Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Varlei Rodrigues

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • desenvolvimento de (bio)sensores baseados em filmes poliméricos nanoestruturados com nanopartículas metálicas embebidas
  • A detecção específica de espécies relevantes, biológicas ou para monitoramento ambiental, com sensibilidade e seletividade cada vez maiores é um desafio importante nas ciências fundamentais e aplicadas. Intensos trabalhos de pesquisa introduziram nos últimos anos vários métodos para a detecção óptica de biomoléculas através de Raman, fluorescência ou espectroscopia de ressonância plasmônica de superfície. Devido a sua estreita largura espectral e forte amplificação de campos elétricos locais, o plasmon de superfície de nanopartículas (NPs) de metais nobres tem sido usado para melhorar a detecção até o nível da detecção de uma partícula única. Tem sido reportadas medidas SERS de rodamina usando substratos de NPs de Au em polímero, os detalhes da interação não são claros, principalmente devido à dificultade de controlar a distância entre NPs e molécula. Além disso, foram observadas grandes diferenças na amplificação e na resolução espectral das medidas. Apesar de recentes avanços, os filmes poliméricos ainda são raramente explorados em combinação com NPs metálicas. Esta ausência de pesquisa é surpreendente, tendo em mente o alto grau de aplicabilidade dos polímeros e das NPs, e pode ser atribuída ao alto grau de interdisciplinaridade necessária para o seu estudo. Assim, o potencial da combinação de polímeros e NPs está longe de ser totalmente explorado. O conhecimento detalhado de como combinar as possibilidades e versatilidades de polímeros e das NPs metálicas é crucial para uma possível aplicação tecnológica futura. O objetivo deste projeto é compreender a influência das propriedades físicas e químicas de filmes poliméricos dopados com NPs metálicas para o seu uso em sensores. Para isso pretendemos fabricar e caracterizar amostras modelo de filmes de polímero com NPs metálicas incorporadas com controle total sobre composição, tamanho e concentração. Vamos estudar como o ambiente polimérico influencia as propriedades das NPS metálicas, como sua estrutura cristalina, posição do pico de ressonância plasmônica, transferência de carga e extinção magnética na interface. Também vamos abordar como a presença de NPs metálicas altera as propriedades físicas e químicas do filme polimérico, como sua condutividade, rigidez e permeabilidade. Vamos também verificar como o sistema nanoestruturado responde a estímulos externos como campos elétricos ou magnéticos, umidade, reagentes químicos. Finalmente, vamos analisar seu comportamento quando usados em arquiteturas de sensores. Uma vez que a combinação adequada de materiais seja encontrada e que o sistema nanoestruturado seja caracterizado, poderemos implementá-lo em protótipos de dispositivos sensores para testar seu desempenho.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vasco Ariston de Carvalho Azevedo

Ciências Biológicas

Genética
  • uma abordagem integrativa para entender a estrutura, função e dinâmica da protease do hiv: aplicações para projetar novos inibidores
  • Os países Índia, África do Sul e Brasil são amplamente afetados pela epidemia de HIV / AIDS. Embora as terapias de tratamento tenham como alvo várias proteínas do HIV, as proteases são os principais alvos dos medicamentos anti-retrovirais (antiretroviral-ARV). Várias análises experimentais e computacionais foram realizadas para entender a estrutura, função, mecanismo de ação do fármaco, resistência a drogas, e a maioria dos estudos está focada no subtipo B. Pawar et al. (2018) mapeou os dados genotípicos com a estrutura da enzima e propôs um método usando aprendizado de máquina para classificar a resistência à protease do HIV. Eles mostraram que os modelos de aprendizado de máquina treinados com um inibidor poderiam classificar a resistência de outros inibidores com base na similaridade de estruturas químicas. Li et al. (2018) desenvolveram um método de previsão de consenso usando diferentes técnicas de aprendizado de máquina, juntamente com fingerprints e características físico-químicas para discriminar os inibidores e decoys de protease do HIV. Koushi et al. (2018) revelaram as ligações químicas de ligantes com dois resíduos de Asp catalíticos de protease de HIV-1 por cristalografia de neutrões. Pintro e de Azevedo (2017) desenvolveram uma função de pontuação para prever a afinidade de ligação de ligantes com a protease do HIV-1 usando métodos de molecular docking. Zhua et al. (2019) usaram a estratégia conhecida como scaffold-hopping para combinar o inibidor de protease do HIV-1 Darunavir (DRV) e os triterpenóides pentacíclicos para projetar novos compostos. Ghosh et al. (2018) projetaram e sintetizaram uma ampla gama de inibidores de protease excepcionalmente potentes e estruturalmente intrigantes e mostraram propriedades semelhantes a drogas favoráveis. Nosso grupo caracterizou diferentes tipos de mutações para distinguir entre a presença ou ausência da doença (Kulandaisamy et al. 2019), bem como inibidores específicos de mutação (Anoosha et al. 2019). Por outro lado, vários bancos de dados como BindingDB, ChEMBL e The Stanford HIV Drug Resistance Database foram desenvolvidos para moléculas do tipo droga, que incluem inibidores e mutações resistentes a drogas do subtipo B de protease do HIV. No entanto, estes estudos baseiam-se principalmente no subtipo B do HIV-1 e sabe-se que os fármacos / inibidores disponíveis são menos eficazes contra algumas variantes do subtipo C. Um dos pesquisadores, o grupo do Professor Yasien Sayed iniciou o trabalho no subtipo C, focando na superexpressão, purificação e caracterização, bem como a susceptibilidade à droga e capacidade de replicação das variantes da região charneira da protease do subtipo C do HIV-1 (Zondagh et al. 2018, 2019). Portanto, é necessário realizar investigações detalhadas sobre a estrutura e função do subtipo C da protease do HIV, desenvolver bancos de dados e inibidores / fármacos projetados especificamente para as proteases do subtipo C do HIV.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 08/08/2019-31/08/2022
Foto de perfil

Velci Queiróz de Souza

Ciências da Saúde

Farmácia
  • utilização de compostos bioativos obtidos de plantas do bioma pampa gaúcho em terapias de desordens decorrentes do envelhecimento.
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal do Pampa - RS - Brasil
  • 23/01/2020-22/01/2025
Foto de perfil

Venerando Eustáquio Amaro

Outra

Ciências Ambientais
  • geotecnologias aplicadas à gestão de recursos hídricos do sistema lacustre do bonfim/rn (sigla geotec-bonfim)
  • No Estado do Rio Grande do Norte (RN) o sistema público de abastecimento de água e esgoto é operado em 155 municípios pela Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte (CAERN) e em 12 municípios pelo Sistema Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), com base em mananciais superficiais e subterrâneos, que estão inerentemente interligados nos aspectos de recarga hídrica. No contexto desse abastecimento estratégico do RN destaca-se a relevância do açude Eng. Armando Ribeiro Gonçalves, na bacia do rio Piranhas-Açu, do qual partem quatro grandes sistemas adutores (Médio Oeste, Serra de Santana, Sertão Central Cabugi e Adutora Jerônimo Rosado) e a Lagoa do Bonfim, localizada no Município de Nísia Floresta no litoral oriental do Estado, que é responsável pelo abastecimento de 30 municípios através do Sistema Adutor Monsenhor Expedito da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH-RN) e da CAERN. Esta adutora, de importância basilar no atendimento do Agreste Potiguar com cerca de 35% da população do Estado, vale-se da captação direta no espelho de água da Lagoa do Bonfim e por alguns poços tubulares situados a montante desta. Por conseguinte, tornou-se imprescindível uma gestão dos recursos hídricos consistentes e baseada em instrumentação e ferramentas de alta precisão e acurácia, de baixo custo relativo e que permita o monitoramento contínuo, com opções de vários arranjos temporais, de aspectos qualitativos e quantitativos da qualidade de água e da disponibilidade hídrica da Lagoa do Bonfim, diante do funcionamento de toda a adutora, especialmente durante os prolongados períodos de estiagem. A Lagoa do Bonfim compõe o Sistema Lacustre do Bonfim juntamente com as lagoas de Redonda, Urubu, Boa Água, Arituba, Alcaçuz, Ferreira Grande e Carcará, que constitui uma pequena bacia com um único dreno, o Riacho Boa Cica afluente da margem esquerda do Rio Trairi, com área de aproximadamente 60 km2, todas integradas em aquífero livre. Contudo, é notável nesse sistema lacustre a ausência de rede de drenagens proeminentes, além de destacada influência do controle morfotectônico sobre as formas e arranjo das lagoas, sugerindo elevada taxa de infiltração e pouca influência dos fluxos superficiais para as lagoas. Portanto, todo o sistema lacustre do Bonfim está inserido no Aquífero Dunas-Barreiras (ou apenas Aquífero Barreiras, na ausência de Dunas) entre as bacias hidrográficas dos rios Trairi, ao sul, e Pirangi, ao norte, ambas de contribuição superficial reduzida e configura-se como o maior reservatório de água natural da região litorânea oriental do RN (Pereira et al. 1996, Lucena 1999, Pereira 2007). O sistema lacustre do Bonfim apresenta baixa capacidade reguladora, da ordem de 18.000.000 de m3/ano (Pereira et al. 2000). O Aquífero Barreiras é o principal aquífero da região costeira do Norte e Nordeste do Brasil, estendendo-se desde o Amapá ao Rio de Janeiro (Lucena 1999, Batista et al. 2007, Santos 2013, Zoby & Oliveira 2005). Consequentemente é o maior manancial de água subterrânea do litoral oriental do RN e a principal fonte de abastecimento de água das cidades litorâneas, incluindo a capital Natal (SERHID 1998, 2006). Embora represente uma área de apenas 1,5% do RN, o sistema lacustre do Bonfim atende as necessidades hídricas de cerca de 35% de população do RN (Pereira et al. 2003). Porém, ininterruptamente nota-se o rebaixamento no nível de água na Lagoa do Bonfim, quase 50% de Novembro de 1998 a Julho de 1999, devido ao volume captado para a adutora após o início do bombeamento. Portanto a captação é um fator muito impactante no sistema lacustre do Bonfim (Pereira et al. 2002), juntamente com a ampliação do uso e ocupação dos entornos das lagoas por diversas atividades, que também sugerem a tendência de redução do espelho de água e do volume do manancial superficial de água. Nesse cenário se insere o doravante chamado projeto GEOTEC-BONFIM que servirá como modelo de integração de ferramentas de Geotecnologias Aplicadas à formação de recursos humanos, desde o diagnóstico até o monitoramento de sistemas lacustres e seus entornos, propiciando facilidades operacionais às tomadas de decisões, com métodos e instrumentação integrados ao tratamento de geodados multifontes na gestão sustentável de recursos hídricos na região Nordeste e outras similares.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vera Beatriz Siqueira

Lingüística, Letras e Artes

Artes
  • laboratório de história da arte global
  • A História da Arte Global é tema de destaque na área há algumas décadas. Importa-nos especialmente levantar o problema da abrangência efetiva dessa nova tendência historiográfica, debatendo como, apesar de a arte estar difundida pelo globo terrestre, o conteúdo da História da Arte, tal como é gerado por meio de ensino, mostras e publicações, permanece ainda parcial, centrado na Europa e na América do Norte. Importa também pensar em estratégias inclusivas, que não apenas ampliem o panteão da arte ocidental, mas que enfrentem os problemas da heterocronia e da incomensurabilidade das culturas a partir do Brasil, da arte aqui produzida e de seus processos de historicização e institucionalização. Devido à sua formação e qualificação, e aos vínculos estabelecidos com importantes instituições do Brasil e do exterior, os pesquisadores participantes desse projeto pretendem participar de forma qualificada nos debates atuais sobre a disciplina histórico-artística e, mais especificamente, sobre a perspectiva da História da Arte Global, buscando discutir algumas questões fundamentais: 1. O desenvolvimento de uma História da Arte a partir do Brasil, questionando não apenas o centramento na Europa e nos Estados Unidos, mas também os conceitos que fundamentam a História da Arte ocidental; 2. O entendimento da História da Arte como uma linguagem, uma tática de pensamento, um projeto de compreensão, capaz de articular diferentes quadros culturais, a partir das ideias de fluxo, recepção, comparação, interpretação, entre outras; 3. A compreensão da historicidade da arte como algo que não se restringe ao tempo específico de sua produção, e sim como dado que se renova, a partir de cada nova interpretação, uma vez que o objeto artístico é sempre contemporâneo do historiador da arte e o passado se apresenta como necessariamente mutável e instável; 4. A investigação da arte em sua associação entre a materialidade dos objetos e o fenômeno estético e cultural, buscando extrair do fato artístico a sua emergência histórica e o seu sentido cultural; 5. A compreensão de que a busca por uma História da Arte global não pode significar apenas incluir novos objetos no tradicional panteão ocidental, mas sim, ao fazê-lo, lidar com a potência estética destes, de modo a obrigar o historiador a uma redefinição do processo simbólico da cultura e da própria dinâmica da historicidade; Desse modo, a interpretação histórico-artística é tratada não como algo que se apõe aos objetos e sim como aquilo que os configura: os fatos artísticos são, em si, fatos interpretados, em múltiplas temporalidades e diferentes quadros culturais.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vera Cascon

Outra

Divulgação Científica
  • xiii fecti –décima terceira feira de ciência, tecnologia e inovação do estado do rio de janeiro
  • O objetivo do presente projeto é a realização da XIII FECTI - Décima Terceira Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, organizada pela Fundação CECIERJ, fundação pública de direito público estadual. A Fundação CECIERJ tem como origem o como Centro de Ciências do Estado da Guanabara (CECIGUA), que foi criado em 1965 como o objetivo de “promover a educação científica do povo” , atuando na capacitação de professores, produzindo e distribuindo livros-texto e materiais para os laboratórios das escolas, além de ter realizado feiras de ciências estaduais de 1968 a 1974. A Fundação CECIERJ, comprometida com a difusão e popularização da ciência e com a melhoria do ensino de ciências, retoma a iniciativa de feiras de ciências em 2005 com o estabelecimento do programa FECTI – Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, que conta com o apoio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social do Rio de Janeiro. A FECTI é a maior feira de ciências do Estado do Rio de Janeiro e tem contado com o auxílio da FAPERJ desde sua primeira versão, em 2005, e das chamadas organizadas pelo CNPq para feiras de ciência e mostras científicas, desde 2010. A participação, gratuita, na FECTI ocorre de duas formas: por inscrição avulsa no site, ou por meio de indicação de feiras afiliadas, que sejam realizadas até o final da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Todos os projetos, mesmo os indicados por feiras afiliadas, necessitam se inscrever na FECTI, enviando um trabalho escrito que será avaliado pela comissão científica da FECTI. Os estudantes de 6º ao 9º ano poderão inscrever seus trabalhos nas categorias Ciências no Ensino Fundamental II- 6º e 7º ano e Ciências no Ensino Fundamental II- 8º e 9º ano; e os estudantes do ensino médio e técnico nas categorias: Ciências Biológicas & da Saúde, Ciências Exatas, Interdisciplinar (para projetos de Arte e Ciência, Sociedade, Ciência e Esporte, Educação e Ensino de Ciências, História da Ciência), ou Desenvolvimento de Tecnologia. Os trabalhos inscritos na FECTI são submetidos a uma pré-seleção realizada pela equipe da Divulgação Científica da Fundação CECIERJ. Nessa pré-seleção, são considerados a originalidade, o cumprimento às normas da FECTI e aos princípios éticos que regem a pesquisa com seres vivos. Os projetos considerados aptos a participar da FECTI são avaliados pelo Comitê Científico, composto por cerca de 130 professores e pesquisadores ligados a instituições de ensino e pesquisa e museus de ciência. A seleção para a mostra da XIII FECTI levará em consideração a qualidade e o número máximo de 180 projetos finalistas. Os trabalhos finalistas serão publicados nos Anais da XIII FECTI: os resumos em mídia impressa e as versões completas em mídia digital. A XIII FECTI será realizada nos dias 23 e 24 de novembro de 2019, no CEFET/RJ, Campus Maracanã, cidade do Rio de Janeiro. Durante o evento, das 10h às 17h, com entrada gratuita, os trabalhos serão apresentados pelos estudantes ao público e à comissão de avaliação. Concomitantemente com a feira, irá ocorrer nas dependências do CEFET/RJ o 2º. Encontro de professores FECTI, para troca de experiências entre professores, com a participação de especialistas em ensino de ciências e dos professores orientadores dos projetos expostos na FECTI. Também serão oferecidas oficinas para formação continuada aos professores, ministradas pelos integrantes da Praça da Ciência Itinerante. Para os estudantes, será realizada a visitação aos laboratórios do CEFET/RJ, uma oportunidade de incentivar esses jovens a seguirem seus estudos, especialmente nas carreiras de ciência e tecnologia. Ao final do evento, os expositores, alunos, professores e suas escolas, receberão o certificado de participação e os vencedores em cada categoria serão premiados. A realização anual da FECTI promove o desenvolvimento no ambiente escolar de projetos de pesquisa, nas diversas áreas de ciência e tecnologia, envolvendo estudantes e seus professores na investigação científica, contribuindo para a melhoria do ensino de ciências e matemática e abrindo caminho para a formação de jovens com um pensamento inventivo e crítico. A realização do evento, aberto e gratuito, permite à população do Estado do Rio de Janeiro o desenvolvimento de uma cultura científica. Assim, além de despertar o gosto de jovens pelas carreiras científicas e tecnológicas, espera-se contribuir para a formação de cidadãos mais críticos e participativos.
  • Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ - RJ - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Vera Cascon

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • xiv fecti - décima quarta feira de ciência, tecnologia e inovação do estado do rio de janeiro
  • O objetivo do presente projeto é a realização da XIV FECTI - Décima Quarta Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, organizada pela Fundação CECIERJ, fundação pública de direito público estadual. A realização da feira de ciências estadual FECTI integra as ações executadas pela Fundação CECIERJ, que tem como origem o Centro de Ciências do Estado da Guanabara (CECIGUA), que foi criado em 1965 como o objetivo de “promover a educação científica do povo” , atuando na capacitação de professores, produzindo e distribuindo livros-texto e materiais para os laboratórios das escolas, além de ter realizado feiras de ciências estaduais de 1968 a 1974. A Fundação CECIERJ, comprometida com a difusão e popularização da ciência e com a melhoria do ensino de ciências, retoma a iniciativa de feiras de ciências em 2005 com o estabelecimento do programa FECTI – Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Rio de Janeiro, que conta com o apoio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro. A FECTI é a maior feira de ciências do Estado do Rio de Janeiro e tem contado com o auxílio da FAPERJ desde sua primeira versão, em 2005, e das chamadas organizadas pelo CNPq para feiras de ciência e mostras científicas, desde 2010 A participação, gratuita, na FECTI ocorre de duas formas: por inscrição avulsa no site, ou por meio de indicação de feiras afiliadas, que sejam realizadas até o final da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Todos os projetos, mesmo os indicados por feiras afiliadas, necessitam se inscrever na FECTI, enviando um trabalho escrito que será avaliado pela comissão científica da FECTI. Os estudantes de 6º ao 9º ano poderão inscrever seus trabalhos nas categorias Ciências no Ensino Fundamental II- 6º e 7º ano e Ciências no Ensino Fundamental II- 8º e 9º ano; e os estudantes do ensino médio e técnico nas categorias: Ciências Biológicas & da Saúde, Ciências Exatas, Desenvolvimento de Tecnologia, Interdisciplinar (para projetos de Arte e Ciência, Sociedade, Ciência e Esporte, Educação e Ensino de Ciências, História da Ciência), Os trabalhos inscritos na FECTI são submetidos a uma pré-seleção realizada pela equipe da Divulgação Científica da Fundação CECIERJ. Nessa pré-seleção, são considerados a originalidade, o cumprimento às normas da FECTI e aos princípios éticos que regem a pesquisa com seres vivos. Os projetos considerados aptos a participar da FECTI são avaliados pelo Comitê Científico, composto por cerca de 160 professores e pesquisadores ligados a instituições de ensino e pesquisa e museus de ciência. A seleção para a mostra da XIV FECTI levará em consideração a qualidade e o número máximo de 200 projetos finalistas. Os trabalhos finalistas serão publicados nos Anais da XIV FECTI: os resumos em mídia impressa e as versões completas em mídia digital. A XIV FECTI será realizada nos dias 4 e 5 de dezembro de 2020, no CEFET/RJ, Campus Maracanã, cidade do Rio de Janeiro. Durante o evento, das 10h às 17h, com entrada gratuita, os trabalhos serão apresentados pelos estudantes ao público e à comissão de avaliação. Concomitantemente com a feira, irá ocorrer nas dependências do CEFET/RJ o 4º. Encontro de professores FECTI, para troca de experiências entre professores, com a participação de especialistas em ensino de ciências e dos professores orientadores dos projetos expostos na FECTI. Também serão oferecidas oficinas para formação continuada aos professores, ministradas pelos integrantes da Praça da Ciência Itinerante. Para os estudantes, será realizada a visitação aos laboratórios do CEFET/RJ, uma oportunidade de incentivar esses jovens a seguirem seus estudos, especialmente nas carreiras de ciência e tecnologia. Ao final do evento, os expositores, alunos, professores e suas escolas, receberão o certificado de participação e os vencedores em cada categoria serão premiados. A realização anual da FECTI promove o desenvolvimento no ambiente escolar de projetos de pesquisa, nas diversas áreas de ciência e tecnologia, envolvendo estudantes e seus professores na investigação científica, contribuindo para a melhoria do ensino de ciências e matemática e abrindo caminho para a formação de jovens com um pensamento inventivo e crítico. A realização do evento, aberto e gratuito, permite à população do Estado do Rio de Janeiro o desenvolvimento de uma cultura científica. Assim, além de despertar o gosto de jovens pelas carreiras científicas e tecnológicas, espera-se contribuir para a formação de cidadãos mais críticos e participativos.
  • Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ - RJ - Brasil
  • 07/01/2020-31/12/2021
Foto de perfil

Vera Lúcia da Silva Valente Gaiesky

Ciências Biológicas

Genética
  • biologia evolutiva de espécies de drosophilidae: múltiplas abordagens
  • A formação em paralelo de Zoólogos e Geneticistas aptos para capazes de interagirem na solução de problemas taxonômicos e evolutivos, (principalmente da enorme e ainda desconhecida fauna de Dípteros brasileiros), tem sido uma meta de nosso laboratório já há várias décadas. Ao longo deste percurso, atuando junto aos Programas de Pós Graduação em Biologia Animal e em Genética e Biologia Molecular da UFRGS e anteriormente no PPG Biodiversidade Animal da UFSM, formamos profissionais altamente qualificados nas duas áreas, e muitos dos egressos seguem interagindo em suas diferentes instituições (UFPe, UFPel, UFSC, UNILA, FURG, UNIPAMPA, UFSM, UNISINOS, FEEVALE, URI), inclusive no exterior. As metodologias usadas para os trabalhos de campo foram semelhantes nos estudos feitos nos Biomas Pampa e Mata Atlântica, em ambientes nativos, transicionais e até urbanos, de forma que os resultados puderam gerar um robusto conjunto de dados, comparáveis com os de outros Biomas, como a Caatinga, por exemplo. No período de realização do presente projeto, finalizaremos as análises moleculares e estatísticas para concluirmos as redações de pelo menos mais cinco artigos dos Doutorandos pelos dois Programas de Pós Graduação que continuam atuando nos subprojetos, como voluntários e como Pós Doutorado Junior do CNPq (seis Doutorados defendidos no período, três Mestrados e três Iniciações Científicas). A importância da formação de pesquisadores capazes de trabalharem em equipes multidisciplinares pode ser atestada em nosso CV Lattes, onde constam muitos estudos de taxonomia, genética e evolução e seus resultados foram publicados e reconhecidos por pesquisadores de ambas as áreas do conhecimento (25 entre 2014 e 2018/I e dois Capítulos de livros). Neste contexto, a atual proposta pretende ampliar as abordagens da nossa linha de pesquisa, lançando mão de novas metodologias e formando pesquisadores de áreas afins, unindo as suas respectivas expertises em prol do conhecimento da riquíssima fauna de Drosophilidae e de suas estratégias adaptativas, através de suas bases genéticas.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vera Lúcia Dias Siqueira

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • polimixina b em enterobactérias multirresistentes: avaliação proteômica e molecular da resistência e ação combinada com novas substâncias derivadas do (-)-canfeno.
  • O aumento de infecções causadas por bactéria multirresistentes, especialmente Enterobacteriaceae resistentes aos carbapenêmicos (ERC), associado à lentidão no desenvolvimento de novos antimicrobianos, levou ao aumento do uso das polimixinas em todo o mundo como uma última opção terapêutica. Entretanto, relatos de isolados resistentes às polimixinas estão em ascensão, sobretudo em algumas espécies de ERC, o que dificulta extremamente o tratamento de pacientes com infecções por estes multirresistentes. Os mecanismos de resistência às polimixinas, embora normalmente associados a modificações da estrutura da membrana externa bacteriana, ainda não estão totalmente definidos. Esperando contribuir para o tratamento e controle de infecções por ERCs resistentes à polimixina o presente estudo tem por objetivo caracterizar os mecanismos de resistência à polimixina B em ERC, sob abordagem molecular e proteômica, bem como avaliar a ação inibitória sinérgica entre polimixina B e tiossemicarbazida ou tiossemicarbazonas derivadas do (-)-canfeno sobre isolados de ERC. Este projeto terá a participação de um grupo de pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento da Universidade Estadual de Maringá e Universidade Tecnológica Federal do Paraná, preocupados e envolvidos com estudos relacionados à resistência bacteriana e síntese química de novas substâncias com possível ação antibacteriana, empregando metodologias de alto padrão tecnológico e científico. Esta proposta está embasada em resultados preliminares obtidos por este grupo de pesquisadores, que mostraram importante ação inibitória bacteriana de algumas substâncias obtidas sinteticamente a partir do (-)-canfeno. A realização do presente projeto contribuirá para a consolidação do grupo de pesquisa e os resultados obtidos poderão fornecer inclusive importantes descobertas em relação à prováveis alvos, em ERC, para ação antimicrobiana de novas substâncias químicas.
  • Universidade Estadual de Maringá - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vera Lucia Gaspar da Silva

Ciências Humanas

Educação
  • objetos para consumo da escola: o que dizem as exposições universais, os museus pedagógicos e as leis da obrigatoriedade escolar
  • A composição material da escola dedicada à infância têm se afirmado como uma das chaves de leitura para se compreender tanto sua difusão, quanto os diferentes projetos políticos que a envolvem. Já temos acumulado uma significativa produção na área que permite afirmar que, ainda que se tenha difundido uma proposta de escola de caráter comum em itens como organização administrativa, formação de professores e conteúdos curriculares, a operacionalização dos projetos dá-lhes constituição material diferente, particularmente em função do público a que se destina. Neste estudo ajustamos as lentes para focar nos anos finais do século XIX e iniciais do século XX, buscando identificar em acontecimentos deste período, indícios que ajudem a alargar a compreensão sobre a constituição deste nível de escolarização e sua difusão, particularmente no que diz respeito a composição material. Para fazê-lo serão tomadas como balizas: as Exposições Universais deste período nos conteúdos que afetam a escolarização, a organização e composição dos Museus Pedagógicos e as Leis de Obrigatoriedade Escolar. Definidas as balizas que, de certo modo, apoiam uma interpretação sobre a escolarização da infância, optou-se por explorar um conjunto de fontes que, de algum modo a elas se articulam. Serão considerados neste estudo relatórios de educadores brasileiros e estrangeiros que circularam nas Exposições Universais por diferentes vias, Manuais Pedagógicos destinados a preparação e/ou formação de professores para atuarem na escola primária e documentação e estudos que tratem das leis de obrigatoriedade escolar. Com o apoio das fontes e da literatura da área que vem se dedicando ao tema, pretende-se dar certa inteligibilidade aos debates e representações sobre a provisão material da escola. São debates que indiciam não só sobre um modelo de escola mas, também, sobre um ideal de escolarização. A inserção da escola na vida social vem acompanhada de demandas e organiza novos processos. Por um lado a indústria e a urbanização emergentes impõem novos modos de organização social, por outro esta organização reclama certa racionalidade que acaba por também atravessar a constituição da escola. Nesta relação tanto a escola afeta o desenvolvimento tecnológico como é por ele afetada e a presente proposta buscará trabalhar considerando este "duplo movimento".
  • Universidade do Estado de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022