia e Genômica de Adenocarcinomas Gástricos no Brasil”, estudo caso-controle multicêntrico, de base hospitalar, com 900 casos e dois grupos controle de 1150 sujeitos cada, conduzido em parceria de várias instituições nacionais e estrangeiras. A coleta de dados está em curso em Fortaleza, Belém e São Paulo. Planeja-se introduzir um centro na Bahia, com recrutamento de sujeitos em duas unidades oncológicas hospitalares do SUS, em Vitória da Conquista e Feira de Santana, para onde convergem trabalhadores rurais. A coleta de dados será realizada com questionário específico aplicado de modo cego a casos e controles, para identificação de trabalhadores potencialmente expostos a agrotóxicos e, dentre esses, o detalhamento da experiência de exposição com base em instrumentos empregados em outros estudos (Brower et al, 2016; Blanco-Romero et al., 2011) considerando-se o tipo de cultivo e tarefas de trabalho (Brower et al, 2014) e as substâncias químicas prevalentes no país como o glifosato, malathion, DDT e outros organoclorados, organofosforados, piretróides, dentre outros. Esses questionários serão testados para avaliação da adequação da linguagem e validade, e poderão ser incluídos para os novos sujeitos do estudo dos demais centros. As características específicas destas exposições, como tempo, duração, frequência e intensidade e outras exposições de interesse como poeiras, gases de escape de máquina agrícola, e residência em área rural serão consideradas. Esse estudo aproveita a oportunidade única de integrar um Projeto Multicêntrico de Caso-Controle sobre ADG, em curso no país, que focaliza fatores de risco sóciodemográficos, de estilo de vida, consumo de medicamentos, H. pilory, dentre outros aspectos, além da genômica, ao incorporar entre esses, determinantes ambientais e ocupacionais, com foco no trabalho agropecuário e exposição a agrotóxicos. Assim, permitirá a análise simultânea de dados biológicos de susceptibilidade genética, obtidos com técnicas e tecnologia de ponta custosas, possível por integrar várias instituições, para a análise de fatores ambientais e ocupacionais para o CE. Trabalhadores da agricultura representam expressivo grupo de trabalhadores, aproximadamente 15 milhões no Brasil (15%) e a exposição a agrotóxicos, muitos deles cancerígenos, é comum e ainda negligenciada pelas políticas e programas de saúde do trabalhador.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vilma Terezinha de Araújo Lima

Ciências Humanas

Geografia
  • a construção do conhecimento ambiental no ensino básico nas escolas públicas em manaus
  • Vide projeto anexo
  • Universidade do Estado do Amazonas - AM - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Vimieiro Gomes Ana Carolina

Ciências Humanas

História
  • história da genética humana no brasil: o caso do departamento de genética da universidade federal do rio grande do sul, 1950-2010
  • O presente projeto de pesquisa se insere em uma agenda de investigações que vem tratando da história dos estudos científicos sobre a diversidade biológica humana e o desenvolvimento da genética na segunda metade do século XX. Propõe-se analisar a história da genética humana no Brasil a partir da formação do grupo de geneticistas atuantes no Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A pesquisa parte de entrevistas realizadas com 8 pesquisadores do grupo, buscando analisá-las segundo os seguintes temas: raça e variação biológica humana, genética médica, trajetória/biografia científica, gênero, atores invisíveis na ciência, redes de conhecimento, formação científica e consolidação de um grupo de pesquisa, práticas de pesquisa de campo, mudanças nos procedimentos éticos de pesquisa em populações, interdisciplinaridade na genética. Serão também realizadas entrevistas complementares e levantadas fontes documentais sob guarda do Museu da Genética da UFRGS. Pretende-se discutir a contribuição desse grupo de geneticistas para o desenvolvimento da genética humana no Brasil e o seu papel no cenário científico internacional, sobretudo nos debates científicos sobre a variação biológica humana desde os anos 1950. Almeja-se que os resultados da pesquisa e as análises dela decorrentes sejam divulgados em livro e nos formatos da plataformas de humanidades digitais.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022