Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sara Joana Gadotti dos Anjos

Ciências Sociais Aplicadas

Turismo
  • gestão de inovação nos serviços turísticos : proposição de um modelo sustentado no processo de inovação, na gestão de pessoas e na satisfação dos clientes
  • O aumento crescente da concorrência entre as empresas turísticas é um dos principais desafios do setor, que depende cada vez mais da capacidade de inovação, para manterem suas organizações competitivas no mercado. O fortalecimento e atratividade de um empreendimento turístico estão ligados diretamente em sua habilidade em atender e satisfazer as expectativas do cliente e capacidade de empreender do gestor. Fornecer experiências memoráveis requer adotar ofertas novas e fortalecer as existentes, rever processo e parcerias, tanto tangíveis quanto intangíveis. Embora o setor de serviço ainda seja considerado uma atividade moderadamente inovadora, questões relativas à inovação têm ganhado cada vez mais espaço no desenvolvimento de produtos, empresas e mais competitivas pelo mundo. Evidências apontam para o fato de que a inovação pode gerar vantagens competitivas, lealdade de consumidores e redução de custos, que são fundamentais para o crescimento. A otimização do processo de gestão de pessoas surge como uma solução para os problemas enfrentados pelas organizações turísticas, causados pelo aumento da concorrência. Com isso, é possível melhorar o desempenho organizacional, fazendo com que os colaboradores tornem-se eficazes. Desta situação, surge o objetivo principal da presente investigação, que é Propor um modelo de Mensuração da Gestão de Inovação nos Serviços Turísticos, sustentado no processo de inovação, na Gestão de Pessoas e na Satisfação dos Clientes. Este estudo, de caráter exploratório e natureza quantitativo, trabalhará em sua pesquisa de campo com questionários eletrônicos encaminhados as organizações turísticas (Restaurantes e Meios de Hospedagem). A amostra será de 800 respondentes (gerentes/proprietários de restaurantes e gerentes recursos humanos dos meios de hospedagem, bem como funcionários de linha de frente dos estabelecimentos). A influência da inovação no desempenho serão coletados através da aplicação de questionário aos gestores (restaurantes e meios de hospedagem). As práticas de recursos humanos e os fatores motivacionais dos funcionários serão coletados através da aplicação de questionários com os responsáveis pelo setor de recursos humanos e com os funcionários de linha de frente, enquanto que as Online Travel Reviews (OTRs) – Booking e TripAdvisor serão utilizadas para coletar as informações com relação aos indicadores de satisfação dos clientes e hóspedes. Como objeto de estudo serão utilizados os restaurantes e meios de hospedagem localizados em três regiões turísticas no Brasil – Costa Verde Mar/SC (Balneário Camboriú, Itapema, Bombas, Bombinhas etc), Rota das Hortênsias/RS (Gramado, Canela etc) e Costa das Dunas/RN (Natal, São Miguel do Gostoso, etc). Os dados coletados serão analisados através dos programas IBM SPSS Statistics 22 e SmartPLS 3. Se utilizará a técnica estatísticas de Modelagem de Caminho de Mínimos Quadrados Parciais (PLS-SEM) a fim de verificar as hipóteses definidas. O estudo permitirá auxiliar os gestores a compreender os benefícios da adotar da inovação e seu reflexo no desempenho da empresa. Além de trazer contribuições para o conhecimento científico, por explorar uma temática de inovação mais ampla e integradora nos serviços turístico, auxiliando as mesmas na criação de estratégias competitivas e atualizando a academia com informações a respeito do processo inovação e de gestão de pessoas. Outra contribuição é a criação do modelo de gestão de inovação, o qual poderá ser utilizado por qualquer organização turística.
  • Universidade do Vale do Itajaí - SC - Brasil
  • 18/02/2019-31/08/2023
Foto de perfil

Sara Marchesan de Oliveira

Ciências Biológicas

Fisiologia
  • envolvimento das cininas em um modelo de dor associada à fibromialgia em camundongos
  • A fibromialgia é uma doença crônica classificada como dor primária crônica, a qual é caracterizada por dor crônica generalizada, sensibilidade à estímulos como o tato, e desordens afetivas como a depressão. Pacientes com fibromialgia apresentam sintomas semelhantes aos pacientes com dor neuropática como dor espontânea, alodínia mecânica e hiperalgesia térmica, e evidencias clínicas demonstram uma estreita relação entre neuropatia periférica e fibromialgia. Entre os mecanismos envolvidos na neuropatia sensorial periférica estão as cininas, as quais possuem um importante papel na regulação e manutenção da dor e alodínia, desencadeando as suas ações através da ativação dos receptores B1 e B2. Além disso, a sinalização destes receptores pode ser aumentada por inibidores da enzima conversora de angiotensina I (ECA) que inibem a degradação de cininas. As cininas são formadas à partir de cininogênios plasmáticos ou teciduais por ação das enzimas calicreínas. A calicreína plasmática origina a bradicinina, enquanto a calicreína tecidual sintetiza calidina (lis-bradicinina), ambas capazes de ativar o receptor B2 das cininas. As cininases I convertem bradicinina e calidina nos metabólitos ativos des-Arg9-bradicinina e des-Arg10-calidina, respectivamente, capazes de ativar os receptores B1 das cininas. A bradicinina também pode ser inativada pela enzima conversora de angiotensina I (ECA; uma cininases do tipo II) em um metabólito inativo. Dados prévios demonstram que os antagonistas dos receptores B1 e B2, des-Arg9-Leu8-bradicinina (DALBK) e Icatibant, respectivamente, são efetivos em reduzir diferentes processos dolorosos e inflamatórios em modelos de dor persistente. Até o momento não há estudos demonstrando o envolvimento das cininas e seus receptores na dor que ocorre na fibromialgia e não se conhece a relação entre os receptores de cininas e a dor da fibromialgia durante a inibição da ECA, a qual é de grande relevância, uma vez que a hipertensão é uma co-morbidade comum que afeta pacientes com fibromialgia e o seu tratamento com inibidores da ECA poderia potencializar esta condição dolorosa. Assim, o objetivo do presente estudo será investigar o envolvimento das cininas e dos seus receptores B1 e B2 em um modelo de dor associada à fibromialgia induzido por reserpina bem como avaliar a possível potencialização da dor associada à fibromialgia pelos inibidores da ECA, enalapril e captopril em camundongos. Para a indução da dor associada à fibromialgia, camundongos adultos machos receberão injeções subcutâneas (s.c.) de reserpina (depleta aminas biogênicas-serotonina, dopamina e noradrenalina; 1 mg/kg, s.c.) uma vez ao dia por 3 dias consecutivos. Primeiramente será avaliado o desenvolvimento da alodínia mecânica (usando filamentos de Von Frey) induzida pela administração de reserpina bem como o comportamento de dor espontânea induzida por doses submáximas dos agonistas dos receptores B1 (DABk) ou B2 (Bradicinina) administrados por via intraplantar (i.pl.). O papel dos receptores de cininas será investigado utilizando antagonistas destes receptores e camundongos com deleção gênica dos receptores B1 ou B2. Para investigar o efeito dos antagonistas dos receptores B1 e B2 sobre a alodínia mecânica induzida por reserpina um grupo de animais será tratado com os antagonistas peptídicos do receptor B1 (DALBk) ou B2 (Icatibant) ou com antagonistas não peptídicos do receptor B1 (SSR240612) ou B2 (FR173657), bem como será avaliado se os antagonistas dos receptores B1 e B2 serão capazes de prevenir o desenvolvimento de dor espontânea induzidas pelos agonistas dos receptores B1 e B2 para cininas em animais previamente tratados com reserpina. Ainda, será avaliado se os inibidores da enzima conversora de angiotensina I (Enalapril e Captopril) serão capazes de potencializar a alodínia mecânica induzida pela reserpina. Será analisada a atividade da enzima cininase I e da ECA no nervo ciático, medula espinhal e córtex cerebral dos animais um dia após a última injeção da reserpina e a atividade da ECA 1 h após a administração dos inibidores da ECA (Enalapril e Captopril) ou do inibidor da cininase I (Mergepta) em animais previamente administrados com reserpina. Será realizada a dosagem de peptídeos relacionados à bradicinina no nervo ciático, medula espinhal, e córtex cerebral dos animais após a administração de reserpina ou reserpina plus inibidores da ECA, assim como a expressão dos receptores B1 e B2 para cininas. Os níveis de dopamina, noradrenalina e serotonina serão analisados no homogenato da medula espinhal e córtex cerebral após a administração de reserpina. O comportamento de tigmotaxia, comportamento de cavar (burrowing), nado forçado e atividade locomotora dos animais serão avaliados após a administração de reserpina. Espera-se com este estudo não somente conhecer melhor os mecanismos patofisiológicos, bioquímicos e moleculares envolvidos na fibromialgia, como também apontar o potencial dos antagonistas dos receptores B1 e B2 das cininas para o tratamento da dor em pacientes com fibromialgia, evidenciar também o efeito da inibição da ECA como forte potencializador desta condição dolorosa e dar suporte pré-clínico para o desenvolvimento de novos fármacos analgésicos mais efetivos e seguros.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros

Ciências Sociais Aplicadas

Planejamento Urbano e Regional
  • habitação social no rio grande do norte: do banco nacional de habitação ao programa minha casa minha vida
  • Os estudos sobre política habitacional tiveram larga repercussão na produção acadêmica dos anos 1970 e meados de 1980. Com o desmonte da política habitacional do BNH no final da década dos anos 1980, foi vivenciado um esvaziamento desse debate. A partir de 2009, com a institucionalização do Programa Minha Casa Minha Vida, a temática da habitação retorna às agendas de pesquisa. No entanto, o recorte espacial, notadamente nas grandes cidades e regiões metropolitanas, onde se insere o maior número de unidades habitacionais, persiste em figurar majoritariamente nos focos dos trabalhos. Trata-se de uma escala analítica que, por um lado, é válida em virtude da sua representatividade, mas que, por outro, deixa de fora muito do que foi produzido em pequenas e médias cidades. Se esta produção não é tão impactante para os grandes números, por certo é significativa para os territórios abrangidos. Assim, para compreender o fenômeno em sua totalidade, é importante que haja estudos em outras escalas, incluindo a perspectiva dos municípios não inseridos em regiões metropolitanas. Nesse sentido, cabe, aqui, a proposta de trabalhar na escala da unidade da federação, Rio Grande do Norte (RN), em um resgate da produção no âmbito da política habitacional para as faixas de menor rendimento, com apreciação dos conjuntos habitacionais frutos do Banco Nacional da Habitação (1964 a 1986) e do Programa Minha Casa Minha Vida) – 2009 a 2017. A relevância e o impacto do projeto consistem, principalmente, em incluir as dinâmicas das pequenas e médias cidades no cenário instituído pela promoção pública de habitação. Na perspectiva territorial, explora os conjuntos habitacionais e a cidade, considerando a inserção urbana; a oferta de serviços e infraestrutura; o uso e ocupação do conjunto e a valorização imobiliária. Destaca-se, ainda, a perspectiva de uma análise comparativa entre a produção no período militar e no período democrático, identificando continuidades, avanços e retrocessos da produção pública na habitação social. A pesquisa engloba os estudos já realizados para Natal e para a região metropolitana, onde se concentram não apenas as estruturas de apoio organizacional dos negócios e suas elites, como também o aparato do poder estadual, e é onde a produção habitacional ocorreu e dá-se em maior intensidade. No RN, grosso modo, figuram dois mundos: um que se beneficia do turismo, da fruticultura irrigada e de todo um aparato de modernização; e outro que, à margem desse crescimento econômico, sobrevive nas favelas, vilas e loteamentos irregulares – notadamente de Natal e entorno – e nas áreas desprovidas de recursos hídricos e desassistidas de políticas públicas estratégicas. Esse contraste entre “dois mundos” define o que se denomina gestão do território neste que é um dos estados mais pobres do país e que, há muito tempo, foi relegado a papel secundário pelas tradicionais oligarquias nacionais e locais. Antes, o RN era apenas um espaço para a produção agroexportadora (em particular, do algodão), para isso tendo sido necessária apenas alguma infraestrutura hídrica e de transporte. As persistentes secas do semiárido, que ainda predominam em porção considerável do território estadual, assim o requeriam. Nos tempos áureos da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), o esforço para dotar o estado com algum desenvolvimento urbano-industrial impulsionou investimentos em eletrificação, sistema viário, telecomunicações e habitação. Ressalta-se, ainda, que a concentração da produção habitacional em Natal e Mossoró reflete a política implementada no estado. O Plano de Ação do Governo (1976 – 1979), em sua Estratégia de Integração Espacial, destaca que as regiões Litoral Oriental (com sede em Natal) e dos Vales Ocidentais (sediada em Mossoró) devem constituir-se em entidades espaciais compensadoras e estruturantes do espaço estadual. A habitação foi inserida no eixo de Integração Social, convergente com a estratégia de crescimento econômico, buscando cumprir as funções de melhoria das condições habitacionais e o emprego de mão-de-obra. Essa era uma estratégia adotada desde o governo de Walfredo Gurgel (1966 a 1971), quando a atuação da COHAB/RN no interior do estado esteve condicionada à institucionalização de projetos de apoio ao desenvolvimento econômico, nomeados a partir das microrregiões, tais como: Projeto Seridó e Projeto Alto Oeste. A forma como é estabelecida essa articulação com os diferentes produtores do espaço urbano dá-se com estratégicas específicas, a depender do desenho da política. No período do Banco Nacional da Habitação, o papel das Companhias de Habitação era o de exercer um controle e um planejamento das obras realizadas. No que se refere ao Programa Minha Casa Minha Vida, essa política é esvaziada de um planejamento mais estratégico e da atuação dos estados e municípios, ficando a cargo das construtoras (e da CAIXA) grande parte das decisões. Os desenhos das políticas têm influência direta nas tipologias, qualidade construtiva e inserções urbanas dos empreendimentos realizados. O pequeno número de habitantes, a inserção próxima ao tecido urbano consolidado e o poder aquisitivo da população geram diferenças significativas na apropriação e uso da moradia pelos beneficiados dos pequenos (e médios) municípios no RN. A equipe conta com pesquisadores que dedicaram grande parte da sua formação na compreensão e análise da política habitacional e do desenvolvimento urbano e que têm produção científica estabelecida nacional e internacionalmente. Os procedimentos metodológicos apresentam estratégias variadas para coleta, sistematização e apreciação dos dados e informações. A pesquisa possui a capacidade de inovar nos estudos sobre habitação, em diferentes escalas e temporalidades, e os produtos serão ferramentas importantes para os estudos sobre habitação e como suporte para a gestão de políticas públicas urbanas e regionais.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022