Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Simone Sehnem

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • inovação disruptiva, nível de maturidade e modelos de negócios de economia circular: um estudo em startups latino-americanas
  • Esta proposta de estudo parte do pressuposto de que a competitividade das empresas, especialmente aquelas atuantes com modelos de negócios de economia circular tem ampla relação com a inovação disruptiva. Em um ambiente dinâmico, globalizado e incerto, no qual competem empresas cujas premissas foram idealizadas para atuarem numa perspectiva de circularidade, a inovação disruptiva e o nível de maturidade do negócio fazem parte da base de constituição e atuação destas empresas. Acredita-se que a disrupção dos modelos de negócios e das práticas adotadas nas organizações contribui para o desenvolvimento de empresas circulares. Assim, os modelos de negócios de economia circular são vistos como mecanismos de tornar o planeta mais sustentável e otimizar o uso de recursos naturais, pensando novos produtos desde o design até a reintrodução como insumos em novas cadeias de produção. A perspectiva da desmaterialização e nível de maturidade também passam a ser valorados. Utilizando um estudo quantitativo com um método hipotético com coleta de dados realizada por meio de um levantamento com as melhores universidades da América Latina, este estudo objetiva analisar a relação entre inovação disruptiva, nível de maturidade e modelos de negócios de economia circular.
  • Universidade do Oeste de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Simone Simionatto

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • epidemiologia e evolução da infecção pelo sars-cov-2 na população indígena do mato grosso do sul
  • As ações de controle da COVID-19, por se tratar de uma doença infecciosa de alta transmissibilidade, requerem estudos epidemiológicos e sistemas de vigilância populacionais que permitam a geração de estratégias efetivas de intervenções, principalmente nas populações mais vulneráveis. Dentre estas populações, está a população indígena, considerada vulnerável às epidemias. Dentre os desafios para reduzir a transmissão da doença, estão as questões culturais associadas a esta população, dificultando a aplicação de práticas como as de isolamento social e de higiene pessoal. Soma-se a esses fatores: a localização geográfica das aldeias próximas a centros urbanos (como é o caso das do município de Dourados/MS); o limitado acesso aos itens de saneamento básico; a indisponibilidade de água potável para muitas famílias; e o acesso limitado de informações relacionadas a doença. Tudo isso, evidencia a necessidade de ações estratégicas que evitem a entrada e disseminação do SARS-CoV-2 nas comunidades indígenas. Uma vigilância ativa e participativa, através da realização de testagem ampla dos indígenas, dos profissionais de saúde e dos trabalhadores do subsistema de saúde indígena, buscando detectar indivíduos sintomáticas e assintomáticos, promovendo o isolamento de doentes e seus contatos em tempo oportuno, são necessárias. O objetivo deste estudo visa avaliar a porcentagem de infectados pelo SARS-CoV-2 na população indígena do município de Dourados, bem como determinar a sua velocidade de expansão, taxa de letalidade e características imunológicas relacionadas ao seu desfecho, promovendo ações conjuntas com subsistema de saúde indígena para minimizar o impacto da doença nessa população. Paralelo a estas ações estamos propondo um estudo de epidemiologia molecular através do sequenciamento de cepas do SARS-CoV-2 circulantes na população, associando os dados genômicos do vírus com o desfecho clínico dos casos. Estudos sorológicos e moleculares serão utilizados para o diagnóstico da doença. Para isto, serão selecionados randomicamente 487 pacientes para testagem sorológica para detecção de anticorpos IgM/IgG contra SARS-CoV-2, através de teste rápido. Na existência de pacientes sintomáticos, serão coletados swabs nasais para o diagnóstico pela técnica de RT-PCR para detecção do SARS-CoV-2. Dos pacientes testados positivamente, serão coletados 4.5 ml de sangue para os ensaios sorológicos e imunofenotípicos. Os pacientes positivos, serão divididos em três grupos definidos de acordo com as condições clínicas leve, moderada e grave, além de um grupo controle de indivíduos soronegativos. Condições clínicas, imunológicas e de desfecho dos casos serão acompanhadas. Os casos identificados serão prontamente notificados para que as medidas cabíveis sejam tomadas. As medidas adotadas serão incluídas em questionário próprio com o objetivo de descrever a epidemia nesta população. Diante do que está sendo proposto e dos resultados esperados, este estudo impactará significativamente para o controle da infecção por SARS-CoV-2 na população indígena. Salientamos que estes resultados serão compartilhados com os gestores do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena (SASISUS), para planejamento de ações e intervenções pactuadas com a nação indígena.
  • Universidade Federal da Grande Dourados - MS - Brasil
  • 24/07/2020-23/08/2022
Foto de perfil

Simone Souza Monteiro

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • testagem rápida para o hiv e promoção da saúde entre mulheres trans/travestis, gays/hsh e trabalhadoras sexuais: uma revisão integrativa
  • Segundo documentos oficiais recentes, a realização do teste de HIV é crucial para o sucesso da estratégia conhecida como “Tratamento para Todas as Pessoas” (TTP) ou “Tratamento como Prevenção” (TcP). Dado o compromisso do Brasil com as políticas globais de Aids, as respostas programáticas para o controle da epidemia vêm se apoiando em variadas iniciativas de ampliação do acesso ao diagnóstico com fins de prevenção. Projetos e programas de promoção da saúde e prevenção do HIV vêm assumindo o compromisso de oferecer o diagnóstico precoce e a remissão oportuna ao tratamento das populações consideradas chave pelas políticas, como mulheres trans/travestis, gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH) e profissionais do sexo. Tais iniciativas, nacionais e internacionais, vêm oferecendo testagem em lugares públicos, privados e em horários variados a fim de alcançar grupos populacionais com maior dificuldade de acesso e acolhimento nas unidades convencionais da rede de saúde. Organizações não-governamentais (ONGs), locais de sociabilidade e de interação sexual e domicílios (por meio do autoteste) tornam-se espaços alternativos para a realização da testagem para o HIV. Embora apresentem relevantes resultados, esses programas e ações de testagem não têm alcançado uniformemente as populações definidas como chave nas políticas de prevenção. Ademais se articulam, de forma diferenciada, com estratégias de prevenção e iniciativas mais amplas de promoção da saúde. Nesse sentido, o presente projeto pretende analisar os desafios implicados na tradução das atuais políticas globais de Aids para as realidades locais, focalizando seus alcances segundo os diferentes universos populacionais aos quais se destinam. Assim, tem-se o intuito de reunir e sistematizar achados da produção acadêmica a respeito do desenvolvimento de ações e programas de promoção da saúde e de controle epidemiológico baseadas na testagem de HIV, por meio de uma revisão integrativa. Tal revisão visa contemplar pesquisas acadêmicas e formativas, nacionais e internacionais, publicadas em bases de dados, durante o período de 2010 a 2019, que abordem estratégias de prevenção e promoção da saúde e de oferta da testagem de HIV junto a mulheres trans/travestis, gays/HSH e trabalhadoras sexuais. A revisão da literatura pretende trazer luzes sobre desdobramentos específicos das políticas globais entre populações sexualmente marginalizadas e mais vulneráveis ao HIV e outras ISTs. A compilação e a análise dessa produção científica têm o potencial de indicar os alcances e limites das estratégias de prevenção apoiadas na testagem do HIV, visando superar seus obstáculos e lacunas
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 06/01/2020-31/01/2023