Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Willy Alvarenga Lacerda

Engenharias

Engenharia Civil
  • instituto geotécnico de reabilitação do sistema encosta-planície e desastres naturais
  • No Brasil, o processo histórico e atual de ocupação das terras tem promovido transformações cada vez mais rápidas no meio urbano-industrial e no meio rural, deixando rastros de degradação sócio-econômica-ambiental e degenerando a qualidade de vida. A integração destas transformações com as mudanças climáticas em curso favorecem não apenas as alterações nos regimes de chuvas com aumento de frequência das chuvas intensas, mas também a elevação do nível do mar. Tais fatos permitem antever a intensificação das ameaças e riscos de desastres relacionados a fenômenos naturais como os movimentos de massa e erosão nas encostas; assoreamento nos rios e inundações nas planícies fluviais e baixadas costeiras, igualmente sujeitas a instabilização dos materiais de superfície. A magnitude destes desastres pode atingir uma dimensão catastrófica em períodos de eventos climáticos extremos, especialmente nas áreas mais habitadas dos centros urbanos e industriais, ou mesmo em áreas rurais de produção florestal, agrícola e pastoril. Estes eventos extremos geralmente catalisam outras formas de instabilidade relacionadas, por exemplo, ao rompimento de dutos (de óleo, gás, etc.) e espraiamento de contaminantes químicos; ou bloqueio de vias de circulação; dentre outras. O atual INCT-REAGEO sustenta uma tradição de pesquisas com foco central nos aspectos geotécnicos associados a encostas e planícies. A continuidade e desdobramento das pesquisas, ora proposta como FASE II, prendem-se a consolidação e desdobramento do conhecimento científico e das inovações metodológicas e tecnológicas alcançadas até o presente. A ênfase atual converge para pesquisas voltadas à previsão, prevenção, mitigação e reabilitação dos sistemas de encostas e planícies/baixadas costeiras frente aos desastres naturais induzidos por chuvas extremas. Isto envolve a geração de conhecimento básico sobre os condicionantes e mecanismos de instabilização, movimentos de massas e erosão dos solos, em ambientes de encostas e planícies, visando o aprimoramento metodológico das cartas de suscetibilidade e de riscos em diferentes escalas de interesse para planejamento e gestão territorial-ambiental. Envolve também o aprimoramento e desenvolvimento de novas técnicas de estabilização e de reforço de solos em zonas de riscos. Acrescentam-se os estudos afins aos desastres em taludes submarinos dentro da realidade de exploração do petróleo na zona do Pré-Sal. Pretende-se em ultima instancia, o desenvolvimento de novos conceitos associados ao reconhecimento, classificação e zoneamento de áreas de riscos, assim como o aperfeiçoamento dos métodos de engenharia existentes e a proposição de novos procedimentos e técnicas de intervenção. Trata-se de uma demanda espontânea relacionada à segurança direta da população, com atenção especial sobre áreas urbanas e rurais, vias de circulação de bens (rodovias e ferrovias) e acessos portuários, contribuindo, portanto, para a integração nacional e a estabilidade sócio-econômica e ambiental do país. Esta proposta dará continuidade a pesquisas em andamento, com procedimentos metodológicos e tecnológicos integrados. A equipe envolvida é formada por pesquisadores com grande experiência nos tópicos ora abordados. São profissionais de dedicação exclusiva da COPPE-UFRJ, IGEO-UFRJ, UERJ, UFPE, UFRGS e UNB, com atuação abrangente em geotecnia, geologia, geomorfologia, geoecologia e hidrologia nos ambientes de encostas, planícies e talude submarino. Vale ressaltar que as instituições envolvidas participam do INCT-REAGEO desde sua fundação em 2009, agregando equipes com um histórico de colaboração anterior. Prioriza-se uma visão integrada dos processos atuantes no sistema encosta-planície. Os resultados pretendidos servirão à sociedade como base de planejamento e gestão territorial-ambiental, fornecendo o suporte técnico-científico para estabelecimento de previsão e monitoramento dos fenômenos em foco, e de medidas inovadoras de mitigação, prevenção, adaptação e reabilitação. O programa do INCT-REAGEO/Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia sobre Reabilitação do Sistema Encosta-Planície: FASE II, foi estruturado de modo a contemplar pesquisas fundamentais e aplicadas, inovadoras, e afins ao melhor entendimento e controle dos mecanismos hidrológicos e mecânicos reguladores da estabilidade de encostas e das planícies fluviais e costeiras. Destaca-se o aprimoramento de metodologias apoiadas em Sistemas de Informação Geográficas (SIG) e aplicadas na construção das cartas de susceptibilidade e de riscos afins aos fenômenos naturais indicados no Projeto e o aprimoramento de tecnologias voltadas à reabilitação de áreas degradadas via revegetação e/ou intervenções geotécnicas apropriadas. Nas planícies costeiras destaca-se ainda o aprimoramento das técnicas de disposição de sedimentos dragados, controle de contaminação e construção em solos moles. Como extensão, busca-se também avaliar e contribuir no aprimoramento dos sistemas de alerta e alarme frente aos desastres naturais em foco, especialmente nas áreas urbanas onde se concentra grande parte da população. O projeto envolve a formação e qualificação de recursos humanos em níveis de doutorado, mestrado e iniciação científica, assim como em nível de pós-doutorado. Estimula-se a articulação e integração entre os Grupos de Pesquisas e a colaboração com Empresas e Órgãos Governamentais. Incluem-se ofertas de cursos de extensão e de publicações voltados à transferência de conhecimento e de tecnologias para grupos técnicos e material didático para a população em geral.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 28/11/2016-30/11/2022
Foto de perfil

Wilma de Nazaré Baía Coelho

Ciências Humanas

Educação
  • para além das salas de aula: sociabilidades adolescentes, relações étnico-raciais e ação pedagógica
  • O presente projeto, PARA ALÉM DAS SALAS DE AULA: SOCIABILIDADES ADOLESCENTES, RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E AÇÃO PEDAGÓGICA, analisar as sociabilidades construídas pelos estudantes dentro do ambiente escolar, atentando para a atenção que despertam nos educadores e, consequentemente, para a ação pedagógica da escola. Ele almeja problematizar o modo pelo qual tais sociabilidades se articulam com os conteúdos de natureza axiológica trabalhados pela Escola. Ele objetiva, sobretudo, analisar de que forma tais sociabilidades lidam com as diferenças (especialmente as de natureza étnico-racial, mas não só), relacionando-as com o trabalho desenvolvido pela escola. O projeto proposto, então, elege os estudantes e os agentes escolares como focos da reflexão, de modo a sopesar, de um lado, o impacto que o conteúdo trabalhado pela escola exerce, pautando comportamentos, e, de outro, analisando os modos pelos quais aquelas sociabilidades se conformam em objeto da atenção e da intervenção docente. Nesse sentido, a pesquisa proposta não considera que a relação entre o conteúdo trabalhado e a formação se limita ao aproveitamento expresso em instrumentos de avaliação. Ela amplia a perspectiva acerca da aprendizagem ao projetar uma análise sobre as formas de sociabilidade vividas no ambiente escolar, considerando-as como indícios importantes da visão que os estudantes apresentam não somente sobre o mundo que os cerca, mas sobre o sistema educacional em si. O projeto de pesquisa pretende, então, explicar de que forma as sociabilidades valorizadas entre os adolescentes reproduzem, articulam ou subvertem os estereótipos que pautam as práticas discriminatórias recorrentes no universo brasileiro. Os conceitos de Dominação, habitus e Violência simbólica, de Pierre Bourdieu, fundamentam uma compreensão das sociabilidades e da ação pedagógica como estruturas construídas socialmente e, não raramente, reproduzidas em função das circunstâncias impostas pela cultura dominante. A pesquisa proposta considerará as preferências relativas à formação de grupos e os comportamentos a ele relacionados como índices de visões de mundo e de identificação social. Por meio desta abordagem, analisar-se-ão as relações de sociabilidades e os significados que lhe são atribuídos, relacionando-os ao cotidiano escolar de forma a examinar o papel exercido pela escola diante de tais relações. Assim, pretende-se verificar como os estudantes e a escola lidam com as diferenças, especialmente as de natureza étnico-racial. Para tanto, o projeto analisará as relações que os adolescentes, estudantes de seis escolas da Rede Pública da cidade de Belém - no Estado do Pará, engendram no ambiente escolar, por meio de três dimensões complementares. Por um lado, a pesquisa realizará uma etnografia do espaço escolar, considerando as relações de poder estabelecidas entre os adolescentes, a partir dos grupos nos quais se inserem; por outro lado, a pesquisa sopesará as representações que os adolescentes formulam sobre as relações vividas dentro do espaço escolar; além disso, analisará os modos pelos quais os educadores (professores, gestores e coordenadores pedagógicos) lidam com tais sociabilidades.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Wilson Aires Ortiz

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • controle da dinâmica de vórtices em filmes supercondutores e híbridos
  • Usando a técnica de Imageamento Magnetoótico - que permite a determinação da distribuição espacial do fluxo magnético - associada a outras técnicas convencionais de medidas magnéticas, o projeto visa estudar a dinâmica de vórtices durante sua penetração em amostras supercondutoras, tanto no regime de penetração suave quanto durante avalanches de fluxo. Para concretizar esses estudos utilizaremos amostras na forma de multicamadas supercondutor/ferromagneto, supercondutor/metal normal, filmes supercondutores de diferentes espessuras e ainda amostras com gradiente de espessura (cunha).
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Wilson da Silva Gomes

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • instituto nacional de ciência e tecnologia em democracia digital
  • INCT EM DEMOCRACIA DIGITAL E GOVERNO ELETRÔNICO – INCT-DD A democracia digital - ou o uso de ferramentas digitais para complementar, corrigir ou reforçar a democracia por meio de mais (e melhor) participação cidadã, transparência pública, governo aberto, deliberação pública etc. - é dos temas e fenômenos sociais mais importantes no início do século XXI. As iniciativas de e-democracia conduzidas ou patrocinadas pela sociedade, por governos e por organizações locais, nacionais e multilaterais, na forma de projetos ou de ações espontâneas, têm se multiplicado globalmente e em grande velocidade, renovando expectativas de revigoramento das instituições e processos que sustentam a democracia liberal. A importância intrínseca da democracia é reconhecida numa escala sem precedentes históricos no início deste milênio. No entanto, são crescentes os índices de apatia e desinteresse dos indivíduos nos assuntos públicos, como tem sido fartamente documentado pela literatura especializada. Mesmo os rompantes de participação, mormente na forma de protestos e manifestações de massa, são eventuais, sazonais e com baixa efetividade se considerarmos sua capacidade de influenciar os tomadores da decisão política formalmente constituídos. Neste quadro, as possibilidades conferidas por plataformas, aparelhos e ambientes de conexão digital, assim como os usos sociais que daí podem derivar, têm sido lidos mundo afora como uma nova onda de renovação da democracia, voltada para incrementar formas de governo e de governança mais transparentes e accountable, para promover participação política e engajamento cívico, e, consequentemente, para aumentar a legitimidade da própria democracia. O presente projeto propõe a criação do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital – INCT-DD, a ser estabelecido em forma de rede de grupos de pesquisa, com o intuito de: (i) estudar, de forma integrada, o estágio atual da e-democracia no Brasil e no mundo por meio da investigação científica e do monitoramento de iniciativas realizadas pelo Estado, por organizações da sociedade e por organismos multilaterais; (ii) articular a pesquisa e o desenvolvimento em e-democracia com o universo de demandas e de propostas provenientes dos três outros setores principais geralmente envolvidos nesses projetos: o Estado, a sociedade e suas organizações, os organismos e agências internacionais; (iii) formular e aplicar indicadores para avaliação e certificação de experiências de e-democracia. No bojo dessas ações, pretende-se, ainda, desenvolver soluções e projetos de e-democracia, contribuindo para a inovação tecnológica nesse campo. A aprovação do INCT em Democracia Digital produziria os seguintes efeitos: a) Dotaria o país de um centro de referência singular numa área extremamente importante, capaz de acompanhar e interagir com instituições congêneres que se vêm instituindo em todo o mundo. b) Ofereceria as condições para a consolidação de uma rede já existente e a sua expansão em bases consistentes, com a agregação de praticamente todos os grupos e laboratórios de pesquisa nacionais que atuam nas áreas temáticas do Instituto. c) Daria grande velocidade e sustentação à internacionalização da pesquisa e da produção intelectual nacional sobre democracia digital em condições duradouras, simétricas e sustentáveis. No conjunto, o INCT parte com 79 pesquisadores, sendo 48 pesquisadores da EQUIPE DO PROJETO e 31 estrangeiros na EQUIPE DE COLABORADORES, envolvendo 33 instituições, sendo 19 brasileiras e 24 estrangeiras. O INCT atuará em 7 grandes linhas na especialidade da democracia digital. 1) ePARTICIPAÇÃO Envolve diferente ações e mecanismos que habilitam e empoderam cidadãos para expressar opiniões e, potencialmente, para influenciar os processos de tomada de decisão e que ocorrem mediante tecnologias digitais. 2) eDELIBERAÇÃO & ESFERA PÚBLICA ONLINE A discussão ou a deliberação pública por meios eletrônicos, baseada em projetos ou em iniciativas espontâneas, tornou-se fenômeno indispensável para qualquer perspectiva de uso das comunicações digitais para produzir mais e melhor democracia. 3) GOVERNO ELETRÔNICO & PARLAMENTO DIGITAL Poderes e instituições do Estado, órgãos da administração pública, agências, partidos, corpos parlamentares são todos componentes do Estado moderno que tendem a empregar fortemente recursos, plataformas, ferramentas e projetos digitais para: a) melhorar o seu funcionamento interno, facilitar os procedimentos de prestação de contas e controle horizontal, incrementar os canais de interação com o cidadão. 4) TRANSPARÊNCIA DIGITAL & GOVERNO ABERTO A transparência digital é o emprego de tecnologias de informação digital baseadas na interconexão em larga escala para incrementar a transparência governamental ativa e passiva. Governos aberto em que dados e documentos estão à disposição da demanda proveniente do público, da sociedade civil ou das organizações inteligíveis e passível de serem auditados. 5) INTERNET E SOCIEDADE CIVIL & GRASSROOTS eDEMOCRACY Tendência a desenhar processos, ferramentas e recursos digitais que favoreçam o empoderamento e a mobilização das comunidades locais, das minorias, dos movimentos e organizações sociais, dos cidadãos comuns e avulsos. 6) POLÍTICA EM AMBIENTES DIGITAIS As múltiplas linhas de interação entre ambientes, recursos, ferramentas, práticas e até iniciativas baseadas em tecnologias digitais de comunicação são um fenômeno contemporâneo notável que vem sendo acompanhado desde os anos 1990. 7) CÓDIGOS E PRIVACIDADE & GOVERNANÇA DA INTERNET As tecnologias digitais e a comunicação em redes cibernéticas inserem novos elementos no cenário de disputas que guardam características ambivalentes. A governança da Internet diz respeito à administração técnica dos recursos nucleares da rede e ao controle das plataformas conectados às franjas da mesma (que se espalham por múltiplas jurisdições e estão sujeitos a regimes jurídicos variados).
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 29/11/2016-30/11/2022