Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Cristina de Almeida Fernandes

Ciências Sociais Aplicadas

Planejamento Urbano e Regional
  • 35 anos da política de informática (1984-2019) uma visão crítica da "modernização sem mudança" no país da desigualdade
  • O progresso técnico traz consigo perigos inerentes que põem em risco a própria reprodução da humanidade e da natureza (a exemplo das tecnologias da guerra, entre tantas outras). Sua “naturalização" por ideologias positivistas no mundo contemporâneo requer, portanto, o enfrentamento do fenômeno numa perspectiva crítica, para a qual as contribuições das ciências humanas são necessárias. Parte do arcabouço teórico em que se sustenta a presente proposta de pesquisa, compreende o “pessimismo revolucionário” de Benjamin (1978), Ellul (1965) e Habermas (1967), o qual pode causar estranhamento aos defensores da “cultura oficial” introjetada na política de CT&I contemporânea, mas a estes não escapará o reconhecimento de que as mudanças disruptivas decorrentes da chamada Quarta Revolução Industrial, cujas tecnologias digitais, de inteligência artificial, automação e robótica, biotecnologia e edição de DNA, novos materiais e a convergência entre várias delas, vêm provocando impactos extraordinários no mundo do trabalho (FREY; OSBORNE, 2013), na produção industrial, nos serviços e na agricultura (WEF, 2018) e mesmo nas formas de vida no planeta (DAS, 2017). Ao longo deste processo de tecnificação, o progresso técnico desenvolveu e aperfeiçoou capacidades e competências, racionalidades, valores e padrões de comportamento que, enfim, produziram um tipo de organização social favorável à sua reprodução ampliada e que transcendem a esfera econômica. É neste contexto avançado do progresso técnico que o termo inovação vai se destacar, assim como o enfoque sistêmico com que tem sido observado pelo olhar do cientista social contemporâneo, e incorporado ao campo das políticas públicas. Nas economias de mercado, o valor atribuído às capacidades inovativas das empresas cresce à medida que são compreendidas como fator primordial da ideia de desenvolvimento (aquela derivada da racionalidade própria do progresso técnico). E como tais capacidades não são igualmente distribuídas no território, sendo intrinsicamente associadas à formação econômico-territorial sobre a qual se forjou e se reproduzem os diferentes contextos socioeconômicos, concentram-se, portanto, em poucos países e regiões. Constitui-se uma divisão de trabalho entre os que lideram a produção continuada de novas técnicas e induzem sua extensiva difusão àqueles outros onde são replicadas e consumidas, como observa Furtado (1977). Tal divisão de trabalho se evidencia particularmente nas chamadas Grandes Ondas Kondratieff que marcam a emergência e difusão de paradigmas tecnológicos de abrangência universal. Definidoras da quinta Grande Onda, ou 5º. Kondratieff, e permanecendo centrais no 6º Kondratieff que já se avizinha na visão de muitos analistas, as tecnologias de informação e comunicação (TIC) podem ser consideradas indutoras da "evolução" desse processo de tecnificação no sentido do aprofundamento da digitalização da sociedade, da economia e mesmo da vida. Sua importância neste processo tem sido traduzida em políticas públicas de CT&I nos quatro cantos do planeta, que as entendem como paradigma tecnológico que, por pervasivo e emergente, abre oportunidades a novos atores econômicos, setores industriais, mobilizando esforços e investimentos públicos e privados, acadêmicos e empresariais (FERNANDES; MELO, 2017). No Brasil não é diferente, observando-se movimento crescente que compreendeu empresários, parlamentares e pesquisadores em torno do desenvolvimento de uma indústria brasileira de informática ainda na primeira metade dos anos 1970, movimento que culmina com a promulgação da "Política Nacional de Informática" (Lei no. 7.232/84), em 1984. Para promoção da indústria de informática no país, de hardware e de software, a política acompanhou originalmente a lógica da industrialização por substituição de importações prevalecente então no Brasil. Em 1991, com a abertura comercial, a PNI é alterada significativamente pela “nova lei de informática” (8.248/91), abolindo qualquer tratamento diferenciado às empresas de capital nacional, retirando as restrições às importações e focando no estímulo fiscal (isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados à indústria de informática e no investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Em contrapartida, a empresa devia aplicar o equivalente a, no mínimo, 5% do faturamento bruto em P&D no país. Desse total, a empresa deveria aplicar ao menos 2,3% em projetos com universidades ou institutos de pesquisa, sendo o restante aplicado em projetos internos. A nova lei continha também instrumento de política regional, ao direcionar 0,8% dos 2,3% de recursos destinados a P&D externo a instituições de pesquisa localizadas no Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Segundo diversas análises, porém, os resultados têm sido frustrantes. Mesmo tendo naturalizado a tecnificação de todas as esferas da vida, a sociedade está hoje confrontada a desafios éticos e materiais nunca antes colocados pelo progresso técnico, reconhecidos inclusive por seus promotores, como Klaus Schwab, idealizador do Fórum Econômico Mundial. O presente projeto objetiva realizar uma reflexão nesta perspectiva crítica, tomando como estudo de caso a chamada Política Nacional de Informática, criada originalmente em 1984, mas que vem, desde então sendo objeto de diversas alterações que expressam adequação não apenas a mudanças no contexto da globalização desde os anos 1990, mas também a interesses de atores nacionais e estrangeiros que dela se beneficiam. O estudo tem como objetivos específicos construir arcabouço teórico a partir do diálogo entre diferentes contribuições do pensamento nas ciências humanas; caracterizar o contexto espaço-temporal em que ocorre a emergência da política e suas alterações; identificar os principais atores envolvidos, seus interesses e percepções com relação à política de informática brasileira, de modo a levantar neles uma problematização que permita inspirar contribuições ao seu aperfeiçoamento.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina de Souza Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Serviço Social
  • desafios do enfrentamento da aids em pernambuco, em tempos de ajuste neoliberal e desmonte do sistema único de saúde
  • A pesquisa analisa o enfrentamento da epidemia de HIV/Aids em Pernambuco, Nordeste do Brasil, a partir de indicadores de saúde que apontam o crescimento entre homens, a incipiente redução da aids entre mulheres, e o aumento da mortalidade. A tendência mundial aponta para resultados opostos, diante da adoção de diretrizes de prevenção combinada para o enfrentamento da doença e da maior proivisão gratuita de antiretrovirais. Neste estudo, busca-se explorar como as desigualdades sociais e contradições do capitalismo tardio têm implicações no trato da aids em Pernambuco, supondo-se que as variações regionais expressam redução de recursos para HIV/Aids diante do avanço neoliberal, mas também características culturais, socioeconômicas, assimetrias de gênero e raciais, desenho de políticas nacionais, estaduais e municipais, expondo as condições de desigualdade e pobreza da região Nordeste. A pesquisa orienta-se pelo materialismo histórico-dialético, com coleta de dados empíricos sobre as ações desenvolvidas nos serviços públicos voltados para pessoas soropositivas e de prevenção à epidemia entre a população geral e populações-chave. Diante do agravamento da epidemia no Estado, as unidades de análise da pesquisa são os dez municípios com maiores prevalências de HIV/Aids. A reflexão teórico metodológica passa pelas tendências contemporâneas da política social no capitalismo tardio, em que o acesso aos recursos do fundo público destinados às políticas de reprodução social se torna campo de disputa de acumulação de capital, por meio de privatização não-clássica. Para a produção de dados primários serão realizadas entrevistas semi-estruturadas e em profundidade e grupos de discussão. Também será realizada coleta e análise documental de documentos administrativos, técnicos e políticos dos municípios analisados e do Governo do Estado que versam sobre as repostas do Estado. A equipe de pesquisa é formada por pesquisadores situados na academia e trabalhadores dos serviços de referência em HIV/Aids nos municípios, com experiências anteriores de trabalho conjunto, e discentes/pesquisadores em formação de graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado. Pretende-se contribuir para a melhoria dos indicadores de aids em Pernambuco, a partir da discussão dos determinantes do avanço da epidemia, identificando-se os desafios a enfrentar e propondo novas estratégias de enfrentamento à epidemia que, na contramão da história, avança em Pernambuco.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-31/08/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Freitas de Vilhena Abrão

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • mães de prematuros sob intervenção de florais de bach: ensaio clínico controlado, duplo cego, randomizado
  • RESUMO: Devido aos altos índices de prematuridade e mortalidade neonatal, o leite humano, por suas qualidades ímpares, é a melhor escolha na alimentação para uma criança prematura, principalmente quando se trata de um recém-nascido com peso inferior a 1.500g. Estudos mostram que ao depararem com a impossibilidade de amamentar seu filho ao seio imediatamente após o nascimento, as nutrizes apresentam um quadro de estresse, ansiedade e dificuldade em manter a amamentação. Alguns estudos mostram que o uso de Florais de Bach contribui para a redução dos sintomas de estresse, no entanto não há estudos clínicos com mães de prematuros doadoras de leite humano. Objetivo: Analisar o efeito do uso de Florais de Bach (Five Flowers) no nível de estresse e produção láctea de mães de prematuros. Método: Trata-se de um ensaio clínico controlado, duplo cego, randomizado com mães de prematuros doadoras de leite humano, cujos filhos tenham sido internados na UTI Neonatal do Hospital Universitário da UNIFESP. O estudo será realizado no posto de coleta do Hospital Universitário da Universidade Federal de São Paulo. A amostra será de 102 mulheres, que estarão distribuídas igualmente em grupo intervenção (mulheres que receberão os Florais de Bach) e grupo placebo (mulheres que receberão placebo). A variável de desfecho primário é o estresse avaliado por meio do Instrumento Parental Stress Scale: Neonatal Intensive Care Unit e por meio da dosagem hormonal de cortisol. A variável de desfecho secundária é a produção láctea que será avaliada por meio do volume lácteo e dosagem do hormônio prolactina. A coleta dos dados será realizada entre 24 e 48 horas após o parto, entre o 5o e 7o dia e entre o 10 o e 12 o dia. Todas as análises serão planejadas e desenvolvidas considerando um nível de significância p=0,05. Espera-se que o uso de florais possa auxiliar na redução do nível de estresse de doadoras de leite humano, mães de prematuros e, consequentemente, no aumento da produção láctea, favorecendo assim o aleitamento materno exclusivo.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Garcia Dias

Ciências Humanas

Psicologia
  • integração ao ensino superior na transição da adolescência para vida adulta: o papel de estressores, expectativas e estratégias de enfrentamento na adaptação à universidade
  • Este projeto tem como objetivo geral investigar aspectos relacionados à transição para a universidade e à integração do estudante ao contexto universitário. O primeiro estudo tem como foco o estudante de ensino médio, e busca investigar fatores pessoais e contextuais que estão envolvidos na motivação para realizar o ensino superior. É sabido, que, apesar do maior número de oportunidades de ingresso no ensino superior para jovens de baixa renda e minorias, muitos não cogitam entrar na universidade. Assim, esse estudo busca conhecer o papel que a exposição à cultura do ensino superior tem sobre a aspiração (expectativas) aos estudos nesse nível de ensino, sem desconsiderar variáveis de caráter mais individual como autonomia, auto eficácia e a motivação para o crescimento pessoal. Espera-se que os resultados possam auxiliar ao compreender a melhor a importância tanto da motivação para o crescimento pessoal quanto da exposição à cultura do ensino superior como fatores que concorrem para a eleição do ensino superior como um objetivo de vida. Já o segundo estudo busca identificar como variáveis de saúde mental do estudante (depressão, ansiedade e estresse), expectativas referentes ao ensino superior, estratégias de enfrentamento e o desenvolvimento da autonomia afetam o processo de integração e adaptação ao estudo superior. Neste segundo estudo, de caráter longitudinal (1º e 3º semestre) pretende-se avaliar especialmente como as expectativas, o desenvolvimento da autonomia, as estratégias de enfrentamento e os sintomas de transtornos mentais (níveis de ansiedade, depressão e stress) podem emergir durante esse período do desenvolvimento (final da adolescência e início da vida adulta), em um contexto que pode trazer alguns novos estressores (maiores exigências acadêmicas, maior responsabilidade e autonomia frente aos estudos). Acredita-se que estudantes que apresentem maiores níveis de autonomia, apresentaram estratégias de enfrentamento mais funcionais. Esses estudantes também poderão apresentar melhores indicadores de saúde mental (como menores níveis de ansiedade, depressão e stress, e melhores níveis de adaptação/ integração à universidade, além de expectativas mais positivas face ao ensino superior). Pretende-se através desses estudos desenvolver, posteriormente, programas de intervenção que promovam a adaptação do estudante a universidade especialmente para aqueles interessados no estudo superior, que apresentam maiores riscos em termos de saúde mental (maiores indicadores de stress, ansiedade e depressão) e em termos desenvolvimentais (menores níveis de autonomia e suporte social).
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Juvenal da Cruz

Ciências Humanas

Educação
  • retraçando rotas, compondo territorialidades: o uso da tecnologia no ensino de história das diásporas africanas para o ensino médio
  • Este projeto de pesquisa agrega pesquisadoras e pesquisadores de diferentes instituições brasileiras e uma colombiana e constitui-se em uma investigação que visa integrar tecnologia a partir de uma base epistemológica em torno da experiência da diáspora africana negra para a formação e produção de conhecimento em ensino de história para o ensino médio. A proposta consiste no desenvolvimento de um aplicativo móvel piloto com conteúdos de componentes curriculares e estratégias de aprendizagem sobre a história da experiência da diáspora negra tendo como fonte primária os 8 volumes da Coleção História Geral da África (HGA). Metodologicamente isso se fará em duas etapas: a primeira etapa será composta de um levantamento de conteúdos e aprendizagens sobre a história da experiência da diáspora africana negra tendo como fonte primária a HGA; a segunda etapa, será o desenvolvimento de um aplicativo livre, gratuito e com acessibilidade fundamentado em uma formação básica da linguagem de programação para o ensino desses conhecimentos.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Lauer Garcia

Ciências Biológicas

Ecologia
  • potencial invasor e rota de dispersão de drosophila nasuta no brasil
  • Embora aos olhos dos leigos as espécies exóticas invasoras representem apenas a chegada de mais uma planta ou de um animal, a introdução destas espécies em novos territórios é uma das principais ameaças a biodiversidade e aos serviços ecossistêmicos em todo o mundo. As invasões biológicas causam impactos de longo prazo que podem levar à extinção de espécies. Nas últimas décadas tem crescido o número de invasões biológicas causadas por insetos, incluindo neste grupo as pequenas moscas da família Drosophilidae. No Brasil, o mais recente caso é a chegada de Drosophila nasuta, uma espécie originária da Ásia que já se espalhou para a África, a região oriental, as ilhas do Pacífico e o oeste da América do Norte e, recentemente, em 2015, foi anunciada em nosso país. Nos últimos três anos, D. nasuta já tem sido observada habitando a porção sul e norte da Floresta Atlântica, além do bioma Cerrado. No norte da Floresta Atlântica levantamentos realizados por nosso grupo de pesquisa evidenciaram que a e espécie está bem adaptada, superando em representatividade diversas espécies de drosofilídeos neotropicais. Dado o provável potencial invasor de D. nasuta a proposta do presente projeto será monitorar a espécie nas áreas onde a mesma tem sido relatada no Brasil. Também será avaliada a diversidade genética da espécie nos diferentes pontos geográficos investigados, a fim de verificar se há estruturação populacional e avaliar o potencial evolutivo de D. nasuta no Brasil. Finalmente, buscaremos elucidar, a partir de dados genéticos, a provável rota de dispersão da espécie no país. Considerando a ameaça que as espécies exóticas invasoras representam para o equilíbrio ecossistêmico, informações acerca de aspectos ecológicos e genéticos destas espécies são valiosos no contexto da biologia da conservação e ainda se tornam mais importantes quando há registros destas espécies ocupando biomas tão degradados e palcos tão relevantes de biodiversidade como a nossa Floresta Atlântica e o nosso Cerrado.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Petry

Ciências Biológicas

Ecologia
  • invasões biológicas em planícies costeiras: os peixes e as gramíneas da restinga de jurubatiba (rj) como modelos
  • A introdução de espécies em locais distintos de sua ocorrência natural tem ameaçado a integridade e o funcionamento dos ecossistemas mundialmente, mesmo quando inseridos em unidades de conservação. Dependendo da resistência do ambiente invadido e das características intrínsecas do invasor, como sua capacidade de dispersão, estabelecimento e proliferação, a erradicação dessas espécies não-nativas (ENNs) pode ser inviável, e seu controle tende a exigir manejo. Ecossistemas costeiros representam o limite da distribuição de organismos dulcícolas e terrestres, e esses tem sido considerados os mais fortemente afetados por invasões biológicas. Há 24 meses, foram iniciados levantamentos integrados de gramíneas (Poaceae) e peixes (Teleostei) em uma área de 14.000ha de planície costeira no norte fluminense, protegida desde 1998 na forma de unidade de conservação (UC; Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, PNRJ). O inventário taxonômico inédito para as gramíneas em 77km da faixa marginal das 18 lagoas contabilizou 60 espécies, incluindo novos registros de ocorrência para a região e material que possivelmente represente uma espécie nova para a ciência. A compilação da composição de peixes resultou em 98 espécies, incluindo duas espécies endêmicas. A frequência de ENNs até o momento é maior para as gramíneas (33% versus 3% para os peixes). Essa representou a primeira e fundamental etapa de uma proposta mais complexa, que tem por objetivo compreender a suscetibilidade de formações de restingas e lagoas costeiras à introdução de ENNs. Utilizando respectivamente as comunidades de gramíneas e peixes como modelos, o levantamento da composição específica e da representatividade das ENNs nas comunidades, bem como de métricas da paisagem relacionadas à pressão de propágulos, conectividade e filtros ambientais possibilitarão a geração de modelos preditivos e mapas temáticos da suscetibilidade à invasão biológica, visando a aplicação em sistemas similares e subsídios para intervenções ecossistêmicas. É escopo desta proposta avançar com o levantamento quantitativo dessas comunidades no PNRJ por meio de amostragens sistemáticas nas 18 lagoas, empregando para as gramíneas a determinação da biomassa acima do solo pela remoção da vegetação em quadrats sorteados numa faixa de 60m de largura a partir da margem, e para os peixes a biomassa de cada população de acordo com o método de captura (redes de espera e arrastos). Considerando que a Lagoa Feia está situada na zona de amortecimento do PNRJ, se conecta indiretamente com as lagoas da UC por meio de canais, e tem sua ictiofauna ainda pouco conhecida, as amostragens contemplarão este que é o maior corpo lêntico fluminense. Características físicas e químicas da água e do solo (incluindo granulometria, retenção hídrica, carbono orgânico dissolvido, nitrogênio e fósforo, pH, salinidade, condutividade elétrica, temperatura), declividade do terreno, e atributos da paisagem (como área e perímetro das lagoas, distância do mar, permeabilidade hidrológica e terrestre, riqueza de espécies das comunidades) serão incluídos nos modelos preditivos de suscetibilidade à invasão por meio de modelos lineares generalizados. Ao contemplar as comunidades diversas e expressivas de gramíneas e peixes na maior área de restinga protegida na forma de UC do país, espera-se revelar padrões que contribuam com evidências para a elucidação dos mecanismos promotores da invasão biológica e do sucesso do estabelecimento de ENNs em ambientes terrestres e aquáticos, contribuindo para a prevenção e controle dessa ameaça aos ecossistemas naturais.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina Simões e Silva

Ciências da Saúde

Medicina
  • avaliação de biomarcadores e fatores de risco para doença renal crônica em crianças e adolescentes
  • A Doença Renal Crônica (DRC) consiste na perda progressiva das funções dos rins. Por ser lenta e progressiva, a DRC se associa a processos adaptativos que mantêm o paciente praticamente assintomático até que tenha perdido mais de 75% da função renal e atinja o estágio de DRC terminal. Na população pediátrica é menor o número de pacientes com DRC em relação aos adultos, mas a abordagem da DRC neste grupo é um desafio, por apresentar, além daquelas complicações comuns aos adultos, características únicas decorrentes das manifestações da doença em seres em crescimento e em desenvolvimento neurológico, emocional e de sua inserção social. Além disso, a taxa de mortalidade em crianças portadoras de DRC em tratamento dialítico é 30 a 150% maior do que a da população pediátrica geral e a expectativa de vida para uma criança de zero a quatorze anos em diálise é de somente 20 anos. Nesse contexto, o projeto tem como objetivo investigar fatores de risco para progressão da DRC na população pediátrica e pesquisar novos biomarcadores, incluindo componentes do Sistema Renina Angiotensina (SRA), moléculas imuno-inflamatórias e fibrogênicas, fatores relacionados à coagulação, fibrinólise e estresse oxidativo. Pretende-se também com este estudo identificar biomarcadores para diagnóstico e prognóstico bem como novos alvos terapêuticos.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Dolores Santiago de Freitas

Ciências Agrárias

Agronomia
  • fixação de nitrogênio na vegetação nativa e prospecção da diversidade e eficiência de rizóbios naturalmente estabelecidos nos solos de pernambuco
  • O Brasil experimenta grande sucesso de uso da fixação biológica de nitrogênio (FBN) em sistemas agrícolas e, recentemente, vem se posicionando no cenário internacional com a descrição de novas espécies de rizóbios. Em Pernambuco o uso de inoculantes em leguminosas é incipiente, em parte devido à falta de pesquisas para as diversas condições específicas de clima, solo e manejo da região. O estado apresenta um mapa diverso de condições edafoclimáticas que, em associação à grande diversidade de tipos de vegetação, representam uma grande oportunidade para estudos de ecologia de rizóbios e para buscas de estirpes elites para a FBN. Este projeto tem como objetivo acessar as características, a genética populacional e o potencial simbiótico das populações de rizóbios naturalmente estabelecidas em solos representativas do estado de Pernambuco e estimar o nitrogênio fixado em leguminosas arbóreas em diferentes formações vegetais do estado. Para alcançar este objetivo, serão empregadas metodologias já bem estabelecidas para estudo de ecologia de rizóbio. As atividades serão estabelecidas em linhas sucessivas de ação: 1) Avaliar a ocorrência de populações de rizóbios naturalmente estabelecidas em solos do Semiárido de Pernambuco sob vegetação de caatinga, capazes de nodular diferentes espécies de leguminosas de interesse regional (feijão-caupi, Vigna unguiculata (L.) Walp.; jurema preta, Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir., e Arachis spp, incluindo o amendoim (Arachis hypogaea L.); 2) Avaliar a ocorrência de populações de rizóbios naturalmente estabelecidas nos solos das principais situações de classes e tipos de cobertura vegetal da Zona-da-Mata de Pernambuco, capazes de nodular diferentes espécies de interesse para utilização como adubação verde na região (Crotalaria junceae L., Crotalaria ochroleuca G. Done e Crotalaria spectabilis Roth); 3) Obter uma coleção de rizóbios capazes de nodular as diferentes espécies de leguminosas, representativa das diferentes situações de solos estudadas; 4) Determinar as características, a estrutura genética e o potencial simbiótico das populações para promover o crescimento de plantas; 5) Selecionar isolados eficientes para recomendação de inoculação de Crotalaria spp., amendoim e feijão-caupi para cultivo em solos de Pernambuco e estimar o potencial de aporte de nitrogênio atmosférico das diferentes espécies inoculadas com os isolados selecionados; e 6) Estimar as quantidades de N simbioticamente fixado em leguminosas arbóreas presentes em diferentes formações vegetais de Pernambuco. Esta pesquisa contribuirá para o avanço no conhecimento da ecologia de rizóbios naturalmente estabelecidos nos solos e será um progresso no conhecimento dos componentes da biodiversidade do Brasil e à compreensão da biogeografia de micro-organismos fixadores de nitrogênio em regiões de clima tropical. As estimativas das quantidades de N fixadas em diferentes formações vegetais representa uma importância evidente no manejo de florestas, além de fornecerem dados para alimentar modelos matemáticos. Não se pode deixar de mencionar a contribuição para a formação de recursos humanos com habilitação na pesquisa, uma vez que envolve estudantes em sua equipe de pesquisadores.
  • Universidade Federal Rural de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Elisa Bressan Smith Lourenzani

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • indicações geográficas de café no brasil e a agricultura familiar: compreendendo as meso-instituições
  • Indicações Geográficas (IGs) são consideradas uma categoria dos direitos de propriedade intelectual coletiva e podem melhorar a coordenação das cadeias dos produtos uma vez que sinalizam características únicas e valores associados a um território particular, reduzindo assim as assimetrias de informação. Para a agricultura familiar, a adoção dessa estratégia representa possibilidade de fortalecimento da atividade, acesso a mercados e agregação de valor à atividade agrícola e mesmo não-agrícola, como o turismo e a gastronomia. As meso-instituições constituem uma lacuna na literatura e necessita de estudos para esclarecê-las. Trata-se do nível intermediário em que as regras gerais e direitos são estabelecidos e o nível em que os arranjos organizacionais e as transações ocorrem. Com vistas a em preencher a lacuna teórica, como apontado por Ménard (2017; 2018), e contribuir para a análise da eficácia das IGs, essa proposta tem como objetivo geral analisar o papel das meso-instituições nas IGs de café no Brasil e seu efeito sobre a participação da agricultura familiar. A metodologia proposta utilizará abordagem qualitativa (pesquisa descritiva utilizando o estudo de caso) e quantitativa (Índice de Condição de Vida). Espera-se que os resultados contribuam para avanços no conhecimento sobre a lacuna teórica a respeito das meso-instituições e para a sociedade no sentido de contribuir para a compreensão dos papeis dos atores envolvidos e da eficácia das IGs no Brasil, especialmente para a agricultura familiar localizada nos territórios.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022