Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alessandra Alves de Souza

Ciências Agrárias

Agronomia
  • plantas geneticamente modificadas e melhoramento de precisão para resistência a doenças bacterianas em variedades comerciais de citrus sinensis.
  • Estima-se que até 40 % das safras de alimentos são perdidas anualmente devido a problemas fitossanitários (http://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/pt/c/293049/). Além disso, o uso persistente de defensivos agrícolas tem acarretado em problemas ambientais e levado ao aparecimento de resistência de pragas e fitopatógenos. Desta forma, novas estratégias devem ser adotadas para que, quando aplicadas em conjunto, resultem em um controle mais eficiente e sustentável. Nesse cenário, a citricultura se destaca como de grande importância, uma vez que, o Brasil é o maior produtor mundial de laranja. Entretanto, este setor tem enfrentado dificuldades devido à elevada incidência de pragas e doenças. Dentre as doenças bacterianas que mais afetam a cultura, destacam-se o huanglongbing (HLB), cancro cítrico e clorose variegada dos citros (CVC). A partir dos conhecimentos adquiridos em genômica funcional, transformação genética, e mais recentemente, na edição do genoma, pretendemos, nesse projeto Universal, integrar o melhoramento convencional com técnicas avançadas de melhoramento molecular e abordagens biotecnológicas, para geração de cultivares com alto desempenho e com resistência a fitopatógenos. Para atingir estes objetivos, o projeto será dividido em duas partes; i. Avaliação em condições de campo de cultivares de laranja doce geneticamente modificadas (GM), quanto a resistência a patógenos, fisiologia do desenvolvimento e qualidade do fruto; ii. Uso de melhoramento de precisão por CRISPR, para edição de genes de suscetibilidade visando resistência ao cancro cítrico. Atualmente, cultivares de laranja expressando genes de resistência a patógenos, oriundos de trabalhos prévios da nossa equipe, encontram-se no campo (LPMA 01250.026812/2018-33). Ainda, vetores CRISPR-Cas9 para edição de regiões genômicas de dois genes alvos de suscetibilidade ao cancro cítrico, já foram desenvolvidos pelo nosso grupo, e a tecnologia será aplicada durante o desenvolvimento desse projeto.
  • Instituto Agronômico de Campinas - SP - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alessandra Del Ré

Lingüística, Letras e Artes

Lingüística
  • a linguagem da criança e suas interfaces
  • Desde 2020, o mundo vem sofrendo com os impactos causados pela pandemia da Covid-19. Dentre tais consequências, muitas e ainda pouco conhecidas, destacam-se aquelas ligadas ao desenvolvimento linguageiro infantil, o que influenciará, sem dúvida, a sociedade e a Educação. Isso porque, neste período, dentre outros fatores, está havendo uma exposição precoce e excessiva das crianças às telas, o que pode afetar igualmente seu desenvolvimento emocional. Soma-se a isso o fato de as crianças terem ficado afastadas, por longo período, da vivência escolar, bem como de amigos e familiares, o que restringiu suas possibilidades de interação com outros interlocutores. Diante desse amplo cenário, o objetivo deste projeto é, em um primeiro momento, refletir sobre a linguagem da criança neste período, com foco em ações para melhor desenvolvimento de sua linguagem (fala e escrita), em diferentes contextos (clínica de linguagem, escola, abrigos, ambiente familiar) e com populações distintas (crianças típicas, atípicas, surdas, autistas, com Síndrome de Down), a partir do estudo de diferentes temas (argumentação, humor, bilinguismo etc.), em um período pós-pandêmico. Para tanto, este projeto conta com a participação de cientistas de diferentes universidades do país, cujas pesquisas agem em uma ou mais ações aqui abordadas, o que amplia o escopo de atuação deste projeto. Vale dizer que essa multiplicidade de olhares será possível graças às pesquisas de docentes de um grupo que, desde 2008, reúne-se para discutir diferentes aspectos do processo de Aquisição da Linguagem falada e escrita: o NALingua (CNPq). Ao eleger-se os temas acima mencionados, pretende-se, em um segundo momento do projeto, levar tais reflexões às comunidades acadêmica e não acadêmica, possibilitando-se a escolas, professores, pais, profissionais de saúde, psicólogos, fonoaudiólogos etc. acesso a informações sobre os impactos da pandemia na linguagem das crianças e sugestões de ações que os minimizem.
  • Universidade Estadual Paulista - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alessandra Gomes Brandão

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • estratégia multidimensional de comunicação pública para o programa peld
  • O Programa de Pesquisas Ecológica de Longa Duração (PELD) tem permitido conhecer cientificamente e avaliar a complexidade dos processos ecológicos, com uma visão integrada e de longa duração, como mecanismo para promover a conservação e gestão de ecossistemas e analisar tendências, perspectivas e cenários. Nos últimos anos, o programa vem se expandindo de diversas formas: seja ao buscar maiores aportes financeiros para o programa; pela entrada de novas propostas de sítios que venham aumentar o entendimentos sobre outros organismos e ecossistemas; na busca pela integração dos estudos realizados pelos PELD´s; como também na capacidade de comunicar essa produção para os diversos públicos, sejam gestores, imprensa, comunidades do entorno e à sociedade como um todo. A preocupação com a formação de equipes multidisciplinares, no entanto, têm estado presente nos editais PELD, inclusive com o estímulo à presença de profissionais de comunicação e educação ambiental nas equipes, visando a alcançar e disseminar o farto conhecimento produzido em cada ambiente de pesquisa. Atualmente, há o entendimento da necessidade dessas pesquisas alcançarem não apenas os ambientes acadêmicos e públicos mais próximos, mas toda sociedade, uma vez que as mesmas são fundamentais para o desenvolvimento de políticas ambientais e para o gerenciamento de recursos naturais, que envolve, de formas distintas, toda sociedade nas várias regiões do país.Contudo, mesmo que sejamos uma sociedade permeada pela cultura científica, ainda há um lamentável distanciamento entre a ciência e sociedade, que precisa ser enfrentado para alcançar tais objetivos. A presente proposta vêm nessa direção, uma vez que propõe uma estratégia multidimensional para construção de possibilidades férteis de comunicação pública da ciência, que alcance os diferentes públicos - que possuem posições e percepções distintas sobre o meio natural. De natureza interdisciplinar, o projeto articula reflexões atuais e ricas sobre comunicação pública da ciência, como: (a) Linguagem capaz de atrair para o diálogo diferentes públicos, uma vez que essa se tornou uma das primeiras barreiras dessa aproximação (b) Respeito ao direito à informação e à apropriação social do conhecimento; c) Compreensão da complexa relação entre ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA), buscando desconstruir visões equivocadas bastante comum sobre a ciência; d) Atenção aos modelos de comunicação adequados à cada atividade proposta, tanto em execução como nas formações proposta aos assessores de comunicação e pesquisadores dos sítios: i (e) foco na capacidade de atender a todos os sítios, por meio de uma proposta robusta em comunicação digital; (f); equilíbrio entre atividades realizadas por esta equipe e nas orientações que serão dadas às equipes de cada sítio PELD, por meio de capacitações e orientações especializadas em comunicação pública da ciência. Diante disso, a presente proposta busca atender as diretrizes previstas, uma vez que visa a potencializar a divulgação da produção científica dos sítios, tanto por meio da execução das atividades, como por meio das formações oferecidas aos PELD´s, de forma a alcançar os tomadores de decisão, também buscando o engajamento da sociedade por meio da aproximação dos cientistas dos sítios com as comunidades locais, como escolas, associações de bairro, eventos como rodas de conversa, apresentação dos mini museus sobre os ecossistemas e pela escuta dos saberes populares, como forma de fazer a comunidade partícipes do processo.
  • Universidade Estadual da Paraíba - PB - Brasil
  • 03/12/2020-31/12/2024
Foto de perfil

Alessandra Lamas Granero Lucchetti

Ciências da Saúde

Medicina
  • associação do uso da internet e smartphones com a saúde física e mental de idosos de comunidade: estudo longitudinal populacional
  • Estudos têm demonstrado a influência do uso da tecnologia móvel e da internet na saúde de diversos grupos etários. Entretanto, ainda são escassos estudos envolvendo idosos e que tenham avaliado dependência digital. Objetiva-se com este estudo avaliar a utilização de smartphones e o grau de dependência digital e de que forma esses fatores estão associados à saúde física, mental, social e qualidade de vida de idosos da comunidade. Este é um estudo de coorte, populacional e observacional incluindo a população idosa de 60 anos ou mais, residente no município de Santana do Deserto – MG. O seguimento será de três anos e aferido em dois momentos: baseline (já realizado em 2019) e seguimento (para ser realizado em 2022). Na coleta do baseline, foram incluídos 668 idosos (93.6% da população total do município) e espera-se manter uma alta taxa de respostas em 2022, uma vez que a aplicação é feita por agentes comunitários de saúde que tem contato próximo aos participantes. Estão sendo utilizados questionários sociodemográficos, avaliação cognitiva (Mini-mental, relógio e fluência verbal), saúde mental (DASS-21), qualidade de vida (WHOQOL-bref), sono (Pittsburgh), atividades de vida diária (Lawton), solidão (UCLA), dependência digital (Internet Addiction Test) e uso de tecnologia digital (uso da internet e smartphones), entre outros. Ainda que a temática tenha sido pouco investigada, com limitações no que concerne a associação entre tecnologia/internet e implicações na saúde integral do idoso, os poucos estudos existentes evidenciaram efeitos positivos desta, sobretudo na saúde mental dos idosos, resultados estes diferentes dos obtidos nos jovens, em que os desfechos tendem a ser negativos. Esse projeto visa preencher essa lacuna, compreendendo de que forma a tecnologia pode influenciar longitudinalmente na saúde do idoso, gerando resultados que podem servir de subsídios para gestores, profissionais de saúde e para a divulgação na população leiga.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025