Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Eduardo Kazuo Kayo

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • decisões de investimento e financiamento no setor de energia elétrica
  • 1. Nos últimos anos, temos assistido a uma tendência mundial de mudança na matriz energética com investimentos crescentes em fontes renováveis de energia, de forma a aumentar a oferta e reduzir o impacto negativo de fontes poluentes. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento de novas tecnologias (e.g., carros híbridos) aumenta a demanda por energia e por investimentos em toda a cadeia de valor do setor (i.e., geração, transmissão e distribuição de energia). 2. Segundo a Empresa de Pesquisa Energética, 63,5% da geração elétrica no Brasil em 2019 dependia de hidrelétricas, o que deixa o país extremamente dependente das condições meteorológicas, ao passo que outras fontes renováveis de energia, como a eólica e a solar, ainda tinham baixa participação na matriz energética do país em 2019, de 8,9% e 1,1% respectivamente. Portanto, o Brasil apresenta um grande potencial de crescimento nos investimentos em energia renovável. 3. O problema de pesquisa geral deste projeto envolve a análise das decisões de investimento e financiamento de empresas do setor elétrico brasileiro e internacional. 4. A questão específica que se pretende analisar é: Quais são as causas e consequências das decisões de investimento e financiamento de empresas do setor elétrico brasileiro e internacional? 5. Esse tema é estrategicamente importante para todos os países, mas particularmente importante para o Brasil que, nas últimas décadas, tem enfrentado severas crises de abastecimento de energia em função das condições hídricas e climáticas e dos reduzidos investimentos em fontes alternativas de energia. 6. A estratégia metodológica inclui desde técnicas econométricas tradicionais, como regressões por Mínimos Quadrados Ordinário, até soluções mais modernas e robustas, com técnicas de quase-experimento e experimentos naturais (e.g., diferença-em-diferenças), efeitos de tratamento com uso de matching, etc, para mitigar problemas de endogeneidade típicas dos fenômenos a serem analisados.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Eduardo Leite Krüger

Ciências Sociais Aplicadas

Arquitetura e Urbanismo
  • rede de conforto térmico: desenvolvimento de estação microclimática de baixo custo (embc) e padronização de protocolo de coleta de dados.
  • O enfrentamento dos efeitos deletérios das mudanças climáticas e a demanda por edifícios eficientes tornam imperativa a realização de pesquisas sobre conforto térmico no Brasil com vistas à melhoria da qualidade ambiental do ambiente construído. Essa necessidade é ainda maior se considerarmos a distribuição geográfica dos estudos sobre conforto térmico já realizados, pois a maioria deles se concentra na Europa, Ásia e América do Norte. Portanto, há uma lacuna a ser preenchida com relação aos limites de conforto térmico para as populações dos diversos climas brasileiros. A inexistência de uma rede integrada de pesquisa dedicada ao tema e o alto custo dos equipamentos para pesquisa são também barreiras a serem vencidas. Assim, esta pesquisa parte da hipótese de que diversos modelos de conforto térmico são pouco adequados à população brasileira, especialmente considerando a diversidade climática do país. Neste contexto, pretende-se, a partir da formação de um grupo de pesquisa atuante em distintas regiões do país, desenvolver uma Estação Microclimática de Baixo Custo (EMBC) para monitoramento térmico do espaço construído e elaborar um protocolo para levantamento de dados relativos à percepção térmica do ocupante. O método a ser adotado integra o desenvolvimento da EMBC em conjunto com o desenvolvimento de protocolo padronizado para coleta de dados (variáveis subjetivas individuais e variáveis ambientais associadas ao conforto térmico). Os resultados deste projeto contribuirão para unificar e padronizar as pesquisas em conforto térmico no Brasil e para a construção de modelos de conforto mais condizentes com a diversidade climática e populacional do país.
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 07/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Eduardo Lucas Subtil

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • tratamento de lixiviado de aterro sanitário em biorreator eletroquímico com membranas: remoção de poluentes, geração de energia, formação de depósito e análise da comunidade microbiana
  • O tratamento de lixiviado é ainda um grande desafio para a Engenharia Sanitária pela presença de poluentes de difícil degradação e elevada toxicidade. Embora os biorreatores com membranas (MBR) sejam uma opção importante para tratar esse efluente, a remoção de micropoluentes e poluentes recalcitrantes, a intensificação do depósito nas membranas, a inibição da nitrificação e o gasto de energia são ainda barreiras para aplicação da tecnologia. A hipótese central desta pesquisa é que a integração de células combustíveis microbianas (CCM) com a adição de material suporte pode melhorar o desempenho de reatores de membranas (MBR) no tratamento de lixiviado. Especificamente, almeja-se responder: A separação dos processos de óxido-redução e bioeletroquímico podem aumentar a remoção de poluentes e gerar eletricidade? O uso de material granular é capaz de reduzir o depósito externo das membranas e melhorar a remoção de poluentes? Quais são os microrganismos envolvidos nos bioprocessos? Quais são as condições ótimas para os processos? O projeto é um desdobramento de um estudo iniciado com co-tratamento de lixiviado em MBR pelo proponente, que identificou microrganismos na CCM com potencial para degradar compostos recalcitrantes e melhorar a nitrificação e também a necessidade de controlar a formação de depósito em MBR com lixiviado. Para isto, serão utilizados dois MBRs em paralelo alimentados com lixiviado do aterro sanitário de Santo André/SP, um deles será a unidade controle, e o outro será o sistema integrado com a CCM, com dois compartimentos e com diferentes condições e tipo de biomassa. Serão caracterizados os processos de conversão e remoção de poluentes convencionais e emergentes, bem como uma robusta caracterização das comunidades microbianas pela metagenômica do gene 16S rDNA. A formação de depósito nas membranas será avaliada em função da composição do licor misto, das resistências a filtração e da caracterização avançada da superfície da membrana.
  • Universidade Federal do ABC - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • o papel das engenharias, ciência e tecnologia na popularização e fortalecimento da educação
  • Este documento trata da proposta de continuidade ao projeto de cunho estratégico intitulado Programa de Apoio aos Estudantes das Escolas Públicas do Estado (PAESPE), que tem por finalidade a implantação de um programa de formação de recursos humanos na área das ciências exatas, humanas e naturais, visando, o desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado de Alagoas, antecipando demandas de tecnologias e estratégias claramente reconhecidas e analisadas. O objetivo principal da presente proposta é alavancar a preparação dos alunos carentes da 9ª série, 1º (PAESPE Jr) e 3º ano (PAESPE) do ensino médio aos matriculados nas escolas públicas estaduais e moradores do entorno da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e de outros municípios a, em princípio, ingressarem na UFAL. Desta forma, irá ampliar as condições de acesso ao nível superior de ensino dando ênfase para as ciências exatas, humanas e naturais, e tendo como pretensão final criar uma rede de cursos preparatórios comunitários com a sociedade organizada, tendo como referência o PAESPE. Para o ano de 2022 o projeto conta com a participação de mais de 10 escolas públicas que já estão engajadas na presente proposta. Como estratégia de ação, serão realizadas atividades das seguintes modalidades: Portas abertas, Seminário ou Ciclo de Palestras, Conjunto de Oficinas de CT&I, mostra de vídeos e mostra de Engenharia. As ferramentas utilizadas serão games, jogos on-line gratuitos para realização de atividades para divulgação das Engenharias Civil, Química, Ambiental e Sanitária e Petróleo do Centro de Tecnologia da UFAL. Além disso serão realizadas oficinas para trabalhar temas ambientais da Engenharia nas seguintes temáticas alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: igualdade de gênero, água potável e saneamento, energia limpa e acessível, redução das desigualdades, cidades e comunidades sustentáveis (oficinas para produção de sabão), ação contra a mudança global do clima, vida na água, entre outros.
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 12/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Eduardo Martín Tarazona Santos

Ciências Biológicas

Genética
  • o cloud-computing da aws como ambiente padrão para as soluções bioinformáticas desenvolvidas nos projetos epigen-brasil e elsi
  • Apresentamos o presente projeto na linha temática de Biotecnologia. O projeto aborda pipelines e ferramentas bioinformáticas de análise genômica, uma biotecnologia produto do desenvolvimento da biologia molecular e da sua aplicação em grande escala. Esta grande escala relaciona a genômica com a bioinformática, e apresentamos aplicações em diferentes áreas das ciências da Saúde, tais como a Epidemiologia-Genética (estudos de associação genótipo-fenótipo em grande escala) e no contexto clínico. Nosso grupo atua na interface entre Ciências da Computação, Estatística e Genética, atuando da aplicação de desenvolvimento de novos conceitos e ferramentas de análise de dados biológicos. As linhas de pesquisa do Laboratório de Diversidade Genética Humana, localizado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), compreendem projetos interdisciplinares que envolvem os campos de genômica humana, biologia computacional e saúde pública. Importantes projetos multicêntricos já realizados ou em execução no Brasil contam com a participação do LDGH dentre seus membros colaboradores institucionais, especialmente para o suporte nas áreas de Genômica e Bioinformática. Duas iniciativas principais, já financiadas pelo Ministério de Saúde (MS-DECIT) e das quais o LDGH é participante são o Projeto EPIGEN-Brasil (Epidemiologia Genômica em Coortes Brasileiras de base populacional, 2009-2012, https://epigen.grude.ufmg.br/) e o Estudo Longitudinal de Saúde de Idosos (ELSI, 2016-vigente, http://elsi.cpqrr.fiocruz.br/a-pesquisa/objetivos/), coordenados no estado de Minas Gerais pela Profa. Dra. Maria Fernanda Lima e Costa. O suporte genômico e bioinformático destes projetos é proporcionado pelo LDGH -UFMG, o qual é coordenado pelo Prof. Dr. Eduardo Tarazona Santos. Além da nossa participação nos projetos EPIGEN-Brasil e ELSI, que tem uma clara componente populacional e epidemiológica, estamos colaborando com o Instituto Fernandes Figueiras da Fundação Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro, um centro nacional de referência em doenças raras que trabalha no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS). A pergunta que guia o projeto é: como adaptar ferramentas e pipelines bioinformáticos desenvolvidos localmente para ambiente de cloud computing? Parte-se do pressuposto de que o ambiente AWS é adequado para ser considerado como plataforma referencial de execução de pipelines e utilização de ferramentas de bioinformática já desenvolvidos pelo Laboratório de Diversidade Genética Humana da Universidade Federal de Minas Gerais (LDGH-UFMG). O objetivo geral é adaptar as ferramentas e pipelines bioinformáticos já desenvolvidos localmente pelo LDGH-UFMG durante o projeto EPIGEN-Brasil (https://epigen.grude.ufmg.br/) para ser utilzado em ambiente de cloud computing AWS e garantir que os novos métodos e processos de análise a serem desenvolvidos no contexto do projeto ELSI (http://elsi.cpqrr.fiocruz.br) e a sua adaptação ao contexto clínico sejam adequados para o ambiente em nuvem disponibilizado pelo AWS. Os objetivos específicos são: (1) Adaptar as ferramentas desenvolvidas no contexto do projeto EPIGEN-Brasil, tais como o DANCE (Disease Ancestry Network, http://gilderlanio.pythonanywhere.com) e o MASSA (Multi-Agent System for SNPs Annotations) para serem executadas no ambiente de cloud computing da AWS, utilizando para tanto componentes disponíveis pela AWS, como o Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2) e o Amazon Simple Storage Service (Amazon S3). (2) Disponibilizar ambientes de trabalho em nuvem que compreendam a execução dos pipelines de análise já existentes no LDGH por meio da estruturação dos processos em linguagem WDL e gerenciamento por Cromwell (3) Desenvolver todos os processos de trabalho e análise do LDGH-UFMG no contexto do ELSI em linguagem WDL (Workflow Description Language, uma linguagem que objetiva especificar fluxo de análises de dados de forma legível e programável por humanos) e execução pelo Cromwell (um gerenciador de fluxo de análises implementado pelo Broad Institute) para permitir portabilidade ao sistema AWS. O produto deste projeto serão publicações de alto impacto, respondendo questões específicas nas áreas de genética de populações, genética clínica, epidemiologia genética e biologia computacional, seguindo o histórico de produção de alto impacto do grupo do Prof. Eduardo Tarazona Santos, que tem liderado publicações em revistas como PNAS (Kehdy et al. 2015, doi: 10.1073/pnas.1504447112, sobre os origens da miscigenação no Brasil), Clinical Pharmacology and Therapeutics (Rodrigues-Soares et al. 2020, doi: 10.1002/cpt.1598 sobre farmacogenética e ancestralidade), Molecular Biology and Evolution (Gouveia et al. 2020, no prelo, DOI: 10.1093/molbev/msaa033, sobre a origem e diâmica da diáspora africana), Genome Research (Magalhães et al. doi: 10.1101/gr.225458.117, sobre um painel de imputação para estudos epidemiológicos e recursos bioinformáticos do projeto EPIGEN).
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 19/09/2020-30/09/2022
Foto de perfil

Eduardo Martín Tarazona Santos

Ciências Biológicas

Genética
  • ancestralidade, doenças e medicina de precisão no brasil
  • Os genomas dos brasileiros, povo miscigenado, são mosaicos de ancestralidades europeias, africanas e nativas americanas. Embora o genoma seja linear, as implicações da informação que guarda o fazem multidimensional. A genômica humana se ocupa de conceitos complexos como mestiçagem e ancestralidade, em parte pela necessidade humana de conhecer nossa história, mas principalmente porque a distribuição geográfica de variantes genéticas que causam doenças depende da história. Nesse contexto, temos três objetivos: (1) A partir de dados genômicos das coortes de idosos de Bambuí (MG) e do Estudo Longitudinal de Saúde do Idoso (ELSI, de abrangência nacional) desenvolveremos e aplicaremos uma metodologia estatística baseada na Computação Bayesiana Aproximada, para inferir a dinâmica da miscigenação biológica e do viés sexual (acasalamentos entre homens e mulheres de populações com diferentes padrões de ancestralidade) nas populações brasileiras, integrando estas inferências com dados de demografia histórica, e propondo um modelo da distribuição das variantes genéticas associadas com doenças no Brasil; (2) A partir de dados de exomas de 200 brasileiros miscigenados com hemofilia A (doença mendeliana ligada ao cromossomo X) que desenvolveram anticorpos inibidores contra FVIII exógeno do tratamento, avaliaremos as arquiteturas genéticas da resposta ao protocolo de imunotolerância e de aspectos clínicos relacionados ao desenvolvimento de inibidores; (3) A partir de casos de pacientes miscigenados brasileiros com doenças raras, identificaremos as variantes genéticas responsáveis a partir do sequenciamento de exomas, implementando práticas de medicina de precisão. Num contexto em que a maior parte dos conhecimentos em genômica humana derivam do estudo de populações europeias, o foco nos componentes de ancestralidade africana e nativa americana dos brasileiros é uma oportunidade para elucidar novas variantes e mecanismos genéticos responsáveis por doenças.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 06/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Eduardo Mazoni Andrade Marçal Mendes

Engenharias

Engenharia Biomédica
  • desenvolvimento tecnológico para registros de imagem de cálcio em animais movendo-se livremente: dinâmica espaço-temporal de redes neurais em ensaios pré-clínicos
  • Como as redes neurais de nosso cérebro representam o mundo que nos cerca? Como estas redes interagem com nosso sistema motor gerando comportamentos essenciais para a sobrevivência? Essas são perguntas centrais às neurociências, cuja resposta, se é que única, só poderá ser respondida com abordagem trans/interdisciplinar e avanços tecnológicos que permitam registrar tanto aspectos da arquitetura das redes neurais quanto de sua dinâmica. Por duas décadas estudamos estas questões utilizando técnicas de imagem/bioquímicas para obter informações sobre a estrutura (p.e. microscopia, MRI, biologia molecular), ensaios comportamentais para quantificar função e eletrofisiologia para avaliar a dinâmica. Mais precisamente, as técnicas de registro das variáveis fisiológicas caem em um gradiente entre ter boa resolução espacial ou boa resolução temporal. Torna-se imperativo preencher o vão de técnicas que registrem vários elementos da rede neuronal, onde eles estão e quando entram em atividade para determinar os padrões espaço-temporais associados à dinâmica das interações sensório-motoras, memória, e até mesmo desordens neurológicas. Mais recentemente, a possibilidade de captar imagens da variação do cálcio intracelular (sinalizador da atividade neuronal), por meio do uso de microscópios miniaturizados (MM) acoplados ao cérebro de animais movendo-se livremente, traz exatamente esta perspectiva. Várias linhas investigativas de nosso grupo, assim como de vários outros laboratórios no Brasil, dariam um salto qualitativo se esta metodologia estivesse disponível, bem divulgada e com soluções adequadas ao cenário nacional - este projeto objetiva atender esta demanda. Aplicações imediatas na pesquisa desenvolvida no nosso grupo: 1) Solução de malha-fechada (detecção e supressão) para o tratamento das Epilepsias - trabalhos clínicos, básicos com patentes registradas; 2) Estudo de Memória e Isolamento Social; 3) Acidentes vasculares encefálicos e 4) Modelagem matemática de redes neurais.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Eduardo Resende Secchi

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • resiliência e estabilidade ecológica do estuário da lagoa dos patos e costa marinha adjacente perante a perturbações naturais e antrópicas
  • O sítio Estuário da Lagoa dos Patos e Costa Marinha Adjacente (PELD-ELPA), que teve início na primeira edição do programa PELD em 1998, tem como eixo científicos principal nesta proposta de renovação o tema de Resiliência, Estabilidade Ecológica e Biodiversidade e Funcionalidade do Ecossistema (BEF). O objeto principal é identificar relações entre diversidade biológica e funcionalidade ecossistêmica em diferentes níveis (e.g. populações, comunidades, grupos funcionais, níveis tróficos, sistemas), avaliando a estabilidade de longo prazo e a resiliência ecológica do ELPA frente às perturbações naturais e antrópicas. As principais hipóteses da proposta são: (i) O grau de resiliência dos diferentes componentes da biota do ELPA é variável, mas o ELPA como um todo é resiliente em longo prazo; (ii) Apesar das grandes oscilações de abundância das espécies e mudanças na estrutura das comunidades, o ecossistema tem permanecido estável em longo prazo, pelo menos desde que começaram os estudos na década de 70/80; (iii) A diversidade biológica afeta a funcionalidade ecológica das comunidades do ELPA através do aumento do número de tratos funcionais e/ou magnitude de processos (medidos em densidade, biomassa, estoque, produção ou taxas etc). Para testar estas hipóteses, o PELD-ELPA continuará o monitoramento de mais de 20 anos de variáveis abióticas e bióticas que incluem desde os produtores primários até predadores topo deste ecossistema. A análise utilizará a base de dados existentes, uma das mais longas e consolidadas da América do Sul, associada a uma diversidade de métodos de análise de ecossistemas e de processamento de dados históricos e atuais. Além dos aspectos científicos, a proposta prevê inúmeras ações de interação social e apoio a gestão ambiental e políticas públicas que irão contribuir para a educação, sensibilização e capacitação humana e institucional na mitigação e adaptação ao impactos naturais e antrópicos, incluindo maior previsibilidade e alerta precoce aos efeitos das mudanças climáticas. Todas essas contribuições estão alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e à Década da Ciência Oceânica da ONU (2020-30). A proposta também prevê a integração com outros sítios PELD por meio de estudos comparativos e oferecimento de cursos de qualificação em bancos de dados, tendo como base as experiências adquiridas no PELD-ELPA, bem como o lançamento das bases para uma futura rede de sítios PELD Costeiro-Marinhos com parceiros nacionais e internacionais. Pretende-se ainda utilizar as informações geradas nas últimas décadas para iniciar o processo de Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE), com a proposta de criar uma ou um mosaico de Unidades de Conservação, com diferentes níveis de uso e restrição dependendo das múltiplas relações possíveis entre significância ecológica e demanda socioeconômica das áreas do ELPA. A proposta fortalecerá as Ciências do Mar por meio da formação de alunos de graduação e pós-graduação em programas qualificados e via integração com pesquisadores do PELD- ELPA e outros colaboradores no Brasil e exterior. A realização dos estudos no tema de resiliência e estabilidade ecológica e de BEF serão importantes para a consolidação da ciência e tecnologia marinha brasileira. As ações de divulgação científica (midias sociais e outras plataformas) e de extensão em curso serão fortalecidas e ampliadas, incluindo ações na (i) comunidade local, (ii) na comunidade escolar, e (iii) com subsídios à Gestão Pública por meio da participação em fóruns de pescadores e meio ambiente com os diferentes atores sociais.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 07/12/2020-31/12/2024
Foto de perfil

Eduardo Resende Secchi

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • respostas do ecossistema pelágico às mudanças climáticas no oceano austral – ecopelagos
  • O último relatório Intergovernamental sobre alterações climáticas foi contundente em concluir que "o aquecimento do sistema climático é inequívoco...". A Península Antártica Ocidental (PAO) é uma das regiões do Planeta onde se registra o mais rápido aquecimento dos últimos 50 anos. A temperatura do ar superficial aumentou 2oC na média anual e 6oC na média do inverno. A temperatura da água superficial também aumentou mais de 1oC no mesmo período e cerca de 87% das geleiras da PAO estão em retração. A extensão do gelo marinho reduziu e sua duração média encurtou cerca de 90 dias, sendo o gelo perene não mais uma característica deste ambiente. Este padrão contrasta com as demais regiões da Antártica, inclusive com locais próximos, como a região leste da Península Antártica (Mar de Weddell), a qual é mais estável e não apresenta evidência óbvia dos efeitos do aquecimento global. As muitas espécies que vivem em áreas aquecidas e inalteradas oferecem uma oportunidade ímpar para comparar a resiliência de todos os níveis de organização biológica. Tais “condições experimentais naturais” existem em muitos poucos lugares na Terra, fazendo do ambiente marinho antártico um excelente “laboratório” para que aprendamos sobre as vulnerabilidades às quais está submetido e onde estão os pontos de inflexão para que possamos informar e contribuir cientificamente para uma política global que vise minimizar os efeitos das mudanças climáticas ao longo dos próximos anos, especialmente no que se refere à perda de biodiversidade. Além disso, a complexidade biológica e as histórias evolutivas do planeta sugerem que as tensões na função de ecossistemas polares podem ser fundamentalmente diferentes daqueles de regiões de latitudes mais baixas. Portanto, o entendimento de processos ecossistêmicos polares é fundamental para um debate ecológico amplo sobre a natureza da estabilidade e as possíveis alterações observadas e/ou esperadas em toda a biosfera em função das mudanças climáticas. As mudanças no clima Antártico e na dinâmica do gelo marinho afetam todos os níveis da cadeia alimentar, desde comunidades microbianas, produtores primários (fitoplâncton), krill e outros organismos zooplanctônicos, e peixes até predadores de topo, cujas histórias de vida apresentam diferentes graus de afinidade com o gelo. Dentro deste contexto, o Grupo de Oceanografia de Altas Latitudes (GOAL), sedeado na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), tem desenvolvido estudos, desde 2002, na porção norte da Península Antártica. Essa região é composta por um conjunto de ambientes únicos do ponto de vista oceanográfico, e engloba o Estreito de Bransfield, o Estreito de Gerlache, a porção noroeste do Mar de Weddell e a porção sul do Estreito de Drake. Vários destes ambientes têm se mostrado sensíveis do ponto de vista climático e, recentemente, vêm apresentando diversas alterações nas suas características físicas e biogeoquímicas, e na sua biota associada. Embora avanços significativos tenham sido alcançados nos últimos anos, os domínios biológicos e ecológicos do ambiente marinho Antártico permanecem, em grande parte, inexplorados. Os pesquisadores das ciências da vida antártica se dedicam ao entendimento sobre a evolução e a diversidade da vida marinha no Oceano Austral para determinar como esses processos produziram ecossistemas singulares. Porém, como o Oceano Austral é vasto e remoto, a coleta de dados físicos e biológicos in situ torna-se um enorme desafio. Informações provenientes de sensoriamento remoto, flutuadores e/ou fundeios oceanográficos, fornecem informações sinóticas sobre o ambiente físico do Oceano Austral que podem ser integradas em modelos numéricos ou estatísticos, e validados com dados in situ. Esta é uma abordagem eficaz para maximizar a utilidade de dados biológicos esparsos. Desta forma, o projeto EcoPelagos avança, em relação às pesquisas pretéritas do grupo, na qualidade, e diversidade de dados oceanográficos, por meio da ampliação espacial e temporal da coleta utilizando métodos tradicionais e contemporâneos (como a genômica e proteômica). Sua execução permitirá gerar informações fundamentais sobre a relação entre a biota e as variáveis físico-químicas do ecossistema Antártico. Fundamentalmente, permitirá expandir o entendimento sobre a estrutura e função biológica, desde o nível molecular ao ecossistêmico, projetar possíveis respostas e avaliar a capacidade de resiliência dos ecossistemas pelágicos antárticos perante as alterações climáticas. A pesquisa permitirá a detecção e projeção de suas respostas a futuras mudanças a partir da percepção de eventuais alterações nos processos biológicos, que estejam ocorrendo em regiões sob diferentes impactos das mudanças climáticas. Para tal, uma série de objetivos específicos são propostos, com enfoque inter e multidisciplinar, combinando abordagens observacionais, experimentais e in silico (modelagem). Essa abordagem multidisciplinar inovadora e de liderança, somada às parcerias internacionais estabelecidas, fortalecerá e qualificará as pesquisas na área de ciências da vida marinha, globalmente importantes, dentro do Programa Antártico Brasileiro. Este será um projeto ecossistêmico, que levará em consideração as interações entre os principais componentes da teia trófica pelágica, bem como a interação pelágico-bentônica, objetivando compreender como diferentes condições físico-químicas do ambiente, desencadeadas pelas mudanças climáticas, determinam os padrões de diversidade biológica, incluindo da plastisfera, as principais vias de fluxo de energia entre seus componentes e a saúde geral do ambiente marinho da PAO. A proposta está em sintonia com os novos programas de pesquisa da área de ciências da vida do Comitê Científico de Pesquisas Antárticas (SCAR). Além da contribuição científica e da formação de recursos humanos, o sucesso desta proposta ampliará a contribuição e o protagonismos da comunidade científica brasileira no cenário internacional das pesquisas polares.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 25/12/2018-31/12/2022
Foto de perfil

Eduardo Rodrigues Alves Junior

Ciências Humanas

Filosofia
  • motivando – feira de inovação e ciências
  • A presente proposta visa estimular a ciência e inovação em 35 cidades de Mato Grosso que correspondem a 56% da população mato-grossense, região que possui escassez de estímulo na ciência e de formação de alunos e professores nesta área. A proposta apresenta como importante diferencial a abrangência (o planejamento prevê que aconteça parcialmente online, inclusive a fase de capacitação), tendo como previsão alcançar 750 equipes, divididas nas categorias “Feira de Experimentos”, “Mostra Científica” e “Ideias inovadoras”. Todas as equipes inscritas passarão por capacitação focadas no desenvolvimento e melhoria de projetos em experimentos, pesquisa e inovação, visando sempre a solução de problemas da sociedade com uso de ciência e tecnologia. A etapa final do evento será presencial, com transmissão ao vivo, e com premiações motivadoras para estimular a participação dos alunos de ensino fundamental e médio, especialmente meninas e alunos de escolas públicas.
  • Centro Universitário de Várzea Grande - MT - Brasil
  • 10/02/2021-30/06/2023
Foto de perfil

Eduardo Santana de Almeida

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • uma investigação sobre o projeto e evolução de arquiteturas de linhas de produto de software
  • O objetivo deste projeto é investigar o projeto e a evolução de arquiteturas de linhas de produto de software com base em estudos quantitativos e qualitativos visando a identificação de um conjunto de evidências para auxiliar arquitetos de software no projeto arquitetural.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Eduardo Valério de Barros Vilas Boas

Ciências Agrárias

Agronomia
  • valorização de plantas alimentícias não convencionais
  • As plantas alimentícias não convencionais (PANCs) apresentam potencial nutricional, funcional e sensorial, embora ainda pouco explorado cientificamente. As PANCs têm sido alvo de pesquisas nos últimos anos. Não obstante, muitas incógnitas ainda precisam ser desvendadas, para que essas plantas passem a fazer parte, efetivamente, da alimentação do povo brasileiro, abrindo portas para o mercado internacional. Embora trabalhos científicos sobre frutos do cerrado já estejam disponíveis na literatura, eles ainda não foram explorados sob a perspectiva proteômica. O estudo proteômico desses frutos permitirá entender os mecanismos envolvidos na construção de sua qualidade, o que pode ser utilizado no desenvolvimento e otimização de técnicas de produção e conservação e em projetos de domesticação dessas espécies. Quanto às hortaliças não convencionais, poucos são os trabalhos disponíveis na literatura científica. O potencial nutricional e funcional, bem como a segurança de algumas dessas hortaliças ainda tem que ser comprovado. Ademais, técnicas de conservação, como o resfriamento e a modificação atmosférica, bem como de processamento mínimo devem ser investigadas, visando-se a máxima qualidade dessas PANCs e a saúde e segurança do consumidor. Logo, objetiva-se investigar as alterações no perfil proteico de frutos de Annona crassiflora (marolo), Campomanesia pubescens (gabiroba) e Caryocar brasiliense (pequi) durante seu desenvolvimento, associando-se o mapa proteico com a construção de sua qualidade. Ainda, objetiva-se avaliar o efeito do hidrorresfriamento, da temperatura de armazenamento, da modificação atmosférica e do processamento mínimo sobre a qualidade e vida útil das hortaliças não convencionais Amaranthus sp. (amaranto), Rumex acetosa (azedinha), Bassela alba (bertalha) e Sonchus oleraceus (serralha). O perfil proteico será obtido a partir de análises proteômicas, enquanto a qualidade das PANCs será avaliada utilizando-se análises físicas, químicas e bioquímicas.
  • Universidade Federal de Lavras - MG - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Eduardo Victorio Morettin

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • audiovisual e espaços de perpetração: imagens e lugares de memória das ditaduras do brasil e do cone sul
  • 1. O debate sobre a relação entre memória e violência política em contextos ditatoriais se tornou central no debate contemporâneo na pesquisa acadêmica, no direito internacional e nos movimentos sociais comprometidos com a democracia e com os direitos humanos. Dentro deste debate, a produção audiovisual tem sido o canal de representações sobre a violência de Estado e sua memória em períodos ditatoriais, formulando sínteses originais sobre essas experiências traumáticas. 2. Este projeto procura compreender o papel do audiovisual na construção de representações sobre a relação entre memória, política e violência de Estado durante as ditaduras militares do Cone Sul. 3. A maneira como uma cinematografia representa perpetradores e espaços de violência pode remeter às formas de memorização e apagamento da experiência traumática, aspectos que adensam as identidades políticas e sociais no processo de revisão histórica desse passado traumático, com implicações sociais e políticas que vão muito além da experiência estética em si mesma. 4. De que maneira o audiovisual e os espaços de memória, como museus e memoriais, nos países que sofreram a ditadura militar no Cone Sul representaram a experiência traumática da violência cometida pelo Estado? 5. Torre das donzelas (Suzanna Lira, 2018) reencena a prisão onde inúmeras militantes foram encarceradas no período ditatorial. Ao reconstruir o espaço da opressão em um estúdio de cinema, o longa-metragem propõe um lugar performático da memória, desvelando não apenas o cerco desferido aos corpos femininos, mas inclusive o afeto necessário às mulheres para lidar contra os abusos. 6. A metodologia está centrada na análise fílmica, definida pelo exame de seus aspectos narrativos (sonoro, visual, verbal), a partir da qual analisaremos as representações criadas pelo audiovisual e espaços de memória que indicam os regimes de memorização da experiência das ditaduras militares do Cone Sul.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 27/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Edvani Curti Muniz

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • desenvolvimento biotecnológico de hidrogéis produzidos a partir de fontes vegetais para uso eficiente da água e do solo: aplicação às áreas agrícola, ambiental e da saúde
  • Hidrogéis são redes poliméricas tridimensionais que têm capacidade de reter grande quantidade de água e/ou de outras moléculas hidrofílicas, mantendo sua integridade estrutural, e com resposta à variação de pH, temperatura, etc. Os hidrogéis são materiais avançados multifuncionais com muitas aplicações tecnológicas, podendo ser classificados como químicos ou físicos, dependendo do tipo de reticulação. Na área agrícola, os hidrogéis contribuem para o aproveitamento da água, aumentando retenção de água e a permeabilidade do solo em sistemas de irrigação e, assim, contribuir para aumento da produção de biomassa de forrageiras usadas na alimentação animal, e de diversos cultivares para consumo humano. A utilização de hidrogéis reduz a necessidade de irrigação, reduz a compactação, erosão e a lixiviação do solo melhorando o crescimento das plantas. Considerando o desenvolvimento tecnológico proposto no presente projeto, outras formulações serão desenvolvidas e poderão ser utilizadas como adsorventes de poluentes ou para liberação de solutos de interesse na área da saúde. Na área ambiental, os hidrogéis têm sido utilizados como adsorventes de íons metálicos ou de corantes, devido a grande quantidade de grupos funcionais. Na área da saúde, os hidrogéis serão usados como carreadores de fármacos, em muitas situações devido as suas respostas a pH, temperatura, etc. A equipe proponente tem larga experiência no tema e existem interações anteriores consolidadas entre os membros de várias IES. Os membros da equipe da presente proposta apresentam significantes contribuições, por meio de desenvolvimento de diversos tipos de hidrogéis e utilizando diversas estratégias de preparação. Muitas destas estratégias serão utilizadas nesta proposta, visando sinergismos entre os membros da equipe. Além disso, a experiência em efetiva aplicação dos materiais a serem desenvolvidos poderá resultar em efetivas contribuições para a área de materiais, especificamente na área de hidrogéis.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Elaine Almeida Delarmelinda

Outra

Multidisciplinar
  • desvendando a ciência brasileira do bicentenário para a promoção de novos cientistas rondonienses
  • O Projeto visa contribuir significativamente para o desenvolvimento científico e tecnológico e inovação da região Central de Rondônia, por meio da realização de exposição de CT&I e ciclo de palestras, como instrumento de popularização da ciência e melhoria dos ensinos fundamental e médio, e incentivo para jovens talentos seguirem carreiras técnico-científica e docente. Será executado em 06 (três) municípios do Território Central da de Rondônia, sendo Novo Horizonte, Alvorada do Oeste, Teixeropólis, Urupá, Ji-Paraná e Jaru, e alcançará um público (área urbana e rural) de aproximadamente de 2200 alunos. Será realizado durante a 19ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, realizado em 6 escolas (estaduais e escola da família agrícola) e contará com ciclo de palestras sobre o tema: “como se faz ciência e como ser um cientista?”, destacando para a carreira de cientistas locais e seus projetos de pesquisa. Também será realizada nessas escolas, a Exposição de CT&I intitulada: “Bicentenário da Independência: 200 anos de Ciência, Tecnologia e Inovação e as transformações no Brasil” com abordagem na evolução da ciência brasileira neste período, principais cientistas e suas descobertas que tem impacto na vida contemporânea. Neste evento, será destaque às mulheres brasileiras cientistas, que contribuíram efetivamente com suas conquistas e descobertas, como forma de incentivar a participação feminina no mundo das ciências. As ações serão divulgadas em rádios locais, e de forma digital, por redes sociais institucionais. Espera-se que este projeto contribua para a conscientização e reflexão da comunidade em geral, notadamente estudantes da educação básica, da contribuição da ciência, tecnologia e inovação para o avanço do Brasil nos últimos 200 anos. E, despertar o interesse dos estudantes, especialmente das meninas, para a carreira científica, a partir do contato presencial com cientistas locais e ampliar o conhecimento sobre a importância da ciência para o progresso nacional.
  • Universidade Federal de Rondônia - RO - Brasil
  • 12/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Elaine Christine de Magalhães Cabral Albuquerque

Engenharias

Engenharia Química
  • desenvolvimento de produto, baixo custo, para uso tópico associado ao tratamento de feridas como úlcera do pé diabético ou lesões da esporotricose.
  • Estima-se em dezesseis milhões o número de portadores de Diabetes Mellitus (DM) tipo 2 em 2019 no Brasil, ocupando o quinto lugar no mundo segundo dados da International Diabetes Federation. Desse número, cerca de 25% serão acometidos, ao longo de suas vidas, por lesões denominadas Úlcera do Pé Diabético (UPD), que resultam em alta morbimortalidade. Em 2020, mais de dez mil amputações foram realizadas ao custo de R$12 milhões aos cofres do SUS. Os ferimentos nestes pacientes infectam com frequência e evoluem rapidamente para formas graves que resultam em internações prolongadas, uso de antibióticos endovenosos, amputações e muitas vezes resultando em sepse e morte. O tratamento destas lesões necessita de curativos muitas vezes caros, importados e inacessíveis ao paciente. A Esporotricose é uma zoonose que no Brasil é causada pelo fungo Sporothrix brasiliensis, transmitido pelo gato, sendo responsável atualmente por uma epidemia que se alastrou por várias cidades brasileiras. Na Bahia, cidades como Salvador e Camaçari, notificaram mais de 100 casos cada, no ano de 2019. E, como toda doença negligenciada, o índice de subnotificações deve ser bastante elevado. O tratamento pode ser realizado com Itraconazol, terbinafina ou Iodeto de potássio oral, sendo demorado, geralmente, de 3-9 meses. Com base no exposto, formulações tópicas à base de iodo ganhou destaque desde o seu primeiro uso no tratamento de feridas no século XIX. Além disso, o uso de bioativos de plantas tem ganhado destaque e o óleo resina de copaíba tem se mostrado promissor em processos de cicatrização de lesões de pele. Assim, o desenvolvimento de formulações tópicas inovadoras para tratamento de úlceras de difícil resolução são de grande relevância clínica, tecnológica e comercial. O desenvolvimento de um produto à base de iodo/óleo de copaíba associados em um veículo semissólido com propriedades secativas se apresenta bastante atrativo, inovador e com grandes chances de resposta clinica relevante.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 07/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Elaine Corrêa Pereira

Ciências Humanas

Educação
  • investigações sobre a constituição da prática profissional de professores da educação básica das escolas do campo.
  • Este projeto de pesquisa aborda a temática da Educação do Campo e tem como objetivo geral investigar a constituição da prática profissional de professores da Educação Básica das Escolas do Campo, a partir dos aspectos culturais, sociais, econômicos e ambientais que permeiam esse contexto. Baseia-se em uma abordagem metodológica qualitativa, com o desenvolvimento de ações que incluem a implementação de um laboratório virtual colaborativo de formação de professores do campo, contendo atividades formativas para estes professores. As informações discursivas serão produzidas com base nas atividades formativas e serão analisadas por meio do método da Análise Textual Discursiva (ATD). Os sujeitos da pesquisa serão professores da Educação Básica das Escolas do Campo, da rede municipal e estadual, que participarão das atividades propostas. Dentre as contribuições do projeto, está a compreensão do processo formativo desses profissionais das Escolas do Campo, bem como, a proposição de possíveis ações e políticas públicas que possam fortalecer a Educação do Campo.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Elaine Cristina Pereira De Martinis

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • prospecção genômica e marcadores genéricos e espécie-específicos em bactérias láticas isoladas de diferentes matrizes para fomentar aplicações biotecnológicas
  • Bactérias láticas (BAL) podem ser consideradas “biofábricas” de compostos de interesse em saúde humana, animal e em alimentos, destacando-se a produção de peptídeos antimicrobianos (bacteriocinas), compostos antifúngicos, enzimas (lactase, proteinases) e vitaminas (complexo B), além do possível efeito de exclusão competitiva de patógenos quando administradas diretamente na forma de probióticos. O objetivo deste projeto é estudar detalhadamente o genoma de BAL comprovadamente produtoras de compostos de interesse biotecnológico, utilizando para isso culturas isoladas de alimentos variados por nosso grupo ao longo de quase 20 anos de pesquisa. Para isso, de acordo com nossa experiência recente em sequenciamento de genoma completo (WGS) e bioinformática, a utilização dessas ferramentas poderosas permitirá avançar na fronteira do conhecimento e potencialmente viabilizar a aplicação biotecnológica das culturas de BAL. Os resultados esperados estão relacionados a: (1) desenho de primers que permitam a prospecção de BAL de matrizes diversas; (2) entendimento da dinâmica de adaptação nicho-específica dos microrganismos, por meio de estudos comparativos, principalmente por análises de pangenoma, (3) proposição de novos genes marcadores de potencial biotecnológico, e (4) complementação de bancos de dados públicos com genomas de cepas de interesse biotecnológico oriundas de diversas matrizes alimentares e localidades, que podem ajudar a definir produtos de origem controlada (biogeografia), com alto valor agregado e possível geração de renda para o país.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Elaine Cruz Rosas

Ciências Biológicas

Farmacologia
  • novo derivado da isoniazida contra o mycobacterium tuberculosis: estudo do efeito hepatotoxico, toxicológico e na resposta imunológica
  • A tuberculose (TB) é uma doença causada pelo Mycobacterium tuberculosis (Mtb) e umas das principais causa de morte no mundo. As drogas anti-Mtb de primeira escolha foram desenvolvidas há mais de 4 décadas e apresentam efeitos adversos, o que prejudica a aderência ao tratamento e o surgimento de cepas multirresintentes. Esses fatores, tornam o tratamento da TB ainda mais complicado o que leva a necessidade do desenvolvimento de novos quimioterápicos com baixa toxicidade e alto potentencial tuberculostático ou tuberculocida. A isoniazida (INH) é um dos fármacos de primeira linha para o tratamento da tuberculose sendo altamente eficaz. No entanto, o seu metabolismo, que ocorre no fígado, envolve acetilação pela N-acetiltransferase (NAT-2) e biotranformação pelas isoformas do citocromo P450, gerando uma série de subespécies reativas. Esse processo lesiona os hepatócitos e induz uma alteração na resposta imune, o que pode induzir uma hepatite medicamentosa e causar lesão e/ou insuficiência hepática dificultando o tratamento. Nesse trabalho, avaliaremos a atividadade farmacotoxicológica de um derivado da INH, a hidrazida 4b, que foi eficaz contra o Mtb e mais potente que todos os anti-Mtb de primeira escolha, incluindo a INH. Estudaremos a hidrazida 4b em hepatócitos e macrófagos in vitro, observando a sua ação sobre as isoformas do CYP2E1, CYP2C19, CYP3A e CYP2D6, sobre a produção de TNF-alfa e IL-1beta e sobre a liberação alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST). Além disso, avaliaremos o comportamento dessa hidrazida após a administração oral em camundongos quanto a toxicidade aguda e por doses-repetidas usando como base as diretrizes da OEDC e quanto ao potencial hepatotóxico.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 23/06/2022-30/06/2024
Foto de perfil

Elaine Cruz Rosas

Ciências Biológicas

Farmacologia
  • avaliação do galato de metila na inflamação articular; estudo do mecanismo de ação e dos parâmetros farmacocinéticos e toxicológicos.
  • A artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune de alta incidência em adultos caracterizada pela inflamação articular que leva a perda da qualidade de vida e incapacitação. O processo inflamatório nas articulações é caracterizado pelo acúmulo de leucócitos no espaço sinovial como neutrófilos e macrófagos (Wong et al., 2004; Scott et al., 2010) e pela excessiva produção de radicais livres, enzimas de degradação de matriz e mediadores inflamatórios como citocinas, quimiocinas e mediadores lipídicos. A terapia para a AR foca em medicamentos com ação anti-inflamatória e modificadores do curso da doença. Contudo, a dificuldade no tratamento devido aos elevados custos, as incidências de infecções e distúrbios gastrointestinais promovem uma busca contínua para a identificação de novas entidades terapêuticas (Lajas et al., 2003). Produtos derivados de plantas que podem modular a expressão de sinais inflamatórios têm um potencial contra a artrite. Nosso grupo demonstrou que o galato de metila (GM), um ácido fenólico encontrado em diferentes espécies de vegetais, tem ação anti-inflamatória na artrite experimental induzida por zimosan (Correa et al., 2016) reduzindo a dor, edema, o acúmulo celular, a produção de citocinas IL-1, IL-6 e TNF-α, a expressão de NFkB e moléculas da via da MAPK (Correa et al, 2020). Recentemente demonstramos que o tratamento com GM por via oral foi eficaz na artrite induzida por antígeno ou por colágeno, modelos estes que se aproximam mais da fisiopatologia da doença. O tratamento durante 7 dias com GM inibiu a resposta inflamatória, degradação de cartilagem e perda óssea na artrite induzida por antígeno e não apresentou efeitos indesejados (Correa et al, submetido). Na presente proposta pretendemos aprofundar o conhecimento sobre a ação do GM na resposta de neutrófilos e macrófagos e avaliar seus parâmetros farmacocinéticos e toxicológicos, comparando com fármaco de referência metotrexato, usado na clínica para a terapia da artrite.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025