Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Angelica Carvalho Di Maio

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • iv olimpíada brasileira de cartografia: ciência e arte
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 31/12/2020-31/12/2022
Foto de perfil

Angelica Maria Penteado Martins Dias

Ciências Biológicas

Zoologia
  • inct dos hymenoptera parasitóides
  • O INCT-HYMPAR continuará sendo um centro de investigação e gestão da biodiversidade brasileira, idealizado para apoiar os esforços para o seu conhecimento e promover a sua sustentabilidade. O Instituto trabalhará sob a premissa de que a melhor maneira para conservar a biodiversidade é estudá-la, valorizá-la e aproveitar as oportunidades que esta oferece para melhorar a qualidade de vida do homem. Será uma organização que envolverá universidades, empresas, institutos de pesquisa e outras entidades públicas e privadas nacionais e internacionais.Seu trabalho se relacionará principalmente a inventários e monitoramento ambiental utilizando espécies de Hymenoptera parasitoides dos ecossistemas de mata atlântica, cerrado, amazonia, caatinga, pantanal e agroecossistemas; conservação com finalidade de proteção e uso sustentável da biodiversidade pelo setor público e privado; comunicação e educação, disseminando informação e conhecimento da biodiversidade em diferentes segmentos da sociedade, mediante projetos de extensão que buscarão fortalecer o componente ambiental de ações e decisões da população; bioinformática , desenvolvendo e aplicando ferramentas para apoiar os processos de geração, administração, análise e disseminação de dados sobre a biodiversidade, disponiveis em bancos de dados; bioprospecção, buscandoo uso sustentável e aplicação comercial dos recursos da biodiversidade, por meio de convênios de investigação para a busca de espécies bioindicadoras, de importância para o controle biológico, substâncias químicas, genes, que possam ser utilizados principalmente pelo setor agrícola. Em sua primeira versão, esse INCT foi uma iniciativa de um grupo de pesquisadores atuando na região sudeste brasileira. Nesta nova proposta, vários novos grupos nacionais e internacionais foram incluídos, conferindo ao INCT uma característica mais integrativa para ampliar o conhecimento da biodiversidade, dos mecanismos de conservação e o desenvolvimento sustentável, além da formação de recursos humanos. Nessa integração buscaremos aplicar o conhecimento científico da biodiversidade a atividades educacionais e econômicas como a agricultura e ecoturismo e o desenvolvimento de mecanismos de prestação de serviços ambientais.Nesta nova proposta são incluídos estudos em outras áreas da America do Sul, Das instituições brasileiras participantes, cinco deverão incluir coleções de Hymenoptera parasitoides; três em fase adiantada de informatização. Muitas espécies desconhecidas continuarão sendo descobertas e descritas a partir de novas amostragens em áreas endêmicas e vulneráveis, nunca pesquisadas antes sobre esse assunto. Haverá continuidade, do estudo da dinâmica estacional de espécies de insetos fitófagos e parasitoides abrangendo, regiões de diferentes altitudes. A investigação em regiões de elevada altitude de Mata Atlântica tem revelado, como esperado, a constatação de que nelas existe fauna bem menos comum em relação a áreas de altitudes mais baixas.Devido a parcerias estabelecidas com outras instituições brasileiras, houve expansão das atividades do INCT para as regiões Centro-Oeste (Universidade Católica Dom Bosco - áreas de cerrado, Pantanal e agroecossistemas), Nordeste (Universidade Estadual de Feira de Santana e Embrapa Meio Norte – áreas de caatinga; Embrapa Semiárido, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Universidade Federal de Alagoas, Embrapa Agroindústria Tropical - agroecossistemas), Norte (Embrapa Acre – área de floresta amazônica) e Sul (Universidade Federal do Paraná, Universidade Estadual de Londrina, EMATER, Universidade do Estado de Santa Catarina, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Universidade Federal da Fronteira Sul, Universidade Federalde Pelotas, Embrapa Uva e Vinho – agroecossistemas). Essas novas parcerias incluem colaboração com alguns pesquisadores que tiveram a sua formação acadêmica no âmbito do INCT –HYMPAR /Sudeste.Daremos continuidade à compilação do conhecimento sobre relações entre aranhas e himenópteros parasitoides no Brasil. Trata-se de uma linha de pesquisa totalmente nova no Brasil, já que até a criação do instituto todos os estudos a respeito de interações entre aranhas e parasitoides, incluindo manipulação comportamental, haviam sido feitos no exterior. Sistemas integrados de produção agrícola tem aumentado significativamente sua inclusão no cenário produtivo brasileiro. Com esses sistemas é possível restabelecer serviços ambientais que haviam sido perdidos nos sistemas de produção convencionais, baseados em monoculturas. Os estudos do INCT têm mostrado de que maneira o controle de pragas pode ocorrer em sistemas integrados, identificando organismos-chaves nesses processosNesta nova proposta continuaremos integrando as atividades do INCT a grupos internacionais de pesquisa, disponibilizando, nos diferentes meios de divulgação, os resultados obtidos em pesquisa, ensino e extensão. Continuaremos também aproximando as atividades acadêmicas da comunidade em geral, integrando pesquisa e educação. Haverá uma maior colaboração com pesquisadores de instituições estrangeiras propiciando a conclusão de vários manuscritos submetidos e a troca de informações, visando a implementação de projetos futuros de colaboração. Os serviços ambientais em sistemas agroflorestais terão continuidade, com a participação na capacitação de pesquisadores entomologistas do Brasil e da África em controle biológico, com instalação de biofábricas com o objetivo de fornecer insetos para o controle de pragas de milho em substituição a agroquímicos. A capacitação para estrangeiros será ampliada, com a inclusão de pelo menos uma universidade do Peru, com estudantes e pesquisadores dispostos a se especializar no conhecimento dos Hymenoptera parasitoides.Serão desenvolvidos novos protocolos para trabalhos de campo e laboratório, incluindo estudos de sequenciamento genético.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 26/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Angélica Marquetotti Salcedo Vieira

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • desenvolvimento de adsorventes naturais funcionalizados para aplicação no tratamento de águas contaminadas com fármacos
  • Os resíduos fármacos têm atraído atenção na pesquisa por serem poluentes emergentes e devido a sua alta disposição no meio ambiente. Além disso, os tratamentos convencionais que são aplicados nas estações de tratamento não são eficazes na remoção dos fármacos das águas para abastecimento, trazendo riscos diretos para seres humanos. Portanto, faz-se necessário o desenvolvimento de processos alternativos para remoção desses contaminantes. A adsorção mostra-se como uma excelente alternativa, dado seu desempenho, flexibilidade, custo e adequação ambiental, visto que o material adsorvente pode ser natural e regenerado. Dentre os adsorventes utilizados, nos ultimos anos verifica-se uma tendência a utilizar materiais naturais ou renováveis. Nesse contexto, encontram-se as zeólitas naturais, que se destacam por suas qualidades físicas e químicas e disponibilidade em diversos locais do mundo. Tendo em vista que a aplicação de zeólitas naturais e carvão ativado para o tratamento de água já é uma técnica existente e com mercado consumidor consolidado, o presente projeto estará focado no desenvolvimento e avaliação destes materiais adsorventes funcionalizados com nanopartículas metálicas, por meio de métodos verdes ou químicos, gerando uma estrutura livre de impurezas e maior potencial de adsorção, para remoção de fármacos a partir de águas contaminadas. Experiências prévias do grupo de pesquisa na área de funcionalização com nanopartículas nos encorajam a propor o uso dos adsorventes zeolitas e carvões ativados como base do trabalho. Na metodologia proposta, os adsorventes serão funcionalizados, caracterizados físico-quimicamente, avaliados quanto à capacidade de adsorção em batelada, vida útil dos adsorventes e possibilidade de uso em colunas de adsorção e processos de regeneração. Os novos materiais desenvolvidos podem aumentar a eficiência de filtros empregados para o tratamento de água para consumo humano.
  • Universidade Estadual de Maringá - PR - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Angélica Simone Cravo Pereira

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • wagyu em clima tropical: desempenho, qualidade da carcaça, carne e expressão gênica em progênies
  • A pecuária brasileira precisa evoluir, a fim de atender à demanda dos consumidores que estão dispostos a pagar por produtos de melhor qualidade sensorial. Neste contexto, a melhoria da qualidade da carne é fundamental. Este estudo objetiva caracterizar as progênies de touros representantes das principais famílias da raça Wagyu Kuroge. Serão utilizadas 40 progênies, de touros, que representam as principais famílias dos ancestrais da raça Wagyu Kuroge. Os animais, mesmo grupo contemporâneo, serão criados em pasto com suas mães, desmamados aos 6 meses, castrados e recriados em um sistema de semi-confinamento. As progênies serão confinadas com 16 meses e protocoladas pelo programa Carne Wagyu Certificada. Durante o abate, serão coletadas amostras do músculo Longissimus (LO) para extração de RNA e proteína. Serão coletadas amostras de LO para análise de colágeno, marmorização, cor, comprimento de sarcômero, maciez objetiva e sensorial, composição da carne e perfil de ácidos graxos. Será analisada a expressão de alguns genes relacionados à adipogênese e lipogênese, como o C/EBPalfa, PPAR, LEP, FABP4, SCD e TORC2, dentre outros. A importância deste estudo inovador infere no impacto da identificação de como as progênies dos principais touros da raça Wagyu se comportam, quando produzidos em condições tropicais. O conhecimento das características de carcaça, carne e como os genes se comportam poderá indicar a seleção genética para propiciar uma evolução rápida e precisa dos animais mais adaptados para nosso sistema de produção, com garantia de carne de qualidade, com características sensoriais desejadas pelos consumidores.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Angelica Thomaz Vieira

Ciências Biológicas

Imunologia
  • efeito da interação entre dieta, microbiota e hospedeiro sobre a resistência bacteriana a antimicrobianos e suas consequências sobre os eixos intestino-pulmão e intestino- cérebro
  • É alarmante, ainda no século 21, a alta disseminação de bactérias resistentes aos antimicrobianos (RAM). O uso excessivo de antibióticos é um dos principais fatores para a resistência, embora os esforços para limitar o uso destes, não tenham tido os efeitos esperados. Isso sugere que desconhecemos outros fatores que possam contribuir para o aumento da resistência. É sabido, que a microbiota humana pode servir como reservatório de genes de resistência. Nossa microbiota inclui trilhões de microrganismos, que habitam nosso corpo, na sua maioria no intestino. O desequilíbrio na composição da microbiota (disbiose) interfere na quebra da homeostase intestinal e contribuem no surgimento de doenças. As mudanças dietéticas associadas ao estilo de vida ocidental afetam a microbiota e estão associadas com a incidência de doenças, tais quais, obesidade, doenças respiratórias e até mesmo doenças neurológicas. Todavia, é evidente que estratégias terapêuticas de modulação da microbiota (fibras dietéticas e probióticos) exercem efeitos imunomoduladores nessas doenças, como já demonstrado pelo nosso grupo de pesquisa. No entanto, é menos evidente se existe uma conexão direta entre disbiose induzida por fatores dietéticos e o aumento da resistência antimicrobiana. Assim, é nossa hipótese que a disbiose induzida por diferentes dietas ocidentais (dietas obesogênicas, ricas em lipídios e/ou dietas com baixo teor de fibras), contribuem com a seleção de bactérias RAM na microbiota do hospedeiro, e que também, essa seleção, favorece a quebra da barreira epitelial intestinal e alterações inflamatórias na mucosa intestinal que irão afetar outros sítios, como, o pulmão e o cérebro. Para isso, serão utilizados modelos experimentais murinos, incluindo animais nocautes e animais gnotobióticos, manipulações dietéticas, sequenciamento de larga escala para a caracterização dos mecanismos envolvidos no eixo intestino-pulmão-cérebro que possam atuar no processo de resistência antimicrobiana.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 20/04/2022-30/04/2025