Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexandre Christofaro Silva

Ciências Agrárias

Agronomia
  • mudanças climáticas e ambientais pleistocênicas e holocênicas em turfeiras tropicais de montanha da serra do espinhaço meridional - mg
  • Turfeiras são ecossistemas formados pela acumulação de tecidos vegetais em ambientes com condições anaeróbicas. Sua importância está relacionada aos serviços ambientais por elas oferecidos: armazenamento de carbono e de água e reconstituição paleoambiental. Embora as turfeiras cubram apenas 4,2% dos continentes, globalmente elas armazenam 10% de toda água doce e 30% do carbono orgânico armazenado no solo. A maior parte das turfeiras está em regiões boreais e subárticas (75-80%) e apenas 10-15% nas regiões tropicais. As turfeiras são, por excelência, consideradas como arquivos naturais da memória ecológica. O interesse por desvendar a história pretérita do clima e do ambiente da Serra do Espinhaço Meridional, em Minas Gerais, tem motivado o estudo das turfeiras de montanha dessa região por parte de alguns cientistas do solo. Dentre os estudos mais recentes, um padrão de mudanças climáticas e paleoambientais foi previamente proposto para o último período glacial para a região da Serra do Espinhaço Meridional, também extensivo a região Centro-Leste do Brasil. Segundo este estudo, entre ~60 e 26 mil anos cal. AP o padrão de precipitação esteve “fora de fase” com o verificado para a região da Amazônia Ocidental e Sul do Brasil, e “em fase” com o do Nordeste; entre ~26 e 17 mil anos cal. AP esteve “fora de fase” com o da Amazônia Ocidental, Sul e Nordeste do Brasil; e de ~17 mil anos cal. AP até o presente tornou-se “em fase” com o da região Nordeste. Além disso, também foi inferido que o clima atual sub-úmido e a vegetação atual pertencente ao Bioma Cerrado são relativamente recentes, estabelecidos provavelmente após 3 mil anos cal. AP. No entanto, este modelo ainda é prévio e necessita de mais resultados que o corroborem. A utilização de bioindicadores (polimorfos, fitólitos e subfósseis de zooplancton) e de geoindicadores (isótopos de C e N, elementos maiores e menores, elementos-traço litogênicos, elementos-traço metálicos, halogênicos) contribuirá para ampliar o número de registros paleoclimáticos na SdEM, região sob o domínio das monções de verão, possibilitando uma reconstituição mais acurada do paleoclima e do paleoambiente para o Centro-Leste do Brasil. Serão utilizados dados polínicos, fitolíticos, de subfósseis de Cladocera e geoquímicos (elementar e isotópico) combinados com estratigrafia, datações 14C e estatística multivariada em uma abordagem multi-proxy. Estes estudos dão sequência aos trabalhos conduzidos nas turfeiras da SdEM desde 2003 por uma equipe internacional liderada pelo proponente e que já embasaram várias teses, dissertações e trabalhos de iniciação científica, que produziram dezenas de artigos científicos internacionais e nacionais.
  • Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus JK - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Alexandre Da Cas Viegas

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • dinâmica da magnetização na faixa ghz em nanoestruturas magnéticas.
  • Este projeto visa elaborar procedimentos e incorporar recursos experimentais ao Laboratório de Magnetismo do Instituto de Física da UFRGS para investigar propriedades da dinâmica da magnetização de filmes finos e nanoestruturas magnéticas, caracterizar a ressonância ferromagnética, dinâmica de paredes de domínios, fenômenos dinâmicos associados ao efeito Spin Hall e fenômenos dinâmicos associados a transferência de torque por corrente polarizada em spin.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022