Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alicia Matijasevich Manitto

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • consequências dos maus-tratos durante a infância na saúde física e mental ao final da adolescência: coorte de nascimentos de pelotas de 2004
  • Os maus-tratos na infância afetam até 36% da população mundial, contribuindo substancialmente para a mortalidade e morbidade infantis e impactando negativamente a saúde mental e física dos indivíduos ao longo da vida. Recentemente tem se relatado efeito causal da associação entre maus-tratos na infância e alguns transtornos psiquiátricos, bem como o papel mediador da depressão na associação entre experiências adversas na infância e diabetes mellitus na vida adulta. Ainda, sugere-se que interações gene X ambiente poderiam explicar porque indivíduos com determinados polimorfismos genéticos, na presença de maus-tratos na infância, apresentem maior susceptibilidade ou proteção a desenvolver desfechos negativos na vida adulta. No entanto, são ainda escassas as evidências provenientes de estudos longitudinais e de populações de países de renda média/baixa. O projeto pretende: 1) investigar a associação entre maus-tratos na infância e saúde mental e cardiometabólica aos 18 anos; 2) analisar se a associação entre maus-tratos e saúde cardiometabólica é mediada pela presença de transtornos psiquiátricos e 3) testar se os desfechos do estudo são influenciados pela interação entre a genética (usando escores poligênicos de susceptibilidade a transtornos psiquiátricos identificados recentemente em estudos genômicos) e os maus-tratos na infância. Serão realizadas entrevistas aos participantes da Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2004 (n=3500), estudo que conta com informação genética de todos seus integrantes e avaliou exposição aos maus-tratos, presença de transtornos psiquiátricos e uma diversidade de fatores de risco cardiometabólicos, em vários pontos do tempo, durante a infância e adolescência. Além dos transtornos psiquiátricos, os desfechos incluirão comportamentos de risco cardiometabólico (inatividade física, consumo de tabaco/álcool/drogas e problemas do sono) e indicadores de saúde cardiometabólica (obesidade/adiposidade, pressão arterial e frequência cardíaca).
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Aline Alves Ferreira

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • análise longitudinal de indicadores do estado nutricional de indígenas xavante do brasil central
  • Apesar de uma razoável caracterização das claras desigualdades nos indicadores de saúde de povos indígenas no país, a grande maioria dos estudos são pontuais e sem continuidade. Além disso, a geração de informações, com monitoramento à saúde é colocada como central na Política Nacional de Atenção à Saúde Indígena, mas na prática recebe pouca ênfase. Assim, o objetivo deste é organizar, sistematizar e analisar dados de indicadores do estado nutricional (EN) dos Xavante(MT), coletados entre 1976-2018. Trata-se de um estudo epidemiológico longitudinal, a partir da sistematização e organização de todos os inquéritos de saúde ocorridos nos Xavante de Pimentel Barbosa. A primeira fase consiste em preparar o banco longitudinal de indicadores do EN (peso, comprimento/estatura, perímetros, dobras cutâneas, níveis tensionais e hemoglobina) e de condições socioeconômicas e demográficas, com digitação de dados recuperados dos anos 1970 e recuperação digital dos dados de 1990. Os dados posteriores já estão digitalizados mas não sistematizados/organizados. Os bancos serão padronizados e unificados para posterior análise. Serão realizadas medidas de tendência e posição, aplicados testes de hipótese (IC=95%) para comparações de médias e proporções. Serão construídas curvas suavizadas via spline para as análises longitudinais e utilizado o modelo aditivo generalizado misto, respeitando as correlações existentes entre as variáveis e por não saber a tendência de crescimento ou oscilações dos desfechos do estudo. De maneira inovadora, os dados serão sistematizados de forma integrada e posteriormente colocados sob o controle dos próprios indígenas Xavante que participaram da investigação. As informações obtidas permitirão melhor compreensão das condições de vida da comunidade ao longo do tempo, compreendendo também os processos de transição mais acelerada em saúde e nutrição, possibilitando a implementação de propostas que visem a diminuição das iniquidades e desigualdades em saúde.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 08/02/2022-28/02/2025