Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adebaro Alves dos Reis

Outra

Divulgação Científica
  • iii feira de ciência, tecnologia e inovação social da amazônia paraense (iii fecitis): valorizando saberes e sabores amazônicos
  • A III FEIRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA PARAENSE (III FECITIS): Valorizando Saberes e Sabores Amazônicos tem o objetivo de valorizar os saberes e sabores amazônicos, visando contribuir significativamente para o desenvolvimento científico, tecnológico e inovação do País, como instrumento de produção, difusão e popularização da ciência e melhoria dos ensinos médio e técnico, possibilitando a identificação de jovens talentosos que possam ser estimulados a seguir carreiras técnico-científicas e docente, para o uso do conhecimento científico como mecanismo de empoderamento, inclusão e transformação social, no estado do Pará. Os objetivos específicos são: a) Promover a disseminação e a difusão da produção de iniciação científica da educação básica, tecnológica e profissional dos discentes do IFPA e das escolas do ensino médio do Estado do Pará, despertando o interesse pela investigação científica e contribuindo para o desenvolvimento de habilidades em sala de aula, de forma interdisciplinar, criativa e contextualizada. b) Valorizar as atividades pedagógicas desenvolvidas pelos professores e alunos da rede pública estadual e do IFPA, dando oportunidade para o envolvimento deste coletivo com apresentações de trabalhos, visitas, participação em palestras, mesas redondas e oficinas que compõem o conjunto de atividades organizadas para o evento. c) Fortalecer as parcerias existentes o IFPA, escolas da educação básica, prefeituras, secretarias municipais de educação, universidades e movimentos sociais ligados ao campo, através do desenvolvimento de projetos criativos e inovadores, bem como o de aproximar as escolas públicas dos empreendimentos do Estado do Pará. d) Promover um espaço de troca de saberes tradicionais e experiências de inovação social aplicada a dinâmica da agricultura familiar, colocando em prática as ideias e questões que envolvam investigação científica de fenômenos da natureza ou socioambientais. e) Promover a integração e o vinculo entre escola da educação básica, tecnológica e profissional do IFPA e comunidade em geral, a partir das atividades de intercâmbios entre professores, os estudantes-pesquisadores e os visitantes da Feira. Além de estimular alunos e professores para a produção de trabalhos investigativos, valorizando assim o trabalho docente interdisciplinar e contextualizado na área de ciências, tecnologia e inovação social. f) Promover o desenvolvimento da criatividade e da capacidade inventiva e investigativa dos estudantes, para despertar vocações e incentivar a pesquisa nas escolas; por meio da produção científica, voltadas para sustentabilidade do território amazônico, a fim de promover a conscientização e responsabilidade socioambiental e produzindo e disseminando conhecimentos contextualizados na realidade amazônica. g) Promover a popularização da C&T e o aperfeiçoamento do ensino de ciências nas escolas, bem como a produção e a difusão de tecnologias e inovações para a inclusão e o desenvolvimento social. A III FECITIS terá abrangência estadual, mobilizando participantes de quatro territórios do Estado do Pará, envolvendo escolas de rede pública de ensino médio e técnico, assim como, os campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. O público alvo da III FECITIS serão os pesquisadores e professores da educação profissional e tecnológica dos Campi do IFPA, professores da educação básica do ensino fundamental, médio e técnico de escolas públicas, alunos da educação básica (ensino fundamental, médio e técnico das escolas públicas), do ensino profissionalizante/técnico, do ensino superior, da rede pública ou particular de ensino, bem como todos aqueles que tenham interesse em ciência e tecnologia. A comunidade em geral e segmentos socialmente vulneráveis, tais como: agricultores familiares, quilombolas, ribeirinhos, indígenas, aquicultores, pescadores, meninas e mulheres rurais, deficientes físicos, dentre outras.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará - PA - Brasil
  • 04/12/2018-31/12/2020
Foto de perfil

Adebaro Alves dos Reis

Ciências Agrárias

Agronomia
  • iv feira de ciência, tecnologia e inovação social da amazônia paraense (iv fecitis): valorizando saberes e sabores amazônicos
  • AIV FEIRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA PARAENSE (IV FECITIS): Valorizando Saberes e SaboresAmazônicos temo objetivo de valorizar os saberes e sabores amazônicos, visando contribuir significativamente para o desenvolvimento científico, tecnológico e inovação do País, como instrumento de produção, difusão e popularização da ciência e melhoria dos ensinos médio e técnico, possibilitando a identificação de jovens talentosos que possam ser estimulados a seguir carreiras técnico-científicas e docente, para o uso do conhecimento científico como mecanismo de empoderamento, inclusão e transformação social, no estado do Pará. O objetivo geral é de realizar a IV Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação Social da Amazônia Paraense (IV FECITIS): valorizando saberes e sabores amazônicos, visando a divulgação do conhecimento científico e tecnológico e a popularização da ciência que estimulem a curiosidade científica e o pensamento crítico, que contribuam para desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida da população do estado do Pará. A IV FECITIS terá abrangência estadual, mobilizando participantes de quatro territórios do Estado do Pará, envolvendo escolas de rede pública de ensino médio e técnico, assim como, os campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. O público alvo da IV FECITIS serão os pesquisadores e professores da educação profissional e tecnológica dos Campi do IFPA, professores da educação básica do ensino fundamental, médio e técnico de escolas públicas, alunos da educação básica (ensino fundamental, médio e técnico das escolas públicas), do ensino profissionalizante/técnico, do ensino superior, da rede pública ou particular de ensino, bem como todos aqueles que tenham interesse em ciência e tecnologia. A comunidade em geral e segmentos socialmente vulneráveis, tais como: agricultores familiares, quilombolas, ribeirinhos, indígenas, aquicultores, pescadores, meninas e mulheres rurais, deficientes físicos, dentre outras.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará - PA - Brasil
  • 07/01/2020-31/01/2021
Foto de perfil

Adebaro Alves dos Reis

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • cooperativismo e desenvolvimento sustentável na amazônia paraense: caminhos para sustentabilidade dos territórios rurais
  • O projeto tem o objetivo geral de analisar a dinâmica do cooperativismo agropecuário e sua contribuição para Desenvolvimento Sustentável (DS), compreendendo as relações existentes entre cooperação e os impactos sociais, econômicos e ambientais nas comunidades nas quais as cooperativas estão inseridas, como instrumento de inclusão e sustentabilidade, contribuindo para a redução das desigualdades no meio rural da Amazônia paraense. O processo metodológico terá uma abordagem interdisciplinar, com enfoque aos procedimentos da pesquisa qualitativa e quantitativa com a utilização de métodos e técnicas que envolverão a realização de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, pesquisa de campo, observação participante, realização de entrevista, aplicação de questionário semiestruturado, análise de conteúdo e desenvolvimento de tecnologias sustentáveis e sociais. O modelo cooperativista tem contibuido para o desenvolvimento sustentável, incentivando novas práticas, mais colaborativas e sustentáveis, baseado na sustentabilidade economia, social e ambiental centrada nas cooperativas, reduzindo desigualdades, valorizando sempre a inclusão econômica e social. Além disso, as cooperativas contribuem com a distribuição de renda na sua área de atuação, seja no território, cidade, comunidade, beneficiando a economia local.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará - PA - Brasil
  • 08/09/2018-30/09/2021
Foto de perfil

Adelmo Saturnino de Souza

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • jornada científica do oeste baiano: a inteligência artificial como a nova fronteira do desenvolvimento científico
  • A região do Oeste da Bahia ocupa posição de destaque na produção agrícola e energias renováveis. Isso foi possível graças a tecnologia de ponta e abundância de recursos naturais presentes na região. A transformação que ocorreu nos últimos anos, com os altos investimentos tecnológicos, não foi de forma homogênea, tendo em vista que hoje o oeste baiano ainda apresenta municípios com baixo IDHM e alunos com pouco interesse por áreas de tecnologia. Neste contexto, a Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB) desempenha um papel fundamental, não apenas no desenvolvimento de novas tecnologias, mas também na popularização e divulgação do conhecimento científico e tecnológico. A proposta para a SNCT mobilizará os campi da UFOB localizados em 5 municípios da região, que levarão o tema “Inteligência artificial: a nova fronteira da ciência brasileira” para diferentes tipos de público, desmistificando a ideia que ciência é algo difícil e mitigando a relação conflituosa entre emprego e Inteligência Artificial (IA). As ações/atividades presentes nesta proposta aproximará a comunidade da Universidade e viabilizará o acesso de crianças e adolescentes à ciência e a tecnologia de forma simples e formativa, através da proposição de seminários, palestras, ciclos de debate, minicursos, oficinas, portas abertas e ciência móvel. Além disso, a proposta visa a realização de um evento conectando IA com as Tecnologias Convergentes e Habilitadoras, que é a principal ferramenta propulsora da IA.
  • Universidade Federal do Oeste da Bahia - BA - Brasil
  • 29/10/2020-30/04/2021
Foto de perfil

Ademar Arthur Chioro dos Reis

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • rede de atenção às urgências e a produção viva de mapas de cuidados
  • O SUS é definido como uma rede regionalizada e hierarquizada de ações e serviços de saúde, cuja materialização nas últimas décadas propicou avanços e desafios na estruturação do sistema (Chioro dos Reis et al, 2017). A implantação das Redes de Atenção à Saúde (RAS) a partir de 2010 representou uma nova etapa de organização do sistema, com o objetivo de garantir a integralidade e mudar os modos de produzir cuidado. As redes temáticas priorizadas foram: Cegonha, Urgência e Emergência, Psicossocial, da Pessoa com Deficiência e Doenças Crônicas (Brasil, 2011, 2012, 2014). As RAS propõem um novo modelo de estruturação do sistema com o objetivo de se obter melhores resultados epidemiológicos e de integralidade (Brasil, 2010), já utilizado em diversos países onde predominam condições crônicas, como o Canadá e a Europa Ocidental (Mendes, 2010), como estratégia para garantia da integralidade, economia de escala e de escopo. A Rede de Atenção às Urgências (RUE) foi proposta com a finalidade de articular e integrar os equipamentos de saúde, ampliar e qualificar o acesso dos usuários às urgências/emergências, de forma ágil e oportuna, a partir de pontos de atenção: UBS, serviços de atenção pré-hospitalar, hospitais e atenção domiciliar (Brasil, 2011). Avanços têm sido alcançados, mas há dificuldades a serem superadas para se engendrar novos arranjos de gestão e governança e instituir uma nova cultura institucional na saúde (Jorge, 2014). Na experiência de implementação das Redes Temáticas podemos identificar dois grandes campos conceituais que se interconectam: as Redes de Atenção à Saúde (Mendes, 2010) e as Redes Vivas de Saúde (Merhy et al, 2014), cujas relações não são determinísticas ou dicotômicas, mas imanentes e complementares. A definição das RAS como redes constituídas por diversos pontos de atenção à saúde, com centralidade da atenção básica, sistemas logísticos e de apoio (Mendes, 2010), contem elementos estrutural-funcionalistas e traz um novo modelo de financiamento (incentivos e/ou orçamentação global atrelados à metas) que busca superar a lógica de remuneração por procedimentos (Moreira et al, 2017). A proposta de implementação das RAS aposta no fortalecimento da da governança regional, mas as 438 regiões de saúde instituídas no país e os espaços regionais de gestão não garantem um processo vivo e potente de regionalização (Chioro dos Reis et al, 2017). A regionalização, mais do que um processo de organização das ações e dos serviços, é uma construção política que deve favorecer o diálogo entre os atores locais e os gestores para o reconhecimento e enfrentamento das necessidades de saúde dos territórios específicos (Mendes et al, 2015). A RUE, conduzida com forte indução financeira, baseada no planejamento regional e em instrumentos legais-normativos extensos aplicados em diferentes realidades, pode ter desencadeado processos meramente burocratizados, mas sem necessariamente obter os resultados propostos (Tofani, 2016). Já o conceito de Redes Vivas de Saúde é fundamentado no processo micropolítico de gestão e do trabalho em saúde. Chioro dos Reis et al (2017) propõem a Regionalização Viva como potencializador da gestão e governança regional sob a perspectiva micropolítica. Cecílo (2007) já alertava que não há arranjo institucional que consiga capturar ou circunscrever a complexidade das relações institucionais. Também o protagonismo dos usuários, ao construírem seus próprios itinerários terapêuticos, através do regime de “regulação leiga”, transcende as estruturas e processos rígidos (Cecílio, 2014). O estranhamento e a externalidade dos gestores com o espaço micropolítico traduz-se em práticas e modelos de implementação de políticas públicas que buscam normalizar e controlar este território (Cecílio, 2012). Ou seja, as políticas oficiais são reprocessadas e adquirem novos desenhos nem sempre “planejados” por seus formuladores (Chioro dos Reis, 2011). Questão central da pesquisa: quais mapas de cuidado tem sido produzidos a partir da implementação da RUE? Objetivo geral: analisar o processo de implementação e conformação dos modos de produção do cuidado da Rede de Atenção às Urgências (RUE) em duas regiões de saúde. Objetivos específicos: a) Identificar analisadores da produção micropolítica presentes no processo de pactuação e implementação da RUE; b) Analisar as diferentes produções no processo de gestão a partir de sua implementação nas regiões de saúde de Campinas (SP) e Passo Fundo (RS); c) Caracterizar as transformações ocorridas nos modos de produção do cuidado em saúde a partir da implementação da RUE nas regiões de saúde. Metodologia: A pesquisa terá caráter qualitativo, analítico, com abordagem micropolítica. Caracteriza-se como estudo de casos e fará uso do método biográfico. Fases da pesquisa: revisão bibliográfica e análise de documentos oficiais da formulação da RUE; coleta de depoimentos com informantes-chave identificados entre os gestores do SUS nas regiões de saúde; entrevistas com usuários-guia para a coleta de narrativas sobre o uso da rede; entrevistas em profundidade com gerentes de diferentes serviços que compõem a RUE. O material empírico será analisado por planos de visibilidade mediante as categorias identificadas, tendo como referência a “Abordagem do Ciclo de Políticas Públicas”, desenvolvido por Ball. Resultados esperados: O principal resultado é o aprofundamento de formulações teórico-conceituais em relação aos processos de formulação e implementação de políticas de saúde, contribuindo para o alargamento do pensamento teórico sobre as dinâmicas organizacionais e a superação de modelos teóricos demasiados simplificados e funcionalizantes, com baixa capacidade para compreender e intervir em complexas dinâmicas organizacionais. Produtos esperados: 2 mestrados acadêmicos e 1 doutorado; 1 livro; 3 artigos; 6 trabalhos em congressos; relatório técnico para compartilhamento com gestores do SUS.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ademar Benévolo Lugão

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • laboratório nacional de nanotecnologia aplicada às áreas nuclear e correlatas
  • A CNEN tem atuação em todo território Brasileiro. Suas 14 unidades, dentre institutos de pesquisa, laboratórios, agências distritais e escritórios regionais, estão distribuídas por nove estados brasileiros e sua sede localiza-se no Rio de Janeiro e ainda no Rio estão o Instituto de Radioproteção e Dosimetria - IRD; o Distrito de Angra dos Reis - DIANG (RJ), o Instituto de Engenharia Nuclear - IEN e o Escritório de Resende (ESRES). As demais unidades espalhadas por todas as regiões do país são: - Distrito de Caetité - DICAE (BA) - Distrito de Fortaleza - DIFOR (CE) - Escritório de Porto Alegre (ESPOA) - Escritório de Brasilia - ESBRA (DF) - Laboratório de Poços de Caldas - LAPOC (MG) - Centro Regional de Ciências Nucleares do Centro-Oeste - CRCN-CO, em Goiânia (GO) - Centro Regional de Ciências Nucleares do Nordeste - CRCN-NE, em Recife (PE) - Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear - CDTN, em Belo Horizonte (MG) - Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares - IPEN, em São Paulo (SP) O IPEN, que produz atualmente 38 diferentes radiofármacos, incluindo o flúor FDG-18F, além de ser o único produtor de Geradores de Tecnécio-99m no país. O IEN, localizado no Rio de Janeiro, produz o FDG-18F, iodo-123 ultra-puro e metaiodobenzilguanidina marcada com iodo-123; o CDTN, em Belo Horizonte, produz o FDG-18F e Na18F; e o CRCN-NE, em Recife, produz somente o FDG-18F. Além desses, o IPEN fornece fios de irídio-192 e sementes de iodo-125, ambos utilizados em tratamentos oncológicos, por meio de procedimentos de braquiterapia. A atuação da CNEN em nanotecnologia é evidente nos avanços nas áreas de atuação seguintes: •medicina nuclear (fortemente ligado à nanotecnologia, pois comercializamos radioisótopos conjugados com moléculas ou nanopartículas com afinidade tumoral); •aplicações na indústria, agricultura e meio ambiente (fortemente ligado à nanotecnologia, pois a aplicação de radiação ionizante gera alterações na nano/microestrutura dos materiais); •pesquisa e ensino relacionados a tecnologias aplicadas (nossos cursos de posgraduação oferecem várias disciplinas em nanotecnologia); A CNEN está formando o laboratório nacional de nanotecnologia aplicada às áreas nuclear e correlatas – NuclearNANO, considerando a integração das suas 14 unidade distribuídas por todo o país. Porém, o laborabório nuclearnano, nesse momento, se consolida por uma atuação em rede das várias instalações e laboratórios do IPEN em SP, do CDTN em MG e do CRCN-NE em Pernanbuco. A nanotecnologia aplicada às áreas nucleares e correlatas atendem de forma intensa, as áreas a seguir: •Saúde: - por meio dos radiofármacos nanoestruturados e desen-volvimento de nanopartículas com aplicações teranósticas ou para o carreamento de fármacos e curativos avançados com nanopartículas de prata etc.; •Agropecuária: - desenvolvimento de sistemas de liberação controlada de defensivos agrícolas (agrotóxicos); reaproveita-mento de celulose por meio da síntese de nanocelulose, uso de radionuclídeos nanoestruturados como traçadores para estudo do desenvolvimento de novas variedades e também diagnostico e tratamento de doenças. •Automobilística: o uso de polímeros nanoestruturados por meio da radiação ionizante já é uma prática comum na indústria automobilística. Por exemplo, os pneus são produzidos por meio da pré-reticulação e oxidação seletiva induzidas por radiação ionizante de camadas de borracha reforçadas por mantas de poliéster e ou aço. Outro exemplo, os fios e cabos elétricos usados debaixo do capô de um automóvel são nanoestruturado por meio da reticulação induzida por radiação. Espumas e compósitos na industria automobilística também são processados por radiação para melhoras de propriedades. •Eletro-eletrônica – dopagem de semicondutores em reator nuclear, fios e cabos elétricos usados em quase todos os dispositivos eletrônicos, computadores celulares, televisão, sistemas militares etc. são nanoestruturado por meio da reticulação induzida por radiação. •Mineração: indução de centros de cor para valorização de gemas e pedras preciosas; •Alimentos: embalagens termoencolhíveis e inteligentes nanoestruturadas por meio da reticulação induzida por radiação; •Farmacêutica e cosmética e conservação de objetos de arte: demandam a esterilização por radiação dos seus produtos e nossos laboratórios precisam apoiar o desenvolvimento das formulações para resistirem ao processo ou minimizar os danos; ETC.
  • Comissão Nacional de Energia Nuclear - RJ - Brasil
  • 18/12/2019-31/12/2023
Foto de perfil

Ademir Antonio Cazella

Ciências Agrárias

Agronomia
  • o enfoque da cesta de bens e serviços territoriais: modelo de análise do desenvolvimento territorial sustentável
  • O enfoque teórico-metodológico da Cesta de Bens e Serviços Territoriais (CBST) foi formulado originalmente a partir da realidade empírica de zonas rurais francesas marginalizadas do processo de modernização agrícola iniciado no II pós-Guerra. Trata-se da identificação e valorização de um conjunto articulado (“cesta”) de recursos específicos ou intrínsecos de cada território, a exemplo de produtos típicos e serviços associados ao turismo rural e a circuitos curtos de comercialização. Por definição, a “Cesta” implica, também, atributos ambientais, paisagísticos, históricos e culturais, bem como um sistema de governança territorial composto por atores públicos, associativos e privados. Essa conjunção de fatores resulta na geração de uma renda de qualidade territorial apropriada por diversos segmentos produtivos ou prestadores de serviço, favorecendo, com isso, melhorias de indicadores de sustentabilidade e de desenvolvimento dos territórios. Assim, este enfoque se diferencia de ações setoriais de desenvolvimento agrícola centradas exclusivamente em indicadores econômicos de cadeias produtivas. Dentro desse debate, este projeto de pesquisa tem por objetivo geral conceber um arcabouço teórico-metodológico de análise de desenvolvimento territorial sustentável adaptado para apreensão das particularidades e heterogeneidades socioeconômicas, ambientais, culturais e organizacionais de diferentes territórios rurais brasileiros. Em relação aos objetivos específicos pretende-se: i) incorporar novas contribuições teóricas associadas à construção social de mercados agroalimentares no quadro analítico da CBST pensado para o caso brasileiro; ii) elaborar indicadores quantitativos para avaliar a qualidade dos componentes da CBST (produtos e serviços, cenários e sistemas de governança territorial), que permitam a comparação entre os distintos territórios analisados; iii) inventariar e analisar os componentes da CBST dos territórios estudados a partir da percepção dos atores territoriais investigados sobre os processos que influenciam a especificação de recursos e ativos territoriais e a geração de renda de qualidade territorial; iv) elaborar uma proposta de curso para capacitação de agentes de desenvolvimento territorial sustentável especializados no enfoque da CBST; v) promover ações de cooperação interinstitucional que fortaleçam processos de desenvolvimento territorial sustentável no país e o intercâmbio internacional entre membros da equipe brasileira e os pesquisadores francês, suíço e canadenses por meio de videoconferência, produção científica compartilhada e estágios (doutorado sanduíche e pós-doutoral). Para tanto, conta com o envolvimento de uma rede de pesquisadores e organizações de ensino, pesquisa e extensão, nacionais e estrangeiras, que atuam com o tema do desenvolvimento territorial em zonas rurais. Destaque-se a participação de pesquisadores de três universidades brasileiras (Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Estadual de Santa Catarina e Universidade Federal do Pará - Campus de Cametá), de três Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e de três universidades estrangeiras (Université Alpine de Grenoble da França, Université de Neuchâtel da Suíça e University of British Columbia do Canadá), entre os quais Bernard Pecqueur, coordenador do grupo francês que formulou o enfoque da "Cesta". Em termos metodológicos, cinco estudos de caso serão realizados em distintos territórios rurais, sendo quatro no Estado de Santa Catarina e um no Estado Pará, com o propósito de inventariar e avaliar a coleção de produtos e serviços com potencial para compor uma CBST, bem como os cenários e sistemas de governança territorial existentes em cada um desses territórios. Como resultados esperados destaca-se o aprimoramento e adaptação do enfoque teórico-metodológico para as condições socioeconômicas brasileiras, a promoção do intercâmbio técnico-científico entre pesquisadores, associações civis, empresas privadas e órgãos públicos e a elaboração de uma proposta de capacitação de agentes de desenvolvimento rural na abordagem da CBST. Além disso, ao longo do projeto haverá a conclusão de 4 dissertações de mestrado, 3 teses de doutorado, no mínimo 6 apresentações de trabalhos em eventos técnico-científicos, 5 artigos aceitos ou publicados e a realização de 6 seminários interinstitucionais, com participação dos pesquisadores estrangeiros por videoconferência. Essa tarefa é fundamental em um país cujas políticas públicas agrícolas primam preponderantemente pelo aumento da produtividade de commodities agrícolas e marginalizam os territórios rurais que não reúnem as condições necessárias para tal fim. Nesse sentido, este projeto inova metodologicamente e favorece a produção de resultados de pesquisa na área de desenvolvimento rural sustentável com grande potencial de replicabilidade e adaptação em distintos territórios rurais brasileiros.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ademir Antonio Cazella

Ciências Humanas

Sociologia
  • educação em cooperativas de crédito rural solidárias em santa catarina
  • A governança cooperativa tem assumido papel de destaque na evolução das diretrizes institucionais e operacionais que orientam a expansão do cooperativismo no Brasil. Processos relacionados ao fortalecimento da educação cooperativa destacam-se como importante estratégia em termos de governança, já que aproximam as organizações de seu quadro social, e, ao mesmo tempo, formam novos líderes para assumir posições de destaque no sistema cooperativista. Práticas de estímulo à educação contribuem também para a fidelização dos associados e para a constituição de um quadro de gestores alinhados com os princípios e objetivos das cooperativas. No ramo do crédito observam-se crescentes exigências do Banco Central em relação à governança na Organização do Quadro Social (OQS), visando à qualificação dos gestores e o aprimoramento das políticas de sucessão das cooperativas. Todavia, o Brasil carece de conhecimentos aprofundados em termos teóricos e empíricos sobre o tema da educação cooperativista, bem como de avaliações consistentes sobre seus impactos na governança e nos resultados socioeconômicos dessas organizações. Em muitos casos, a educação cooperativista confunde-se com programas de formação e de capacitação que visam, principalmente, a divulgação da organização, geralmente desenvolvidos sem o uso de metodologias educacionais transformadoras e condizentes com os princípios cooperativistas. Este projeto visa investigar processos educacionais realizados por cooperativas de crédito solidárias, analisando sua influência na OQS e os impactos nos seus resultados socioeconômicos. Especificamente, pretende analisar os programas de formação e capacitação realizados pela Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária Cresol Águas Mornas-SC (CAM), que está à frente de um processo de fusão com outras quatro cooperativas com o proposto de constituir a Cresol Vale Europeu. Para tanto se pretende diagnosticar os impactos dos programas de formação na organização do seu quadro social e nos resultados socioeconômicos alcançados, além de elaborar uma proposta, visando aprimorar a governança das cooperativas solidárias em torno da qualificação dos processos de educação cooperativista. Em termos metodológicos, a pesquisa, de natureza qualitativa, está baseada em análises de documentos institucionais e na revisão da literatura especializada, bem como em pesquisa de campo que visam entrevistar gestores e beneficiários dos programas de formação existentes na CAM e nas outras quatro cooperativas implicadas com o processo de fusão. Essa pesquisa pretende também monitorar novos programas de formação, que estão dando suporte ao processo de fusão das cinco, abordando seus impactos na governança, especialmente em relação à OQS e a qualificação dos gestores. O projeto será executado pela equipe do Laboratório Lemate, com apoio do Núcleo de Desenvolvimento Rural Sustentável, ambos da UFSC, da Cresol Águas Mornas e do Instituto de Formação do Cooperativismo Solidário (Infocos). Os resultados esperados devem gerar aprimoramentos das teorias educacionais cooperativas; qualificação dos gestores e do quadro social da Cresol Águas Mornas e demais cooperativas solidárias ligadas ao Infocos e na elaboração de material de difusão dos conhecimentos gerados pela pesquisa.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 08/09/2018-30/09/2021
Foto de perfil

Ademir Damazio

Ciências Humanas

Educação
  • estudo do modo de organização do ensino desenvolvimental para a matemática
  • O objeto de investigação do presente projeto diz respeito às apropriações – por parte de estudantes e professores em processo de formação para ensinar Matemática – da organização do ensino na perspectiva desenvolvimental. Uma das hipóteses é a de que as diversas tendências que permearam historicamente os sistemas escolares propõem um modo de organização de ensino que não propicia a apropriação do conhecimento matemático pelos estudantes, nas proporções almejadas pelo contexto social da atualidade. Isso se evidencia nas últimas avaliações de larga escala (PISA, Prova Brasil, IDEB), indicadoras do muito a se fazer pedagógica e administrativamente para atingir índices e metas condizentes com o atual nível de desenvolvimento da humanidade. Outra hipótese é a de que são estes modos de organização do ensino que predominam nos cursos de formação (inicial e continuada) de professores de matemática – no caso, Pedagogia e Licenciatura em Matemática. Por extensão, um deles é assumido pelo futuro professor e contribui para a ação pedagógica em sala de aula e interfere no modo de aprender dos alunos. Uma das críticas dirigidas às proposições pedagógicas atuais é de que elas proporcionam apenas o desenvolvimento do pensamento empírico dos estudantes. Existe, pois, uma emergência de levar aos cursos que formam professores para ensinar Matemática de um novo modo de organização, isto é, que promova o desenvolvimento do pensamento teórico dos estudantes pela apropriação do conteúdo teórico. Pedagogicamente, o foco é para uma proposta com fundamento na Teoria Histórico-cultural, denominado de Ensino Desenvolvimental. Trata-se de proposta objeto de pesquisa no âmbito acadêmico e científico mundial por ter como finalidade que os estudantes compreendam o mais claramente possível, durante o Ensino Fundamental, os conceitos teóricos matemáticos como singularidades e particularidades de representação das relações gerais entre grandezas. Além disso, possibilita a superação do divórcio, ainda existente no ensino de Matemática brasileiro, entre as significações aritméticas, algébricas e geométricas. Nesse âmbito, definimos a seguinte questão de pesquisa: Qual a viabilidade de efetivação da proposição de organização do ensino desenvolvimental da Matemática na realidade da Educação Básica brasileira? O objetivo da pesquisa é investigar as possibilidades de efetivação da proposição davidoviana do ensino de matemática para a Educação Básica brasileira. A base de análise será os Livros Didáticos e de Orientação ao Professor, produzidos por Davýdov e seus colaboradores no contexto de pesquisa e ensino da Rússia, que revelam as manifestações do modo de organização do ensino desenvolvimental da Matemática. A partir desta análise se elaborará um experimento formativo a ser desenvolvido com estudantes da Educação Básica com o envolvimento de acadêmicos dos curso de Licenciatura em Matemática, Pedagogia e do mestrado em Educação.O experimento formativo será realizado nos moldes propostos por Davídov (1988).
  • Universidade do Extremo Sul Catarinense - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ademir José Zattera

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • desenvolvimento de espumas e filmes de poli(etileno-co-acetato de vinila) com estruturas carbonosas para aplicação em supercapacitores e baterias
  • O crescimento exponencial do consumo de energia global vem causando impactos ambientais de recursos energéticos tradicionais levaram ao aumento de pesquisas sobre fontes de energia limpas e renováveis nos últimos anos. Devido à limitação das fontes de energia eólica, solar e hídrica, se faz necessário o desenvolvimento de sistemas eficientes de armazenamento dessa energia, como supercapacitores. Os supercapacitores podem ser utilizados em diversos segmentos, tais como: fontes para arranque de motores; substitutos das baterias; armazenamento de energia na travagem de veículos; em carros híbridos; fonte de energia de backup em sistemas elétricos e eletrônicos; no armazenamento de energia solar através da utilização de painéis fotovoltaicos. Os supercapacitores e as baterias possuem eletrodos, os quais são determinantes para eficiência destes dispositivos de energia, bem como o separador no caso dos supercapacitores de dupla camada. Neste trabalho, serão desenvolvidos filmes e espumas de EVA como estrutura de eletrodo e separador pelos métodos de evaporação de solvente e fusão a quente. Para conferir as propriedades de condutor e dielétrico para o eletrodo e separador, respectivamente, serão adicionadas estruturas carbonosas na matriz polimérica e na superfície do polímero. As cargas utilizadas serão: grafeno; óxido de grafeno; óxido de grafeno reduzido; óxido de grafite; e óxido de grafite reduzido; as quais serão obtidas por métodos top-down a partir de grafite em flocos e micronizado. A partir dos materiais obtidos neste projeto , será produzido um supercapacitor flexível constituído por EVA e estruturas carbonosas com densidade inferior, capacidade de armazenamento superior e com maior vida útil em relação aos supercapacitores comerciais atuais.
  • Universidade de Caxias do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022