Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adriana de Abreu Corrêa

Ciências Agrárias

Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca
  • monitoramento de virus de animais marinhos em fazendas de cultivo de nodipecten nodosus (linnaeus, 1758), (mollusca: pectinidae), na baía de ilha grande, rio de janeiro
  • A maricultura é um ramo específico da aquicultura e engloba a produção de uma ampla variedade de organismos aquáticos marinhos e estuarinos, desde vegetais como as algas, invertebrados como crustáceos e moluscos, até vertebrados como peixes e répteis. No Brasil, o cultivo de moluscos se desenvolveu a partir de 1990, primeiro em Santa Catarina e depois em outras regiões. Hoje em dia, praticamente todos os estados litorâneos apresentam alguma atividade de pesquisa e/ou produção de moluscos. O Estado do Rio de Janeiro é geograficamente privilegiado possuindo o terceiro maior litoral do Brasil, recortado por baías, enseadas, lagoas costeiras, estuários e manguezais, que criam ecossistemas propícios à maricultura, sendo as regiões de Niterói e Baía da Ilha Grande importantes produtores. Na Baía de Ilha Grande encontram-se as principais fazendas de cultivo de vieiras Nodipecten nodosus do Brasil e o Laboratório de Larvicultura de Moluscos Bivalves do Instituto de Ecodesenvolvimento da Baía de Ilha Grande, responsável por fornecer as sementes para os produtores nacionais. No entanto, nos últimos três anos vem ocorrendo uma elevada mortalidade destes moluscos nessa região, para a qual ainda não foi atribuída uma causa. Os pectinídeos podem ser infectados por diferentes patógenos virais membros das famílias Herpesviridae, Iridoviridae e Birnaviridae. Outros vírus das famílias Papovaviridae, Togaviridae, Retroviridae, Reoviridae e Picornaviridae são também descritos associados a doenças nesses animais. Estes vírus replicam nos tecidos dos moluscos e causam uma grande taxa de mortalidade, ameaçando, assim, toda a produção. Tendo em vista a importância da maricultura, especialmente o cultivo das vieiras, na região da baía da Ilha Grande, este projeto tem como objetivo detectar e quantificar vírus de animais marinhos em amostras de água e de vieiras (Nodipecten nodosus) coletadas na região e no laboratório de larvicultura em Angra dos Reis. A pesquisa de vírus em regiões de grande produção pode auxiliar no estabelecimento de medidas que visem à prevenção e ao controle das infecções virais que acometem a saúde humana e a cadeia de produção do animal.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022