Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Yann YVES Lamarre

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • prospecção de biomarcadores de função esplênica e desenolvimento de ferramenta para o estudo do estresse eritropoético em modelo murino da anemia falciforme
  • Anemia Falciforme (AF) é uma doença genética monogênica, caracterizada por um quadro clínico heterogêneo, com alta variabilidade de manifestações clínicas entre os pacientes. O estresse anêmico na AF induz uma resposta fisiológica que inclui o rápido desenvolvimento de novos eritrócitos imaturos. Este processo é referido como eritropoiese de estresse. Essas células anormais precisam ser eliminadas do fluxo sangüíneo, uma vez que ainda estão presentes em suas superfícies, moléculas de adesão que podem iniciar o episódio de crise vaso oclusiva (CVO). A oclusão vascular é a marca do SCD que pode ocorrer em qualquer leito da vasculatura. A oclusão de pequenos vasos pode ser explicada por dois fenômenos principais, a obstrução luminal por hemácias rígidas ou a interação de células aderentes com o endotélio. O baço desempenha um papel importante na fisiopatologia da AF, removendo as células falciformes. A hipofuncionalidade esplênica é uma constante na AF e leva a asplenia em humanos. Uma das alternativas para o estudo do dano esplênico e estresse hematopoiético decorrente da AF é o uso de modelos animais. Dentre os modelos animais disponíveis, os camundongos Berkeley (Berk) são os mais indicados, pois mimetizam o fenótipo mais severo da AF. O objetivo deste trabalho é avaliar a função do baço com a caracterização morfo-histológica do dano em diferentes idades do animal, bem como avaliar se o baço falciforme pode ser usado como ferramenta in vivo para explorar a eritropoiese e determinar marcadores de estresse hematopoético neste modelo. Assim, pretende-se extrapolar os achados no acompanhamento da disfunção e o dano progressivo do baço dos modelos Berk em pacientes acometidos por doença falciforme. Estes achados contribuirão sobremaneira no entendimento da fisiopatologia da AF humana.
  • Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Yanna Karla de Medeiros Nóbrega

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • importância do cd71 e do microbioma intestinal na doença celíaca
  • A doença celíaca (DC) é uma enteropatia autoimune crônica, associada à ingestão de glúten, cuja prevalência mundial é de 1% (FASANO et al., 2003; LOHI et al., 2007; RUBIO-TAPIA et al., 2009). A DC depende de fatores genéticos, ambientais e do glúten. Os genes predisponentes na DC são o HLA-DQ2 e HLA-DQ8 (SOLLID et al., 2005). Acredita-se que outros genes não-HLA contribuem em até 40% para o desenvolvimento da DC; no entanto, os HLA estão presentes em todos os celíacos (SCHUPPAN et al., 2009; SOLLID et al., 2005). Em indivíduos não celíacos, o glúten é clivado, pelas enzimas digestivas, em fragmentos que não desencadearem resposta imunogênica. Em celíacos, a digestão do glúten é incompleta e gera fragmentos de gliadina que iniciam uma resposta imune, levando ao desenvolvimento de alterações morfológicas nos enterócitos, com perda funcional e inflamação com infiltrado de células imunitárias na lâmina própria, além de produção de anticorpos (FERRANTI et al., 2007), iniciando o aparecimento dos sinais e sintomas da DC (ABADIE et al., 2011; HUSBy et al., 2012). Os fragmentos de gliadina passam através da barreira epitelial do intestino para a lâmina própria por vários mecanismos: por via transcelular, onde são endocitados em lisossomos e degradados em pequenos peptídeos não imunogênicos (FASANO et al., 2011); por via paracelular, através da regulação das tight junctions (TJ) que alteram a permeabilidade celular (Heyman e Menard 2009); e por transporte transepitelial através do CD71 (receptor de transferrina e IgA), que é superexpresso nas células intestinais dos celíacos (MATYSIAK-BUDNIK et al., 2008). O CD71 reconhece IgA complexada com gliadina ou seus peptídeos. A IgA é reconhecida na sua porção Fc pelo CD71, que libera essa associação sem processamento na lâmina própria (MATYSIAK-BUDNIK et al., 2008), onde o peptídeo é modificado pela transglutaminase tecidual (tTG) e adquire carga negativa, que aumenta a afinidade com o HLA-DQ2/DQ8 (CAPUTO et al., 2012; SIMON-VECSEI et al., 2012; RAUHAVIRTa et al., 2011). Ainda na lâmina própria, os peptídeos da gliadina são reconhecidos e processados pelas APCs via MHC II, e apresentados às células TCD4 que, ativadas, passam a produzir IFN-γ e IL-15 e diferenciam-se em linfócitos intraepiteliais (IELTs), que infiltram-se entre as células epiteliais da mucosa do intestino. IELTs exibem receptores para células NK, iniciando seu recrutamento, e promovendo destruição do epitélio intestinal, hiperplasia de criptas e atrofia das vilosidades (ABADIE E JABRI, 2014; SOLLID E JABRI, 2013; BARONE et al., 2011). Os genes predisponentes são fundamentais para o desenvolvimento da DC, bem como a ingestão de glúten, e embora 1% da população mundial tenha a doença, os genes HLA-DQ2/DQ8 estão presentes em cerca de 30% da população saudável, que também apresenta risco de desenvolvimento de DC. Além disso, quase a totalidade da população mundial consome glúten. Desta forma, embora existam outros fatores envolvidos na DC, é de extrema relevância identificar em pacientes saudáveis e expostos ao glúten a existência dos genes da DC. Dentre os fatores relevantes no estudo da DC destaca-se a importância da microbiota intestinal, que desempenha um papel na manutenção da inflamação intestinal em doenças crônicas, promovendo a presença de disbiose intestinal em pacientes com DC (CENIT et al, 2015). O intestino humano é colonizado por microbiota complexa, composta de micro-organismos que desempenham múltiplos papéis na saúde humana, e em funções fisiológicas, como motilidade gastrintestinal, metabolismo, nutrição, imunidade e regulação do sistema neuroendócrino (FUKUI et al., 2018). Embora a microbiota apresente variações entre os indivíduos, alguns micro-organismos estão presentes no trato gastrointestinal da maioria dos humanos, como Escherichia coli, Candida albicans e espécies de Lactobacillus (CASTRO et al., 2015). Recentemente, aventou-se a possibilidade de que C. albicans pode desempenhar um papel na persistência ou agravamento das doenças inflamatórias intestinais crônicas (LIMON et al., 2017) via Th17 (ILIEV et al., 2012). C. albicans pode estar também implicada na DC, em sua fase patogênica, expressa Hwp1, uma proteína que induz biofilmes e possui sequência análoga à gliadina e, sendo digerida pela tTG. Pacientes de DC possuem títulos elevados de IgA anti-Hwp1, sugerindo que essa proteína pode estar envolvida na DC (COROUGE et al., 2015). O glúten induz a superexpressão de CD71 e tTG (PAPISTA et al., 2012), e não se sabe se Hwp1 é capaz de induzir o mesmo. Papista et al. (2012) em modelo murino de DC viu que as alterações patológicas do glúten foram reduzidas por Saccharomyces boulardii, capaz de digerir gliadina. Os efeitos anti-Candida de Lactobacillus foram investigados em vários estudos, utilizando diferentes espécies (FALAGAS et al., 2006; SMITH et al., 2012; KANG et al., 2018). Todas inibiram o crescimento de C. albicans, sendo capazes de prevenir (FALAGAS et al., 2006) ou eliminar candidíases vulvovaginais (KANG et al., 2018). Vilela et al (2015) demonstraram que L. acidophilus é capaz de inibir biofilme por C. albicans in vitro, regulando negativamente a expressão de genes de virulência, incluindo Hwp1 (ROSSONI et al., 2018). E Sarno et al (2014) mostraram que Lactobacillus paracasei, são capazes de reduzir a entrada de peptídeos de gliadina em Caco-2, células de adenocarcinoma de cólon humano (LINDFORS et al., 2012) empregadas como modelo para investigações in vitro de DC. Neste trabalho para investigar o papel da microbiota intestinal na DC empregamos Caco-2 e os micro-organismos C. albicans e Lactobacillus. O primeiro por seu possível papel no desencadeamento da doença, a partir da indução da superexpressão de CD71 via Hwp1; o segundo, por sua capacidade de reverter as ações do primeiro, seja pela inibição do crescimento e da formação de biofilmes, ou pela sua capacidade de digerir gliadina.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022