Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Aldina Maria Prado Barral

Ciências da Saúde

Medicina
  • ferramentas simples para diagnóstico e prognóstico da covid-19 no sus utilizando sintomas e saturação de oxigênio
  • Investigaremos as características clínicas dos pacientes com COVID-19 para desenvolver escores simples de diagnóstico e prognóstico para apoio na triagem dos pacientes com sintomas respiratórios e para orientar o prognóstico. Essas ferramentas serão para ampla utilização no SUS mesmo após curva inicial da epidemia, com a qual deveremos lidar por pelo menos mais dois anos. Aplicaremos métodos modernos e robustos de análise de dados, como rede neural e aprendizado de máquina (machine learning), para criar ferramentas clínicas precisas, repetindo estratégias de sucesso desenvolvidas pela nossa equipe e por outros pesquisadores, em síndromes febris virais. Tal estratégia é de grande importância considerando a rapidez como a COVID-19 propagou-se no mundo, impondo desafios especialmente para identificação precoce dos doentes e, entre esses, daqueles que necessitarão de internamento hospitalar. O diagnóstico laboratorial por PCR para identificar a infecção nos primeiros dias não está sendo realizado em massa pela escassez de kits para detecção molecular e necessidade de equipamento sofisticado. Por outro lado, os testes sorológicos disponíveis atualmente têm melhor desempenho após a segunda semana de sintomas, com pouca vantagem como estratégia para evitar disseminação do vírus. Adicionalmente, afora os fatores de risco de mortalidade, não é possível identificar precocemente o perfil clínico dos casos que irão necessitar de cuidados hospitalares. Para diagnóstico rápido e prognóstico de internamento é preciso criar ferramentas de vigilância que envolvam aspectos clínicos iniciais da doença. Essas ferramentas são factíveis considerando que, embora muitos sintomas de COVID-19 se assemelham a de outros quadros virais, há peculiaridades na apresentação clínica, como as alterações de olfato e de paladar. Com início precoce (em média 4 dias), essas alterações sensoriais foram descritas entre 45% a 86% dos casos de COVID-19, com alta especificidade, por tratar-se de sintomas incomuns em outras viroses. A associação dessas alterações sensoriais com outros sintomas da frequentes de COVID-19 infecção resultará em um escore diagnóstico de boa acurácia. Na avaliação de marcadores de prognóstico, além dos sintomas pretendemos analisar a taxa de oxigenação do sangue utilizando oximetria de pulso, uma medida indireta e simples para acessar a função pulmonar que tem sido utilizada em outros modelos de predição de infecção respiratória. Pretendemos realizar um estudo com 1200 pacientes testados para SARS-CoV-2 e outras viroses por PCR e/ou sorologia, aplicando questionário em dois momentos nos primeiros 30 dias de sintomas. Serão investigados presença e duração da manifestação clínica, condições coexistentes, uso de medicamentos, valor da oximetria e internamento hospitalar relacionado a COVID-19. Adicionalmente, em um grupo de pacientes positivos, pretendemos caracterizar e confirmar as queixas de alterações de olfato e paladar utilizando testes específicos. As características clínicas serão analisadas por árvore de decisão e análise multivariadas para derivação dos escores clínicos de risco de infecção e de internamento. Os escores serão derivados e validados em populações de diferentes estados e submetidas ao mesmo protocolo de avaliação. Os produtos desse estudo, duas ferramentas clínicas simples, de fácil utilização e aplicação sem custo adicional ao sistema de saúde, poderão ser utilizadas no contexto do SUS pela equipe de saúde de atenção primária. Esses escores serão especialmente úteis no período pós-epidemia considerando a necessidade de criar prioridades de atenção à saúde e de vigilância de novos surtos da doença num cenário de a escassez de recursos financeiros.
  • Fundação Oswaldo Cruz - BA - Brasil
  • 17/08/2020-16/09/2022
Foto de perfil

Aldina Maria Prado Barral

Ciências da Saúde

Medicina
  • identificação de biomarcadores e desenvolvimento de teste molecular de prognóstico para artropatia crônica pós-chikungunya.
  • A doença Chikungunya (CHIKD) é uma infecção causada por um alfavirus artritogênico, transmitido pelo Aedes aegypti, com alta capacidade de expansão geográfica e potencial de causar epidemias em larga escala. O Brasil vem notificando números crescentes da doença, que caracteriza-se como bifásica, com sintomas agudos de febre, artralgia, edema articular que podem evoluir para reumatismo inflamatório (semelhante a artrite reumatóide) e manifestações musculoesqueléticas crônicas em cerca de 14,4 a 87,2%. Na fase crônica, que pode durar anos, a artralgia incapacitante e o agravamento de doenças de base aumentam a demanda por assistência à saúde e os custos com absenteismo, causando impacto social e econômico significativo. Sugere-se que idade avançada, presença de artropatia prévia e comorbidades podem aumentar o risco de cronicidade. Entretanto, não se conhecem marcadores de progressão ou de resolução da doença, o que dificulta as ações preventivas de saúde, vigilância e o manejo clínico. Nesse estudo, pretendemos identificar e validar um painel de biomarcadores de prognóstico da CHIKD. Serão avaliados dados clínicos e amostras previamente obtidos de pacientes da Bahia e do Ceará com PCR positivo para CHIKV e PCR ou sorologia negativas para DENV e ZIKAV, além de 10 voluntários normais. Após 12 meses do início dos sintomas, será realizada avaliação clínica e classificação dos casos em: A - artopatia crônica pós- CHIKD, e B - resolução da doença. O estudo será realizado em duas fases. Na Fase 1. Seleção dos biomarcadores. A partir da coorte de 49 pacientes da Bahia serão selecionados 20 casos classificados como A e 20 com características de B. Examinaremos no soro a presença de proteínas marcadoras de doença reumatológica crônica (auto-anticorpos e complemento). Também avaliaremos por RNAsec do sangue total, a presença transcritos relacionados a resposta imune. Após análise de bioinformatica, será identificada uma assinatura molecular da artropatia crônica pós-CHIKD. Fase 2. Validação dos biomarcadores. O painel identificado na fase 1 será validado na coorte de 27 pacientes do Ceará, onde serão selecionados 10 casos classificados como A e 10 como B. Proteínas e RNA serão quantificados por ELISA e RT-qPCR, respectivamente. Será então proposto um protótipo do kit de prognóstico de CHIKD baseado no painel de biomarcadores validados, com análise de potencial tecnológico e econômico. A obtenção desse produto preencherá uma lacuna na avaliação laboratorial dos casos de CHIKD. A identificação precoce dos casos de CHIKD que irão necessitar de atendimento especializado por longos períodos permitirá traçar estratégias para cuidado médico e adequar as politicas de saúde para uma demanda conhecida, reduzindo o impacto da CHIKD sobre o sistema de saúde.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 30/11/2017-30/11/2020