Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sydia Rosana de Araujo Oliveira

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • obesidade infantil: avaliação sobre a implementação de intervenções complexas
  • A prevalência da obesidade infantil representa um desafio global urgente. A Comissão da Organização Mundial de Saúde (OMS) para acabar com a obesidade infantil propõe a implementação de um pacote integrado de recomendações ao longo da vida para fornecer serviços de prevenção e controle; no entanto, poucos estudos têm se debruçado para compreender como as intervenções são implementadas e mantidas ao longo do tempo. No Brasil, nasce a academia da saúde com o objetivo de garantir comunidades mais saudáveis, integrando ações de saúde pública na Atenção Primária dentro dos espaços onde as pessoas vivem, trabalham, estudam e se divertem. Este tipo de intervenção se mostra efetiva quando se pretende abordar agravos multicausais como é o caso da obesidade, principalmente a que incide em crianças e jovens. A obesidade infantil está presente nas diferentes faixas econômicas no Brasil. Pesquisas mostram este problema crescendo em escala nacional, no entanto, em estados mais pobres como os da região nordeste, estes são mais escassos e geralmente são feitos com populações muito específicas ou com escolares. Mais escassos ainda, são os trabalhos que enfatizem o processo de implementação de políticas de controle da obesidade infantil. O objetivo desta pesquisa será avaliar o processo de implementação do controle da obesidade infantil, a partir da investigação de uma intervenção local. Trata-se de uma pesquisa avaliativa, que utilizará de modelo lógico da intervenção, cinco dimensões da avaliação: alcance, eficácia/efetividade, adoção, implementação e manutenção, além dos fatores contextuais da implementação. Os dados serão produzidos a partir de pesquisa documental, base de dados da intervenção e entrevistas semiestruturadas e em profundidade com os envolvidos. A análise temática das respostas qualitativas das entrevistas será realizada e triangulada com os dados quantitativos. Integrará o estudo o Programa Bom dia, intervenção realizada pelo Programa Academia da Cidade, em Recife.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sylvia do Carmo Castro Franceschini

Ciências da Saúde

Medicina
  • estado nutricional de iodo, sódio e potássio no grupo materno-infantil brasileiro: um estudo multicêntrico
  • Introdução: Durante os períodos de gestação e lactação, alterações fisiológicas importantes impõem um aumento nas demandas dietéticas materna ameaçando o equilíbrio metabólico do iodo.Estudos recentes têm evidenciado que a excreção mediana de iodo urinário em escolares, atualmente recomendada como indicador da nutrição de iodo na população, pode não ser representativa de segmentos populacionais específicos como gestantes e mulheres em lactação. Neste sentido fica evidente a necessidade de estudos direcionados especificamente a estes grupos que visem não apenas a identificação de prevalências da deficiência iódica mas também a compreensão dos determinantes associados à sua distribuição. Objetivo: Avaliar os fatores associados ao estado nutricional de iodo, sódio e potássio em gestantes, nutrizes e lactentes em diferentes regiões brasileiras. Metodologia: Trata-se de um estudo epidemiológico, observacional, de base populacional e recorte transversal realizado em 13 centros com representatividade em cada macrorregião brasileira. Serão estudas por meio de recortes transversais 5430 gestantes em diferentes idades gestacionais e 4911 nutrizes e seus lactentes entre 15 e 60 dias após o parto selecionados por amostragem estratificada em dois estágios. Serão convidadas a participar do estudo as gestantes e nutrizes residentes na zona urbana dos municípios amostrados e usuárias da rede pública de saúde. O levantamento das informações sociais, econômicas, demográfica e de saúde será realizado mediante aplicação de um questionário semi estruturado. Os dados de consumo alimentar serão obtidos por meio de aplicação de um Questionário de Frequência e Consumo Alimentar (QFCA). A análise do conteúdo urinário de iodo, sódio e potássio será realizada pelo método ICP-MS utilizando-se um espectrômetro de massa no Laboratório de Análises Clínicas e Toxicológicas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto. Serão consideradas deficientes as gestantes que apresentarem iodúria < 150 µg/L e nutrizes e lactentes com iodúria < 100 µg/L. As análises do teor de iodo no leite materno e alimentos regionais será realizada por espectrofotometria utilizando-se o método proposto por Sveikina e modificado por Moxon e Dixon (1980) no Laboratório de Análises de Alimentos do Departamento de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal de Viçosa. O teor de iodo no sal de consumo domiciliar será obtido por titulação, sendo consideradas adequadas as amostras que apresentarem níveis de iodo entre 15 e 45 mg/kg de sal. As análises ocorrerão no Laboratório de Tecnologia e Biomassa do Cerrado. Para análise estatística inicialmente será apresentada uma análise descritiva com frequências absoluta e relativa, medidas de tendência central e dispersão. Visando a identificação dos fatores de risco associados à deficiencia iódica entre gestantes, nutrizes e lactentes será realizada uma análise univariada (testes t de student, Mann Whitney e qui quadrado) seguida de análise multivariada na qual será aplicado um modelo hierarquizado por meio de regressão de Poisson. O teste adotado será o qui-quadrado de Wald e a medida de risco avaliada a razão de prevalência, com intervalo de confiança de 95%. A avaliação da influência dos condicionantes maternos como iodúria materna durante lactação e teor de iodo no leite sobre a concentração de iodo urinário dos lactentes será realizada por meio de Regressão Linear. O teste aplicado será o teste t a um nível de significância de 0,05 e a magnitude do efeito de cada variável expositiva sobre a iodúria dos lactentes mensurada pelos coeficientes beta padronizados e seus respectivos intervalos de confiança de 95%. O mesmo procedimento analítico será adotado para verificação dos fatores correlacionados aos níveis urinários de sódio e potássio entre gestantes, nutrizes e lactentes. A qualidade do ajuste do modelo explicativo final será analisada pelo R quadrado ajustado e análise de variância aplicando-se o teste F a um nível de significância de 0,05. O presente estudo será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Viçosa (UFV – MG) para apreciação do cumprimento dos princípios éticos na condução de pesquisas envolvendo seres humanos conforme a Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012 do Conselho Nacional de Saúde.
  • Universidade Federal de Viçosa - MG - Brasil
  • 24/11/2017-30/04/2021
Foto de perfil

Sylvia Helena Souza da Silva Batista

Ciências Humanas

Educação
  • formação e docência em tempos de políticas indutoras: as experiências no pró saúde e pet saúde
  • Esta pesquisa assume como objetivo central analisar motivações, trajetórias e práticas pedagógicas atuantes no PRO-SAÚDE e no PET-SAÚDE em cursos da saúde inseridos em instituições públicas localizadas nas cidades de São Paulo (SP), Santos (SP), Belém (PA) e Maceió (AL). Buscar-se-á, no âmbito de objetivos específicos: caracterizar o perfil destes professores (gênero, idade, área de formação profissional, tempo de inserção na docência, atividade na universidade, área de pesquisa, participação em outros projetos); resgatar as trajetórias docentes, buscando discutir os percursos formativos para a docência em saúde; explorar as motivações e as expectativas narradas pelos professores ao desenvolverem suas docências no âmbito de uma política indutora, como o PRO-SAÚDE e PET-SAÚDE; caracterizar os pontos fortes, as fragilidades e as possibilidades que os professores identificam em suas inserções como docentes no âmbito do PRÓ-SAÚDE e PET-SAÚDE e conhecer os modos de trocar, discutir e partilhar no cotidiano da integração ensino-serviço, entre docentes-docentes, docentes-discentes, docentes-preceptores. As interlocuções teóricas abrangem o campo da formação docente em saúde e a contextualização das políticas indutoras privilegiadas nesta investigação. O caminho metodológico compreende a utilização de um instrumento estruturado (Escala Likert) e narrativas (captadas por meio de entrevistas) dos professores sobre suas experiências e trajetórias em relação à docência, procurando rastrear as condições objetivas, subjetivas e intersubjetivas que num dado contexto configuram um modo de aprender e formar em saúde e as imbricações com as políticas indutoras para a transformação do ensino na saúde, especificamente com o PRÓ-SAÚDE e o PET-SAÚDE. Os dados serão produzidos com professores atuantes no PRO-SAÚDE e no PET-SAÚDE em instituições públicas localizadas nas cidades de São Paulo (SP), Santos (SP), Belém (PA) e Maceió (AL). As narrativas deverão compor um panorama complexo e multideterminado ao qual adentraremos com as ferramentas da análise temática. Os resultados esperados abrangem a contribuição para desenvolvimento de propostas de formação docente coadunados com as trajetórias docentes, suas práticas, bem como as demandas de modos de aprender que valorizam a articulação com os serviços de saúde e investem em situações reais de produção do cuidado.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Sylvia Maria Ciasca

Ciências Humanas

Psicologia
  • programa de avaliação e intervenção com pré-escolares e escolares: estudo longitudinal de fatores protetivos e de risco para transtornos emocionais e do neurodesenvolvimento
  • Introdução: Sabe-se hoje que o desenvolvimento integral da criança depende da associação de uma série de fatores, que envolve motricidade, cognição, afeto, emoção e estimulação oferecida pelo contexto ambiental. Nos estágios iniciais do desenvolvimento a estimulação neuropsicomotora é essencial, pois o estímulo desta favorece, direta ou indiretamente, funções neuropsicológicas importantes para a evolução da criança. Associado a isso, a detecção precoce de fatores de risco para alterações evolutivas, e mesmo para transtornos emocionais e do neurodesenvolvimento, se faz necessário. Isso porque a identificação na fase inicial possibilita a intervenção no momento em que o sistema nervoso é mais plástico, levando à maior probabilidade de superação (ou minimização) da problemática identificada. Em nosso meio há carência de estudos nessa linha e, assim, não é incomum que uma parcela de alunos com problemas variados passem todo ensino infantil e fundamental sem diagnóstico de transtornos do neurodesenvolvimento, tais como TDAH, deficiência intelectual, transtornos específicos de aprendizagem (leitura, escrita e matemática), ansiedade, dentre outros. Como não são diagnosticadas, não recebem tratamento adequado e, assim, tendem a sofrer por anos os efeitos destes transtornos. A escola, por sua vez, também torna-se vítima desse processo, uma vez que a ausência do diagnóstico dificulta o manejo das alterações apresentadas pela criança. Objetivo principal: realizar estudo longitudinal junto a pré-escolares e escolares da rede pública, com o intuito de se prevenir e identificar fatores de risco para transtornos emocionais, neurodesenvolvimentais e nutricionais. Sujeitos: Serão convidadas a participar do estudo todas as crianças de uma escola pública, que atende a faixa etária de 3 e 6 anos de idade. Em torno de 40% das crianças vivem em situação de risco, devido à carência sócio-econômico-cultural. Aspectos éticos: Serão atendidos todos preceitos éticos, segundo normas do CONEP. Avaliação: De 2019 e 2022 (entre fevereiro e maio) as crianças serão avaliadas e reavaliadas pela equipe interdisciplinar (fonoaudiólogos, neuropsicólogos, psicomotricista e nutricionista), na escola, no contraturno do horário escolar, utilizando-se instrumentos e testes próprios de cada área, adequados à idade das crianças. Os relatórios individuais serão entregues aos familiares e à escola nos meses de junho. Nos casos em que for identificado sinais indicativos de transtornos emocionais, do neurodesenvolvimento e nutricionais serão adotados os seguintes procedimentos: 1) as crianças serão encaminhadas para avaliação complementar no DISAPRE/FCM/UNICAMP ou CIAPRE, onde passarão por avaliação médica (neuropediatria e/ou psiquiatria) e por outros profissionais da área da saúde (psicológica, neuropsicologia, fonoaudiologia, psicopedagogia, psicomotricidade); 2) Aos pais será oferecida ajuda de custo para transporte público e lanche, de modo que possam concluir a avaliação da criança; 3) Concluída a avaliação, os pais receberão um relatório contendo resultados, conclusão e indicação de intervenção e/ou estimulação de funções, quando necessário. Se confirmado presença de transtornos emocionais e/ou do neurodesenvolvimento, o relatório conterá indicação para processo interventivo e os pais serão orientados a procurar a Rede de Atendimento Municipal mais apropriada para o seguimento do caso (Saúde e/ou Educação). Estas crianças continuarão em acompanhamento anual, de modo a se acompanhar a evolução do caso e necessidade de novo direcionamento de intervenção/tratamento; 4) Os familiares cujas crianças tenham recebido algum tipo de diagnóstico de transtornos emocionais e/ou do neurodesenvolvimento serão convidados a participar de Programas Psicoeducacionais, de modo que possam receber orientação no manejo e cuidados da criança; 5) Na escola serão elaborados e introduzidos dois programas de intervenção no segundo semestre do ano letivo (entre 2019 e 2022): Programa Sistematizado de Estimulação Psicomotora e Programas de Resposta à Intervenção (RTI), este ultimo voltado para os possíveis sinais de risco de dificuldade de aprendizagem. O PSEP fará parte do currículo da escola e beneficiará todas as crianças, pois a estimulação psicomotora sistematizada é estruturante para aquisições acadêmicas e de aprendizagem futura. Ambos os programas (PSEP e RTI) serão aplicados pelos próprios professores, juntamente com a equipe de pesquisadores. 6) Em se tratando de crianças com déficits ou alterações nutricionais, serão instituídos Programas Psicoeducacionais para familiares e Escola, de modo a compreender, regular e buscar caminhos para a adequada nutrição das crianças. Seguimento no ensino fundamental: As crianças que forem transferidas para outras escolas, a fim de iniciarem o ensino fundamental, serão convidadas a permanecer no estudo e continuarem o seguimento até que completem 9 anos de idade. Nestes casos, elas continuarão a reavaliação interdisciplinar anual, no DISAPRE/UNICAMP ou no CIAPRE. Serão mantidos ajuda de custo para os pais, emissão de relatórios e orientações para busca de atendimento na Rede Publica para intervenção, quando necessário. Resultados esperados: a) Promover conhecimento sobre o desenvolvimento infantil e seus transtornos, bem como favorecer a intervenção precoce nos casos de desenvolvimento atípico. b) Levar conhecimento estruturado a Professores e Familiares, de modo que possam atuar de forma ativa na estimulação e intervenção precoces; c) Favorecer as crianças que vivem em situação de risco, já que vivem em área ocupada distante do centro urbano e não acesso aos Serviços de Saúde; d) Obter dados científicos sobre a infância e contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas para a promoção da infância.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sylvio Barbon Júnior

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • geração inteligente de energia solar em usina fotovoltaica com aprendizado de máquina
  • A geração de energia solar vem ganhando espaço e incentivos no Brasil. Em novembro de 2019, foi inaugurada a primeira usina fotovoltaica de Londrina, localizada na Universidade Estadual de Londrina. A construção desse projeto foi parte do Projeto de Eficiência Energética aprovado na Chamada Pública Copel-VPDE 001/2017, incentivado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Sabe-se que a previsão de geração de energia representa uma etapa estratégica no planejamento, gerenciamento e operação de um sistema elétrico. Contudo, a natureza dos dados associados a energias renováveis (intermitência, aleatoriedade e dependência do ambiente e clima) é caracterizada por não-linearidade, o que dificulta a criação de um modelo preditivo satisfatório. A predição do que acontecerá em um breve espaço de tempo também é um desafio. Aproveitando a presença da usina fotovoltaica em operação no campus da Universidade Estadual de Londrina, que caracteriza um living lab para P&D em produção de energia renovável, esse projeto objetiva o desenvolvimento de modelos preditivos capazes de lidar com os dados gerados pela usina em questão e, a partir disso, obter informações estratégicas para seu gerenciamento e controle.
  • Universidade Estadual de Londrina - PR - Brasil
  • 20/08/2020-31/08/2022