Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Stevens Kastrup Rehen

Ciências Biológicas

Morfologia
  • células neurais e organoides cerebrais derivados de ips e como plataformas para o estudo dos efeitos de canabinoides na síndrome de dravet
  • A síndrome de Dravet é uma encefalopatia epiléptica incapacitante que tem início na infância, caracterizada por crises recorrentes, comprometimento cognitivo e um risco relativamente alto (10-20%) de morte súbita. Alguns pacientes de Dravet seriamente afetados têm até 50 crises diárias e não respondem a anticonvulsivantes clássicos, o que pode até mesmo agravar os sintomas. Claramente, tratamentos novos e melhorados são necessários para diminuir a frequência de crises e reduzir a carga encefalopática. Curiosamente, todas as encefalopatias epilépticas tendem a diminuir ou mesmo cessar na adolescência, mas muitas vezes o paciente permanece com sequelas neurocognitivas sérias. Portanto, seria extremamente importante tratar essa condição com medicamentos que previnam convulsões e, de preferência, protejam o cérebro em desenvolvimento contra danos. Relatórios médicos recentes sugerem que o tratamento com medicamentos à base de Cannabis, particularmente aqueles contendo alto teor de canabidiol (CBD), pode ajudar a reduzir a frequência de convulsões, bem como a sua gravidade. Isso está sendo testado atualmente com ensaios clínicos de Fase 3 e é apoiado por estudos experimentais anteriores. Uma das principais propriedades do CBD é a neuroproteção, como evidenciado em vários modelos, como isquemia adulta e neonatal, trauma cerebral, doença de Alzheimer, doença de Parkinson, coreia de Huntington e esclerose lateral amiotrófica. Estes efeitos protetores são alcançados através de múltiplos mecanismos, incluindo o controle da homeostase do glutamato para prevenir excitotoxicidade, respostas inflamatórias diminuídas via células da glia e captura de espécies reativas de oxigênio (ROS), promovendo a liberação de fatores neurogênicos e neurotróficos. O problema a ser abordado por este projeto é determinar se o CBD é neuroprotetor para células neurais derivadas de pacientes com Dravet, além de ser anticonvulsivante. Usaremos um método alternativo não invasivo para estudar neurônios de pacientes Dravet, que são cultivados a partir de células epiteliais obtidas da urina e expandidos em laboratório antes de serem reprogramados para células-tronco de pluripotência induzida (iPS). Essas células carregam o fundo genético específico da doença. Além disso, como a complexidade do cérebro humano não pode ser reduzida a um único tipo de célula separado de seu ambiente, empregaremos uma técnica que possibilitará o estudo do neurodesenvolvimento humano em toda a sua complexidade in vitro. Neste método, neuroesferas e organoides cerebrais produzidos a partir de iPS são obtidos em spinners celulares. Fenótipos estruturais e funcionais relacionados à epilepsia também serão investigados nas mesmas células. Os efeitos dos agonistas canabinoides e tratamentos anticonvulsivantes padrão serão testados em células neurais diferenciadas, com o objetivo de mimetizar o perfil farmacológico observado em pacientes.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022