Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexsandro da Silva

Ciências Humanas

Educação
  • letramento e alfabetização na educação infantil e nos primeiros anos do ensino fundamental: um estudo no âmbito de políticas públicas brasileiras das últimas décadas
  • Este projeto de pesquisa inscreve-se no quadro mais amplo dos estudos que se dedicam a investigar os processos de letramento e de alfabetização, na educação Infantil e nos primeiros anos do ensino fundamental, considerando as articulações, por um lado, entre letramento e alfabetização e, por outro, entre educação infantil e ensino fundamental. O estudo assume como objetivo geral investigar concepções teóricas e proposições metodológicas referentes ao letramento e à alfabetização na educação infantil e nos primeiros anos do ensino fundamental em documentos oficiais nacionais que materializam políticas públicas brasileiras das últimas décadas. Contempla, como procedimento metodológico, a análise de documentos oficiais nacionais – que serão tratados por meio da análise temática de conteúdo – relativos às seguintes políticas públicas brasileiras: BNCC (2017); Parâmetros Curriculares Nacionais – Língua Portuguesa – 1ª a 4ª séries (1997); Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998); Política Nacional de Alfabetização (2019); Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (2012); Pró-Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental (2005); PROFA: Programa de Formação de Professores Alfabetizadores (BRASIL/MEC/SEF, 2001). Considerando o escopo desta investigação, compreendemos que ela poderá aportar significativas contribuições para um exame crítico das continuidades e das descontinuidades das concepções teóricas e das proposições metodológicas assumidas no âmbito de políticas curriculares e de formação continuada de professores alfabetizadores das últimas décadas, no cenário brasileiro, no que concerne ao letramento e à alfabetização.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 07/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Alfred Sholl Franco

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • x olimpíada brasileira de neurociências
  • As Olimpíadas de Neurociências (Brain Bee) são competições de neurociências para estudantes do ensino médio, que surgiram em 1998, no âmbito da década do cérebro, cujo principal objetivo é despertar o interesse dos estudantes para o conhecimento científico relacionado às neurociências. A participação em Olimpíadas de Neurociências é um importante motivador da juventude para aprender mais sobre as ciências do cérebro. Precisamos despertar este interesse e motivar os jovens para que estes usem sua energia e sua paixão para ajudar a estudar/conhecer, assim como a encontrar a cura/tratamento para doenças como autismo, doença de Parkinson, esclerose múltipla, lesão da medula espinhal e outros transtornos do sistema nervoso. A X Olimpíada Brasileira de Neurociências (X OBN) será realizada em duas fases, sendo a primeira classificatória e eliminatória e a segunda apenas classificatória, nos dias 16 de julho e 30 de julho de 2022. A depender da evolução da atual pandemia do coronavírus e das orientações das autoridades sanitárias, a competição ocorrerá de forma exclusivamente online ou, se presencial, será sediada no Centro de Ciências da Saúde, na Universidade Federal do Rio de Janeiro. A competição contará com avaliações teóricas e práticas, mas também com palestras para o público em geral e uma mesa redonda sobre neurociências e temas relevantes para o público jovem, como a carreira do neurocientista, uso de drogas, estresse e outros. Contaremos com competidores provenientes de pelo menos 19 comitês locais, além das dezenas de células descentralizadas pelo país. Assim, a competição nacional selecionará o representante brasileiro que irá participar da 22a International Brain Bee. Trata-se de uma oportunidade para reforçar o potencial brasileiro na produção científica e divulgação das neurociências entre os estudantes do ensino médio, além de favorecer a consolidação desta iniciativa e o fomento à formação de novos comitês locais em todo o território nacional.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 23/12/2021-31/12/2023
Foto de perfil

Alfred Sholl Franco

Engenharias

Engenharia Civil
  • ix olimpíada brasileira de neurociências
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 28/05/2021-31/05/2023
Foto de perfil

Alfredo Carlos Storck

Ciências Humanas

Filosofia
  • scholastica colonialis: a filosofia escolástica no período colonial
  • 1. Investigação acerca de um período pouco estudado na história da filosofia: a recepção da filosofia no período colonial: análise das técnicas de ensino, modalidades de difusão do conhecimento filosófico, levantamento de autores e obras do período. 2. A caracterização da Scholastica colonialis como ciclo de produção do conhecimento filosófico no início da modernidade. A transmissão da filosofia europeia e seu impacto no período colonial. 3. A proliferação de universidades e centros de formação fora do continente europeu é acompanhada da formação de um nome gênero literário: o cursus philosophicus. O objetivo é do projeto consiste em analisar as variedades desse modelo, seu impacto na definição dos currículos, as principais correntes filosóficas que atuaram na confecção desse modelo. 4. O projeto pretende investigar a produção filosófica do período colonial, analisando como as teses interpretativas ad mentem Thomae e ad mentem Scoti influenciarão na caracterização de diversos problemas filosóficos: natureza da lógica, dos transcendentais, da natureza dos atos cognitivos, da justiça, da redistribuição. 5. O material apresentado durante o projeto evidencia não somente a existência das duas correntes interpretativas acima mencionadas, mas também oferece indícios de outras que permanecem completamente inexploradas e que necessitam ser completamente inventariadas. 6. Análise prosopográfica do material, com disponibilização de autores, obras, biografia e elaboração de material explicativo.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 23/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Alfredo Ribeiro Neto

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • risco associado a eventos extremos hidrometeorológicos e medidas adaptativas no nordeste e amazônia.
  • Os biomas Caatinga e Amazônia são reconhecidamente hotspots diante de cenários do clima futuro. Os impactos nessas regiões serão mais graves devido à provável intensificação do clima e do regime hidrológico, que leva ao aumento da frequência dos eventos extremos de seca e cheia. Além dos dois biomas citados, a pesquisa se propõe a estudar os efeitos da intensificação do clima em cidades da zona costeira como, por exemplo, as localizadas no Estado de Pernambuco. A pesquisa utilizará análise de risco considerando o clima presente e futuro para, em seguida, propor medidas adaptativas que visam o aumento da resiliência dos sistemas estudados. Para isso, as seguintes etapas devem ser realizadas. Seleção de indicadores e índices. Inicialmente, deve-se levantar os indicadores utilizados em trabalhos realizados no âmbito do território brasileiro. Exemplos que podem ser citados são o Plano Nacional de Segurança Hídrica (PNSH) (ANA, 2019) e a Quarta Comunicação Nacional (4CN) (MCTI, 2019). Parte das dimensões dos dois estudos citados acima tem como base indicadores relacionados a eventos extremos. É o caso da disponibilidade hídrica dada pela vazão com 90% de permanência (Q90), resiliência (reservação de água, potencial de armazenamento subterrâneo e variabilidade pluviométrica), ecossistêmica (vazão Q95) e vulnerabilidade a inundações. Processamento dos dados. Os dados básicos para o cálculo dos indicadores consistem de variáveis hidrometeorológicas como precipitação, temperatura do ar, vazão nos rios, armazenamento em aquíferos, umidade do solo, dentre outras. Dados medidos em estações in situ, produtos de sensoriamento remoto, reanálises e Modelos de Circulação Global (MCG) compõem o rol de possibilidades de fontes. Para a avaliação relacionada aos cenários do IPCC, deve-se utilizar os dados provenientes das simulações dos Modelos de Circulação Global (MCG) do Coupled Model Intercomparison Project Phase 6 (CMIP6). Modelagem hidrológica e cálculo dos índices. Após seleção, os indicadores serão calculados com base nas variáveis hidrometeorológicas. A vazão nos rios será uma variável chave na análise de eventos extremos associados à segurança hídrica nas áreas de estudo. Com as séries temporais de descargas nos rios, será possível calcular as vazões de referência Q5, Q10, Q90, Q95 e Q7,10. Para a obtenção das séries de vazões, será selecionado um modelo que permita a representação dos processos hidrológicos tendo como entrada a precipitação, evapotranspiração potencial, mapas de cobertura e uso da terra, tipo de solo, dentre outras informações. Dois modelos são potenciais candidatos para simulação nas áreas de estudo. O Modelo Hidrológico de Grandes Bacias (MGB-IPH) já foi aplicado satisfatoriamente em escalas comparáveis às que o projeto se propõe a estudar (Ribeiro Neto et al., 2016; Brêda et al., 2020). Outra possibilidade é o modelo WRH-Hydro Modelling System (WRF-Hydro) desenvolvido no National Center for Atmospheric Research dos Estados Unidos (NCAR) (Gochis et al., 2014). Risco de impacto. Tomando-se o arcabouço teórico proposto em IPCC (2014), o risco de impacto será estimado com as dimensões de ameaça climática, vulnerabilidade e exposição. Na literatura, as análises de risco seguem normalmente essa tríade e atuam na quantificação da frequência dos eventos e de seus respectivos danos. Consequentemente, análises probabilísticas podem ser executadas para o desenvolvimento de índices e mapeamento do risco. A dimensão da ameaça climática será tratada conforme descrito nos itens anteriores da metodologia (processamento de dados do CMIP6, simulação hidrológica e cálculo dos indicadores). A vulnerabilidade será composta por indicadores capazes de representar os aspectos de sensibilidade dos sistemas e da capacidade adaptativa nas condições atuais das áreas de estudo. A exposição deve seguir estratégia semelhante no que diz respeito à sua caracterização conforme as condições atuais. Estratégias de recuperação hídrica no NEB. É necessário desenvolver ações que garantam o aumento do estoque de água continental no NEB considerando as magnitudes dos impactos já observados na disponibilidade hídrica e também em condição de aquecimento de 2°C na temperatura regional, que para a região é esperado ocorrer entre 2040 e 2050. Medidas de adaptação. IPCC (2014) chama a atenção para a importância da busca de soluções e medidas adaptativas em consonância com o desenvolvimento sustentável. São os casos, por exemplo, de incremento de infraestruturas e consumo que podem trazer consequências para o meio ambiente. Há opções para adaptação que envolvem de um lado, a melhora na gestão da demanda por água e, por outro lado, a ampliação e garantia de serviços ambientais úteis para lidar com os extremos hidrometeorológicos. Em qualquer situação, o fortalecimento do arcabouço responsável pelo gerenciamento dos recursos hídricos é essencial no enfrentamento dos impactos advindos da variabilidade climática do presente e das mudanças futuras. O Plano Nacional de Segurança Hídrica será investigado através da estrutura de análise socioecológica apresentada por Ostrom (2009). Outras estruturas de investigações de sistemas socioecológicos também poderão ser consideradas no decorrer do projeto.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 15/12/2020-31/12/2023
Foto de perfil

Alice Maria Melville Paiva Della Libera

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • o microbioma da glândula mamária bovina: indo mais longe em nossa compreensão dessa questão complexa.
  • A hipótese baseia-se na existência de um microbioma mamário que interage fisiológica e patologicamente, com impacto na eficiência das atuais ações de gestão da mastite bovina, seu perfil microbiológico, imunológico e de resiliência mamária. Pela importância da mastite bovina para produção de leite, muito se investe acerca de patógenos e tratamentos antimicrobianos, progressivamente insustentáveis. Em alguns países, o emprego de antimicrobianos já é legalmente controlado, assim como das exigências de bem-estar animal e boas práticas de produção motivam a quebra de paradigmas sobre a saúde mamária. Outros estudos tiveram o mesmo objetivo, mas os resultados ainda são inconclusivos. A presente proposta parte de validações anteriores e visa investigar a existência de microrganismos comensais em animais nulíparos. Serão triadas pelos critérios de inclusão amostral, oito bezerras, com 12 meses, das quais serão coletadas, três amostras, em rigor de protocolo para análise metagenômica: pele (controle) e duas amostras de tecido mamário em diferentes profundidades. Posteriormente, as amostras teciduais serão processadas, maceradas, tratadas com monoazida de propídio, submetidas à extração de DNA e encaminhadas à análise metagenômica. Uma equipe alinhada em suas competências, internacionalização e com perfil comprovado em estudos anteriores, por suas publicações e registro de propriedade intelectual, integra o estudo e consequente formação de recursos humanos, divulgação científica e apropriação social do conhecimento. O impacto socioeconômico e ambiental da pecuária leiteira exige uma visão global, sustentável, ampliado pelas ciências ômicas. São perspectivas que precedem inovações com propriedade intelectual e inteligência artificial, já descritas em outras espécies e que poderão aumentar a competitividade científica internacional e as oportunidades ao cenário nacional.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Alice Marlene Grimm

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • climatologia das secas no brasil: características, mecanismos, impactos hidrológicos
  • Eventos meteorológicos estão na origem de praticamente todos os desastres naturais no Brasil. As causas mais frequentes são secas severas, extremas ou persistentes. Elas representam ameaça para vários setores estratégicos: segurança hídrica, alimentar e energética, saúde humana, ecossistemas aquáticos, entre outros. Propõe-se a caracterização da climatologia das secas no Brasil, através de indicadores de possível risco à segurança hídrica. Não há ainda tal caracterização abrangente, mostrando as regiões mais propensas a sofrer secas e a distribuição espacial dos aspectos mais importantes (intensidade, duração, frequência), em período que englobe efeitos de oscilações climáticas interdecadais relevantes. Além disto, propõe-se estudo observacional e de modelagem da relação entre secas e oscilações climáticas interdecadais e interanuais. A hipótese da proposta é de que as secas mais extremas resultam da combinação de efeitos de mais de uma oscilação climática. Investigar conexões dinâmicas/mecanismos é importante para monitoramento e previsão. Será ainda avaliada a propagação de secas meteorológicas para secas hidrológicas e o tempo de recuperação. A hipótese, também neste caso, é de que oscilações climáticas sejam fatores determinantes. Portanto, a proposta visa: 1) indicar as regiões do Brasil mais sujeitas à ocorrência de secas e as características em cada região (frequência, intensidade, persistência); 2) diagnosticar relações entre os padrões de variabilidade da seca e oscilações climáticas, isoladas e combinadas, de modo a facilitar prognóstico da seca; 3) relacionar as secas com seus impactos hidrológicos, analisando a propagação de secas meteorológicas para secas hidrológicas e o seu tempo de recuperação; 4) testar hipóteses de mecanismos dinâmicos com modelos.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 03/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alice Valença Araújo

Ciências Biológicas

Farmacologia
  • efeitos cardiovasculares e renais de protótipos inibidores da eca em ratos dois-rins-um-clipe
  • A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é o principal fator de risco para doenças cardiovasculares, a maior causa de morte no mundo. Embora esta seja uma condição clínica com várias opções terapêuticas, apenas uma parcela dos pacientes hipertensos tem a Pressão Arterial adequadamente controlada, o que contribui para o surgimento de outros agravos e comorbidades, além de gerar grandes impactos na saúde pública, evidenciando a importância da busca por novas estratégias terapêuticas. Uma das opções para o tratamento farmacológico da HAS são os inibidores do Sistema Renina-Angiotensina (SRA), fundamental para a função cardiovascular e renal. Os inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina (ECA), enzima central no SRA, além de apresentarem eficácia anti-hipertensiva, promovem redução da morbimortalidade cardiovascular. Nosso grupo de pesquisa tem estudado o SRA e possíveis estratégias terapêuticas para o tratamento da HAS, como agentes antioxidantes, e mais recentemente, foram sintetizados protótipos potenciais inibidores da ECA. Tais compostos possuem estruturas necessárias para esta atividade, como núcleo heterocíclico central, anéis do 1,2,3-triazol e dos 1,3,4 e 1,2,4-oxadiazóis e um resíduo de prolina ou triptofano. A nossa hipótese é que estes protótipos possuem atividade anti-hipertensiva por inibição da ECA, aumento da via contra regulatória do SRA, melhora da função renal, além de ação anti-proliferativa em ratos hipertensos 2R1C. Serão realizados estudos de screening de atividade inibidora da ECA e citotoxicidade para avaliar o protótipo mais promissor. A partir disso, serão avaliadas a reatividade vascular, o efeito anti-hipertensivo, anti-hipertrófico e sobre a função renal, assim como o efeito sobre o estresse oxidativo e a expressão do RNAm e proteica de constituintes do SRA e de citocinas pró-inflamatórias, em ratos 2R1C. Espera-se, com o desenvolvimento deste projeto, caracterizar a eficácia pré-clínica de um novo candidato a fármaco anti-hipertensivo.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 25/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alicia Matijasevich Manitto

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • consequências dos maus-tratos durante a infância na saúde física e mental ao final da adolescência: coorte de nascimentos de pelotas de 2004
  • Os maus-tratos na infância afetam até 36% da população mundial, contribuindo substancialmente para a mortalidade e morbidade infantis e impactando negativamente a saúde mental e física dos indivíduos ao longo da vida. Recentemente tem se relatado efeito causal da associação entre maus-tratos na infância e alguns transtornos psiquiátricos, bem como o papel mediador da depressão na associação entre experiências adversas na infância e diabetes mellitus na vida adulta. Ainda, sugere-se que interações gene X ambiente poderiam explicar porque indivíduos com determinados polimorfismos genéticos, na presença de maus-tratos na infância, apresentem maior susceptibilidade ou proteção a desenvolver desfechos negativos na vida adulta. No entanto, são ainda escassas as evidências provenientes de estudos longitudinais e de populações de países de renda média/baixa. O projeto pretende: 1) investigar a associação entre maus-tratos na infância e saúde mental e cardiometabólica aos 18 anos; 2) analisar se a associação entre maus-tratos e saúde cardiometabólica é mediada pela presença de transtornos psiquiátricos e 3) testar se os desfechos do estudo são influenciados pela interação entre a genética (usando escores poligênicos de susceptibilidade a transtornos psiquiátricos identificados recentemente em estudos genômicos) e os maus-tratos na infância. Serão realizadas entrevistas aos participantes da Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2004 (n=3500), estudo que conta com informação genética de todos seus integrantes e avaliou exposição aos maus-tratos, presença de transtornos psiquiátricos e uma diversidade de fatores de risco cardiometabólicos, em vários pontos do tempo, durante a infância e adolescência. Além dos transtornos psiquiátricos, os desfechos incluirão comportamentos de risco cardiometabólico (inatividade física, consumo de tabaco/álcool/drogas e problemas do sono) e indicadores de saúde cardiometabólica (obesidade/adiposidade, pressão arterial e frequência cardíaca).
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Aline Alves Ferreira

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • análise longitudinal de indicadores do estado nutricional de indígenas xavante do brasil central
  • Apesar de uma razoável caracterização das claras desigualdades nos indicadores de saúde de povos indígenas no país, a grande maioria dos estudos são pontuais e sem continuidade. Além disso, a geração de informações, com monitoramento à saúde é colocada como central na Política Nacional de Atenção à Saúde Indígena, mas na prática recebe pouca ênfase. Assim, o objetivo deste é organizar, sistematizar e analisar dados de indicadores do estado nutricional (EN) dos Xavante(MT), coletados entre 1976-2018. Trata-se de um estudo epidemiológico longitudinal, a partir da sistematização e organização de todos os inquéritos de saúde ocorridos nos Xavante de Pimentel Barbosa. A primeira fase consiste em preparar o banco longitudinal de indicadores do EN (peso, comprimento/estatura, perímetros, dobras cutâneas, níveis tensionais e hemoglobina) e de condições socioeconômicas e demográficas, com digitação de dados recuperados dos anos 1970 e recuperação digital dos dados de 1990. Os dados posteriores já estão digitalizados mas não sistematizados/organizados. Os bancos serão padronizados e unificados para posterior análise. Serão realizadas medidas de tendência e posição, aplicados testes de hipótese (IC=95%) para comparações de médias e proporções. Serão construídas curvas suavizadas via spline para as análises longitudinais e utilizado o modelo aditivo generalizado misto, respeitando as correlações existentes entre as variáveis e por não saber a tendência de crescimento ou oscilações dos desfechos do estudo. De maneira inovadora, os dados serão sistematizados de forma integrada e posteriormente colocados sob o controle dos próprios indígenas Xavante que participaram da investigação. As informações obtidas permitirão melhor compreensão das condições de vida da comunidade ao longo do tempo, compreendendo também os processos de transição mais acelerada em saúde e nutrição, possibilitando a implementação de propostas que visem a diminuição das iniquidades e desigualdades em saúde.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 08/02/2022-28/02/2025