Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Santiago Francisco Yunes

Ciências Humanas

Educação
  • quimidex na escola
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 12/08/2019-31/08/2021
Foto de perfil

Santiago Linorio Ferreyra Ramos

Ciências Agrárias

Agronomia
  • fluxo gênico da palmeira oenocarpus bacaba mart. em duas populações da mesorregião do centro amazonense, am
  • A bacaba (Oenocarpus bacaba Mart.) é uma espécie nativa da Amazônia. Ela é muito utilizada pelas famílias de agricultores extrativistas como fonte de alimento, planta medicinal, construção de moradias e bijuterias. Esta espécie é encontrada na Amazônia Brasileira, nos estados de Amazonas e Pará principalmente. Ela é importante economicamente e socialmente, porque através da coleta extrativista, grande parte desta produção é comercializada nos diferentes mercados dos municípios da Amazônia, pelas famílias de agricultores extrativistas. Entretanto, não existe uma política de conservação para O. bacaba, havendo uma falta de estudos das diferentes etapas da sua domesticação, e sobretudo com relação aos padrões de dispersão de pólen e sementes que influenciam grandemente a estrutura genética e o tamanho efetivo das populações de plantas, especialmente nas áreas de coleta dos agricultores tradicionais extrativistas de bacaba. Sob esta necessidade, o objetivo deste trabalho será avaliar o fluxo gênico na espécie O. bacaba, em duas populações naturais explorada por agricultores extrativistas da Amazônia, na mesorregião do Centro Amazonense do estado do Amazonas, utilizando marcadores SNP. Este estudo permitirá gerar informações sobre a estrutura genética espacial de cada população com base nas estimativas das frequências alélicas e genotípicas, estimando a magnitude e a distribuição da variabilidade dentro das áreas de amostragem, assim como o fluxo gênico existente nas populações. Estes resultados possibilitarão informações para futuros programas de melhoramento genético da espécie, bem como a definição de estratégias de coleta visando sua conservação e manejo, tanto ex situ como in situ.
  • Universidade Federal do Amazonas - AM - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sanye Soroldoni Guimarães Goes

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • papel do intemperismo fotoqímico na poluição por microplásticos no ambiente marisma: uma abordagem integrada
  • Materiais poliméricos, popularmente conhecidos como plásticos, são materiais com propriedades específicas como grande durabilidade, resistência, plasticidade e estabilidade. Devido a essas características os plásticos ganharam espaço e utilidade em diversas áreas da sociedade. No entanto, sua alta durabilidade faz com que os plásticos descartados de forma inapropriada sejam significativamente danosos ao meio ambiente e à biota. Os plásticos são considerados um material quimicamente estável, permanecendo no ambiente por muitos anos. Quando exposto ao ambiente, os plásticos podem sofrer degradação, geralmente por rota abiótica, sendo iniciada termicamente, por hidrólise, ou pela radiação ultravioleta (UV). Tal processo pode favorecer a adesão de um biofilme microbiano modificando as características dos plásticos no ambiente marinho, bem como outros processos, tais como salinidade e condições oxidantes. Portanto, é essencial entender a interação entre os processos químicos e biológicos na degradação das partículas plásticas e avaliar seu potencial deletério aos organismos. Nesse sentido, o presente projeto irá preencher lacunas importantes no conhecimento em relação à poluição por microplásticos, através da avaliação da ação do intemperismo no aumento ou diminuição da biodisponibilidade de contaminantes com reflexo na toxicidade para organismos aquáticos, tendo como área de estudo ambientes de Marisma.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sara Dousseau Arantes

Ciências Agrárias

Agronomia
  • caracterização das respostas morfofisiológicas de espécies nativas do gênero piper e de genótipos de pimenteira-do-reino sob estresse hídrico
  • A pimenta-do-reino (Piper nigrum L.), conhecida internacionalmente como black pepper (pimenta preta), é o condimento mais popular do mundo, tendo alcançado o status de ‘King of Spices’ (rei das especiarias). Dentre os entraves para o cultivo da pimenteira-do-reino no estado do Espírito Santo, destaca-se os fatores bióticos (Fusariose, Nematóide e Phytophtora) e os fatores abióticos (salinidade, seca e inundação). O estresse hídrico é considerado um dos fatores mais limitantes a produção agrícola em todo o mundo. Nos últimos anos o estado do Espírito Santo tem sofrido tanto com a escassez hídrica quanto com o excesso de precipitação, que causa inundações recorrentes. Embora a pimenta-do-reino seja uma cultura de expressiva importância econômica no Brasil, ainda são escassos os estudos que caracterizem os efeitos dos estresses ambientais no desenvolvimento da planta. Sabe-se que o entendimento dos mecanismos de respostas morfofisiológicas de uma espécie é base fundamental para o desenvolvimento de estratégias eficientes de propagação e manejo fitotécnico, visando aumento de produtividade. Nestes ensaios também é possível identificar descritores morfofisiológicos que poderão ser utilizados como marcadores na seleção precoce de plantas em programas de melhoramento genético visando a obtenção de genótipos mais resistentes ou tolerantes aos estresses ambientais. Sendo assim, objetiva-se com este projeto, caracterizar os mecanismos morfofisiológicos de cultivares de pimenteira-do-reino e espécies nativas do gênero Piper em resposta ao déficit hídrico visando a identificação de genótipos tolerantes para serem utilizados como porta-enxertos e no melhoramento genético. Serão avaliadas três espécies nativas do gênero Piper (Piper arboreum Aubl., Piper aduncum L. e Piper tuberculatum Jacq.) e três cultivares de pimenteira-do-reino (‘Kottanadan do Broto Roxo’, ‘Bragantina’ e ‘Balankota’). As mudas das espécies nativas serão obtidas via seminal, enquanto as das cultivares de P. nigrum serão propagadas assexuadamente. Todos os materiais genéticos serão propagados em tubetes e transplantados para vasos de 8 L após atingirem o padrão comercial (25 a 30 cm de comprimento da parte aérea, cerca de quatro a cinco meses após a semeadura/estaquia). Após o transplantio as plantas serão aclimatadas por cinco a sete meses, mantidas irrigadas na capacidade de campo, sendo após este período, submetidas ao ensaio de déficit hídrico. Os ensaios serão conduzidos em viveiro sob 50% de sombreamento utilizando tela sombrite preta, utilizando o delineamento blocos casualizados, com quatro repetições e 10 plantas por parcela. O déficit hídrico será imposto a cada trinta dias e será realizada a medição das trocas gasosas. O período de restrição hídrica será definido com base na capacidade das espécies manterem o balanço positivo entre fotossíntese e respiração. Após a definição do potencial hídrico limítrofe, as plantas serão reidratadas e a taxa de recuperação de cada espécie será avaliada. Estes ciclos de estresse e recuperação serão impostos pelo menos três vezes. Será mantido um grupo controle, no qual não será imposto o déficit hídrico. As plantas serão avaliadas diariamente após a imposição do estresse e durante a recuperação quanto as trocas gasosas. Ao final de cada período de estresse e após a reidratação as plantas serão avaliadas ao quanto ao crescimento, fluorescência da clorofila a, pigmentos fotossintéticos e potencial hídrico foliar. Ao final dos ciclos de estresse hídrico serão efetuadas a quantificação dos carboidratos e as análises estruturais de raiz, caule e folhas. Pretende-se com este projeto identificar materiais genéticos potenciais porta-enxertos para serem utilizados na enxertia intraespecífica e interespecífica da pimenteira-do-reino, bem como identificar descritores morfofisiológicos que poderão ser utilizados como marcadores na seleção precoce de plantas em programas de melhoramento genético visando a obtenção de genótipos mais resistentes ou tolerantes ao déficit hídrico.
  • Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural - ES - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022