Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Verônica Brito da Silva

Ciências Agrárias

Agronomia
  • potencial genético de genótipos de feijão-fava com tolerância a altas temperaturas e resposta ao fotoperíodo
  • O feijão-fava (Phaseolus lunatus L.) tem se mostrado bastante promissor entre as leguminosas cultivadas no Brasil, com destaque para a região Nordeste. Embora, seja bastante apreciado nesta região, ainda possui baixa participação na sua produção, devido a falta de investimentos em pesquisa básica e aplicada como o melhoramento desta leguminosa. Portanto, torna-se necessário desenvolver genótipos mais adaptados para serem recomendados aos produtores, principalmente da região Nordeste. A temperatura e o fotoperíodo são os fatores ambientais principais que influenciam a duração do ciclo de desenvolvimento das plantas. A resposta fotoperiódica e altas temperaturas ainda não foram quantificadas em genótipos de feijão-fava. . Por ter origem em regiões de média à alta altitude, a cultura do feijãoé sensível a temperaturas elevadas. Diante das previsões de mudanças climáticas com o aumento da temperatura global em consequência da emissão de gases de efeito estufa na maioria das áreas de cultivo, coloca-se em risco a segurança alimentar e faz-se necessário o melhor entendimento dos mecanismos fisiológicos de tolerância às altas temperaturas, assim como a identificação de fatores genéticos que controlam as respostas fisiológicas, a fim de selecionar novas combinações que levam à maximização do rendimento frente ao estresse por calor. Além da temperatura, o fotoperíodo também afeta o ciclo de desenvolvimento de espécies. O conhecimento da resposta fotoperiódica das culturas é importante para identificar sua adaptação para cultivo em diferentes locais e assim auxiliar na determinação da época de semeadura recomendada para cada região. Nesse contexto, os objetivos do projeto serão investigar os efeitos do estresse por alta temperatura e identificar a resposta ao fotoperíodo em 25 genótipos de feijão-fava cultivados na região Nordeste em duas localidades com zonas climáticas distintas (clima quente e ameno). Será avaliada também a existência de efeitos de interação genótipo x ambiente e a seleção dos genótipos mais contrastantes quanto à tolerância ao calor e ao fotoperiodo. O experimento será realizado em casa de vegetação localizado no campus da UFPI. Serão avaliadas características fenológicas, produtivas e relacionadas ao desenvolvimento da planta. O delineamento experimental empregado será o de inteiramente casualizados, com quatro repetições. Serão processadas análises de variância individuais, e análise conjunta de variância para todos os caracteres, com o objetivo de determinar possíveis interações entre os genótipos com os ambientes. Será realizado o teste de Scott e Knott, a 5% de probabilidade, para comparações das médias dos genótipos. Uma relação linear entre as características para a resposta fotoperiódica.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Verônica Contini

Ciências Biológicas

Genética
  • aspectos nutrigenéticos de marcadores bioquímicos, antropométricos e comportamentais: implicações para as doenças multifatoriais.
  • O estudo das doenças multifatoriais tem recebido uma atenção especial nos últimos anos, devido a sua complexidade, os múltiplos fatores, genéticos e ambientais, envolvidos no seu desenvolvimento e o grande impacto nas sociedades contemporâneas. No entanto, apesar dos avanços obtidos com os estudos de varredura genômica, que identificaram inúmeras variantes genéticas associadas com uma ampla gama de doenças complexas, com a esquizofrenia e a obesidade, por exemplo, esses achados ainda não são capazes de explicar toda a variância atribuível aos genes. Diante disso, novas abordagens de investigação têm sido exploradas, na busca pela identificação dos mecanismos moleculares envolvidas nessas doenças, como a investigação de interações gene-gene e gene-ambiente, destacando-se aqui os estudos nutrigenéticos. Existem na literatura inúmeras evidências relacionando fatores da dieta com o desenvolvimento de doenças multifatoriais metabólicas e, mais recentemente, também tem se destacado o efeito das interações alimentares em transtornos psiquiátricos, como a depressão, a ansiedade e o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Nesse projeto, especificamente, o foco de estudo é a cafeína, uma das substâncias psicoativas mais utilizadas no mundo, principalmente, mas não exclusivamente, através do consumo diário de café. Esta substância atua no sistema nervoso central (SNC) bloqueando os receptores de adenosina A1 (ADORA1) e A2A (ADORA2A). A adenosina é um ribonucleosídeo neuromodulador de grande importância, considerado um metabólico constitutivo de todas as células, atuando em diversos processos sinápticos e, também, na regulação de diversos neurotransmissores no SNC. Há na literatura um acúmulo de evidências demonstrando que o consumo de doses moderadas de cafeína, de modo geral, aumenta o estado de alerta e diminui a fadiga. No entanto, há também diversas indicações de que os efeitos da cafeína são dose-dependentes e podem variar consideravelmente entre os indivíduos podendo produzir, em alguns casos, efeitos negativos, tais como sintomas de ansiedade, nervosismo e distúrbios do sono. Recentemente, os estudos genéticos têm evidenciado medidas de herdabilidade significativas para o consumo de cafeína e os estudos de varredura genômica têm apontado diversas variantes envolvidas na variação do consumo de cafeína, como os genes CYP1A2 e AHR, e nos seus efeitos psicoestimulantes, como os genes ADORA1, ADORA2A. Os objetivos principais desse estudo são: (1) investigar os possíveis efeitos da interação entre o consumo de cafeína e polimorfismos nos genes ADORA1, ADORA2A, CYP1A2, AHR e DRD2 sobre sintomas de ansiedade, depressão, desatenção e impulsividade em uma amostra de aproximadamente 500 indivíduos adultos da população geral e (2) investigar se os mesmos efeitos são detectados em uma amostra de indivíduos adultos com TDAH. A amostra principal desse estudo será constituída por indivíduos adultos, com idade entre 18 e 65 anos, de ambos os sexos, recrutados entre a comunidade acadêmica da Univates, Lajeado, RS. O consumo de cafeína dos participantes será investigado através dos dados obtidos de um recordatório alimentar de 24 horas e de um questionário de frequência alimentar. Os escores de sintomas de depressão e ansiedade serão avaliados por meio das escalas autoaplicáveis Inventário para Depressão de Beck e Inventário para Ansiedade de Beck, respectivamente. Os sintomas de desatenção e hiperatividade serão investigados por meio da Escala de Auto Avaliação para Diagnóstico do TDAH em Adultos. Todos os participantes responderão um questionário sobre dados demográficos, hábitos de vida, prática de atividade física, história clínica e histórico familiar. Também realizarão uma anamnese nutricional, avaliação de medidas antropométricas, aferição da pressão arterial e coleta de sangue, para análises bioquímicas e moleculares. A amostra de pacientes com TDAH, para a replicação dos achados, será composta por aproximadamente 600 indivíduos, de ambos os sexos, diagnosticados no Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade (ProDAH) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Os pacientes preencheram os critérios de diagnóstico do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais e foram avaliados em relação à gravidade dos sintomas de desatenção e hiperatividade. Nessa amostra, os dados de consumo de cafeína serão extraídos do protocolo de dados sócios demográficos, que inclui um screening para o uso dessa substância. A extração de DNA de todos os indivíduos com TDAH já foi realizada pelo método salting out, a partir de sangue periférico. Os indivíduos da população geral, recrutados na Univates, terão suas amostras de DNA extraídas pela mesma técnica. Os polimorfismos selecionados serão genotipados, em todos os participantes do estudo, pela técnica de discriminação alélica TaqMan (Applied Biosystems), em equipamento de Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) em Tempo Real (StepOne, Applied Biosystems). As associações entre os polimorfismos selecionados e os desfechos investigados (consumo de cafeína e escores comportamentais) serão testadas por análise da variância ou Kruskal-Wallis, dependendo da distribuição dos dados, ou por regressão linear. As possíveis interações entre os polimorfismos e o consumo de cafeína sobre os desfechos selecionados serão investigadas por regressão linear múltipla. Todos os indivíduos incluídos no estudo assinaram um termo de consentimento livre.
  • Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Verônica Morais Ximenes

Ciências Humanas

Psicologia
  • pessoas em situação de rua: processos psicossociais relacionados à pobreza e à estigmatização
  • O projeto de pesquisa tem como objetivo compreender os processos psicossociais relacionados à pobreza e à estigmatização vivenciados por pessoas em situação de rua do Nordeste e Sul e objetivos específicos: Descrever os modos de vida dessas pessoas; Mensurar a pobreza multidimensional dessa população; Analisar processos psicossociais de opressão presentes nessa população; Analisar processos psicossociais de libertação presentes nos enfrentamentos e Identificar as implicações dos preconceitos, dos estigmas e da violência na vida das pessoas situação de rua. A pesquisa tem como pergunta de partida: Como as pessoas de rua vivem os processos psicossociais relacionados à pobreza e à estigmatização? Pretende-se utilizar uma metodologia mista com dados quantitativos e qualitativos em virtude da complexidade do problema. Serão utilizados questionário composto por perguntas relacionadas a Pobreza Multidimensional, Escala de Humilhação e Vergonha, Escala de Discriminação Quotidiana, Escala de Violência, Escala de Suporte Social, entrevistas e grupos focais. Participarão moradores/moradoras em situação de rua maiores de 18 anos dos Municipíos de Fortaleza e Maracanaú (Ceará) e Umuarama (Paraná). Dessa forma, buscam-se respostas acerca das condições opressoras que atingem as pessoas em situação de rua, com foco na pobreza e na estigmatização que se traduzem em claras violações de Direitos Humanos, como também, os processos de enfrentamento a essa situação.
  • Universidade Federal do Ceará - CE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Veruschka Escarião Dessoles Monteiro

Engenharias

Engenharia Civil
  • sistema de medição automatizado para a estimativa da geração do biogás em aterros sanitários
  • As tradicionais tecnologias de instrumentação para o monitoramento de aterros sanitários são caracterizadas por diversos fatores, como a exposição dos operários ao ambiente insalubre do aterro, laboriosidade, custo elevado, dependência de recursos humanos na coleta de dados e limitações técnicas da instrumentação convencional. Atualmente, as arquiteturas clássicas para medições na Geotecnia Ambiental são caracterizadas pelo uso limitado de instrumentação eletrônica, com pouca ou nenhuma automação embarcada. Desta forma, é possível otimizar o monitoramento dos processos biodegradativos e a consequente geração de biogás. O objetivo dessa proposta é desenvolver instrumentação automatizada de monitoramento do biogás gerado em Aterros Sanitários com estimativa do potencial energético. O campo experimental no qual será desenvolvido este projeto é o Aterro Sanitário localizado no município de Campina Grande – PB. O desenvolvimento da instrumentação automatizada para o monitoramento do biogás no Aterro Sanitário será realizado em paralelo ao monitoramento convencional, realizado nos drenos verticais, camada de cobertura de solo compactado e interface solo-resíduo, para aferição dos parâmetros de concentração, vazão, pressão, temperatura e umidade, com medições em campo e laboratório. A instrumentação automatizada será composta por sensores instalados em locais preestabelecidos na Célula de Aterro, acoplados à microcontroladores programáveis. Adicionalmente, para a alimentação deste sistema, serão inseridas placas de captura de energia solar, anexadas à carregadores de baterias. Os resultados obtidos por meio das aferições serão armazenados e manipulados à distância, a partir de um banco de dados para a estimativa do potencial energético do biogás. Esta estimativa será realizada utilizando equações matemáticas clássicas, técnicas estatísticas e modelagem numérica com uso de Redes Neurais Artificiais. Portanto, como resultado espera-se que o monitoramento do biogás em Aterro Sanitário seja mais eficiente resultando em uma maior consistência nos dados obtidos na geração de biogás para aproveitamento energético.
  • Universidade Federal de Campina Grande - PB - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Vicelma Luiz Cardoso

Engenharias

Engenharia Química
  • produção de hidrogênio por fotofermentação
  • A energia proveniente de combustíveis fósseis, que representa 80 % do consumo, contribui não só para a mudança do clima e do aquecimento global, mas também para um rápido esgotamento das fontes de energia naturais. O hidrogênio vem sendo considerado como combustível em potencial por ser renovável, não produzir gás de efeito estufa (CO2) em sua combustão e liberar grande quantidade de energia por unidade molar durante a combustão (285,8 kJ/mol). A produção biológica de H2 apresenta vantagens com relação aos processos fotoeletroquímico e termoquímico, como será descrito posteriormente neste projeto. A proposta deste trabalho é a produção biológica de hidrogênio por fotofermentação utilizando como substrato permeado de soro de leite, melaço de soja (dependendo do resultado poderá ser testado outro substrato de origem agroindustrial) em efluente da fermentação escura (este processo é chamado de sistema híbrido). Na fotofermentação será avaliado o potencial de produção de H2 de duas cepas de bactérias púrpuras não-sulfurosas: Rhodobacter capsulatus, Rhodopseudomonas palustris e outras cepas poderão ser utilizadas. A fotofermentação e a fermentação escura serão conduzidas em reatores do tipo tanque agitado em processo batelada e batelada alimentada. Como a equipe deste projeto tem experiência em processos de separação de hidrogênio empregando membranas de paládio ou de ligas de paládio suportadas em fibras ocas cerâmicas, o biogás proveniente da fotofermentação que apresentar maior produção deste biohidrogênio será separado e caracterizado.
  • Universidade Federal de Uberlândia - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022