Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Suzana Quinet de Andrade Bastos

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • mudanças na composição dos índices de transgressividade no brasil (1991-2010)
  • As medidas de crimes violentos no Brasil têm crescido sistematicamente desde os anos de 1980, e a resposta é um maior esforço de combate e controle estatal; porém, as autoridades estatais não conseguem monitorar ubiquamente as atividades ilegítimas sob sua jurisdição. Embora sejam menos eficazes quanto aos crimes e mais difusos territorialmente, os controladores sociais (família, grupo religioso, escola e outros) podem atuar como efeito dissuasório primário mediante a socialização de crenças positivas de adesão a normas sociais e leis (instituições), de crenças negativas para sua violação, e a administração de sanções. Uma vez que a decisão criminal requer informação crível e que, na ausência de mercados ilícitos organizados, o criminoso recorre a outros canais de informação, tais como as experiências transgressivas e criminais pessoais e alheias, a densidade transgressivo-criminal de um local poderia carregar informação sobre o custo moral da entrada na “indústria” do crime. Essa perspectiva institucional de norma e dissuasão sociais, em geral, ainda representa uma lacuna a ser mais bem explorada na literatura aplicada de economia do crime. Ainda existe certa ambiguidade ou ausência de se estabelecer e validar estatisticamente os construtos de transgressividade (incapacitação, familiar-religiosa e educativa adulta), relacionando-os com o seu domínio teórico e dimensionalização. Portanto, este projeto de pesquisa inicialmente pretende elaborar os construtos de transgressividade das áreas mínimas comparáveis no Brasil e avaliar como a composição dos mesmos se alterou entre 1991, 2000 e 2010. Entretanto, esses construtos potencialmente formam múltiplas configurações distintas que se associam a uma alta (baixa) taxa de homicídio regional. Assim, esta pesquisa se estende ao identificar as combinações lógicas dos construtos de transgressividade e analisá-las comparativamente a fim de apontar os padrões regionais mais consistentes com a alta (baixa) taxa de homicídios de 1991, 2000 e 2010. Para atingir ambos os objetivos, esta pesquisa articulará a análise fatorial exploratória e confirmatória, modelo estrutural e uma análise configuracional. As duas primeiras técnicas estatísticas fornecerão os construtos de transgressividade, enquanto a segunda avaliará a robustez e relações dos mesmos. Ademais, as relações testadas no modelo estrutural corroborará com as combinações lógicas estabelecidas pela análise configuracional.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022