Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ângela Pawlowski

Outra

Divulgação Científica
  • iii mostra de tecnologia, educação e ciência (iii m-tec) do instituto federal de educação, ciência e tecnologia farroupilha - campus santo ângelo
  • A III Mostra de Tecnologia, Educação e Ciência (M-TEC) é um evento promovido pelo Instituto Federal Farroupilha (IFFar) - Campus Santo Ângelo e ocorrerá durante a Semana Nacional da Ciência e Tecnologia, no mês de outubro de 2019. O evento é destinado à participação de instituições de ensino médio, técnico, superior e pós-graduação da comunidade local (município de Santo Ângelo) e regional (região Noroeste do estado do Rio Grande do Sul). Em sua primeira edição, o evento foi realizado nos dias 25 e 26 de outubro de 2017 e contou com a apresentação de 115 trabalhos inscritos nas áreas temáticas Ambiente e Saúde, Informação e Comunicação, Recursos Naturais e Interdisciplinar. Os trabalhos foram inscritos mediante a apresentação de um resumo simples, os quais foram avaliados por pares. Os resumos aprovados foram publicados nos anais do evento sob o ISSN 2594-861X. Já em 2018, a II M-TEC contou com a inscrição de aproximadamente 200 trabalhos, dos quais 110 referem-se a trabalhos de estudantes de ensino médio. O evento irá ocorrer nos dias 15 e 16 de outubro do corrente ano, tendo como objetivo oportunizar espaço e tempo para compartilhar trabalhos, estudos e projetos no campo do Ensino, da Pesquisa e da Extensão, elaborados por estudantes e pesquisadores do IFFar e das instituições de ensino da comunidade local e regional, na forma de exposição, apresentação e discussão. Assim, o evento visa o protagonismo dos estudantes como agentes transformadores da sociedade na qual estão inseridos por meio do compartilhamento dos seus saberes, promovendo a popularização da ciência. Os objetivos específicos da proposta de utilização do apoio financeiro incluem a locação de estrutura para a realização de palestras e mostras culturais durante o evento, e, principalmente, o custeio da participação dos palestrantes.
  • Instituto Federal Farroupilha - RS - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Angela Salomão Macedo Salinet

Engenharias

Engenharia Biomédica
  • desenvolvimento de sistema de avaliação da circulação encefálica para auxiliar diagnóstico e tratamento de pacientes neurológicos
  • O mecanismo de autorregulação cerebral tem um papel crucial na homeostase encefálica; ele é responsável por manter o fluxo sanguíneo encefálico (FSE) constante apesar da variação da pressão arterial (PA) entre os limites de 60 a 140 mmHg. A constatação desta relação levou a progressos acerca da quantificação da autorregulação, empregando-se técnicas de processamento capazes de extrair informações relativas à interação entre PA e FSE. Ao longo dos últimos 20 anos, um software foi desenvolvido pela Universidade de Leicester (Inglaterra) aos quais contêm as principais técnicas de avaliação da autorregulação cerebral. No entanto, o processamento dos dados é realizado dentro do sistema operacional DOS, sistema obsoleto e incompatível com computadores atuais, impossibilitando a comunicação com os equipamentos médicos e dificultando a implementação de novas técnicas de processamento de sinais fisiológicos. Além disso, a ampla variedade de parâmetros utilizados para o cálculo da autorregulação cerebral faz com que os resultados entres os centros seja divergente. Neste contexto, este projeto visa desenvolver uma plataforma de software inovadora para o monitoramento em tempo real da autorregulação cerebral, bem como investigar mais profundamente como as diferentes configurações dos parâmetros podem afetar o cálculo deste mecanismo. Os resultados deste projeto certamente irão revolucionar o manejo clínico ofertado a pacientes com patologias neurológicas, principalmente na escolha das medidas neuroprotetoras que afetam o fluxo encefálico.
  • Universidade Federal do ABC - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Angélica Aparecida Tanus Benatti Alvim

Ciências Sociais Aplicadas

Arquitetura e Urbanismo
  • projetos de urbanização de assentamentos precários e áreas de proteção ambiental: as dimensões da sustentabilidade
  • Na atualidade, a associação entre riscos e vulnerabilidade, quando enfocados na perspectiva da interação entre moradia e áreas de proteção ambiental é emergente. Os processos de produção social dos espaços urbanos no Brasil, muitas vezes dissociados de políticas públicas e projetos de intervenção articulados e includentes, têm potencializado desastres, catástrofes, elevando riscos e as vulnerabilidades nas cidades. Esta pesquisa tem como propósito aprofundar e testar um método de avaliação de projetos de urbanização de assentamentos precários, implementados em áreas protegidas ou ambientalmente vulneráveis, verificando em que medida incorporam as múltiplas dimensões da sustentabilidade. Para tanto, será realizado um inventário dos principais projetos para urbanização de assentamentos precários, localizados em áreas protegidas ou ambientalmente vulneráveis de algumas importantes cidades brasileiras, que possuem características particulares relacionadas à proteção ambiental. Do conjunto de projetos identificados na primeira fase da pesquisa, serão escolhidos alguns com vistas à aplicação do método de avaliação, especialmente aqueles que minimamente contemplem aspectos das dimensões da sustentabilidade, a saber: ambiental, urbana, socioeconômica e político-institucional. A hipótese central que orienta a pesquisa é que os projetos de urbanização de assentamentos precários em áreas ambientalmente vulneráveis, apesar de avanços, apresentam lacunas que não consideram de forma sistêmica, todas as dimensões que envolvem a sustentabilidade ambiental e urbana. Como importante referência para a construção do método, a pesquisa sistematizará alguns projetos implementados na Colombia, com destaque para Bogotá e Medellin. A relevância desta pesquisa, se dá na medida em que se possa identificar tipologias de intervenções para urbanização, que auxiliem na recuperação de áreas ambientalmente vulneráveis situadas em centros urbanos. contribuindo para reduzir a degradação ambiental, e, ao mesmo tempo, os efeitos nocivos relacionados à qualidade de vida das populações de baixa renda residentes nestas localidades. Pretende-se a partir da avaliação destes estudos de caso, extrair importantes lições para a formulação e implementação de projetos de urbanização de assentamentos precários em cidades brasileiras.
  • Universidade Presbiteriana Mackenzie - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Angélica da Conceição Oliveira Coelho

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • uso de equipamentos de proteção individual pelos profissionais de saúde da atenção primária à saúde no combate a covid 19
  • A pandemia do COVID-19 se originou na China ao final de dezembro de 2019 e foi declarada como emergência de saúde pública global por causa da alta transmissibilidade do vírus e rápido espalhamento por quase todos os países do mundo. O Brasil é o segundo colocado em número de casos confirmados na região das Américas. A transmissão da COVID-19 ocorre de pessoa a pessoa por meio de gotículas respiratórias e/ou contato direto de um indivíduo infectado, sintomático ou assintomático, com um indivíduo suscetível. Para conter a transmissão algumas medidas globais de saúde pública vêm sendo adotadas, como isolamento de casos e contatos, distanciamento social, e disponibilização de recursos humanos e materiais para os serviços de saúde. Profissionais de saúde são mais susceptíveis à contaminacao do que a populacao geral pois atuam diretamente na assistência aos sintomáticos respiratórios, assintomáticos e pré-sintomáticos (que também transmitem o vírus). Estes profisionais, que atuam na linha de frente no combate à COVID-19 tem sofrido impactos negativos da doença, como contaminacao, adoecimento e morte. Assim, o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) é fundamental para a segurança destes profissionais, que devem ter habilidades e competências para o uso correto dos EPIs. Contudo, verifica-se que, de maneira geral, uso de EPI por trabalhadores da área de saúde não é adotado de maneira eficaz por todos os profissionais. A Atenção Primária à Saúde (APS) é a principal porta de entrada do Sistema Único de Saúde e cobre até 80% dos atendimentos em saúde no país, sendo assim crucial na resposta à surtos e epidemias, como a que estamos vivenciando. Desta forma, a adesão, e uso rigoroso e adequado de EPI por profssionais da APS é fundamental para a contenção da epidemia e para a proteção dos próprios profissionais. O objetivo do estudo é avaliar a adesão e o uso adequado de EPIs pelos profissionais dos serviços de APS e os fatores de risco relacionados. Trata-se de estudo transversal descritivo e analítico. Os participantes do estudo serão todos os profissionais atuantes na APS dos municípios brasileiros que aceitarem participar livremente. Os dados serão coletados por meio de questionário estruturado autoaplicável elaborado no Google Forms, ferramenta de acesso gratuito. O link para acessar o questionário será enviado para os profissionais por e-mail e/ou por meio de aplicativos de smartphones. Antes da aplicação, o questionário será submetido a validação de conteúdo por especialistas na área. O tratamento e análise dos dados serão realizados no Software SPSS. Para análise dos dados será utilizado a estatística descritiva, associação e concordância. Espera-se que este estudo contribua para a elaboração de políticas públicas no Brasil relacionadas a segurança dos profissionais de saúde da APS. O adoecimento desses profissionais impactaria de forma negativa na assistência aos usuários dos serviços de saúde, pois o profissional infectado assintomático poderia atuar como fonte de infecção e quando sintomático teria que ser afastado das atividades laborais. Além disso, dependendo das características individuais tem o risco de ter formas graves da doença e inclusive evoluir para óbito. Acredita-se que os achados deste estudo podem ser considerados cruciais para o planejamento de ações de educação quanto a adesão e uso correto e racional dos EPIs.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 16/07/2020-15/08/2022
Foto de perfil

Angelica de Oliveira Gomes

Ciências Biológicas

Biologia Geral
  • estudo da interação de diferentes protozoários parasitos com a interface materno-fetal
  • Infecções placentárias são uma importante causa de doença fetal e materna no mundo todo. Além de mediar nutrição e trocas gasosas a placenta também é responsável por prevenir a transmissão vertical de patógenos. Ao mesmo tempo, a placenta deve servir como barreira contra a resposta imunológica materna aos aloantígenos paternos do embrião/feto. Para conseguir esta função, a placenta conta mecanismos de defesa imune inata, tais como a presença de uma barreira placentária composta pelas células trofoblásticas. Além disso, desenvolve um perfil de resposta reguladora capaz de prevenir resposta exacerbada aos antígenos paternos. Entretanto, uma resposta de perfil regulador não é adequada para o controle de várias infecções parasitárias. Desta forma, alguns parasitos são capazes de vencer a barreira placentária e estabelecer infecção da placenta, muitas vezes ocasionando em transmissão vertical da infecção. Dentre os parasitos que conseguem infectar a placenta, existe variações de relação parasito-hospedeiro, principalmente com relação à chances de se estabelecer uma infecção congênita. Alguns parasitos (ex. T. gondii) apresentam altas chances de transmissão vertical, enquanto outros apresentam chances moderadas (ex. T. cruzi) ou raras (L. infantum). Desta forma, hipotetizamos que as variações nas chances de transmissão congênita estejam associadas aos diferentes aspectos da relação parasito-hospedeiro. Assim, o objetivo do presente estudo é avaliar as várias formas de interação de diferentes parasitos com a interface materno-fetal. Para isso, será construído um modelo de estudo in vitro, no qual vilos placentários serão coletados de placentas provenientes de gestação a termo, sem complicações. As explantes de placenta serão cultivadas e infectados com taquizoítas de T. gondii, formas tripomastigotas de T. cruzi e formas promastigotas de L. infantum. Alternativamente, culturas controle serão mantidas sem infecção. Será estabelecida uma cinética de infecção de 24, 48 e 72 horas e após estes períodos sobrenadantes de cultura serão coletados para avaliação do perfil de citocinas secretadas. Além disso, explantes de placenta serão coletados e processados para microscopia de luz e eletrônica para avaliação da localização dos parasitos e integridade da barreira placentária. Por fim, explantes serão coletados para avaliação de carga parasitária usando método de PCR ou ainda serão processados para reação de western blotting para avaliação de proteínas da lâmina basal, assim como proteínas de sinalização intracelular. Como base no estudo proposto esperamos entender quais os principais mecanismos que diferem a infecções congênitas de alta prevalência das infecções de ocorrência moderada ou rara.
  • Universidade Federal do Triângulo Mineiro - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Angelica Maria Penteado Martins Dias

Ciências Biológicas

Zoologia
  • inct dos hymenoptera parasitóides
  • O INCT-HYMPAR continuará sendo um centro de investigação e gestão da biodiversidade brasileira, idealizado para apoiar os esforços para o seu conhecimento e promover a sua sustentabilidade. O Instituto trabalhará sob a premissa de que a melhor maneira para conservar a biodiversidade é estudá-la, valorizá-la e aproveitar as oportunidades que esta oferece para melhorar a qualidade de vida do homem. Será uma organização que envolverá universidades, empresas, institutos de pesquisa e outras entidades públicas e privadas nacionais e internacionais.Seu trabalho se relacionará principalmente a inventários e monitoramento ambiental utilizando espécies de Hymenoptera parasitoides dos ecossistemas de mata atlântica, cerrado, amazonia, caatinga, pantanal e agroecossistemas; conservação com finalidade de proteção e uso sustentável da biodiversidade pelo setor público e privado; comunicação e educação, disseminando informação e conhecimento da biodiversidade em diferentes segmentos da sociedade, mediante projetos de extensão que buscarão fortalecer o componente ambiental de ações e decisões da população; bioinformática , desenvolvendo e aplicando ferramentas para apoiar os processos de geração, administração, análise e disseminação de dados sobre a biodiversidade, disponiveis em bancos de dados; bioprospecção, buscandoo uso sustentável e aplicação comercial dos recursos da biodiversidade, por meio de convênios de investigação para a busca de espécies bioindicadoras, de importância para o controle biológico, substâncias químicas, genes, que possam ser utilizados principalmente pelo setor agrícola. Em sua primeira versão, esse INCT foi uma iniciativa de um grupo de pesquisadores atuando na região sudeste brasileira. Nesta nova proposta, vários novos grupos nacionais e internacionais foram incluídos, conferindo ao INCT uma característica mais integrativa para ampliar o conhecimento da biodiversidade, dos mecanismos de conservação e o desenvolvimento sustentável, além da formação de recursos humanos. Nessa integração buscaremos aplicar o conhecimento científico da biodiversidade a atividades educacionais e econômicas como a agricultura e ecoturismo e o desenvolvimento de mecanismos de prestação de serviços ambientais.Nesta nova proposta são incluídos estudos em outras áreas da America do Sul, Das instituições brasileiras participantes, cinco deverão incluir coleções de Hymenoptera parasitoides; três em fase adiantada de informatização. Muitas espécies desconhecidas continuarão sendo descobertas e descritas a partir de novas amostragens em áreas endêmicas e vulneráveis, nunca pesquisadas antes sobre esse assunto. Haverá continuidade, do estudo da dinâmica estacional de espécies de insetos fitófagos e parasitoides abrangendo, regiões de diferentes altitudes. A investigação em regiões de elevada altitude de Mata Atlântica tem revelado, como esperado, a constatação de que nelas existe fauna bem menos comum em relação a áreas de altitudes mais baixas.Devido a parcerias estabelecidas com outras instituições brasileiras, houve expansão das atividades do INCT para as regiões Centro-Oeste (Universidade Católica Dom Bosco - áreas de cerrado, Pantanal e agroecossistemas), Nordeste (Universidade Estadual de Feira de Santana e Embrapa Meio Norte – áreas de caatinga; Embrapa Semiárido, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Universidade Federal de Alagoas, Embrapa Agroindústria Tropical - agroecossistemas), Norte (Embrapa Acre – área de floresta amazônica) e Sul (Universidade Federal do Paraná, Universidade Estadual de Londrina, EMATER, Universidade do Estado de Santa Catarina, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Universidade Federal da Fronteira Sul, Universidade Federalde Pelotas, Embrapa Uva e Vinho – agroecossistemas). Essas novas parcerias incluem colaboração com alguns pesquisadores que tiveram a sua formação acadêmica no âmbito do INCT –HYMPAR /Sudeste.Daremos continuidade à compilação do conhecimento sobre relações entre aranhas e himenópteros parasitoides no Brasil. Trata-se de uma linha de pesquisa totalmente nova no Brasil, já que até a criação do instituto todos os estudos a respeito de interações entre aranhas e parasitoides, incluindo manipulação comportamental, haviam sido feitos no exterior. Sistemas integrados de produção agrícola tem aumentado significativamente sua inclusão no cenário produtivo brasileiro. Com esses sistemas é possível restabelecer serviços ambientais que haviam sido perdidos nos sistemas de produção convencionais, baseados em monoculturas. Os estudos do INCT têm mostrado de que maneira o controle de pragas pode ocorrer em sistemas integrados, identificando organismos-chaves nesses processosNesta nova proposta continuaremos integrando as atividades do INCT a grupos internacionais de pesquisa, disponibilizando, nos diferentes meios de divulgação, os resultados obtidos em pesquisa, ensino e extensão. Continuaremos também aproximando as atividades acadêmicas da comunidade em geral, integrando pesquisa e educação. Haverá uma maior colaboração com pesquisadores de instituições estrangeiras propiciando a conclusão de vários manuscritos submetidos e a troca de informações, visando a implementação de projetos futuros de colaboração. Os serviços ambientais em sistemas agroflorestais terão continuidade, com a participação na capacitação de pesquisadores entomologistas do Brasil e da África em controle biológico, com instalação de biofábricas com o objetivo de fornecer insetos para o controle de pragas de milho em substituição a agroquímicos. A capacitação para estrangeiros será ampliada, com a inclusão de pelo menos uma universidade do Peru, com estudantes e pesquisadores dispostos a se especializar no conhecimento dos Hymenoptera parasitoides.Serão desenvolvidos novos protocolos para trabalhos de campo e laboratório, incluindo estudos de sequenciamento genético.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 26/11/2016-30/11/2022
Foto de perfil

Angelica Martins de Souza Gonçalves

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • sintomas não psicóticos entre profissionais de enfermagem que surgiram no contexto de trabalho da covid-19.
  • A pandemia de COVID 19 tem desencadeado impactos na saúde mental dos profissionais de enfermagem, principalmente naqueles que estão na linha de frente do atendimento e cuidado, gerando sofrimento psíquico, tais como, insônia, angústia, depressão e ansiedade, considerados sintomas não psicóticos, e Burnout. Entretanto, para o profissional de enfermagem que já faz tratamento psiquiátrico ou que apresenta comorbidades cardiovasculares, respiratórias, endócrinas (principalmente diabetes), imunológicas, a situação pode se agravar. Nesse sentido, outro fator preocupante envolve o profissional de enfermagem que pertence à faixa etária de 60 anos de idade ou mais, por estar no grupo de maior risco de contaminação, conforme estudo comparativo entre pacientes chineses idosos e jovens. Todas essas questões fazem das pessoas idosas seres mais vulneráveis à COVID 19, o que pode intensificar o sofrimento psíquico. Diante do exposto, torna-se relevante e pertinente avaliar as condições psíquicas dos profissionais de enfermagem, considerando o perfil laborar e a idade dos envolvidos. Ressalta-se que no Brasil, até o momento, não foram produzidos estudos que possam gerar métricas para avaliação de sintomas relacionados a transtornos mentais que surgiram no contexto da pandemia (e que poderão ter desfecho em um diagnosticados num futuro próximo). Pesquisas dessa natureza são bastante relevantes, visto que, obviamente, outros danos relacionados à COVID-19 interferirão com perfil de adoecimento do país, especialmente de pessoas que hoje enfrentam a linha de frente. Neste contexto, o objetivo deste estudo é avaliar nos profissionais de enfermagem a presença de sintomas não psicóticos que surgiram no contexto de trabalho durante a pandemia.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 16/07/2020-15/08/2022
Foto de perfil

Angélica Salatino de Oliveira

Ciências Biológicas

Genética
  • identificação de possíveis biomarcadores associados ao tdah em crianças e adolescentes: mirnas e microbiota intestinal.
  • O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um dos transtornos mentais mais comuns na infância e adolescência, caracterizado por sintomas de desatenção, impulsividade e hiperatividade. A prevalência do TDAH foi estimada em torno de 5% das crianças em idade escolar ao redor do mundo. Apesar do curso clínico desta patologia ser bastante complexo, frequentemente os sintomas persistem ao longo da vida, sugerindo que o TDAH seja uma doença crônica do desenvolvimento. O principal tratamento é farmacológico, com uso do metilfenidato. Apesar de inúmeros estudos, a etiologia desse transtorno ainda não foi totalmente esclarecida. Sugere-se que o TDAH seja determinado por muitos fatores genéticos e ambientais que interagem entre si de uma forma altamente complexa. A herdabilidade estimada do TDAH é de 74%, sendo uma das mais altas em relação a outros transtornos psiquiátricos. Tem se tornado cada vez mais consensual na comunidade científica a necessidade de encontrar biomarcadores que poderiam ser utilizados na psiquiatria para aumentar a confiabilidade do diagnóstico clínico, prever o desenvolvimento de transtornos e/ou auxiliar nas decisões do melhor tratamento. Para isso, biomarcadores e medidas objetivas de psicopatologia que diferenciem saúde e doença ou que diferenciem uma doença de outra precisam ser encontradas. Os microRNAs (miRNAs), os quais são reguladores importantes da expressão gênica, formam um grupo de possíveis candidatos a biomarcadores associados ao TDAH. Estudos apontam que o papel dos miRNAs parece ser crucial no TDAH não somente pela modulação da expressão de genes já associados ao transtorno, mas também pelo efeito de variantes genéticas nos genes de miRNAs que podem acarretar seu desequilíbrio. Outro possível biomarcador que ainda é pouco explorado na literatura é a microbiota intestinal (MI). Diversas evidências têm mostrado que a MI influencia o funcionamento cerebral e comportamento através do eixo microbiota-intestino-cérebro e, portanto, a desregulação na flora intestinal pode estar ligada a diferentes doenças psiquiátricas, incluindo o TDAH. O objetivo principal desse projeto é investigar possíveis biomarcadores específicos do TDAH através das análises de expressão de miRNAs em sangue periférico e da microbiota intestinal em uma amostra brasileira de crianças e adolescentes.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Angélica Sousa da Mata

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • dinâmicas sociais e sincronização em redes complexas com métrica
  • A aplicação de métodos e técnicas da física estatística em problemas interdisciplinares tem se tornado cada vez mais frequente. O avanço computacional nas últimas décadas tem possibilitado um estudo mais detalhado de sistemas complexos a fim de modelar, com características cada vez mais reais, sistemas sociais, tecnológicos e biológicos. Fenômenos elementares como a sincronização e modelos tradicionais, tais como o modelo votante, são exemplos de processos dinâmicos com regras simples de interação entre os elementos do sistema, mas que, quando relacionados a um substrato heterogêneo como as redes complexas, dão origem a fenômenos não-triviais. Neste contexto é que surge a principal motivação deste projeto de pesquisa: estudar processos dinâmicos em redes complexas utilizando ferramentas computacionais e analíticas. Especificamente serão estudados modelos de dinâmicas sociais como o modelo do votante e o modelo de Sznajd. Também será investigado o fenômeno de sincronização em redes utilizando o modelo de Kuramoto, que leva em consideração o acoplamento de osciladores não-idênticos. Tais processos dinâmicos serão estudados em substratos mais realistas nos quais levamos em consideração, além da heterogeneidade da rede, a correlação entre graus, a afinidade entre os nós da rede, a distância euclideana entre eles, etc. Finalmente, do ponto de vista interdisciplinar, serão aplicados os conhecimentos adquiridos em simulações, teorias e caracterização de redes no estudo de processos dinâmicos em redes reais, tais como redes de transmissão de energia elétrica e redes sociais, como a do Facebook.
  • Universidade Federal de Lavras - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Angelica Thomaz Vieira

Ciências Biológicas

Imunologia
  • papel dos metabolitos microbianos na infecção pulmonar causada por sars-cov2, através da modulação a microbiota e do sistema imune
  • A doença coronavírus (COVID-19), causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV2) tem se tornado o maior problema mundial de saúde pública enfrentado pela humanidade este ano. Essa doença é caracterizada nas suas formas mais graves com sintomas de febre, tosse, dispneia, cefaleia e podem progredir para a síndrome respiratória e óbito. Nesse prognóstico mais grave, a morte dos pacientes está fortemente associada a um quadro de lesão aguda do sistema respiratório causada por uma intensa resposta inflamatória associada com o recrutamento de células inflamatórias, tais quais: neutrófilos e macrófagos. Além disso, tem sido documentado em alguns casos a ocorrência de diarreia como um dos sintomas e o RNA deste vírus foi detectado por longos períodos nas fezes de pacientes infectados com SARS-CoV-2. É importante levar em consideração também que o vírus utiliza a enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2) como porta de entrada, e que essa enzima se encontra altamente expressa no pulmão e intestino. Sabendo-se que a microbiota intestinal, particularmente, os seus metabolitos (ácidos graxos de cadeia curta: acetato, butirato e probionato) exercem um papel relevante na modulação da resposta imune pulmonar, o objetivo principal dessa proposta consiste em: elucidar o papel da microbiota intestinal na patogênese da COVD-19, bem como, avaliar a resposta imunomoduladora dos ácidos graxos de cadeia curta (do inglês short chain fatty acids – SCFAs) e do receptor sensor de metabolite microbiano (Gpr43/FFAr2) em resposta a infecção pelo SARS-Cov-2, em culturas celulares, experimentos in vivo com camundongos, e material clínico obtido de pacientes com COVID-19 para também análises de variantes de polimorfismos (SNPs) associados ao gene GPR43 e sintomas do COVID-19.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 27/08/2020-26/09/2022