Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Taina Veras de Sandes Freitas

Ciências da Saúde

Medicina
  • identificação de biomarcadores urinários de transcrição exossômica: uma potencial nova classe de biomarcadores preditores para a disfunção inicial do enxerto renal
  • O cenário ideal após um transplante renal é a ocorrência de diurese imediata e abundante, com rápido declínio da creatinina sérica. No entanto, alguns pacientes podem desenvolver oligoanúria e necessidade de diálise. A esta situação chamamos função tardia do enxerto ou delayed graft function (DGF) (MALLON et al., 2013; SCHRÖPPEL; LEGENDRE, 2014). 
A função tardia do enxerto é a representação clínica da injuria da lesão de isquemia e reperfusão (KLIONSKY et al.), cujo substrato histológico é a necrose tubular aguda isquêmica (SANDES FREITAS TV, 2016; SIEDLECKI; IRISH; BRENNAN, 2011). Evidencias robustas apontam que DGF está associada a maior risco de rejeição aguda e crônica, pior função renal, pior sobrevida do paciente e do enxerto, além dos custos associados à internação prolongada e suas complicações (BUTALA et al., 2013; DE SANDES-FREITAS et al., 2015; WU et al., 2015). Quanto mais severa a DGF, ou seja, quanto maior o tempo até o reestabelecimento da função renal, piores estes desfechos (DE SANDES-FREITAS et al., 2015). Algumas fórmulas e nomogramas utilizando variáveis clínicas foram desenvolvidas com o intuito de predizer a ocorrência de DGF (CHAPAL et al., 2014; IRISH et al., 2010). No entanto, nenhuma parece ser ideal, especialmente quando aplicada à população brasileira, onde a incidência de DGF é de 50-80%, 2 a 3 vezes superior à observada em países americanos e europeus (COSTA S, 2017; SANDES FREITAS TV, 2016). Além das características clínicas da combinação doador-receptor, alguns biomarcadores têm sido utilizados como ferramentas de predição de DGF. Classicamente, o biomarcador mais utilizado é a creatinina sérica do doador no momento da cirurgia de extração dos órgãos (creatinina final). De fato, a presença da lesão renal aguda no doador é fator de risco conhecido para DGF. Apesar disto, a creatinina final do doador não tem bom valor preditor para desfechos tardios, como sobrevida do enxerto (KLEIN et al., 2013). Além disso, a creatinina sérica é um marcador tardio de lesão renal. Mais recentemente, biomarcadores de lesão tubular, inflamação e lesão endotelial (lipocalina associada a gelatinase neutrófilos - NGAL, Molécula de Injúria Renal -1 - KIM-1, interleucina 18 - IL-18, proteína ligadora de ácidos graxos tipo-hepática - L-FABP, Sindecam-1, dentre outros) foram avaliados para diagnóstico e predição de DGF. No entanto, até o momento, os resultados não são uniformes e nenhum deles se transpôs da bancada para a prática clínica (MALYSZKO et al., 2015). Recentemente a presença de exossomas e substâncias de liberação exossômica têm sido exploradas nas lesões renais, como rejeição ao enxerto renal e a lesão de isquemia-reperfusão (COOPER; LI; ADAMS, 2018) (MORELLI, 2017). Os exossomos são nanovesículas extracelulares (70-120 nm de diâmetro) produzidas por todas as células vivas, podendo ser detectados em diversos fluidos biológicos, como sangue, saliva, líquido amniótico, leite materno, liquido sinovial, fluido de lavado broncoalveolar, liquido ascítico e urina. Estas vesículas podem conter em seu interior substancias diversas, como microRNA, RNA não codificante, DNA, lipídeos, proteínas e enzimas, produzidas sob estímulo fisiológico ou patológico (MORELLI, 2017). Há evidências de que os exossomos estão envolvidos em muitos processos biológicos, incluindo coagulação, sinalização intercelular e gerenciamento de resíduos celulares. Nos modelos de transplante, os exossomos desempenham um papel fundamental na apresentação dos antígenos (MORELLI; BRACAMONTE-BARAN; BURLINGHAM, 2017). Além disso, estudo prévio demonstrou o papel da detecção de fatores de transcrição em exossomos isolados na urina de modelos experimentais de injuria renal aguda e lesão podocitária (ZHOU et al., 2008). Até o momento, um único estudo clínico explorou os exossomos como biomarcadores de DGF. No entanto, este estudo limitou-se a avaliar NGAL em exossomos urinários (ALVAREZ et al., 2013). O presente estudo terá como objetivo avaliar os biomarcadores urinários de transcrição exossômica de doadores falecidos de rim os quais evoluíram com DGF, comparando-os aos de pacientes com função imediata do enxerto. Metodologia: estudo de coorte prospectiva avaliando 12 amostras de urina de doador falecido cujo transplante renal seja realizado entre junho a outubro de 2019. Dentre as amostras de urina do doador colhidas, serão selecionadas para análise 6 amostras cujo desfecho do receptor foi DGF prolongada e 6 amostras cujo desfecho do receptor foi função imediata do enxerto. O RNA total exossomal será isolado e, em seguida, enriquecido do isolamento de miRNA. O mesmo será transcrito em DNA complementar (cDNA) e amplificado por reação de PCR em tempo real.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tais Cristina Bastos Soares

Ciências Agrárias

Agronomia
  • análise morfofisiológica, herança materna e expressão diferencial dos genes ccgols1 e ccmpr1 em progênies de coffea canephora para tolerância à seca.
  • A cultura do cafeeiro tem uma importância econômica substancial para o PIB brasileiro e configura uma das principais commodities do Brasil. Dentre as mais de 124 espécies do gênero Coffea, somente as espécies C. arabica e C. canephora têm grande importância econômica. Coffea canephora é a segunda espécie do gênero mais cultivada no mundo, e o Espírito Santo se destaca como o maior produtor brasileiro desta espécie, designada no Estado como café conilon. Com as previsões de grandes mudanças climáticas, sobretudo relacionadas com um aumento da escassez de água, a busca por materiais mais adaptados às variações climáticas, em especial à seca, tem se destacado. No Espírito Santo as crises hídricas ocorridas nos anos de 2015 e 2016 levaram a perda expressiva de produção do conilon. Para auxiliar na escolha de genótipos importantes para tolerância à seca e para programas de melhoramento genético, destaca-se a biologia molecular na análise da expressão gênica, assim como as análises bioquímicas e morfofisiológicas. Assim é possível estudar genes ou regiões genômicas relacionados no controle de caracteres de interesse agronômico e concomitantemente avaliar a herança materna, utilizando cruzamentos recíprocos. O estresse por seca desencadeia uma série de respostas de plantas, envolvendo cascatas transcricionais e interações entre produtos gênicos que causam uma mudança importante em toda a fisiologia, crescimento e desenvolvimento da planta. Caso haja influência materna na resposta à seca, é possível identificar diferenças no cruzamento recíproco nas progênies, sendo controladas pela mãe quando no cruzamento é receptora do pólen com o óvulo. Diante do exposto, objetiva-se com este estudo avaliar a possibilidade de herança materna para tolerância à seca, em genótipos candidatos para tolerância à seca, pré-selecionados dos cruzamentos dialelos recíprocos 120x109 e 109x120 com parentais contrastantes à seca, clone109 suscetível e o 120 tolerante; selecionar genótipos com maior desempenho na seca; verificar a expressão gênica dos genes CcGolS1 e CcMPR1 nos clones e nos genótipos pré-selecionados para avaliar a possibilidade de respostas diferenciais destes genes. Espera-se com este estudo identificar indivíduos superiores para tolerância à seca dentro dos genótipos pré-selecionados, identificar locus relacionados a características morfofisiológicas envolvidas em mecanismos de tolerância à seca e verificar se o clone 120 na condição de mãe no cruzamento tem influência nas progênies com superioridade para seca.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Taís Freire Galvão

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • prevalência de deficiência de micronutrientes em mulheres em idade fértil no brasil: revisão sistemática e meta-análise
  • Introdução: A deficiência de micronutrientes em mulheres em idade fértil é importante causa da carga de doenças na sociedade. Apesar da relevância, sumarizações da prevalência deficiência de micronutrientes em mulheres em idade fértil no Brasil não estão disponíveis. Objetivo: Estimar a prevalência da deficiência dos principais micronutrientes em mulheres na idade fértil no Brasil por meio de revisão sistemática com meta-análise. Método: O protocolo contendo os métodos detalhados desta revisão sistemática será registrado. Serão elegíveis estudos realizados no Brasil que avaliaram a prevalência de deficiência de micronutrientes em mulheres em idade fértil. As buscas serão feitas no MEDLINE, EMBASE, LILACS, SCOPUS, CINAHL e outras fontes de informação. Microdados de pesquisas que mensuraram tais deficiências serão também incluídos. Pesquisadores aos pares, e de modo independente, selecionarão os estudos, extrairão os dados e avaliarão a qualidade metodológica dos estudos. Serão calculadas meta-análises da prevalência e intervalo de confiança de 95% da deficiência dos principais micronutrientes no Stata 14.2. Duas abordagens estatísticas serão adotadas: meta-análise de proporções (comando metaprop), assumindo que os tamanhos da população e da amostra dos estudos são correlacionados e transformação de duplo arcoseno de Freeman-Tukey ponderado pela população local para estabilizar as variâncias. A heterogeneidade será estimada pelo teste do qui-quadrado e I² e investigada por meio de análise de subgrupo e metarregressões. Os dados gerados pela pesquisa serão disponibilizados integralmente em repositórios abertos após a publicação do resultado principal. Resultados esperados: Espera-se contribuir com o conhecimento da prevalência de deficiência de micronutrientes em mulheres em idade fértil. No campo da disseminação científica, planeja-se publicar artigos científicos em periódicos indexados e disponibilizar abertamente os dados abertos provenientes da revisão. A formação de recursos humanos especializados em graduação e pós-graduação também é prevista. A síntese da prevalência de deficiência de micronutrientes possibilitará o embasamento de políticas públicas em alimentação e nutrição e avaliação do impacto das intervenções nacionais na saúde das mulheres em idade fértil.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 20/01/2020-31/01/2022