Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Walber Hugo de Brito

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • investigação das propriedades eletrônicas e térmicas de óxidos complexos e compostos intermetálicos
  • Óxidos complexos e compostos intermetálicos são conhecidos por exibirem uma grande variedade de propriedades emergentes, incluindo altas respostas termoelétricas. Entretanto, para se obter aplicações comerciais, as propriedades eletrônicas e térmicas desses materiais devem ser bem entendidas. Neste projeto, iremos investigar as propriedades eletrônicas e térmicas do FeGa3-yGey e BaBiO3, que veem atraindo bastante atenção devido a suas propriedades emergentes e possibilidade de estados topológicos não triviais. Primeiramente, queremos entender a cooperação entre as correlações eletrônicas e graus de liberdade da rede e de spin para o aparecimento das propriedades emergentes do FeGa3-yGey, incluindo sua termoeletricidade. No caso do BaBiO3, iremos investigar suas propriedades eletrônicas (incluindo quando o mesmo é dopado com lantânio), além da dinâmica dos fônons e condutividade térmica. Nossos estudos irão combinar ferramentas teóricas e experimentais 'estado da arte', através das quais iremos mapear os ingredientes fundamentais para o desenvolvimento de materiais termoelétricos mais eficientes. Este projeto irá possibilitar a consolidação de uma colaboração recente envolvendo os Professores Walber Hugo de Brito, Valentina Martelli e Júlio Larrea Jiménez. O Prof. Walber é membro do grupo de Física de Muitos Corpos - UFMG (https://sites.google.com/view/muitoscorposfisicaufmg), que possui acesso a infraestruturas de supercomputadores, que serão utilizados para o desenvolvido dos cálculos associados a este projeto. Os Profs. Larrea e Martelli são coordenadores do Laboratório de Materiais Quânticos em condições extremas (https://lqmec.com), que possui a infraestrutura que irá garantir a realização dos experimentos e a execução deste projeto.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 04/04/2022-30/04/2025
Foto de perfil

Waldecy Rodrigues

Ciências Sociais Aplicadas

Planejamento Urbano e Regional
  • estratégias para ampliação da sustentabilidade econômica e ambiental das atividades agrícolas na bacia hidrográfica araguaia-tocantins com o aporte de tecnologias de sensoriamento remoto espectral
  • O sensoriamento remoto é uma solução muito interessante, pois possibilita a obtenção de informações sobre alvos na superfície terrestre, sem a necessidade de um contato direto. Geralmente esses sensores estão presentes em plataformas orbitais como satélites ou aviões. Os afluentes da bacia Araguaia-Tocantins estão em situação crítica. No próprio rio Formoso os moradores da região conseguem caminhar por enormes trechos de areia onde já foi o leito do rio. No rio Dueré, a situação ficou insustentável ainda no mês de junho, quando a Justiça atendeu pedido do MPE (Ministério Público Estadual) e suspendeu a captação de água no rio e determinou a demolição de barragens. O objetivo desta pesquisa é promover tecnologias para otimização do uso e ocupação do solo com o uso sistemático da ARP para sensoriamento remoto, acoplado com sensores especiais no intuito de realizar mapeamentos agrícolas, detectar doenças no início do ciclo de crescimento das culturas e o estresse da colheita nas faixas de infravermelho. Processar e interpretar os dados coletados com as tecnologias de detecção remota hiperespectral e assim permitir diminuir os impactos ambientais na Bacia Hidrográfica Araguaia-Tocantins sobre os corpos hídricos. Com esta pesquisa pretende-se desenvolver uma tecnologia que simultaneamente promova a sustentabilidade econômica e ambiental dos principais cultivos da região (soja, arroz) e a preservação dos recursos hídricos em tempo real por imagens processadas e disponibilizadas em aplicativos de tempo real adaptado a smartphones.
  • Universidade Federal do Tocantins - TO - Brasil
  • 18/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Waldemir Lima dos Santos

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • projeto geoamazon: estudo de áreas de riscos hidrogeomorfológicos no sudoeste amazônico - estado do acre – fase 1: municípios da regional do alto acre.
  • A bacia do Acre é constituída pela Formação Solimões, caracteristicamente composta de materiais finos (siltitos, argilitos e arenitos) que associada às condições climáticas quente e úmida da região sul-ocidental da Amazônia, torna-se passível de ocorrências de desastres naturais de origem hidrogeomorfológica, tais como movimentos de massa e/ou inundações extremas. A interação entre o ambiente natural e socioeconômico e diretamente ligada com a dinâmica geomorfológica e diversos eventos, como deslizamentos e sedimentação das margens dos rios, são facilmente observados e vinculados, atualmente, a uma possível variação climática. É salutar e importante a realização desta pesquisa para que possa identificar as áreas susceptíveis a desastre hidrogeomorfológico, notadamente nas áreas urbanas, e elaborar propostas que amenizem os prejuízos através da informação às populações atingidas criando uma cultura de prevenção e resiliência a desastres nas cidades de Brasiléia, Xapuri, Epitaciolândia e Assis Brasil, no Estado do Acre. A pesquisa parte da hipótese de que a população está ocupando áreas de risco, seja de inundações ou secas extremas e/ou áreas com movimentação de massa e, tanto o poder público municipal quanto a própria população não possuem conhecimento suficiente para agir diante de possíveis desastres, ocorrendo em intervalos cada vez menores, com baixo nível de resiliência, gerando danos materiais e humanos. A estratégia metodológica envolve atividades de seleção e coleta de dados em vertentes; reuniões com as prefeituras; elaboração de material iconográfico das áreas de riscos, apresentando a “Carta de Risco Geomorfológico Urbano – CRISGEU”, com caráter técnico-científico inédito para a região acreana; oficinas com a comunidade e com gestores municipais, para socialização dos resultados e orientações. Com isso, haverá conhecimento científico aplicado dando resposta e possível solução a situação real que atinge os municípios acreanos anualmente.
  • Universidade Federal do Acre - AC - Brasil
  • 21/03/2022-31/03/2025