Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Tiago Luis Reis Jalowitzki

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • isótopos de gases nobres em diamantes de intrusões kimberlíticas de juína (mt)
  • A Província Kimberlítica de Juína (PKJ), de idade cretácea (95-92 Ma), está localizada no noroeste do estado do Mato Grosso, margem sudoeste do Cráton Amazônico. Esta província é caracterizada pela ocorrência de enxames (clusters) de intrusões kimberlíticas intensamente intemperizadas que hospedam diamantes de profundidades variáveis do manto (superior, zona de transição e inferior). Estes diamantes ocorrem em intrusões kimberlíticas (primários), e nas bacias de drenagem do rio Cinta-larga e Juína-Mirim (depósitos aluvionares). A partir de feições texturais, é possível assumir que ambas as populações de diamantes, primários e aluvionares, são similares, sugerindo que os diamantes de aluvião têm sua origem nos corpos kimberlíticos. As razões isotópicas de gases nobres (He, Ne, Ar, Kr, Xe) em alguns reservatórios mantélicos, tais como basaltos de cadeias meso-oceânicas (MORBs), basaltos de ilhas oceânicas (OIBs) e manto litosférico subcontinental (SCLM) estão relativamente bem definidas. Entretanto, a determinação da composição da fonte e dos possíveis agentes metassomáticos envolvidos na evolução tectônica de kimberlitos e de diamantes carece de detalhamento, especialmente daqueles aflorantes em território brasileiro. O estudo isotópico de gases nobres em inclusões fluídas e silicáticas de diamantes permite investigar processos relacionados ao manto profundo devido ao fato deles serem formados a mais de 150 km de profundidade e atuarem como “cápsulas” química e mecanicamente estáveis. Portanto, este projeto propõe a investigação dos diamantes da PKJ, que representam fragmentos intrínsecos de diferentes profundidades do manto abaixo do Cráton Amazônico. Com base nas composições elementares e isotópicas de gases nobres, que são uma poderosa ferramenta para a determinação de reservatórios e processos mantélicos, será possível verificar se os diamantes da PKJ registram a ocorrência de anomalia térmica (pluma mantélica) ou de agentes metassomáticos relacionados a eventos colisionais pretéritos que viabilizaram a introdução de líquidos e/ou fluídos derivados da zona de subducção.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Osório Ferreira

Ciências Agrárias

Agronomia
  • perda e restabelecimento de processos pedogenéticos de solos de manguezais em cenários de degradação e recuperação
  • As áreas úmidas costeiras, tais como planícies hipersalinas, pradarias marinhas, manguezais, marismas e sistemas lagunares costeiros são ecossistemas caracterizados pela presença permanente ou temporária de água salina ou hipersalina, derivada da mistura de água marinha e água doce e sujeitas à inundação pela ação das marés. Dentre as áreas úmidas costeiras, os manguezais são ecossistemas estuarinos que ocupam aproximadamente 144.000 km2 em todo o globo terrestre, dos quais 7% dessa extensão se encontra no Brasil. No entanto, os manguezais estão entre os ecossistemas mais impactados por ações antrópicas, como, por exemplo, o desmatamento, que levou a perda de 35 % das áreas de manguezais em todo mundo nas duas últimas décadas. Assim, os manguezais se caracteriza pelos solos hidromórficos que controla diversas funções ecossistêmicas, como por exemplo, o sequestro de carbono e a retenção e imobilização contaminantes. Nesse contexto, os processos pedogenéticos específicos de gleização, a sulfidização, paludização, sulfurização e ferritização controlam a dinâmica de elementos como Fe, S e C, elementos chave para a manutenção das funções ecossistêmicas desempenhadas pelos manguezais. Dessa forma, esses processos pedogenéticos são são fundamentais para o entendimento da resiliência desse ecossistema, bem como para a predição do tempo e das condições necessárias para o restabelecimento, das funções ecológicas após um determinado impacto. Apesar do reconhecimento de suas funções ecológicas, ainda são poucos os estudos conduzidos com uma abordagem pedológica sobre os solos destes ambientes. Nesse sentido, este projeto tem por objetivo avaliar a dinâmica dos processos pedogenéticos em cronossequências de degradação e recuperação de manguezais, visando gerar subsídio para práticas de recuperação destes ecossistemas. Para isso, serão investigados manguezais em diferentes cronossequências de três compartimentos da costa brasileira (Costa Nordeste Semiárida, Costa Nordeste-Leste Úmida, Costa Granítica Sul) com os objetivos de: (i) caracterizar e classificar os solos de manguezais em uma cronossequência de degradação e em duas de recuperação ao longo da costa brasileira; (ii) avaliar os processos pedogenéticos (gleização, sulfidização, paludização, ferritização e sulfurização) que regem a dinâmica de matéria orgânica e as funções ecossistêmicas nos manguezais em cenários de recuperação e degradação; (iii) avaliar as taxas de recuperação de processos pedogenéticos em manguezais de cronossequências de revegetação em diferentes compartimentos da costa; (iv) gerar informações sobre os solos de manguezais da costa Brasileira, com vistas a alicerçar estudos futuros relacionados à ciência do solo e práticas de recuperação de manguezais; O estudo incluirá a coleta de amostras de solo para a) caracterização físico-química para fins de classificação dos solos; b) análises do fracionamento de Fe (extrações sequenciais e determinação de sulfetos voláteis em meio ácido) e dos teores totais de Fe; c) determinação dos estoques de carbono e análise de isótopos para caracterização da matéria orgânica; d) caracterização da assembleia mineralógica; e) microscopia eletrônica de varredura (MEV) com microanálise elementar por energia dispersiva de raios-X (EDS) para detectar possíveis alterações morfológicas e feições de dissolução de minerais como a pirita. Dessa forma espera-se produzir informações acerca do tempo necessário para restabelecimento do funcionamento dos solos desses ecossistemas e, portanto, acerca da resiliência dos manguezais com base no restabelecimento de processos pedogenéticos.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Peçanha

Ciências da Saúde

Medicina
  • efeitos de uma sessão de exercício aeróbio na pressão arterial de repouso, em resposta a estímulos estressores e em condições ambulatoriais em pacientes hipertensos com artrite reumatoide
  • A artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune inflamatória e crônica, caracterizada por inflamações nas articulações sinoviais, causando dor, inchaço e incapacidade. Além disso, a AR também cursa com manifestações extra-articulares, tais como a doença cardiovascular, que é a principal causa de mortalidade na AR. Diversos fatores de risco contribuem para a alta morbimortalidade cardiovascular na AR, dentre os quais a hipertensão arterial representa um desfecho prevalente nesta doença. Estudos tem verificado um importante efeito hipotensor promovido por uma única sessão de exercício aeróbio, no entanto isto ainda não foi investigado em pacientes hipertensos com AR. Desta forma, o objetivo do presente estudo será avaliar os efeitos de uma sessão de exercício aeróbio na pressão arterial (PA) de repouso; em resposta a manobras estressoras; e em condições ambulatoriais em mulheres hipertensas com AR. Para isto vinte pacientes com AR (20-40 anos) e hipertensão arterial (uso de terapia anti-hipertensiva, ou PAS/PAD ≥ 140/90 mmHg) realizarão um protocolo de exercício em esteira ergométrica (30 min à 50% do VO2max) ou controle (30 min sentados sem exercício). Antes e após a intervenção, serão realizadas medidas de pressão arterial em repouso e em resposta a um teste de estresse mental (i.e. Stroop Test), estresse térmico (i.e. Cold Pressor Test) e ao exercício de preensão manual. Após a sessão, os indivíduos serão instrumentados com um monitor ambulatorial de pressão arterial (MAPA) para o registro da PA de 24 horas. Os desfechos principais do estudo serão comparados entre as sessões exercício e controle por meio da análise de modelos mistos para medidas repetidas. Quanto pertinente, o post-hoc de Tukey será utilizado para as comparações múltiplas.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Pinheiro Braga

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • síntese de ligas de feco e feni encapsuladas em nanotubos de carbono usando processos catalíticos in situ a partir da desidrogenação do etilbenzeno
  • A reação de desidrogenação catalítica do etilbenzeno será utilizada com o objetivo de estudar a natureza do carbono depositado e verificar a formação de estruturas organizadas na forma de ligas magnéticas de FeCo encapsulada em filamentos de carbono via deposição química a vapor (CVD). Para caracterizar esses materiais serão utilizadas técnicas de difração de raios-X (DRX), redução à temperatura programada (TPR), análise termogravimétrica (TGA), microscopia eletrônica de varredura (FEG-MEV), energia dispersiva de raios-X (EDS), magnometria de amostra vibrante (VSM), Raman, microscopia eletrônica de transmissão (TEM) e cromatografia em fase gás (GC). O mecanismo detalhado para formacao da liga encapsulada será avaliado.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Rezende Figueira

Ciências da Saúde

Educação Física
  • influência do nível de aptidão aeróbia na resposta metabólica e tolerância ao exercício em intensidades supramáximas individualizadas pelo vo2max ou por um método alternativo
  • Está bem documentado que a quantificação de intensidades submáximas de exercício por meio de percentuais do VO2max possui limitações, as quais decorrem do fato que o nível de aptidão aeróbia do indivíduo interfere na validade de sua utilização quando o propósito é uniformizar, entre indivíduos, o estresse fisiológico imposto pelo exercício. Intensidades supramáximas de exercício (aquelas com custo de O2 superior ao VO2max) também tem sido costumeiramente estipuladas como percentuais do VO2max, em diferentes populações de indivíduos. A hipótese a ser explorada neste projeto é que intensidades supramáximas de exercício, quantificadas pelo percentual do VO2max, geram respostas metabólicas e tempos de tolerância que não são similares entre populações com distintos níveis de aptidão aeróbia, especialmente em intensidades > 120% do VO2max. Diferentes linhas de raciocínio suportam esta hipótese, entre elas: i) dados da literatura demonstram que indivíduos sedentários realizam um esforço máximo 90s em uma intensidade supramáxima média correspondente a 151% do VO2max, enquanto atletas treinados em endurance o fazem a 128% do VO2max; ii) considerando os dados descritos na literatura de capacidade anaeróbia e de cinética do VO2 de indivíduos sedentários e de atletas de endurance, a análise matemática indica que indivíduos treinados possuirão um menor tempo de exaustão na intensidade de 120% do VO2max, pois esgotarão mais precocemente a capacidade anaeróbia em comparação a indivíduos sedentários; iii) demonstramos em estudo prévio que indivíduos treinados apresentam uma resposta lactacidêmica mais acentuada a exercício intervalado na intensidade de 120% do VO2max quando comparados a sedentários (9,5 vs. 6,4 mM). Neste contexto, o objetivo inicial deste projeto é avaliar experimentalmente se indivíduos sedentários e treinados em endurance apresentarão respostas fisiológicas distintas a exercícios contínuos e intermitentes em intensidades supramáximas, calculada de forma canônica, como percentual do VO2max. Confirmada a hipótese postulada, investigaremos a validade de um método alternativo (IsupΔn), aqui proposto, para calcular intensidades supramáximas que sejam equivalentes para as duas populações.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiago Roque Benetoli da Silva

Ciências Agrárias

Agronomia
  • doses de fósforo e épocas de semeadura nos aspectos agronômicos e na expressão de genes do metabolismo lipídico da chia (salvia hispanica)
  • A chia (Salvia hispanica L.) é uma planta anual herbácea considerada como fonte natural de ácidos graxos ômega-3, fibras, proteínas e antioxidantes. No entanto o cultivo no Brasil ainda é recente e as informações e recomendações técnicas existentes são limitadas, principalmente a respeito de adubação e época de semeadura. Portanto, pretende-se conduzir o presente trabalho objetivando avaliar o efeito da aplicação de doses de fósforo e a época de semeadura nos parâmetros produtivos e na expressão de genes responsáveis pela síntese de lipídios da cultura da chia. Será conduzido o experimento por dois anos agrícolas em condições de campo, na Fazenda de Universidade Estadual de Maringá no Campus Regional de Umuarama. O solo do local onde será implantado o experimento é um Latossolo Vermelho Distrófico típico, com textura arenosa. O delineamento experimental utilizado será o de blocos casualizados em esquema fatorial 5 x 4 com quatro repetições. Os tratamentos serão compostos por cinco épocas de semeadura, com intervalos de 15 dias entre uma época e outra (inicia-se final de março, com término no fim de maio), com quatro doses de P2O5 aplicados na semeadura (0, 40, 80 e 120 kg ha-1) totalizando 80 parcelas. Serão avaliados a massa seca da parte aérea, teor de clorofila, população final de plantas, massa de 1.000 grãos, produtividade, teor de óleo e expressão dos genes responsáveis pelo metabolismo de lipídios OLE1, MGAT, Delta 15 desaturase e ω- 3 desaturase.
  • Universidade Estadual de Maringá - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiana Tasca

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • análise da atividade antiparasitária e antimicrobiana de hidrogel nanotecnológico mucoadesivo contendo cu-fendiona para o tratamento intravaginal da tricomoníase e comorbidades
  • A tricomoníase é a infecção sexualmente transmissível (IST) de origem não viral mais comum no mundo. A estimativa global da infecção em 2008 foi uma incidência de 276 milhões de novos casos. Entretanto, esses dados são subestimados, a tricomoníase não é notificável e não existe sistema de vigilância e detecção de isolados resistentes ao tratamento, recebendo relativamente pouca ênfase dos programas de saúde pública de controle de ISTs. Considerando o trato vaginal como local de infecção, a microbiota vaginal saudável é predominantemente colonizada por Lactobacillus spp., e outros micro-organismos podem estar presentes em menor quantidade. Vários estudos indicam que a microbiota vaginal anormal com escassez de Lactobacillus está associada à aquisição de infecções por Neisseria gonorrhoeae, Chlamydia trachomatis e T. vaginalis. Além disso, tricomoníase e vaginose bacteriana, causada por Gardnerella vaginalis, atuam como cofatores na transmissão de HIV. No tratamento da tricomoníase, os únicos fármacos recomendados são o metronidazol (MTZ) e tinidazol (TNZ), utilizados geralmente via oral. Apesar de a tricomoníase ser considerada uma IST curável, as falhas terapêuticas incluem a resistência dos isolados de T. vaginalis aos fármacos 5-nitroimidazois, estimada em 2,5 a 9,6%. Esses valores, quando comparados à prevalência e incidência, geram preocupantes números de 160.000 pessoas nos EUA e aproximadamente 10 milhões no mundo necessitando tratamento alternativo. No momento, não existem opções para o tratamento oral da tricomoníase além dos fármacos já citados, MTZ e TNZ. Neste contexto, a busca de novos alvos e moléculas com potencial terapêutico para o controle da tricomoníase é de extrema relevância perante o cenário brasileiro e mundial desta infecção com consequências no controle da AIDS. A administração oral dos fármacos MTZ e TNZ representa uma limitação para o tratamento de uma infecção que acomete a via vaginal, produzindo efeitos adversos e falhas terapêuticas por não adesão ao tratamento. Dessa forma, uma formulação intravaginal eficaz para o tratamento diretamente na via vaginal torna-se relevante e necessária. Derivados de fenantreno têm sido investigados com potencial ação antimicrobiana. Essa molécula é encontrada na natureza e compõe alguns dos opiáceos naturais e sintéticos utilizados, como o caso da morfina, codeína e naloxona. A partir do fenantreno, foi possível o desenvolvimento de compostos aromáticos amplamente pesquisados por sua atuação em diferentes patologias, como antitumorais e antimicrobianos com diversos estudos de atividade frente a vírus, bactérias e fungos. Entre seus derivados, a molécula 1,10-fenantrolina-5,6-diona (fendiona) ligada ou não a metais como cobre (Cu2+) e prata (Ag+) são alvos de investigação antimicrobiana. Assim, nosso grupo de pesquisa já demonstrou a potente e seletiva atividade anti-T. vaginalis de três compostos: fendiona, [Cu(fendiona)3]2+, e [Ag(fendiona)2]+. Ainda, foi demonstrado um efeito sinérgico entre o composto mais ativo, Cu-fendiona e MTZ, em concentração reduzida contra um isolado de T. vaginalis resistente ao MTZ. Assim, considerando-se que a tricomoníase trata-se de uma doença que acomete principalmente a população feminina, por ser uma IST e, portanto, relacionada à via vaginal, uma formulação para administração tópica intravaginal é necessária. A via vaginal apresenta interessantes características para administração de fármacos, como: grande superfície de contato, boa permeabilidade a fármacos, elevada irrigação sanguínea, relativa facilidade de administração, evita o metabolismo de primeira passagem no fígado quando administração por via oral, e redução da incidência e severidade de efeitos adversos gastrointestinais. Portanto, destaca-se a relevância e inovação dos objetivos propostos no presente trabalho, uma vez que se propõe desenvolver uma formulação nanotecnológica inovadora mucoadesiva contendo Cu-fendiona, sendo incorporada em hidrogel de quitosana a fim de melhorar o seu desempenho com aplicação específica na via vaginal. Além disso, outra contribuição deste trabalho é a avaliação da capacidade antifúngica desta nova formulação contra Candida sp. e antibacteriana contra espécies da microbiota vaginal, a fim de propor um novo tratamento eficaz e seletivo para a tricomoníase e comorbidades. Através da utilização da nanotecnologia farmacêutica, o projeto visa à obtenção de um produto capaz de reduzir a propagação da tricomoníase a um custo acessível para todas as mulheres, principalmente usuárias do SUS. Nesse sentido, o presente projeto visa à produção de um novo nanomedicamento, buscando o tratamento de uma doença relevante e de grande impacto na saúde e na qualidade de vida da mulher, a tricomoníase. Cabe ressaltar que o SUS disponibiliza um tratamento oral para esta IST que muitas vezes apresenta falhas terapêuticas aumentando os gastos. O tratamento da tricomoníase gera economia de US $553 por mulher na prevenção do HIV a seus parceiros. Se consideradas as mulheres HIV-positivas, a economia pode ser próxima a US $159.264.000 devido à prevenção da transmissão de novas infecções por HIV. Assim, o controle da infecção por T. vaginalis pode ser um dos meios mais eficazes para o manejo do risco de transmissão do HIV e comorbidades. Face ao exposto, este projeto visa um tratamento local da tricomoníase, com menor número de aplicações da formulação intravaginal contendo o complexo metálico Cu-fendiona, gerando menor custo para o SUS e melhorando a qualidade de vida das pacientes acometidas por essa enfermidade.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ticiana da Costa Rodrigues

Ciências da Saúde

Medicina
  • otimização do tratamento ambulatorial dos pacientes com diabetes melito tipo 1 via monitorização continua de glicose e contagem de carboidratos
  • Atualmente o sistema único de saúde (SUS) recebe via judicial um crescente número de pedidos para uso de para bomba de insulina (BI) em pacientes com diabtes melito tipo 1, tendo como principal justificativa a presença de hipoglicemias graves não resolvidas com o uso dos análogos de insulina. O estudo de um novo dispositivo capaz de reduzir a frequência de hipoglicemias em número semelhante ao observado com a BI seria de grande economia ao SUS. A necessidade de um manejo mais moderno e alinhado com as evidências recentes na literatura de que é também importante o tempo que o paciente passa com glicose dentro da sua meta desejada, nós propomos o presente estudo. Objetivos: Geral Avaliar o uso do sistema de monitorização continua da glicose (MCG) em pacientes com diabetes melito tipo 1 como uma ferramenta diagnóstica para estabelecer a quantidade de tempo dentro da meta de cada paciente, bem como frequência de hipoglicemias, glicemias média de 24h, diurna e noturna e estabelecer uma conduta mais individualizada a cada caso baseada na leitura do dispositivo. Específicos: 1. Avaliar o perfil glicêmico de 24h de pacientes já em uso de análogos de insulina e que realizem a auto-monitorização capilar da glicose (AMG) pelo menos 3x/dia e que já realizem contagem de carboidratos 2. Avaliar o uso da MCG como método diagnóstico de alterações não percebidas frequentemente pelo uso da AMG como hipoglicemias assintomáticas e hiperglicemias, bem como variabilidade glicêmica. 3. Avaliar a mudança de tratamento (contagem de carboidratos) baseado nos dados do sensor nos pacientes randomizados para uso de MCG vs. o atendimento baseada na AMG padrão. 4. Analise de custo-efetividade da tecnologia estudada baseada no objetivo 3 no cenário do SUS. Metodologia: Para os objetivo 1, 2 e 3: Estudo multicêntrico prospectivo randomizado aberto. Desfecho: tempo dentro da meta (glicemias entre 70- 180mg/dl), variabilidade glicêmica, hipoglicemias (abaixo de 70 mg/dl e abaixo de 54 mg/dl) e controle glicêmico por valores de HbA1c. Objetivo 4: Estudo multicêntrico randomizado aberto com analise de custo-efetividade. Incluiremos pacientes acima de 18 anos de idade atendidos nos ambulatórios de Endocrinologia, do Hospital do Hospital e do Instituto da Criança vinculado ao grupo Hospitalar Conceição, de ambos os sexos, que apresentarem o diagnóstico de DM tipo 1 com HbA1c acima de 7,0% e abaixo de 9% nos últimos três meses, em uso de esquema intensivo de insulina com análogos (basal e ultra-rápida) já em uso de AMG pelo menos 3x/dia e que façam contagem de carboidratos. Critérios de exclusão para todos os objetivos: Serão excluídos os pacientes que declararem-se analfabetos, amaurose bilateral, gestação, pacientes em programa dialítico de qualquer natureza e/ou aqueles que não assinarem o termo de consentimento livre e esclarecido. Intervenção Etapa 1: coleta de HbA1 e colocação do sistema de MCG free style Libre por um período de 14 dias. Durante este período nenhuma intervenção será feita. Etapa 2: randomização dos pacientes no dia da retirada do sensor de 14 dias: Grupo Controle: manter esquema de MDI com análogos e AMG 3x/dia, seu tratamento de doses de insulina e contagem de carboidratos será feito baseado na AMG, retornará a cada 30 dias por um período de 90 dias. A leitura do sensor será feita a posteriori pela equipe, mas nem o médico e nem a nutricionista terão acesso a ela durante o periodo de estudo. Grupo Intervenção: manter esquema de MDI com análogos e AMG 3x/dia, seu tratamento de doses de insulina e contagem de carboidratos será feito baseado na leitura do sensor dos 14 dias prévios, retornará a cada 30 dias por um período de 90 dias. Em cada visita mensal, será coletado HbA1c para todos os pacientes e serão feitas consultas com nutricionista e endocrinologista para ajuste de insulina baseado na AMG. Ao final do estudo, todos os pacientes colocam novamente o sensor por mais 14 dias. Descritores: diabetes melito tipo 1, monitorização continua de glicose, tratamento intensivo.
  • Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tiele Medianeira Rizzetti

Outra

Ciências Ambientais
  • biorremediação em água e efluente: avaliação da degradação/remoção de contaminantes orgânicos emergentes
  • Os contaminantes emergentes tem se tornado um grande problema na temática atual, visto que diversos trabalhos tem relatado a presença deles em diversas matrizes ambientais. Dentre os contaminantes emergentes destacam-se os fármacos e agrotóxicos que são amplamente empregados. Visando formas de remediar e minimizar esses problemas tem-se as técnicas de biorremediação em águas e efluentes. Diante disso, a proposta desse trabalho consiste em realizar diferentes estudos de biorremediação e avaliar a remoção e degradação de contaminantes orgânicos em águas e efluentes. Para isso, são propostos estudos com microalgas e sistema integrados de wetlands construídos. Além disso, nesta proposta tem-se ferramentas da química analítica visando obter métodos seguros e confiáveis para determinação desses contaminantes em amostras ambientais. Além disso, estudos envolvendo ensaios toxicológicos englobam outra área da ciência tornando este projeto de grande valia em diversas áreas.
  • Universidade de Santa Cruz do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tito Luís Maia Santos

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • controle preditivo robusto com restrições probabilísticas: desenvolvimento de técnicas simplificadas orientadas por dados amostrados
  • Estratégias de controle preditivo baseado em modelo têm recebido grande atenção da comunidade científica devido à capacidade de lidar de maneira conjunta e sistemática da satisfação de restrições com a otimização de desempenho. Por outro lado, sabe-se que condições adicionais devem ser impostas para assegurar estabilidade e satisfação robusta de restrições em malha fechada, o que tipicamente conduz a respostas conservadoras. Na presença de perturbações estocásticas, torna-se possível adotar o conceito de restrições probabilísticas com o intuito de reduzir o grau de conservadorismo da resposta em malha fechada na vizinhança das restrições. O conservadorismo associado à satisfação robusta de restrições é um tema particularmente importante na medida em que o ponto de operação ótimo tipicamente se encontra nos limite admissíveis das restrições. Neste contexto, as estratégias controle preditivo estocástico com restrições probabilísticas têm se destacado pela capacidade de reduzir o conservadorismo das estratégias baseadas em restrições determinísticas, ampliando a região admissível. Em particular, este tema tem atraído um interesse especial pela natureza das perturbações que surgem em problemas de controle ligados à produção de energia renovável, as quais sofrem interferência de ventos e/ou irradiação solar. Por outro lado, nas abordagens probabilísticas, costuma-se assumir que a distribuição do conjunto de incertezas é conhecida, o que dificulta a sua utilização em grande parte dos problemas reais. O principal objetivo do presente projeto consiste em propor novas estratégias de controle preditivo robusto para sistemas com perturbação estocásticas que nas quais a função de distribuição não é conhecida. A utilização de abordagens orientadas por dados serão estudadas e propostas com o intuito de simplificar a formulação dos algoritmos robustos de controle preditivo com restrições probabilísticas. Desta forma, pretende-se reduzir o conservadorismo dos mesmos por meio da adoção de restrições probabilísticas.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022