Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

André Monteiro Costa

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • estudo ecossistêmico do acesso à água, dos conflitos socioambientais e da reparação na área de abrangência da transposição do rio são francisco
  • RESUMO A irregularidade de chuvas no semiárido e períodos de estiagem prolongada, associada a restrições no armazenamento e distribuição de água, tem imposto restrições graves no acesso à água. Grandes obras “contra a seca” predominaram desde o XIX e a história mostrou que essa opção contribuiu para a concentração de água, concentração de terra e, portanto, concentração de poder. O projeto da transposição do rio São Francisco se insere nesse conjunto de políticas de água no semiárido. Cerca de 70% das águas a serem transpostas será para a agricultura irrigada, e a maior parte destas para a fruticultura irrigada, que se insere no mercado de commodities. Apenas 19% para abastecimento humano. A crise hídrica por que passa o rio São Francisco também está relacionada à produção de grãos para exportação no cerrado mineiro e baiano, o que afeta a disponibilidade de água para a transposição. Como uma megaobra, a transposição produz impactos ambientais e processos de vulnerabilização em grupos sociais tradicionais que vivem nas cidades e no entorno dessas obras. Vulnerabilização se caracteriza como uma injustiça ambiental e consiste em processos em que grupos sociais são afetados em seus meios de produção e outras perdas materiais. E pode ter implicações para a saúde, quer por doenças transmissíveis, quer por transtornos mentais. Esses processos são, em geral, invisibilizadas. A transposição foi iniciada em 2007 e era prevista para ser concluída em 2010. A previsão de conclusão das obras é em 2019. Estes 12 anos de atraso é fator que contribui para vulnerabilizar mais essa população. A visibilização da vulnerabilização as obras, bem como a situação hídrica do rio São Francisco é importante para um projeto dessa envergadura. Em projeto anterior foi desenvolvido o Portal Beiras d’Água, acervo audiovisual, para visibilizar a complexidade desses territórios. O objetivo principal deste estudo é analisar o acesso à água, os conflitos e a vulnerabilização e implementar medidas de reparação comunitária na área de abrangência da transposição do rio São Francisco. A abordagem teórica metodológica será a Reprodução Social e a Saúde, formulada pelo epistemólogo Juan Samaja, e se insere na perspectiva da determinação social da saúde coletiva latinomericana. Esta abordagem tem uma perspectiva sistêmica e o estudo será qualitativo. A estratégia de trabalho de campo e coleta de dados será por meio de entrevistas com lideranças comunitárias e de movimentos sociais e realização de oficinas nos territórios, usando a modalidade de Pesquisa-ação, com camponeses, indígenas e quilombolas ao longo dos canais, na Área Diretamente Afetada do projeto. A partir do trabalho de campo, pretende-se constituir uma rede de comunicação nos territórios entre comunidades e pesquisadores, para visibilizar os processos de acesso à água e os conflitos socioambientais. O Portal Beiras d'Água por meio de tecnologias de informação e comunicação contribuirá para compreensão ecossistêmica do acesso à água, dos conflitos socioambientais na Bacia do Rio São Francisco. Por meio de ferramenta identificar, reconhecer e fortalecer as redes de comunicação já presentes no território, utilizando recursos e tecnologias que possam ser aplicados em larga escala. A partir daí, serão desenvolvidos os instrumentos de representação desses saberes, em forma de coleções propostas e significadas pelos próprios sujeitos sociais. A análise dos dados será por análise crítica do discurso.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 15/05/2019-31/05/2023
Foto de perfil

Andre Paulo Tschiptschin

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • inovação em materiais à base de carbono para aplicações tribológicas na indústria metal-mecânica e biomédica
  • Revestimentos à base de carbono podem conferir baixos coeficientes de atrito e elevada resistência ao desgaste a componentes mecânicos em contato. A deposição de revestimentos à base de C e modificações superficias por processos a plasma (PVD, PECVD, PAPVD e PTA) permite obter filmes DLC, nanocompósitos com partículas de grafeno, superfícies contendo partículas de grafita turbostrática e nanopartículas de Ag:Cu:C, que podem conferir ultrabaixos coeficientes (< 0,1), típicos da superlubricidade. Os materiais que se pretende sintetizar têm em comum o carbono na sua forma alotrópica hibridizada sp2, com elevada lubricidade. São DLCs dopados com W, nanocompósitos contendo grafeno e grafita e nanopartículas de Ag:Cu:C. As modificações superficiais almejadas poderão ser aplicadas aos componentes mecânicos de sistemas de propulsão e transmissão de energia, visando aumentar a eficiência energética, diminuir o consumo de combustíveis e a emissão de gases poluentes. Nanopartículas de Ag:Cu:C com ação bactericida poderão ser utilizadas na modificação superficial de dispositivos biomédicos e instrumental cirúrgico, contribuindo também para o aumento da segurança hospitalar e melhoria do sistema de saúde. Os filmes e revestimentos nanocompósitos serão caracterizados estrutural e quimicamente por técnicas de microscopia eletrônica e de força atômica, espectrometria Raman, difração de raios-X e análise térmica diferencial. A caracterização de propriedades nanomecânicas será feita por técnicas de nanoindentação e as propriedades tribológicas (coeficientes de atrito, taxas de desgaste e adesão de filmes aos substratos) serão determinadas em ensaios pino contra disco e esclerometria linear instrumentada. A observação das superfícies e subsuperfícies desgastadas por interferometria ótica, microscopia eletrônica de duplo feixe e microscopia confocal a laser permitirão caracterizar os micromecanismos de desgaste atuantes no contato entre amostras e contracorpo.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 30/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

André Ricardo Salata

Ciências Humanas

Sociologia
  • expansão educacional, desigualdades e estratificação social: do desenvolvimento infantil ao mercado de trabalho
  • A proposta trata da relação entre educação, desigualdades e estratificação social, a partir de três eixos analíticos: (i) Desenvolvimento infantil nos primeiros anos da escolarização obrigatória; (ii) Políticas de expansão educacional e desigualdade de oportunidades; (iii) Expansão educacional e resultados no mercado de trabalho. Temos como objetivo geral analisar a relação entre expansão do sistema educacional e democratização das chances de vida no Brasil, a partir de marcadores como classe de origem, raça e gênero. Tal objetivo se justifica na medida em que a educação se constitui, na sociedade moderna, como elemento-chave no processo de estratificação social e conformação das desigualdades; e, também, em função da substantiva elevação da escolaridade entre os brasileiros nas últimas décadas. Entre os anos de 1995 e 2015 a média de anos de estudo da população entre 25 e 64 anos de idade saltou de 5,7 para 8,6, o percentual de pessoas com 12 ou mais anos de escolaridade subiu de 9,5% para 20,7%, e o ensino obrigatório agora – desde 2009 - engloba também o ensino médio e a educação infantil. Nos perguntamos, então, se as políticas de expansão educacional postas em prática ao longo das últimas décadas teriam contribuído para uma maior equalização em termos de oportunidades, considerando fatores como a classe de origem, a raça e o gênero dos estudantes. Procurando melhor compreender os mecanismos que relacionam aquelas características ao sucesso escolar, e, também, a escolaridade alcançada à posição social de destino dos indivíduos, focamos nossa análise em momentos-chave de suas trajetórias: os primeiros anos da escolarização obrigatória, seu desempenho ao longo do ensino fundamental e médio, o acesso ao ensino superior e a entrada no mercado de trabalho. A metodologia proposta é de cunho eminentemente quantitativo, envolvendo dados primários e secundários, que serão analisados a partir de variadas técnicas estatísticas, com foco em modelos multivariados.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 09/02/2022-28/02/2025