Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adriana Nunes Correia

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • materiais nanoestruturados a partir de eletrólitos não aquosos baseados em cloreto de colina
  • Um dos maiores desafios para o desenvolvimento de materiais nanoestruturados para produção de dispositivos fotovoltaicos, bem como para redução de CO2, é a formação de filmes finos com certo ordenamento estrutural. Diferentes metodologias de produção/obtenção têm sido recentemente desenvolvidas. Uma das estratégias utilizadas nesta área é a utilização do processo de eletrodeposição, principalmente em função da possibilidade de obtenção de filmes finos em proporções estequiométricas com estrutura cristalina definida. Porém, este processo exige o controle de diferentes parâmetros, tais como pH do meio, proporção das espécies eletroativas a serem depositadas e, por vezes, a adição de aditivos. Apesar de diferentes metodologias já existentes, não há sequência metodológica eficaz para produção de filmes finos que preserve todas as propriedades físicas e químicas necessárias para aplicação em células solares e para redução de CO2. Na última década, diferentes procedimentos experimentais foram desenvolvidos, dentre eles a influência do substrato eletródico, a adição de aditivos, alteração do método de eletrodeposição, o que possibilitou a obtenção de filmes com propriedades até então desconhecidas. Recentemente, diferentes sistemas não aquosos constituídos por líquidos iônicos e/ou solventes eutéticos vêm sendo utilizados para obtenção de filmes finos estruturalmente ordenados que possibilitem o aumento da eficiência dos processos, porém há ausência na literatura de estudo sistemático com tal objetivo. Sendo assim, surge o desafio de estudar os processos de modificação e de caracterização superficial de materiais nanoestruturados obtidos a partir de revestimentos metálicos condutores, tais como Cu-In, Sn-Cu e Sn-In, empregando líquidos iônicos e/ou solventes eutéticos e tendo em mente os controles microestrutural e morfológico dos filmes finos formados, como catalisadores em processos de conversão de energia.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adriana Passarella Gerola

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • catalisadores supramoleculares reativos e seletivos para reações de hidrólise
  • A catálise é reconhecida como um dos pilares para a química sustentável, e está presente em diversos processos tecnológicos importantes para a indústria nacional. Uma vez que a área de catálise é estratégica para o crescimento sustentável, a presente proposta tem por objetivo o desenvolvimento de enzimas artificiais baseadas na associação de macromoléculas funcionalizadas com grupos ativos e grupos alquilas de diferentes hidrofobicidades, visando a compartimentalização dos reagentes em regiões hidrofóbicas e aproximação ao sítio ativo. Os resultados devem permitir planejar enzimas artificiais eficientes, para reações de hidrólise de ésteres e amidas, visando aplicações na terapia genética, detoxificação química de alimentos contaminados por pesticidas, degradação de estoques de armas químicas, e biotecnologia na síntese de fármacos. Assim, a presente proposta envolverá o desenvolvimento de pesquisa de ponta na área de catálise supramolecular, contribuindo para o melhoramento da tecnologia nos setores acadêmico e industrial, sendo que os esforços da proposta estarão centrados na formação de recursos humanos altamente qualificados, e na divulgação dos resultados para sociedade e comunidade científica.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022