Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alessandra Choqueta de Toledo Arruda

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • efeito da estimulação elétrica nervosa transcutânea ganglionar no metaborreflexo muscular esquelético durante o teste de exercício cardiopulmonar em pacientes com insuficiência cardíaca crônica
  • A insuficiência cardíaca é uma síndrome clínica complexa caracterizada pela incapacidade cardíaca de fornecer oxigênio adequadamente aos tecidos. Essa síndrome atinge cerca de 3 milhões de pessoas no mundo. Suas principais manifestações clínicas são fadiga e dispneia que contribuem para a limitação ao exercício. A fadiga muscular aumenta a atividade nervosa simpática muscular e reduz o fluxo de sangue para os músculos em repouso devido à vasoconstrição adrenérgica. O mecanismo sugerido para explicar esse fenômeno é de que a maior ativação da musculatura esquelética irá gerar acumulo de metabólitos capazes de estimular as aferências do tipo III e IV e produzir intensa vasoconstrição mediada pelo aumento da atividade simpática. Durante o exercício de alta intensidade, ocorre também fadiga da musculatura respiratória, ativando também o metaborreflexo muscular inspiratório. No exercício esse mecanismo pode influenciar o surgimento da fadiga periférica e contribui para a intolerância ao exercício na insuficiência cardíaca. Algumas terapias capazes de manipular esse mecanismo vem sendo estudadas, dentre elas a estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS). A administração da TENS na região de gânglios cervicotorácicos tem demonstrado ser uma estratégia útil para diminuir a gravidade da angina e melhorar o fluxo sanguíneo local. Estudos recentes mostraram que a TENS sobre a região do gânglio estrelado (simpático) atenuou o metaborreflexo muscular tanto em jovens quanto em idosos, provavelmente devido ao bloqueio da atividade nervosa simpática. A utilização periférica da TENS também reduziu a atividade nervosa simpática muscular mensurada pela microneurografia em pacientes com insuficiência cardíaca. A TENS é particularmente benéfica na diminuição da hiperestimulação simpática quando o tônus adrenérgico é regulado. No entanto, ainda não se sabe o impacto da TENS ganglionar durante a realização de exercício máximo em pacientes com insuficiência cardíaca crônica. Nossa hipótese é de que a TENS poderia atenuar o metaborreflexo muscular esquelético e inspiratório, indicando uma redução na atividade simpática, com consequente melhora na performance e na tolerância ao exercício de pacientes com insuficiência cardíaca crônica. Assim, o objetivo deste estudo é determinar o impacto da estimulação elétrica nervosa transcutânea ganglionar no metaboreflexo muscular e na capacidade funcional de pacientes com insuficiência cardíaca crônica durante o teste de exercício cardiopulmonar. Este será um estudo multicêntrico, transversal placebo-controlado. Serão incluídos pacientes com insuficiência cardíaca classe funcional II e III NYHA e indivíduos sem doença prévia pareados por sexo e idade que incluirá individuos entre 30 e 70 anos. Em cada visita serão realizados o teste de exercício cardiopulmonar máximo e o protocolo TENS ou sham TENS, de acordo com a randomização. As visitas serão realizadas com intervalo mínimo de 48 horas. A estimulação elétrica transcutânea ganglionar com a TENS será conduzida por um período de 30 minutos antes e durante todo o protocolo de exercício. O protocolo da TENS será realizado a partir do modo de fluxo contínuo, simétrico e pulso bifásico retangular aplicados na região do gânglio estrelado (nível vertebral C7 e T4). Os parâmetros utilizados serão: frequência de estímulo a 80Hz e duração do pulso de 150 μs. A intensidade será determinada a partir do nível máximo tolerado pelo indivíduo, sem a presença de dor ou contração muscular. Durante o protocolo sham TENS, os participantes receberão as mesmas instruções e serão conduzidos aos mesmos procedimentos descritos acima. No entanto, o tempo entre os pulsos da TENS será modificado de 330 ms para 33 s no intuito de evitar qualquer efeito analgésico. Durante o protocolo experimental e no período de recuperação, as seguintes medidas serão realizadas: frequência cardíaca, pressão arterial, ventilação, consumo de oxigênio (VO2), produção de dióxido de carbono (VCO2) e a oxigenação dos músculos intercostais e vasto lateral pela espectroscopia no infravermelho próximo (NIRS).
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alessandra Cremasco

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • caracterização eletroquímica e biológica de superfície nanotubular de tio2 em ligas ti-nb-fe-(zr)
  • Este trabalho tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento de ligas de titânio destinada a implantes ortopédicos e dentários avaliando-se o comportamento eletroquímico e biológico de superfícies nanoestruturadas de TiO2. Ligas  metaestáveis possuem propriedades atraentes para uso como materiais de implantes biomédicos. Tais ligas quando submetidas a apropriada rota de fabricação com tratamentos térmicos de envelhecimento torna-se possível obter combinação ideal de baixo módulo de elasticidade e superior resistência mecânica em função da redução de tamanho de grão e combinação de fases. Ao mesmo tempo, as características da superfície destas ligas devem ser otimizadas para garantir boa interação entre o osso e o material do implante. Assim, a formação de uma fina camada nanoestruturada de TiO2 pode ser interessante por aumentar a biocompatibilidade e com isso, estimular o crescimento ósseo. Amostras de ligas Ti-30Nb, Ti-30Nb-3Fe e Ti-30Nb-5Fe serão anodizadas em eletrólito 0,3% HF para formar uma camada de TiO2 nanoestruturada e tratadas termicamente para promover a cristalização a anatase e/ou rutilo. A adição de Zr também será avaliada pela adição de 2% à liga Ti-30Nb-3Fe e seguirá similar rota de preparação. Na sequência, após a caracterização química, morfológica e estrutural, amostras revestidas com nanotubos amorfo ou com estrutura anatase e/ou rutilo serão avaliadas eletroquimicamente por espectroscopia de impedância eletroquímica e biologicamente por ensaios metabólitos MTT de viabilidade celular.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alessandra de Sá Mello da Costa

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • memoriais e museus corporativos como lugares de memória: identificação, mapeamento e análise.
  • Vide projeto anexo
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alessandra Ferreira Ribas

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • biossíntese e catabolismo da prolina em diferentes tecidos de tabaco sob condições de estresse
  • A fim de mitigar os efeitos do estresse, como a deficiência hídrica, as plantas realizam a síntese e acumulação de solutos orgânicos, conhecidos como osmoprotetores, como a prolina. A aplicação exógena desse soluto tem evidenciado um aumento do seu conteúdo endógeno. Essa biossíntese de prolina pode vir a substituir/complementar a atividade da NADP-MDH nos cloroplastos durante o estresse, conhecido como válvula de malato, que atua na regeneração do aceptor de elétrons NADP+ através da conversão do oxaloacetato em malato. Este é transportado para a mitocôndria para ser reconvertido em oxaloacetato pela NAD-MDH produzindo NADH+ que é útil na cadeia respiratória e ativando a via da AOX, beneficiando as plantas por reduzir as consequências dos estresses ambientais. Neste contexto, o objetivo desse trabalho é avaliar diferentes tecidos de plantas de tabaco geneticamente modificadas para a superprodução endógena de prolina submetidas a aplicações exógenas desse osmólito sob deficiência hídrica. O experimento será realizado em casa de vegetação, em delineamento inteiramente casualizado, com arranjo fatorial triplo (3x2x2), sendo 3 materiais vegetais (dois eventos transgênicos com expressão constitutiva 35S::P5CSF129A - 35S 2(8), 35S 8(4) e o controle não transgênico), 2 doses de prolina (0 e 10 mM) e 2 regimes hídricos (irrigado e suspensão). Para caracterização do estresse hídrico serão realizadas as análises fisiológicas de conteúdo relativo de água, trocas gasosas foliares, fluorescência da clorofila a, estabilidade de membrana, peroxidação de lipídeos, biomassa, conteúdo de clorofila, proteínas e prolina. Será avaliada a expressão dos genes e atividade das enzimas da via da prolina, além da NADP-MDH e AOX, razão NADP+/NADPH e análises de metabolômica e ionômica. Os dados obtidos serão submetidos à análise de variância (p ≤ 0,05) e ao teste Tukey.
  • Universidade do Oeste Paulista - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alessandra Gomes Brandão

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • estratégia multidimensional de comunicação pública para o programa peld
  • O Programa de Pesquisas Ecológica de Longa Duração (PELD) tem permitido conhecer cientificamente e avaliar a complexidade dos processos ecológicos, com uma visão integrada e de longa duração, como mecanismo para promover a conservação e gestão de ecossistemas e analisar tendências, perspectivas e cenários. Nos últimos anos, o programa vem se expandindo de diversas formas: seja ao buscar maiores aportes financeiros para o programa; pela entrada de novas propostas de sítios que venham aumentar o entendimentos sobre outros organismos e ecossistemas; na busca pela integração dos estudos realizados pelos PELD´s; como também na capacidade de comunicar essa produção para os diversos públicos, sejam gestores, imprensa, comunidades do entorno e à sociedade como um todo. A preocupação com a formação de equipes multidisciplinares, no entanto, têm estado presente nos editais PELD, inclusive com o estímulo à presença de profissionais de comunicação e educação ambiental nas equipes, visando a alcançar e disseminar o farto conhecimento produzido em cada ambiente de pesquisa. Atualmente, há o entendimento da necessidade dessas pesquisas alcançarem não apenas os ambientes acadêmicos e públicos mais próximos, mas toda sociedade, uma vez que as mesmas são fundamentais para o desenvolvimento de políticas ambientais e para o gerenciamento de recursos naturais, que envolve, de formas distintas, toda sociedade nas várias regiões do país.Contudo, mesmo que sejamos uma sociedade permeada pela cultura científica, ainda há um lamentável distanciamento entre a ciência e sociedade, que precisa ser enfrentado para alcançar tais objetivos. A presente proposta vêm nessa direção, uma vez que propõe uma estratégia multidimensional para construção de possibilidades férteis de comunicação pública da ciência, que alcance os diferentes públicos - que possuem posições e percepções distintas sobre o meio natural. De natureza interdisciplinar, o projeto articula reflexões atuais e ricas sobre comunicação pública da ciência, como: (a) Linguagem capaz de atrair para o diálogo diferentes públicos, uma vez que essa se tornou uma das primeiras barreiras dessa aproximação (b) Respeito ao direito à informação e à apropriação social do conhecimento; c) Compreensão da complexa relação entre ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA), buscando desconstruir visões equivocadas bastante comum sobre a ciência; d) Atenção aos modelos de comunicação adequados à cada atividade proposta, tanto em execução como nas formações proposta aos assessores de comunicação e pesquisadores dos sítios: i (e) foco na capacidade de atender a todos os sítios, por meio de uma proposta robusta em comunicação digital; (f); equilíbrio entre atividades realizadas por esta equipe e nas orientações que serão dadas às equipes de cada sítio PELD, por meio de capacitações e orientações especializadas em comunicação pública da ciência. Diante disso, a presente proposta busca atender as diretrizes previstas, uma vez que visa a potencializar a divulgação da produção científica dos sítios, tanto por meio da execução das atividades, como por meio das formações oferecidas aos PELD´s, de forma a alcançar os tomadores de decisão, também buscando o engajamento da sociedade por meio da aproximação dos cientistas dos sítios com as comunidades locais, como escolas, associações de bairro, eventos como rodas de conversa, apresentação dos mini museus sobre os ecossistemas e pela escuta dos saberes populares, como forma de fazer a comunidade partícipes do processo.
  • Universidade Estadual da Paraíba - PB - Brasil
  • 03/12/2020-31/12/2024