Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Ruth Moresco Miranda

Lingüística, Letras e Artes

Lingüística
  • a fonologia e a ortografia em dados de escrita inicial
  • O presente projeto de investigação pretende dar continuidade a uma trajetória de pesquisa sobre aquisição da escrita que teve seu início em 2001 e tem o objetivo central de produzir uma análise linguística dos dados de escrita inicial. Em mais de 16 anos de investigação sobre a escrita de crianças, especialmente a partir de análises que contemplam a ortografia em suas possíveis relações com a fonologia, temos visado ao desenvolvimento de pesquisa cujo foco recai sobre os erros (orto)gráficos e sobre a busca de interpretações que nos permitam tanto compreender as hipóteses das crianças como analisar a emergência do conhecimento linguístico, sobretudo o fonológico, que subsidia as escolhas gráficas feitas por elas. Nosso intuito é o de responder a uma questão central: quais são os conhecimentos, fonológicos e/ou ortográficos, mobilizados pelas crianças quando elas começam a registrar a segunda articulação da linguagem, assim que compreendem o princípio do sistema alfabético de escrita que estão a adquirir. Entendemos que a resposta a esta questão oferece subsídios para a discussão de questões relacionadas ao conhecimento fonológico das crianças e é fundamental para a definição de categorias capazes de elucidarem a natureza dos erros produzidos durante o desenvolvimento da linguagem escrita, as quais são essenciais para a ação didática de professores. O investimento que temos feito na definição de categorias para classificação e interpretação dos erros produzidos nas escritas dos anos iniciais tem permitido, assim, uma reflexão sobre a natureza dos erros. Saber se são motivados por dificuldades inerentes ao sistema ortográfico ou por aquelas relacionadas a aspectos da fonética e da fonologia da língua é um dos primeiros passos para que possamos aprofundar nossas investigações sobre essa complexa tarefa que se impõe à criança e que consiste na compreensão de um sistema de escrita como o alfabético. Consideramos ser este um momento ímpar, à medida que possibilita, ao pesquisador, a construção de hipóteses interpretativas acerca da forma como o conhecimento fonológico é recuperado pelos aprendizes durante a aquisição da escrita, ao mesmo tempo em que é, inexoravelmente, afetado por ela. Com o intuito de ampliar o escopo de nossas investigações, a proposta deste projeto desdobra-se em três frentes de trabalho: i) análise panorâmica do penúltimo estrato do BATALE com base no conjuntos de categorias propostas, as quais organizam os erros em dois grandes grupos: erros relacionados à fonologia; erros relacionados às complexidades do sistema ortográfico; ii) comparação entre os dados de escrita espontânea e de escrita controlada; iii) estudo específico sobre grafias das soantes palatais, tomado como exemplo de emergência do conhecimento fonológico na escrita inicial; iv) finalização do SISTEMA VESTÍGIOS que permitirá o compartilhamento do BATALE (Banco de Textos sobre Aquisição da Linguagem Escrita) com a comunidade científica.
  • Universidade Federal de Pelotas - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Silvia Pavani Lemos

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • grupos de encontro do trabalho (grt) como estratégia de educação permanente em saúde: estudo com trabalhadores do sistema único de saúde (sus)
  • O presente projeto visa analisar a ferramenta ergológica “Grupos de Encontro do Trabalho (GRT) ” como estratégia para a Educação Permanente de profissionais da saúde atuantes no Sistema Único de Saúde (SUS) do Distrito Federal. A investigação, de abordagem qualitativa teórico-conceitual e de intervenção, será realizada com trabalhadores atuantes no Hospital Universitário de Brasília (HUB) e na Estratégia Saúde da Família (ESF) do Distrito Federal. A coleta de dados dar-se-á por meio de estudo documental, observação do trabalho, entrevistas semiestruturadas e grupos de trabalhadores. Os dados serão transcritos, sistematizados, categorizados e analisados utilizando-se a análise de conteúdo temática, e embasados pelo referencial teórico da ergologia, de origem francesa. A ênfase conceitual dar-se-á nos estudos sobre atividade de trabalho, ergoformação e o Dispositivo Dinâmico de Três Polos (DD3P), em diálogo com a literatura científica sobre Educação Permanente em Saúde. A partir dos achados, espera-se contribuir para a qualificação de ações de educação permanente para trabalhadores nos serviços de saúde, de forma a propiciar avanços para um agir em competência e construção coletiva do saber no (e para) o trabalho.
  • Fundação Oswaldo Cruz - DF - Brasil
  • 04/07/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Sílvia Rocha Ipiranga

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • o organizar de práticas científicas biotecnológicas à luz da história da gestão
  • Esta pesquisa articula os estudos prévios da virada histórica (Historic turn) na Administração e nos Estudos Organizacionais e das abordagens da Actor Network Theory (ANT) e, mais especificamente, da ANTi-History. Tendo como base estas abordagens e considerando o contexto dos laboratórios da Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO), esta pesquisa tem como objetivo resgatar as tramas históricas do socio-past no organizar das práticas científicas de translações de produtos e processos biotecnológicos para os mercados. Um conjunto de técnicas e métodos comporão os procedimentos metodológicos, sendo estes orientados pela natureza qualitativa da pesquisa, apoiando-se em uma postura etnográfica de arquivos históricos. O campo empírico da pesquisa terá como fulcro a Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO) e os demais atores, como os pesquisadores e cientistas, os laboratórios vinculados, entidades, instituições e empresas adjacentes. Em termos de impactos relevam-se as implicações teóricas interdisciplinares do estudo ao construir pontes entre as áreas da História, dos Estudos Organizacionais e da Administração da Ciência, Tecnologia & Inovação. Em termos práticos e de gestão, sublinham-se os impactos advindos com a reflexão sobre os efeitos da análise histórica das práticas científicas biotecnológicas sob estudo, em relação aos processos: i) de incorporação de novas tecnologias e inovações; ii) do surgimento de novos empreendimentos acadêmicos de base tecnológica; iii) na promoção do desenvolvimento de empresas de base tecnológica na região do semiárido brasileiro. Os resultados serão apresentados na forma de relatórios, dissertações e teses, comunicações em eventos científicos e em artigos prontos para publicações em periódicos científicos.
  • Universidade Estadual do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Silvia Volpi Scott

Ciências Sociais Aplicadas

Demografia
  • além do centro-sul: por uma história da população colonial nos extremos dos domínios portugueses na américa
  • O projeto que ora se submete ao Edital Universal dá continuidade (fase 4) a projeto integrado e interinstitucional que tem a ambiciosa tarefa de agregar esforços em torno da iniciativa inédita de investigar os regimes demográficos que caracterizaram o passado brasileiro. A iniciativa foi contemplada nas sucessivas edições do Edital Universal e obteve resultados muito positivos, tanto no sentido de ampliar a cobertura dos estudos relativos à demografia histórica brasileira - contribuindo assim para eliminar o desequilíbrio na produção, em termos regionais -, como também sido decisiva para a formação de recursos humanos no campo dos estudos de população em perspectiva histórica. Para mais, é também relevante o papel que tem desempenhado na integração de colegas e alunos, de várias instituições espalhadas pelo país, que apostam em redes colaborativas, constituídas em torno de objetivos comuns. No caso da Demografia Histórica a estratégia das redes colaborativas é fundamental, dada a originalidade desse campo, que exige que toda a exploração e a análise das populações pretéritas sejam precedidas pela coleta, organização e inserção de informações em bancos de dados que transformam o conteúdo de fontes elaboradas com fins não demográficos em informação que possa ser tratada através de métodos e técnicas da Demografia Histórica. Esse é o grande desafio que está por trás desse projeto interinstitucional que reúne, na fase 4, quinze pesquisadores das mais importantes universidades do Brasil e de Portugal e que contribuem, assim, para o avanço da demografia histórica brasileira, bem como para o permanente e profícuo diálogo estabelecido com a História e com outras disciplinas, o que tem caracterizado a Demografia Histórica desde as suas origens. Considerando que o objetivo geral do projeto se mantém nesta proposta para a fase 4, daremos continuidade à tarefa central de discussão dos regimes demográficos, bem como seguiremos apostando na superação dos desequilíbrios nos conhecimentos da história demográfica brasileira, privilegiando as fontes referentes ao período colonial estendido (até 1850). Por fim, deve-se salientar que embora o foco permaneça, na fase 4, na indexação dos registros paroquiais das freguesias/paróquias selecionadas, incluímos a exploração de um novo conjunto de fontes de informação para o período colonial disponíveis desde meados do século XVIII até os inícios do século XIX, composto pelas estatísticas populacionais para o Brasil, produzidas por ordem da Coroa portuguesa entre os meados do século XVIII e primeiras décadas do XIX. Dessa forma, a proposta para a fase 4, além de ampliar o número de freguesias a serem indexadas, bem como incorporar novos colegas que colaboraram na inserção dos dados no NACAOB, software especialmente desenvolvido para essa finalidade, ainda propõe o uso dos mapas estatísticos de população para dar subsídios não apenas para a discussão dos diferentes regimes demográficos que caracterizaram o território brasileiro, como para a elaboração, como produto final, de um livro relativo à história da população brasileira no período em tela.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Suelly Arruda Câmara Cabral

Lingüística, Letras e Artes

Lingüística
  • consolidando o atlas sonoro das línguas indígenas do brasil
  • O projeto “Consolidando o Atlas Sonoro das línguas Indígenas do Brasil (ASLIB)” tem como objetivo principal o desenvolvimento de um sistema aberto de informações linguísticas, sociolinguísticas, históricas e culturais sobre os povos indígenas do Brasil, com vistas : a) à documentação das línguas nativas do Brasil, b) à consolidação de um banco de dados, com originais guardados, preservados e divulgados a partir do Brasil, d) ao protagonismo indígena na construção e manutenção dos dados armazenados de suas respectivas línguas, e) ao uso da plataforma para fins educacionais sobre os povos indígenas do Brasil, no ensino fundamental, intermediário e superior, f) ao uso da plataforma por pesquisadores indígenas ou não indígenas em estudos linguísticos das línguas do Brasil. Seus objetivos específicos são a) a construção de Atlas de línguas indígenas e de dois agrupamentos genéticos – Tupí e Jabutí; b) a associação da documentação e pesquisa linguísticas com os interesses da comunidades falantes dessas línguas em fortalecê-las; d) a divulgação máxima dos resultados da documentação e pesquisa em prol do desenvolvimento do conhecimento das línguas e da preservação e fortalecimento delas. Os dados coletados são tratados e aplicados a um script no programa computacional Praat, recortados, renomeados e salvos em pastas específicas. O tratamento consiste em inserir, por meio do programa Audacity, um intervalo de silêncio entre os dados, bem como manter no arquivo final somente os dados finais a serem recortados. Além de dados lexicais, o ASLIB reúne textos nas línguas documentadas, assim como informações sociolinguísticas, históricas e culturais dos povos falantes das línguas documentadas. O presente projeto se constitui de dois subprojetos: Subprojeto 1: Criação da Plataforma ASLIB e Subprojeto 2: Contribuição ao desenvolvimento de atlas linguísticos das línguas da famílias do tronco Tupí de Rondônia, Mato Grosso do Sul e do Pará, e da família Jabutí. Os dois subprojetos se complementam em busca da consolidação do ASLIB, uma inovação positiva que faz uso de tecnologias computacionais a serviço do armazenamento e preservação de dados das línguas indígenas do Brasil e do ensino aberto a todos. Como ocorre na construção de todo Atlas linguístico de grande porte, o tempo e o número de colaboradores qualificados, assim como apoio institucional são requisitos fundamentais para o desenvolvimento e sucesso das ações planejadas. Nosso compromisso com o Atlas se fortaleceu, alimentado pelos resultados obtidos até o presente e pela associação de novas equipes de outras instituições de ensino e pesquisa do Brasil.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022