Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Luis Fernando Glasenapp de Menezes

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • suplementação continuada visando a terminação de novilhos precoces em sistema de pastejo
  • O objetivo do estudo será avaliar a melhor alternativa para a suplementação continuada de novilhos do desmame a terminação visando o abate de novilhos precoces em sistema de pastagem. O experimento será realizado na área experimental da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) – Campus Dois Vizinhos. Serão utilizados 24 bovinos castrados com idade média inicial de 8 meses, provenientes de cruzamento industrial. O experimento será dividido em duas etapas, recria e terminação. A recria começará no inverno em pastagem de aveia preta (Avena strigosa Schreb) e azevém (Lolium multiflorum L.) sobressemeada em pastagem de estrela africana (Cynodon nlemfuensis cv. Estrela Africana). A fase de terminação será em pastagem de estrela africana até os animais atingirem 500 kg de peso vivo. Os animais serão divididos nos seguintes tratamentos: TRADICIONAL: sem suplementação energética na recria e 1,0% do peso vivo de suplemento por dia durante a terminação; CONTINUADA: 0,5% de suplemento por dia do início da recria até a terminação; BAIXA-ALTA: Baixa suplementação durante a recria (0,3% do PV/dia) e Alta suplementação durante a terminação (0,7% do PV/dia); ALTA-BAIXA: Alta suplementação durante a recria (0,7% do PV/dia) e Baixa suplementação durante a terminação (0,3% do PV/dia). Será utilizada um suplemento formulado para que atendam às exigências (GMD de 800 g/dia e 1200 g/dia para a recria e terminação, respectivamente) em cada fase de criação como suplemento. Serão avaliados os parâmetros produtivos da pastagem (massa de forragem, taxa de acúmulo, capacidade de suporte), o desempenho animal (ganho individual, ganho por área), comportamento ingestivo, parâmetros nutricionais (consumo, digestibilidade, parâmetros ruminais), a composição de ganho dos animais e as características da carcaça (rendimento de carcaça, conformação, ,espessura de gordura) e da carne (marmoreio, força de cisalhamento, qualidade organoléptica, perfil de ácidos graxos).
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Luis Ghivelder

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • materiais magnetocalóricos para refrigeração magnética e dinâmica de vórtices em novos supercondutores
  • O objetivo deste projeto é o desenvolvimento de linhas pesquisa de ponta em física experimental da matéria condensada, com ênfase em magnetismo e supercondutividade. Na linha de magnetismo, o foco são materiais magnetocalóricos. As últimas décadas tem sido caracterizadas por uma grande preocupação relacionada a obtenção de sistemas energéticos mais limpos e eficientes. Um dos temas com papel relevante na sociedade moderna são as tecnologias de refrigeração. Há uma busca intensa para encontrar substitutos aos gases ainda utilizados, que provocam danos ao meio ambiente. O estudo de materiais magnéticos com potencial magnetocalórico é um dos objetivos do nosso trabalho. Na linha de pesquisa em supercondutividade, o destaque será no estudo de uma nova classe de materiais: os supercondutores ferro-pinictídeos. Há muitas questões fundamentais ainda em aberto, como a existência de supercondutividade em materiais com elementos fortemente magnéticos. Pretendemos estudar o comportamento da corrente crítica em diferentes compostos e elucidar o papel da dinâmica de vórtices nas propriedades supercondutoras. Com laboratórios muito bem equipados na UFRJ e na UFF, estamos em condição de fazer contribuições significativas para o avanço do conhecimento nessas duas linhas de pesquisa. A UFRJ dispõe de uma excelente infraestrutura para medidas experimentais em baixas temperaturas e altos campos magnéticos. Utilizaremos de forma sistemática o equipamento “Physical Properties Measuring System” (PPMS), que permite a realização de medidas de magnetoresistência, magnetização e calor específico. A UFF dispõe de diversos fornos e equipamentos acessórios para fabricação de materiais, e um moderno sistema de difração de raios-x para caracterização estrutural dos compostos. O pesquisador da UENF é especialista na análise dessas medidas, e sua participação no projeto propicia a transferência de recursos para centros emergentes, com menor tradição em pesquisa científica.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 16/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Luís Henrique Bassoi

Ciências Agrárias

Engenharia Agrícola
  • irrigação com deficit em milho e trigo com uso conjunto de hidrogel e bioinsumo
  • A agricultura irrigada, com baixa disponibilidade de água, pode se valer do uso de uma lâmina de irrigação menor que a requerida em alguns estádios fenológicos de uma cultura, o que pode gerar alterações nas respostas fisiológicas, nutricionais, morfológicas e da produção das plantas. A irrigação com déficit, junto com o uso de polímeros capazes de absorver e liberar água e microrganismos benéficos ao crescimento das plantas, é uma alternativa para obtenção de produtividade agrícola e economia de água satisfatórias sob restrição hídrica. Assim, este projeto pretende avaliar como o desenvolvimento e o crescimento do milho safrinha e do trigo irrigados com déficit hídrico e com o uso combinado de hidrogel e bioinsumo. Durante 3 anos, serão realizados experimentos em casa de vegetação e em campo, com 2 cultivares de milho e de trigo irrigadas por gotejamento, para avaliação de suas respostas sob 2 níveis de disponibilidade de água (irrigação sem déficit e irrigação com déficit até 30% da água disponível no solo no início de florescimento do milho e do trigo, com posterior reinício da irrigação), com aplicação de 2 doses de hidrogel - com e sem inserção de Trichoderma - e sem aplicação de hidrogel (5 níveis). Serão avaliados a disponibilidade de água na zona radicular, índice de área foliar, resistência estomática, índice de vegetação, teor foliar de clorofila, acúmulo de nutrientes na biomassa e a produção, composição e morfologia interna de grãos. Haverá avanço no conhecimento quanto à redução de uso de água e aumento de eficiência do seu uso em cultivos irrigados de milho e trigo; disponibilização de hidrogel com inserção de bioinsumo em sua formulação, com custo acessível ao produtor agrícola, para liberação de água e de mircrorganismo ao solo de forma rápida e gradual; fortalecimento de uma startup; avanço do conhecimento científico sobre o sistema de produção de milho e trigo e a sustentabilidade da agricultura; e formação de recursos humanos.
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Luís Henrique de Amorim

Outra

Divulgação Científica
  • desinformação em saúde: um desafio e uma oportunidade para a divulgação científica
  • As mídias sociais hoje são de extrema importância para a sociedade e para a difusão de informações, incluindo as científicas. Como alguns autores argumentam, o desenvolvimento de tecnologias digitais levou a profundas transformações na maneira como o público aprende sobre ciência e tecnologia. A democratização e o fácil acesso a informação, porém, trazem também desafios. Entre eles destaca-se a circulação desenfreada de desinformação, com graves consequências para a sociedade, como podemos observar no cenário pandêmico atual. Apesar de sua importância e urgência, o conhecimento sobre a desinformação ainda é escasso. Assim, é necessário melhor compreender o fenômeno da desinformação a fim de aperfeiçoar as ações de divulgação científica. Uma das principais questões atuais é entender como se dá a recepção de notícias falsas pelo público. Ou seja, o que é percebido e levado em conta para aferir credibilidade ou não e quais são as motivações para o compartilhamento de informações sobre saúde. Diferentes trabalhos acadêmicos e manuais produzidos por diversas instituições buscam mapear características de notícias falsas, porém nossa hipótese é que muitas destas características não são levadas em conta pelo público no momento de compartilhar informações. Um estudo prévio realizado por pesquisadores que integram a equipe deste projeto, em Paris (França), mostrou que o nome do veículo responsável pela publicação de um texto não era relevante para os participantes no momento de avaliar a qualidade das informações ou a intenção dos mesmos de compartilhá-las ou não. Neste projeto, buscaremos, a partir da leitura de textos pelos participantes e entrevistas, avaliar a percepção da recepção pelo público de diferentes características, como, por exemplo, tamanho do texto, citação a cientistas, especialistas e instituições de pesquisa, por um lado, ou promessas, ausência de citações e teorias da conspiração, por outro.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Luís Henrique de Amorim

Outra

Divulgação Científica
  • o desafio da desinformação em saúde: compreendendo a recepção para uma melhor divulgação científica
  • O uso massivo da internet e o intenso compartilhamento de informações via redes sociais digitais desencadearam transformações profundas nas formas de se comunicar, colocando-nos diante de novos e complexos desafios que marcam a era da pós-verdade. Entre eles destaca-se a circulação desenfreada de desinformação, com graves consequências para a sociedade, como podemos observar no cenário atual, em que informações incorretas e falsas sobre prevenção e tratamento de Covid-19 aumentam o número de vítimas da doença e dificultam o controle da pandemia. Apesar de sua importância e urgência, o conhecimento sobre a desinformação ainda é escasso. Diversos autores citam a necessidade de pesquisas para a melhor compreensão do fenômeno, destacando a premência do estudo da recepção de informações incorretas e falsas. Nesse contexto, a pesquisa em divulgação científica pode desempenhar um papel fundamental no sentido de contribuir para a mitigação da desinformação em ciência e saúde. Assim, o objetivo geral deste projeto é investigar a circulação da desinformação sobre saúde no contexto da pós-verdade, sob a perspectiva da recepção, tendo o público jovem, de diferentes classes sociais, como alvo preferencial. Dado o caráter amplo e complexo do fenômeno sob investigação, realizaremos ao longo do projeto seis estudos, lançando mão de métodos quantitativos e qualitativos e tendo as teorias da recepção como espinha dorsal. Por meio deles, buscaremos identificar as estratégias e os critérios utilizados por jovens para avaliar informação sobre saúde em diferentes contextos, analisar a atribuição de credibilidade às fontes de informação sobre saúde e examinar os modos de legitimação e deslegitimação do discurso científico em debates sobre temas controversos de saúde travados em variadas mídias. A partir dos resultados, iremos desenvolver e testar estratégias que possam contribuir para a despoluição do circuito informacional contemporâneo e, posteriormente, transformá-las em atividades de divulgação científica no Museu da Vida.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 09/11/2021-30/11/2024
Foto de perfil

Luís Marcelo Aranha Camargo

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • ectoparasitos e seus patógenos de morcegos (mammalia, chiroptera) na região central de rondônia
  • Os morcegos pertencem à ordem Chiroptera e estão entre os mamíferos mais diversos e geograficamente dispersos. Apresentam uma grande riqueza na diversificação da exploração de recursos, na ocupação de hábitats e estão diretamente envolvidos em vários processos ecológicos. Possuem grande importância para o ecossistema: como polinizadores, dispersores de sementes, transmissores de doenças e controladores de pragas. São hospedeiros de ectoparasitas dípteros, ácaros e carrapatos. Apresentam o maior número de ordens e famílias de artrópodes ectoparasitas sendo exclusivos de morcegos. São também vetores de várias doenças, muitos das quais, são patogênicos aos humanos e outros animais, como a raiva, e as bactérias dos gêneros Rickettsia spp., Coxiella spp., Borrelia spp. e Orientia spp.. Os morcegos serão capturados em noites com lua minguante com redes de neblina e em grutas existentes na área rural de Monte Negro-RO. Os ectoparasitos serão coletados dos corpos dos morcegos por observação direta e o uso de pinça de ponta fina. Será colhida uma amostra de 0,1 mL de sangue de vaso colhidas pelas veias braquial e os espécimes libertados em seguida. Tantos os morcegos quanto os ectoparasitos serão identificados morfologicamente de acordo com chaves específicas e quando necessário, com a utilização de técnicas moleculares. Os patógenos, por sua vez terão seu material genético extraído do sangue e dos ectoparasitos e preparados para sequenciamento gênico na plataforma da FIOCRUZ/ILMD-AM. Neste estudo, será avaliado a interação entre morcegos e seus artrópodes ectoparasitas, bem como, seus patógenos de importância médica. Contudo a falta de informações nas bases de dados sobre a fauna de Chiroptera na região central de Rondônia e seus ectoparasitas, ressalta a importância deste estudo, podendo assim contribuir para preencher a lacuna de informação sobre o tema em Rondônia.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Luis Marcelo Marques Tavares

Engenharias

Engenharia de Minas
  • modelagem avançada da moagem em moinhos atritores verticais em operação contínua
  • As texturas cada vez mais finas dos minérios, os seus menores teores, além de demandas específicas como a preparação de concentrados com granulometrias compatíveis ao transporte em minerodutos e à pelotização têm resultado em crescente demanda pela moagem até tamanhos progressivamente mais finos na indústria mineral. Os principais equipamentos empregados nessa tarefa são os moinhos atritores verticais. Diferentes fabricantes oferecem modelos desses moinhos que se distinguem por uma variedade de características, incluindo geometria do moinho e do agitador, intervalo de frequência de operação, tipo e tamanhos de corpos moedores, etc. Tanto com o objetivo de melhor adequar o modelo de moinho à cada aplicação em particular quanto o de até desenvolver novos modelos de moinhos mais adequados a aplicações específicas, há grande interesse em desenvolver modelos matemáticos que permitam simular a operação desses moinhos com grande fidelidade. O projeto trata do aprimoramento da aplicação do modelo mecanicista UFRJ à moagem contínua em moinhos atritores verticais, acoplando-o à fluidodinâmica computacional na descrição tanto da classificação realizada na parte superior do equipamento, quanto da interação entre os corpos moedores e a polpa mineral. Assim, o projeto visa aplicar as técnicas inicialmente na moagem em escala piloto, passando para sua aplicação à escala industrial, uma vez que a etapa de moagem descontínua já foi validada pela equipe (vide trabalhos anteriores da equipe). A escala piloto permitirá a validação detalhada do modelo, inclusive com a montagem de sistema experimental para validar a aplicação da fluidodinâmica computacional. Por fim, o projeto ainda buscará empregar informações obtidas em dispositivo inovador de quebra de partículas individuais, validando a sua aplicação na previsão da moagem em um moinho agitado vertical em escala de laboratório a ser adaptado como parte do projeto.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 05/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Luis Miguel Gomes Abegão

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • desenvolvimento de um protótipo fotônico multifuncional para detecção de fotoluminescência e respectiva caracterização espectroscópica.
  • A fotoluminescência (FL) é oriunda de diversos fenômenos físicos, tais como, processos ópticos lineares ou não lineares, p.ex., a emissão de um sistema de Random Laser (RL) e a emissão de uma amostra excitada por dois ou mais fótons em simultâneo – MultiPhoton Excitation (MPE), respectivamente. Além disso, a FL pode ser obtida através de processos de radiação ionizante: a radiofotoluminescência (RPL) e a luminescência opticamente estimulada (OSL). A proposta desta equipe de pesquisadores, é um sistema fotônico automatizado para a detecção, análise e pós-processamento da FL e sua respectiva caracterização espectroscópica, proveniente dos fenômenos físicos descritos anteriormente. Não existe, até onde sabemos, nenhum sistema fotônico igual ao que esta equipe se propõe a desenvolver. Este protótipo fotônico permitirá, de forma rápida e confiável, analisar o potencial de sistemas sólidos e líquidos no quesito de RL e MPE. Além disso, este dispositivo poderá substituir sistemas comerciais dispendiosos utilizados na detecção da RPL e OSL, abrindo portas para o desenvolvimento de novos sistemas dosimétricos. De fato, a dosimetria de baixas doses é fundamental na área da medicina, em particular na área da radiologia intervencionista para quantificação da dose efetiva produzida durante o procedimento. Além disso, países com fronteiras extensas, como é o caso do Brasil e Estados Unidos têm muita dificuldade de monitorar em tempo real possíveis ataques radiobiológicos. Neste quesito, a dosimetria de altas doses é também um dos aspectos fundamentais a ser explorado. A estratégia inclui a otimização da excitação e coleção da emissão da FL de todas as amostras padrão para a calibração do protótipo, em seguida a sua automatização e respectiva análise de dados através de programas de pós-processamento. Posteriormente, caracterizaremos novas amostras produzidas pelos parceiros interinstitucionais, gerando publicações em periódicos internacionais de diversas áreas.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Luis Otávio Brito da Silva

Ciências Agrárias

Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca
  • efeito da adição de mananoligossacarídeos e nucleotídeos na alimentação do camarão litopenaeus vannamei (boone, 1931) criado em sistema intensivo
  • O presente projeto visa avaliar o efeito imunoestimulante da suplementação alimentar com prebióticos e nucleotídeos no camarão marinho Litopenaeus vannamei em relação ao desempenho zootécnico, saúde intestinal e resistência ao Vibrio parahaemolyticus. Para isso, dietas contendo diferentes níveis de inclusão de aditivos prebióticos e nucleotídeos serão ofertadas para os animais. A análise será efetuada em experimentos distintos, com três fases cada. A primeira fase será a oferta das dietas suplementadas e terá duração de 60 dias e durante esse período serão avaliadas as variáveis de desempenho zootécnico (ganho de biomassa, taxa de crescimento específico, peso médio final, sobrevivência e fator de conversão de alimentar) e microbiológicas (Bacillus, leveduras e Vibrio sp.) do trato gastrointestinal serão avaliadas. A segunda fase será composta por um teste de estresse mediante a exposição à amônia (1,5 mg L-1 de N-NH3) e ao nitrito (40 mg L-1 de N-NO2) durante 96 horas. Ao final serão analisadas as variáveis hemato-imunológicas (contagens total e diferencial de hemócitos) e sobrevivência. A terceira fase será um desafio bacteriano com o Vibrio parahaemolyticus durante 30 dias, ao longo do experimento análises microbiológicas e hemato-imunológicas serão conduzidas, e ao final a sobrevivência dos animais desafiados será analisada. Como resultados, espera-se um aumento no desempenho zootécnico, maiores tolerância ao estresse químico e resistência à patogêncidade do Vibrio parahaemolyticus e uma maior compreensão sobre os papéis dos prebióticos e nucleotídeos para estes resultados.
  • Universidade Federal Rural de Pernambuco - PE - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Luis Otávio do Canto Lopes

Outra

Ciências Ambientais
  • indicadores geográficos de riscos de impactos climáticos
  • Este projeto faz parte de um esforço coletivo realizado por professores-pesquisadores da Universidade Federal do Pará, em torno de um interesse comum: produzir conhecimento que possa auxiliar no entendimento relativo às questões ambientais e contribuir para melhorar a qualidade da gestão ambiental pública e coletiva, nos diferentes setores da sociedade. Assim, reúne uma equipe de pesquisadores formada por diferentes áreas do conhecimento, e com múltiplas experiências que vai da escala local-regional à escala internacional. O Núcleo de Meio Ambiente, constituído no início da década de 1990, com linha interdisciplinar, abriga institucionalmente esse esforço coletivo, que desde as suas origens, promove o princípio reticular de ação envolvendo pesquisadores das várias unidades da Universidade Federal do Pará e de outras instituições de ensino, pesquisa e extensão em diferentes escalas, buscando sempre estabelecer e fortalecer ações de pesquisa em rede. Neste projeto, “Indicadores geográficos de riscos de impactos climáticos na zona costeira urbana paraense”, haverá colaboração do Laboratório de Pesquisa Governança, Riscos, Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade de Montpellier 3 (GRED/URM), França e Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS), Martinique.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 03/02/2021-31/01/2024
Foto de perfil

Luis Paulo Batista da Silva

Ciências Humanas

Geografia
  • conflitos e vulnerabilidades socioambientais em um estado securitário: agendas dissonantes na faixa de fronteira brasileira
  • Sucessivos governos brasileiros têm inflado a agenda da segurança fronteiriça, tendo como carro-chefe o combate aos ilícitos transfronteiriços, em especial tráfico de drogas e contrabando. Enquanto isso, a agenda ambiental fica em segundo plano, embora venham sendo pautados e documentados pela sociedade civil organizada através de mobilização social e produção de dados. Esse tratamento desigual dado às questões que envolvem segurança e ambiente é o que consideramos como agendas dissonantes. No âmbito da segurança, o programa ENAFRON deu lugar ao VIGIA, que renova a centralidade dos ilícitos transfronteiriços como preocupação principal da ação estatal na fronteira. Neste sentido, este projeto busca estimar como os conflitos socioambientais incidem na Faixa de Fronteira, avaliar o modo como a dinâmica transfronteiriça os afeta e analisar como as políticas públicas, as iniciativas da sociedade civil organizada e os grandes investimentos influenciam os conflitos e a vulnerabilidade socioambiental. Nossa hipótese é a de que haja conflitos socioambientais cuja problemática está relacionada à situação de fronteira e outros que ocorrem também no restante do território, mas que assumem especial relevo na fronteira, mas ambos negligenciados pelo Estado securitário. Uma vasta literatura dos Estudos Fronteiriços demonstra como a situação fronteiriça marginaliza conflitos por recursos naturais, violações de direitos humanos e contra comunidades étnicas. Estes efeitos são diferenciados nos grupos vulneráveis. Estes tópicos também inserem a fronteira como uma zona crítica de segurança. Utilizaremos bases de dados e de notícias já existentes sobre conflitos socioambientais para identificar a sua incidência espacial, seu caráter transfronteiriço (ou não) e para a produção de um indicador de vulnerabilidade, composto por elementos de susceptibilidade social e degradação ambiental. Estas informações permitirão a análise qualitativa de dois estudos de caso: Mato Grosso do Sul e Acre.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni

Ciências Agrárias

Agronomia
  • dinâmica do fósforo em solos tratados com fertilizantes organominerais e carvão de ossos
  • O fósforo (P) é um elemento essencial a todos os organismos vivos. Contudo, em ambientes tropicais úmidos, em boa parte dominada por solos ácidos, o P está entre os nutrientes mais limitantes à produção agrícola, o que demanda aplicações frequentes de corretivos e fertilizantes fosfatados. A acidificação pode ser resultante do manejo do solo, tais como o uso de alguns fertilizantes nitrogenados. O Brasil não dispõe de reservas minerais abundantes de P, e é necessário aumentar a produção e oferta de fertilizantes nacionais para reduzir a dependência dos produtos importados. O Brasil é um grande produtor mundial de proteína animal e gera anualmente milhares de toneladas de resíduos que podem ser reciclados e/ou retrabalhados para uso como fertilizante. Pretendemos avaliar fertilizantes fosfatados que mesclam matrizes orgânicas e minerais cuja utilização afeta atributos químicos e biológicos do solo. A hipótese é que fertilizantes organominerais e o carvão de ossos são alternativas viáveis para substituir, em parte, os fertilizantes fosfatados sintéticos de alto custo. A rede de colaboradores para realização do projeto envolve pesquisadores de 4 instituições paulistas, 3 instituições de outros estados brasileiros e uma instituição francesa. O objetivo geral é avaliar e/ou desenvolver fertilizantes adequados às condições de solo e clima tropical úmido, de forma que o Brasil possa tornar-se menos dependente de importações de fertilizantes fosfatados no curto a médio prazo. Para efetivação do projeto, serão conduzidos experimentos de laboratório e casa-de-vegetação utilizando-se técnicas avançadas de mensuração (como ressonância magnética nuclear, DRX, MEV-EDS, XANES, qPCR, sequenciamento 16s) para avaliar a dinâmica de P em solos com texturas contrastantes e no milho (planta-teste). Dentre outras serão avaliadas a cinética de dissolução, especiação, fracionamento e movimento de P, DNA rizosférico e variações na concentração de enzimas no solo.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Luís Roberto Almeida Gabriel Filho

Engenharias

Engenharia Biomédica
  • sistemas de inteligência artificial baseados em especialistas de atenção primária à saúde e dados do ministérios da saúde para avaliação e identificação de ações intersetoriais de melhoria da prevenção e controle de diabetes, hipertensão e obesidade
  • A Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Ministério da Saúde em 2013, em parceria com o IBGE, apontou 9 milhões de brasileiros acometidos pela Diabetes Mellitus (DM) , o que corresponde a mais de 6% da população. De acordo com o último consenso de diabetes da Sociedade Brasileira de Diabetes, publicado em 2019, a prevalência da doença é de 9% na faixa etária entre 20 a 79 anos, perfazendo mais de 12 milhões de brasileiros. Estima-se que em 2045 teremos 20 milhões de brasileiros com diabetes. Entre os anos de 2006 a 2016, o Ministério da Saúde detectou um aumento de 60% desse número pelos diagnósticos realizados e isso impactará diretamente no orçamento de combate à doença que, segundo as estimativas mais conservadoras, apontam em US$ 97 bilhões podendo chegar até US$ 123 bilhões. De acordo com um estudo com dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) coletados no ano de 2019, a prevalência de hipertensão arterial auto-referida entre os adultos residentes em capitais brasileiras e no Distrito Federal variou de 16,9% a 28,5%. Foram estimadas as prevalências por sexo segundo variáveis socio-demográficas, estilos de vida, doenças crônicas relatadas e avaliação do estado de saúde. Cerca de um quarto da população adulta residente nas capitais brasileiras refere ter hipertensão arterial (Malta et al, 2017). Em um estudo conduzido em um município de Portugal, os dados mostraram que as doenças crônicas mais prevalentes associadas à nutrição são direcionadas ao excesso de peso, representando 57% da população, incluindo obesidade (28,7%); seguido por hipertensão (36%) e diabetes (30%). Apesar do número amostral pequeno, o estudo indicou que é alta a chance de pacientes com diabetes mellitus 2 sofrerem de hipertensão e de pacientes obesos desenvolverem hipertensão, dislipidemias e diabetes mellitus 2 . Apesar de trabalhos científicos nesta linha de prevalência, os dados atuais não revelaram o quanto destas ações realizadas por diferentes setores à saúde – educação, assistência social, esportes, saúde mental, etc. foram efetivas na prevenção e controle de enfermidades como diabetes, hipertensão e obesidade. Sabe-se que fatores educacionais e econômicos contribuem de alguma forma para prevenir e controlar as doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT). Contudo, a correlação ou associação entre estas variáveis para uma efetiva avaliação e conclusão da sua eficácia é desconhecida. Sendo assim, existe a necessidade da geração de estudos referentes às ações mais básicas como combate ao comportamento sedentário para portadores de comorbidades crônicas revelam que existem muitas lacunas que devem ser cuidadosamente verificadas e preenchidas, pois ainda muito pouco se conhece da relação entre a causa e efeito. O objetivo principal deste projeto é identificar ações intersetoriais adotadas por municípios na prevenção e controle das DM, hipertensão arterial sistêmica (HAS) e obesidade, bem como avaliar sua efetividade com Sistemas de Inteligência Artificial baseados em especialistas da área da Atenção Primária à Saúde, verificando as recomendações para sua implementação nos municípios. Para isto, serão feitos 3 modelos matemáticos baseados em inteligência artificial (IA), com posterior elaboração de softwares para computadores e aplicativos para celulares, buscando a disseminação do conhecimento produzido a partir do presente projeto, bem como buscando caracterizar-se como instrumentos de norteadores de políticas públicas. Neste sentido, os modelos matemáticos/softwares serão capazes de estimar o quão uma determinada ação intersetorial terá sua efetiva contribuição seja na diminuição da obesidade, diabetes e hipertensão (ODH). Com o Modelo 1, será possível estimar os valores percentuais de ODH de pessoas segundo as capitais dos estados brasileiros e o Distrito Federal em detrimento de diversas variáveis tais como porcentagem de pessoas que praticam atividade física, ou ainda de pessoas que consomem frutas, refrigerantes ou alimentos minimamente processados. Uma vez o modelo de IA programado em um software ou aplicativo, será possível prever as consequências na ODH frente às modificações das variáveis de entrada. Visando estabelecer uma relação entre as ODH e ações já classificadas pelo Ministério da Saúde como necessárias para a diminuição dos índices de ODH, será gerado, também com a utilização de sistemas de inteligência artificial, o Modelo 2. Com informações presentes no Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022, publicado pelo Ministério da Saúde. No modelo, serão estabelecidas relações entre as próprias ações intersetoriais propostas pelo Ministério da Saúde e a ODH (obesidade, diabetes e hipertensão). Tais relações serão estabelecidas com o auxílio de um especialista na área (a equipe possui especialista/médico na sua composição). Assim, extraindo as informações deste profissional da área (que será certamente adicionada à outras informações presentes na literatura), será possível criar um modelo matemático relacionando as ações propostas no citado Plano de Metas do Ministério da Saúde com a ODH. Já o Modelo 3 será responsável pelo entendimento das práticas de cidades que fizeram ações intersetoriais positivas frente à diminuição, e controle da obesidade, hipertensão e diabetes. Com esse modelo, além de ser possível estimar os valores de ODH, será possível prever as consequências na ODH frente à modificação ou modificações conjuntas nas ações de entrada. Para isto, será feita a investigação (pesquisa) de quais municípios possuem práticas de sucesso, relativas às ações para diminuição da ODH. Isso será feita utilizando-se as bases de dados do DATASUS (investigando cidades de médio e pequeno porte) e o relatório VIGITEL (para capitais), bem como serão utilizados sites oficiais da prefeitura e de jornalismo local.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 02/12/2020-31/12/2022
Foto de perfil

Luisa Helena de Oliveira Lima

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • efetividade de um protocolo de intervenções nutricionais para o manejo da obesidade infantil no âmbito da atenção primária à saúde
  • Estar acima do peso ou obeso durante a infância e a adolescência está associado a consequências adversas para a saúde ao longo da vida. Crianças e adolescentes são mais suscetíveis à comercialização de alimentos do que os adultos, o que torna necessária a redução da exposição das crianças a alimentos obesogênicos para protegê-los de danos. Objetiva-se avaliar a efetividade de um protocolo de intervenções nutricionais para o manejo da obesidade infantil no âmbito da Atenção Primária à Saúde. O estudo será dividido em duas fases: Fase 1: Construção e Validação do Protocolo O protocolo desenvolvido será incluído no serviço de atendimento infantil regular dentro das UBS, com o objetivo de abordar um único domínio, o comportamento alimentar, como vistas ao desenvolvimento das habilidades parentais para apoiar a mudança de estilo de vida dentro da família e, assim, promover a alimentação saudável entre crianças de 7 a 9 anos de idade. O referencial metodológico para na construção e validação do protocolo nutricional seguirá as etapas propostas pela Gerência de Ensino e Pesquisa do Grupo Hospitalar Conceição para Diretrizes Clínicas/Protocolos Assistenciais de Porto Alegre (GHC, 2008). No que tange à avaliação, o conteúdo do protocolo será analisado por meio de um instrumento internacionalmente utilizado que visa avaliar o rigor metodológico bem como a qualidade de diretrizes e protocolos clínicos, denominado AGREE (Appraisal of Guidelines for Research and Evaluation) II. Fase 2: Efetividade do Protocolo. A efetividade do protocolo será testada por meio de um ensaio de intervenção randomizado por cluster, compostos por três grupos: G1: Grupo Controle – Tratamento padrão oferecido na Atenção Básica do município; G2: Grupo Intervenção A – Manejo da obesidade infantil recomendado pelo Ministério da Saúde (Programa Crescer Saudável (BRASIL, 2020)); G3: Grupo Intervenção B – Protocolo de intervenção construído e validado pela equipe de pesquisadores. A população de referência constará de crianças, na faixa etária de 7 a 9 anos, em situação de excesso de peso (sobrepeso ou obesidade), assistidas nas ESF no âmbito da Atenção Primária à Saúde. Após o cálculo amostral, a amostra será composta por 81 crianças, pois serão necessárias 23 crianças nos grupos de intervenção (G2 e G3) e 23 no controle, no total de 69 crianças. Para suprir perdas e recusas a amostra foi acrescida de 20%, totalizando 81 crianças, sendo 27 crianças por grupos (intervenção e controle). O resultado primário será a mudança no “z escore” do IMC, e os resultados secundários serão ingestão de alimentos, conforme marcadores sugeridos, circunferência da cintura e exames bioquímicos. Todos os aspectos éticos serão seguidos.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 02/12/2020-31/12/2022
Foto de perfil

Luisa Medeiros Massarani

Outra

Divulgação Científica
  • instituto nacional de ciência e tecnologia em comunicação pública da ciência e tecnologia
  • O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia (INCT-CPCT) é uma rede de grupos de pesquisa que envolve 126 pesquisadores e estudantes de 13 universidades e instituições de pesquisa e ensino de todas as regiões do país (FIOCRUZ, UFRJ, UFMG, UFPA, UFSC, USP, UFPE, UNB, UFF, Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST, Museu da Amazônia - MUSA e Fundação CECIERJ), além de pesquisadores em comunicação pública da CT de diversos países (EUA, Reino Unido, Alemanha, França, China, Itália, Colômbia e Argentina). O objetivo é realizar pesquisas de elevada qualidade e gerar novos conhecimentos em comunicação pública da ciência e tecnologia (CPCT). Pretende-se investigar, desenvolver, aplicar e testar um conjunto de metodologias, instrumentos e ações relacionadas com a divulgação científica, que contribuam para a melhoria das atividades de popularização de Ciência e Tecnologia (CT) e de educação científica, além de fornecer subsídios para o aprimoramento de políticas públicas no setor. O INCT – CPCT visa formar e qualificar pessoas capacitadas para atuar em pesquisa nesta área e em atividades de divulgação científica na mídia, nas universidades, instituições de pesquisa, espaços científico-culturais, órgãos governamentais e outras entidades públicas ou privadas. Uma comunicação pública da CT de qualidade e a realização de atividades diversificadas de popularização da CT, aliadas à melhoria da educação científica, são desafios importantes para o desenvolvimento científico e tecnológico, como reconhecido nos principais documentos de política científica e tecnológica do país: o Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação (2007-2010), as resoluções da IV Conferência Nacional de CT&I (2010), a Estratégia Nacional de CT&I (2012-2015) e o Plano Nacional de Educação (2014-2024). A melhoria da qualidade das ações de educação científica formal e não formal, para as quais as pesquisas e as metodologias em CPCT podem contribuir significativamente, estão relacionadas diretamente com a criação de uma cultura científica, a formação para a cidadania, a atração de jovens para as carreiras científicas e tecnológicas e a formação de profissionais qualificados em todas as áreas do conhecimento. A justificativa para a criação do INCT - CPCT está escorada em cinco pontos: 1) a importância de ser ter uma rede nacional para esta área emergente que contribua para a sua expansão, para elevar a sua qualidade e para ampliar a formação de pessoal qualificado na graduação e na pós-graduação; 2) a existência no país de uma massa crítica de pesquisadores em CPCT, traduzida em 279 registros no Banco de Teses da Capes relacionados à área, no período de 2010 a 2012, incluindo teses de doutorado (60), dissertações de mestrado acadêmico (182) e dissertações de mestrado profissional (37), que foram formados em cursos diversos de PG. O núcleo de pesquisadores brasileiros orientadores do INCT – CPCT, em um total de 30, tem significativa produtividade na área, com trabalhos publicados em revistas internacionais e nacionais indexadas (229), em livros e capítulos de livros (163) e em orientações de PG (14 doutores, 38 mestres e 36 em especialização); 3) o forte caráter interdisciplinar da equipe participante do INCT – CPCT e sua ampla diversidade regional, com grupos em todas as regiões do país; 4) a amplitude e a grande qualidade dos grupos de pesquisa internacionais que estão associados ao INCT, o que possibilitará uma cooperação internacional intensa, que contribua para aumentar o padrão de competitividade dos grupos nacionais; 5) uma rede de caráter nacional em CPCT poderá colaborar para a ampliação e melhoria das atividades de popularização da CT no país. As quatro linhas de pesquisa do INCT – CPCT são: 1) Percepção Pública da CT; II) Ciência na mídia: estudos de representações sociais, das relações entre ciência e mídia e de audiência/recepção; III) Estudos em museus de CT e outros espaços científico-culturais; IV) Políticas Públicas em Popularização da CT e Participação Cidadã. O programa de formação é um eixo de grande destaque no INCT – CPCT e terá três vertentes: cursos de longa duração em PG, com a criação inicial de um mestrado específico e com a continuidade e ampliação do trabalho de orientação dos participantes do INCT em outros cursos de PG, em temas de CPCT; a criação de disciplinas de CPCT para alunos de graduação, e cursos de curta duração. No programa de formação a participação dos grupos do exterior será particularmente importante. O projeto abarca, ainda, ações para a transferência de conhecimento para empresas e o setor público, em uma parceria com a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) e no âmbito da formulação e avaliação de políticas públicas. O Plano de Divulgação e Popularização da CT terá como uma ação importante a produção e distribuição de vídeos e programas de divulgação científica para exibição em locais públicos, TV e internet, em particular com os programas “A Ciência que Eu Faço” e “Mostra VerCiência” integrados a esta proposta. O INCT – CPCT buscará também colaborar com os outros INCTs em suas atividades de divulgação. A coordenadora do INCT – CPCT será Luisa Massarani (Museu da Vida - COC - FIOCRUZ) e o vice-coordenador Ildeu de Castro Moreira (Instituto de Física - UFRJ). O Comitê Gestor terá como membros: Ildeu de Castro Moreira (UFRJ); Luisa Massarani (FIOCRUZ); Maria Ataide Malcher (UFPA), Tattiana Gonçalves Teixeira (UFSC) e Yurij Castelfranchi (UFMG).
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 29/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Luisa Medeiros Massarani

Outra

Divulgação Científica
  • vacinas, mídia e redes sociais
  • A pandemia da COVID-19 colocou a discussão sobre vacinas como um tema planetário. O Brasil possui um histórico de boa cobertura vacinal, disponibilizando gratuitamente para a população todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para todos os grupos-alvo de vacinação. Porém, atualmente, constata-se um aumento da parcela da população sem imunização adequada, ampliando o risco de ressurgimento de doenças controladas ou eliminadas no país. Estudos indicam que a população brasileira apresenta alta aceitação de vacinas, se comparada à de outros países. No entanto, no contexto da pandemia e da desinformação, as discussões em torno das vacinas em geral e em particular contra a COVID-19 tornaram-se complexas em nosso país. Tendo como premissa a centralidade da comunicação nas discussões sobre as vacinas na esfera pública, este estudo tem como objetivo analisar a cobertura sobre as vacinas na mídia e a circulação de informações sobre a temática em ambientes digitais e redes sociais. Em particular, realizaremos tal análise sob uma perspectiva longitudinal, buscando identificar em que medida a cobertura e a circulação de informações sobre vacinas mudaram ao longo do tempo e especialmente com a pandemia da COVID-19. Para dar conta de tal objetivo ambicioso, faremos aproximações diferenciadas sobre o tema, visando montar um panorama geral da temática a partir de três estudos específicos inter-relacionados: 1. Mapeamento da circulação de informações e desinformações sobre vacinas nas redes sociais e ambientes digitais; 2. Análise da mídia impressa (estudo de caso com dois jornais de grande circulação); 3. Análise da TV (estudo de caso com dois telejornais e dois programas de infotainment). Tendo em vista as especificidades de cada um desses estudos e a diversidade de metodologias possíveis, com seus potenciais e limitações, optamos também por desenhos metodológicos diferenciados, visando, ao final deste projeto, montar partes fundamentais desse quebra-cabeça de como os temas relacionados às vacinas permeiam a esfera pública. Sendo assim, este projeto de pesquisa tem relação com dois eixos temáticos (Divulgação em ciências, tecnologias e saúde; Disseminação de informação em ciências e saúde) e o tema central desta Chamada (História, Conhecimento e Saúde: desafios para a sociedade brasileira), contemplando o diálogo com os três subtemas (Humanidades Digitais; Abordagem Transdisciplinar em Emergências Sanitárias; Desafios contemporâneos para a sociedade). Este projeto reúne pesquisadores e divulgadores da ciência de seis instituições brasileiras (Fiocruz, Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Universidade Federal de Goiás e Universidade Federal do Recôncavo da Bahia), outros dois setores/unidades da Fiocruz (Programa de Computação Científica, vinculado à Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação, e Instituto Gonçalo Moniz/Bahia), três instituições estrangeiras e um jornal de grande relevância no país (O Estado de S. Paulo). Além de universidades de grande porte e relevância, a participação das Universidades Federais de Goiás e do Recôncavo da Bahia mostram a capacidade do projeto de formar recursos humanos em universidades com menor acesso à pesquisa em divulgação científica. Ainda no que se refere à formação de recursos humanos, integram a equipe alunos dos dois cursos de pós-graduação em divulgação científica da Casa de Oswaldo Cruz, a saber, do Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde e da Especialização em Divulgação e Popularização da Ciência. Além disso, o projeto se insere no escopo do Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia, ao qual estão vinculados cerca de 100 pesquisadores e divulgadores da ciência oriundos de 25 universidades e instituições científicas brasileiras e internacionais.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 29/10/2021-31/10/2024
Foto de perfil

Luiz Alberto Nicolaci da Costa

Ciências Exatas e da Terra

Astronomia
  • inct do e-universo
  • O Laboratório Inter-institucional de e-Astronomia (LIneA) surgiu em 2010 com a missão de estimular e coordenar a participação de pesquisadores brasileiros em grandes mapeamentos do Universo, realizados por consórcios internacionais, visando estudos em Astrofísica e Cosmologia. Assim o vem fazendo junto à colaboração do Sloan Digital Sky Survey III (SDSS III), pela constituição de um grupo de participação brasileira (BPG), composto por 11 pesquisadores (mais alunos) de seis instituições nacionais e responsável por diversos trabalhos já publicados com dados desse projeto. Da mesma forma, o LIneA também apóia o consórcio DES-Brazil, pelo qual 10 pesquisadores (mais pós-docs e alunos) vêm contribuindo para a ciência e para a infra-estrutura do Dark Energy Survey (DES), o qual iniciou suas observações há um ano atrás. A ciência extraída de grandes bases de dados (Big Data) é uma realidade cada vez mais presente no mundo moderno, e exige a cooperação entre cientistas e profissionais de tecnologia de informação, dentro de uma cultura distinta das colaborações tradicionais. A principal missão do INCT aqui proposto é a de, baseado na experiência acumulada e na infra-estrutura já disponibilizada pelo LIneA, formar uma nova geração de pesquisadores adaptados e essa nova realidade e, portanto, aptos a se inserir nessas grandes colaborações de maneira organizada, atuante e decisiva. O INCT e-U irá continuar a fazer uso de ferramentas modernas de colaboração científica não presencial, como listas de emails, wikis, bases documentais, webinars e ferramentas de gestão online, as quais já são largamente usadas nas instituições de ponta dos países com ciência altamente desenvolvida. Essas ferramentas serão utilizadas para continuar a promover uma participação efetiva nos já mencionados SDSS-III e DES, mas também para estender essa participação a outros grandes levantamentos internacionais futuros ou em vias de começar, como o SDSS-IV, o Dark Energy Spectroscopic Instrument e, como pano de fundo a mais longo prazo, o Large Synoptic Survey Telescope. Em função da enorme quantidade de dados resultantes desses levantamentos, os objetivos científicos envolvidos são os mais diversos, abrangendo estudos desde o Sistema Solar e sistemas planetários até a Cosmologia, passando pela estrutura e populações estelares da Galáxia, propriedades estruturais e dinâmicas de galáxias, de aglomerados de galáxias e estruturas em grande escala no Universo. Apesar de permitir amplo escopo de aplicações científicas, esses levantamentos visam primordialmente melhor entender o mecanismo responsável pela expansão acelerada do Universo, um efeito inesperado dentro do modelo dominado por matéria, aceito até alguns anos atrás, para descrever o cosmos. A energia desconhecida responsável por esta aceleração representa cerca de 70% da energia do Universo. Também constitui objetivo básico dessas grandes empreitadas científicas o de caracterizar a matéria escura que parece constituir em torno de 80% da massa do Universo, em escalas que vão do interior das galáxias até as grandes estruturas cósmicas. Mas, além das metas científicas por si, para as quais visamos contribuir e para cujo sucesso procuramos preparar uma nova geração de pesquisadores brasileiros, o INCT e-U almeja propagar nacionalmente uma nova cultura colaborativa e um novo paradigma de funcionamento interno de grupos e instituições nacionais ligadas à Astrofísica e à Cosmologia, colocando essas instituições em patamar de funcionalidade semelhante àquelas dos EUA e Europa Ocidental. Há que se ressaltar ainda os diferenciais do INCT e-U. Um deles é o de já ser, para todos os efeitos práticos, uma colaboração de âmbito nacional, representando uma visão estratégica de longo prazo para a pesquisa astrofísica, procurando agregar e apoiar pesquisadores que compartilham dessa visão e que colocam ênfase na e-ciência.
  • Associação Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia - RJ - Brasil
  • 29/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Luiz Angelo Berni

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • desenvolvimento de um pireliômetro por substituição elétrica
  • O estudo da radiação solar, tanto no âmbito terrestre quanto fora da atmosfera, é de fundamental importância dentro do contexto das mudanças climáticas globais e suas aplicações vão desde a compreensão do clima do planeta até a otimização de sistemas de energia. Os dados obtidos por satélites e os modelos computacionais não substituem as medições realizadas em solo no caso de instalações fotovoltaicas. Este projeto visa o desenvolvimento de um pireliômetro por substituição elétrica para medir a irradiância solar utilizando um sensor térmico do tipo cavidade desenvolvido no Instituto. O princípio de funcionamento desse tipo de radiômetro consiste em comparar o aquecimento gerado pela radiação incidente em uma superfície absorvedora (sensor) com a mesma quantidade de aquecimento gerado por efeito Joule em uma resistência elétrica acoplada ao mesmo sensor. O elemento sensor é conectado a um dissipador de calor por meio de uma pequena junção de baixa condutância térmica. A condutância térmica da junção deve ser alta o suficiente para não reduzir a sensibilidade do instrumento, mas deve permitir que o calor flua para o dissipador sem prejudicar o tempo de resposta do radiometro. O sensor é mantido a uma temperatura fixa e durante o período de exposição a potência elétrica é reduzida na mesma proporção da potência absorvida para manter a temperatura do sensor constante. A diferença da potência elétrica antes e depois da exposição é igual à potência incidente no sensor. A precisão destes instrumentos para acompanhar a variabilidade da irradiância solar dever ser da ordem de 0,01%, que tentaremos atingir através da variação dinâmica dos tempos de transição de temperatura em relação à frequência de exposição e da inserção de técnicas de processamento/controle de sinais embarcados em circuito microcontrolados dedicados. O conhecimento adquirido com este instrumento ajudará na proposta futura de um radiômetro para a medição da irradiância solar a bordo de um satélite.
  • Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - SP - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Luiz Antonio Araújo Gonçalves

Ciências Humanas

Geografia
  • restruturação e desigualdades socioespaciais na cidade média de sobral/ce
  • As cidades médias são consideradas atualmente como centros urbanos capazes de promover um maior equilíbrio territorial urbano e por se constituírem em “espaços ideais” para de investimentos na implantação das atividades econômicas. São idealizados como locais favoráveis a uma melhor qualidade de vida, haja vista os problemas que afligem comumente os habitantes das grandes metrópoles. Destacam-se, ainda, por serem centros que estabelecem relações mais diretas com o entorno territorial. No contexto de reestruturação da economia, da política e da sociedade, o papel das cidades médias tem sido ampliado pela maior atração de migrantes procedentes de suas respectivas áreas de influência, elevando as taxas de urbanização e crescentes desigualdades socioespaciais. Entender o papel da cidade média de Sobral no contexto das novas lógicas do uso do território constitui o objetivo central desse estudo. Considerando que as dinâmicas por ela vivenciada torna-se elemento chave para o entendimento das novas formas de apropriação e configurações territoriais das cidades médias nordestinas. De acordo com o IPEA, as cidades médias registraram nos últimos 30 anos, elevadas taxas de crescimento populacional urbano e crescente densidade demográfica, tornando-se atrativa para a locação de investimentos econômicos. A relação entre o crescimento da cidade média e o aumento populacional urbano está no cerne das preocupações conceituais. A cidade média ao ser definida segundo uma hierarquia, ou seja, em relação à metrópole e as cidades menores, situando-se, portanto, em um nível intermediário em termos demográficos, varia segundo a região e/ou país e o período considerado. É, sobretudo, na base territorial que se busca o nexo entre os espaços de atuação da cidade de Sobral e sua importância na rede urbana cearense e assim pretendemos estabelecer as correlações entre as categorias e o empírico desse estudo.
  • Universidade Estadual Vale do Acaraú - CE - Brasil
  • 19/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Luiz Antonio Biasi

Ciências Agrárias

Agronomia
  • bases para obtenção de indicação geográfica para produção de vinhos finos na região de campo largo
  • O cultivo de uvas para a produção de vinhos finos, tem se destacado no Brasil, impulsionado pelo aumento do consumo deste tipo de bebida e pela valorização da origem geográfica destes vinhos, reconhecida oficialmente pela chamada Indicação Geográfica (IG). A Região Metropolitana de Curitiba é historicamente conhecida como uma região vitivinícola de colonização europeia e mais recentemente tem apresentado um crescimento no cultivo de uvas finas, por vinícolas que estão organizadas em uma associação, a VINOPAR, que também faz parte do projeto REVITIS do Governo do Estado do Paraná, para a revitalização da vitivinicultura paranaense. A caracterização climática e o estudo agronômico das cultivares são essenciais para explorar ao máximo o potencial vitícola e enológico da região. Neste sentido, este projeto tem como objetivo obter informações precisas sobre os aspectos fenológicos e da produção de cultivares de uvas finas e caracterizar o clima e o vinho produzido a partir destas uvas, com vistas a fornecer embasamento técnico para a futura obtenção de IG para a Região de Campo Largo. A pesquisa será desenvolvida em vinhedos comerciais e num novo vinhedo da região, sendo avaliadas cerca de 19 cultivares. Serão coletados dados meteorológicos durante os ciclos avaliados. As avaliações envolverão a caracterização dos principais estádios fenológicos relacionados aos fatores e índices bioclimáticos, a fertilidade das gemas, a caracterização dos cachos e das bagas, o desempenho agronômico, a caracterização da maturação tecnológica e fenólica das uvas e a qualidade do vinho produzido. Pretende-se ao final do projeto selecionar as cultivares mais adaptadas para a região em estudo, construir um banco de informações detalhadas do clima, das características das cultivares e do vinho produzido e iniciar a estruturação da uma IG para a região de Campo Largo.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025