Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vania Zanella Pinto

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • uso de extrato de erva mate nanoencapsulado no desenvolvimento de embalgens para alimentos
  • No projeto “Uso de extrato de erva mate nanoencapsulado no desenvolvimento de embalgens para alimentos” objetiva-se encapsular extrato de erva mate (Ilex paraguariensis) usando sistema blow spinning de formação de nanofibras e aplicar as fibras contendo extrato de erva mate como recobrimento em bandejas biodegradáveis e como cobertura ativa em frutas in natura. O projeto está divido em três Estudos a serem executados durante os três anos de vigência. No Estudo I objetiva-se encapsular extrato de erva mate empregando sistema blow spinning e diferentes polímeros como material de parede e, avaliar a eficiência de encapsulação e caracterizar os materiais nanoencapsulados. As variáveis independentes serão tipo de polímero, que apresenta 4 sub-níveis (Amido:PVA, Amido:PEO, PVA, PEO) e concentração do extrato de erva mate com quatro sub-níveis (0, 10, 25 e 50 mL/100g), totalizando 16 tratamentos. As variáveis dependentes (respostas) consistem na avaliação das propriedades da solução polimérica (viscosidade e condutividade elétrica) e solubilidade em água e em ácido das nanofibras obtidas, bem como eficiência de encapsulamento (EE), a sua estabilidade térmica (DSC, TG), estrutura química (FTIR-ATR), morfologia verificada com microscópios, atividade antimicrobiana e concentração inibitória mínima (CIM) e compostos fenóis totais, além da caracterização prévia do extrato. No Estudo II objetiva-se recobrir bandejas expandidas de amido e celulose/nanocelulose com extrato de erva mate nanoencapsulado. A produção das bandejas será estudada variando-se a concentração amido (10, 15, 20 e 25 g/100 mL solução) e a concentração de fibras de celulose (0, 10, 15, 25 e 50 g/g de amido), totalizando 16 tratamentos. As bandejas serão caracterizadas e recobertas com nanofibras contendo extrato de erva mate (Estudo I) empregando o material que apresentou maior teor de compostos fenólicos e atividade antimicrobiana. As respostas serão cor, morfologia, espessura e densidade, absorção de água, propriedades mecânicas, propriedades térmicas (DSC, TG), estrutura química (FTIR-ATR), atividade antimicrobiana e concentração inibitória mínima (CIM) e degradabilidade. No Estudo III objetiva-se aplicar cobertura ativa com nanofibras contendo extrato de erva mate (Estudo I) para ampliar a vida útil de frutas de mamão papaia in natura. As frutas serão caracterizadas, no início e durante 40 dias de armazenamento. As avaliações nas frutas serão massa fresca e incidência de podridão, coloração dos frutos, sólidos solúveis (SS), acidez titulável (AT) e a relação SS/AT, pH, firmeza e compostos fenólicos. Assim ao final, almeja-se instalar uma estação de blow spinning, desenvolver nanofibras ativas e obter produtos tecnológicos, tais como bandejas biodegradáveis de amido expandido e coberturas ativas para frutas.
  • Universidade Federal da Fronteira Sul - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanilton Camilo de Souza

Ciências Humanas

Geografia
  • os erros conceituais e didáticos nos livros de geografia do ensino médio e nas práticas docentes: processos de retificação e mediação didática
  • A proposição desse projeto é desdobramento, por um lado, da Tese de Doutorado defendida em 2009 ocasião em que se postulou sobre a importância da mediação didática e da retificação do erro como conceitos capazes de promover significativa e qualitativamente a formação inicial do professor de Geografia. E, por outro lado, da investigação realizada em pós-doutoramento em 2014 quando analisou-se a primazia de erros conceituais próprios da Geografia e os erros didáticos presentes nas atividades de Estágio Curricular dos Licenciandos de Geografia e Pedagogia. Os argumentos dessas investigações fundamentaram-se nos postulados de Vigotski e Bachelard apontando que tanto o conceito de mediação didática quanto o conceito de retificação dos erros teóricos e conceituais da Geografia Escolar são dimensões capazes de permitir ações didáticas ao processo de construção do conhecimento por parte dos alunos da licenciatura, por se referirem às dimensões epistemológicas dessa construção. O conceito de mediação didática é uma tarefa que se tem debruçado desde 2007 quando iniciou-se, isoladamente, os estudos de Vigotski e, a partir de 2008, esses estudos ocorrem no Grupo de Estudos sobre Vigotski para o Ensino de Geografia. Diferentemente, os estudos sobre Gaston Bachelard no Ensino de Geografia, especificamente os relativos à retificação do erro como dimensão capaz de superar os obstáculos epistemológicos presentes na formação do professor de Geografia tem ocorrido isoladamente. Um curto diálogo ocorreu com um grupo de Didática das Ciências da Universidade de Sevilla, por ocasião do doutorado sanduiche desenvolvido nessa universidade e que tinham em Bachelard e, especificamente, a categoria erro, como rica dimensão didática para essa área do ensino. Através desse grupo, acessou-se as produções do francês Pierre Astolf, quem primeiro sistematizou as contribuições do erro no Ensino de Ciências. No Brasil, esses fundamentos didáticos são bastante incorporados no ensino dessa disciplina. Sob as inspirações de Bachelard (1968, 1996, 2004) e Astolf (2003, 1994, 1988) foi desenvolvido o pós-doutoramento na USP, momento em que, juntamente com a supervisora do programa da Faculdade de Educação dessa universidade, desenvolvemos uma metodologia de retificar os erros teóricos e didáticos da Geografia Escolar, detectados durantes os Estágios desenvolvidos nas escolas pelos licenciandos de Geografia e Pedagogia. Naquele momento, compreendíamos que os caminhos para retificar os erros detectados nesses estágios era, promover a mediação didática na construção do conhecimento profissional desses professores (SOUZA & CASTELAR, 2016). Os resultados dessa investigação apontaram, por um lado, que durante o desenvolvimento do estágio, os licenciando conseguiam perceber os erros (tanto os teóricos quanto os didáticos) sobre a Geografia Escolar durante o processo de planejamento. Nesse ato de planejar, era perceptivo algumas capacidades de retificar os erros e, com isso, definir outros encaminhamentos de aulas mais adequados. A pesquisa apontou, por outro lado, uma maior dificuldade de perceber os erros didáticos e conceituais da Geografia Escolar nas práticas de ensino. Naquele momento, nosso foco era essencialmente nas atividades de planejamento pois não tínhamos logística para acompanhar os estagiários na sua prática durante o estágio. No entanto, nas discussões com os licenciando eles apontavam para a dificuldade tanto de perceber tais erros como de retificá-los, a saber: dificuldade de superar o modelo de aula baseada na transmissão do conhecimento e dificuldade de exercer maior autonomia sobre os textos de livros didáticos. Em decorrência dessas investigações sobre a relevância de se tomar os erros relativos às nossas práticas profissionais no ensino de Geografia e a necessidade de retificá-los, temos dois desdobramento que jugamos importantes: o primeiro é o de reforçar o papel da mediação didática nos processos de aprendizagem dos alunos; o segundo diz respeito os desenvolvimento da Didática da Geografia a qual consideramos um campo epistêmico muito importante na formação do professor e nas práticas de ensino dessa disciplina. Em função dessa relevância por um lado e a necessidade de ampliarmos a investigação nas práticas de ensino, é que propomos esse projeto. O problema dessa proposta assenta-se no seguinte entendimento: as dificuldades de percepção e retificação de erros conceituais e didáticos de Geografia vivenciados pelos licenciandos em sua formação inicial estão presentes nas práticas de ensino de docentes de Geografia que já possui experiências na sala de aula? Que concepções de ensino e aprendizagem de Geografia estão presentes na prática do professor de Geografia? Quais os obstáculos conceituais e didáticos oriundos dos livros didáticos usados pelo professor de Geografia nas escolas? Que erros teóricos, conceituais e didáticos estão presentes ou são induzidos pelo livro didático? Que elementos da prática do professor de Geografia apontam para metodologias mediadoras na construção do conhecimento capazes de retificar os erros conceituais e didáticos? Que relação se estabelece entre as teorias educacionais, as teorias geográficas e os fundamentos da Didática da Geografia no processo de construção de uma metodologia de ensino coerente com o que se pensa e com o que se ensina, tendo em vista as atividades didáticas desenvolvidas pelos professores nas suas práticas de ensino tendo como referência o livro didático? Qual a conexão possível entre tais fundamentos no contexto dessas práticas docentes? As conexões retificam os erros e mobilizam a construção do pensamento geográfico por parte do aluno?
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vanina Macowski Durski Silva

Engenharias

Engenharia de Transportes
  • logística portuária: análise, modelagem matemática e simulação de operações visando a melhoria da eficiência operacional
  • Com a nova organização mundial, baseada na constituição de mercados globais, exige-se a criação de sistemas logísticos eficientes, capazes de escoar a produção para os mercados externos. Assim, os portos, como agentes de transporte, devem ser analisados como um elo extremamente importante na integração do mercado nacional e global e, a sua modernização encontra-se entre as principais ações a serem desenvolvidas no plano de redução dos custos nacionais, bem como no aumento das exportações. O Brasil, por apresentar características que o destacam no setor marítimo e fluvial, por possuir 7.408 km de fronteira com o Oceano Atlântico (principal porta de entrada e saída de cargas para o mundo) e devido ao ganho de escala e ao baixo custo, apresenta o modal aquaviário com a maior quantidade de carga escoada do país para o exterior. Assim, é imperativo a reestruturação do sistema portuário, tornando-se crucial analisar e avaliar o desempenho dos portos/terminais para melhorar e ampliar a importância e o desenvolvimento de uma região ou país. A análise dos portos/terminais brasileiros bem como dos agentes envolvidos na atividade do transporte aquaviário (sejam as indústrias, os operadores portuários, navegadores, etc.) é vital para o desenvolvimento regional e nacional, visto que os portos são entrada e saída para conexões com o mercado e, desse modo, a ineficiência ou gargalos apresentados nas operações logística-portuárias poderão tornar-se impedância para o desenvolvimento brasileiro. Em decorrência desse enfoque, a linha mestra desta proposta pode ser resumida da seguinte forma: desenvolvimento de métodos de modelagem matemática e de simulação associados à logística portuária (incluindo-se as operações de transporte marítimo), que permitam realizar uma análise comparativa entre os portos/terminais brasileiros e alguns internacionais, no tocante à eficiência operacional no intuito de reduzir condições indesejadas bem como custos elevados.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Varlei Rodrigues

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • desenvolvimento de (bio)sensores baseados em filmes poliméricos nanoestruturados com nanopartículas metálicas embebidas
  • A detecção específica de espécies relevantes, biológicas ou para monitoramento ambiental, com sensibilidade e seletividade cada vez maiores é um desafio importante nas ciências fundamentais e aplicadas. Intensos trabalhos de pesquisa introduziram nos últimos anos vários métodos para a detecção óptica de biomoléculas através de Raman, fluorescência ou espectroscopia de ressonância plasmônica de superfície. Devido a sua estreita largura espectral e forte amplificação de campos elétricos locais, o plasmon de superfície de nanopartículas (NPs) de metais nobres tem sido usado para melhorar a detecção até o nível da detecção de uma partícula única. Tem sido reportadas medidas SERS de rodamina usando substratos de NPs de Au em polímero, os detalhes da interação não são claros, principalmente devido à dificultade de controlar a distância entre NPs e molécula. Além disso, foram observadas grandes diferenças na amplificação e na resolução espectral das medidas. Apesar de recentes avanços, os filmes poliméricos ainda são raramente explorados em combinação com NPs metálicas. Esta ausência de pesquisa é surpreendente, tendo em mente o alto grau de aplicabilidade dos polímeros e das NPs, e pode ser atribuída ao alto grau de interdisciplinaridade necessária para o seu estudo. Assim, o potencial da combinação de polímeros e NPs está longe de ser totalmente explorado. O conhecimento detalhado de como combinar as possibilidades e versatilidades de polímeros e das NPs metálicas é crucial para uma possível aplicação tecnológica futura. O objetivo deste projeto é compreender a influência das propriedades físicas e químicas de filmes poliméricos dopados com NPs metálicas para o seu uso em sensores. Para isso pretendemos fabricar e caracterizar amostras modelo de filmes de polímero com NPs metálicas incorporadas com controle total sobre composição, tamanho e concentração. Vamos estudar como o ambiente polimérico influencia as propriedades das NPS metálicas, como sua estrutura cristalina, posição do pico de ressonância plasmônica, transferência de carga e extinção magnética na interface. Também vamos abordar como a presença de NPs metálicas altera as propriedades físicas e químicas do filme polimérico, como sua condutividade, rigidez e permeabilidade. Vamos também verificar como o sistema nanoestruturado responde a estímulos externos como campos elétricos ou magnéticos, umidade, reagentes químicos. Finalmente, vamos analisar seu comportamento quando usados em arquiteturas de sensores. Uma vez que a combinação adequada de materiais seja encontrada e que o sistema nanoestruturado seja caracterizado, poderemos implementá-lo em protótipos de dispositivos sensores para testar seu desempenho.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vasco Ariston de Carvalho Azevedo

Ciências Biológicas

Genética
  • uma abordagem integrativa para entender a estrutura, função e dinâmica da protease do hiv: aplicações para projetar novos inibidores
  • Os países Índia, África do Sul e Brasil são amplamente afetados pela epidemia de HIV / AIDS. Embora as terapias de tratamento tenham como alvo várias proteínas do HIV, as proteases são os principais alvos dos medicamentos anti-retrovirais (antiretroviral-ARV). Várias análises experimentais e computacionais foram realizadas para entender a estrutura, função, mecanismo de ação do fármaco, resistência a drogas, e a maioria dos estudos está focada no subtipo B. Pawar et al. (2018) mapeou os dados genotípicos com a estrutura da enzima e propôs um método usando aprendizado de máquina para classificar a resistência à protease do HIV. Eles mostraram que os modelos de aprendizado de máquina treinados com um inibidor poderiam classificar a resistência de outros inibidores com base na similaridade de estruturas químicas. Li et al. (2018) desenvolveram um método de previsão de consenso usando diferentes técnicas de aprendizado de máquina, juntamente com fingerprints e características físico-químicas para discriminar os inibidores e decoys de protease do HIV. Koushi et al. (2018) revelaram as ligações químicas de ligantes com dois resíduos de Asp catalíticos de protease de HIV-1 por cristalografia de neutrões. Pintro e de Azevedo (2017) desenvolveram uma função de pontuação para prever a afinidade de ligação de ligantes com a protease do HIV-1 usando métodos de molecular docking. Zhua et al. (2019) usaram a estratégia conhecida como scaffold-hopping para combinar o inibidor de protease do HIV-1 Darunavir (DRV) e os triterpenóides pentacíclicos para projetar novos compostos. Ghosh et al. (2018) projetaram e sintetizaram uma ampla gama de inibidores de protease excepcionalmente potentes e estruturalmente intrigantes e mostraram propriedades semelhantes a drogas favoráveis. Nosso grupo caracterizou diferentes tipos de mutações para distinguir entre a presença ou ausência da doença (Kulandaisamy et al. 2019), bem como inibidores específicos de mutação (Anoosha et al. 2019). Por outro lado, vários bancos de dados como BindingDB, ChEMBL e The Stanford HIV Drug Resistance Database foram desenvolvidos para moléculas do tipo droga, que incluem inibidores e mutações resistentes a drogas do subtipo B de protease do HIV. No entanto, estes estudos baseiam-se principalmente no subtipo B do HIV-1 e sabe-se que os fármacos / inibidores disponíveis são menos eficazes contra algumas variantes do subtipo C. Um dos pesquisadores, o grupo do Professor Yasien Sayed iniciou o trabalho no subtipo C, focando na superexpressão, purificação e caracterização, bem como a susceptibilidade à droga e capacidade de replicação das variantes da região charneira da protease do subtipo C do HIV-1 (Zondagh et al. 2018, 2019). Portanto, é necessário realizar investigações detalhadas sobre a estrutura e função do subtipo C da protease do HIV, desenvolver bancos de dados e inibidores / fármacos projetados especificamente para as proteases do subtipo C do HIV.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 08/08/2019-31/08/2022
Foto de perfil

Velci Queiróz de Souza

Ciências da Saúde

Farmácia
  • utilização de compostos bioativos obtidos de plantas do bioma pampa gaúcho em terapias de desordens decorrentes do envelhecimento.
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal do Pampa - RS - Brasil
  • 23/01/2020-22/01/2025
Foto de perfil

Venerando Eustáquio Amaro

Outra

Ciências Ambientais
  • geotecnologias aplicadas à gestão de recursos hídricos do sistema lacustre do bonfim/rn (sigla geotec-bonfim)
  • No Estado do Rio Grande do Norte (RN) o sistema público de abastecimento de água e esgoto é operado em 155 municípios pela Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte (CAERN) e em 12 municípios pelo Sistema Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), com base em mananciais superficiais e subterrâneos, que estão inerentemente interligados nos aspectos de recarga hídrica. No contexto desse abastecimento estratégico do RN destaca-se a relevância do açude Eng. Armando Ribeiro Gonçalves, na bacia do rio Piranhas-Açu, do qual partem quatro grandes sistemas adutores (Médio Oeste, Serra de Santana, Sertão Central Cabugi e Adutora Jerônimo Rosado) e a Lagoa do Bonfim, localizada no Município de Nísia Floresta no litoral oriental do Estado, que é responsável pelo abastecimento de 30 municípios através do Sistema Adutor Monsenhor Expedito da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH-RN) e da CAERN. Esta adutora, de importância basilar no atendimento do Agreste Potiguar com cerca de 35% da população do Estado, vale-se da captação direta no espelho de água da Lagoa do Bonfim e por alguns poços tubulares situados a montante desta. Por conseguinte, tornou-se imprescindível uma gestão dos recursos hídricos consistentes e baseada em instrumentação e ferramentas de alta precisão e acurácia, de baixo custo relativo e que permita o monitoramento contínuo, com opções de vários arranjos temporais, de aspectos qualitativos e quantitativos da qualidade de água e da disponibilidade hídrica da Lagoa do Bonfim, diante do funcionamento de toda a adutora, especialmente durante os prolongados períodos de estiagem. A Lagoa do Bonfim compõe o Sistema Lacustre do Bonfim juntamente com as lagoas de Redonda, Urubu, Boa Água, Arituba, Alcaçuz, Ferreira Grande e Carcará, que constitui uma pequena bacia com um único dreno, o Riacho Boa Cica afluente da margem esquerda do Rio Trairi, com área de aproximadamente 60 km2, todas integradas em aquífero livre. Contudo, é notável nesse sistema lacustre a ausência de rede de drenagens proeminentes, além de destacada influência do controle morfotectônico sobre as formas e arranjo das lagoas, sugerindo elevada taxa de infiltração e pouca influência dos fluxos superficiais para as lagoas. Portanto, todo o sistema lacustre do Bonfim está inserido no Aquífero Dunas-Barreiras (ou apenas Aquífero Barreiras, na ausência de Dunas) entre as bacias hidrográficas dos rios Trairi, ao sul, e Pirangi, ao norte, ambas de contribuição superficial reduzida e configura-se como o maior reservatório de água natural da região litorânea oriental do RN (Pereira et al. 1996, Lucena 1999, Pereira 2007). O sistema lacustre do Bonfim apresenta baixa capacidade reguladora, da ordem de 18.000.000 de m3/ano (Pereira et al. 2000). O Aquífero Barreiras é o principal aquífero da região costeira do Norte e Nordeste do Brasil, estendendo-se desde o Amapá ao Rio de Janeiro (Lucena 1999, Batista et al. 2007, Santos 2013, Zoby & Oliveira 2005). Consequentemente é o maior manancial de água subterrânea do litoral oriental do RN e a principal fonte de abastecimento de água das cidades litorâneas, incluindo a capital Natal (SERHID 1998, 2006). Embora represente uma área de apenas 1,5% do RN, o sistema lacustre do Bonfim atende as necessidades hídricas de cerca de 35% de população do RN (Pereira et al. 2003). Porém, ininterruptamente nota-se o rebaixamento no nível de água na Lagoa do Bonfim, quase 50% de Novembro de 1998 a Julho de 1999, devido ao volume captado para a adutora após o início do bombeamento. Portanto a captação é um fator muito impactante no sistema lacustre do Bonfim (Pereira et al. 2002), juntamente com a ampliação do uso e ocupação dos entornos das lagoas por diversas atividades, que também sugerem a tendência de redução do espelho de água e do volume do manancial superficial de água. Nesse cenário se insere o doravante chamado projeto GEOTEC-BONFIM que servirá como modelo de integração de ferramentas de Geotecnologias Aplicadas à formação de recursos humanos, desde o diagnóstico até o monitoramento de sistemas lacustres e seus entornos, propiciando facilidades operacionais às tomadas de decisões, com métodos e instrumentação integrados ao tratamento de geodados multifontes na gestão sustentável de recursos hídricos na região Nordeste e outras similares.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vera Beatriz Siqueira

Lingüística, Letras e Artes

Artes
  • laboratório de história da arte global
  • A História da Arte Global é tema de destaque na área há algumas décadas. Importa-nos especialmente levantar o problema da abrangência efetiva dessa nova tendência historiográfica, debatendo como, apesar de a arte estar difundida pelo globo terrestre, o conteúdo da História da Arte, tal como é gerado por meio de ensino, mostras e publicações, permanece ainda parcial, centrado na Europa e na América do Norte. Importa também pensar em estratégias inclusivas, que não apenas ampliem o panteão da arte ocidental, mas que enfrentem os problemas da heterocronia e da incomensurabilidade das culturas a partir do Brasil, da arte aqui produzida e de seus processos de historicização e institucionalização. Devido à sua formação e qualificação, e aos vínculos estabelecidos com importantes instituições do Brasil e do exterior, os pesquisadores participantes desse projeto pretendem participar de forma qualificada nos debates atuais sobre a disciplina histórico-artística e, mais especificamente, sobre a perspectiva da História da Arte Global, buscando discutir algumas questões fundamentais: 1. O desenvolvimento de uma História da Arte a partir do Brasil, questionando não apenas o centramento na Europa e nos Estados Unidos, mas também os conceitos que fundamentam a História da Arte ocidental; 2. O entendimento da História da Arte como uma linguagem, uma tática de pensamento, um projeto de compreensão, capaz de articular diferentes quadros culturais, a partir das ideias de fluxo, recepção, comparação, interpretação, entre outras; 3. A compreensão da historicidade da arte como algo que não se restringe ao tempo específico de sua produção, e sim como dado que se renova, a partir de cada nova interpretação, uma vez que o objeto artístico é sempre contemporâneo do historiador da arte e o passado se apresenta como necessariamente mutável e instável; 4. A investigação da arte em sua associação entre a materialidade dos objetos e o fenômeno estético e cultural, buscando extrair do fato artístico a sua emergência histórica e o seu sentido cultural; 5. A compreensão de que a busca por uma História da Arte global não pode significar apenas incluir novos objetos no tradicional panteão ocidental, mas sim, ao fazê-lo, lidar com a potência estética destes, de modo a obrigar o historiador a uma redefinição do processo simbólico da cultura e da própria dinâmica da historicidade; Desse modo, a interpretação histórico-artística é tratada não como algo que se apõe aos objetos e sim como aquilo que os configura: os fatos artísticos são, em si, fatos interpretados, em múltiplas temporalidades e diferentes quadros culturais.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vera Cascon

Outra

Divulgação Científica
  • xiii fecti –décima terceira feira de ciência, tecnologia e inovação do estado do rio de janeiro
  • O objetivo do presente projeto é a realização da XIII FECTI - Décima Terceira Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, organizada pela Fundação CECIERJ, fundação pública de direito público estadual. A Fundação CECIERJ tem como origem o como Centro de Ciências do Estado da Guanabara (CECIGUA), que foi criado em 1965 como o objetivo de “promover a educação científica do povo” , atuando na capacitação de professores, produzindo e distribuindo livros-texto e materiais para os laboratórios das escolas, além de ter realizado feiras de ciências estaduais de 1968 a 1974. A Fundação CECIERJ, comprometida com a difusão e popularização da ciência e com a melhoria do ensino de ciências, retoma a iniciativa de feiras de ciências em 2005 com o estabelecimento do programa FECTI – Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, que conta com o apoio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social do Rio de Janeiro. A FECTI é a maior feira de ciências do Estado do Rio de Janeiro e tem contado com o auxílio da FAPERJ desde sua primeira versão, em 2005, e das chamadas organizadas pelo CNPq para feiras de ciência e mostras científicas, desde 2010. A participação, gratuita, na FECTI ocorre de duas formas: por inscrição avulsa no site, ou por meio de indicação de feiras afiliadas, que sejam realizadas até o final da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Todos os projetos, mesmo os indicados por feiras afiliadas, necessitam se inscrever na FECTI, enviando um trabalho escrito que será avaliado pela comissão científica da FECTI. Os estudantes de 6º ao 9º ano poderão inscrever seus trabalhos nas categorias Ciências no Ensino Fundamental II- 6º e 7º ano e Ciências no Ensino Fundamental II- 8º e 9º ano; e os estudantes do ensino médio e técnico nas categorias: Ciências Biológicas & da Saúde, Ciências Exatas, Interdisciplinar (para projetos de Arte e Ciência, Sociedade, Ciência e Esporte, Educação e Ensino de Ciências, História da Ciência), ou Desenvolvimento de Tecnologia. Os trabalhos inscritos na FECTI são submetidos a uma pré-seleção realizada pela equipe da Divulgação Científica da Fundação CECIERJ. Nessa pré-seleção, são considerados a originalidade, o cumprimento às normas da FECTI e aos princípios éticos que regem a pesquisa com seres vivos. Os projetos considerados aptos a participar da FECTI são avaliados pelo Comitê Científico, composto por cerca de 130 professores e pesquisadores ligados a instituições de ensino e pesquisa e museus de ciência. A seleção para a mostra da XIII FECTI levará em consideração a qualidade e o número máximo de 180 projetos finalistas. Os trabalhos finalistas serão publicados nos Anais da XIII FECTI: os resumos em mídia impressa e as versões completas em mídia digital. A XIII FECTI será realizada nos dias 23 e 24 de novembro de 2019, no CEFET/RJ, Campus Maracanã, cidade do Rio de Janeiro. Durante o evento, das 10h às 17h, com entrada gratuita, os trabalhos serão apresentados pelos estudantes ao público e à comissão de avaliação. Concomitantemente com a feira, irá ocorrer nas dependências do CEFET/RJ o 2º. Encontro de professores FECTI, para troca de experiências entre professores, com a participação de especialistas em ensino de ciências e dos professores orientadores dos projetos expostos na FECTI. Também serão oferecidas oficinas para formação continuada aos professores, ministradas pelos integrantes da Praça da Ciência Itinerante. Para os estudantes, será realizada a visitação aos laboratórios do CEFET/RJ, uma oportunidade de incentivar esses jovens a seguirem seus estudos, especialmente nas carreiras de ciência e tecnologia. Ao final do evento, os expositores, alunos, professores e suas escolas, receberão o certificado de participação e os vencedores em cada categoria serão premiados. A realização anual da FECTI promove o desenvolvimento no ambiente escolar de projetos de pesquisa, nas diversas áreas de ciência e tecnologia, envolvendo estudantes e seus professores na investigação científica, contribuindo para a melhoria do ensino de ciências e matemática e abrindo caminho para a formação de jovens com um pensamento inventivo e crítico. A realização do evento, aberto e gratuito, permite à população do Estado do Rio de Janeiro o desenvolvimento de uma cultura científica. Assim, além de despertar o gosto de jovens pelas carreiras científicas e tecnológicas, espera-se contribuir para a formação de cidadãos mais críticos e participativos.
  • Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ - RJ - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Vera Cascon

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • xiv fecti - décima quarta feira de ciência, tecnologia e inovação do estado do rio de janeiro
  • O objetivo do presente projeto é a realização da XIV FECTI - Décima Quarta Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, organizada pela Fundação CECIERJ, fundação pública de direito público estadual. A realização da feira de ciências estadual FECTI integra as ações executadas pela Fundação CECIERJ, que tem como origem o Centro de Ciências do Estado da Guanabara (CECIGUA), que foi criado em 1965 como o objetivo de “promover a educação científica do povo” , atuando na capacitação de professores, produzindo e distribuindo livros-texto e materiais para os laboratórios das escolas, além de ter realizado feiras de ciências estaduais de 1968 a 1974. A Fundação CECIERJ, comprometida com a difusão e popularização da ciência e com a melhoria do ensino de ciências, retoma a iniciativa de feiras de ciências em 2005 com o estabelecimento do programa FECTI – Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, que conta com o apoio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro. A FECTI é a maior feira de ciências do Estado do Rio de Janeiro e tem contado com o auxílio da FAPERJ desde sua primeira versão, em 2005, e das chamadas organizadas pelo CNPq para feiras de ciência e mostras científicas, desde 2010 A participação, gratuita, na FECTI ocorre de duas formas: por inscrição avulsa no site, ou por meio de indicação de feiras afiliadas, que sejam realizadas até o final da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Todos os projetos, mesmo os indicados por feiras afiliadas, necessitam se inscrever na FECTI, enviando um trabalho escrito que será avaliado pela comissão científica da FECTI. Os estudantes de 6º ao 9º ano poderão inscrever seus trabalhos nas categorias Ciências no Ensino Fundamental II- 6º e 7º ano e Ciências no Ensino Fundamental II- 8º e 9º ano; e os estudantes do ensino médio e técnico nas categorias: Ciências Biológicas & da Saúde, Ciências Exatas, Desenvolvimento de Tecnologia, Interdisciplinar (para projetos de Arte e Ciência, Sociedade, Ciência e Esporte, Educação e Ensino de Ciências, História da Ciência), Os trabalhos inscritos na FECTI são submetidos a uma pré-seleção realizada pela equipe da Divulgação Científica da Fundação CECIERJ. Nessa pré-seleção, são considerados a originalidade, o cumprimento às normas da FECTI e aos princípios éticos que regem a pesquisa com seres vivos. Os projetos considerados aptos a participar da FECTI são avaliados pelo Comitê Científico, composto por cerca de 160 professores e pesquisadores ligados a instituições de ensino e pesquisa e museus de ciência. A seleção para a mostra da XIV FECTI levará em consideração a qualidade e o número máximo de 200 projetos finalistas. Os trabalhos finalistas serão publicados nos Anais da XIV FECTI: os resumos em mídia impressa e as versões completas em mídia digital. A XIV FECTI será realizada nos dias 4 e 5 de dezembro de 2020, no CEFET/RJ, Campus Maracanã, cidade do Rio de Janeiro. Durante o evento, das 10h às 17h, com entrada gratuita, os trabalhos serão apresentados pelos estudantes ao público e à comissão de avaliação. Concomitantemente com a feira, irá ocorrer nas dependências do CEFET/RJ o 4º. Encontro de professores FECTI, para troca de experiências entre professores, com a participação de especialistas em ensino de ciências e dos professores orientadores dos projetos expostos na FECTI. Também serão oferecidas oficinas para formação continuada aos professores, ministradas pelos integrantes da Praça da Ciência Itinerante. Para os estudantes, será realizada a visitação aos laboratórios do CEFET/RJ, uma oportunidade de incentivar esses jovens a seguirem seus estudos, especialmente nas carreiras de ciência e tecnologia. Ao final do evento, os expositores, alunos, professores e suas escolas, receberão o certificado de participação e os vencedores em cada categoria serão premiados. A realização anual da FECTI promove o desenvolvimento no ambiente escolar de projetos de pesquisa, nas diversas áreas de ciência e tecnologia, envolvendo estudantes e seus professores na investigação científica, contribuindo para a melhoria do ensino de ciências e matemática e abrindo caminho para a formação de jovens com um pensamento inventivo e crítico. A realização do evento, aberto e gratuito, permite à população do Estado do Rio de Janeiro o desenvolvimento de uma cultura científica. Assim, além de despertar o gosto de jovens pelas carreiras científicas e tecnológicas, espera-se contribuir para a formação de cidadãos mais críticos e participativos.
  • Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ - RJ - Brasil
  • 07/01/2020-31/01/2021