Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Waldiceu Aparecido Verri Junior

Ciências Biológicas

Farmacologia
  • potencial terapêutico de mediadores lipídicos pró-resolução para o controle da artrite séptica induzida por staphylococcus aureus: abordagem pré-clínica e translacional
  • O entendimento atual de que a resolução do processo inflamatório é um processo ativo envolvendo moléculas e células com função específicas abriu um campo de pesquisa novo e com várias possibilidades de desenvolvimento de novos tratamentos. Os mediadores pró-resolução derivados do ácido docosahexaenóico são as resolvinas (RvD), protectinas (PD) e maresinas (MaR). Essas moléculas são isoladas em exsudatos estéreis ou de infecção nas fases de resolução do processo inflamatório concomitantemente à redução da geração de mediadores pró-inflamatórios. Essas moléculas promovem a resolução da inflamação induzindo pelo menos 3 atividades importantes no contexto deste projeto: 1) Direcionam os leucócitos para eliminar a infecção e resolvem a inflamação sem induzir imunossupressão; 2) Intensificam as atividades microbicidas dos macrófagos e modificam seu fenótipo de acordo com a progressão da doença; 3) Desempenham efeitos biológicos em doses fisiológicas (faixa pM-nM) com efeito prologando e ativação de receptores celulares específicos. Essas características permitiram que essas moléculas fossem capazes de funcionar como adjuvantes para reduzir as doses de antibióticos. A artrite séptica é uma doença altamente debilitante caracterizada pela resposta inflamatória exacerbada, necrose tecidual, destruição da cartilagem resultando em prejuízo severo da mobilidade, incapacitação motora e funcional e dor intensa. Ademais, todos esses eventos ocorrem rapidamente e as terapias atuais ainda não são satisfatórias, gerando a necessidade do desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas para a artrite séptica. Assim, a artrite séptica necessita de intervenções terapêuticas rápidas que reduzam a inflamação e as lesões teciduais decorrentes da alta atividade do sistema imune, porém, mantenham a atividade microbicida do sistema imune. Fundamentados nas características da artrite séptica, estabelecemos em nosso laboratório um modelo experimental de artrite séptica induzida por S. aureus com os sinais clássicos de inflamação verificados de maneira dose-dependentes por 28 dias e que replica a doença humana em modelo em camundongos. Considerando as características fisiopatológicas da artrite séptica e as três funções fisiopatológicas e farmacológicas dos mediadores pró-resolução descritas acima, serão desenvolvidos 6 subprojetos que visam investigar o efeito terapêutico da RvD1, RvD2, RvD5, MaR1, MaR2 e PD1 na artrite séptica. Para determinar a atividade farmacológica desses lipídeos pró-resolução na artrite séptica induzida pela administração intra-articular de S. aureus em camundongos, serão verificados parâmetros de doença, inflamação e dor (i) redução da dor, habilidade motora, inflamação e sinais clínicos da artrite séptica; (ii) recrutamento de leucócitos para propor um índice de resolução (Ri) da doença em resposta aos tratamentos; e (iii) dano articular induzido pela infecção. Quanto aos mecanismos dos lipídeos pró-resolução, o enfoque do projeto será na polarização do fenótipo de macrófagos (M1, M2 e Mres [macrófago resolutivo]) frente ao tratamento com os lipídeos RvD1, RvD2, RvD5, MaR1, MaR2 e PD1 in vivo e in vitro. Determinaremos se o tratamento com esses lipídeos durante a artrite séptica modifica o perfil dos macrófagos de maneira a aumentar a atividade microbicida e reduzir a inflamação e lesões teciduais (Mres) ou não (M1 e M2). In vitro, verificaremos se o tratamento com esses lipídeos em cultura de macrófagos BMDMs (macrófagos derivados de medula óssea) também é capaz de modificar o perfil dos macrófagos infectados com S. aureus e sua atividade. Serão realizados experimentos translacionais para verificar a possível aplicabilidade dos resultados obtidos no modelo murino pré-clínico à doença em humanos. Será investigado se há correlação entre os níveis de lipídeos pró-resolução e a produção de mediadores característicos dos perfis M1, M2 e Mres em amostras de líquido sinovial de pacientes com artrite séptica. Esses dados serão comparados com os obtidos em camundongos. Comercialmente, há disponibilidade de kits apenas para RvD1, RvD2, MaR1 e PD1. Ademais, utilizando macrófagos derivados de PBMCs (células mononucleares de sangue periférico) de humanos voluntários saudáveis, verificaremos se o tratamento in vitro com esses lipídeos pró-resolução induzem perfil de resposta antimicrobiana e de produção de mediadores caracterizando macrófagos M1, M2 ou Mres de maneira semelhante ao observado em BMDMs de camundongos. Por fim, também é objetivo deste projeto a capacitação de alunos. Esperamos formar 2 mestres, 2 doutores, 1 Pós-Doutor, 2 TCCs e publicar 6 artigos. Esperamos que as moléculas RvD1, RvD2, RvD5, MaR1, MaR2 e PD1 apresentem-se como novas possibilidades para o tratamento da artrite séptica de maneira a modificar o perfil das ações do sistema imune por meio de macrófagos Mres resultando no controle da infecção e ao mesmo tempo proporcionando redução da inflamação e lesão tecidual progredindo para a resolução da doença. O desenvolvimento deste projeto com ensaios pré-clínicos e translacionais deve definir quais dessas moléculas são mais promissoras.
  • Universidade Estadual de Londrina - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022